0
Overview Ricardo Amaral de Andrade
Cena do filme “O Exterminador do Futuro 1 (1987)” IDENTIFICATION DIVISION. PROGRAM ID. ACC. ENVIRONMENT DIVISION. WORKING-...
DIVISIONs <ul><li>IDENTIFICATION DIVISION. </li></ul><ul><ul><li>Fornece-se o nome do programa e detalhes adicionais de id...
....+.7A.1.B..+....2....+....3....+....4....+....5....+....6....+....7.. I DENTIFICATION DIVISION. P ROGRAM-ID.  HELLO. E ...
Identificadores <ul><li>Qualquer componente criado pelo programador, seja nome de arquivo, variável, nome de área temporár...
Literais Numéricos <ul><li>As constantes numéricas (ou variáveis numéricas), chamadas também de literais numéricos, devem ...
Literais Não-numéricos <ul><li>As constantes não-numéricas (ou variáveis de texto, ou string), chamadas literais não-numér...
Constantes Figurativas <ul><li>Além dos literais numéricos e não-numéricos, o COBOL disponibiliza outras constantes que po...
Resumo das Características Exclusivas do COBOL <ul><li>Os compiladores atuais portam o código COBOL para Macintosh e PCs (...
Níveis e Sub-níveis de Variáveis SUFIXO PREFIXO DDD DDI TELEFONE SUFIXO PREFIXO CEP PAÍS ESTADO CIDADE BAIRRO NÚMERO RUA E...
 
 
Pictures <ul><li>Indica o tipo do campo, seu tamanho, tratamento a ser dado pelo compilador quando usado e como será armaz...
 
 
 
 
 
 
Outro caso curioso da vida de Hopper, foi em 1945 quando o computador que utilizava, o Harvard Mark I, parou de funcionar....
A universalidade da linguagem COBOL ficou evidente, quando Hopper fez uma visita a um centro de computação no Japão. Ela e...
Obrigado! Dúvidas?
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

COBOL

4,263

Published on

Trabalho sobre COBOL

Published in: Technology, Business
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,263
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
124
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "COBOL"

  1. 1. Overview Ricardo Amaral de Andrade
  2. 2. Cena do filme “O Exterminador do Futuro 1 (1987)” IDENTIFICATION DIVISION. PROGRAM ID. ACC. ENVIRONMENT DIVISION. WORKING-STORAGE SECTION. 77 IDX PICTURE 9999. 77 SUM PICTURE 999999. 77 X PICTURE X. PROCEDURE DIVISION. BEGIN. ACCEPT X. MOVE ZERO TO IDX. MOVE ZERO TO SUM. PERFORM ACC UNTIL IDX = 1981.
  3. 3. DIVISIONs <ul><li>IDENTIFICATION DIVISION. </li></ul><ul><ul><li>Fornece-se o nome do programa e detalhes adicionais de identificação do mesmo. Hoje em dia, muitas das informações são descartadas. </li></ul></ul><ul><li>ENVIRONMENT DIVISION. </li></ul><ul><ul><li>É a divisão responsável pela ligação com o ambiente operacional que o programa rodará. </li></ul></ul><ul><li>DATA DIVISION. </li></ul><ul><ul><li>Descrevem-se os arquivos, os layouts dos registros e das áreas temporárias de memória utilizada. </li></ul></ul><ul><li>PROCEDURE DIVISION. </li></ul><ul><ul><li>Contém a lógica do programa. </li></ul></ul>
  4. 4. ....+.7A.1.B..+....2....+....3....+....4....+....5....+....6....+....7.. I DENTIFICATION DIVISION. P ROGRAM-ID. HELLO. E NVIRONMENT DIVISION. D ATA DIVISION. P ROCEDURE DIVISION. I NICIO. D ISPLAY 'Hello World!!!' S TOP RUN. Coluna para o asterisco (comentário) Colunas 1 a 6, que são ignoradas (antiga Área de Numeração) Margem A (note que apenas os nomes das divisões e dos parágrafos começam na coluna 8) Margem B (apenas os comandos lógicos iniciam na coluna 12 em diante)
  5. 5. Identificadores <ul><li>Qualquer componente criado pelo programador, seja nome de arquivo, variável, nome de área temporária, nome de seções e parágrafos deve seguir a seguinte regra de formação de identificadores: </li></ul><ul><li>Os identificadores devem ter no máximo 30 caracteres . </li></ul><ul><li>Os identificadores podem ter letras, números e o caractere hífen (&quot;-&quot;). Esta é uma das principais características do COBOL, que diferente das outras linguagens, interpreta o hífen como caractere válido para nome de identificadores. A diferenciação entre este e a operação de subtração está no fato que de os operadores matemáticos devem obrigatoriamente estar separados por espaços das variáveis da operação a ser realizada, caso contrário, isso gerará um erro de compilação. O mesmo acontece caso se tente terminar o nome de um identificador com o hífen, ou seja, o hífen não pode ser o último caractere de um identificador! </li></ul><ul><li>Devem começar por pelo menos uma letra. Está é uma característica comum entre as linguagens de programação. </li></ul><ul><li>Não se pode usar palavras reservadas para nomear identificadores, característica essa também muito comum entre as linguagens de programação existentes. </li></ul>
  6. 6. Literais Numéricos <ul><li>As constantes numéricas (ou variáveis numéricas), chamadas também de literais numéricos, devem seguir as seguintes regras: </li></ul><ul><li>Ter no máximo 18 dígitos (ou seja, ele só comporta um número de até 18 bytes) </li></ul><ul><li>Pode-se colocar um sinal de mais (+) ou menos (-) à esquerda do número (ocupando um byte a mais) </li></ul><ul><li>Um ponto decimal, ou vírgula, pode ser colocado no meio. Este ponto decimal não pode ser o último caractere do número (na verdade, essa é apenas uma convenção, porque declarar um número real sem casas depois da vírgula é a mesma coisa que declarar um inteiro!) </li></ul>
  7. 7. Literais Não-numéricos <ul><li>As constantes não-numéricas (ou variáveis de texto, ou string), chamadas literais não-numéricos, devem seguir as seguintes regras: </li></ul><ul><li>Pode conter no máximo 160 caracteres , incluindo os espaços em branco </li></ul><ul><li>Deve-se utilizar apóstrofo para delimitar o literal </li></ul><ul><li>Dentro do literal pode-se colocar qualquer caractere, menos o caractere delimitador (no caso, o apóstrofo) </li></ul>
  8. 8. Constantes Figurativas <ul><li>Além dos literais numéricos e não-numéricos, o COBOL disponibiliza outras constantes que possuem significado especial e são muito úteis em certos casos. Apesar de todas apresentarem mais de um formato, eles podem ser usados indiferentemente em qualquer situação. Os formatos existem para dar mais integridade de documentação do que de sintaxe. </li></ul><ul><li>Estas constantes são interpretadas pelo compilador no contexto diminuindo em muito a complexidade de certos testes e inicializações. </li></ul><ul><li>As constantes são: </li></ul><ul><li>ZERO , ZEROS ou ZEROES : sempre será entendido pelo compilador como um valor zerado. O formato interno será escolhido de acordo com a necessidade, não importando se o teste ou inicialização é de um campo alfanumérico, numérico normal, compactado ou binário. </li></ul><ul><li>SPACE ou SPACES : sempre será o espaço em branco. </li></ul><ul><li>HIGH-VALUE ou HIGH-VALUES : esta constante internamente significa que o campo possui todos os bits ligados. Nenhum valor possível será maior que o HIGH-VALUE. </li></ul><ul><li>LOW-VALUE ou LOW-VALUES : é a contrapartida do campo acima. Será sempre o menor valor possível para um campo. Nenhum campo possuirá valor menor que LOW-VALUE. </li></ul><ul><li>QUOTE ou QUOTES : usa-se essa constante quando se precisa imprimir o apóstrofo, mas como dito antes, o apóstrofo é o caractere delimitador de strings. O QUOTES substitui o apóstrofo por outro caractere delimitador, deixando-o livre para ser usado como um string. </li></ul>
  9. 9. Resumo das Características Exclusivas do COBOL <ul><li>Os compiladores atuais portam o código COBOL para Macintosh e PCs (DOS, Windows, Linux) e Mainframe. </li></ul><ul><li>Leitura do código é fácil, porque os comandos são bem próximos ao inglês fluente. </li></ul><ul><li>Única linguagem que aceita hífens em nomes de variáveis. </li></ul><ul><li>Comandos para cada operação matemática básica separados, e comando para fórmulas matemáticas </li></ul><ul><li>As variáveis são divididas por níveis, podendo uma variável ser parte de outra (ver exemplo seguinte) </li></ul>
  10. 10. Níveis e Sub-níveis de Variáveis SUFIXO PREFIXO DDD DDI TELEFONE SUFIXO PREFIXO CEP PAÍS ESTADO CIDADE BAIRRO NÚMERO RUA ENDEREÇO SOBRENOME NOME CLIENTE FICHA 04 03 02 01 NÍVEL
  11. 13. Pictures <ul><li>Indica o tipo do campo, seu tamanho, tratamento a ser dado pelo compilador quando usado e como será armazenado na memória. O tipo de um campo, em termos gerais, pode ser: </li></ul><ul><li>Alfabético : pode conter somente letras maiúsculas ou minúsculas e espaços em branco. O alinhamento do campo é feito pela esquerda, a não ser que seja declarado como JUSTIFIED RIGHT (alinhado a direita). É representado pela Picture “A”. </li></ul><ul><li>Alfanumérico : este formato de campo aceita qualquer caractere, seja letra, dígito ou outro caractere válido no sistema de representação utilizado no computador em questão (EBCDIC ou ASCII). O alinhamento de campos alfanuméricos é sempre feito pela esquerda, e é representado pela Picture “X”. </li></ul><ul><li>Numérico : só aceita números e sinal. Caso o campo possua outro tipo de dado, o programa será terminado com erro de execução. O alinhamento de um campo numérico é sempre feito pela direita, ou pela vírgula, quando existir, truncando o número em seus dígitos mais significativos caso o valor ultrapasse o tamanho indicado. O valor máximo que pode ser armazenado não pode ultrapassar 18 dígitos. É representado pela Picture “9”. </li></ul><ul><li>Estas são apenas as máscaras (Pictures) mais usadas, mas existem outras, complementares a essas, ou para utilizações diferentes das citadas. </li></ul>
  12. 20. Outro caso curioso da vida de Hopper, foi em 1945 quando o computador que utilizava, o Harvard Mark I, parou de funcionar. Ela fez uma varredura de detetive, em meio aos circuitos de válvulas e relês. Encontrou uma mariposa eletrocutada bloqueando uma chave elétrica. Usando uma pinça, ela extraiu a mariposa e a máquina voltou a funcionar normalmente. A partir daí, com seu tradicional bom humor, sempre que cobrada sobre o andamento de um projeto respondia: “Estamos desinsetizando (debugging) o computador” e o jargão debug pegou. Até mesmo em outras línguas, é usado até hoje como referência a correção de erros em programas. E parece difícil que algum dia venha a sair de uso. Por certo um técnico comum diria um palavrão e jogaria o bicho no lixo, deixando o caso para lá. Mas tratava-se de uma mulher e as mulheres, nós sabemos desde que comparamos os cadernos das meninas com os dos meninos, são mais caprichosas. Ela colou a mariposa com uma fita adesiva em seu meticuloso relatório que chamava de “diário de bordo”. Nele constava “O primeiro caso real de inseto (Bug) a ser encontrado”. Seu relatório virou literalmente peça de museu. BUG e Debug
  13. 21. A universalidade da linguagem COBOL ficou evidente, quando Hopper fez uma visita a um centro de computação no Japão. Ela e seus anfitriões não conseguiam se entender, até que ela lembrou de alguns comandos do COBOL. “ MOVE ”, disse ela apontando para si mesma, “ TO Osaka Hotel”. Os japoneses imediatamente entenderam e levaram-na para seu hotel.
  14. 22. Obrigado! Dúvidas?
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×