3º ano idade como fator de risco e sedentarismo

1,584 views
1,432 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,584
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
472
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

3º ano idade como fator de risco e sedentarismo

  1. 1. IDADE COMO FATOR DE RISCO:Uma das características da sociedade atual é o grande número de pessoas queatinge idade avançada, o que torna um problema novo a ser enfrentado pormédicos, sociólogos, psicólogos e assistentes sociais. Está relacionado aoprogresso mundial, ao aumento cada vez maior de pessoas preparando-se parauma vida mais longa, com melhores perspectivas de vida social epsicologicamente sadia.O número de pessoas com idade de 60 anos ou mais continua aumentandogradativamente. Os idosos, que em 1991 representavam 7,3% da população,em 2025 irão representar 15% 1. Na realidade, a segunda metade do séculoXX foi salientada pelo aumento absoluto de adultos. A expectativa de vidamédia está aumentando regularmente e espera-se que a média de idade no anode 2020 seja em torno de 73 anos, tanto para homens como mulheres. Amanutenção da saúde dessa população vem se tornando uma tarefa importantepara os médicos, no que se refere aos cuidados primários.Importante é pensar nas condições fisiológicas, fisiopatológicas e sociais,mesmo independentes da idade, que os diferenciam das demais faixas etárias,constituindo-se, desta forma, em uma camada da população comcaracterísticas e necessidades próprias.A velhice não é doença. É uma etapa da vida com características e valorespróprios, em que ocorrem modificações no indivíduo, tanto na estruturaorgânica, como no metabolismo, no equilíbrio bioquímico, na imunidade, nanutrição, nos mecanismos funcionais, nas características intelectuais eemocionais 2.São estas modificações que dificultam a adaptação do indivíduo no seu meio,exatamente pela falta de condições que favoreçam o envelhecimento bio-psico-social. A aparência do indivíduo se transforma, possibilitando atribuir-lhe uma idade quase sempre com pequena margem de erro. A pele se enrugaem conseqüência da desidratação e perda de elasticidade do tecido dérmicosubjacente. Há perda de dentes, atrofia muscular e a esclerose das articulaçõesacarreta distúrbios de locomoção. O esqueleto padece de osteoporose e ésujeito a fraturas ósseas. O coração tem seu funcionamento alterado, osórgãos dos sentidos são atacados.DOENÇAS CARDIACAS: Os riscos de uma doença silenciosa e que vem matandomuitas pessoas, que embora se sintam bem e não tenham nenhum sintoma, tem pressãoalta. A sociedade Brasileira de Hipertensão alerta para o fato de a hipertensão nãopossuir muitos sintomas confiáveis, mas pode causar em algumas pessoas dores decabeça,problemas de vista,tontura ou falta de ar.O sedentarismo está relacionado a 54% das mortes por distúrbios cardíacos e a 50% dosderrames fatais. Em comparação ao indivíduo fisicamente ativo, o sedentário tem 40%mais probabilidade de sofrer um infarto. Mas, antes de se inscrever numa academia oupartir para corridas no parque, é preciso consultar um médico.
  2. 2. Com o avanço dos anos, o sistema cardiovascular passa por uma série dealterações, tais como arterioesclerose, diminuição da distensibilidade da aortae das grandes artérias, comprometimento da condução cardíaca e redução nafunção barorreceptora.As estatísticas mostram que a maior causa de mortalidade e morbidade é adoença cardiovascular. A doença coronariana é a causa de 70 a 80% demortes, tanto em homens como em mulheres 4 e a insuficiência cardíacacongestiva, mais comum de internação hospitalar, de morbidade emortalidade na população idosa 5. Ao contrário da doença coronariana, ainsuficiência cardíaca congestiva continua aumentando. Assim, a preocupaçãomaior é com as doenças cardíacas, abandonando outras doenças ou medidaspreventivas tão importantes, que talvez contribuam para evitar os problemasno coração.PERDA DE MASSA MUSCULAR: A partir dos 30 anos de idade, o organismohumano dá início ao processo de sarcopenia, que popularmente é conhecido como"perda de massa muscular". Porém, não é motivo para entrar em pânico, mesmoporque, nesta faixa etária, o processo se desenvolve devagar.É entre a terceira e a quarta década de vida que temos nosso pico de massa magra, ouseja, de músculos. "Depois disso, de forma natural e lenta, sofreremos seu declínio.Mas é só a partir dos 60 anos que a perda se tornará acentuada e significativa".Contudo, você deve desde já cuidar de seus músculos, retardar o processo de perdada massa muscular e evitar sérios problemas na terceira idade. Afinal, já estácomprovado que idosos com deficiência de massa muscular correm mais risco dequedas.Portanto, é fundamental adotar desde a juventude a prática de exercícios físicos deforma regular, programada, orientada e com objetivo de manutenção. "Os exercíciosfísicos feitos com regularidade são mais importantes que a intensidade e funcionamcomo uma poupança que se faz ao longo dos anos. Assim, quando a pessoa estiver commais idade, poderá ter mais saúde e disposição".Lembre-se de que a manutenção da massa muscular é fundamental por uma questão desaúde e não de estética. "Os músculos ajudam na proteção dos órgãos internos, sãoresponsáveis pelos nossos movimentos e estabilidade e, em casos de emergência,também são fonte de energia. Por isso seu declínio está associado a fraqueza,incapacidade e morbidade".Musculação e outras modalidades são boas opções!Os exercícios mais eficazes são os de musculação, feitos com sobrecarga e contra-resistência, pois focam diretamente a ação da contração muscular, mas também podemser eficazes aulas de dança, ioga, tai chi chuan, entre outros.Todos os movimentos corporais do cotidiano, como caminhar, subir escadas, carregaras compras do supermercado ou ficar em pé em filas também ajudam.
  3. 3. A perda da massa muscular ao longo dos anos terá forte impacto na capacidadefuncional da pessoa e nas suas atividades do cotidiano provocando dificuldades paraandar ou até mesmo se levantar de uma cadeira.Portanto, quanto antes você começar a se cuidar, melhor. "É preciso que as pessoasaprendam que doença não é sinônimo de velhice e que se pode perfeitamente envelhecercom saúde e qualidade de vida".PERDA DE MASSA ÓSSEA: Em torno dos 18 anos o crescimento do esqueleto estáquase completo. A quantidade do pico de massa óssea alcançado, e a subseqüente taxade perda são os fatores-chave para a massa óssea depois na vida. Há evidênciasubstancial de que os exercícios físicos desempenham um papel importante na aquisiçãode massa corporal na juventude. Atividades de alto impacto e de levantamento de peso,correr, pular, jogar futebol e vôlei, parecem ser as mais benéficas para o esqueleto. Osganhos proporcionados por essas atividades parecem ser mais pronunciados noesqueleto periférico do que na espinha lombar.Enquanto provavelmente 97% da massa óssea é adquirida até os 18 anos de idade, temsido observado aumento de densidade óssea até a terceira década de vida. Em algunscasos, até um aumento moderado de atividade física por mulheres entre 20 e 30 anospode aumentar a densidade óssea e, potencialmente, diminuir o risco em longo prazo defraturas.A maioria dos estudos em mulheres pré-menopausa demonstrou o efeito positivo deexercícios, com as atividades de maior impacto e carga produzindo os maioresbenefícios para o esqueleto. Os efeitos da atividade física foram mais pronunciadosentre aquelas que eram menos fisicamente ativas, uma observação que também foi feitaem outras faixas etárias também.Claramente há vários outros fatores além do exercício que afetam o pico de massaóssea. Situação hormonal, composição corporal, ingestão de nutrientes e uso demedicamentos também são influências importantes para a densidade óssea.
  4. 4. SEDENTARISMOO que é? • Pode ser definido como falta de atividade física suficiente e pode afetar a saúde da pessoa, o sedentarismo é considerado a doença do século, por que as pessoas junto com o modernismo acomodaram-se com tanta facilidade, o problema é que o sedentarismo está cada vez mais presente na vida das pessoas, e junto com ele veio às doenças.Consequências: • A falta de exercícios tem como consequências doenças como hipertensão, doenças respiratórias crônicas e problemas cardíacos, além da regressão funcional, perda da flexibilidade articular. Pesquisa mostram que mais de 60% da população brasileira não pratica exercícios físicos.Quando acontece? • O Sedentarismo acontece quando a pessoa gasta poucas calorias diárias com qualquer tipo de atividade física, pessoas que não tem costume de fazer qualquer exercício. • Exercícios como subir escadas em vez de utilizar elevadores, caminhar, andar de bicicleta ou mesmo passear com o cachorro são atividades que estimulam o bem estar físico e mental e reduzem, de forma eficaz, as consequências ligadas à inatividade, são exercícios simples como esses que ajudam a combater o sedentarismo e melhora a vida.Benefícios da Atividade Física: reduz os riscos de morrer prematuramente, evita doenças cardiovasculares, reduz os riscos de desenvolver diabetes, pressão alta e câncer de colon, controla o peso corporal e ajudam a manter os músculos, ossos e articulações saudáveis.

×