Crítica literária

3,062 views
2,989 views

Published on

Published in: Education, Business, Technology
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,062
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Crítica literária

  1. 1. Crítica literária: origens Profa. Maria Eneida Matos da Rosa
  2. 2. Termo e conceito de crítica literária <ul><li>A palavra “crítica” é tão largamente usada em tantos contextos – desde o mais familiar até o mais abstrato, desde a crítica de uma palavra ou de uma ação até a crítica política, social, histórica, musical, artística, filosófica, bíblica – que devemos limitar-nos à crítica literária (WELLECK, 1073: 29); </li></ul>
  3. 3. Segundo Massaud Moisés, <ul><li>“ Sendo posterior às obras criadas a crítica surgiu tempos depois que se elaboraram, na Grécia, os primeiros poemas e peças de teatro. Inicialmente, o termo se vinculava à Lógica, mas já no século IV a.C a crítica estética era pratica entre os gregos, mas sem a menção do nome, porquanto a palavra “crítico” apenas se usava na acepção de “censor literário”, vizinha de “gramático” (p. 113). </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Em grego, krités, significa “juiz”, krinein , “julgar”. O termo kritikós , como “juiz de literatura”, já aparece em fins do século quarto antes de Cristo (WELLECK, 1973: 30). </li></ul><ul><li>Galeno no segundo século depois de Cristo, escreveu um tratado, hoje perdido, a respeito da questão de poder alguém ser kritikós e, ao mesmo tempo, gramatikós. </li></ul><ul><li>Retóricos como Quintiliano e filósofos como Aristóteles cultivavam o que em vernáculo seria hoje chamado de crítica literária. </li></ul>
  5. 5. Na Idade Média e no Renascimento <ul><li>A palavra aparece muitas vezes ligada como termo de Medicina, no sentido de “crise” e doença “crítica”; </li></ul><ul><li>Já no Renascimento, a palavra foi novamente usada no seu antigo significado; </li></ul>
  6. 6. Renascimento <ul><li>Julius Cesar Scaliger (1484-1558) parece ser a principal fonte da nova concepção de crítica naquela época. Na sua obra póstuma Poética (1561), todo o sexto livro, intitulado “Crítico”, é dedicado a uma vista geral de poetas gregos e romanos, comparando-os, aferindo-lhes valor, classificando-os”(WELLECK, 1973: 31). </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Importante chamar atenção para o fato de que a penetração do termo neolatino nas línguas vernáculas foi bem mais lenta do que se supõe; </li></ul><ul><li>Welleck (1973) assevera que a expansão do termo, com o sentido tanto de sistema total da teoria literária como do que chamaríamos crítica prática, só ocorreu no século XVII; </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Livros modernos que têm como título “Crítica literária na Renascença” estão intitulados erroneamente uma vez que o século XVI discutiu essas questões sob o nome de poética e retórica. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>“ O termo “kritik”, “kritisch” surgiu na Alemanha vindo da França nos começos do século XVIII. Destacam-se nomes como August W. Schlegel e Adam Müller; </li></ul><ul><li>Mas na Alemanha algo aconteceu que baniu o termo e o conceito e restringiu tanto seu sentido a ponto de ele vir a significar apenas a resenha cotidiana, a opinião literária arbitrária (WELLECK, 1973: 36). </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Nos países de língua inglesa, o predomínio da palavra “crítica” foi reconfirmado por livros como Principles et Literary Criticism (1924) de I.A.Richards, pela voga da expressão “A Nova Crítica”; </li></ul><ul><li>A crítica tornou-se algo como uma visão total do mundo ou mesmo um sistema de filosofia. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Welleck fala acerca da confusão estabelecida em relação ao uso do termo “crítica” ao longo do tempo, bem como a diferença metodológica estabelecida em vários países. Mas, para ele, “crítica literária”, trata-se do estudo de obras concretas de literatura com ênfase na avaliação das mesmas. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Ele acredita ainda que se deve conservar a distinção entre teoria, relativa aos princípios, categorias, modelos, etc,, e crítica, como discussão de obras concretas de literatura. </li></ul>
  13. 13. Referências bibliográficas <ul><li>MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários . São Paulo: Cultrix, 1984. </li></ul><ul><li>WELLECK, René. Conceitos de crítica. São Paulo: Cultrix, 1973. </li></ul>

×