Your SlideShare is downloading. ×
C:\Fakepath\Utf8 Caracterã­
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

C:\Fakepath\Utf8 Caracterã­

162
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
162
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Hipólito
    Eurípedes
  • 2. Eurípedes: bibliografia do autor
    Eurípedes foi um importante poeta da Grécia Antiga, nasceu em 485 a.C. na ilha grega de Salamina e morreu em 406 a.C. na cidade de Pela (Macedônia). 
    Ao lado de Sófocles e Ésquilo, Eurípedes é considerado um dos grandes poetas trágicos gregos. De acordo com estudiosos do período, estima-se que escreveu cerca de 95 peças trágicas. Porém, somente 18 chegou até nossa época.
    Em suas peças, Eurípedes abordou questões psicológicas, mitos e a tragédia dos vencidos.
  • 3. Hipólito: resumo da obra
    A obra inicia com a fala da deusa Afrodite, que afirma ter criado um plano para acabar com o herói devido este, devoto da deusa Ártemis, permanecer culto e renegar à deusa do amor;
    Ela então faz com que sua madrastra Fedra apaixone-se por ele, esta sofria em silencio até que sua criada a pede para contar-lhe o mal pelo qual definhava;
    A criada, ao descobrir o segredo, vai à Hipólito para contar-lhe, este fica indignado pela proposta que a ama faz e repudia as mulheres, e por ter jurado diz que não contara nada ao seu pai, Teseu que estava viajando;
  • 4. Hipólito, furioso, vai para a floresta prometendo voltar somente quando seu pai retornar;
    Sem saber o que fazer a rainha expulsa a sua ama, uma vez que esta fez isso quanto a sua vontade e resolve, de vez, da um fim na sua própria vida;
    Quando Teseu retorna ao castelo encontra uma multidão que anuncia a morte de sua esposa, que enforcara-se, este fica desconsolado e muito triste, chora a morte de sua esposa, quando percebe que ela deixou um bilhete peso á mão;
    Tal bilhete dizia que Hipólito havia sujado a casa de Teseu, violando pela força Fedra;
  • 5. O rei na ira laça uma praga ao filho, ao lhe pedirem que retire a praga, ele a modifica;
    Quando Hipólito chega e vê a madrasta morta, lamenta sua morte e seu pai o repudia para longe do Atenas, ele avisa seu pai que ele estava cometendo um erro a o julgar culpado, uma vez que Hipólito era o homem mais virtuoso da terra, mas Teseu estava irado e não volta atrás;
    Hipólito então vai embora e acaba morrendo por obra de Possidão, a quem Teseu havia feito o pedido; o corpo de Hipólito é levado de volta ao pai
  • 6. A deusa Ártemis revela à Teseu da inocência de Hipólito à calunia de Fedra, sendo que esta é quem estava apaixonada pelo enteado;
    Teseu se da então conta do erro que comente e lamenta sua desventura e sua solidão.
  • 7. Características do gênero trágico
    A tragédia tem a sua origem no mesmo contexto em que surgiu o teatro. Quando os rituais primitivos era o elo entre os homens e seus deuses. Possuía um caráter nobre dentro das comemorações ao deus da fertilidade.
    Tragédia não encoraja as paixões mais na verdade, livra delas o espectador. Ela consegue perceber como as emoções perturbadoras se encaixam em um mundo harmonioso com doses de piedade e terror.
    O filósofo Aristóteles em sua “Arte Poética” organizou a tragédia em seis elementos: enredo, caráter, pensamento, elocução, espetáculo e melopéia (música).
  • 8. Características da obra
    1.Caráter Elevado
    H.[...]Ó Zeus, por que alojaste em meio aos homens sob a luz deste sol, o mulherio, esse flagelo desleal? Por quê? Para multiplicar a espécie humana, era escusado usares desse meio; bastava que levássemos aos templos um pagamento em ouro, ferro ou bronze, para comprar a prole, cada qual segundo a avaliação de sua oferta, sem mulheres em nossa moradia. Que a mulher é um flagelo desmedido posso provar; o pai que a gera e cria estabelece um dote a quem a leve, a quem o livre de tamanha praga.[...]
    H.[...]Para purificar-me dessa mancha, vou lavar meus ouvidos n’água viva. Eu que só de escutar propostas, me considero impuro.[...]
    H.[...]Que morrais ambas! Eu jamais me farto de odiar as mulheres.[...]
    H.[...]Enxergas esta luz? Vês esta terra? Nelas não há, por mais que negues, homem mais virtuoso que eu.[...]
  • 9. 2.Hybris
    T.[...] Hipólito atreveu-se a violar pela força meu tálamo nupcial, sem respeito ao supremo olhar de Zeus.[...]
    T. [...] Vou desterrá-lo para que o fira um de dois destinos: ou Posidão, cumprimento o meu desejo, morto o enviará para a mansão do Hades.[...]
  • 10. 3.HamartiaErro trágico
    T.[...]Expulso daqui, hás de, no exílio, errante, consumir a vida em dores. Assim é que paga um sacrilégio.
    T.[...] Parte quanto antes! Sai da terra pátria!
  • 11. 4.Sofrimento ConscienteHipólito
    H.[...]Ó Zeus, possa eu morrer se sou ruim e, eu morto ou contemplando a luz, meu pai se dê conta de quanto assim me ultraja.[...]
  • 12. 5.Sofrimento ConscienteTeseu
    Voz:[...] Venho tornar claras a inocência da alma de teu filho.[...] Ele, por ser honesto, repeliu as propostas da ama e, por piedoso, não traiu o segredo que jurara, mesmo quando o trataste ignobilmente.[...]
    T. Que desventura a minha!
    T. Senhora, que eu pereça!
  • 13. Catarse
    A obra trágica é tida como “ a imitação de uma ação nobre e completa[...] apresentada de forma dramática e não narrativa, provocando, por meio de incidentes que inspiram terror e piedade, a catarse dessas emoções”
    Tal catarse é fundamental para uma obra ser considerada trágica, e esta dar-se no momento em que o pai de Hipólito da conta do erro que cometeu e percebe sua solidão, aqui o leitor pode então sentir a catarse ou a purificação, uma vez que vê o erro de Teseu, que não deve ser repetido.