C:\Fakepath\Literatura De InformaçãO Versus Literatura Indianista

  • 308 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
308
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Literatura de informação versus literatura indianista – ATIVIDADE AVALIATIVA Profa. Maria Eneida Matos da Rosa
  • 2. Segundo Regina Zilberman,
    • “[a] América já existia na imaginação européia antes de ser descoberta. Não tinha esse nome, mas já correspondia a uma imagem em que se combinavam de um lado, informações tidas como objetivas, encontradas em obras de cientistas e filósofos, de outro, fantasias estimuladas pela literatura clássica” (p. 09).
  • 3. A invenção da imprensa
    • Com o advento da imprensa a imagem edênica e fantasiosa acerca do novo mundo foi multiplicada: “Gravuras e descrições publicadas em livros asseguravam simultaneamente o cunho científico e a verossimilhança da imagem”(ZILBERMAN, 1994: 10)
  • 4. “ Creiam-me, Vossas Majestades, que essa terra é a melhor e mais fértil, temperada, plana e boa que tem no mundo”. (Cristóvão Colombo)
  • 5. Propaganda do Novo Mundo
    • É esta província mui abastada de mantimentos de muita substância e menos trabalhosos que os de Espanha. Dão-se nela muitas carnes, assim naturais dela, como das de Portugal, e maravilhosos pescados;onde se dão melhores algodões que em outra parte sabida, e muitos açúcares tão bons como na ilha da Madeira. (...) Em algumas partes dela se dá trigo, cevada e vinho muito bom, e em todas todos os frutos e sementes de Espanha, do que haverá muita qualidade, se Sua Majestade mandar prover nisso com muita instância e no descobrimento dos metais que nesta terra há, porque lhe não falta ferro, aço, cobre, ouro, esmeralda, cristal e muito salitre; e em cuja costa sai do mar todos os anos muito bom âmbar; e de todas estas e outras podiam vir todos os anos a estes reinos em tanta abastança, que se escusem os que vêm a eles dos estrangeiros, o que se pode facilitar sem Sua Majestade meter mais cabedal neste Estado que o rendimento dele nos primeiros anos; com o que pode mandar fortificar e prover do necessário à sua defesa, o qual está hoje em tamanho perigo,que se nisso caírem os corsários, com mui pequena armada. (Gabriel Soares de Sousa. Tratado descritivo do Brasil)
  • 6. Visão do nativo – puramente descritiva
    • Pelejam estes índios com arcos e flechas, no que são muito destros, e grandes caçadores e pescadores de linha, e grandes mergulhadores, e à flecha matam também muito peixe, de que se aproveitavam quando não tinham anzóis. As suas casas são mais fortes que as dos tupinambás e do outro gentio, e têm as suas aldeias mui fortificadas com grandes cercas de madeira. São havidos estes tamoios por grandes músicos e bailadores entre todo o gentio, os quais são grandes componedores de cantigas de improviso, pelo que são mui estimados do gentio, por onde quer que vão. Trazem os beiços furados e neles umas pontas de osso compridas com uma cabeça como prego, em que metem esta ponta, e para que não caia a tal cabeça lhe fica de dentro do beiço por onde a metem.Costumam mais em suas festas enfeitarem-se com capas e carapuças de penas de cores de pássaros (Gabriel Soares de Sousa. Tratado descritivo do Brasil) .
  • 7. Terra lucrativa e generosa
    • “ A manifestação de deslumbramento perante a região, avaliada conforme parâmetros herdados da tradição bíblica e medieval, não é, contudo, o objetivo principal das obras”
    • Mas assevera Zilberman,
  • 8.
    • “ O rol detalhado e rigoroso tem propósito definido: salienta o valor mercantil dos produtos existentes. Enquanto assinala as propriedades edênicas e medicinais da natureza, o cronista enfatiza a lucratividade de seus componentes e os ganhos a serem auferidos, com sua exploração, por colonizadores e a Coroa portuguesa” (ZILBERMAN, 1994: 20).
  • 9. Segundo Antonio Candido (2000),
    • “ Os primeiros estudiosos da nossa literatura, no Romantismo, se preocuparam em determinar como ela surgiu aqui (...). E como era época de exigente nacionalismo, consideravam que lutara dois séculos para se formar, a partir do nada, como expressão de uma realidade local própria, descobrindo aos poucos o verdadeiro caminho” (p.89), qual seja, a descrição da natureza e do índio.
  • 10. Identidade nacional – em construção
    • A literatura nesse sentido, tentou seguir um processo retilíneo de abrasileiramento, por descoberta da realidade da terra ou recuperação de uma posição idealmente pré-portuguesa, quando não anti-portuguesa (CANDIDO, 2001: 89);
  • 11. Identidade nacional – em construção Romantismo
    • “A fase culminante da nossa afirmação – Independência política e o nacionalismo literário do Romantismo – se processou por meio de verdadeira negação dos valores portugueses...” (CANDIDO, 2000: 111)
  • 12. Literatura de informação versus literatura indianista - ATIVIDADE
    • Partindo das palavras de José de Alencar sobre a sua obra: “A primitiva (fase literária), que se pode chamar aborígene, são as lendas e os mitos da terra selvagem conquistada; são as tradições que embalaram a infância do povo, ele escutava como o filho a quem a mãe acalenta no berço com as canções da pátria, que abandonou”, fazer uma análise comparatista entre a literatura de informação e a literatura indianista (Romantismo).
  • 13. Referências
    • CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: T.A. Queiroz, 2000.
    • ZILBERMAN, Regina. A terra em que nasceste. Porto Alegre: Editora da Universidade, UFRGS, 1994.