C:\Fakepath\Em Defesa Dos Quadrinhos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

C:\Fakepath\Em Defesa Dos Quadrinhos

on

  • 1,580 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,580
Views on SlideShare
957
Embed Views
623

Actions

Likes
0
Downloads
10
Comments
0

15 Embeds 623

http://outrasliteraturas.blogspot.com.br 285
http://outrasliteraturas.blogspot.com 229
http://outrasliteraturasii.blogspot.com 52
http://outrasliteraturasii.blogspot.com.br 29
http://outrasliteraturas.blogspot.pt 9
http://www.slideshare.net 8
http://outrasliteraturas.blogspot.de 2
http://www.outrasliteraturas.blogspot.com 2
http://www.outrasliteraturasii.blogspot.com 1
http://outrasliteraturas.blogspot.mx 1
http://outrasliteraturas.blogspot.ca 1
http://outrasliteraturas.blogspot.com.ar 1
http://outrasliteraturasii.blogspot.pt 1
http://outrasliteraturasii.blogspot.com.es 1
http://outrasliteraturasii.blogspot.it 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • q

C:\Fakepath\Em Defesa Dos Quadrinhos Presentation Transcript

  • 1. Em defesa dos quadrinhos Profa. Maria Eneida Matos da Rosa
  • 2.
    • Embora a literatura sempre tenha estado presente na programação escolar, não existe, necessariamente, um vínculo entre o literário e a aprendizagem de ler e escrever;
    • A relação, instituída através do código escrito, entre o falante e sua língua realiza-se de modo passivo e normativo;
  • 3.
    • As crianças e adolescentes leem histórias em quadrinhos e é na escola que se capacitam a fazê-lo;
    • Qual é, porém, a atitude da escola perante esta produção?
  • 4.
    • Na escola, não se encontra fácil concessões ao ludismo;
  • 5.
    • A seleção de textos, a programação de autores, norteando-se pelo vestibular que, um dia, será feito, torna altamente estereotipada a literatura escolar;
  • 6.
    • A relação do aluno com a literatura que frequenta a sala de aula se dá pela memorização de alguns nomes, registro de alguns títulos e, excepcionalmente, pela lembrança de algumas impressões de leitura;
  • 7.
    • A escola não se interessa pela formação do leitor, mas pelo aspecto formativo do texto e/ou sua serventia no estudo da língua auxiliar da gramática;
  • 8.
    • A escola, nesse sentido, despreza o gênero (histórias em quadrinhos), colocando-o no limbo das leituras extraclasse;
  • 9.
    • Sabe-se que a escola consagra o acadêmico por oposição à cultura popular e à de massa produzidas ou consumidas espontaneamente, para lá dos muros da escola;
    • A escola mostra-se comprometida com os postulados que justificam e transmitem os valores e da ideologia dominante;
  • 10.
    • Tais textos, geralmente, mostram-se pontuados pelo humor, e a escola parece considerar tais elementos, assim como qualquer forma de descontração, incompatíveis com a sua seriedade;
  • 11. A justificativa para a desconsideração de tal gênero:
    • 1˚) a natureza híbrida das HQs, compostas por signos visuais e verbais, não estimula o hábito de ler, pois o imediatismo da imagem visual provoca a preguiça de decodificar o verbal;
  • 12. A justificativa para a desconsideração de tal gênero:
    • 2˚) por serem histórias destinadas a um amplo público, caracterizam-se por um alto grau de redundância, constituindo-se em mensagens estereotipadas que nada acrescentam à bagagem em formação da criança.
  • 13. De outro lado,
    • Há que se considerar o fato de que a imagem mental que se forma a partir da projeção visual, difere da mera projeção sobre a retina. (...)
    • Os desenhos não substituem os conceitos, apenas os induzem através de formas estruturais, recorrendo à percepção para chegar ao pensamento;
  • 14. Nesse caso,
    • Se a escola concluir que tal procedimento – o do incentivo visual – prejudica o desenvolvimento do raciocínio, deverá, por coerência, suprimir das salas de aula e dos livros didáticos os esquemas, mapas, os diagramas, etc.
  • 15. Não podemos esquecer que
    • Essa baixa informação visual e verbal instiga, portanto, um preenchimento por parte do leitor;
    • Distancia-se, portanto, da questão da passividade;
  • 16.
    • São bastante conhecidas as abordagens críticas que, na década de 70, sob os auspícios da semiologia, “desmascararam a aparente inconsequência do mundo dos gibis”;
    • As teses de Moacy Cirne trouxeram à tona a ideologia latente no mundo dos super-heróis;
    • Dorfman e Mattelart revelaram não ser tão dócil e inocente o mundo dos personagens da Disney;
  • 17.
    • O Super-Homem, o Capitão América, a família Donald e seus amigos, encarnações de uma sociedade capitalista colonizadora como a americana, estimulou um considerável número de pesquisas que alarmaram educadores à responsabilidade de seu ofício;
  • 18. A estudiosa alerta contudo, para obras como
    • Peanuts (Snoopy) e Mafalda , de Charles M. Schultz e Quino, respectivamente;
    • Não é meigo, nem doce o mundo infantil de Snoopy;
    • O líder do grupo e personagem principal, Charlie Brown, é um anti-herói;
  • 19. Peanuts
    • Polariza a atenção do leitor, como uma criança que busca ansiosamente comunicação, que ambiciona popularidade, mas cuja ingenuidade e inabilidade o conduzem sempre para o insucesso.
  • 20. Mafalda
    • Já a obra do cartunista argentino reúne um grupo de crianças de uma sufocada classe média, cujos problemas não são psicológicos, mas são gerados por circunstâncias sócio-político-econômicas;
  • 21. Mafalda
    • Os personagens – Miguelito apresenta problemas de identidade, Susanita se inquieta com o futuro, mas Mafalda, protagonista, apresenta uma consciência eminentemente política;
  • 22. Mafalda
    • Com humor que proporciona uma leitura divertida, a obra realiza, no gênero, a feliz conciliação do lúdico e do emancipatório, oportunizando a identificação com esses heróis do dia a dia e estimulando, pela exemplaridade, a postura crítica e o debate.
  • 23. Referência
    • MAGALHÃES, Lígia Cadermatori. In.: ZILBERMAN, Regina. (org.) Em defesa dos quadrinhos. In.: A produção cultural para a criança. 4. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1990.
  • 24. Atividade
    • Dividir-se em grupos e escolher HQs ou gibis que possam ser utilizados em aula. Se possível, escolher histórias que tratem temas da atualidade: problemas sócio-econômicos, violência, conflitos psicológicos, temáticas políticas como guerras ou temas históricos, etc.
  • 25. A partir da escolha das obras, responda as seguintes questões:
    • Em que medida podemos, como educadores, fazermos uso de obras, produto da cultura de massa, para trabalharmos em sala de aula com alunos adolescentes?
    • É possível formarmos leitores a partir da leitura de tais obras? Justifique sua resposta.
  • 26. A partir da escolha das obras, responda as seguintes questões:
    • Após constatar a existência de conflitos ou assuntos referentes a problemas da contemporaneidade, verificar até que ponto a leitura de tais obras contribuem para o enriquecimento do ensino-aprendizagem em sala de aula. Como tais temáticas podem ser abordadas no espaço de ensino?
  • 27. A partir da escolha das obras, responda as seguintes questões:
    • Que tipo de estratégias de ensino-aprendizagem podem ser utilizadas no universo escolar? Tente comentar alguns aspectos sobre o gibi selecionado, aspectos positivos e negativos.
    • OBS.: Tente pensar no fato de que os alunos vão na contramão do que é solicitado em aula, de modo que o ideal não seria proibir tais leituras, mas tentarmos enfocarmos assuntos relevantes dentro do contexto abordado na HQ.