Inteligências Múltiplas<br />O Conceito<br />O conceito de Inteligências múltiplas surge devido ao facto de Gardner acredi...
Inteligências Múltiplas
Inteligências Múltiplas
Inteligências Múltiplas
Inteligências Múltiplas
Inteligências Múltiplas
Inteligências Múltiplas
Inteligências Múltiplas
Inteligências Múltiplas
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Inteligências Múltiplas

2,149 views
2,092 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,149
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
61
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Inteligências Múltiplas

  1. 1. Inteligências Múltiplas<br />O Conceito<br />O conceito de Inteligências múltiplas surge devido ao facto de Gardner acreditar que o conceito de quociente de inteligência apresentava muitas limitações na definição de inteligência.<br />Para ele a inteligência é “um potencial biopsicológico para processar informações que pode ser activado num cenário cultural para solucionar problemas ou criar produtos que sejam valorizados por uma cultura” A essas capacidades diversas de processamento da informação ele nomeou-as de “inteligências”.<br />As bases para as conclusões de Gardner envolvem evidências antropológicas e evidências do estudo da mente humana. Segundo o autor, a inteligência deixou de ser vista como uma “coisa em si” para ser concebida mais como “ um potencial para diversos tipos de exigência sociais e profissionais”. Para ele a inteligência não depende apenas de questões genéticas, pois o seu desenvolvimento depende também da interacção dos indivíduos com os ambientes que os rodeiam.<br />Referências bibliográficas<br />Blythe, T.; Gardner, H. A school for all intelligences. Educational Leadership, v.47, n.7, p.33-7, 1990.<br />Gardner, H.; Giftedness: speculation from a biological perspective. In: Feldman, D.H. Developmental approaches to giftedness and creativity. São Francisco, 1982. p.47-60.<br />Gardner, H.Frames of mind. New York, Basic Books Inc., 1985.<br />Webgrafia<br />http://www.homemdemello.com.br/psicologia/intelmult.html<br />http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/administrando-inteligencias-multiplas/943/<br />Teoria das inteligências múltiplas vs Teoria da inteligência tradicional<br />A teoria da inteligência tradicional afirma que a inteligência é uma capacidade unitária de raciocínio lógico do tipo exemplificado pelos matemáticos, cientistas e lógicos. Valoriza extremamente o raciocínio abstracto. Está intimamente ligada com a capacidade de responder a capacidades a testes de inteligência, o Q.I.. <br />Esta teoria acredita que a inteligência é inata, global e relativamente imutável, a qual não muda muito com a idade, treino ou experiência.<br />A teoria das inteligências múltiplas, de Howard Gardner, é definida como a capacidade de resolver problemas ou criar produtos que são importantes num determinado ambiente cultural ou comunidade. <br />A inteligência não é uma “coisa” e sim um potencial, que permite a um indivíduo ter acesso a formas de pensamento apropriadas a tipos específicos de conteúdo.<br />As inteligências não são equivalentes a sistemas sensoriais, pois a inteligência nunca é completamente dependente de um único sistema sensorial. <br />Gardner propõe que todos os indivíduos têm a habilidade de questionar e procurar respostas usando todas as inteligências e que possuem, como parte da sua bagagem genética, certas habilidades básicas em que todas as inteligências. Isto, sugere que, o indivíduo para além de nascer com várias inteligências, possuem algumas que são potencialmente determinadas pelo ambiente cultural no qual estão inseridos<br />As inteligências múltiplas<br />Inteligência Linguística<br />É a habilidade para usar a linguagem para convencer, agradar, estimular ou transmitir ideias.<br />Gardner indica que é a habilidade exibida na sua maior intensidade pelos poetas. Em crianças, esta habilidade manifesta-se através da capacidade para contar histórias originais ou para relatar, com precisão, experiências vividas.<br />Inteligência Lógico - Matemática<br />É a habilidade para explorar relações, categorias e padrões, através da manipulação de objetos ou símbolos, e para experimentar de forma controlada, é também a habilidade para lidar com séries de raciocínios, para reconhecer problemas e resolvê-los.<br />A criança com especial aptidão nesta inteligência demonstra facilidade para contar e fazer cálculos matemáticos e para criar notações práticas do seu raciocínio.<br />Inteligência Espacial<br />É descrita por Gardner como a capacidade para perceber o mundo visual e espacial de forma precisa.<br />É a habilidade para manipular formas ou objetos mentalmente e, a partir das percepções iniciais, criar tensão, equilíbrio e composição, numa representação visual ou espacial.<br />É a inteligência dos artistas plásticos, dos engenheiros e dos arquitectos.<br />Em crianças pequenas, o potencial especial nessa inteligência é compreendido através da habilidade para resolver quebra-cabeças e outros jogos espaciais.<br />A inteligência Corporal – Cinestésica<br />Refere-se à habilidade para resolver problemas ou criar produtos através do uso de parte ou de todo o corpo. <br />Pode ser entendida como uma habilidade do uso do corpo todo para expressar ideias e sentimentos (por exemplo, como actor, mímico, atleta ou dançarino), bem como na destreza no uso das mãos para produzir ou transformar coisas.<br />A criança especialmente dotada na inteligência cinestésica se move com graça e expressão a partir de estímulos musicais ou verbais demonstra uma grande habilidade atlética ou uma coordenação fina apurada.<br />A inteligência Musical<br />Manifesta-se através de uma habilidade para apreciar, compor ou reproduzir uma peça musical.<br />Esta patente uma boa discriminação de sons, habilidade para perceber temas musicais, sensibilidade para ritmos, texturas e timbre, e habilidade para produzir e/ou reproduzir música.<br />A criança com habilidade musical especial percebe desde cedo diferentes sons no seu ambiente e, freqüentemente, canta para si mesma.<br />A inteligência interpessoal<br />Esta inteligência pode ser descrita como uma habilidade para entender e responder adequadamente a humores, temperamentos motivações e desejos de outras pessoas.<br />Na sua forma mais primitiva, a inteligência interpessoal manifesta-se em crianças como uma habilidade para distinguir pessoas, e na sua forma mais avançada, como a habilidade para perceber intenções e desejos de outras pessoas e para reagir apropriadamente a partir dessa percepção.<br />Crianças especialmente dotadas demonstram muito cedo uma habilidade para liderar outras crianças, uma vez que são extremamente sensíveis às necessidades e sentimentos de outros.<br />Inteligência Intrapessoal<br />É a habilidade para ter acesso aos próprios sentimentos, sonhos e idéias, para discriminá-los e lançar mão deles na solução de problemas pessoais.<br />É o reconhecimento de habilidades, necessidades, desejos e inteligências próprios, a capacidade para formular uma imagem precisa de si próprio e a habilidade para usar essa imagem para funcionar de forma efectiva.<br />Como esta inteligência é a mais pessoal de todas, ela só é observável através dos sistemas simbólicos das outras inteligências, ou seja, através de manifestações linguísticas, musicais ou cinestésicas.<br />Inteligência Naturalista<br />Consiste na habilidade de identificar e classificar padrões da natureza. É também conhecida como inteligência biológica ou ecológica.<br />A pessoa tem capacidade para perceber a natureza de maneira integral e sentir processos de acentuada empatia com animais e com as plantas – uma afinidade que pode estender-se a um sentimento ecológico, uma percepção de ecossistemas e habitats.<br />Este tipo de inteligência inclui perícia no reconhecimento e classificação das inúmeras espécies – a flora e a fauna – do meio ambiente do indivíduo.<br />Manifesta-se geralmente em biólogos, jardineiros, paisagistas, ecologistas e amantes da natureza.<br />Relacionamento das inteligências múltiplas com a utilização das TIC em contexto de ensino - aprendizagem.<br />As implicações da teoria de Gardner para a educação são claras quando se analisa a importância dada às diversas formas de pensamento, aos estágios de desenvolvimento das várias inteligências e à relação existente entre estes estágios, a aquisição de conhecimento e a cultura.<br />Segundo Gardner, é importante que se tire o maior proveito das habilidades individuais, auxiliando os estudantes a desenvolver as suas capacidades intelectuais, e em vez de usar a avaliação apenas como uma forma de classificar, aprovar ou reprovar os alunos, esta deve ser usada para informar o aluno sobre a sua capacidade e informar o professor sobre o que está a ser aprendido.<br />Gardner sugere que a avaliação deve fazer jus à inteligência, isto é, deve dar valor ao conteúdo da inteligência em teste. <br />Este autor também enfatiza a necessidade de avaliar as diferentes inteligências nas suas manifestações culturais e ocupações adultas específicas. Assim, a habilidade verbal, mesmo na pré-escola, em vez de ser medida através de testes de vocabulário, definições ou semelhanças, deve ser avaliada em manifestações como a habilidade para contar histórias ou relatar acontecimentos.<br />Em vez de se tentar avaliar a habilidade espacial isoladamente, deve-se observar as crianças durante uma atividade de desenho ou enquanto montam ou desmontam objectos.<br />Finalmente, ele propõe a avaliação, não como um produto do processo educativo, mas como parte do processo educativo, e do currículo, informando a todo momento de que forma o currículo se deve desenvolver.<br />As TIC podem potenciar o contexto de ensino-aprendizagem através de todas as suas potencialidades. <br />Software adequado a cada uma das inteligências<br />Inteligência Linguística<br />Software com sintetizador de voz e com possibilidade de associação de símbolos, abrem novas possibilidades de desenvolvimento desta forma de inteligência em crianças que ainda não sabem ler.<br />Programas que permitem escrever textos em diversos formatos, com efeitos, com som, animações, etc.<br />Exemplos: processadores de texto (Microsoft Word, Microsoft PowerPoint, open.office Writter, Impress, Escrita com Símbolos, Imagina) <br />Inteligência Lógico – Matemática<br />A inteligência Lógico - matemática pode ser exercitada e desenvolvida através de inúmeros recursos multimédia, sobretudo quando se trata de software que possibilita o feedback imediato, a repetição de exercícios práticos. <br />Além disso, muitos programas permitem compreender facilmente conceitos complexos e abstractos, realizar contagens, analisar padrões, explorar formas, números, resolver problemas, trabalhar em geometria e estatística, etc.<br />Exemplos: Imagina, Sopa Decimal, Explorador de sólidos 3D<br />Inteligência Espacial<br />Os alunos de hoje cresceram a ver televisão e estão muito bem preparados para a aprendizagem visual. Quando os sistemas interactivos estão integrados no processo de aprendizagem, os alunos passam de observadores passivos a pensadores activos.<br />Exemplos: Explorador de sólidos 3D<br />A inteligência Corporal – Cinestésica<br />A maioria dos softwares e jogos de computadores envolve uma coordenação olho-mão, para poder lidar com teclado/rato e ecrã ao mesmo tempo.<br />Esta actividade cinestésica reforça a aprendizagem e torna o aluno mais participante no ser processo de aprender. Além disso, é requerida uma capacidade de decisão rápida.<br />Exemplos: Já Está, Dragões e Companhia, Tobias<br />A inteligência Musical<br />O desenvolvimento da inteligência musical pode ser enriquecido pela tecnologia da mesma forma que a fluência verbal pode ser enriquecida por um processador de texto. Existem muitos software que permitem a composição, orquestração, mistura, etc de músicas de todo o tipo, com todos os instrumentos possíveis. Podem ser trabalhados os conceitos de harmonia, ritmo, tempos, etc.<br />Exemplos: Imagina<br />A inteligência interpessoal<br />Muitos alunos utilizam os computadores sozinhos. Mas a maior parte dos estudos dizem que quando trabalham em pares ou pequenos grupos, a compreensão e a aprendizagem são facilitadas e aceleradas.<br />Com as TIC os alunos têm grandes oportunidades para partilhar, trabalhar colaborativamente, comunicar em vários formatos, com pessoas próximas ou no outro canto do mundo.<br />Uma forma de desenvolver este tipo de inteligência pode ser a gravação de apresentações dos alunos, para depois serem analisadas e reflectidas<br />Exemplo: Quadro Interactivo ebeam<br />Inteligência Intrapessoal<br />O desenvolvimento deste tipo de inteligência pode ser facilitado pela tecnologia na medida em que este permite explorar e expandir a mente humana. <br />Assim como permite perseguir uma linha de pensamento em profundidade, também permite aceder ao acaso a ideias divergentes. <br />Os alunos aumentam assim as suas opções de escolhas. Os softwares podem também ajudar a desenvolver níveis de pensamento mais elevados, a criar modelos mentais que ajudam a visualizar ligações entre ideias e conceitos. <br />Inteligência Naturalista<br />As tecnologias não substituem as interacções humanas nem as experiências no mundo natural. <br />São, no entanto, excelentes ferramentas que facilitam a investigação científica, a exploração, que ajudam a entender melhor o mundo onde vivemos e a conhecer os efeitos das nossas acções sobre o ambiente. <br />Além disso, pela Internet, alunos de todo o mundo podem “visitar” e conhecer a natureza de regiões distantes, a fauna, a flora, etc, às quais dificilmente teria acesso de outra forma.<br />As “paredes da sala de aula” são como que derrubadas dando lugar a um mundo inteiro de informação e aprendizagem a professores e alunos<br />Exemplo: Internet Explorer<br />

×