Possibilidades de jogos para o ensino de ciências

7,194 views
6,845 views

Published on

Published in: Education
2 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
7,194
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
120
Comments
2
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Possibilidades de jogos para o ensino de ciências

  1. 1. Possibilidades de jogospara o ensino de Ciências Thiara Vichiato Breda http://olharesgeograficos.blogspot.com thiarav@gmail.com UNICAMP – Instituto de Geociências – DGAEPrograma de Ensino e História em Ciências da Terra – EHCT
  2. 2. 1. Diferença entre Brincadeira, brinquedo e jogo2. Jogo - definição - contribuições - Piaget - Chateau - Jacquin3. Papel do educador4. Alfabetização Cartográfica5. Exemplos de jogos6. Construção dos jogos - Jogos a partir de imagens de satélite e fotografias Aéreas - Jogo a partir de mapa7. Possibilidades de conteúdo
  3. 3. BRINCADEIRA BRINQUEDO JOGO
  4. 4. BRINCADEIRA – Não é necessário a vitória, peças, regras, alternância de jogadores, tabuleiro... (MACEDO p.14)BRINQUEDO – “objeto inteiramente particular na atividade da criança...é um objeto simbólico (BRUNELLE p. 65)objeto que representa realidades sendo um substituto dos objetos reais (KISHIMOTO p.7)JOGO - “Jogar é o brincar em um contextocom regras e com um objetivo predefinido” (MACEDO pg14)
  5. 5. JOGO
  6. 6. DefiniçãoO jogo esta presente na natureza humana, seja ela nainfância ou na fase adultaCaracterísticas fundamentais:- ser livre - atividade voluntária, despertando o prazer;- não é vida “corrente” nem vida “real” – distância do cotidiano;- isolamento e imitação - tem seu tempo e espaço fictício;- cria a ordem e é a ordem - existência de regras (explicitas ou não) HUIZINGA –Homo Ludens
  7. 7. Contribuição dos jogos - Interesse do aluno - Curiosidade - “Prova”: exige um esforço da criança para cumprirseus objetivo e vencer desafios, obstáculos edificuldades - Aluno -papel ativo na construção dos novosconhecimentos, pois permite a interação com oobjeto a ser conhecido - Permite ao aluno por meio de regras emétodos construir por si mesmo a descoberta
  8. 8. Piaget A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação” - 1978Nascimento do jogo na criança e sua classificação e evolução a partir do aparecimento da linguagem.Jogo de exercício (prazer funcional)Jogo simbólico (jogo inventado, de “faz de conta”)Jogo de regras (devido a regras, ocorre interação entre os indivíduos o que permite a integração social).
  9. 9. Jogo de exercício-Ocorre no período sensório motor, onde oobjeto é simplesmente assimilado a umesquema anterior já conhecido, mas semocorrer acomodação, ativando apenasmovimentos e percepções, não tendointervenção do pensamento nem da vida social.- A falta da função simbólica ligada arepresentação não permite evocar pessoas ouobjetos nas ausências deles- Ex: arremessar pedrinhas
  10. 10. Jogo simbólico ou de imaginação e imitação - Ocorre com o desenvolvimento do simbolismo na criança no estágio pré- operacional. - A criança busca satisfazer o eu transformando o real em função de seus desejos - Ex: criança imita situações da vida real
  11. 11. Jogo de regra• Ao invés dos símbolos, agora o que predomina são as relações sociais ou interindividuais, uma vez que depois dos 7 anos a criança torna-se capaz de cooperar, pois não confunde mais seu ponto de vista com o do outro. características são essenciais para o jogo de regra, pois é uma atividade mais socializada, onde a regra é uma regularidade imposta pelo grupo
  12. 12. Chateau- considera os jogos de exercícios comoverdadeiros jogos – são meros exercíciosdas funções, uma atividade prática quefica no nível animal.- jogo tem um caráter mais sério, tendoquase sempre regras rígidas, que podelevar ao esgotamento e a fadiga.
  13. 13. Classificação dos jogos segundo as idades
  14. 14. Jacquin Trabalho adulto Jogo da criança Utilitário Não utilitário Trabalha-se em vista de um resultado Não advém nenhum resultado palpável desejado Interesseiro GratuitoFinalidade externa (subsistência da família) Sem fim exterior, finalidade é a alegria Imposto de fora Livremente escolhido Aprazível ou interessante Sempre proporciona prazer
  15. 15. IDADE NOME CARACTERÍSTICAS Criança inventa os próprios jogos, estabelece um objetivo3-5 anos Jogo de proezas como lançar uma pedra no galho. Jogo de imitações5-6 anos Pegar uma vassoura e começar a imitar a mãe a varrer. exatas Jogo de imitação6-7 anos Imita o animal ou a máquina (avião, automóvel). fictícia Criança descobre que pode exercer um domínio sobre os Jogo coletivo6-7-8 anos menores, impondo jogos (ressuscitam os jogos de proezas, que descendente tinha realizados anteriormente sozinhos). A criança assiste aos jogos dos maiores, admira, julga, critica e Jogo coletivo aplaude. Tenta participar, mas muitas vezes não acompanha.8-9 anos ascendente Algumas vezes tenta reproduzir para grupos da sua idade e dos mais novos, mas a duração é curta. A criança nesta idade tem o domínio de si, e a regressão do 10-11 Jogo coletivo egocentrismo, o que permite o jogo verdadeiramente anos cooperativo. 11-12 A competência, o talento para organizar, a força física dão-lhe Jogo social anos a autoridade de dirigente de jogos. O pré-adolescente está farto das brincadeiras infantis e volta a 13-14 Jogo de evasão olhar para os mais velhos. Brincará de trabalhar, uma vez que anos não querem que ele trabalhe. 14-15 Esportes de Inicio no trabalho. O trabalho agora é o seu jogo, assim sendo, anos competição o jogo torna-se inútil em sua função primitiva.
  16. 16. PAPEL DOEDUCADOR
  17. 17. • Mediador do jogo• Direcionar a atividade• Ficar atento aos problemas que podem ocorrer (valorização da competição entre os alunos)• Criar oportunidades para que todas as crianças participem• Estimular os inibidos e frear os excessos dos mais inquietos ANTUNES – O jogo e a educação infantil RODRIGUES – O desenvolvimento do pré-escolar e o jogo
  18. 18. A qualidade do ensino com jogos dependeda maneira como as regras são colocadase executadas, e é sobretudo pelo papel doeducador que o jogo pode se tornar “umaferramenta de reflexão e uma experiênciavivenciada” ANTUNES, 2003 p.55
  19. 19. EXEMPLOS DE JOGOS
  20. 20. quebra-cabeças jogo da memória jogo de tabuleiroduas diferentes versões de dominós
  21. 21. Objetivos dos jogos• Noções Cartográficas • Educação Ambiental
  22. 22. ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA
  23. 23. Objetivos da Geografia no ensino• ensinar a praticar a leitura do espaço ocupado pelo educando, objetivando contribuir para uma real análise geográfica e melhoria da sua investigação (CASTELLAR, 2005)• alfabetização cartográfica - as“noções e conceitos de lateralidades e localização do espaço não se constroem espontaneamente”
  24. 24. • conteúdos de difícil compreensão para a criança: – a noção de perspectiva que passa a conservar a posição dos objetos permitindo fazer uma relação topológica, – noção de escala (exige um grau de compreensão e abstração maior da criança)
  25. 25. • [...] a construção de determinados conceitos e/ou habilidades pode estar atrelada a uma estratégia metodológica diferenciada, mais atuante, mais critica e reflexiva, permitindo uma aprendizagem significativa próxima da realidade do aluno e adequada à sua faixa etária. (SILVA, 2006 p. 143)
  26. 26. CONSTRUÇÃO DOS JOGO
  27. 27. - Estratégia didática - valorização do lugar- Podem ser usados para iniciar ou finalizarum conteúdo- Confeccionados artesanalmente com fotos aéreas e imagens de satélite (Google Earth©), sendo exemplos para outras regiões.
  28. 28. Softwares de desenho - Jogos confeccionados com recursoscomputacionais de desenho a partir de mapase imagens de sensoriamento remoto - Permitem ao professor construir jogoscom a finalidade de se trabalhar oconteúdo escolar que contribua para oensino
  29. 29. Jogos a partir de imagens de satélite e fotografias aéreas
  30. 30. Jogo da memória- Imagens captadas pelo satélite do Google Earth- Localização e identificação das peças
  31. 31. Quebra-cabeça- No momento em que os discentes procuramas peças para encaixar o quebra-cabeça,mesmo que por “diversão”, eles estarãofazendo uma análise visual minuciosa dapeça.
  32. 32. Dominó I- Encaixe entre uma pergunta e sua respectiva representação (imagem vertical ou oblíqua)- Busca despertar a interpretação depaisagens e relacioná-las em um contexto
  33. 33. Dominó II- Encaixe entre uma imagem de satélite (visão vertical), e uma foto (visão horizontal ou oblíqua) do mesmo objeto.- Observar imagens por diversos ângulos –contribui para a compreensão de mapas
  34. 34. Jogo a partir de mapa
  35. 35. • Jogo de tabuleiro “Conhecendo o Parque Ecológico”- Mapa no Parque Municipal - as trilhas sãoos caminhos que os jogadores devempercorrer- Cartas - temas do parque, conceitos enoções de cartografia, reciclagem.
  36. 36. Flora e Cartografia Informações do Reciclagem ConceitosRecursos Hídricos Fauna ParqueO nome do Córrego que Qual é o Quais são os Qual a função Qual material não é O que épassa pelo Parque? bioma do Pontos do Parque? reciclável? APP? Parque? Cardeais?
  37. 37. POSSIBILIDADES DE CONTEÚDO
  38. 38. - Recurso hídrico- Sistema de tratamento de esgoto- Erosão urbana- Área de Proteção Ambiental- Ferrovia ligada à gênese do município- Desmatamento da vegetação nativa;- Aterro sanitário- Análise das transformações do espaço- Noções cartográficas (legenda, escala)
  39. 39. CONCLUSÃO
  40. 40. Educação Ambiental• Jogos que trabalham o espaço vivido podem contribuir para o processo de valorização de uma consciência ambiental nos alunos e para a transformação de seus comportamentos
  41. 41. Dominó I Dominó II Quebra-Cabeça Jogo da Memória Materiais didáticosConhecendo o Parque Ecológico visão oblíqua eX X X X X a visão vertical imagem tridimensional e a imagemX X X X X bidimensional alfabeto cartográfico (ponto, linha e área) construção da noçãoX X X X de legenda proporção e Noções básicas na alfabetização cartográficaX X escala lateralidade, referênciasX X X e orientação espacial Alfabetização Cartográfica
  42. 42. http://olharesgeograficos.blogspot.com
  43. 43. BibliografiaALMEIDA, P. N. de. Educação Lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. 10 ed. São Paulo. EditoraLoyola, 2000.BREDA, T. V; O olhar espacial e geográfico na leitura e percepção da paisagem municipal :contribuições das representações cartográficas e do trabalho de campo no estudo do lugar.Ourinhos 2010, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Geografia (Trabalho de Conclusãode Curso).BRUNELLE, L. LEIF, J. O jogo pelo jogo, Rio de Janeiro: Zahar, 1978, p.179CASTELLAR, M. V. S. Educação geográfica: a psicogenética e o conhecimento escolar. Cad.Cedes, Campinas, vol. 25, n. 66, 2005, 209-225 p. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br.CHATEAU, J. O jogo e a criança. Trad. Guido de Almeida. São Paulo: Summus Editorial, 1987.139 p.CUNHA, M.V. Piaget – Psicologia Genética e Educação. In: Psicologia da Educação. DP&A: RJ,2003.PIAGET, J. A formação do símbolo na criança - Imitação, jogo e Sonho Imagem e Representação.3 ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 341, 1964p.PIAGET, J. INHLEDER, B. A psicologia da criança. Rio de Janeiro: Difel, p.137RODRIGUES, M. O desenvolvimento do pré-escola e o jogo. São Paulo: Ícone, 1992, p. 70SILVA, L. G. Jogos e situações-problema na construção das noções de lateraridade, referências elocalização espacial. In: CASTELLAR, S. Educação geográfica: teorias e práticas docentes. SãoPaulo: Editora Contexto, 2006.
  44. 44. Thiara Vichiato Bredahttp://olharesgeograficos.blogspot.com thiarav@gmail.comUNICAMP – Instituto de Geociências – DGAE Programa de Ensino e História em Ciências da Terra – EHCT

×