0
 
Questionamentos <ul><li>Qual é o berço cultural do que se concebe por amor romântico? </li></ul><ul><li>Será mesmo que pod...
Introdução <ul><li>Há que se ter em mente que o amor, a princípio, é uma crença emocional. E como toda e qualquer crença “...
E por que devemos refletir a respeito do amor? <ul><li>pensar a respeito do amor nos coloca frente deste fenômeno que conh...
Pré-História <ul><li>(aproximadamente 1.600.000 a.C a 4.000 a.C.); </li></ul><ul><li>Para a etologia, ciência que estuda a...
Idade Antiga  <ul><li>4.000 a.C. --  476 d.C. </li></ul><ul><li>Das primeiras civilizações letradas como no Egito, na Chin...
O amor no Egito Antigo <ul><li>Do Egito, há aproximadamente 1500 anos a.C., temos retratado em papiros os remotos cânticos...
O amor greco-romano <ul><li>Todavia, ao contrário do que se observa atualmente, os homens gregos geralmente não nutriam am...
Idade Média   <ul><li>476  d.C. – 1453 d.C.; </li></ul><ul><li>Com o advento do Cristianismo, a noção de amor é acentuadam...
E o casamento para a Idade Média? <ul><li>Na Idade Média, o casamento, tinha uma diretriz diferente da qual se tem hoje po...
O amor cortês e o feudalismo do amoroso <ul><li>Segundo S.S. Hendrick e C. Hendrick, o amor cortês vigorou, aproximadament...
Renascimento e Idade Moderna   <ul><li>1453 d.C. – 1789 d.C.; </li></ul><ul><li>No decurso de tais acontecimentos, a nobre...
Idade Contemporânea   <ul><li>1789  d.C.  – até os dias atuais; </li></ul><ul><li>Contribuições principais: Movimento Lite...
Concepção de amor(científico) na atualidade <ul><li>“ conjunto de sentimentos diversos, distintas topografias comportament...
Conclusões <ul><li>O amor entre duas pessoas não é um fenômeno local ou contemporâneo; </li></ul><ul><li>Nas palavras de G...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

O Percurso Do Amor RomâNtico E Dos Seus Desdobramentos Até Os Dias Atuais Palestra Para A ClíNica

673

Published on

Palestra do psicólogo Thiago de Almeida falando sobre como as pessoas se apasixonaram e se amaram através das épocas

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
673
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "O Percurso Do Amor RomâNtico E Dos Seus Desdobramentos Até Os Dias Atuais Palestra Para A ClíNica"

  1. 2. Questionamentos <ul><li>Qual é o berço cultural do que se concebe por amor romântico? </li></ul><ul><li>Será mesmo que podemos identificar sua origem na antiga França, e situá-lo como um produto do século XV, como tratam alguns segundo o qual nesta época teria nascido o amor romântico? </li></ul><ul><li>Será mesmo que o amor romântico sempre existiu em todas as culturas e em todos os tempos? </li></ul><ul><li>De onde surgiu o cupido, a idéia do “príncipe encantado” e outras que atualmente estão relacionadas ao amor romântico? </li></ul>
  2. 3. Introdução <ul><li>Há que se ter em mente que o amor, a princípio, é uma crença emocional. E como toda e qualquer crença “pode ser mantida, alterada, dispensada, trocada, melhorada, piorada ou abolida. Nenhum dos seus constituintes afetivos é fixo por natureza” (Costa, 1999, p. 12). Segundo a autora Mary Del Priore (2006) o amor é um milagre de encantamento, uma espécie de presente que atravessa os séculos. </li></ul>
  3. 4. E por que devemos refletir a respeito do amor? <ul><li>pensar a respeito do amor nos coloca frente deste fenômeno que conhecemos desde a mais tenra idade, crescemos e o experimentamos diariamente, através das fortes emoções que os acompanham, mas não refletimos sobre as concepções que eles podem assumir; </li></ul><ul><li>Grande parte dos seres humanos não vive a plenitude do amor, muitas vezes, por ter errôneos ou idealizados conceitos e imagens distorcidas do que este seja. Dessa forma, recorrem a estereotipagens amorosas, resultando arremedos afetivos que empobrecem o que concebem por amor e que tanto desgastam as pessoas </li></ul>
  4. 5. Pré-História <ul><li>(aproximadamente 1.600.000 a.C a 4.000 a.C.); </li></ul><ul><li>Para a etologia, ciência que estuda as origens dos comportamentos dos seres humanos e animais, esse contrato determinaria que, em troca de recursos trazidos por um homem para garantir a alimentação, o abrigo e a proteção da mulher e dos filhos dele, esta, em contrapartida, disponibilizaria o seu útero, com exclusividade, à disposição do mesmo. </li></ul>
  5. 6. Idade Antiga <ul><li>4.000 a.C. -- 476 d.C. </li></ul><ul><li>Das primeiras civilizações letradas como no Egito, na China, na Grécia e em Roma, às sociedade pré-letradas como em sociedades indígenas americanas, australianas, da Índia, da Indonésia e das ilhas do Oceano Pacífico, há diversos relatos e registros explícitos que apontam que tanto bem como nas sociedades pré-letradas conhecem-se manifestações culturais que expressavam as vicissitudes. </li></ul>
  6. 7. O amor no Egito Antigo <ul><li>Do Egito, há aproximadamente 1500 anos a.C., temos retratado em papiros os remotos cânticos amorosos (Montet, 1989). Ainda, no Egito, no ano 1000 a.C., no antigo Egito, o amor já era retratado como um esmagamento do eu, e, portanto, semelhante a uma espécie de doença (Malinowski, 1970, 1955). </li></ul>
  7. 8. O amor greco-romano <ul><li>Todavia, ao contrário do que se observa atualmente, os homens gregos geralmente não nutriam amor por mulheres (Grimal, 1991; S. S. Hendrick e C. Hendrick, 1992). Independentemente disto, o amor para eles era uma temática muito importante para sua filosofia (Philippe, 1999). </li></ul>
  8. 9. Idade Média <ul><li>476 d.C. – 1453 d.C.; </li></ul><ul><li>Com o advento do Cristianismo, a noção de amor é acentuadamente influenciada sob duas égides. Por um lado, é entendido como uma relação ou um tipo de relações que se devem estender a todas as pessoas entendidas como “próximos”. Por outro lado, foi eleito como um mandamento, que não tinha conexões com as situações de fato, e que se propõe a transformar estas situações e criar uma comunidade que ainda não existe, mas que deverá tornar irmãos todos os homens: o reino de Deus. Assim, o Amor-Agaphe é evidenciado e apontado como uma realidade absoluta e primordial. </li></ul>
  9. 10. E o casamento para a Idade Média? <ul><li>Na Idade Média, o casamento, tinha uma diretriz diferente da qual se tem hoje por referência. Algo que desse vazão aos sentimentos, como amor, era considerados impróprio para o casamento (Batten, 1995). </li></ul><ul><li>O “Jus primae noctis” </li></ul><ul><li>Na realidade, o casamento era uma instituição que visava à estabilidade de uma sociedade, e desempenhava apenas a função da reprodução, união e manutenção de riquezas, assim, dando continuidade à estrutura. A partir do momento em que o amor aparece no casamento, esses sustentáculos, como a reprodução e união de riquezas foram relegados a um segundo plano, ameaçando toda essa organização social. </li></ul>
  10. 11. O amor cortês e o feudalismo do amoroso <ul><li>Segundo S.S. Hendrick e C. Hendrick, o amor cortês vigorou, aproximadamente no século XII, embora tenha sido semeadas as primeiras manifestações alguns séculos antes; </li></ul><ul><li>Era essencialmente aristocrático, reservado às elites que freqüentam as cortes. Considerado uma ocupação de ociosos, libertos de qualquer preocupação material; </li></ul><ul><li>Funcionalmente, foi um meio de educar os cavaleiros, civilizá-los, ou seja, apenas uma estratégia. (Costa, 1999; Heer,1976). </li></ul>
  11. 12. Renascimento e Idade Moderna <ul><li>1453 d.C. – 1789 d.C.; </li></ul><ul><li>No decurso de tais acontecimentos, a nobreza tem um enriquecimento e, assim, torna-se mais liberal perante os filhos. O medo de dissipar as fortunas devido ao grande número de filhos vai desaparecendo e as famílias começam a permitir o casamento dos filhos que não quisessem seguir a carreira eclesiástica; </li></ul><ul><li>Uma vez estabilizado o amor romântico, como forma de conduta emocional na Europa, foram atendidos os anseios de autonomia e felicidade pessoais para a classe burguesa, legitimando-a no poder. “Sua íntima associação com a vida privada burguesa o transformou em um elemento de equilíbrio indispensável entre o desejo de felicidade individual e o compromisso com idéias coletivos” (Costa, 1999, p.19) . </li></ul>
  12. 13. Idade Contemporânea <ul><li>1789 d.C. – até os dias atuais; </li></ul><ul><li>Contribuições principais: Movimento Literário Romântico e da Psicanálise freudiana (dentre outras); </li></ul><ul><li>Considerada a “Idade do Amor”; </li></ul><ul><li>Surgimento do casamento por amor; </li></ul><ul><li>Surgimento do estudo do amor enquanto um objeto da ciência. </li></ul><ul><li>Influência da mídia e a “ditadura do orgasmo” </li></ul>
  13. 14. Concepção de amor(científico) na atualidade <ul><li>“ conjunto de sentimentos diversos, distintas topografias comportamentais e múltiplos perfis de respostas cognitivas que embora variados, estão relacionados entre si e são inerentes ao ser humano, tendem a perdurar-se e possuem inúmeras formas válidas de sua manifestação. Assim, em termos comportamentais o amor é visto como uma contingência muito especial não somente por ser multideterminado, mas também devido ao fato de sua pluralidade de conseqüências” (Almeida & Soutto Mayor, no prelo) </li></ul>
  14. 15. Conclusões <ul><li>O amor entre duas pessoas não é um fenômeno local ou contemporâneo; </li></ul><ul><li>Nas palavras de Grimal (1991, p. 1): o amor “está sujeito a modas” de forma que se pode dizer que “no reinado de Luís XIII não se amava como na época de Carlos X” (Grimal,1991, p. 1); </li></ul><ul><li>um tipo de amor, ou ainda de ideologias amorosas, não devem ser vistos como superiores, ou mais verdadeiros do que outros, prevalecendo sobre os demais (Lee, 1988). </li></ul>
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×