O Amor E A Capacidade De Amar
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

O Amor E A Capacidade De Amar

on

  • 2,675 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,675
Views on SlideShare
2,675
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
15
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

O Amor E A Capacidade De Amar Presentation Transcript

  • 1. O amor e a capacidade de amar
    Por Thiago de Almeida
    Psicólogo. Pesquisador da USP especializado no atendimento aos problemas no relacionamento amoroso.
    Site: www.thiagodealmeida.com.br
  • 2. “O maior inferno é a incapacidade de Amar” (Dostoiewiski).
  • 3. Introdução
    Amar e ser amado são duas das maiores necessidades do ser humano. No entanto, quem é que pode dizer que teve contemplada na sua própria vida esta necessidade, ou ainda, realizou na vida de outro ser humano plenamente essa carência?
  • 4. "Os homens são seres que vivem em relação. Alimentam-se tanto de carícias e de atenções como de pão. Privados de comunicação, sofrem. Aliás, o isolamento é a punição preferencial destinada aos prisioneiros rebeldes e também é utilizada como instrumento de tortura”
    (Isabelle Filiozat, em “A Inteligência do Coração”)
  • 5. A importância dos vínculos familiares na educação e na prevenção
    O Estatuto da Criança e Adolescente (ECA) e o papel da família para o desenvolvimento global do ser humano;
    Família = primeira organização social na qual, supostamente, todo ser humano tem seus primeiros relacionamentos e recebe desta a base material e psicológica para se estruturarem de forma global.
  • 6.
  • 7.
  • 8. É importante salientar que esta atribuição é mantida salvo por motivo de força maior, não justificando a família desvencilhar desta responsabilidade alegando falta ou carência de recursos materiais.
  • 9. Quais os principais desafios a serem enfrentados diariamente por pais e educadores atualmente?
    Praticamente todas as escolas da psicologia colocaram a família como o palco do desenvolvimento dos futuros problemas e neuroses da pessoa, seguindo uma orientação psíquica e biológica, baseadas na fragilidade e dependência do ser humano.
  • 10. Os entendimentos contemporâneos acerca do amor, sexualidade e dos vínculos familiares
    As mudanças na maneira de se entender o que é o amor, a sexualidade, a paternidade, a maternidade e os vínculos familiares, reagindo-se ou se adaptando, mediante as novas formas de estruturação da sociedade pós-moderna.
    As relações entre as pessoas de ambos os sexos atualmente podem ser ocasionais, livres de quaisquer compromissos, ou estáveis, que nascem de um projeto compartilhado de vida, mediante a doação recíproca com vistas a construir uma aliança, legitimada com uma celebração civil ou religiosa, geralmente aberta para a geração e a educação de filhos, de modo a estabelecer relações de parentesco de caráter permanente, ainda que eventualmente interrompida.
  • 11. Decisões e suas conseqüências para a nossa vida e para a vida do outro;
    O amor não deveria ser apenas um conceito;
    Conceber x praticar o amor.
  • 12. O que se concebe por AMOR nesta palestra...
    ♥Amor ≠ relacionamento amoroso ≠ sexo e relacionamento sexual;
    ♥O amoré um sistema complexo e dinâmico que envolve cognições, emoções e comportamentos freqüentemente relacionados à felicidade para o ser humano;
    ♥ Já, o relacionamento amoroso refere-se ao envolvimento com o outro na relação. Nessa interação com o outro pode ou não haver amor que envolve laços de afeto, apego,libido, dentre outras características.
    ♥A relação amorosa não tem a função de preencher vazios ou ainda, solucionar a vida de qualquer pessoa.
  • 13. A história da Psicologia do amor
    Morton Hunt e a”História natural do amor”;
    Amor: um dos principais requisitos para o casamento nos países ocidentais;
    Quando nos importamos com assuntos relacionados ao amor?
    O amor para a Psicologia.
  • 14. A confusão a partir da década de 50 entre amor e sexo;
    A década de 70 e as pesquisas de Zick Rubin;
    Para Rubin os pesquisadores em amor se defrontam com o problema que o “amor” significa diferentes coisas para diferentes pessoas.
  • 15. O conceito do amor e a sua gênese para o ser humano
    O conceito etimológico;
    A teoria do Apego de Bowlby
  • 16. E, embora atualmente pairem muitas dúvidas a respeito do que seria o amor, nunca dele se falou tanto. Tido como algo que se deveria aprender cada qual aspira ao amor, a tal ponto que ele se tornou praticamente um desempenho obrigatório no cotidiano das pessoas. Diariamente, nos mais diferentes ambientes, são realizadas perguntas a respeito dele;
    Esses questionamentos intrigam não somente os indivíduos que as formulam, mas também a muitos psicólogos, mesmo aqueles profissionais cujo enfoque não é aparentemente a questão dos relacionamentos interpessoais.
  • 17. O amor entre parceiros
    O traquejo para iniciar relacionamentos amorosos;
    O papel da afinidade;
    A paixão e o amor;
    A escolha de parceiros afetivo-sexual e suas implicações para a vida dos seres humanos.
  • 18. Como manifestar amor no nosso caminho?
    As pessoas não admitem, a um alto custo emocional, manifestá-los porque isso talvez signifique perder o controle sob todas as suas emoções e, dessa forma, abdicam da possibilidade tanto de amar bem como de serem amados pela a outra pessoa.
  • 19. Há pessoas ainda que têm dificuldade de lidarem com as emoções como o amor porque aparentemente não fazem sentido. E se esquecem que viver é importante, mas amar é fundamental.
  • 20. Devemos manifestar "amor" em qualquer parte de nossas vidas;
    O que não significa...
    Manifestar amor é estabelecer confiança, criar vínculos, manifestar amor aos que passam pelo nosso caminho contribuindo para uma vida melhor e no aspecto mais amplo que exista;
    Manifestar amor, ainda que de forma unilateral, ajuda a amadurecer nossas carências.
  • 21. Considerações finais
    Amar é uma essência da vida. E ao que parece, nascemos para amar. Muita gente, porém, pensa que o amor é tão-somente um sentimento que brota de forma natural, sem que seja necessário fazer alguma coisa. Nada disso! Amar é, antes de tudo, um ato de vontade. É necessário querer amar. É preciso tomar a decisão de amar, de expressar amor pelas pessoas com quem vivemos sejam nossos familiares, nossos amigos, nossos colegas de trabalho. Para amar, basta amar.
  • 22. Não existe sucesso que compense o fracasso na família;
    Grande parte dos seres humanos não vive a plenitude do amor, muitas vezes, provavelmente é porque cultivam errôneos ou idealizados conceitos e imagens distorcidas do que este seja.
  • 23. Maslow, citado por Rubin (1977, p. 59) dizia: “Devemos estudar o amor; precisamos poder ensiná-lo, para compreendê-lo, predizê-lo, ainda que esta palavra esteja perdida para a hostilidade e para a desconfiança”.
    E saibamos que talvez a pessoa que escolhemos para amar não seja eterna, mas eterna é sim a capacidade de amar.
  • 24. A todos vocês muito obrigado pela atenção recebida e...
    Ao Amor...Sempre!!