Henri Wallon e sua teoria

194,075 views

Published on

Published in: Education, Technology
16 Comments
93 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
194,075
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
38
Actions
Shares
0
Downloads
3,804
Comments
16
Likes
93
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Henri Wallon e sua teoria

  1. 1. Prof. Mestre Thiago de Almeida www.thiagodealmeida.com.br
  2. 2. <ul><li>Henri Paul Hyacinthe Wallon (Henri Wallon) na sceu na França em 15 de junho de 1879. </li></ul><ul><li>Antes de chegar à psicologia passou pela filosofia e medicina e ao longo de sua carreira foi cada vez mais explícita a aproximação com a educação. </li></ul><ul><li>Em 1902, com 23 anos, formou-se em filosofia pela Escola Normal Superior, cursou também medicina, formando-se em 1908. Viveu num período marcado por instabilidade social e turbulência política. As duas guerras mundiais (1914-18 e 1939-45), o avanço do fascismo no período entre guerras, as revoluções socialistas e as guerras para libertação das colônias na África atingiram boa parte da Europa e, em especial, a França. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Em 1914 atuou como médico do exército francês, permanecendo vários meses no front de combate. O contato com lesões cerebrais de ex-combatentes fez com que revisse posições neurológicas que havia desenvolvido no trabalho com crianças deficientes. Até 1931 atuou como médico de instituições psiquiátricas. </li></ul><ul><li>Paralelamente à atuação de médico e psiquiatra consolida-se seu interesse pela psicologia da criança. </li></ul><ul><li>Na 2a guerra atuou na Resistência Francesa contra os alemães, foi perseguido pela Gestapo, teve que viver na clandestinidade. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>De 1920 a 1937, é o encarregado de conferências sobre a psicologia da criança na Sorbonne e outras instituições de ensino superior. </li></ul><ul><li>Em 1925 funda um laboratório destinado à pesquisa e ao atendimento de crianças ditas deficientes. </li></ul><ul><li>Ainda em 1925 publica sua tese de doutorado “A Criança Turbulenta”. Inicia um período de intensa produção com todos os livros voltados para a psicologia da criança. O último livro “Origens do pensamento na criança’, em 1945. </li></ul><ul><li>Em 1931 viaja para Moscou e é convidado para integrar o Círculo da Rússia Nova, grupo formado por intelectuais que se reuniam com o objetivo de aprofundar o estudo do materialismo dialético e de examinar as possibilidades oferecidas por este referencial aos vários campos da ciência. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Neste grupo o marxismo que se discutia não era o sistema de governo, mas a corrente filosófica. Em 1942, filiou-se ao Partido Comunista, do qual já era simpatizante. Manteve ligação com o partido até o final da vida. Em 1948 cria a revista ‘Enfance”. Neste periódico, que ainda hoje tenta seguir a linha editorial inicial, as publicações servem como instrumento de pesquisa para os pesquisadores em psicologia e fonte de informação para os educadores. </li></ul><ul><li>Faleceu, com 83 anos, em 01 de dezembro de 1962 </li></ul>
  6. 7. <ul><li>A gênese da inteligência para Wallon é biológica e social, ou seja, segundo este autor o ser humano é organicamente social e esta estruturação orgânica supõe a intervenção da cultura. Nesse sentido, a teoria do desenvolvimento humano para Wallon é centrada na pessoa completa. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Wallon considera o desenvolvimento da pessoa completa integrada ao meio em que está imersa com seus aspectos afetivo, cognitivo e motor. </li></ul><ul><li>“ Jamais pude dissociar o biológico e o social, não porque o creia redutíveis entre si, mas porque, eles me parecem tão estreitamente complementares, desde o nascimento, que a vida psíquica só pode ser encarada tendo em vista suas relações recíprocas.” (Wallon citado por WEREBE; NADEL-BRULFERT, 1986, p. 8). </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Seu método de pesquisa denomina-se análise genética comparativa multidimensional, o qual consiste em compreender o desenvolvimento da criança a partir da análise comparativa entre o comportamento da crianças de distintas épocas e culturas, indivíduos normais e patológicos, assim como entre crianças e animais. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>O referencial teórico utilizado por Wallon basea-se epistemologicamente na filosofia marxista e, mais especificamente no materialismo dialético. Isso confere devida importância das bases biológicas, sem ser efatizar uma mecânica organicista. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>A fim de abranger o estudo integrado do ser humano o autor formula a noção de campos funcionais (movimento, inteligência, emoção e pessoa) os quais abarcam as dimensões motoras, afetivas e cognitivas que constituem a realidade psíquica do sujeito. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Há quatro fatores para explicar o desenvolvimento psicológico da criança: </li></ul><ul><li>Emoção; </li></ul><ul><li>A pessoa </li></ul><ul><li>O movimento (de ação e atividade); </li></ul><ul><li>A inteligência. </li></ul>
  12. 13. <ul><li>A emoção é altamente orgânica, altera a respiração os batimentos cardíacos e até o tônus muscular tem momentos de tensão e distensão que ajudam o ser humano a se conhecer. </li></ul>
  13. 14. <ul><li>A afetividade, de acordo com Wallon (1968), envolve várias manifestações, abrangendo os sentimentos (ordem psicológica) e as emoções (ordem biológica). Dessa forma, faz-se necessária a distinção dos termos emoção e afetividade, uma vez que, freqüentemente, são usados como sinônimos. O primeiro – a emoção – refere-se a manifestações afetivas de estados subjetivos, agregados a componentes orgânicos, como os sentimentos e os desejos. </li></ul>
  14. 15. <ul><li>“ As emoções consistem essencialmente em sistemas de atitudes que correspondem, cada uma, a uma determinada espécie de situação. Atitudes e situação correspondente implicam-se mutuamente, constituindo uma maneira global de reagir de tipo arcaico, freqüente na criança. (...) Daqui resulta que, muitas vezes, é a emoção que dá o tom ao real”. (Wallon, 1968, p. 140). </li></ul>
  15. 16. <ul><li>A afetividade – tem, de acordo com o autor, uma concepção mais ampla que envolve uma gama maior de manifestações, englobando as dimensões psicológica e biológica, ou seja, os sentimentos e as próprias emoções. </li></ul>
  16. 17. <ul><li>Para Wallon (1971) a dimensão afetiva ocupa lugar central tanto do ponto de vista da construção da pessoa quanto na construção do conhecimento. O autor relaciona a psicogênese e a história do indivíduo, demonstrando, assim, a estreita relação entre as interações humanas e a constituição da pessoa, propondo um estudo integrado do desenvolvimento humano, definindo seu projeto teórico como uma elaboração da psicogênese da pessoa completa. </li></ul>
  17. 18. <ul><li>A construção do eu depende essencialmente do outro. </li></ul>
  18. 19. <ul><li>“ A dinâmica funcional da pessoa pode ser entendida a partir da compreensão da integração funcional dos conjuntos, segundo a qual várias funções classificadas nos domínios do ato motor, afetividade e conhecimento participam de forma conjunta no exercício das atividades da pessoa não simplesmente justapostas, mas combinadas de forma a permitir o aparecimento de outras funções mais complexas” (Almeida e Mahoney, 2004, p. 31). </li></ul>
  19. 20. <ul><li>A motricidade tem caráter pedagógico tanto pela qualidade do gesto e do movimento quanto por sua representação. Ele acreditava que as escolas deveriam quebrar a rigidez e a mobilidade adaptando a sala de aula para que as crianças possam se movimentar mais. </li></ul>
  20. 21. <ul><li>“ o movimento é tudo que pode dar testemunho da vida psíquica e traduzi-la completamente, pelo menos até o momento em que aparece a palavra. Antes disso, a criança, para se fazer entender apenas possui gestos, ou seja, movimentos relacionados com as suas necessidades, ou o seu humor, assim, como com as situações e que sejam susceptíveis de as exprimir” (Wallon, 1975, p. 75). </li></ul>
  21. 22. <ul><li>A proposta Walloniana coloca o desenvolvimento intelectual dentro de uma cultura mais humanizada. Os elementos como: afetividade movimento e espaço físico se encontram num mesmo plano. </li></ul>
  22. 23. <ul><li>“ O desenvolvimento da inteligência, em grande parte, é função do meio social. Para que ele possa transportar o nível da experiência ou da invenção imediata e concreta, tornam-se necessários os instrumentos de origem social, como a linguagem e os diferentes sistemas de símbolos surgidos nesse meio”. (Wallon, 1971, p. 14). </li></ul>
  23. 24. <ul><li>Para Wallon é por meio da emoção que o ser biológico se converte em ser social. </li></ul>
  24. 25. <ul><li>Tentativa de ver a criança de um modo mais integrado, levando em consideração os domínios cognitivo, afetivo e motor. </li></ul><ul><li>Não dissociar campos que são indissociáveis (afetividade e inteligência). </li></ul><ul><li>Estudo do desenvolvimento humano a partir do desenvolvimento psíquico da criança. </li></ul><ul><li>Desenvolvimento da criança aparece descontínuo, marcado por contradições e conflitos, retrocessos e reviravoltas. </li></ul><ul><li>A passagem dos estádios de desenvolvimento não se dá linearmente. </li></ul>
  25. 26. <ul><li>É a principal lei que regula o desenvolvimento psicológico da criança. Sugere que as atividades da criança, algumas vezes podem ser destinadas a construir a sua individualidade e outras vezes, para estabelecer relações com os outros, alternando a orientação progressivamente em cada estádio. </li></ul>
  26. 27. <ul><li>Consiste em que não existe nem ruptura, nem continuidade funcional na transição de um estádio a outro. Deste modo, as funções antigas não desaparecem, mas se integram com as novas. </li></ul>
  27. 29. <ul><li>1) Impulsivo-emocional </li></ul><ul><li>ocorre no primeiro ano de vida: 0 – 1 anos </li></ul><ul><li>Principais Funções : A emoção pode construir uma simbiose emocional com o ambiente. </li></ul><ul><li>Orientação : Para o interior - voltado para a construção do indivíduo. </li></ul>
  28. 30. <ul><li>expressões/reações generalizadas e indiferenciadas de bem estar/mal estar; </li></ul><ul><li>predominância da afetividade orienta as primeiras reações do bebê às pessoas; </li></ul><ul><li>as emoções são o primeiro recurso de interação do bebê com o meio social; </li></ul><ul><li>Emoções são extremamente contagiosas entre os indivíduos. </li></ul>
  29. 31. <ul><li>2) Sensório-motor e projetivo </li></ul><ul><li>inicia-se por volta de um ano e se estende até os três anos de idade. </li></ul><ul><li>Função dominante : atividade sensório-motora tem dois objetivos básicos: o primeiro é a manipulação de objetos e o segundo é a imitação; </li></ul><ul><li>Orientação : Para o exterior - relações orientadas para com os outros e objetos: externamente. </li></ul>
  30. 32. <ul><li>caracteriza-se pela investigação e exploração da realidade exterior; </li></ul><ul><li>o andar e a linguagem darão oportunidade à criança de ingressar em um novo mundo, o dos símbolos; </li></ul><ul><li>Linguagem estrutura o pensamento; </li></ul><ul><li>Importância de se afinar o olhar para o movimento. </li></ul>
  31. 33. <ul><li>3 ) Personalismo </li></ul><ul><li>Por volta dos três aos seis anos. </li></ul><ul><li>Principais Funções : Consciência e afirmação da personalidade na construção de si mesmo. </li></ul><ul><li>Orientação : para o interior: necessidade de afirmação. </li></ul>
  32. 34. <ul><li>Subperíodos: </li></ul><ul><li>-> (Entre 2 e 3 anos) a oposição, tenta reivindicar, a insistência sobre a propriedade dos objetos; </li></ul><ul><li>-> (Entre 3-4 anos) Idade da graça nas habilidades expressivas e motoras. Procura a aceitação e admiração dos outros. Período narcisista; </li></ul><ul><li>-> (Pouco tempo antes dos 5 anos) Representação de papéis. Imitação. </li></ul>
  33. 35. <ul><li>Enriquecimento do eu e a construção da personalidade; </li></ul><ul><li>Oposição ao outro  busca de afirmação de si; </li></ul><ul><li>Sedução  a criança tem necessidade de ser admirada, para se admirar também; </li></ul><ul><li>Imitação  personagens são criados a partir das pessoas que a criança admira; </li></ul><ul><li>Inteligência se apóia fortemente na atividade motora; </li></ul><ul><li>Sincretismo  não separa a qualidade da coisa em si. </li></ul>
  34. 36. <ul><li>4) Pensamento Categorial </li></ul><ul><li>Entre os 6 e 11 anos. </li></ul><ul><li>Função principal : Conquistar e conhecer o mundo exterior. Orientação : para o exterior - interesse especial por alguns objetos. </li></ul>
  35. 37. <ul><li>Subperíodos: </li></ul><ul><li>(6-9) Pensamento sincrético: global e impreciso, misturá o objetivo com o subjetivo; </li></ul><ul><li>(De 9 a 11 anos) pensamento categorial. Comece a agrupar categorias de acordo com seu uso, características ou atributos. </li></ul>
  36. 38. <ul><li>5) Puberdade e Adolescência </li></ul><ul><li>Idade : a partir dos 15 anos </li></ul><ul><li>Função dominante : Contradição entre o conhecido e entre o que se deseja conhecer; </li></ul><ul><li>Orientação : para o exterior – dirigida para a afirmação do eu. </li></ul>
  37. 39. <ul><li>A crise pubertária rompe a “tranquilidade” afetiva que caracterizou o estágio categorial e impõe a necessidade de uma nova definição dos contornos da personalidade, desestruturados devido às modificações corporais resultantes da ação hormonal. </li></ul><ul><li>Oposição sistemática ao adulto. Busca diferenciar-se do adulto. </li></ul>
  38. 40. <ul><li>Marca a diferenciação entre o eu e o mundo exterior, em que a criança aprende a perceber o que é de si e o que é do outro. </li></ul><ul><li>Pensa a realidade a partir de categorias. </li></ul><ul><li>Emergência de uma capacidade nova para a criança: a atenção. </li></ul><ul><li>É fundamental a interação do indivíduo com a cultura. </li></ul>

×