Your SlideShare is downloading. ×
Ciúme e inveja
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Ciúme e inveja

1,939
views

Published on

Apresentação ciúme e Inveja do psicólogo e Prof. Mestre Thiago de Almeida

Apresentação ciúme e Inveja do psicólogo e Prof. Mestre Thiago de Almeida

Published in: Education

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,939
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
54
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Prof. Thiago de Almeida (www.thiagodealmeida.com.br)
  • 2.
    • Ciúme e inveja são a mesma coisa?
    • O que prejudica o ambiente de trabalho? Quais são os conflitos mais recorrentes entre os profissionais?
    • E quando nos deparamos com a inveja em nosso contexto laboral, o que devemos fazer para nos livrarmos da contaminação do veneno do invejoso?
    • Como devemos reagir a ela? E lembrando que em geral temos uma tendência quase natural a reconhecer a inveja alheia e quando o invejoso somos nós mesmos, o que fazer?
  • 3.
    • Uma das definições mais aceitas para o ciúme associado aos relacionamentos amorosos é a de que ele é um “complexo de pensamentos, sentimentos e ações que se seguem às ameaças para a existência ou a qualidade de um relacionamento, enquanto estas ameaças são geradas pela percepção de uma real ou potencial atração entre um parceiro e um (talvez imaginário) rival” (White, 1981, p. 129).
  • 4. Inveja: do latim  invidia s.f., (1) misto de pena e de raiva; sentimento de desgosto pela prosperidade ou alegria de outrem; (2) desejo de possuir aquilo que os outros possuem; ciúme; (3) emulação, cobiça.
  • 5.  
  • 6.  
  • 7.  
  • 8.
    • Relações acadêmicas diversas ( e.g. orientador-aluno e vice-versa);
    • Em muitas relações laborais ( e.g. subordinado-patrão e vice-versa);
    • Em inúmeros relacionamentos interpessoais ( e.g. amizades);
    • Em alguns relacionamentos amorosos ( e.g. Marido-mulher e vice-versa.
  • 9.
    • A confusão entre inveja e ciúme é comentada por diversos autores.
    • Para Parrot (1991) o ciúme é uma emoção desencadeada quando uma pessoa sente que vai perder ou que já perdeu um importante relacionamento com uma pessoa para um rival. Para este mesmo autor, a inveja, é uma emoção que ocorre quando uma pessoa carece o que outra pessoa tem e/ou deseja isso, ou deseja que a outra pessoa não tenha.
    • Epstein (2004) dirá que a diferença substancial para discriminar o ciúme da inveja é que “sente-se ciúme do que se tem e inveja do que as outras pessoas têm” (Epstein, 2004, p. 30).
  • 10.
    • O Ciúme
    • Consiste no medo de se perder o que se possui;
    • Refere-se a 3 pessoas;
    • Talvez relacionado ao amor;
    • Ataque ao rival (real ou imaginário) removendo-o;
    • A Inveja
    • Consiste em ver que o outro possui aquilo que ele deseja e ele(a) não o tem.
    • Refere-se a 2 pessoas;
    • Sempre relacionado a querer destruir o outro;
    • Ataque ao outro destruindo-o;
  • 11.
    • A inveja está freqüentemente relacionada à inferioridade, ao desejo de se ter o que não se possui, ao ressentimento e à desaprovação. Em contrapartida, o ciúme é caracterizado pelo medo da perda, pela desconfiança, pela ansiedade e pela raiva. Além disso, o ciúme é freqüentemente um sentimento mais intenso do que a inveja (Ramos, 2000; Salovey & Rodin, 1986 e Smith, Kim & Parrott, 1988), muito embora, a inveja esteja relacionada a uma agressividade mais primitiva (Shengold, 1994).
  • 12.
    • Uma raposa morta de fome, viu alguns cachos de uvas negras maduras penduradas nas grades de uma viçosa videira. Ela então, usou de todos os seus dotes e artifícios para alcançá-las, mas acabou se cansando, em vão, sem no entanto conseguir. Por fim, deu meia volta e foi-se embora, consolando a si mesma, desapontada e dizendo:
    • - As uvas estão estragadas e não maduras como eu pensei.
  • 13.
    • Alguns de seus comportamentos clássicos:
    • - desdenhar o que não conseguem fazer ou ter;
    • - elogiar excessivamente superiores e colegas;
    • - minar o ambiente com fofocas e boatos, prejudicando a imagem dos envolvidos (efeito snow ball e o telefone sem fio).
    • - O invejoso sente tem até mesmo dificuldade de receber presentes, pois ele teme qualquer situação que revele sua autoimagem de carência e necessidade.
  • 14.
    • Se prestarmos atenção às qualidades do objeto, pessoa ou situação pela qual sentimos inveja, poderemos compreender melhor o que nos sentimos incapazes de conquistar. Neste sentido, a inveja é um espelho que revela uma parte de quem somos, onde estamos e para onde queremos ir.
  • 15.
    • Os dois sexos têm diferentes objetos de inveja o que faz com que esta pergunta seja meio sem resposta.
    • Os homens tendem a se apegar mais as riquezas e a fama enquanto as mulheres com a questão do bom gosto e com a atratividade física (Salovey & Rodin, 1985). Em situações na qual a atratividade, ou a popularidade estão em risco, tal como quando uma pessoa é mais atrativa quando ela está começando a trabalhar no escritório, as mulheres reportam mais inveja do que os homens. Também, as mulheres tendem a demonstrar mais determinados tipos de comportamentos ciumentos tal como questionar extensivamente as ex-namoradas e o passado dos namorados delas.
  • 16.
    • Por que ele(a) e não eu?
    • A questão da injustiça da distribuição das coisas do mundo;
    • Prazer com a infelicidade alheia ( Schadenfreude ).
    ?
  • 17.
    • O ciúme difere estruturalmente da inveja;
    • Desta forma, poderemos transformar a inveja numa força inspiradora de conscientização, no lugar de um sentimento apenas desagradável. Reconhecer para onde queremos ir é em um estímulo para tomarmos uma atitude proativa diante de nossas dificuldades.
  • 18. www.thiagodealmeida.com.br
  • 19.
    • A todos vocês, pela atenção recebida,
    • o meu muito obrigado e…
    • Ao amor… Sempre!!
    • THIAGO DE ALMEIDA
    • Consultório : R: Dr. Neto de Araújo, 363 Vila Mariana– SP/ SP
    • Tel: (11) (11) 5572-1331/ (11) 5572-9454