29 04-11 - técnico

  • 1,601 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,601
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
32
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Técnico em Nutrição e Dietética Prof.: Diógenes Lopes
  • 2. Aterosclerose A aterosclerose é causada pelo acúmulo de lipídios (gorduras) nas artérias. As artérias afetadas pela aterosclerose perdem elasticidade e, à medida que essas placas de gordura crescem, as artérias estreitam-se.
  • 3. Aterosclerose
  • 4. Aterosclerose
    • Fatores de risco:
    • Tabagismo
    • Obesidade
    • Diabetes
    • Dislipidemia
    • Alimentação rica em lipídios
    • Sedentarismo
    • idade
  • 5. ATEROSCLEROSE
    • A aterosclerose pode ser evitada combatendo-se os fatores de risco - nível de colesterol alto no sangue, hipertensão arterial, tabagismo, obesidade e sedentarismo
  • 6. DILIPIDEMIA
    • A dislipidemia é o aumento anormal da taxa de lipídios no sangue. Representa um importante fator de risco para o desenvolvimento de lesões ateroscleróticas que podem causar a obstrução total do fluxo sangüíneo e apresenta altos índices de mortalidade.
  • 7. DISLIPIDEMIA
    • As dislipidemias podem ocorrer por causa do aumento do triglicérides (TGs) - (hipertrigliceridemia isolada), aumento do colesterol (hipercolesterolemia isolada) ou por uma combinação das duas (dislipidemia mista). Pode ainda ser causada pela redução do HDL ou aumento do LDL.
  • 8. Dislipidemia
    • Triglicerídeos são uma forma de gordura que circula na corrente sangüínea e é armazenada no tecido adiposo do corpo. O nível alto de triglicerídeos está associado a um aumento no risco de doenças do coração, especialmente quando está associado a colesterol alto e outros fatores de risco.
  • 9. Colesterol
    • Os lipídios - são compostos principalmente pelo Colesterol, o HDL Colesterol (chamado de o bom colesterol), o LDL Colesterol (chamado de o mau colesterol) e os Triglicerídios.
  • 10. HDL
    • O HDL remove a gordura de dentro das artérias, e transporta de volta ao fígado para ser excretado, é chamado de "bom colesterol".
  • 11. LDL
    • LDL remove a gordura de dentro do fígado e excreta na corrente sanguínea, sendo assim chamado de “colesterol ruim”
  • 12. Valores de referência
    • Colesterol total: 200 mg dl desejável
    • 200 a 239 limítrofe
    • 240 e mais alto
    • LDL menor que 100 ótimo
    • 100 a 150 limítrofe
    • 151 mais alto
  • 13. Valores de referência
    • HDL menor 40 baixo
    • maior 50 bom
    • Triglicerídeos menor 150 normal
    • 151 a 199 limítrofe
    • 200 a 399 alto
    • maior 400 muito alto
  • 14. ALIMENTOS: BOM COLESTEROL
  • 15. A HIPERTENSÃO
  • 16.
    • É a pressão exercida pelo sangue contra a parede das artérias.
    • Em um adulto com boa saúde, a pressão nas artérias durante a sístole ventricular – pressão sistólica ou máxima – é da ordem de 120 mmHg (milímetros de mercúrio).
    • Durante a diástole, a pressão diminui, ficando em torno de 80 mmHg ; essa é a pressão diastólica ou mínima .
    Pressão arterial
  • 17. Quando o coração se contrai temos uma pressão máxima ( sistólica ) Ao se aferir a pressão arterial se determinam duas pressões: MÁXIMA MÍNIMA Quando se dilata temos uma pressão mínima ( diastólica ) A pressão arterial é a pressão que o sangue exerce na parede das artérias. E é medida em milímetros de mercúrio. MINISTÉRIO DA SAÚDE
  • 18. Classificação dos níveis de pressão arterial
    • Categoria
    • Ótima
    • Normal
    • Normal alta
    • Hipertensão Grau 1 (leve)
    • Hipertensão Grau 2 (moderada)
    • Hipertensão Grau 3 (severa)
    • Hipertensão sistólica isolada
    ESH, Journal of Hypertension 2003, 21:1011–1053 Sistólica < 120 120 – 129 130 - 139 140 - 159 160 - 179  180  140 Diastólica < 80 80 - 84 85 - 89 90 - 99 100 - 109  110 < 90 Fonte: www.sbh.org.br Portal da Hipertensão
  • 19. HA - Diagnóstico
  • 20.
    • Sistólica
    • <130
    • 130-139
    • 140-159
    • ≥ 180
    Recomendações para seguimento (prazos máximos) V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão.,2006 . Diastólica < 85 85-89 90-99  110 Seguimento - Reavaliar em um ano -Reavaliar em seis meses -Confirmar em um mês -Intervenção imediata ou reavaliar em 1 semana Fonte: www.sbh.org.br Portal da Hipertensão Pressão arterial inicial ( mmHg)
  • 21. Segundo as V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial (2006) para adultos considera-se pressões normais abaixo de 140 mmHg para pressão máxima e abaixo de 90 mmHg para mínima. Cifras normais Cifras anormais < 140 90
  • 22. AFERIÇÃO DA PA 1- Ambiente calmo e confortável. 2- Repouso de 5 minutos. 3- Braço apoiado sobre uma mesa, na altura do coração. 4- Costas apoiadas na cadeira. 5- Bexiga vazia. 6- Não fumar, não se alimentar, não beber café, 30 minutos antes da medida. (Sociedade Brasileira de Hipertensão)
  • 23. FATORES DA HIPERTENSÃO ARTERIAL
    • Fatores modificáveis
    • Fatores não modificáveis
  • 24. HEREDITARIEDADE IDADE RAÇA Fatores não modificáveis
  • 25. OBESIDADE Fatores modificáveis
  • 26. Fatores modificáveis Tabagismo Excesso de sal
  • 27.  Consumo e retenção de sódio  Viscosidade do Sangue Estimula a Liberação de Vasopressina Estimula o Centro da Sede Aumenta a ingestão de água Aumenta o volume extracelular Retenção renal de água e sódio Aumento do débito cardíaco = aumento da PA
  • 28. Fatores modificáveis Estresse
  • 29. Magnitude de risco para doenças cardiovasculares, a partir dos valores do índice de massa corporal (Kg/m2). WHO, 1997. IMC= P/A2 P= peso em Kg ; A=altura em m. Magnitude do risco IMC Classificação Peso saudável 18 a 24,9 Peso saudável Risco moderado 25 a 29,9 Pré-obesidade Risco alto 30 a 34,9 Obesidade grau I Risco muito alto 35 a 39,9 Obesidade grau II Risco extremo ≥ 40 Obesidade grau III
  • 30. Risco de complicações metabólicas associadas à obesidade em função da medida da cintura, por sexo. WHO, 1997 Cintura Risco aumentado Risco muito aumentado Homens 94 cm 102 cm Mulheres 80 cm 88 cm
  • 31. AVE Lesões nas artérias Lesões na retina Lesão renal Consequências da PA elevada
    • -Infarto
    • - Arritmias
    • -Insuficiência
    • cardíaca
  • 32.  
  • 33. Hipertrofia Ventricular Esquerda
  • 34.  
  • 35.  
  • 36. AVE Hemorrágico
  • 37. Aneurisma
  • 38. AVE Trombótico
  • 39. Se você não quer ser esquecido quando morrer, escreva coisas que vale a pena ler ou faça coisas que vale a pena escrever. &quot; ( Benjamin Franklin )
  • 40. Diabetes
    • A diabetes se caracteriza por um distúrbio no metabolismo do organismo chamado de hiperglicemia, ou seja, quando a taxa de glicose no sangue fica muito alta. Ela pode ocorrer quando há falta de insulina, hormônio que regula esta taxa, ou quando ela não atua de forma eficaz
  • 41. Valores de glicemia
    • Normal : glicemia de jejum entre 70 mg/dl e 99mg/dl e inferior a 140mg/dl 2 horas após sobrecarga de glicose.
    • Intolerância à glicose : glicemia de jejum entre 100 a 125mg/dl.
  • 42. Valores de glicemia
    • Diabetes : 2 amostras colhidas em dias diferentes com resultado igual ou acima de 126mg/dl. ou quando a glicemia aleatória (feita a qualquer hora)  estiver igual ou acima de 200mg/dl na presença de sintomas. 
  • 43. Hemoglobina glicada
    • Denominamos hemoglobina glicada a porcentagem de hemoglobina que está unida à glicose e que permite registrar os níveis de glicemia que o paciente apresentou durante os últimos dois ou três meses, já que a porção de sangue coletada apresenta glóbulos vermelhos de diferentes idades.
  • 44. Hemoglobina glicada
    • - Os valores normais oscilam entre 4 e 6%
    • Para os portadores de diabetes com bom controle da doença, os valores considerados normais são os abaixo de 6%. Contudo, como valores até 7% são adequados para evitar as complicações de longo prazo, esse é um nível de corte que indica que o tratamento está adequado.
    • - valores acima de 8% indicam que o tratamento deve ser modificado.
  • 45.
    • Diabetes Mellitus tipo I :
    • Ocasionado pela destruição da célula beta do pâncreas, em geral por decorrência de doença auto-imune, levando a deficiência absoluta de insulina.
  • 46. Diabetes Mellitus tipo II:
    • Provocado predominantemente por um estado de resistência à ação da insulina associado a uma relativa deficiência de sua secreção.
  • 47. Sintomas de diabetes:
  • 48. Complicações do diabetes
    • Retinopatia - lesão da retina;
    • Nefropatia - lesão renal;
    • Neuropatia - lesão nos nervos do organismo;
  • 49. Complicações do diabetes
    • O grupo das macroangiopatias é representado pelo IAM, AVE, Insuficiência arterial periférica (MMII) e o pé diabético, que agrupa as alterações sensitivas, vasculares e mecânicas.
  • 50. O que mais surpreende é o homem, pois perde a saúde para juntar dinheiro, depois perde o dinheiro para recuperar a saúde. Vive pensando ansiosamente no futuro, de tal forma que acaba por não viver nem o presente, nem o futuro. Vive como se nunca fosse morrer e morre como se nunca tivesse vivido. Dalai Lama