Mutações Sociais e os
Sistemas Educativos
Educação

Tecnologia

Mutações
Sociais

Sociedade

Ciência

Sistemas
Educativos
Sociedade

“O modo como uma sociedade seleciona, classifica, distribui, transmite e avalia os saberes destinados ao ensino...
Sociedade
Na Era da
Revolução
Industrial

Com a Revolução Industrial, no séc. XVIII , com o grande crescimento económico, ...
Sociedade
Modelo Dominante
(Paradigma
convencional)

-Bem-estar económico;
- Ser Humano como um meio de
produção;
- Educaç...
Perspetivas educativas da sociedade do séc.XX
Modelo Dominante

Objectivos:
- formar cidadãos em grande
número;
- ensino e...
Modelo Emergente
Sociedade Pós-Moderna

Noção de qualidade em Educação:

Necessidades

-Ter consciência da existência da
d...
Educação

Educação engloba os processos de ensinar e aprender.
É um fenómeno observado em qualquer sociedade e nos grupos ...
Quatro Pilares da Educação
São as bases da Educação ao longo da vida e servem de orientação para as instituições de ensino...
Sistemas
Educativos

O sistema educativo é o conjunto de meios pelo qual se concretiza o direito à educação (artigo 2.º da...
Mutações
Sociais

Os sistemas educativos necessitam de
acompanhar as mutações sociais

Sistemas
Educativos

A sociedade co...
Os sistemas educativos existem para garantir o direito à Educação.
O sistema educativo português, em concreto, com base na...
“Os sistemas educativos confrontam-se, hoje, com uma complexidade de problemas com origem no
processo de evolução das polí...
Bibliografia:
Costa, M. Matos, P. (2007). Abordagem Sistémica do Conflito. Lisboa: Universidade Aberta
Dávila Calle, Guill...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Mutações sociais e sistemas educativos

443 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
443
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
55
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Mutações sociais e sistemas educativos

  1. 1. Mutações Sociais e os Sistemas Educativos
  2. 2. Educação Tecnologia Mutações Sociais Sociedade Ciência Sistemas Educativos
  3. 3. Sociedade “O modo como uma sociedade seleciona, classifica, distribui, transmite e avalia os saberes destinados ao ensino reflete a distribuição do poder no seu interior e a maneira como, desta forma, se assegura o controlo social dos comportamentos individuais.” (Forquin ,1993, p.85) A sociedade estrutura-se por uma base constituída pelas forças produtivas e das relações de produção, donde se originam as ideias, a política, a religião, o direito e a filosofia que constituem a superestrutura. “Na sociedade do conhecimento, o elemento diferenciador na atividade produtiva é o próprio conhecimento, sendo que as matérias primas passam a ter uma conotação secundária. Nessa sociedade produziram-se também outras grandes mudanças nos âmbitos social, econômico e produtivo. Entre elas, a mudança no modo de comunicação, derivada do surgimento da internet e das tecnologias de digitalização de documentos. A comunicação passa a ser processada de “muitos para muitos", facilitando a disseminação de informações e a socialização do conhecimento. “ (Calle & Silva, 2008, p.2)
  4. 4. Sociedade Na Era da Revolução Industrial Com a Revolução Industrial, no séc. XVIII , com o grande crescimento económico, com a necessidade de produção e com as aspirações sociais de igualizar todos os cidadãos pretendeu-se com a massificação da escola dotar os cidadãos com as competências básicas para o mercado do trabalho, com o fim de dar resposta ao grande desenvolvimento económico. Como resposta a esta necessidade, criou-se um, modelo educativo, denominado por Modelo Dominante( tradicional – paradigma resistente). O Modelo Dominante tinha como objetivos: - formar cidadãos em grande número; - ensino em série; - ensino igual para todos sem ter em atenção as características individuais de cada cidadão, bem como as suas dificuldades de aprendizagem; - ensino de elite; -aumentar a produção; -dar resposta ao desenvolvimento económico.
  5. 5. Sociedade Modelo Dominante (Paradigma convencional) -Bem-estar económico; - Ser Humano como um meio de produção; - Educação para o diploma, o status, o poder; - Interesses inferiores (estratégias pessoais de grupo); - Ensino quantitativo; - Uniformizado, sectorial; - Racionalidade técnicoinstrumental. Na Era da Revolução Industrial Modelo Emergente (Paradigma emergente) -Ética, valores; - Compreensão mútua; - Cidadania consciente; - Participação democrática; - Pluralismo, diversidade e transformação: - Competências sociais; - Bem-estar Humano; - Ser Humano enquanto tal; - Educação para o desenvolvimento global do Homem; - Integrada e reflexiva; - Interesses superiores; - Qualitativo; - Racionalidade interpretativa, crítica, de fins emancipadores.
  6. 6. Perspetivas educativas da sociedade do séc.XX Modelo Dominante Objectivos: - formar cidadãos em grande número; - ensino em série; - ensino igual para todos sem ter em atenção as características individuais de cada cidadão, bem como as suas dificuldades de aprendizagem; - ensino de elite; - aumentar a produção; - dar resposta ao desenvolvimento económico. Modelo Emergente Objectivos: - valorização humana; - democratização da educação; - educação para todos; - direito à escolaridade básica: - respeito pela diferença; - participação democrática pelos diferentes agentes educativos; - cidadania; - pluralidade do ensino; - coesão social. Resultado -Exclusão social; - Abandono escolar; - Taxas de analfabetismo; - Trabalho infantil; - Ainda não consegue dar resposta aos interesses dos vários actores educativos (alunos, pais, professores…)
  7. 7. Modelo Emergente Sociedade Pós-Moderna Noção de qualidade em Educação: Necessidades -Ter consciência da existência da diversidade de apetências, de aspirações e de necessidades na oferta educativa para existir o conceito de equidade, como resposta ao fracasso do modelo dominante. - Autonomia para as escolas definirem a sua orientação educativa. - Contornar os obstáculos tendencialmente meritocráticos. - Participação dos actores educativos na construção da educação com a implementação de ideias e medidas. a resposta a estas necessidades leva à -Melhoramento contínuo no cumprimento dos objectivos estabelecidos, dos processos e das instituições; - Articulação dos planos curriculares e conteúdos programáticos com a capacidade dos próprios alunos construírem conhecimentos (aluno activo); - Eficácia; - Eficiência; - Adaptação dos recursos de forma coerente com as necessidades dos contextos e territórios educativos; - Liderança; - Professor como um impulsionador. Noção de produtividade: -Sucesso escolar dos alunos; - Bem-estar dos alunos; - Índices de empregabilidade. Assim sendo, a escolarização passaria a traduzir uma sociedade mais justa, mais equilibrada e mais desenvolvida.
  8. 8. Educação Educação engloba os processos de ensinar e aprender. É um fenómeno observado em qualquer sociedade e nos grupos constitutivos destas, responsável pela sua manutenção e perpetuação a partir da transposição, às gerações que se seguem, dos modos culturais de ser, estar e agir necessários à convivência e ao ajustamento de um membro no seu grupo ou sociedade. Enquanto processo de sociabilização, a educação é exercida nos diversos espaços de convívio social, seja para a adequação do indivíduo à sociedade, do indivíduo ao grupo ou dos grupos à sociedade. A educação é entendida como uma prática social que procura formar indivíduos para a vida em sociedade e, portanto, deve proporcionar uma visão que lhes permita uma compreensão da sociedade em todas as suas dimensões. Desta forma, a percebemo-nos que a educação se dá no contexto da sociedade, e não apenas na sala de aula, caracterizando a relação que há entre o seu humano, a sociedade e a educação através de diferentes teorias sociológicas. Quatro Pilares da Educação
  9. 9. Quatro Pilares da Educação São as bases da Educação ao longo da vida e servem de orientação para as instituições de ensino implementarem uma metodologia inovadora baseada no desenvolvimento de competências, que privilegia um desenvolvimento completo da pessoa, capacitando-se para agir de forma responsável e eficaz na sociedade. A educação ao longo da vida deve aproveitar todas as oportunidades oferecidas pela sociedade. “A educação deve transmitir, de facto, de forma maciça e eficaz. Cada vez mais saberes e saber-fazer evolutivos, adaptados à civilização cognitiva, pois são as bases das competências do futuro. Simultaneamente, compete-lhe encontrar e assinalar as referências que impeçam as pessoas de ficar submergidas nas ondas de informações, mais ou menos efémeras, que invadem os espaços públicos e privados e as levem a orientar-se para projetos de desenvolvimento individuais e coletivos. À educação cabe fornecer, dalgum modo, a cartografia dum mundo complexo e constantemente agitado e, ao mesmo tempo, a bússola que permita navegar através dele.” (Delors, 1996, p.77) “Numa altura em que os sistemas educativos formais tendem a privilegiar o acesso ao conhecimento, em detrimento doutras formas de aprendizagem, importa conceber a educação como um todo. Esta perspetiva deve, de futuro, inspirar e orientar as reformas educativas, tanto ao nível da elaboração de programas como da definição de novas políticas pedagógicas.” (Delors, 1996, p.88) Aprender a conhecer Aprender a fazer Aprender a viver com os outros Beneficiar-se das Desenvolver Compreender e respeitar o oportunidades oferecidas pela competências e aprender outro. educação ao longo da vida. a trabalhar em equipa. Aprender a ser Desenvolver a personalidade.
  10. 10. Sistemas Educativos O sistema educativo é o conjunto de meios pelo qual se concretiza o direito à educação (artigo 2.º da Lei de Bases), o desenvolvimento global da personalidade, o progresso social e a democratização da sociedade. O sistema educativo é desenvolvido através de várias instituições e entidades públicas, particulares e cooperativas que possuem os mesmos objetivos e que cooperam entre si de forma a proporcionarem os conhecimentos, as aptidões e os valores necessários à realização individual e profissional na sociedade contemporânea. O sistema educativo promove: a) O desenvolvimento do espírito democrático e pluralista, respeitador dos outros, das suas personalidades, ideias e projetos individuais de vida, aberto à livre troca de opiniões e à concertação; b) A formação de cidadãos capazes de julgarem, com espírito crítico e criativo, a sociedade e, que se integram e de se empenharem ativamente no seu desenvolvimento, em termos mais justos e sustentáveis.” O sistema educativo é desenvolvido de forma a garantir a liberdade de aprender e de ensinar..
  11. 11. Mutações Sociais Os sistemas educativos necessitam de acompanhar as mutações sociais Sistemas Educativos A sociedade contemporânea, em que vivemos, altera e muda significativamente os Sistemas Educativos pelos quais nos regemos. Esta nova sociedade em que vivemos foi designada pela primeira vez como “sociedade pós-industrial”, por Daniel Bell. Mais tarde, por outros autores, foi também designada como sociedade do conhecimento, pela sua centralidade no conhecimento e pela perda de importância dos fatores tradicionais de produção. Estas tendências de mudança da sociedade do conhecimento não fariam sentido sem as mútuas relações que se estabelecem entre Sociedade e Educação, pois as mesmas implicam mudanças sociais, económicas e políticas. Estas transformações modificam a organização da sociedade tal como a conhecemos. Refletindo sobre o papel e função reguladora do Estado, este deixa de estar centralizado no aparelho administrativo e passa a partilhar poderes com a sociedade civil. “Vivemos numa economia baseada no conhecimento, numa sociedade do conhecimento. As economias baseadas no conhecimento são estimuladas e impelidas pela criatividade e pelo engenho. As escolas das sociedades do conhecimento têm de criar estas qualidades, caso contrário, os membros das sociedades e os seus países não se desenvolverão.” (Hargreaves, 2003, p.13)
  12. 12. Os sistemas educativos existem para garantir o direito à Educação. O sistema educativo português, em concreto, com base na lei n.º 46/86, de 10 de outubro, (LBSE): • procura assegurar o direito à educação e à cultura para todas as crianças; • a escolaridade obrigatória alargada para nove anos; • a formação de todos os jovens para a vida ativa; • o direito a uma justa e efetiva igualdade de oportunidades; • a formação de jovens e adultos que abandonaram o sistema (ensino recorrente); • a liberdade de aprender e ensinar e a melhoria educativa de toda a população. Com base nesta Lei, assistimos, assim, à instituição de uma nova organização do sistema educativo português que assenta numa educação pré-escolar; numa educação escolar e extra-escolar que engloba atividades de alfabetização, de educação de base e de iniciação ao aperfeiçoamento profissional. Mas, porque os sistemas educativos devem ser o reflexo das necessidades sociais de uma época, devem sofrer atualizações sempre que seja necessário.
  13. 13. “Os sistemas educativos confrontam-se, hoje, com uma complexidade de problemas com origem no processo de evolução das políticas e na transformação ou manutenção do comportamento das administrações que as suportam, no carácter mutável das sociedades contemporâneas nos aspetos sociais, financeiros, económicos, políticos e culturais e na dificuldade de conceber soluções em contextos de incerteza permanente.” (Ramos, 2007) “A par das instituições públicas, as nossas escolas devem, portanto, promover a humanidade, o sentido de comunidade e a identidade cosmopolita que compensarão os efeitos mais destrutivos da economia baseada no conhecimento.” (Hargreaves, 2003, p.13) “os sistemas educativos terão de ser flexíveis, ter capacidade de adaptação à mudança constante, sendo proactivos e capazes de utilizar, na sua máxima extensão, todas as possibilidades conferidas pelas modernas tecnologias da informação e comunicação, ao mesmo tempo que funcionam como elemento agregador de indivíduos, que na perspetiva de enriquecimento de saberes, quer no exercício ativo de cidadania”. (Ramos, 2007)
  14. 14. Bibliografia: Costa, M. Matos, P. (2007). Abordagem Sistémica do Conflito. Lisboa: Universidade Aberta Dávila Calle, Guillermo Antonio & Da Silva, Edna Lucia (2008). Inovação no contexto da sociedade do conhecimento, Revista TEXTOS de la CiberSociedad, 8. Temática Variada. Disponível em http://www.cibersociedad.net Delors, J. (1996). Educação um tesouro a descobrir – Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Porto: Edições ASA. Hargreaves, A. (2003). O Ensino na Sociedade do Conhecimento. Porto: Porto Editora Ramos, C (2007). Aspetos contextuais dos sistemas educativos. Disponível em: http://www.moodle.univab.pt/moodle/mod/resource/view.php?id=1166311

×