Planos de transporte 18º Congresso ANTP

  • 981 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
981
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
21
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A Questão Metropolitana: Inventário de Planos de Transporte Coletivo em São Paulo Tácito Pio da Silveira
  • 2. motivação da pesquisa• “Não temos um plano de transporte.”• “A área de planejamento não faz planos.”• “Problemas urbanos ocorrem por falta de planejamento.”• “A cidade de São Paulo é caótica porquê não teve planejamento.”
  • 3. mídia: conformismo e desconhecimento “Em São Paulo não há planejamento,nem execução rigorosa dos projetos, nemmanutenção do que já foi feito.” As tragédias anunciadas do Rio Tietê in: Carta Maior – Maio 2011
  • 4. Um plano bem sucedido: a ocupação total da várzea do Rio Tietê.
  • 5. objetivos e limitaçõesEstudar o conjunto histórico de planos = os antecedentes.• Investigar a origem do senso comum ou [LEVITT] dessas “verdades”. [VILLAÇA]• Determinar as razões = uma hipótese para a não aplicação.• Uma análise restrita aos planos setoriais de um período no âmbito metropolitano.
  • 6. considerações• O município SP precisa de um plano de transporte que seja parte de um plano metropolitano.• Se planos são necessários, então quais são os problemas?
  • 7. tags
  • 8. nuvem de termos
  • 9. convergências para um plano de transporte metropolitano:• melhor distribuição dos usos do solo;• acessibilidade territorial mais homogênea;• melhor condição de mobilidade;• configuração de uma rede;• aumento da produtividade com investimento em infraestrutura.
  • 10. lista de planos do estudo1926 - PLANO DA LIGHT 1985 - PMTT1930 - PLANO DE AVENIDAS 1988 - PLANO DIRETOR1939 - CETC 1993 - PMTI1956 - ANTE-PROJÉTO DE UM SISTEMA DE 1993 - PLANO METROPOLITANO DA GRANDE SÃO TRANSPORTE RÁPIDO PAULO1958 - SAGMACS 1995 - PITU1966 - GEM 1999 - PITU 20201967 - GEGRAN 1999 - PDDT1967 - PUB 1999 - TRANSPORTE METROPOLITANO1968 - HMD 2002 - PLANO DE MODERNIZAÇÃO DA MALHA DA1970 - PMDI CPTM1971 - PDDI 2002 - PDE1976 - SISTRAN 2003 - PLANO MUNICIPAL DE CIRCULAÇÃO VIÁRIA E1976 - PIT DE TRANSPORTES1978 - PITERP 2004 - SÃO PAULO INTERLIGADO1982 - PDDI II 2005 - PITU 20251983 - PMT 2006 - CDTI1983 - PAI 2006 - REDE ESSENCIAL1985 - PMTC 2010 - PCM
  • 11. função de um plano de transporte• “resolver a crise no sistema de transporte de transporte coletivo”1) Se não há uma crise não há necessidade de elaborar um plano.2) Se todo plano é uma resposta a uma crise, então, vivemos em uma... Crise permanente.
  • 12. crise = cotidiano = crise
  • 13. lista de planos do estudo 19xx – em azul planos de transporte 19xx – em verde planos urbanísticos 19xx – em vermelho grupos gestores ou grupos de estudo• divididos segundo critério histórico oueconômico a ser proposto
  • 14. planos do estudo – 1926 a 20101926 - PLANO DA LIGHT1930 - PLANO DE AVENIDAS1939 - CETC: Comissão de Estudos de Transporte Coletivo1956 - ANTE-PROJÉTO DE UM SISTEMA DE TRANSPORTE RÁPIDO1958 - SAGMACS: Sociedade para Análise Gráfica e Mecanográfica Aplicada aos Complexos Sociais1966 - GEM: Grupo Executivo Metropolitano1967 - GEGRAN: Grupo Executivo da Grande São Paulo1967 - PUB: Plano Urbanístico Básico1968 - CONSÓRCIO HMD: Hochtief, Montreal e Deconsult1970 - PMDI: Plano Metropolitano de Desenvolvimento Integrado
  • 15. planos do estudo – 1926 a 20101971 - PDDI: Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado1976 - SISTRAN1976 - PIT: Plano Integrado de Transporte1978 - PITERP: Plano Integrado de Terminais de Passageiros1982 - PDDI II: Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado II1983 - PMT: Plano Metropolitano de Transporte1983 - PAI: Plano de Ação Imediata1985 - PMTC: Plano Municipal de Transporte Coletivo1985 - PMTT: Plano Municipal de Transporte e Tráfego1988 - PLANO DIRETOR DE SÃO PAULO1993 - PMTI: Plano Metropolitano de Transporte Integrado1993 - PLANO METROPOLITANO DA GRANDE SÃO PAULO1995 - PITU: Plano Integrado de Transporte Urbano
  • 16. planos do estudo – 1926 a 20101999 - PITU 2020: Plano Integrado de Transporte Urbano 20201999 - PDDT: Plano Diretor de Desenvolvimento de Transporte1999 - TRANSPORTE METROPOLITANO2002 - PLANO DE MODERNIZAÇÃO DA MALHA DA CPTM2002 - PDE: Plano Diretor Estratégico2003 - PLANO MUNICIPAL DE CIRCULAÇÃO VIÁRIA E DE TRANSPORTES2004 - PLANO SÃO PAULO INTERLIGADO2005 - PITU 2025: Plano Integrado de Transporte Urbano 20252006 - CDTI: Comitê Diretor de Transporte Integrado2006 - REDE ESSENCIAL2010 - PCM: Plano de Corredores Metropolitanos
  • 17. PLANO DA LIGHT DE SÃOPAULO(1926)O plano da companhia canadenseLight and Power Company Limited(Cia. Light) consistia em umaproposta de rede de bondes,parte em superfície e partesubterrânea, destinada a atenderao núcleo histórico da cidade emalgumas das principais avenidas.Entrementes, a empresacanadense pretendia ainda,transformar seu contrato deexclusividade com a Prefeitura deSão Paulo para englobar todo otransporte por ônibus e, assim,eliminar a concorrência a seussistemas.
  • 18. PLANO DE AVENIDAS DEPRESTES MAIA(1930)Ao contrário daqueleentendimento mais comum, oPlano de Avenidas não se tratoumeramente de um plano para osistema viário, mas de um planourbano abrangente, compreocupações também com osistema de transporte maisadequado para São Paulo.
  • 19. PLANO DE AVENIDAS DEPRESTES MAIA(1930)O plano se destaca pela análise daestrutura da cidade, pelassoluções formais propostas esugere uma intervenção urbanaradical, apoiada na concepção eampliação de um sistema viáriode bom padrão, consideradoentão como a base necessáriapara a implantação de umainfraestrutura de transportecoletivo sobre trilhos.
  • 20. ESTUDO DO CETC: COMISSÃO DEESTUDOS DE TRANSPORTECOLETIVO (1939)Criada pelo prefeito Prestes Maiadurante sua primeira gestão (1938 a1945) a CETC foi designada para arealização de um levantamento geraldas condições do transporte coletivopúblico na capital, realizando algumasdas primeiras pesquisas maisabrangentes sobre deslocamentos e osmeios de transportes utilizados. Olevantamento incluiu pesquisas dotipo sobe-e-desce e pesquisas delotação por faixa horária. Asinformações levantadas foramcotejadas com os dados demográficosdisponíveis à época, e serviram debase para alterações na política detransporte. Antes da gestão de PrestesMaia a Cia. Light já havia manifestado(1937) a intenção de não renovar aconcessão do serviço de transportepor bondes após o término docontrato em 1941.
  • 21. ANTE-PROJÉTO DE UM SISTEMADE TRANSPORTE RÁPIDO(1956)Plano realizado pela Comissão doMetropolitano. Esta comissão foinomeada por uma portariamunicipal em 1955, depois dereuniões entre a Prefeitura e aCompanhia Municipal deTransporte Coletivo (CMTC) queconcluíram: “(...) ser necessário oestabelecimento de diretrizesgerais para o transporte coletivo eem especial para um sistemametropolitano ou de trânsitorápido ”METRÔ “a ser previsto egradualmente construído (...)”.Prestes Maia foi o relator dacomissão e reiterou, 25 anos apóso Plano de Avenidas, a necessidadede construção de uma rede detransporte coletivo de altacapacidade, desta feita compostapor uma rede estrutural com 100km de metrô, divididos em trêslinhas.
  • 22. SAGMACS: SOCIEDADE PARAANÁLISE GRÁFICA EMECONOGRÁFICA APLICADA AOSCOMPLEXOS SOCIAIS (1958)A SAGMACS foi um grupo de trabalhoformado pelo Padre Lebret, queproduziu um documento essencialpara o diagnóstico das condiçõesurbanas da época, apoiado emanálises de base racionalista equantitativa chamado: EstruturaUrbana da Aglomeração Paulista –documento de ampla influênciaposterior cuja análise, entretanto, nãoconsegue dar conta das razões doacelerado processo de urbanizaçãopaulista, e propõe como solução a‘necessidade’ de contenção docrescimento da cidade.
  • 23. GEM: GRUPO EXECUTIVOMETROPOLITANO(1966)Criado pelo prefeito Faria Lima oGEM elaborou o primeiro planobásico para uma rede estruturalde metrô. Este grupo foi oresponsável pela realização daprimeira pesquisa do tipo origeme destino (OD/1967). O GEMtornou-se, então, a gênese do queviria a ser a Companhia doMetropolitano de São Paulo(Metrô), criada em 1968,coincidentemente, o ano quemarca o fim dos serviços debondes elétricos em São Paulo.
  • 24. GEGRAN: GRUPO EXECUTIVO DAGRANDE SÃO PAULO(1967)O Cons. de Desenvolvimento daGrande São Paulo, acompanhadopor seu órgão executivo, oGEGRAN foram formados após aconcepção institucional dasregiões metropolitanas no país,sendo os órgãos responsáveispelo planejamento integrado daRMSP, reunindo sob suacoordenação os diversos planosoriundos da máquinaadministrativa estadual emunicipal, além de realizarem umcompleto e profícuolevantamento aerofotogramétricoem São Paulo.
  • 25. PUP: PLANO URBANÍSTICOBÁSICO(1967)O PUP teve seus estudoscontratados pelo Grupo Executivode Planejamento do município deSão Paulo (GEP), órgão criado pordecreto municipal. Assim comono posterior PMDI (ver adiante)elabora as principais concepçõesde ordenação espacial daaglomeração paulista dentro deuma nova ordem institucional. Oplano PUB se preocupava,fundamentalmente, emdirecionar e dar forma aocrescimento urbano e suprir acidade de infraestruturas eserviços adequados a suasdemandas, colocando 1990 comoo ano-meta.
  • 26. CONSÓRCIO HMD: HOCHTIEF,MONTREAL E DECONSULT(1968)O plano para o Metrô de SãoPaulo foi desenvolvido peloconsórcio HMD, que venceu umalicitação internacional organizadapelo GEM. O HMD faz amplaanálise da situação do transporteurbano e propõe uma RedeBásica para o metrô. A propostacontempla uma rede compostapor cinco linhas com extensão de63 km, além de uma expansãoposterior de aproximadamente200 km. Extensão que seriaatendida apenas no ano de 2010.
  • 27. PLANO SISTRAN(1976)Estudo do Sistema de TransporteUrbano de Passageiros da RMSP.Foi um plano para a reorganizaçãogeral do sistema de transportecoletivo por ônibus implantado nagestão de Olavo Setúbal. Areorganização teria como base aimplantação de uma ampla redede linhas estruturais de trólebus,que previa o uso de ônibus dotipo Padron ou articulados emcorredores exclusivos.
  • 28. PIT: PLANO INTEGRADODE TRANSPORTE(1976)O Plano Integrado de Transportesfoi formulado em conjunto pelaSecretaria Municipal deTransportes (SMT), CMTC,Departamento do Sistema Viário(DSV), e Metrô. O PIT foi oprimeiro plano específico detransporte coletivo elaboradoapós a inauguração do Metrô e,sob a influência desse novo modode transporte operando nacidade, preconiza a necessidadede integração física, operacional etarifária de todo o sistema (todosos modos).
  • 29. PITERP: PLANO INTEGRADO DETERMINAIS DE PASSAGEIROS(1978 ren. 2003)Elaborado pela Cia. do Metrô emconjunto com o DepartamentoNacional de Estradas de Rodagem(DNER), o PITERP pretendiadefinir a pré-localização e o pré-dimensionamento de terminaisrodoviários de passageirosmetropolitanos em um horizontede dez anos. Dos terminaisrodoviários “previstos” o Tietê jáestava pronto, sendo queposteriormente foraminaugurados os terminaisJabaquara (1988) e Barra Funda(1989), no limite da vigência doprazo para todos os cincoterminais previstos.
  • 30. PDDI II: PLANO DIRETORDE DESENVOLVIMENTOINTEGRADO(1982)Plano Diretor deDesenvolvimento Integrado II –Uma revisão das diretrizes doprimeiro PDDI, o plano de 1982faz uma análise clássica docrescimento da cidadeprocurando propor seudirecionamento através dofortalecimento de sub-centros,chamados de pólos dedesenvolvimento e da proposiçãode vetores de urbanização para os Acervo Thomas Correaanos posteriores.
  • 31. PMTC: PLANO MUNICIPAL DETRANSPORTE COLETIVO(1985)Plano que antecede a um planode maior escopo (PMTT) ambosconcebidos durante a gestãoCovas. O plano foi elaborado emum período de intervenção daPrefeitura de São Paulo nasempresas prestadoras do serviçode transporte, que praticavamlocaute. O plano apostava nofortalecimento da CMTC comooperadora, retomando aconcepção de uma rede decorredores de trólebusacompanhada por grandenúmero de terminais. Propunhauma reorganização da própriaCMTC, centralizando suasatividades de gestão e operação.
  • 32. PMTT: PLANO MUNICIPAL DETRANSPORTE E TRÁFEGO(1985)Amplo trabalho elaborado pelaSecretaria Mun. de Transportesda Prefeitura do Município. ÉUm plano voltado aoordenamento completo dotráfego e do transporte coletivosobre pneus, notadamente comuso de trólebus, além detransporte público por táxis,transporte de carga, segurança,planejamento e operação dosistema viário. Plano de largoescopo técnico com diversossub-planos de curto e médioprazo.
  • 33. PMTI: PLANO METROPOLITANO DETRANSPORTE INTEGRADO (1993)Plano elaborado pela STM a partirde uma síntese das políticas eprojetos existentes. O planoabrange toda a RMSP e trata aaglomeração urbana como umaúnica “cidade”, sobre a qualdeveria haver uma visão integrada.O plano não se coloca como umplano nos moldes tradicionais, mascomo uma ferramenta deplanejamento que se propõe aextrapolar as tendências históricas– utilizando para isso a formaçãode uma “visão da cidade” –tornando-se um planoefetivamente propositivo, queatinja os objetivos almejados. Paratanto o plano utiliza métodos deanálise e simulação do modeloTransporte Estratégico e Regional(START).
  • 34. PLANO METROPOLITANO DAGRANDE SÃO PAULO(1993)Plano para o horizonte (1993/2010)elaborado pela equipe de JorgeWilhein na EMPLASA. O planopropunha uma série de ações ediretrizes de desenvolvimento,político econômico, físico-territoriais, infraestrutura, serviçose equipamentos institucionais. Foium dos primeiros planos a colocarcom muita clareza os objetivos deum desenvolvimento sustentável,além de tocar na questão daglobalização. O plano trabalhavacom dois cenários: um conservador(tendencial) e um inovador queincorporava as diretrizes propostas.
  • 35. PITU: PLANO INTEGRADO DETRANSPORTE URBANO (1995)Plano que procura recolocar oplanejamento integrado dostransportes metropolitanos. Oplano surge no contexto doneoliberal do período, em queforam praticadas várias formas deprivatização e parcerias emsetores de infraestrutura. No casodos transportes isso representou,no Estado de São Paulo, a fusãoda CBTU com a FEPASA para acriação da CPTM. Começam aquios projetos de modernização dostrens metropolitanos e atentativa (ainda em andamento)de implantação do “padrãometrô” em toda a redemetropolitana de trens.
  • 36. PITU 2020: PLANO INTEGRADO DETRANSPORTE URBANO(1999)O PITU 2020 se propunha a ser umplano metropolitano para umhorizonte de 20 anos. Procuravaenglobar um novo método deplanejamento que se tornasse umefetivo instrumento de apoio àtomada de decisões políticas.Apoiava-se em ideário emergenteligado aos “novos” conceitosambientais, apresentados como umgrupo de cinco objetivos a seremperseguidos. A futura metrópoledeveria ser: competitiva, saudável,equilibrada, responsável e cidadã. OPITU 2020 previa uma ampla redede transporte coletivo baseada naalta capacidade (sobre trilhos), compouca ênfase nos elementos detransporte de média e baixacapacidade.
  • 37. PDDT: PLANO DIRETOR DEDESENVOLVIMENTO DOSTRANSPORTES(1999)O plano desenvolvido pelaSecretaria dos Transportes (ST) doGoverno do Estado de São Paulo(GESP). Coloca uma abordagemmetodológica em que osobjetivos a serem alcançados são:qualidade, desenvolvimentosustentável, competitividade efactibilidade. O plano coloca duasfases principais: identificação degargalos e elaboração de planoestratégico. O plano propõe umciclo de planejamento entendidocomo processo permanente deplanejamento PDDT-Vivo.
  • 38. TRANSPORTE METROPOLITANO(1999)Plano de transporte desenvolvidopela Empresa Metropolitana deTransportes Urbanos de São PauloS. A. (EMTU) que delineia as açõesdo GESP. Plano bastante completoque propõe um conjunto de linhasmetropolitanas de ônibus (entre ascidades da RMSP) com foco nacidade de São Paulo, além de umaampla proposta de ampliação determinais existentes e construçãode novos terminais detransferência.
  • 39. PDE: PLANO DIRETORESTRATÉGICO(2002)Lei Municipal nº. 13.430 de 13 desetembro de 2002. O Plano Diretor dacidade, em vigor, faz um apanhado detodas as propostas de transportecoletivo das diversas instâncias e níveisdo poder executivo e apresenta-as naforma de uma proposta consolidadapara uma rede de transporte coletivo,contando com uma rede de altacapacidade de trens e metrô (redefutura) e uma extensa rede de médiacapacidade em corredores detransporte – sem a especificação detecnologia a ser utilizada. Oshorizontes adotados para o PDE eram2012 e 2016 e havia uma revisãoagendada para o ano de 2007 queainda se encontra em tramitação noPoder Legislativo municipal.
  • 40. PLANO DE MODERNIZAÇÃO DAMALHA DA CPTM(2002)Chamado de Plano Funcional, o planoda CPTM tanto incorpora as diversasmedidas de modernização da malha,que já estavam em curso no ano desua publicação, como consolida umasérie de novas proposiçõescomplementares. Consta neste plano achamada Integração Centro quepropunha a integração física das linhasA, B, D e E (atuais linhas Rubi,Diamante, Turquesa e Esmeralda) emtodas as estações centrais (BarraFunda, Luz, Brás e a nova estação BomRetiro). A proposta previa para 2010,para o chamado trecho central, umintervalo médio de 1,5 min., sendoque para cumprir esta meta todas aslinhas teriam que estar com intervalomédio de 3 min. neste mesmohorizonte.
  • 41. PLANO MUNICIPAL DECIRCULAÇÃO VIÁRIA E DETRANSPORTES(2003)Elaborado para o cumprimento deuma exigência do PDE 2002 o PMCVTtem uma formatação que seassemelha ao PDE. Embora tendo sidopublicado no Diário Oficial doMunicípio (DOM) em duas ocasiões otexto não tem força de Lei. Suapublicação, entretanto, o torna amanifestação pública das diretrizes detransporte da Prefeitura da Cidade deSão Paulo, o que lhe confere o statusde ser a mais recente posição oficialsobre a política de transportes. Oplano tem elaboraçãopredominantemente conceitual edefine os princípios, objetivos ediretrizes da política de transporte doExecutivo
  • 42. SÃO PAULO INTERLIGADO(2004)Plano elaborado pela SPTrans eSMT, que resume uma série deações que já haviam sido tomadaspela Secretaria e pela SPTrans,tais como: difusão da bilhetagemeletrônica pela cidade,implantação de sistemas demonitoramento e controle,contrato de financiamento com oBNDES, inauguração de novosterminais de integração,construção dos mais recentescorredores de ônibus, assinaturade novos contratos de prestaçãode serviço com empresasconcessionárias e cooperativas depermissionários, renovação dafrota de ônibus, entre outras.
  • 43. PITU 2025: PLANO INTEGRADO DETRANSPORTE URBANO(2005)A atualização do plano anterior (PITU2020) foi além de uma mera revisãode aspectos marginais decorrentes dealterações na previsão de demanda.Tratou-se de uma completa revisãodas diretrizes gerais de transportecoletivo de alta capacidade. Essarevisão mostra um novo desenho darede de metrô concentrada noCentro Expandido queposteriormente será detalhada noplano da Rede Essencial do Metrô. Oplano adota uma nova metodologiade trabalho com o uso de um novométodo que, em tese, conseguesimular o comportamento dademanda projetada e suainterferência na composição dospreços (valor) do solo no futuro, evice-versa, até atingir um ponto deequilíbrio.
  • 44. REDE ESSENCIAL(2006)O desenho da rede do Metrô,passou por várias alterações aolongo de sua história. A RedeEssencial é a penúltima alteraçãopublicada e representa umaalteração de rumo daquilo queestava previsto pela STM no PITU2020. A diferença pode serobservada na dimensão da redeproposta que, nesta versão,torna-se menos abrangente emais adensada, reduzindo aquilometragem total em umdesenho mais concentrado noCentro Expandido. Esta mudançade rumo apóia-se na ampliaçãoda capacidade da CPTM, na baseconceitual presente no PITU 2025e na expectativa de baixocrescimento econômico.
  • 45. PCM: PLANO DE CORREDORESMETROPOLITANOS(2010)O plano de corredoresmetropolitanos é a últimaversão disponível da redefutura da EMTU. Representauma simplificação da redeproposta no plano de 1999,reduzindo a quilometragemtotal e o número de terminaisnovos ou reformados. Tem focomaior na viabilização de obrasmais “fáceis” de seremrealizadas.
  • 46. conclusões para discussão:• Prestes Maia não cometeu um “pecado original”;• o conjunto dos planos formou seu próprio arcabouço técnico/científico e construiu boa parte do pensamento nessa área de conhecimento;• superação do racionalismo e retomada não “autoritária” mas criação do mito da gestão democrática;• sucessivas mudanças na rede futura do Metrô – sem orçamento para obras / desenho “fixo” – com orçamento disponível / desenho “móvel”• a cidade é um fato econômico e social dinâmico, mas nem tanto...
  • 47. Tácito Pio da Silveiratacito.silveira@sptrans.com.br / tel.: (11) 3396-7897 São Paulo Transporte S. A. Superintendência de Planejamento de Transporte Rua Boa Vista 236 – 5º andar São Paulo, SP, Brasil