Your SlideShare is downloading. ×
Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portuguese
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portuguese

35,046
views

Published on

Curso de canto gregoriano em Power Point, versão em inglês e tradução para o português. …

Curso de canto gregoriano em Power Point, versão em inglês e tradução para o português.
Não sei quem é o autor deste curso que encontrei na Internet.
I don`t know the author.
Visite minha página página de canto gregoriano / Visit my gregorian site: www.gregoriano.org.br

Published in: Education, Spiritual, Technology

4 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
35,046
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
336
Comments
4
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CANTANDO CANTO GREGORIANO Nota e Modo Tutorial Básico.
  • 2. Cantando Canto Gregoriano O Canto Gregoriano é uma oração cantada em uníssono. Para cantar nós temos que controlar três coisas: nota, ritmo e expressão. Para ajudar a controlar a nota, seria útil ter uma maneira de representar as notas e, graficamente, os momentos que as cantamos (pitch events). Para esse efeito: digamos que a linha acima representa uma nota . Se nós queremos cantar “kyrie eleison” neste tom, nós podemos indicar as sílabas que queremos cantar colocando marcas no linha abaixo delas.
  • 3. Cantando Canto Gregoriano Para indicar qualquer uma melodia mais elaborada, precisamos de uma forma de indicar uma variedade de notas, e de uma forma precisa . Podemos começar a fazer isso usando ambas as linhas e os espaços acima e abaixo delas . Para indicar uma nota abaixo do campo indicado pela linha, nós simplesmente desenhamos uma marca abaixo da linha. Isso ainda é bastante limitado, não é? E se quisermos que a nossa melodia caia abaixo da menor nota? Ou maior do que o espaço acima da linha?
  • 4. Cantando Canto Gregoriano A solução, claro, é adicionar mais linhas. A coleção de linhas é chamada de partitura . Com uma partitura, nós podemos indicar uma maior variedade de notas. Infelizmente, há ainda um problema. Os notas abaixo podem ser cantadas de diferentes maneiras, dependendo de como nós pensamos do que são as suas exatas diferenças relativas . Agora, a partitura e suas notas não nos mostram.
  • 5. Cantando Canto Gregoriano Movendo as notas (marcas) em linhas diferentes, também não vai resolver o problema, porque seria apenas trocar um conjunto de diferenças para outras. Então o que devemos fazer, especificar a exata diferença entre cada nota (marca) única? Isto seria tedioso. Nós precisamos de uma maneira que seja mais eficiente. Para encontrá-la, vamos voltar e olhar para toda a variedade de notas usadas no canto gregoriano.
  • 6. Cantando Canto Gregoriano Como este conjunto é gerado é uma questão interessante, mas por agora vamos especificar que a diferença de som entre cada nota será constante, e vamos chamar essa diferença de uma etapa inteira . No entanto, vamos admitir algumas exceções onde a diferença de som será inferior a um tom (passo) inteiro, e vamos chamar essas diferenças de meio tons (indicado em vermelho).
  • 7. Cantando Canto Gregoriano Esta gama de notas e seu posicionamento particular de todo e semitons corresponde exatamente à disposição das notas brancas de um piano, como mostrado.
  • 8. Cantando Canto Gregoriano: Solfejo Ao invés de letras, vamos dar nomes a essas notas. Os nomes no gráfico acima são chamados de solfejo; e tem sido usado como um passo-sistema de nomes por muitos séculos. Observe que as metade dos passos (tons) ocorre apenas entre dois locais: entre o MI e FA e entre SI e DÓ.
  • 9. Cantando Canto Gregoriano: Solfejo Se uma certa melodia tem apenas uma pequena distância e varia de alto a baixo, seria deselegante tirar todas estas linhas. Também seria enfadonho escrever nomes de solfejo em cada nota única, ou indicar onde tons inteiros e meio tons ocorrem em cada momento. O que podemos fazer para indicar o que precisamos, sem tantos problemas?
  • 10. Cantando Canto Gregoriano: A clave de DÓ Resposta: selecionar somente as quatro linhas que precisamos para abranger a gama de notas que a nossa música exige, e (este é o golpe de gênio) indicam qual das linhas representa o DÓ. Ao fazer isso, todos os nossos problemas estão resolvidos! Marcando DÓ implica, eficazmente, quais são todas as outras notas, e exatamente onde o todo e os meios tons ocorrem. Essa marca (ela se parece com um C) é chamada de clave de DÓ.
  • 11. Cantando Canto Gregoriano E se a distância entre a segunda e a terceira nota se parecer com um passo inteiro ? Voltando à nossa melodia original com DÓ indicado na 4ª linha, agora podemos cantá-la com confiança. Sabemos que ele começa em RÉ, que a distância entre a segunda e a terceira nota é uma nota e meio, e que a distância entre a penúltima e a última nota é um tom inteiro. Cante-a. Soa bastante grave, não é? Mas e se não é o que nós queremos? E se a distância entre a segunda e a terceira nota supõe-se ser um passo inteiro ?
  • 12. Cantando Canto Gregoriano Simples: mude a clave para baixo uma linha. Isso faz parte da linha de FÁ, e se você voltar para a ilustração de todas as notas, você notará que a distância entre a segunda e a terceira nota do FÁ é um tom inteiro. Além disso, você também vai ver que a distância entre a penúltima e a última nota acima, é um tom e meio. Agora, a nossa melodia soa bastante diferente, bastante festiva, talvez. A localização dos meio tons evidentemente gera efeitos diferentes.
  • 13. Cantando Canto Gregoriano Nós poderíamos mudar a clave de DÓ até a terceira linha, preservando, assim, quase o mesmo arranjo de tons e semitons, mas a clave de DÓ na terceira linha não é tão comum como uma clave para indicar FA, mostrado acima. Por quê usá-lo? Simplesmente uma questão de conveniência visual: cantos usando a clave de FÁ, muitas vezes ficam em torno de FÁ, tanto acima como abaixo dela.
  • 14. Cantando Canto Gregoriano: Neumas Agora vamos voltar para o negócio do canto gregoriano como ilustra as notas passo a estas linhas e espaços. No canto gregoriano, a sequência de notas são indicadas com marcas chamadas de neumas . Mais de um neuma associado a uma dada sílaba é chamada de melisma . Como você pode ver, neumas podem ter diferentes formas. Essas formas têm nomes. Vamos aprender os nomes dos neumas básicos, aqueles que afetam a ordem em que eles são cantados, e aqueles que afetam a maneira como nós expressamos ou articulamos as suas notas.
  • 15. Cantando Canto Gregoriano: Punctum e Podatus A nota quadrada ou em forma de diamante é chamada de punctum . Observe que alguns punctums estão ligados entre si por uma linha vertical. Por exemplo, o terceiro neuma acima (chamado Podatus ) combina duas notas, uma em cima da outra. A nota final (de baixo) é sempre cantada primeiro. Os pontos adjacentes a alguns neumas acima são marcas rítmicas e expressivas, não são notas. O mesmo vale para as pequenas linhas verticais abaixo de alguns neumas.
  • 16. Cantando Canto Gregoriano: Distropha, etc. Punctums consecutivos na mesma altura (tom), colocados juntos, são chamados um bistropha (dois punctums) ou tristropha (três punctums). O número de punctums indica duração: dois indicam o dobro da duração de um, três indicam a duração três vezes, etc. Alguns estudiosos recomendam distintiva de cada pulso com um pequeno empurrão de seu diafragma, algo chamado repercussão. Outros recomendam um crescendo ligeiro.
  • 17. Cantando Canto Gregoriano: Torculus e Clivis Observe que há dois punctums para a direita, que também são ligados por linhas verticais (em vermelho), mas o punctums fundo são colocadas à direita do punctums superior. Eles são podatus ? Não, o primeiro é um torculus , o segundo um clivis . Não há nenhum problema em cantar: você segue o costume de cantar as notas da esquerda para a direita. Mostrando sua conectividade com uma linha sugere a sua ligação a um grupo de neumas, chamado de uma frase but the bottom punctums are placed to the right of the top punctums. : Fraseado cuidadoso é muito importante para fazer soar o canto como uma parte integrada da música.
  • 18. Cantando Canto Gregoriano: o Porrectus Um neuma que se parece com um Z de lado é chamado de porrectus . Ele é composto de três notas: você deve cantar a primeira nota superior esquerda, em seguida a do canto inferior direito e depois a do canto superior direito. O porrectus nos vãos de pessoal inferior a uma distância maior entre a segunda e terceira nota, mas é cantado na mesma ordem: esquerda, abaixo, acima.
  • 19. Cantando Canto Gregoriano: Liquescentes O neuma em vermelho é igual a um podatus o qual é composto de duas notas, mas observe que a nota máxima é menor em tamanho. Isso é chamado de um neuma liquescente . A menor nota é sempre cantada após a maior, mesmo se ela aparecer abaixo dela. Também é cantada mais suavemente. Às vezes, a nota liquescente indica que você deve cantar a menor nota em um som de consoantes, como o som n em Hosa nn a.
  • 20. Cantando Canto Gregoriano: o Quilisma A linha (nota) dentada em vermelho é chamada de quilisma e também denota um tom cantado. Neste exemplo, o Quilisma liga o punctum à sua esquerda com o porrectus à sua direita. Os estudiosos do canto gregoriano têm interpretações diferentes sobre a forma como o quilisma deve ser cantado. Uma opinião comum é que ele deve ser tratado como tendo menor duração do que a nota anterior, e que se move através dela de forma rápida e leve para a nota seguinte.
  • 21. Cantando Canto Gregoriano: o Custos O que parece ser uma meia nota no fim de cada partitura (tetragrama) (acima, em vermelho) é chamada de custos ou guião . Ela não é cantada. Em vez disso, seu objetivo é indicar a primeira nota da partitura seguinte. É uma nota de sinalização - uma cortesia para com os cantores.
  • 22. Cantando Canto Gregoriano: O sinal de bemol A nota b oca acima (a segunda marca após a clave de DÓ) não é uma nota em si, mas ela reduz o tempo de duração da nota seguinte à metade do tempo. Isto é chamado de flattening desta nota, e este sinal é chamado de bemol . Isto se aplica para cada nota neste espaço e nesta frase. (Observe que este sinal volta mais tarde em “eleison.”)
  • 23. Cantando Canto Gregoriano Agora você pode ler este Kyrie, que é um trecho da Missa VIII (De Angelis) no Romanum Kyriale. Desde que DÓ é a segunda linha de cima, o canto começa em FÁ. Tome cuidado para achatar o SI por meio passo. Chamamos a TE arremesso achatada. Além disso, um ponto sobre o ritmo: os pontos acima indicam que os passos para a esquerda está para ser alongado um pouco. Isso confere uma frase como o sentimento de peças do canto e convida-nos a perceber a estrutura melódica e descanso.
  • 24. Cantando Canto Gregoriano: Modos Na tradição do canto gregoriano, os tons são organizados em quatro grupos baseados nos quatro tons chamados de finais: eles são RÉ, MI, FÁ e SOL. Observe que em cada caso difere o posicionamento dos meios-tons. Tais diferenças dão vantagens expressivas a cada grupo de tons de um conjunto único.
  • 25. Cantando Canto Gregoriano: I Modo O I Modo é baseado em RÉ. Observe que o terceiro tom é um meio tom acima do segundo tom . Observe, também, que o SI pode muitas vezes se tornam RÉ (achatados), e que entre o sétimo passo (DÓ) e a final (RÉ), há um passo inteiro. Este arranjo de inteiros e semitons dá o seu modo de som caracteristicamente graves. Esteja ciente de que cantar nesta e em outras modalidades podem constituir-se em torno de um tom de recitar cinco degraus acima do final. (Modos III e IV são exceções.)
  • 26. Cantando Canto Gregoriano: I Modo, descendente O I Modo visto em ordem decrescente. Ele é útil para adquirir o hábito de cantar os modos tanto em ordem decrescente quanto em ordem crescente, porque a tendência da nossa voz é ir no tom como as cantamos. É muito desejável resistir a esta tendência e desenvolver precisão no tom correto. Uma maneira de fazer isso é verificar a sua precisão no terceiro e sétimo tons: tendem a cair.
  • 27. Cantando Canto Gregoriano: I Modo, exemplo “ Senhor, perdoa o teu povo. Não fiques irado conosco para sempre.” (Joel 2:17). Parte de uma ladainha cantada durante a Quaresma. Observe o uso acentuado do FÁ (a terceira menor sonoridade) e LÁ (o tom recitativo).
  • 28. Cantando Canto Gregoriano: I Modo, exemplo Um hino do século IX. “Ave, estrela do mar, mãe de Deus, sempre virgem, feliz porta do céu.” Observe que a nota mais alta do canto ressalta a palavra stella (estrela). Esta é a iluminação musical do texto, algo em que o canto sobressai.
  • 29. Cantando Canto Gregoriano: II Modo (plagal) O II Modo tem os mesmo tons do I Modo I, mas visualmente suas melodias tendem para as faixa acima e abaixo de RÉ. Isso é chamado modo plagal. Cada modo possui um amplo tom plagal. Observe a mudança para a clave de FÁ.
  • 30. Cantando Canto Gregoriano: Modo II, exemplo “ O Senhor me disse: Vocé é meu filho, hoje eu Te gerei.” Antífona do Intróito da noite antes do Natal.
  • 31. Cantando Canto Gregoriano: Modo II, exemplo “ Dá a paz, Senhor, nos nossos dias, porque não há ninguém que lute por nós, a não ser Tu, nosso Deus.”
  • 32. Cantando Canto Gregoriano: Modo III O III Modo III (e seu tom plagal, IV Modo) são baseados em MI. Observe como o primeiro tom de MI para FÁ é um meio-tom. Isto não é comum. Também não há tom recitativo consistente. Pode ser difícil de ler os cantos da música nestes modos devido a estas duas características, mas eles dão aos Modos III e IV, um som bastante incomum e os faz torná-los expressivos de uma forma estranhamente bonito.
  • 33. Cantando Canto Gregoriano: Modo III, exemplo Da Missa XVI no Kyriale Romanum . Observe como os centros de SI em torno da melodia e SOL (soando maior ) antes de mergulhar misteriosamente até MI na frase final.
  • 34. Cantando Canto Gregoriano: Modo III, exemplo O famoso canto Tantum Ergo é parte de um outro famoso canto, Pange lingua gloriosi. Observe, n ovamente, como os maiores tons garantiram ao canto todo sons até a última palavra defectui ; (defectivo). O movimento de meio-tom através de MI deu à palavra final um senso de incompleto – uma outra tonalidade?
  • 35. Cantando Canto Gregoriano:Modo III, exemplo “ Desde o nascer do sol no Oriente até às remotas fronteiras da terra, cantemos o Cristo Rei, nascido da Virgem Maria.” Um bom exemplo da beleza do III Modo, de caráter contemplativo, este hino é tradicionalmente usado durante as Laudes na manhã de Natal.
  • 36. Cantando Canto Gregoriano: IV Modo (plagal) O IV Modo é de tom plagal em MI. Este modo é incomum também porque um acha simbolizada com três claves: DÓ na quarta, DÓ na terceira linha, ou (raramente) FÁ na terceira linha.
  • 37. Cantando Canto Gregoriano:IV Modo, exemplo “ Vimos sua estrela no Oriente e viemos, com presentes, adorar o Senhor.” Antífona da Comunhão na Epifania do Senhor.
  • 38. Cantando Canto Gregoriano: Modo IV, exemplo Da Missa X, Kyriale Romanum
  • 39. Cantando Canto Gregoriano: Modo V Os Modos V e VI, tem a base em FÁ, são muito comuns e festivos. Observe o uso do SI como quarto tom. Numa escala maior o quatro tom representaria um meio-tom de LÁ. Aqui, é um tom completo , dando a um modo invulgarmente dinâmico, um som suspenso . Entretanto, o SI nem sempre é usado. Frequentemente é reduzido para TE, o que resulta no som familiar de uma escala maior . A clave de DÓ no V Modo é colocada tanto na terceira ou quarta linha.
  • 40. Cantando Canto Gregoriano: Modo V exemplo “ Onde o amor é verdadeiro, Deus aí está. Todos juntos congregados num só corpo: não sejamos separados pela mente. Cessem lutas, cessem rixas, discussões, mas esteja em nosso meio Cristo Deus.”
  • 41. Cantando Canto Gregoriano: Modo V exemplo O primeiro verso de uma famoso canto escrito por São Tomás de Aquino. “ Com devoção Te adoro, oculta divindade. Em verdade escondida sob estas figuras. A Ti meu coração todo confia, porque ao contemplar-Te cai e desfalece.”
  • 42. Cantando Canto Gregoriano: V Modo: exemplo Este canto ilustra um fato curioso e útil sobre música. Observe que seu modo é indicado para ser V, mas o seu final está em DÓ. O que dá? Acontece que as melodias baseadas em um tom pode ser mudadas por completo e com base em outro campo - e ainda assim manter o seu padrão original de tons inteiros e meio tons. Isto é chamado de transposição .
  • 43. Cantando Canto Gregoriano: Modo V exemplo Aqui esta a melodia do “Salve Regina” que foi modificado de sua forma original, baseado em FÁ, para o novo, baseado em DÓ. Uma vez que o padrão de toda a melodia e as seus meio tons permanece o mesmo, podemos dizer que a melodia foi transposta de FÁ para DÓ. O modo permanece o mesmo.
  • 44. Cantando Canto Gregoriano: Modo V exemplo “ Salve, Rainha, Mãe de misericórdia, vida doçura e esperança nossa, salve. A vós bradamos, degredados filhos de Eva. A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas. Eia, pois, advogada nossa, estes vossos olhos a nós volvei e depois deste desterro mostrai-nos o filho do vosso ventre, Jesus. O clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria.”
  • 45. Cantando Canto Gregoriano: Modo VI (plagal) O VI Modo é um tom plagal em FÁ.
  • 46. Cantando Canto Gregoriano: Modo VI exemplo Um bom exemplo do VI Modo é este Alleluia familiar.
  • 47. Cantando Canto Gregoriano:Modo VI, exemplo “ Minha alma engrandece ao Senhor e meu espírito exulta em Deus, meu Salvador.”
  • 48. Cantando Canto Gregoriano:Modo VI, exemplo “ Louvai ao Senhor todas as pessoas, louvai-O juntos todos os povos.”
  • 49. Cantando Canto Gregoriano: Modo VII O VII Modo é baseado em SOL, é muito comum e soa muito grave; devido ao seu arranjo de tons inteiros e meio tons . É como uma escala maior, mas tem todo um tom completo entre a sua altura e seu sétimo tom (que não é o caso em grande escala). Ainda assim, geralmente é considerado brilhante e de caráter festivo. A clave de DO é geralmente colocado como acima, mas também pode aparecer na terceira linha.
  • 50. Cantando Canto Gregoriano: Modo VII, exemplo “ Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja.”
  • 51. Cantando Canto Gregoriano: Modo VII, exemplo “ Aspergi-me com um hissope e ficarei puro. Lavai-me e me tornarei mais branco do que a neve. Tende piedade de mim Senhor, segundo a vossa bondade.” Pode ser cantado nos domingos da Páscoa no lugar do rito penitencial.
  • 52. Cantando Canto Gregoriano:Modo VIII (plagal) O último modo, Modo VIII, é do tom plagal em SOL. Novamente a colocação da clave pode variar. Observe que em todos os tons plagais, o tom dominante ou recitativo ; não foi marcado como tal. Este é o caso, porque em várias categorias plagais, os tons dominantes ou recitativos não seguem um padrão definido.
  • 53. Cantando Canto Gregoriano: Modo VIII exemplo “ Ó, vinde, Espírito Criador, a nossa alma visitai e enchei o nosso coração com vossos dons celestiais.”
  • 54. Cantando Canto Gregoriano: Modo VIII, exemplo “ O hóstia que salva, que abre abre as portas do céu . Lutas adversas, oprimem-nos. Dai-nos força, traga auxílio. Ao Deus, uno e trino, glória seja para sempre. Que nos dê a vida eterna na Pátria Celestial”
  • 55. Cantando Canto Gregoriano: Modo VIII, exemplo Estes são os dois últimos versos de “Verbum Supernum,” um dos cinco hinos eucarísticos escritos por São Tomás de Aquino para a festa de Corpus Christi.
  • 56. Cantando Canto Gregoriano: Primeira revisão
    • O canto gregoriano é uma oração cantada em uníssono.
    • A melodia é composta de tons dispostos em uma partitura de quatro linhas .
    • Aos tons pode ser dado nome solfejo para ajudar a memorizar e se distinguem entre si por tons inteiros ou meio tons.
    • No canto gregoriano, todos os tons são apresentados como em relação a um campo de referência: quer na clave de DÓ ou FÁ.
    • Com base em considerações visuais, a colocação da clave pode ser diferente .
    • Na tradição gregoriana, os tons são agrupados em quatro passos baseados em seus tons finais: RÉ, MI, FÁ ou SOL.
    • Cada conjunto de tons tem um tom “plagal”.
    • Estes quatro grupos principais e seus respectivos tons significa que há oito modos gregorianos de melodias.
    • Porque a colocação de todos os tons e semitons difere de modo a modo, cada modalidade tem um conjunto diferente de vantagens expressivas.