Toma lá poesia   2009-2010 - 7 artes
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Toma lá poesia 2009-2010 - 7 artes

  • 1,587 views
Uploaded on

Literary Contest 2009-2010 - Teacher: Conceição Ludovino ...

Literary Contest 2009-2010 - Teacher: Conceição Ludovino
Folhetos de promoção do Concurso Literário 2009-2010, Prof.ª Conceição Ludovino

More in: Education , Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
1,587
On Slideshare
1,587
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
19
Comments
4
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 2009-2010 Daniel Huntington, 1816-1906 Charlotte Weeks, A Young Girl Reading «Ler é sonhar pela mão de outrem. Ler mal e por alto é libertarmo-nos 2009-2010 da mão que nos conduz. A superficialidade na erudição é o melhor modo de ler bem e ser profundo.» Fernando Pessoa, Livro do Desassossego
  • 2. O Homem que Lê 2009-2010 Certeza Se é real a luz branca Eu lia há muito. Desde que esta tarde desta lâmpada, real com o seu ruído de chuva chegou às janelas. a mão que escreve, são reais Abstraí-me do vento lá fora: os olhos que olham o escrito? o meu livro era difícil. Olhei as suas páginas como rostos Duma palavra à outra que se ensombram pela profunda reflexão o que digo desvanece-se. e em redor da minha leitura parava o tempo. — Sei que estou vivo De repente sobre as páginas lançou-se uma luz entre dois parênteses. e em vez da tímida confusão de palavras estava: tarde, tarde... em todas elas. Octavio Paz, in Dias Hábeis Não olho ainda para fora, mas rasgam-se já Tradução de Luis Pignatelli Ellen de Groot, Lezen - Reading or The Blue Dress, 2006 as longas linhas, e as palavras rolam dos seus fios, para onde elas querem. Os Meus Livros Então sei: sobre os jardins Georges Guequier, The final chapter, 1917 Os meus livros (que não sabem que existo) transbordantes, radiantes, abriram-se os céus; São uma parte de mim, como este rosto o sol deve ter surgido de novo. — De têmporas e olhos já cinzentos E agora cai a noite de Verão, até onde a vista alcança: Que em vão vou procurando nos espelhos o que está disperso ordena-se em poucos grupos, E que percorro com a minha mão côncava. obscuramente, pelos longos caminhos vão pessoas Não sem alguma lógica amargura e estranhamente longe, como se significasse algo mais, Entendo que as palavras essenciais, ouve-se o pouco que ainda acontece. As que me exprimem, estarão nessas folhas E quando agora levantar os olhos deste livro, Que não sabem quem sou, não nas que escrevo. nada será estranho, tudo grande. Mais vale assim. As vozes desses mortos Aí fora existe o que vivo dentro de mim Dir-me-ão para sempre. e aqui e mais além nada tem fronteiras; Jorge Luis Borges, in A Rosa Profunda apenas me entreteço mais ainda com ele ESCREVER É ESQUECER quando o meu olhar se adapta às coisas e à grave simplicidade das multidões, — «A ler aprendemos a estar Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a então a terra cresce acima de si mesma. sozinhos sem estarmos sós.» vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e E parece que abarca todo o céu: a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer a primeira estrela é como a última casa. dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida - umas porque usam de fórmulas visíveis e portanto vitais, outras porque vivem da mesma Rainer Maria Rilke, in O Livro das Imagens Tradução de Maria João Costa Pereira vida humana. Não é o caso da literatura. Essa simula a vida. Um romance é uma história do que nunca foi e um drama é um romance dado sem narrativa. 2009-2010 Um poema é a expressão de ideias ou de sentimentos em linguagem que ninguém emprega, pois que ninguém fala em verso. Carla Quevedo, revista Tabu, semanário Sol Fernando Pessoa, in Livro do Desassossego
  • 3. 2009-2010 «Sou um homem para quem o mundo exterior é uma realidade interior.» Evolução Fernando Pessoa, Livro do Desassossego A FONTE Fui rocha em tempo, e fui no mundo antigo Ciclicamente me revisitam tronco ou ramo na incógnita floresta... os Cavaleiros de Hipocrene «Apenas quando somos instruídos pela realidade é que podemos mudá-la.» Onda, espumei, quebrando-me na aresta trazendo sempre límpidos espelhos Do granito, antiquíssimo inimigo... nas frontes incomensuráveis. Rugi, fera talvez, buscando abrigo Pousam em mim «A literatura não permite caminhar, mas permite respirar.» Na caverna que ensombra urze e giesta; o seu olhar de flecha imponderável O, monstro primitivo, ergui a testa e jamais me questionam No limoso paul, glauco pascigo... sobre o que quer que seja. Sabem de mim o suficiente, Hoje sou homem, e na sombra enorme exactamente o mesmo que eu sei deles. Vejo, a meus pés, a escada multiforme, Que desce, em espirais, da imensidade... Viemos do mesmo recanto do Hélicon, crescemos sob a luz de Cassiopeia. Interrogo o infinito e às vezes choro... Reencontramo-nos através dos milénios Mas estendendo as mãos no vácuo, adoro nas mesmas ilhas de espanto... Bertold Brecht E aspiro unicamente à liberdade. Roland Barthes nesta esfera fecunda Antero de Quental, Odes Modernas em que a vida nos espera e abandona... Suy, 23/8/1990 Amy Hill, Reader, 2008 «A leitura é um antídoto do medo. Quem saboreia o prazer da 2009-2010 leitura nunca está sozinho. Entende a transitoriedade de tudo, e a 2009-2010 possibilidade de mudança. Entende-se a si mesmo, e aprende a saber o que quer.» Inês Pedrosa, in Expresso
  • 4. USA-Posters Footprints in the Sand on the North Shore Oahu-Hawaii Joakim Ericsson, Reflection Língua Portuguesa Última flor do Lácio, inculta e bela, És, a um tempo, esplendor e sepultura: O mundo estava no rosto da amada Ouro nativo, que na ganga impura A bruta mina entre os cascalhos vela O mundo estava no rosto da amada – e logo converteu-se em nada, em Amo-te assim, desconhecida e obscura mundo fora do alcance, mundo-além. Tuba de algo clangor, lira singela, Que tens o trom e o silvo da procela, Por que não o bebi quando o encontrei E o arrolo da saudade e da ternura! no rosto amado, um mundo à mão, ali, aroma em minha boca, eu só seu rei? Amo o teu viço agreste e o teu aroma De virgens selvas e de oceano largo! Ah, eu bebi. Com que sede eu bebi. Amo-te, ó rude e doloroso idioma, Mas eu também estava pleno de mundo e, bebendo, eu mesmo Em que da voz materna ouvi: "meu filho!", transbordei. E em que Camões chorou, no exílio amargo, 2009-2010 O génio sem ventura e o amor sem brilho! Rainer Maria Rilke (Tradução: Augusto de Campos) Olavo Bilac, in Poesias Toby Wright, Dogma, Seeing is Believing, 2008
  • 5. 2009-2010 Jason Price, The Day the Music Stopped Anton Arkhipov, Interlude «A música pode ser o exemplo único do que poderia ter sido — se não tivesse havido a invenção da linguagem, a formação das palavras, a análise das ideias — a comunicação das almas.» Marcel Proust, Em Busca do Tempo Perdido 2009-2010 «Linguagem: a música com a qual encantamos as serpentes que guardam os tesouros dos outros.» Ambrose Bierce, Dicionário do Diabo
  • 6. Fuga Exercícios ao Piano 2009-2010 O músico procura O calor cola. A tarde arde e arqueja. Fixar em cada verso Ela arfa, sem querer, nas leves vestes O cântico disperso e num étude enérgico despeja Na luz, na água e no vento. a impaciência por algo que está prestes Porém, luz, vento e água a acontecer: hoje, amanhã, quem sabe Variam riso e mágoa, agora mesmo, oculto, do seu lado; De momento a momento. da janela, onde um mundo inteiro cabe, ela percebe o parque arrebicado. E em vão a área dos dedos Se eleva! Não traduz Desiste, enfim, o olhar distante; cruza Os súbitos segredos as mãos; desejaria um livro; sente Escondidos no vento, o aroma dos jasmins, mas o recusa Nas águas e na luz... num gesto brusco. Acha que á faz doente. Pedro Homem de Mello, in Segredo Rainer Maria Rilke Caravaggio, 1571-1610, The Lute Player, c. 1600 (Tradução: Augusto de Campos) Bernardo Cavallino, 1616-c.1656, Clavichord Player, s.d. Hora Grave Quem agora chora em algum lugar do mundo, Sem razão chora no mundo, Chora por mim. Quem agora ri em algum lugar na noite, Sem razão ri dentro da noite, Ri-se de mim. Quem agora caminha em algum lugar no mundo, Sem razão caminha no mundo, Vem a mim. Quem agora morre em algum lugar no mundo, Sem razão morre no mundo, Olha para mim. 2009-2010 Rainer Maria Rilke Christian Vincent, (Tradução: Paulo Plínio Abreu) New Skins for Old Souls, 1998-99 Caravaggio, 1571-1610, pintor italiano, The Musicians, 1595-96
  • 7. «O vaso dá uma forma ao vazio e a música ao silêncio.» 2009-2010 Georges Braque Oleg Zhivetin, Magic of the Music «Quero viver como se o meu tempo fosse ilimitado. Quero recolher-me, retirar- me das ocupações efémeras. Mas ouço vozes, vozes benevolentes, passos que se aproximam e as minhas portas abrem-se...» Oleg Zhivetin, Personal Music, 2003 Rainer Maria Rilke 2009-2010
  • 8. 2009-2010 Estrada de Santiago (excertos finais) Aquele que teceu uma só malha da teia nela há-de cair. Aquele que apenas teceu dádivas e utopias com o linho dos dias pode ainda ser livre, pode ainda entrar no diálogo pode olhar e ver a transparência, A Trama pode ouvir e escutar o coração de todos os seres. Esse vive em demanda e encontra. Esse ama o espírito e a matéria como uma sublime unidade. Esse não desdenha a intuição e as miragens. Esse descobrirá o lugar do encantamento. Esse abrirá o livro em branco e saberá ler a sua brancura. Sobre os meus poemas não há nada a dizer. Tudo o que haveria a dizer Epílogo está lá dito. E o que não está é símbolo que quer permanecer símbolo, é brancura que se abre ao espírito daqueles para quem guardar o enigma é tão imprescindível como buscar a revelação... Suy, 4/12/1993 Judith Leyster, 1609-1660, Young Flute Player, c. 1635 Por Entre os Sons da Música Por entre os sons da música, ao ouvido como a uma porta que ficou entreaberta o que se me revela em ter sentido é o que por essa música encoberta acena em vão do outro lado dela e eu sinto como a voz que respondesse 2009-2010 ao que em mim não chamou nem está nela, porque é só o desejar que aí batesse. Sophie Anderson, Shepherd Piper, 1881 Vergílio Ferreira, in Conta-Corrente 1
  • 9. 2009-2010 «A mais nobre paixão humana é aquela que ama a imagem da beleza em vez da realidade material. O maior prazer está na contemplação.» Nikolay Krusser, Giselle, Russia Leonardo da Vinci O Apogeu Cada ser humano atinge o seu apogeu de maneira diferente, num dado momento. Uma vez alcançado esse ponto alto, é sempre a descer. Fatal como o destino. E o pior é que ninguém sabe onde é que se situa o seu próprio auge. A linha divisória pode desenhar-se de repente, quando uma pessoa pensa que ainda estava a pisar terreno seguro. Ninguém tem maneira de saber. Alguns atingem esse pico aos doze anos, e depois espera-os uma vida perfeitamente monótona e sem chama. Outros continuam sempre em ascensão até à morte; outros morrem no seu máximo esplendor. Muitos poetas e compositores vivem em estado de permanente arrebatamento e estão mortos quando chegam aos trinta anos. Depois há aqueles, como é o caso de Picasso, que aos oitenta e Nikolay Krusser, Giselle, Russia muitos anos ainda pintava quadros cheios de vigor e teve uma morte tranquila, sem saber o que era o declínio. Haruki Murakami, in Dança, Dança, Dança A borboleta continuará a pairar sobre o campo e as gotas de orvalho ainda brilharão sobre a relva quando as pirâmides do Egipto estiverem 2009-2010 destruídas e não mais existirem os arranha-céus de Nova York. Kahlil Gibran, 1883-1931
  • 10. 2009-2010 «O que faz andar o barco não é a vela enfunada, mas o vento que não se vê.» Platão Nikolay Krusser, The Red Dragon, Rússia Divina Música! (…) Inspiradora de poetas, de compositores E dos grandes realizadores. Unidade de pensamento dentro dos fragmentos Das palavras. Criadora do amor que se origina da beleza. Vinho do coração Que exulta num mundo de sonhos. Encorajadora dos guerreiros, Fortalecedora das almas. A. Ganivet, Epistolário Oceano de perdão e mar de ternura. Nikolay Krusser, Seme Red, Rússia Ó música. Em tuas profundezas «Ela dançou a dança das chamas e do fogo, a dança das espadas e das Depositamos nossos corações e almas. lanças; e ela dançou a dança das flores ao vento. Ao terminar, virou-se para Tu nos ensinaste a ver com os ouvidos o príncipe e fez uma reverência. Ele então, pediu-lhe que viesse mais perto e E a ouvir com os corações. perguntou-lhe: “Linda mulher, filha da graça e do encantamento, de onde 2009-2010 vem tua arte e como é que comandas todos os elementos em seus ritmos e Kahlil Gibran, 1883-1931 - poeta e pintor libanês versos?"» Khalil Gibran, 1883-1931 Maurice Béjart