CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

SEGURANÇA, SAÚDE NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE

Professor Dr. Enon Laércio Nunes

3026 49...
3026 4950
sustentare
SEGURANÇA NO TRABALHO E A MANUTENÇÃO

 Importância da segurança no trabalho para a manutenção
 Análises de Erros: teoria...
MANUTENÇÃO
• DEPENDÊNCIA INTERFACE HOMEM-MÁQUINA
• ESTRATÉGIA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES –
INTEGRADA COM A APLICAÇÃO DE MET...
Uma das principais características da
manutenção:
PREVENÇÃO

manutenção
PRINCÍPIOS DA
MANUTENÇÃO
 A tecnologia de Manutenção deve ser
desenvolvida para identificar as possíveis falhas
e gerenci...
MACRO FUNÇÕES DA MANUTENÇÃO
• METODOLOGIA E NORMATIZAÇÃO:
Diretrizes básicas do método (filosofia, metodologia,
normas e r...
MACRO FUNÇÕES DA MANUTENÇÃO
• EXECUÇÃO:
Realização dos trabalhos periódicos e aperiódicos da
manutenção

• ACOMPANHAMENTO ...
MODELO DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO
AMBIENTE EXTERNO

FILOSOFIA
TERMINOLOGIA
REGULAMENTOS
E NORMAS

METODOLOGIA
E
NORMATIZAÇÃO
...
MACRO FUNÇÕES E AÇÕES DE SEGURANÇA
MACRO FUNÇÃO

SEGURANÇA

Metodologia e Normatização

Normas regulamentadoras
Padronizaç...
TEORIAS DE ANÁLISE DE ERROS
 Teoria monocausal – Foco no indivíduo
- Culpabilidade (negligência, imprudência)
- Prédispos...
CLASSIFICAÇÕES DE
ERROS
• INTENCIONAIS E NÃO- INTENCIONAIS
(CORRELAÇÃO COM O CUMPRIMENTO DE
PROCEDIMENTOS)
• RECUPERÁVEIS ...
OUTRA CLASSIFICAÇÃO ...

- ERRO DE AÇÃO NÃO-PRETENDIDA:
• DISTRAÇÃO (FALHA DE ATENÇÃO)
• LAPSO (FALHA DE MEMÓRIA)

- ERRO ...
COMPARAÇÃO ENTRE ERROS E
VIOLAÇÕES
ERROS

VIOLAÇÕES

Origem principalmente relacionada à
informação (incorreta ou incomple...
ANÁLISE DE UMA OCORRÊNCIA
SIM
VIOLAÇÃO

FALHA
Intencional ?

NÃO
Erro

SIM

Falta de
Conhecimento

ENGANO

Falta de
Atençã...
BARREIRAS ORGANIZACIONAIS
FRENTE À PREVENÇÃO
• Falta de padrões e métodos
• Confiança na interpretação subjetiva
• Pouco a...
BARREIRAS ORGANIZACIONAIS FRENTE À
PREVENÇÃO
• Foco em acidentes e não em incidentes;
em usuários e sistemas individuais; ...
INCIDENTE E ACIDENTE
• Incidente: acontecimento não desejado ou não
programado, que venha deteriorar ou diminuir a
eficiên...
TIPOS DE OCORRÊNCIA
OCORRÊNCIA

OCORRÊNCIAS

Acidentes Fatais/ Lesões graves

1

Lesões de menor gravidade

10

Danos à eq...
PROGRAMAS DE INCENTIVO À
REDUÇÃO DE ACIDENTES
• Programa tradicional: recompensa ou reconhecimento
ao empregado que perman...
NORMAS REGULAMENTADORAS
• Conhecidas como NRs, regulamentam e fornecem
orientações sobre procedimentos obrigatórios relaci...
NORMAS REGULAMENTADORAS
• NR 01 : Disposições Gerais
• NR 02: Inspeção Prévia
• NR 03: Embargo ou Interdição
• NR 04: Serv...
NORMAS REGULAMENTADORAS
• NR 09: Programas de Prevenção de Riscos Ambientais
• NR 10: Segurança em Instalações e Serviços ...
NORMAS REGULAMENTADORAS
• NR 17: Ergonomia
• NR 17 - Anexo I: Trabalho dos Operadores de
Checkouts: (supermercados, hiperm...
NORMAS REGULAMENTADORAS
• NR 22: Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração
• NR 23: Proteção Contra Incêndios
• NR 24: Co...
NORMAS REGULAMENTADORAS
• NR 30: Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no
Trabalho Aquaviário
• NR 30 - Anexo I: Pesc...
NR 10 – SEGURANÇA EM
INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM
ELETRICIDADE
• Aplicável para trabalhadores que, direta ou
indiretamente, i...
NR 10 – SEGURANÇA EM
INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM
ELETRICIDADE
Recomendações Básicas:
• as medidas de controle adotadas devem...
NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES
E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
Outros aspectos abordados:
• MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA
• ME...
NR 10 – SEGURANÇA EM
INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM
ELETRICIDADE

Outros aspectos abordados:
• HABILITAÇÃO, QUALIFICAÇÃO, CAPAC...
NR 10 – SEGURANÇA EM
INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM
ELETRICIDADE
RESPONSABILIDADES:
- As responsabilidades quanto ao cumpriment...
DADOS MAIS RECENTES
ACIDENTES DE TRABALHO
DADOS ESTATÍSTICOS - MINISTÉRIO PREVIDENCIA SOCIAL 2010
701.496 ACIDENTES DE TRA...
CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DA MANUTENÇÃO

SEGURANÇA, SAÚDE NO TRABALHO E MEIO
AMBIENTE

Professor Dr....
AÇÕES PREVENTIVAS
• Habilitar os profissionais envolvidos nas intervenções de
manutenção objetivando a minimização de acid...
AÇÕES PREVENTIVAS

• Contar com ferramentas, dispositivos e instrumentos
voltados para a adequada realização da manutenção...
FORMAS DE MANUTENÇÃO E A
PREVENÇÃO
FORMA MANUTENÇÃO

PREVENÇÃO ACIDENTE

Preventiva

Procedimento padronizado
Planejamento...
METODOLOGIAS APLICÁVEIS À
PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA
MANUTENÇÃO
• FMEA (Failure Modes and Effects Analysis)
• Árvore de Fal...
ANÁLISE DOS MODOS E EFEITOS DE FALHA
- FMEA
FMEA de sistema
Modo de falha
O problema

Efeito
As ramificações do

Causas
As...
DIAGRAMA ISHIKAWA – ESPINHA DE
PEIXE
Máquina

Matéria-prima

Medida
Instrumento

Deterioração

Fornecedores

Condições
loc...
ÁRVORE DE FALHAS
Evento de Topo

Compressor Liga-desliga

T1

T2
Eixo trancado

T3

Causa raiz

Óleo
lubrific.
ausente

Pr...
SUPERINTENDÊNCIA DE MANUTENÇÃO

SM.DT
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO

SMI.DT

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE FALHA
EQUI...
1 – DADOS DE CADASTRO
1.1

Equipamento:

1.2 -

Localização:

1.3 -

Características:
Fabricante:

Tipo:

Tensão:
Potência...
3 – ANÁLISE
3.1 3.2 3.3 -

3.4 -

Taxa de Falha acumulada do Equipamento:
Há reincidência?
(
) SIM
(
) NÃO
Em caso aplicáv...
4 – PROVIDÊNCIAS
4.1 -

Ações:

4.2
4.3
4.4
4.5
4.6

Responsável:
Prazo previsto para solução:
Emissão de SDS:
Emissão de ...
D D S - DIÁLOGO DIÁRIO DE
SEGURANÇA
• Programa destinado a criar, desenvolver e manter
atitudes prevencionistas na empresa...
D D S - DIÁLOGO DIÁRIO DE
SEGURANÇA
• Diariamente, antes do inicio da jornada de trabalho,
com duração de 05 a 10 minutos,...
D D S - DIÁLOGO DIÁRIO DE
SEGURANÇA
ALGUNS TEMAS ABORDADOS:
• Equipamentos de proteção individual e coletiva
• Necessidade...
MEIO AMBIENTE E A MANUTENÇÃO
• Breve histórico sobre o Meio Ambiente
• Visão contemporânea dos clientes da manutenção
• Ri...
MEIO AMBIENTE
Década de 1960 : alterações na relação homemnatureza com a abordagem de administração dos
recursos naturais...
MEIO AMBIENTE
Desenvolvimento Sustentável :
Processo de mudança, onde:
- a exploração de recursos;
- a orientação dos inve...
MEIO AMBIENTE
Década de 1980: preocupação com os riscos
globais e a conscientização de que a questão
ambiental transcende...
QUEM SÃO OS CLIENTES DA
MANUTENÇÃO?

- PROPRIETÁRIOS DOS ATIVOS
Estarão satisfeitos se os ativos gerarem retorno
financeir...
PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE NA
MANUTENÇÃO
PROJETO PROLUB- PROJETO DE LUBRIFICAÇÃO
PLANEJADA:

 Usina de Itaipu possui ce...
PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE NA
MANUTENÇÃO
PROJETO PROLUB- PROJETO DE LUBRIFICAÇÃO
PLANEJADA:

Otimização do processos de...
PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE NA
MANUTENÇÃO

PROJETO PROLUB- PROJETO DE LUBRIFICAÇÃO
PLANEJADA:
 Implementada a recuperaçã...
PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE NA
MANUTENÇÃO

PROJETO PROLUB- PROJETO DE LUBRIFICAÇÃO
PLANEJADA:
Eliminou o descarte de apr...
ALGUNS ACIDENTES CATASTRÓFICOS
1979: Usina Nuclear Three Miles Island – Pensilvânia/ USA
1986: Usina Nuclear de Chernoby...
ALGUM CONCEITO QUE ABORDAMOS
AO LONGO DA DISCIPLINA QUE VOCÊS
QUEIRAM PERGUNTAR PARA
CONTRIBUIR JUNTO AO SEU TCC?

TCC - T...
3026 4950
Segurança, Saúde no Trabalho e Meio Ambiente + PNQC - Slides - Prof. Enon Laércio Nunes
Segurança, Saúde no Trabalho e Meio Ambiente + PNQC - Slides - Prof. Enon Laércio Nunes
Segurança, Saúde no Trabalho e Meio Ambiente + PNQC - Slides - Prof. Enon Laércio Nunes
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Segurança, Saúde no Trabalho e Meio Ambiente + PNQC - Slides - Prof. Enon Laércio Nunes

2,193

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,193
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
69
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Segurança, Saúde no Trabalho e Meio Ambiente + PNQC - Slides - Prof. Enon Laércio Nunes

  1. 1. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SEGURANÇA, SAÚDE NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE Professor Dr. Enon Laércio Nunes 3026 4950 © Prof.: Enon Laércio Nunes Disciplina: Segurança, Saúde no Trabalho e Meio Ambiente + PNQC
  2. 2. 3026 4950 sustentare
  3. 3. SEGURANÇA NO TRABALHO E A MANUTENÇÃO  Importância da segurança no trabalho para a manutenção  Análises de Erros: teorias, classificações e prevenção  Normas regulamentadoras  Formas e macro-funções da manutenção e a segurança no trabalho  Discussão de estratégias de prevenção na manutenção  Aplicação de prevenção de acidentes e a manutenção preventiva 3026 4950 © Prof.: Enon Laércio Nunes Disciplina: Segurança, Saúde no Trabalho e Meio Ambiente + PNQC
  4. 4. MANUTENÇÃO • DEPENDÊNCIA INTERFACE HOMEM-MÁQUINA • ESTRATÉGIA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES – INTEGRADA COM A APLICAÇÃO DE METODOLOGIAS DE MANUTENÇÃO • EQUIPAMENTOS MAIS COMPLEXOS CONTRIBUINDO PARA O AUMENTO DE ERROS HUMANOS
  5. 5. Uma das principais características da manutenção: PREVENÇÃO manutenção
  6. 6. PRINCÍPIOS DA MANUTENÇÃO  A tecnologia de Manutenção deve ser desenvolvida para identificar as possíveis falhas e gerenciar suas conseqüências.  A Manutenção depende de pessoas que bem compreendam o que precisa ser corretamente realizado e estejam querendo fazer tudo de forma correta.
  7. 7. MACRO FUNÇÕES DA MANUTENÇÃO • METODOLOGIA E NORMATIZAÇÃO: Diretrizes básicas do método (filosofia, metodologia, normas e regulamentos gerais e critérios de operacionalização) • PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO: Definição e elaboração do plano de manutenção, a partir das necessidades, recursos e restrições da produção • PROGRAMAÇÃO: Detalhamento do plano de manutenção (operacionalização da execução)
  8. 8. MACRO FUNÇÕES DA MANUTENÇÃO • EXECUÇÃO: Realização dos trabalhos periódicos e aperiódicos da manutenção • ACOMPANHAMENTO E CONTROLE: Tratamento e armazenamento das informações (histórico de manutenções) • ANÁLISE DE DESEMPENHO E CUSTOS: Análise das informações provenientes da aplicação do método, detectando desvios, diagnosticando problemas e propondo soluções
  9. 9. MODELO DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO AMBIENTE EXTERNO FILOSOFIA TERMINOLOGIA REGULAMENTOS E NORMAS METODOLOGIA E NORMATIZAÇÃO NECESSIDADES DE REPROGRAMAÇÃO REALIMENTAÇÃO ANÁLISE DESEMPENHO FILOSOFIA DE MANUTENÇÃO O.S. CORRETIVAS TERMINOLOGIA DE MANUTENÇÃO RECURSOS HUMANOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS NECESSIDADES DA MANUTENÇÃO PROGRAMAÇÃO PROGRAMA SEMANAL MANUTENÇÃO REALIMENTAÇÃO ANÁLISE DESEMPENHO PLANO ANUAL DE MANUTENÇÃO PREMISSAS GERENCIAIS/ TÉCNICAS PLANEJAMENTO PRODUÇÃO REALIMENTAÇÃO ANÁLISE DESEMPENHO RECURSOS MATERIAIS SOBRESSALENTES PERIODICIDADE ÁREA DE EXECUÇÃO O QUE FAZER O QUE FAZER PLANILHA DE INSPEÇÃO PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EXECUÇÃO REALIMENTAÇÃO ANÁLISE DESEMPENHO MANUTENÇÃO EXECUTADA SISTEMAS DE MONITORAÇÃO REALIMENTAÇÃO REALIMENTAÇÃO ANÁLISE DESEMPENHO MONITORAÇÃO OCORRÊNCIAS EM TEMPO REAL SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA NECESSIDADES DE REPROGRAMAÇÃO DADOS EQUIPAMENTOS CODIFICAÇÃO ACOMPANHAMENTO E CONTROLE REALIMENTAÇÃO ANÁLISE DESEMPENHO ÍNDICADORES DE DESEMPENHO INSTRUÇÃO DE MANUTENÇÃO CADASTRO DADOS HISTÓRICOS ANÁLISE DE DESEMPENHO E CUSTOS COMO FAZER ESTUDOS DE MANUTENÇÃO PROGRAMAÇÃO PREVISTA
  10. 10. MACRO FUNÇÕES E AÇÕES DE SEGURANÇA MACRO FUNÇÃO SEGURANÇA Metodologia e Normatização Normas regulamentadoras Padronização de procedimentos Planejamento da Produção Análise de riscos Programação Avaliação das atividades Execução Conformidade com procedimentos e capacitação Acompanhamento e Controle Supervisão da execução Análise de Desempenho e Custos Análise ocorrências (incidentes e acidentes)
  11. 11. TEORIAS DE ANÁLISE DE ERROS  Teoria monocausal – Foco no indivíduo - Culpabilidade (negligência, imprudência) - Prédisposição (psicológica) - Acidentalidade (desconformidade indivíduo-máquina)  Teoria Multicausal: - Homem – Sistema Técnico – Meio  Teoria dos portadores de perigos: - Perigos potenciais entre o homem e o sistema  Teoria do erro humano
  12. 12. CLASSIFICAÇÕES DE ERROS • INTENCIONAIS E NÃO- INTENCIONAIS (CORRELAÇÃO COM O CUMPRIMENTO DE PROCEDIMENTOS) • RECUPERÁVEIS E IRRECUPERÁVEIS ( CORRELAÇÃO COM OS CUSTOS ASSOCIADOS) • ERRO POR OMISSÃO; ERRO POR AÇÃO; ERRO POR ATO EXTERNO; ERRO SEQUENCIAL; ERRO DE TEMPO (CORRELAÇÃO COM AÇÃO EXECUTADA OU NÃO)
  13. 13. OUTRA CLASSIFICAÇÃO ... - ERRO DE AÇÃO NÃO-PRETENDIDA: • DISTRAÇÃO (FALHA DE ATENÇÃO) • LAPSO (FALHA DE MEMÓRIA) - ERRO DE AÇÃO PRETENDIDA: • ENGANO (FALHAS BASEADAS EM REGRAS OU CONHECIMENTO)
  14. 14. COMPARAÇÃO ENTRE ERROS E VIOLAÇÕES ERROS VIOLAÇÕES Origem principalmente relacionada à informação (incorreta ou incompleta) Origem principalmente relacionada à motivação (certas atitudes, normas sociais ou a cultura organizacional) Não-intencionais Intencionais, deliberadas Características individuais de processamento de informações. Tem relação com o contexto social. Minimizados: melhoria das informações relevantes. • . Minimizadas: mudança de atitudes, normas sociais e cultura organizacional
  15. 15. ANÁLISE DE UMA OCORRÊNCIA SIM VIOLAÇÃO FALHA Intencional ? NÃO Erro SIM Falta de Conhecimento ENGANO Falta de Atenção DISTRAÇÃO Falta de Memória LAPSO Ação Pretendida? SIM NÃO Ação Realizada? NÃO
  16. 16. BARREIRAS ORGANIZACIONAIS FRENTE À PREVENÇÃO • Falta de padrões e métodos • Confiança na interpretação subjetiva • Pouco apoio à predições em tempo real e as predições na época do projeto
  17. 17. BARREIRAS ORGANIZACIONAIS FRENTE À PREVENÇÃO • Foco em acidentes e não em incidentes; em usuários e sistemas individuais; na operação e não na regulamentação • Falta de integração entre análise contextual e análise de especificações • Pouca preocupação com o erro humano durante a análise de especificações
  18. 18. INCIDENTE E ACIDENTE • Incidente: acontecimento não desejado ou não programado, que venha deteriorar ou diminuir a eficiência operacional. Normalmente não causa lesão ou prejuízo significativo, ocorrendo as vezes sem ser percebido ou valorizado. • Acidente: acontecimento imprevisto, casual ou não, que resulta em ferimento, dano, estrago, avaria, ruína... Normalmente gera conseqüências indesejáveis. especificações
  19. 19. TIPOS DE OCORRÊNCIA OCORRÊNCIA OCORRÊNCIAS Acidentes Fatais/ Lesões graves 1 Lesões de menor gravidade 10 Danos à equipamentos 33 Incidentes 200
  20. 20. PROGRAMAS DE INCENTIVO À REDUÇÃO DE ACIDENTES • Programa tradicional: recompensa ou reconhecimento ao empregado que permanece certo período de tempo sem registrar nenhum acidente • Programa baseado em comportamento: recompensa ou reconhecimento aos empregados que adotam determinados comportamentos • Programa não-tradicional: recompensa ou reconhecimento a empregados que participam em atividades específicas (propõem sugestões, participam de projetos de melhoria da segurança)
  21. 21. NORMAS REGULAMENTADORAS • Conhecidas como NRs, regulamentam e fornecem orientações sobre procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho no Brasil. • Normas do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho CLT), relativas à Segurança e Medicina do Trabalho. • Aprovadas pela Portaria N.° 3.214, 08 de junho de 1978. • De observância obrigatória por todas as empresas brasileiras regidas pela (CLT). • Estabelece os requisitos e condições mínimas de controle, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores.
  22. 22. NORMAS REGULAMENTADORAS • NR 01 : Disposições Gerais • NR 02: Inspeção Prévia • NR 03: Embargo ou Interdição • NR 04: Serviços Especializados em Eng. de Segurança e em Medicina do Trabalho • NR 05: Comissão Interna de Prevenção de Acidentes • NR 06: Equipamentos de Proteção Individual - EPI • NR 07: Programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional • NR 08: Edificações
  23. 23. NORMAS REGULAMENTADORAS • NR 09: Programas de Prevenção de Riscos Ambientais • NR 10: Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade • NR 11: Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais • NR 11 - Anexo I: Regulamento Técnico de Procedimentos para Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Chapas de Mármore, Granito e outras Rochas • NR 12: Máquinas e Equipamentos • NR 13: Caldeiras e Vasos de Pressão • NR 14: Fornos • NR 15: Atividades e Operações Insalubres • NR 16: Atividades e Operações Perigosas
  24. 24. NORMAS REGULAMENTADORAS • NR 17: Ergonomia • NR 17 - Anexo I: Trabalho dos Operadores de Checkouts: (supermercados, hipermercados e comércio atacadista) • NR 17 - Anexo II: Trabalho em Teleatendimento / Telemarketing • NR 18: Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção • NR 19: Explosivos • NR 19 - Anexo I: Segurança e Saúde na Indústria de Fogos de Artifício e outros Artefatos Pirotécnicos • NR 20: Líquidos Combustíveis e Inflamáveis • NR 21: Trabalho a Céu Aberto
  25. 25. NORMAS REGULAMENTADORAS • NR 22: Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração • NR 23: Proteção Contra Incêndios • NR 24: Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho • NR 25: Resíduos Industriais • NR 26: Sinalização de Segurança • NR 27: Registro Profissional do Técnico de Segurança do Trabalho no MTB • NR 28: Fiscalização e Penalidades • NR 29: Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Portuário
  26. 26. NORMAS REGULAMENTADORAS • NR 30: Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário • NR 30 - Anexo I: Pesca Comercial e Industrial • NR 30 - Anexo II: Plataforma de Exploração de Petróleo Offshore (14/maio/10) • NR 31: Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura • NR 32: Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde • NR 33: Segurança e Saúde no Trabalho em Espaços Confinados • NR 34: Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval
  27. 27. NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE • Aplicável para trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade • Refere-se às fases de geração, transmissão, distribuição e consumo, incluindo as etapas de projeto, construção, montagem, operação, manutenção das instalações elétricas e quaisquer trabalhos realizados nas suas proximidades
  28. 28. NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Recomendações Básicas: • as medidas de controle adotadas devem integrar-se às demais iniciativas da empresa, no âmbito da preservação da segurança, da saúde e do meio ambiente do trabalho • as empresas estão obrigadas a manter esquemas unifilares atualizados das instalações elétricas dos seus estabelecimentos, com as especificações do sistema de aterramento e demais equipamentos e dispositivos de proteção
  29. 29. NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Outros aspectos abordados: • MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA • MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL • TREINAMENTO • SEGURANÇA EM PROJETOS • SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO, MONTAGEM, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO
  30. 30. NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Outros aspectos abordados: • HABILITAÇÃO, QUALIFICAÇÃO, CAPACITAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DOS TRABALHADORES • PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÃO • SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA • PROCEDIMENTOS DE TRABALHO • SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA
  31. 31. NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE RESPONSABILIDADES: - As responsabilidades quanto ao cumprimento desta NR são solidárias aos contratantes e contratados envolvidos - É de responsabilidade dos contratantes manter os trabalhadores informados sobre os riscos a que estão expostos, instruindo-os quanto aos procedimentos e medidas de controle contra os riscos elétricos a serem adotados - Cabe à empresa, na ocorrência de acidentes de trabalho envolvendo instalações e serviços em eletricidade, propor e adotar medidas preventivas e corretivas
  32. 32. DADOS MAIS RECENTES ACIDENTES DE TRABALHO DADOS ESTATÍSTICOS - MINISTÉRIO PREVIDENCIA SOCIAL 2010 701.496 ACIDENTES DE TRABALHO Redução de 4,35 % em relação a 2009 Redução de 7,2% em relação a 2008 SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA – 2011 CONTABILIZADOS 79 ACIDENTES FATAIS Fonte: Fundação COGE – Comite de Gestão Empresarial – Eletrobrás OBS: segundo o TST terceirização principal causa
  33. 33. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DA MANUTENÇÃO SEGURANÇA, SAÚDE NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE Professor Dr. Enon Laércio Nunes JULHO 2013 - JOINVILLE/SC
  34. 34. AÇÕES PREVENTIVAS • Habilitar os profissionais envolvidos nas intervenções de manutenção objetivando a minimização de acidentes e incidentes • Dispor da documentação técnica direcionada para bloquear os modos de falhas e capacitar ao executante quanto ao domínio do funcionamento dos equipamentos dentro dos padrões requeridos
  35. 35. AÇÕES PREVENTIVAS • Contar com ferramentas, dispositivos e instrumentos voltados para a adequada realização da manutenção • Executar as intervenções de urgência que envolvam falha de equipamento • Cumprir normas de isolação de equipamentos visando a intervenção segura dos equipamentos quanto aos aspectos de segurança pessoal, operativa e preservação do meio ambiente.
  36. 36. FORMAS DE MANUTENÇÃO E A PREVENÇÃO FORMA MANUTENÇÃO PREVENÇÃO ACIDENTE Preventiva Procedimento padronizado Planejamento atividades Análise de riscos Corretiva Análise de contingências Análise de riscos Planejamento atendimentos emergenciais
  37. 37. METODOLOGIAS APLICÁVEIS À PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA MANUTENÇÃO • FMEA (Failure Modes and Effects Analysis) • Árvore de Falhas • Diagrama Ishikawa (espinha de peixe) • Análise de riscos
  38. 38. ANÁLISE DOS MODOS E EFEITOS DE FALHA - FMEA FMEA de sistema Modo de falha O problema Efeito As ramificações do Causas As causas do problema problema FMEA de projeto Modo de falha As causas do problema do FMEA de sistema Efeito Causas As causas do problema Novas causas raízes para os com uma melhor definição modos de falha de projeto FMEA de processo e FMEA de serviço Modo de falha As causas do problema do FMEA de projeto Efeito Os mesmos efeitos do FMEA de projeto Causas Causas raízes específicas para os modos de falha de processo
  39. 39. DIAGRAMA ISHIKAWA – ESPINHA DE PEIXE Máquina Matéria-prima Medida Instrumento Deterioração Fornecedores Condições locais Fornecimento próprio Inspeção Manutenção Efeito Oficina Físico Informação Clima Meio ambiente Mental Mão-de-obra Instrução Método
  40. 40. ÁRVORE DE FALHAS Evento de Topo Compressor Liga-desliga T1 T2 Eixo trancado T3 Causa raiz Óleo lubrific. ausente Protetor térmico trocado T4 T5 Eixo trocado Bloco trocado Tn •••
  41. 41. SUPERINTENDÊNCIA DE MANUTENÇÃO SM.DT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO SMI.DT RELATÓRIO DE ANÁLISE DE FALHA EQUIPAMENTO : OCORRÊNCIA : DATA : RAF : Preparado por / / Data Visto
  42. 42. 1 – DADOS DE CADASTRO 1.1 Equipamento: 1.2 - Localização: 1.3 - Características: Fabricante: Tipo: Tensão: Potência: Nº de Série: 1.4 - Frequência: Outras: Data de Entrada em Operação ou Energização: 2 – OCORRÊNCIA 2.1 - Data: 2.3 - Tipo: 2.4 - Descrição: 2.5 - Condições Operativas: 2.6 - Ações Imediatas: 2.7 - Tempo de Restabelecimento da Função: 2.8 - Informações Adicionais: 2.2 – Hora:
  43. 43. 3 – ANÁLISE 3.1 3.2 3.3 - 3.4 - Taxa de Falha acumulada do Equipamento: Há reincidência? ( ) SIM ( ) NÃO Em caso aplicável, elaborar “Gráfico de Pareto”. Causa fundamental (aplicar “Método dos Porquês”): Classificação para CDE: Equipamento: Componente: Causa fundamental: Causa secundária: Efeito: Caso seja classificada como “Em Estudo” ou “Indeterminada”, elaborar “Diagrama de Causa e Efeito”. 3.5 - Há material de reserva para reparo? ( ) SIM ( ) NÃO ( ) NÃO UTILIZADO Em negativo, reavaliar necessidade de redefinição ou inclusão em estoque. Mínimo: 3.6 - Manifestação da Falha: ( ) PROGRESSIVA Se progressiva, verificar se há item de inspeção na: ( Caso positivo, analisar a última: SSP nº: Periodicidade: Manutenção Aperiódica: SSA nº: Periodicidade de Inspeção é adequada? ( ) SIM Há possibilidade de aplicação de Técnica Preditiva? Qual? 3.7 - ( ) PIC ) REPENTINA ( ) PIC ROTINEIRA Semana de Execução: Semana de Execução: ( ) NÃO ( ) SIM ( ) NÃO Consequência: DETALHAMENTO BAIXO MÉDIO ALTO Tempo de Reparo da Não comprometeu Comprometeu até Compromete três ou mais Função O período de ponta Dois períodos de Períodos de ponta de carga De carga (1) Ponta de carga (2) (3) Disponibilização do Disponível em Depende de compra Depende de importação ou Material Reserva Estoque (1) Local/nacional (2) Modernização (3) Custo de Reparo Assumido em nível Assumido em nível Assumido somente em nível De SM.DT(1) De DT (2) De Diretoria Geral (3) GRAU
  44. 44. 4 – PROVIDÊNCIAS 4.1 - Ações: 4.2 4.3 4.4 4.5 4.6 Responsável: Prazo previsto para solução: Emissão de SDS: Emissão de SSA: Há necessidade de revisão de documentos? - ( ) SIM ( ) NÃO Quais? 5 – CONCLUSÃO 6 – ANEXOS Espaço destinado ao gráfico de Pareto e/ou diagrama de Causa/Efeito (se necessário):
  45. 45. D D S - DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA • Programa destinado a criar, desenvolver e manter atitudes prevencionistas na empresa, através da conscientização de todos os empregados • Foco principal: realização de discussões/reuniões focadas na segurança e prevenção, com a equipe das áreas operacionais, possibilitando melhor integração e o estabelecimento de um canal de comunicação ágil
  46. 46. D D S - DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA • Diariamente, antes do inicio da jornada de trabalho, com duração de 05 a 10 minutos, com leitura de temas aqui apresentados ou outros relativos a Segurança e Medicina do Trabalho • Responsável: Líder/Supervisor, registrando diariamente o tema da DDS
  47. 47. D D S - DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA ALGUNS TEMAS ABORDADOS: • Equipamentos de proteção individual e coletiva • Necessidade de sinalização e isolação do local de trabalho com placas, cones, cordas, fita zebrada... • Proteções contra a queda de materiais e contra a queda de pessoas • Procedimentos em caso de emergências de diversas naturezas • Procedimentos de de arrumação e limpeza • Primeiros socorros
  48. 48. MEIO AMBIENTE E A MANUTENÇÃO • Breve histórico sobre o Meio Ambiente • Visão contemporânea dos clientes da manutenção • Riscos para o meio ambiente nas atividades de manutenção • Aplicação de um programa de preservação do meio ambiente na manutenção • Alguns acidentes catastróficos
  49. 49. MEIO AMBIENTE Década de 1960 : alterações na relação homemnatureza com a abordagem de administração dos recursos naturais  Início dos anos de 1970: algumas políticas ambientais com foco no conflito entre o meio ambiente e o desenvolvimento (criação do PNUMA – Programa das Nações Unidas de Meio Ambiente)
  50. 50. MEIO AMBIENTE Desenvolvimento Sustentável : Processo de mudança, onde: - a exploração de recursos; - a orientação dos investimentos; - os rumos do desenvolvimento ecológico ; e - a mudança institucional... devem levar em conta as necessidades das gerações futuras.
  51. 51. MEIO AMBIENTE Década de 1980: preocupação com os riscos globais e a conscientização de que a questão ambiental transcende as fronteiras nacionais Anos de 1990: normas internacionais para o meio ambiente (ISO 14000) e conscientização da importância estratégica da questão ambiental para um mercado globalizado Atualmente: Pauta Permanente
  52. 52. QUEM SÃO OS CLIENTES DA MANUTENÇÃO? - PROPRIETÁRIOS DOS ATIVOS Estarão satisfeitos se os ativos gerarem retorno financeiro do investimento realizado - USUÁRIOS DOS ATIVOS Estarão satisfeitos se cada ativo mantenha um padrão de desempenho - SOCIEDADE Estará satisfeita se os ativos não falharem, de modo a colocar em risco o meio onde estão instalados
  53. 53. PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE NA MANUTENÇÃO PROJETO PROLUB- PROJETO DE LUBRIFICAÇÃO PLANEJADA:  Usina de Itaipu possui cerca de 1,35 milhões de litros de óleo lubrificante em suas instalações, com uma vida útil estimada em 20 anos Cada mancal combinado possui uma carga de 34 mil litros de óleo Tem-se um valor médio de 75 mil litros de óleo lubrificante em cada uma das 20 unidades geradoras
  54. 54. PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE NA MANUTENÇÃO PROJETO PROLUB- PROJETO DE LUBRIFICAÇÃO PLANEJADA: Otimização do processos de lubrificação, de armazenamento e de purificação de cargas de óleo, além do correto manuseio dos lubrificantes e do acompanhamento do desempenho das cargas de óleo  Em 2003 as primeiras unidades postas em operação completaram 20 anos
  55. 55. PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE NA MANUTENÇÃO PROJETO PROLUB- PROJETO DE LUBRIFICAÇÃO PLANEJADA:  Implementada a recuperação do óleo adicionando um coquetel de aditivos especialmente desenvolvido pela Petrobrás Em sete anos a entidade economizou mais de R$ 1 milhão
  56. 56. PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE NA MANUTENÇÃO PROJETO PROLUB- PROJETO DE LUBRIFICAÇÃO PLANEJADA: Eliminou o descarte de aproximadamente 250 mil litros de óleo usado A regeneração do óleo proporcionou à Itaipu uma redução de custo superior a 70%, ou seja, o óleo regenerado custa 30% do valor do novo
  57. 57. ALGUNS ACIDENTES CATASTRÓFICOS 1979: Usina Nuclear Three Miles Island – Pensilvânia/ USA 1986: Usina Nuclear de Chernobyl – Ucrânia 1986: Lançamento Challenger – Flórida/USA 1988: Plataforma de Petróleo – Mar do Norte - Inglaterra 2011: Usina Nuclear de Fukushima (Tsunami) - Japão
  58. 58. ALGUM CONCEITO QUE ABORDAMOS AO LONGO DA DISCIPLINA QUE VOCÊS QUEIRAM PERGUNTAR PARA CONTRIBUIR JUNTO AO SEU TCC? TCC - Trabalho e Conclusão de Curso PEA - Projeto Empresarial Aplicado + Artigo Científico OU Monografia + MES Metodologia do Ensino Superior 3026 4950 sustentare
  59. 59. 3026 4950
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×