Your SlideShare is downloading. ×
0
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Auditoria
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Auditoria

34,643

Published on

Super resumo de auditoria indicado para todos os principais concursos fiscais.

Super resumo de auditoria indicado para todos os principais concursos fiscais.

Published in: Education
6 Comments
36 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
34,643
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
93
Comments
6
Likes
36
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • W
  • Transcript

    • 1. AUDITORIAWWW.SUPERPROVAS.COM
    • 2. AUDITORIA - DEFINIÇÃO AUDITORIA - DEFINIÇÃOÍNDICE:1 - INTRODUÇÃO ........................................ .................. ..........................................PÁGINA 12 - NORMAS CFC x NBC ........................... ................... ............................................PÁGINA 43 - NOMENCLATURA DAS NBCs ...................... ............. ...........................................PÁGINA 174 - TIPOS DE AUDIITORIA ................................. ................ .......................................PÁGINA 205 - OBRIGATORIEDADE DA AUDITORIA............. ................. ......................................PÁGINA 276 - PLANEJAMENTO DE AUDITORIA .......................... .......... ....................................PÁGINA 317 - TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA .......... ........... ..................................PÁGINA 348 - EVIDÊNCIA DE AUDITORIA .................................. ............... ................................PÁGINA 459 - CONTROLE INTERNO ............................................... .............. .............................PÁGINA 4810 - RISCOS DE AUDITORIA.............................................. ............ ..............................PÁGINA 5311 - USO DO TRABALHO DE OUTROS PROFISSIONAIS .... ............ ..............................PÁGINA 6312 - NORMAS PROFISSIONAIS ........................................ ............. ..............................PÁGINA 6713 – AMOSTRAGEM EM AUDITORIA ............................. ............... ..............................PÁGINA 7414 – FRAUDES E ERROS ................................................... .................. .........................PÁGINA 8115 – DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIA .............................. ... ......................................PÁGINA 8516 – AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ......... .......... ..............................PÁGINA 8917 – RELATÓRIO FINANCEIRO APLICÁVEL ........................... ............ ............................PÁGINA 9918 – RELATÓRIO C/ OPINIÃO DO AUDITOR INDEPENDENTE... .......... ..........................PÁGINA 10119 – REPRESENTAÇÕES FORMAIS........................................ ............... .........................PÁGINA 11620 – PARTES RELACIONADAS............................................... ............... .........................PÁGINA 11921 – CONTINGÊNCIAS.......................................................... ................ ........................PÁGINA 12222 – EVENTOS SUBSEQUENTES ........................................... ................. .......................PÁGINA 12723 – CONTINUIDADE OPERACIONAL...................................... .............. .......................PÁGINA 13024 - TRABALHOS DE ASSEGURAÇÃO E REVISÃO LIMITADA .... .............. ......................PÁGINA 13325 – PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS..................... ............... .....................PÁGINA 136 2 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 3. AUDITORIA - DEFINIÇÃO AUDITORIA - DEFINIÇÃODefinições iniciais:Auditoria pode ser definida como o levantamento, oestudo e a avaliação sistemática das transações,procedimentos e rotinas com o objetivo de fornecer aseus usuários uma opinião imparcial e fundamentada emnormas e princípios sobre sua adequação.Auditoria é um exame cuidadoso, sistemático eindependente das atividades desenvolvidas emdeterminada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguarse elas estão de acordo com as disposições planejadase/ou estabelecidas previamente, se foramimplementadas com eficácia e se estão adequadas.A seguir serão relacionadas normas que envolvem o examede auditoria nas empresas e entidades. 3 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 4. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESNORMAS CFC x NBC 4 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 5. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESRELAÇÃO DE NORMAS CFCO Conselho Federal de Contabilidade (CFC) publicou, a partir de2009, importantes resoluções que introduziram novos conceitosquanto à prática da profissão de auditor independente e também aprática de auditoria de demonstrações contábeis nas empresas. Oobjetivo é a convergência das normas contábeis brasileiras àsnormas internacionais.O objetivo deste resumo é tratar os temas principais relacionados àmatéria auditoria de forma atualizada e didática. Também haveráreferências às normas para complementação do conhecimentosobre os assuntos.Para que o candidato a concursos públicos sempre se mantenhaatualizado sobre o tema torna-se necessário que ele consulte asresoluções da CFC que podem ser obtidas no site abaixo:www.cfc.org.brLink direto: http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/Default.aspx 5 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 6. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESRELAÇÃO DE NORMAS NBR X CFC:A seguir serão relacionadas as resoluções CFC a partir danumeração NBC - Norma Brasileira de Contabilidade, poishá uma correspondência entre elas.http://www.cosif.com.br/mostra.asp?arquivo=indauditinde1NBC TA 02 - Estrutura conceitual para trabalhos deasseguração (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.203/09 ) - atualizado;NBC TA 200 - Objetivos gerais do auditor independente e acondução de uma auditoria em conformidade com normasde auditoria (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.203/09 );NBC TA 210 - Concordância com os termos de trabalho deauditoria (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.204/09); 6 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 7. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESNBC TA 220 - Controle de qualidade de uma auditoria dedemonstrações contábeis (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.205/09) .NBC TA 230 - Documentação de auditoria (RESOLUÇÃO CFCNº. 1.206/09);NBC TA 240 - Responsabilidade do auditor relacionada comfraude em auditoria de demonstrações contábeis(RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.205/09);NBC TA 250 - Consideração de leis e regulamentos emauditoria de demonstrações contábeis (RESOLUÇÃO CFCNº. 1.208/09);NBC TA 260 - Comunicação com os responsáveis pelagovernança (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.209/09); 7 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 8. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESNBC TA 265 - Comunicação de deficiências do controleinterno (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.210/09);NBC TA 300 - Planejamento de uma auditoria dedemonstrações contábeis (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.211/09);NBC TA 315 - Identificação e avaliação dos riscos dedistorção relevante por meio do entendimento da entidadee do seu ambiente (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.212/09);NBC TA 320 - Materialidade no planejamento e naexecução de auditoria (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09);NBC TA 330 - Resposta do auditor aos riscos avaliados(RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.214/09); 8 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 9. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESNBC TA 402 - Considerações de auditoria para a entidadeque utiliza uma organização prestadora de serviços(RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.215/09);NBC TA 450 - Avaliação de distorções identificadas durantea auditoria (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.216/09);NBC TA 500 - Evidência de auditoria (RESOLUÇÃO CFC Nº.1.217/09);NBC TA 501 - Evidência de auditoria - Consideraçõesespecíficas para itens selecionados (RESOLUÇÃO CFC Nº.1.218/09);NBC TA 505 - Confirmações externas (RESOLUÇÃO CFC Nº.1.219/09); 9 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 10. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESNBC TA 510 - Trabalhos iniciais, saldos iniciais (RESOLUÇÃOCFC Nº. 1.220/09);NBC TA 520 - Procedimentos analíticos (RESOLUÇÃO CFCNº. 1.221/09);NBC TA 530 - Amostragem em auditoria contábeis degrupos (incluindo o trabalho dos componentes)(RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.222/09);NBC TA 540 - Auditoria de estimativa contábil, inclusive dovalor justo, e divulgações selecionadas (RESOLUÇÃO CFCNº. 1.223/09);NBC TA 550 - Partes relacionadas (RESOLUÇÃO CFC Nº.1.224/09); 10 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 11. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESNBC TA 560 - Eventos subsequentes (RESOLUÇÃO CFC Nº.1.225/09);NBC TA 570 - Continuidade operacional (RESOLUÇÃO CFCNº. 1.226/09);NBC TA 580 - Representações formais (RESOLUÇÃO CFC Nº.1.227/09);NBC TA 600 - Considerações especiais - Auditorias dedemonstrações (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.228/09 );NBC TA 610 - Utilização do trabalho de auditoria interna(RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.229/09); 11 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 12. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESNBC TA 620 - Utilização do trabalho de especialistas(RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.230/09);NBC TA 700 - Formação da opinião e emissão do relatóriodo auditor independente sobre as demonstraçõescontábeis (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.231/09);NBC TA 705 - Modificações na opinião do auditorindependente (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.232/09);NBC TA 706 - Parágrafos de ênfase e parágrafos de outrosassuntos no relatório do auditor independente(RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.233/09);NBC TA 710 - Informações comparativas - Valorescorrespondentes e demonstrações contábeis comparativas(RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.234/09); 12 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 13. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESNBC TA 720 - Responsabilidade do auditor em relação aoutras informações incluídas em documentos quecontenham demonstrações contábeis (RESOLUÇÃO CFC Nº.1.235/09);NBC TA 800 - Considerações especiais - Auditorias dedemonstrações contábeis elaboradas de acordo comestruturas conceituais de contabilidade para propósitosespeciais. (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.236/09);NBC TA 805 - Considerações especiais - Auditoria de quadrosisolados das demonstrações contábeis e de elementos,contas ou itens específicos das demonstrações contábeis.(RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.237/09 );NBC TA 810 - Trabalhos para a emissão de relatório sobredemonstrações contábeis condensadas. (RESOLUÇÃO CFC Nº.1.238/09). 13 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 14. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESPRINCIPAIS NORMAS NBC PA (PROFISSIONAIS)NBC PA 1 - Controle de qualidade para auditores (pessoas jurídicas efísicas) que executam exames de auditoria e revisões de informaçãocontábil histórica, outros trabalhos de asseguração e serviçoscorrelatos.NBC PA 290 Independência – Trabalhos de Auditoria e Revisão(resolução 1.311/10).NBC PA 291 Independência – Outros Trabalhos de Asseguração(resolução 1.312/10).NBC PA 11 Revisão Externa de Qualidade pelos Pares (resolução1.323/11).NBC PA 12 Educação Profissional Continuada (resolução 1.377/11).NBC PA 13 Exame de Qualificação Técnica (resolução 1.109/07). 14 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 15. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESNotem que há uma relação entre a norma brasileirade contabilidade e as resoluções. Isto pode serverificado na própria resolução CFC conformeabaixo: 15 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 16. ATUALIZAÇÕES ATUALIZAÇÕESObservem que cada assunto tratado pela Norma NBCpoderá ser posteriormente atualizado através de umaresolução CFC. Por este motivo optou-se por descrever asnormas NBCs e seus assuntos correspondentes.Exemplo: 16 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 17. NOMENCLATURA DAS NBCS NOMENCLATURA DAS NBCSNOMENCLATURA DAS NBCS http://www.portalcfc.org.br/coordenadorias/camara_tecnica/n 17 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 18. NOMENCLATURA DAS NBCS NOMENCLATURA DAS NBCSAs Normas Brasileiras de Contabilidade classificam-se emProfissionais e Técnicas. (NBC PA E NBC TA)As Normas Profissionais (PA) estabelecem regras de exercícioprofissional e classificam-se em:NBC PG – GeralNBC PA - do Auditor IndependenteNBC PI - do Auditor InternoNBC PP - do PeritoAs Normas Técnicas (TA) estabelecem conceitos doutrinários,regras e procedimentos aplicados de Contabilidade eclassificam-se em:NBC TG – Geral: Normas completas Normas simplificadas para PMEs Normas específicas 18 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 19. NOMENCLATURA DAS NBCS NOMENCLATURA DAS NBCSNBC TSP - do Setor PúblicoNBC TA - de Auditoria Independente de Informação ContábilHistóricaNBC TR - de Revisão de Informação Contábil HistóricaNBC TO - de Asseguração de Informação Não HistóricaNBC TSC - de Serviço CorrelatoNBC TI - de Auditoria InternaNBC TP - de PeríciaNBC TAG - de Auditoria GovernamentalIMPORTANTE: As Normas foram renumeradas, de acordo coma Resolução do CFC nº. 1.329/11, para se ajustarem a novaestrutura das Normas Brasileiras de Contabilidade (NBCs), naforma aprovada pela Resolução CFC nº. 1.328/11. As Normascuja numeração ainda obedecem à Resolução CFC nº. 751/93(NBC P ou NBC T) serão revisadas e reeditadas, adotando-se anova estrutura de numeração das NBCs. 19 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 20. TIPOS DE AUDITORIA TIPOS DE AUDITORIATIPOS DE AUDITORIA NBC TA 200 - Objetivos gerais do auditor independente e a condução de uma auditoria em conformidade com normas de auditoria (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.203/09 ); 20 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 21. TIPOS DE AUDITORIA TIPOS DE AUDITORIAO tipo de auditoria que irá merecer destaquedurante este trabalho será a auditoria dasdemonstrações contábeis, que será realizada peloauditor independente com o objetivo de emissãode opinião sobre as demonstrações contábeis.Quadro explicativo: para diferenciar os diversostipos de auditoria que ocorrem em uma empresaserá apresentado no próximo slide um quadroexplicativo que evidencia as diferenças entre asauditorias interna e externa. 21 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 22. TIPOS DE AUDITORIA TIPOS DE AUDITORIA AUDITORIA DE AUDITORIA AUDITORIA DAS CONFORMIDADE OPERACIONAL OU DE DEMONSTRAÇÕES(OPERACIONAL E FINANCEIRA) GESTÃO (SOMENTE CONTÁBEIS OPERACIONAL)Avalia a conformidade Avalia a eficiência e aconforme padrões de Feita pelo auditor eficácia das atividades independente quequalidade e certificações operacionais de umacomo a ISO 9000 e demais não pertence à empresa / entidade. Sãoórgãos qualificadores e auditorias internas empresa.homologadores. somente feitas pelo setor da qualidade da própria Objetiva emitir empresa. opinião sobre as demonstrações contábeis. AUDITORIA INTERNA AUDITORIA EXTERNA 22 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 23. AUDITORIA EXTERNA x INTERNA AUDITORIA EXTERNA x INTERNAA auditoria externa ou independente é aquela executadapor profissionais ou empresas que não possuem vínculo ousubordinação à empresa auditada.A auditoria interna é aquela executada pela própriaorganização, com o objetivo de garantir o atendimento aseus objetivos institucionais, por meio da avaliaçãocontínua de seus procedimentos.Os objetivos da auditoria interna são: verificar se asnormas relativas ao sistema contábil e de controlesinternos estão sendo cumpridas, verificar a necessidade deaperfeiçoamento e promover medidas de incentivo para ocumprimento das normas contábeis e de controlesinternos. 23 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 24. AUDITORIA EXTERNA x INTERNA AUDITORIA EXTERNA x INTERNAA auditoria externa diferencia-se da interna,principalmente no que se refere à finalidade. A auditoriaindependente (externa) tem por objetivo a emissão deopinião sobre as demonstrações contábeis e é destinadaprincipalmente ao público externo.A auditoria interna tem por objetivo auditar internamentea empresa, tanto no que se refere aos aspectos contábeis,quanto ao operacional.O auditor interno é subordinado à empresa, enquanto oauditor externo deve possuir independência da empresa.Tanto o auditor interno, quanto o externo, devem sercontadores com registro no CFC (Conselho Federal deContabilidade). 24 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 25. AUDITORIA EXTERNA AUDITORIA EXTERNA A identificação de fraudes e erros compete aos responsáveis pelagovernança da entidade e à sua administração.Os objetivos gerais do auditor são:1.Obtersegurança razoável de que as demonstrações contábeiscomo um todo estão livres de distorção relevante,independentemente se causadas por fraudes ou erros.2.Expressar sua opinião se as demonstrações contábeis foramelaboradas , em todos os aspectos relevantes, em conformidadecom a estrutura do relatório financeiro aplicável*.3.Apresentar relatório ** sobre as demonstrações contábeis.(*) Trata-se do relatório financeiro aplicável elaborado pela empresa.(**)Trata-se do relatório apresentado sobre as demonstrações contábeis elaborado pelo auditor independente. 25 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 26. AUDITORIA EXTERNA AUDITORIA EXTERNADe acordo com a NBC TA 200, a opinião do auditorindependente sobre as demonstrações contábeis retratase elas foram elaboradas, em todos os aspectos relevantes,em conformidade com a estrutura de relatório financeiroaplicável.A opinião do auditor considera as demonstrações contábeiscomo um todo, sendo que o auditor independente não éresponsável pela detecção de fraudes ou erros, justamentepelo fato da auditoria realizada ser pontual e poramostragem. O objetivo do auditor independente é emitiruma opinião sobre os demonstrativos contábeis.Não é objetivo do auditor independente assegurarviabilidade futura da entidade e nem atestar a eficiênciaou eficácia da administração da entidade. 26 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 27. OBRIGATORIEDADE DA AUDITORIA OBRIGATORIEDADE DA AUDITORIAOBRIGATORIEDADE DA AUDITORIA NBC TA 250 - Consideração de leis e regulamentos em auditoria de demonstrações contábeis (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.208/09); 27 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 28. OBRIGATORIEDADE DA AUDITORIA OBRIGATORIEDADE DA AUDITORIASão as seguintes as exigências legais que tornamobrigatórias as auditorias de demonstrações contábeisnas empresas/entidades:Lei 6.404/1.076 – obriga as companhias abertas a seremauditadas por auditores registrados na CVM.Lei 11.638/2.007 – obriga as empresas de grande porte,ainda que não constituídas sob a forma de sociedade porações a serem auditadas por auditores registrados naCVM.As empresas seguradoras serão auditadas pela SUSEPconforme resolução n. 118/2004.O Banco Central obriga que as instituições financeirassejam auditadas por auditores independentes. 28 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 29. OBRIGATORIEDADE DA AUDITORIA OBRIGATORIEDADE DA AUDITORIAAuditoria Governamental: EFS e INTOSAI são asentidades fiscalizadoras superiores que definem comodeverão ser feitas as auditorias no âmbitogovernamental.EFS são as instituições do Estado responsáveis porexecutar auditoria governamental. No caso do Brasilesse papel é exercido pelo TCU (Tribunal de Contas daUnião)INTOSAI é a entidade internacional resultado da uniãodas EFS e emite normas e regulamentos que orientam asatividades e procedimentos de auditoria.COSO® (Committee of Sponsoring Organizations of theTreadway Commission) é uma organização privadacriada nos EUA para prevenir e evitar fraudes 29nas demonstrações contábeis das empresas. WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 30. OBRIGATORIEDADE DA AUDITORIA OBRIGATORIEDADE DA AUDITORIAÉ responsabilidade da administração, sob asupervisão dos responsáveis pela governança,assegurar que as operações da entidade sejamconduzidas em conformidade com as disposições deleis e regulamentos, inclusive a conformidade comas disposições de leis e regulamentos quedeterminam os valores e divulgações reportadas nasdemonstrações contábeis da entidade.A responsabilidade do auditor é quanto à segurançarazoável de que as demonstrações contábeis estejamlivres de distorção relevante. 30 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 31. PLANEJAMENTO DE AUDITORIAPLANEJAMENTO DE AUDITORIAPLANEJAMENTO DE AUDITORIA NBC TA 300 - Planejamento de uma auditoria de demonstrações contábeis (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.211/09) 31 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 32. PLANEJAMENTO DE AUDITORIA PLANEJAMENTO DE AUDITORIAO planejamento, apesar de ser a etapa inicial da auditoria,irá perdurar de forma contínua ao longo da auditoria, poisé um processo contínuo e iterativo. O objetivo é o traçadodo plano de auditoria e da estratégia global, definindo aépoca, o alcance e a natureza da auditoria.O plano de auditoria é mais detalhado do que a estratégiaglobal, sendo revisado periodicamente.Através do plano de auditoria será criado um programa deauditoria para realização da auditoria de forma organizada.O plano de auditoria, o programa de auditoria e aestratégia global deverão compor a documentaçãocomprobatória de que o auditor executou todas as etapasprevistas nas normas de auditoria. 32 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 33. PLANEJAMENTO DE AUDITORIA PLANEJAMENTO DE AUDITORIAMaterialidade: durante a fase de planejamento oauditor deverá definir os valores que possuemmaterialidade. Para isto, deverá fixar valoresinferiores ao considerado relevante, como porexemplo, os valores abaixo dos quais os registros de“contas a pagar” serão considerados irrelevantes.Esta definição servirá de referência na determinaçãoda materialidade para a auditoria. A materialidadeserá revelada pelos valores relevantes.A determinação da materialidade servirá de basepara a determinação da natureza, da época e daextensão dos procedimentos de auditoria. 33 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 34. TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIATESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIATESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA NBC TA 330 - Resposta do auditor aos riscos avaliados (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.214/09) 34 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 35. TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIATestes e procedimentos adicionais: é o conjunto detécnicas que permitem ao auditor obter evidênciasou provas suficientes e adequadas para fundamentarsua opinião sobre as demonstrações contábeisauditadas, permitindo que eventuais distorçõesrelevantes sejam identificadas. Podem ser divididosem dois grandes grupos: TESTES DE CONTROLE PROCEDIMENTOS SUBSTANTIVOSOBJETIVO: verificar se o controle OBJETIVO: detectar distorçõesinterno funciona corretamente. relevantes. 35 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 36. TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIATeste de controle: é o procedimento de auditoriaplanejado para avaliar a efetividade operacional naprevenção ou detecção e correção de distorçõesrelevantes no nível de afirmações.Procedimentos substantivos: são os procedimentos deauditoria planejados para detectar distorções relevantesno nível de afirmação e se dividem em testes dedetalhes e em procedimentos analíticos substantivos.: TESTES DE DETALHES PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS SUBSTANTIVOS Fornece evidências nas quais o Feito através de procedimentos auditor verifica se os fatos contábeis de “análise de balanço” das foram registrados corretamente. demonstrações contábeis 36 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 37. TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIATESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA IMPORTANTE ATUALIZAÇÃONOMENCLATURA NOMENCLATURAATUALIZADA DESATUALIZADATESTE DE CONTROLE Antes era chamado de teste de observância. 37 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 38. TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA IMPORTANTE ATUALIZAÇÃONOMENCLATURA ATUALIZADA NOMENCLATURA DESATUALIZADAPROCEDIMENTOS Antes eram chamados deSUBSTANTIVOS testes substantivos. TESTES DE Antes eram DETALHES chamados de testes de transações e saldos PROCEDIMENTOS Antes eram ANALÍTICOS chamados de SUBSTANTIVOS procedimentos de revisão analítica 38 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 39. TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIANota 1: no teste de detalhes irão ser verificadosse os valores registrados na contabilidade estãocorretos, se os valores registrados em cada contanão estão discrepantes.Nota2: nos procedimentos substantivosanalíticos serão feitos testes usando técnicas deanálise de balanço nos demonstrativos contábeis,procurando-se localizar eventuais discrepânciasentre os demonstrativos. Obtém-se nesta análisevários índices que irão retratar oscilações nascontas (índice de solvência, índice de liquidez,etc.), que evidenciem erros e fraudes ao secomparar os demonstrativos contábeis anuaisgerados pela empresa. 39 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 40. TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIATestes de superavaliação e subavaliação: duranteos procedimentos substantivos verifica-se se astransações e saldos registrados nasdemonstrações contábeis retratam corretamenteos fatos contábeis, em conformidade com asnormas contábeis vigentes no país.Serão feitos testes de superavaliação das contasdevedoras (ativo e despesas) e testes desubavaliação nas contas credoras (passivo). Comoos registros dos fatos contábeis são baseados nométodo de partidas dobradas, ao se testar umaconta credora subavaliada deverá, também, havereste reflexo de subavaliação nas respectivascontas devedoras. 40 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 41. TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIAExemplo 1: ao avaliar a conta credora“fornecedores,” supondo que esteja “subavaliada”; arespectiva conta de “máquinas” comprada a prazodeverá também estar subavaliada (caso tenha sidoeste o lançamento contábil realizado).Lançamento contábil exemplificativo: D máquinas C fornecedoresExemplo 2: ao avaliar a conta “duplicatas a receber”,supondo que esteja “superavaliada”, a respectivaconta de receita bruta de vendas também deveráestar superavaliada.Lançamento contábil exemplificativo:D duplicatas a receberC vendas. 41 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 42. TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIAAtivos e passivos ocultos e fictícios:Ativo fictício é aquele ativo que só existe nacontabilidade da empresa. Não existe fisicamente.Passivo fictício é aquele passivo que já foi quitadoou não existe mais, porém consta na contabilidade daentidade.Ativo oculto é o contrário de ativo fictício. Ele existefisicamente, mas não foi registrado contabilmente.Passivo oculto é o contrário de passivo fictício, ouseja, é o passivo que não foi registrado nacontabilidade da entidade, embora exista. 42 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 43. TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIAOmissão de receita: é a falta de escrituração contábilde operações de créditos da empresa, popularmentechamado de “caixa 2”, ou então gerado pelassituações abaixo elencadas:Situações de ocorrência de omissão de receitas:Ocorrência de saldo credor de caixa;Passivo apresentando obrigações já pagas;Notas fiscais não escrituradas de pagamentosefetuados;Provisionamentos de caixa pelos sócios não autorizados; 43 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 44. TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA TESTES E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIAFalta de matérias primas nos estoques comligação com possível desvio destes estoques;Não comprovação de origem de recursosfinanceiros depositados em instituição financeira;Faltade emissão de notas fiscais nas operaçõesde venda de mercadorias ;O registro por valor muito inferior ao daoperação. 44 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 45. EVIDÊNCIA DE AUDITORIA EVIDÊNCIA DE AUDITORIAEVIDÊNCIAS DE AUDITORIA NBC TA 500 - Evidência de auditoria (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.217/09); NBC TA 501 - Evidência de auditoria - Considerações específicas para itens selecionados (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218/09); 45 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 46. EVIDÊNCIA DE AUDITORIA EVIDÊNCIA DE AUDITORIAEvidência de auditoria é o conjunto deinformações utilizadas pelo auditor para se chegaràs conclusões que fundamentem sua opiniãosobre as demonstrações contábeis.São obtidas através de: provas documentais,entrevistas, confirmações com clientes, laudos deespecialistas, pareceres de advogados,procedimentos analíticos, rastreamento,conciliação bancária, pesquisas e estudos decasos. 46 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 47. EVIDÊNCIA DE AUDITORIA EVIDÊNCIA DE AUDITORIASolicitação de confirmação positiva em preto: éaquela em que o auditor pede a confirmação deum determinado fato através de perguntas ondese pede a confirmação ou não deste fato (respostasim ou não).Solicitação de confirmação positiva em branco:neste caso a parte que confirma responde ainformação solicitada de forma livre.Solicitação de confirmação negativa: somentehaverá resposta da parte caso haja discordânciadas informações fornecidas pelo auditor. 47 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 48. EVIDÊNCIA DE AUDITORIA EVIDÊNCIA DE AUDITORIASuficiência x adequação:Suficiência se refere à quantidade e adequaçãose refere à qualidade das evidências emauditoria.Quanto maior a qualidade das evidências, menorserá a quantidade de evidências exigidas. Porém, oinverso não será verdadeiro. O auditor não deveráexigir uma quantidade muito grande de evidênciasse não houver qualidade.A suficiência e adequação das evidências exigidaspelo auditor deverão ter por objetivo minimizar osriscos de opinião inadequada. 48 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 49. CONTROLE INTERNO CONTROLE INTERNOCONTROLE INTERNO NBC TA 315 - Identificação e avaliação dos riscos de distorção relevante por meio do entendimento da entidade e do seu ambiente (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.212/09); 49 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 50. CONTROLE INTERNO CONTROLE INTERNOConforme a NBC TA 315, o Controle Interno é o processoplanejado, implementado e mantido pelos responsáveis dagovernança, administração e outros funcionários parafornecer segurança razoável quanto a realização dosobjetivos da entidade no que se refere à confiabilidade dosrelatórios financeiros, efetividade e eficiência dasoperações e conformidade com leis e regulamentosaplicáveis.Exemplos de controles contábeis: segregação de funções,controle físico sobre ativos, inventários periódicos, sistemasde aprovação e autorização.Para diminuir a probabilidade de fraudes deve-se “atribuirresponsabilidades”, por exemplo, através de atribuição deresponsabilidades na aprovação de compras, recebimentode mercadorias, registro de informações contábeis, sempre 50de forma segregada. WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 51. CONTROLE INTERNO CONTROLE INTERNODeverá haver uma segregação de funções, de forma que umamesma pessoa não exerça atividades que gerem conflitos deinteresses que possam gerar fraudes.Os sistemas deverão ser amarrados, de forma a possibilitar quesomente sejam registradas as transações autorizadas, comvalores corretos e dentro do período de competência.Deverá haver controle dos ativos, confrontando-se os ativoscom os registros. Além disto deverá haver limitação de acessoaos ativos.Para um melhor controle deverão ser definidas rotinas internase deverá haver auditoria interna para verificação daconformidade com os procedimentos internos e dos controlesenvolvidos.Os custos gerados na implementação dos controles internos,porém, nunca deverão ser superiores aos benefícios por elesgerados. 51 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 52. CONTROLE INTERNO CONTROLE INTERNOFatores relevantes para o julgamento do auditorao determinar se um controle individualmente ouem combinação com outros é relevante:  Materialidade de auditoria.  Riscos envolvidos.  Tamanho da entidade.  Natureza do negócio.  Exigências legais envolvidas.  Complexidade e diversidade das operações da entidade. 52 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 53. RISCOS DE AUDITORIARISCOS DE AUDITORIA RISCOS EM AUDITORIA NBC TA 315 - Identificação e avaliação dos riscos de distorção relevante por meio do entendimento da entidade e do seu ambiente (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.212/09) 53 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 54. RISCOS DE AUDITORIA RISCOS DE AUDITORIASegundo a NBC TA 200, o risco de auditoria é o riscode que o auditor expresse uma opinião de auditoriainadequada quanto a demonstrações contábeis quecontiverem distorção relevante, ou seja, o risco deauditoria está relacionado à possibilidade de oauditor não detectar falhas relevantes nasdemonstrações contábeis, emitindo, assim, umaopinião “sem ressalvas”.Não confundir: muito embora o auditor não sejaresponsável pela detecção de falhas ou erros, haveráa referência do risco de auditoria ser possível pelanão detecção pelo auditor de falhas relevantes nasdemonstrações contábeis. O risco em si existe,embora não seja o auditor responsável pela detecção. 54 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 55. RISCOS DE AUDITORIA RISCOS DE AUDITORIAA opinião do auditor é baseada em uma segurançarazoável de que as demonstrações contábeisestão adequadas. O desafio desta auditoria estáno fato de que os auditores não poderão examinartodas as possíveis evidências referentes a todas astransações realizadas pela entidade.A avaliação de risco irá orientar as decisões sobrea natureza, a época de realização e a extensão dosprocedimentos de auditoria, que são idealizadosdurante a fase de planejamento de auditoria. 55 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 56. RISCOS DE AUDITORIA RISCOS DE AUDITORIAClassificação dos riscos relevantes: 56 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 57. RISCOS DE AUDITORIA RISCOS DE AUDITORIARisco de distorção relevante é o risco de que as demonstraçõescontábeis contenham distorção relevante antes da auditoria. Sãoos riscos que independem da ação do auditor.O risco de distorção relevante pode existir no nível geral dademonstração contábil e no nível de afirmação, sendo que este sesubdivide didaticamente em risco inerente e risco de controle.O risco inerente é o existente antes de quaisquer controlesrelacionados. Quanto maior a complexidade da atividade maior éo risco inerente. É o risco natural próprio da atividade em questão.O risco de controle é o risco de que uma distorção relevante quepossa ocorrer em uma afirmação, individualmente ou em conjuntocom outras distorções, não seja prevenida, detectada e corrigidatempestivamente pelo controle interno da entidade. É o risco defalha na aplicação dos controles internos. Quanto mais eficaz é ocontrole interno, menor é o risco de controle. 57 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 58. RISCOS DE AUDITORIA RISCOS DE AUDITORIARisco de auditoria: RISCO DE AUDITORIA = RISCO DE DISTORÇÃO RELEVANTE + RISCO DE DETECÇÃORisco de detecção: é o risco de que os procedimentosexecutados pelo auditor para reduzir o risco de umaauditoria a um nível aceitavelmente baixo nãodetectem uma distorção existente que possa serrelevante, individualmente ou em conjunto, comoutras distorções. É o risco de que o auditor nãodetecte erros ou fraudes que afetem relevantementeas demonstrações contábeis e está ligado ao grau deeficácia dos procedimentos conduzidos pelo auditor. 58 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 59. RISCOS DE AUDITORIA RISCOS DE AUDITORIAHá uma relação inversa entre a aceitação do risco dedetecção e o risco de distorção relevante, isto porquequanto maior o risco de distorção relevante, menordeverá ser a aceitação do risco de detecção.RISCO DE DISTORÇÃO RELEVANTE X ACEITAÇÃO DOS RISCO DE DETECÇÃO = RELAÇÃO INVERSAPara melhor entender: o risco de distorção relevanteé o risco natural e antes de qualquer controle. Já osrisco de detecção é o risco após os procedimentos deauditoria. Somando os dois teremos o risco deauditoria. 59 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 60. RISCOS DE AUDITORIA RISCOS DE AUDITORIACaso o risco de distorção relevante seja muitoalto deverão ser aplicados mais testes eprocedimentos da auditoria para diminuir o riscode detecção. Caso o risco de distorção relevanteseja baixo, o auditor independente não terá queimplantar tantos testes e procedimentos e , sendoassim, o risco de detecção será mais alto, deforma que nestas duas situações ocorre umarelação inversa entre eles.Quanto maior o risco de distorção relevante(natural), menor deverá ser o risco de detecçãotolerado. Quanto menor o risco de distorçãorelevante encontrado na empresa, maior poderáser o risco de detecção. 60 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 61. RISCOS DE AUDITORIA RISCOS DE AUDITORIAMaior risco de distorção relevante (natural) menor risco de detecçãotolerado.Menor risco de distorção relevante Maioro risco de detecção tolerado. 61 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 62. RISCOS DE AUDITORIA RISCOS DE AUDITORIANote que o risco de distorção relevante irá variar conforme aatividade da empresa e também conforme a área dasdemonstrações contábeis a ser auditada.Áreas como imobilizado e investimentos possuem baixo risco dedistorção relevante e áreas como estoques e contas a receber ea pagar possuem um alto risco de distorção relevante,demandando uma maior quantidade de testes e procedimentospara que se tenha um baixo risco de detecção.Risco de distorção relevante no nível das demonstraçõescontábeis: relaciona-se de forma generalizada às demonstraçõescontábeis como um todo e afetam potencialmente muitasafirmações. É o possível risco que possa ser gerado porincompetência da administração ou mesmo o risco dos controlesterem sido burlados pela administração, gerando efeito sobre asdemonstrações contábeis de forma geral. Podendo, assim, serrelevante para o auditor na avaliação sobre os riscos deauditoria. 62 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 63. USO DO TRABALHO DE OUTROS PROFISSIONAISUSO DO TRABALHO DE OUTROS PROFISSIONAIS USO DO TRABALHO DE OUTROS PROFISSIONAIS NBC TA 610 - Utilização do trabalho de auditoria interna (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.229/09); NBC TA 620 - Utilização do trabalho de especialistas (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.230/09). 63 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 64. USO DO TRABALHO DE OUTROS PROFISSIONAISUSO DO TRABALHO DE OUTROS PROFISSIONAISO auditor externo poderá utilizar o trabalho dosauditores internos para modificar a natureza, a épocaou para reduzir a extensão dos procedimentos deauditoria a serem executados. Porém, o auditorindependente assume integralmente aresponsabilidade pela opinião da auditoria e essaresponsabilidade não pode ser reduzida pelautilização do trabalho feito pelos auditores internos.O auditor poderá convocar especialistas para darsuporte a suas conclusões. Normalmente atuáriospara assuntos referentes a contratos de seguros,especialistas para avaliação de instrumentosfinanceiros complexos, avaliação de sistemasambientais, reservas naturais, etc. 64. WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 65. USO DO TRABALHO DE OUTROS PROFISSIONAISUSO DO TRABALHO DE OUTROS PROFISSIONAISSe houver vínculo empregatício do especialistacom a entidade auditada não será necessário fazerreferência ao especialista ao emitir opinião.Porém, se não houver vínculo empregatício,deverá o auditor independente fazer referência aotrabalho do especialista ao emitir opinião comressalva ou adversa (modificada) e este fatodeverá ser divulgado nas demonstraçõescontábeis.Note que esta referência não reduz aresponsabilidade do auditor ao emitir sua opiniãosobre as demonstrações contábeis e relatóriofinanceiro. 65 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 66. USO DO TRABALHO DE OUTROS PROFISSIONAISUSO DO TRABALHO DE OUTROS PROFISSIONAISAtenção: caso haja contratação de especialista,somente no caso de opinião modificada é quedeverá haver divulgação deste fato nasdemonstrações contábeis.Caso a opinião sobre as demonstrações contábeisnão seja do tipo modificada não deverá serdivulgada a contratação do especialista nas notasexplicativas das demonstrações contábeis!!!3) O auditor poderá, ainda, utilizar outrosauditores independentes em um trabalho deauditoria, não sendo alterada a responsabilidadedo auditor independente na emissão de suaopinião sobre as demonstrações contábeis. 66 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 67. NORMAS PROFISSIONAIS NORMAS PROFISSIONAISNORMAS PROFISSIONAIS NBC TA 200 - Objetivos gerais do auditor independente e a condução de uma auditoria em conformidade com normas de auditoria (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.203/09 ) 67 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 68. CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA: NBC TAna200 e o códigoAdescritos resolução CFC de Ética n.803/96estabelecem alguns requisitos necessáriospara o exercício de auditoriaindependente 68 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 69. CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICAO requisito integridade se refere à honestidade e probidade dosprofissionais responsáveis pela auditoria. Deverá haver repúdioa distorções intencionais, fraudes, conluios, etc.O requisito objetividade se refere ao fato do auditor não terconflitos de interesses, preservando sempre a suaindependência.A competência e zelo profissional : é a necessidade de melhoriacontínua de competência profissional para desempenhoprofissional, seja através de qualificação profissional, seja pelosesforços do auditor ser cuidadoso e minucioso na execução deseus procedimentos.Confidencialidade: não divulgar informações confidenciais daempresa auditada.Comportamento profissional: seguir as normas relevantes deauditoria e ter uma conduta profissional ilibada. 69 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 70. CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICACeticismo profissional: A NBC TA 200 estabelece que o auditordeve planejar a auditoria com ceticismo profissional, ou seja,reconhecendo que poderão existir circunstâncias que causemdistorção relevante nas demonstrações contábeis.O auditor deverá fazer uma análise crítica das evidências comceticismo.Julgamento profissional: no julgamento profissional o auditordefine a materialidade e o risco de auditoria, avalia asevidências e tira suas conclusões baseadas nas evidências deauditoria.Condução da auditoria conforme as NBC TAS: o auditor deveráseguir as exigências das NBC TAS que detalham osprocedimentos e responsabilidades durante a auditoria. As NBCTAS devem, por sua vez, seguirem as leis e regulamentos. 70 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 71. NORMAS PROFISSIONAIS NORMAS PROFISSIONAISAs normas NBC PAs normatizam o comportamentoprofissional do auditor independente. Abaixo algumasdefinições importantes desta normatização:Competência técnico profissional: o auditor independentedurante a realização da auditoria pode deparar-se com anecessidade de ter conhecimentos específicos sobre ofuncionamento da empresa. Muitas vezes esteconhecimento está fora da competência do auditorindependente e o auditor deverá avaliar esta necessidade.Independência: é o estado no qual as obrigações ou osinteresses do auditor são suficientemente isentos dosinteresses das empresas auditadas para permitir que osserviços sejam prestados com objetividade. 71 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 72. NORMAS PROFISSIONAIS NORMAS PROFISSIONAISPoderá haver perda da independência se houverinteresses financeiros envolvidos entre o auditorindependente e a empresa auditada; relacionamentosfamiliares e pessoais com entidade; recebimento depresentes e brindes de alto valor, relacionamentoscomerciais; emprego de administrador na firma deauditoria ou empréstimos com a empresa auditada.Informações anuais aos conselhos regionais decontabilidade: a NBC PA 1 determina que o auditor deveenviar, anualmente, ao CRC (Conselho Regional deContabilidade) informações sobre seus clientes e o objetodo trabalho até 31 de dezembro do ano anterior. O auditordeve enviar, também, a relação dos nomes do seu pessoaltécnico em 31 de dezembro do ano anterior e a relação deseus clientes que ultrapassem na média dos últimos trêsanos os honorários normais dos serviços de auditoria. 72 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 73. NORMAS PROFISSIONAIS NORMAS PROFISSIONAISSupervisão e controle de qualidade: deverá haverum controle de qualidade do trabalho de auditoriarealizado para que haja segurança razoável de quetodas as normas técnicas e exigências legais estãosendo cumpridas e que os relatórios sobre asdemonstrações contábeis estão sendo corretos eapropriados.Educação continuada e exame de competênciaprofissional: o auditor deverá sempre se manteratualizado através de cursos comprovando suaparticipação em um programa de educaçãocontinuada. 73 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 74. AMOSTRAGEM AMOSTRAGEMAMOSTRAGEM EM AUDITORIA NBC TA 530 - Amostragem em auditoria contábeis de grupos (incluindo o trabalho dos componentes) (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.222/09); 74 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 75. AMOSTRAGEM DE AUDITORIA AMOSTRAGEM DE AUDITORIAAmostragem: o objetivo da amostragem é chegara uma conclusão sobre uma população (conjuntototal de itens) a partir de uma amostra. Sendoassim, através de cálculos estatísticos, obtém-seuma projeção dos resultados de uma amostra paratoda a população.A aplicação da amostragem estatística emauditoria está relacionada à verificação da taxa dedesvio da amostragem, no teste de controle e naverificação da distorção projetada, no teste dedetalhes, visando à adequação e suficiência dostestes. 75 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 76. AMOSTRAGEM DE AUDITORIA AMOSTRAGEM DE AUDITORIAEstratificação da população: a estratificaçãoconsiste em classificar os registros de um arquivode dados em estratos mutuamente exclusivos. Aseleção do tamanho da amostra deve sersuficiente para reduzir o risco de amostragem aum mínimo aceitável.Tamanho da amostra: de acordo com as normasde auditoria o auditor deverá considerar afinalidade do procedimento de auditoria e ascaracterísticas da população da qual ela seráretirada. 76 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 77. AMOSTRAGEM DE AUDITORIA AMOSTRAGEM DE AUDITORIASe durante os testes de controle for identificadauma taxa de desvio da amostra inesperadamentealta, o auditor pode estar diante de um aumentono risco de distorção relevante, evidenciando-sefalha na amostragem.Já no caso dos testes de detalhes, se a distorçãoprojetada exceder a uma distorção tolerável, oauditor poderá, também, estar diante de umafalha na amostragem.Caso uma destas situações ocorra, o auditorpoderá concluir que houve um risco inaceitável deamostragem e, a seu critério, decidirá pelanecessidade de uma nova amostragem. 77 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 78. AMOSTRAGEM DE AUDITORIA AMOSTRAGEM DE AUDITORIATeste de detalhesAmostragem falha se:Distorção projetada > distorção tolerávelTeste de controle:Amostragem falha se:Taxa de desvio da amostra > taxa tolerável de desvio 78 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 79. AMOSTRAGEM DE AUDITORIA AMOSTRAGEM DE AUDITORIAPara entender melhor: notem que os testes decontrole se referem à verificação da eficácia doscontroles na empresa. Por isto, o melhor valorrepresentativo para amostragem é a taxa de desvio daamostras dos controles efetuados.Já no caso de testes de detalhes, verifica-se, porexemplo, o valor nas contas da contabilidade daempresa, que por natureza são variáveis contínuas. Poresta razão, o melhor valor representativo dos desviossão as distorções toleráveis.Ex: um valor na conta duplicatas a receber terá umadistorção tolerável de R$ 100,00 e não uma taxa dedesvio de amostra tolerável. 79 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 80. AMOSTRAGEM DE AUDITORIA AMOSTRAGEM DE AUDITORIARiscos de amostragem:Testes de controle: análise da confiabilidade – riscode superavaliar a confiabilidade ou subavaliar aconfiabilidade dos testes.Testes de detalhes: análise da distorção relevante –risco de aceitação incorreta ou rejeição incorreta dostestes.Nos dois casos é mais crítico para o auditor o risco desuperavaliar a confiabilidade ou aceitar os testes dedetalhes erroneamente dizendo que não há distorçãorelevante, quando na verdade ela existe. Isto porque,nestes casos, afeta-se a eficácia da auditoria. 80 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 81. FRAUDES E ERROS FRAUDES E ERROSFRAUDES E ERROS NBC TA 240 - Responsabilidade do auditor relacionada com fraude em auditoria de demonstrações contábeis (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.205/09); 81 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 82. FRAUDES E ERROS FRAUDES E ERROSFraude: é ato intencional de omissão oumanipulação de transações, adulteração dedocumentos registros ou demonstraçõescontábeis . Ex: registro de contas a pagar porvalor menor no balanço patrimonialpropositalmente.Erro: é ato não intencional na elaboraçãode registros e demonstrações contábeis. Ex:erros de escrituração não intencionais. 82 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 83. FRAUDES E ERROS FRAUDES E ERROSResponsabilidades: a principal responsabilidadepela prevenção e detecção da fraude é daadministração da empresa e seus governantes.O auditor não é responsável pela prevenção defraudes e erros. Ele é responsável pela segurançade que as demonstrações contábeis, como umtodo, não tenham distorções relevantes.O auditor deverá avaliar a relevância da fraude ecomunicar à administração, caso a encontre.Porém o auditor não tem por objetivo fazercaracterização jurídica de fraudes e sim identificarse este evento causa distorção relevante nasdemonstrações contábeis. 83 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 84. FRAUDES E ERROS FRAUDES E ERROSQuando a fraude ou erro não envolver aadministração, o auditor deverá comunicar asfraudes à administração da empresa, mesmo quesejam irrelevantes, mas é opcional comunicar aosresponsáveis pela governança neste caso.Porém, caso haja suspeita de fraude envolvendo aadministração, o auditor deve sempre comunicaraos responsáveis pela governança da empresaesta ocorrência, seja a fraude relevante ou não.O auditor deverá estudar a relevância da fraudeou erro e decidir pela continuidade do trabalho deauditoria ou não. 84 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 85. DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIA DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIA PAPEIS DE TRABALHODOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIA NBC TA 230 - Documentação de auditoria (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.206/09); 85 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 86. DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIA DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIAA documentação de auditoria é o conjunto dedocumentos que apoiam o auditor para reunirevidências e elementos comprobatórios paraapoiar suas conclusões. A denominação “papéisde trabalho”, citada nas normas revogadas, foirevogada pela NBC T11. Hoje o termo correto édocumentação de auditoria.O auditor, durante o preparo desta documentaçãode auditoria, deverá colher provas e obter indíciossuficientes que permitam a outro auditorexperiente, sem nenhum envolvimento com aauditoria, entender os assuntos identificadosdurante a auditoria e os julgamentos profissionaisexercidos. 86 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 87. DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIA DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIAA documentação de auditoria não seránecessariamente composta somente de papéis,podendo ser composta de fotos, documentoseletrônicos, microfilmes, entre outros. Deverá serarquivada em pastas, com a respectivacodificação destas pastas.Esta documentação poderá ser classificada comocorrente ou permanente, conforme sua utilizaçãoem mais de um exercício social ou não. Aclassificação como corrente é somente para usono exercício social corrente e a permanente parauso em qualquer exercício. 87 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 88. DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIA DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIAA forma, conteúdo e quantidade das evidênciasdocumentadas serão objeto de julgamentoprofissional do próprio auditor, tendo por base anatureza dos trabalhos e a complexidade daentidade.No final da auditoria deverá ser feita a montagemdos arquivos de auditoria. As conclusões deverãoser tempestivas e o prazo máximo para montagemdeste trabalho final será de no máximo 60 diasapós a data do relatório do auditor. 88 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 89. AUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUDITORIA NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NBC TA 805 - Considerações especiais - Auditoria de quadros isolados das demonstrações contábeis e de elementos, contas ou itens específicos das demonstrações contábeis. (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.237/09 ) 89 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 90. AUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISNa realização de auditoria em áreas específicasdas demonstrações contábeis realizam-se testesde superavaliação e subavaliação nas contas.Serão citadas duas demonstrações contáveis: obalanço patrimonial e o DRE – demonstração doresultado do exercícios.Balanço Patrimonial: dividido em:Ativo circulante e ativo não circulantePassivo circulante e não circulantePatrimônio Líquido.DRE – demonstração de resultado do exercícios:composta pelas receitas e despesas do período. 90 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 91. AUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISTeste principal e Teste secundário: ao se verificar sedeterminada conta do balanço patrimonial estásuperavaliada ou subavaliada estaremos realizandoo teste principal nesta conta .Já o teste secundário consiste em se verificar oreflexo da superavaliação ou subavaliação ocorridosapós aplicado o teste principal nas contas reflexasenvolvidas nos respectivos lançamentos contábeis(aplicando o método das partidas dobradas).Em tese faz mais sentido aplicar o teste principal desuperavaliação nas contas devedoras e o testesecundário de subavaliação nas contas credoras. 91 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 92. AUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISContas que merecem atenção na auditoria emáreas específicas:Balanço Patrimonial:Ativo Circulante: disponibilidades (caixas e bancosatenção especial), contas a receber e PDD eestoques;Ativo não circulante: investimentos e imobilizado.Passivo circulante e não circulante: Fornecedores,empréstimos e outras contas a pagar.Patrimônio líquido: receitas e despesas. 92 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 93. AUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAtivo circulante: verifica-se a exatidão dos valores emdisponibilidades através de procedimento decontagem de caixa, de confirmação dos saldosbancários e de conciliações bancárias.Clientes e duplicatas a receber: além da verificaçãoda exatidão dos valores, se faz o teste decircularização das contas a receber, confirmando osvalores com os devedores sobre os saldos em aberto.“CUT-OFF” de cheques– representa o momento certode interrupção das operações para efeito deauditoria, com o objetivo de ter um marco de tempona avaliação das demonstrações contábeis. 93 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 94. AUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISEstoques: verificação da existência física,verificação do inventário e estipulação domomento de “CUT-OFF” em que o inventário éigual aos registros contábeis.Investimentos: verifica-se o comportamento dosinvestimentos relevantes realizados pela empresaauditada através de exame documental,contabilização do investimento e avaliação dosinvestimentos em coligadas e controladas.Imobilizado: verifica-se a propriedade dos bens edívidas respectivas, o valor do imobilizado e aexistência física do bem. 94 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 95. AUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAuditoria do Passivo:Atenção especial ao pagamento em duplicidadede fornecimentos.A eficácia dos controles deverá ser verificada : sehá segregação de funções, se existe um sistema deautorização e aprovação de compras epagamentos.Os testes serão feitos através de inspeção física,de circularização externa, de inspeção documentale de recálculo de valores. 95 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 96. AUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAuditoria do Patrimônio Líquido:Verificação dos títulos das ações da empresa: seforam adequadamente autorizados e emitidos;verificação da aplicação correta dos princípios decontabilidade e se o patrimônio líquido estácorretamente classificado no balanço patrimonial.Os procedimentos de auditoria poderão ser feitosatravés de: inspeção física, circularização externa,inspeção documental e recálculo, entre outros.Realiza-se o recálculo das reservas legais, dasparticipações e partes beneficiárias e dadistribuição dos dividendos. 96 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 97. AUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAuditoria do Resultado (DRE):As receitas serão testadas com testes desubavaliação. As despesas e custos serão testadascom testes de superavaliação.Pela lógica, na tentativa de fraude, haverátendência de superavaliar as despesas e custos ede subavaliar as receitas.As contas de resultado que estejam relacionadasàs contas do balanço patrimonial deverão serexaminadas no que se refere aos lançamentoscontábeis envolvidos, verificando-se os efeitossimultâneos no Balanço Patrimonial e no DRE. 97 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 98. AUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISAUDITORIA ESPECÍFICA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISExemplos: receitas de vendas (envolve duplicatasa receber que é conta do ativo do Balançopatrimonial); despesas de depreciação (envolve oimobilizado); receitas de ganhos de equivalênciapatrimonial (envolve os investimentos); reversõesde provisões de devedores duvidosos (envolvemduplicatas a receber).O exame documental das vendas, custos edespesas deverá ser realizado.Os testes deverão verificar se os exames já nãoforam anteriormente realizados, para não haverduplicidade. 98 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 99. RELATÓRIO FINANCEIRO APLICÁVEL RELATÓRIO FINANCEIRO APLICÁVELRELATÓRIO FINANCEIRO APLICÁVEL NBC TA 200 - Objetivos gerais do auditor independente e a condução de uma auditoria em conformidade com normas de auditoria (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.203/09 ); 99 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 100. RELATÓRIO FINANCEIRO APLICÁVEL RELATÓRIO FINANCEIRO APLICÁVELA elaboração das demonstrações contábeis pela administração, equando aplicável pelos responsáveis pela governança requer:A identificação da estrutura de relatório financeiro aplicável, nocontexto de leis e regulamentos relevantes;A elaboração das demonstrações contábeis em confronto comessa estrutura.A inclusão de descrição adequada dessa estrutura nasdemonstrações contábeis.A estrutura de relatório financeiro aplicável muitas vezes abrangenormas de contabilidade estabelecidas por organizaçãonormalizadora autorizada ou reconhecida ou por exigênciaslegislativas ou regulamentares.Atenção: não confundir a estrutura do relatório financeiroaplicável que serve de base para as demonstrações contábeis feitaspela empresa com o relatório com opinião do auditorindependente que será descrito a seguir. 100 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 101. RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIARELATÓRIO COM OPINIÃO DO AUDITOR INDEPENDENTE NBC TA 700 - Formação da opinião e emissão do relatório do auditor independente sobre as demonstrações contábeis (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.231/09); 101 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 102. RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIAO Relatório de auditoria é o produto final daauditoria, que conterá a opinião do auditor sobreas demonstrações contábeis e a confirmação deque as demonstrações auditadas encontram-se,em todos os aspectos relevantes, de acordo comas práticas contábeis brasileiras.Caso não haja ressalva ou opinião adversa, orelatório de opinião que será emitido será o “nãomodificado”. Caso haja ressalva ou opiniãoadversa, o relatório emitido será o “modificado”.Este relatório com opinião do auditor deverá serassinado pelo contador responsável pelostrabalhos com registro no CFC. 102 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 103. RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIACaso a auditoria tenha sido realizada por umaempresa de auditoria, o relatório deverá serassinado, também, pelo responsável pela empresade auditoria com registro no CFC.O termo técnico “relatório com opinião doauditor independente” substitui o termo“parecer de auditoria” nas novas normas deauditoria.A estrutura do relatório deverá conter o título, odestinatário, o parágrafo introdutório, a seçãosobre a responsabilidade da administração sobreas demonstrações contábeis, a seção sobre aresponsabilidade do auditor e a extensão daauditoria e a seção com a opinião do auditor. 103 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 104. RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIAEXEMPLO DE RELATÓRIO DE AUDITORIAEW NÃO MODIFICADO 104 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 105. TÍTULO, DESTINATÁRIO E PARÁGRAFO INTRODUTÓRIOTÍTULO, DESTINATÁRIO E PARÁGRAFO INTRODUTÓRIO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONDENSADAS. [Destinatário apropriado] As demonstrações contábeis condensadas, que compreendem o balanço patrimonial condensado em 31 de dezembro de 20X1 e as respectivas demonstrações condensadas do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como as respectivas notas explicativas, são derivadas das demonstrações contábeis auditadas da Companhia ABC para o exercício findo em 31 de dezembro de 20X1. Expressamos opinião de auditoria sem modificação sobre as demonstrações contábeis em nosso relatório com data de 15 de fevereiro de 20X2(2). As demonstrações contábeis condensadas não contemplam todas as divulgações requeridas pelas práticas contábeis adotadas no Brasil. Portanto, a leitura das demonstrações contábeis condensadas não substitui a leitura das demonstrações contábeis auditadas da Empresa ABC. 105 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 106. SEÇÃO SOBRE AS RESPONSABILIDADES SEÇÃO SOBRE AS RESPONSABILIDADESResponsabilidade da administração da Companhia sobreas demonstrações contábeis condensadasA administração da Companhia é responsável pelaelaboração das demonstrações contábeis condensadas,derivadas das demonstrações contábeis auditadas deacordo com a base descrita na Nota Explicativa X.Responsabilidade do auditorNossa responsabilidade é a de expressar uma opiniãosobre essas demonstrações contábeis condensadas combase em nossos procedimentos, que foram conduzidos deacordo com a NBC TA 810, aplicável à emissão derelatório sobre as demonstrações contábeiscondensadas. 106 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 107. SEÇÃO SOBRE A OPINIÃO DO AUDITOR SEÇÃO SOBRE A OPINIÃO DO AUDITORSeção de opinião:Em nossa opinião, as demonstrações contábeiscondensadas derivadas das demonstraçõescontábeis auditadas da Companhia ABC para oexercício findo em 31 de dezembro de 20X1 sãoconsistentes, em todos os aspectos relevantes,com essas demonstrações contábeis auditadas deacordo com a base descrita na Nota Explicativa X. 107 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 108. LOCAL, NOMES CRC, ASSINATURA E ENDEREÇOSLOCAL, NOMES CRC, ASSINATURA E ENDEREÇOS[Local (localidade do escritório de auditoria queemitiu o relatório) e data do relatório do auditorindependente][Nome do auditor independente (pessoa física oujurídica e número de registro no CRC][Nome do profissional (sócio ou responsável técnico,no caso de o auditor ser pessoa jurídica)][Categoria profissional e número de registro no CRC][Assinatura do auditor independente][Endereço do auditor independente] 108 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 109. PARÁGRAFO DE ÊNFASE PARÁGRAFO DE ÊNFASEPARÁGRAFO DE ÊNFASE 109 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 110. PARÁGRAFO DE ÊNFASE PARÁGRAFO DE ÊNFASEParágrafo de ênfase: somente será emitido se houverevidência de auditoria suficiente e apropriada de que nãohouve distorção relevante nas demonstrações contábeis.Será incluído logo abaixo do parágrafo de opinião.Motivo de sua inclusão: deverá ser incluído o parágrafode ênfase no caso de “eventos subsequentes” (eventosque ocorrem após o encerramento do balanço até adivulgação das demonstrações contábeis que afetemrelevantemente as demonstrações) e também parachamar a atenção dos usuários para divulgaçõesadicionais que ocorram. Também será incluído no caso dedúvida quanto à continuidade da empresa.Poderá ser incluído (neste caso é poderá e não deverá)nos casos de grandes catástrofes, incerteza relativa dedesfecho futuro de litígio ou aplicação antecipada denorma contábil. 110 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 111. RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIAEXEMPLO DE RELATÓRIO DE AUDITORIAEW MODIFICADO 111 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 112. IMPORTANTE!!! IMPORTANTE!!!Caso o auditor conclua que as situações abaixoocorreram deverá ser emitido relatório modificado (comressalva, com opinião adversa ou com abstenção deopinião):As demonstrações contábeis apresentam distorçãorelevante*.O auditor durante a auditoria não conseguiu concluirque as demonstrações contábeis apresentam distorçãorelevante**.* Opinião com ressalva: emitida caso as distorçõesexistentes individualmente ou em conjunto sejamrelevantes mas não generalizadas ou não for possívelobter evidências, mas se conclui pelos seus efeitos quepoderiam ser relevantes, mas não centralizados. 112 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 113. IMPORTANTE!!! IMPORTANTE!!!*Opinião adversa: emitida pelo auditor caso as distorçõesrelevantes existentes sejam generalizadas** Opinião com abstenção de opinião: emitida peloauditor caso não seja possível obter evidência apropriadae suficiente e se conclui que os possíveis efeitos dasdistorções, não detectadas, se houver, sobre asdemonstrações contábeis poderiam ser relevantes egeneralizados.Limitação de alcance da auditoria: ocorre quando oauditor é impedido de executar procedimentos. Se tantoa administração quanto os responsáveis pela governançanão autorizarem procedimentos alternativos ou retirar alimitação o auditor deverá emitir relatório com opiniãomodificada (com ressalva se não for generalizado oproblema ou abstenção de opinião se for generalizado oudesistir da auditoria). 113 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 114. ESTRUTURA DO RELATÓRIO MODIFICADO ESTRUTURA DO RELATÓRIO MODIFICADOA estrutura do relatório modificado terá um parágrafode opinião modificada, que ficará logo acima da seção deopinião do auditor do relatório não modificado. Éexatamente por isto que os relatórios são chamados de“modificados”, pois alteram a estrutura do relatório semressalvas não modificado através deste parágrafo paraopinião modificada.Mesmo se o auditor emitir opinião adversa ou comabstenção de opinião este parágrafo de opiniãomodificada deverá conter as razões que levaram oauditor a opinar por uma opinião modificada.A seguir foi esquematizado em amarelo o parágrafomodificado que deve ficar logo acima da seção sobreopinião do auditor 114 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 115. ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE OPINIÃO MODIFICADAESTRUTURA DO RELATÓRIO DE OPINIÃO MODIFICADA Título Destinatário Parágrafo introdutório Seção sobre responsabilidade da administração Seção sobre a responsabilidade do auditor Opinião modificada Seção sobre a opinião do auditor e extensão Local, data e assinatura 115 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 116. REPRESENTAÇÕES FORMAIS REPRESENTAÇÕES FORMAISREPRESENTAÇÕES FORMAIS 116 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 117. REPRESENTAÇÕES FORMAIS REPRESENTAÇÕES FORMAISCarta de responsabilidade da administração – é a formade representação formal solicitada pelo auditorindependente à administração da empresa, que tem porobjetivo reconhecer as responsabilidades daadministração da empresa formalmente, através de textoescrito, de forma que a administração se obrigue a zelarpor estas responsabilidades, como por exemplo as citadasabaixo:Reconhecer as responsabilidades sobre mantercontroles internos;Combater fraudes;Avaliar a continuidade da empresa;Elaborar estimativas contábeis. 117 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 118. REPRESENTAÇÕES FORMAIS REPRESENTAÇÕES FORMAISO auditor não deixará de realizar procedimentos em trocade representações formais. Se o auditor não conseguirevidências adequadas ocorrerá limitação de escopo daauditoria mesmo com a emissão de carta deresponsabilidade.Sempre que receber uma carta de responsabilidade daadministração, o auditor deverá agir com ceticismo eprocurar evidências que respaldem a informação. Deveráanalisar se as pessoas que fizeram as declarações sãoconsideradas bem informadas sobre os assuntosespecíficos e se são razoáveis as informações econsistentes com as outras evidências encontradas. 118 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 119. PARTES RELACIONADAS PARTES RELACIONADASPARTES RELACIONADAS NBC TA 550 - Partes relacionadas (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.224/09); 119 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 120. PARTES RELACIONADAS PARTES RELACIONADASAlgumas relações da empresa ou entidade que está sendoauditada irão merecer maior atenção por parte doauditor. Entre elas estão as partes relacionadas, quepoderão ser as seguintes:1) Pessoa ou entidade que tem controle direto ou indiretonas participações societárias da empresa ou influênciasignificativa.2) Entidade que a empresa controla ou tem influênciasignificativa.3) Entidade com controle comum por ter controlador ouadministração comum (exceto se o controlador for oEstado) ou possui controle comum devido ao fato dosproprietários serem parentes próximos. 120 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 121. PARTES RELACIONADAS PARTES RELACIONADASProcedimentos adicionais para lidar com as partesrelacionadas (para diminuir os riscos associados):1) Avaliar transações de alto valor fora do curso normalde negócios da entidade.2) Identificar transações com partes relacionadas nãoidentificadas.3) Verificar se o tratamento dos relacionamentos etransações identificados com partes relacionadas são osequivalentes ao realizados com partes independentes.4) Obter provas dos responsáveis pela governança de queforam divulgados, identificados e contabilizados todos osrelacionamentos com partes relacionadas, conforme asexigências do relatório financeiro aplicável. 121 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 122. CONTINGÊNCIAS CONTINGÊNCIASCONTINGÊNCIAS (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.180/09). 122 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 123. CONTINGÊNCIAS CONTINGÊNCIASCaso, durante a auditoria, o auditor se depare comativos e passivos que, apesar de terem granderelevância, não seja possível determinar a sua realsituação, teremos o que chamamos decontingências.Neste caso, o auditor poderá solicitar àadministração a opinião de outro consultorjurídico independente.As contingências poderão ser ativas (ativocontingente) ou passivas (passivo contingente). 123 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 124. CONTINGÊNCIAS CONTINGÊNCIASAtivo contingente é o ativo decorrente de eventospassados cuja existência será confirmada somentepela ocorrência, ou não, de um ou mais eventosfuturos, que não estejam totalmente sob controle daentidade.Passivo contingente é uma possível obrigaçãopresente cuja existência será confirmada somentepela ocorrência, ou não, de um o mais eventosfuturos, que não estejam totalmente sob controle daentidade; ou, uma obrigação presente que surge deeventos passados, mas que não é reconhecida porqueé improvável que a entidade tenha que liquidá-la; ou,o valor da obrigação não pode ser mensurado comeficiente segurança. 124 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 125. CONTINGÊNCIAS CONTINGÊNCIASO passivo contingente será divulgado se for umaobrigação presente com provável a saída dosrecursos. Neste caso deverá ser registrada ereconhecida contabilmente uma provisão.O passivo contingente será divulgado, mas não seráreconhecida provisão se a obrigação presente não tercomo provável a saída de recursos. Deverá apenasser divulgado em notas explicativas este passivocontingente.Já se o passivo contingente for possível (mas comprobabilidade remota de ser reconhecido) então nãoserá divulgado este passivo em notas explicativas enem haverá o reconhecimento deste. 125 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 126. CONTINGÊNCIAS CONTINGÊNCIASO ativo contingente, se for praticamente certa a entradade benefícios econômicos, deverá ser reconhecido comoativo e não como ativo contingente.O ativo contingente nunca poderá ser reconhecido.Se for provável, mas não praticamente certa a entrada debenefícios econômicos, então o ativo contingente seráapenas divulgado nas notas explicativas dasdemonstrações contábeis.Já se não for provável a entrada de benefícios,então oativo contingente não será divulgado em notasexplicativas.O auditor deverá verificar se as contingências relevantesestão devidamente tratadas nas demonstraçõescontábeis. 126 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 127. EVENTOS SUBSEQUENTES EVENTOS SUBSEQUENTESEVENTOS SUBSEQUENTES NBC TA 560 - Eventos subsequentes (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.225/09); 127 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 128. EVENTOS SUBSEQUENTES EVENTOS SUBSEQUENTESEventos subsequentes são eventos relevantes queocorrem no período após o encerramento de exercícioaté a divulgação das demonstrações contábeis e quepodem afetar significativamente a opinião do auditorsobre as demonstrações contábeis.Ex: eventos negativos como a perda do principal cliente etambém eventos positivos como, por exemplo, umcontrato de venda de valor significativo.ENCERRAMENTO DO PUBLICAÇÃO DAS EXERCÍCIO DEMONSTRAÇOES CONTÁBEIS EVENTOS SUBEQUENTES RELATÓRIO DE AUDITORIA 128 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 129. EVENTOS SUBSEQUENTES EVENTOS SUBSEQUENTESCarta de administração: caso o auditor ainda não tenhafeito o relatório de auditoria, deverá pedir umarepresentação formal à administração em forma de cartade administração com a confirmação de que foramajustados e divulgados nas demonstrações todos oseventos subsequentes.Caso os eventos subsequentes ocorram após a data dorelatório de auditoria o auditor independente não tem aobrigação de executar nenhum procedimento deauditoria com relação às demonstrações contábeis.Entretanto, caso o auditor deseje modificar o relatórionesta situação, ele deverá discutir o assunto com aadministração e emitir novo relatório. 129 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 130. CONTINUIDADE OPERACIONAL CONTINUIDADE OPERACIONALCONTINUIDADE OPERACIONAL NBC TA 570 - Continuidade operacional (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.226/09). 130 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 131. CONTINUIDADE OPERACIONAL CONTINUIDADE OPERACIONALAo se publicar as demonstrações contábeis, pressupõe-seque a continuidade da empresa não seja menor do que12 meses.O auditor independente deverá obter evidências sobre opressuposto da continuidade da empresa ou expressaruma conclusão se existe incerteza sobre a continuidadeda empresa.A auditoria das demonstrações contábeis trás apenasuma garantia razoável sobre a continuidade operacional,não podendo ser considerada uma garantia dacapacidade operacional.A ausência de qualquer referência à incerteza decontinuidade na auditoria das demonstrações contábeisnão pode ser considerada garantia de capacidadeoperacional. 131 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 132. CONTINUIDADE OPERACIONAL CONTINUIDADE OPERACIONALExemplo de indicadores financeiros de descontinuidade:passivo a descoberto, atraso ou suspensão do pagamentode dividendos, atraso no pagamento de fornecedores,principais índices financeiros adversos, mudança nascondições de pagamento a fornecedores, incapacidade dese obter financiamento, entre outros.Indicadores operacionais de descontinuidade: perda depessoal chave da administração, falta de suprimentosimportantes, perda de clientes importantes, altarotatividade de mão de obra.Os indícios de descontinuidade da empresa deverão seravaliados em conjunto e não de forma isolada, já quepoderá haver compensações. 132 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 133. TRABALHOS DE ASSEGURAÇÃO E REVISÕES LIMITADASTRABALHOS DE ASSEGURAÇÃO E REVISÕES LIMITADASTRABALHOS DE ASSEGURAÇÃO E REVISÕES LIMITADAS NBC TA 02 - Estrutura conceitual para trabalhos de asseguração (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.203/09 133 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 134. TRABALHOS DE ASSEGURAÇÃO E REVISÕES LIMITADASTRABALHOS DE ASSEGURAÇÃO E REVISÕES LIMITADASSegundo a NBR TA 02, que dispõe sobre a estruturaconceitual para trabalhos de asseguração, temos que:“Trabalho de asseguração” significa um trabalho no qualo auditor independente expressa uma conclusão com afinalidade de aumentar o grau de confiança dos outrosusuários previstos, que não sejam a parte responsávelacerca do resultado da avaliação ou mensuração dedeterminado objeto de acordo com os critérios aplicáveis.Ou seja: caso algum usuário necessite de uma novaavaliação dos demonstrativos contábeis para dar maissegurança às transações faz-se um trabalho deasseguração , trabalho no qual o auditor independenteemite opinião sobre as demonstrações contábeis. 134 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 135. TRABALHOS DE ASSEGURAÇÃO E REVISÕES LIMITADASTRABALHOS DE ASSEGURAÇÃO E REVISÕES LIMITADASSegundo esta norma de auditoria há duas formas deexpressão de opinião:1)Trabalhos de asseguração razoável.2)Trabalhos de asseguração limitado. O trabalho de asseguração razoável expressa de formapositiva a opinião do auditor independente e o trabalho deasseguração limitado é a forma negativa de expressão daconclusão do auditor. No caso de asseguração limitada o auditor não emiteopinião sobre as demonstrações contábeis, apenas afirma quenão encontrou evidências de que as demonstrações não estãoadequadas. Neste caso será emitido um relatório atestandoque nada chamou a atenção no que se refere ao fato dasdemonstrações não se mostrarem inadequadas em todos osaspectos relevantes. 135 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 136. PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOSPROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS NBC TA 330 - Resposta do auditor aos riscos avaliados (RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.214/09); 136 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 137. PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOSConforme a NBC TA 330, que dispõe de uso de técnicasde auditoria assistida por computador, será permitido ouso de testes de transações eletrônicas em busca dedistorções relevantes nos sistemas informatizados dasempresas.Os sistemas informatizados nas empresas, apesar deaumentarem a eficiência dos processos nas empresas,tornam muito mais fácil a ocorrência de fraudes, istoporque, é possível modificar dados eletrônicos sem deixarrastros, aumentando o risco inerente.Sendo assim, o auditor deverá avaliar a qualidade dosistema de informação da empresa auditada no que serefere à segurança de informação e aos procedimentos econtroles internos (autorizações). 137 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 138. PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS AUMENTA O RISCO INERENTEUSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃOCOMPUTADORIZADOS RISCO DE CONTROLE É ALTERADO 138 WWW.SUPERPROVAS.COM
    • 139. FIM 139WWW.SUPERPROVAS.COM

    ×