Your SlideShare is downloading. ×
Exercícios sobre crônica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Exercícios sobre crônica

7,873
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
7,873
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
79
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Exercícios sobre crônicaLeia o artigo: CrônicaQuestões:Instruções para as questões 01 a 04Classifique os textos a seguir em:a) crônica narrativab) crônica reflexivac) crônica descritivad) crônica metalingüísticae) dissertação01."Outros fatores contribuem diretamente para dificultar a adaptação do calouro àuniversidade. A desinformação é um desses fatores: a grande maioria dosjovens desconhece não só as atividades básicas da profissão que escolheu -ou que escolheram por ele - como também o currículo mínimo necessário à suaformação." (Revista Veja)02. O grande sofisma Não sou responsável pelas minhas insuficiências. Se minha corrente vital éacaso interrompida e foge de seu leito; se meu ser muitas vezes se desprendede seus suportes e se perde no vazio; se é frágil a minha composição orgânicae tênues os meus impulsos - culpo disso os meus pais, a sociedade, o regime,os colégios; culpo as mulheres difíceis, os governos, as privações anteriores;culpo os antepassados em geral, o mau clima da minha cidade, a sífilis queveio nas naus descobridoras, a água salobra, as portas que se me fecharam eos muitos "sins" que esperei e me foram negados; culpo os jesuítas e o ventosudoeste; culpo a Pedro Álvares Cabral e a Getúlio; culpo o excesso deproibições, a escassez de iodo, as viagens que não fiz, os encontros que nãotive, os amigos que me faltaram e as mulheres que não me quiseram; culpo aD. João VI e ao Papa; culpo a má-vontade e a incompreensão geral. A todos ea tudo eu culpo. Só não culpo a mim mesmo que sou inocente. E ao Acaso, que éirresponsável... (Aníbal Machado)03."A consciência ecológica brasileira, emergente nos últimos vinte anos, tem-setornado cada vez mais vigilante. Os ecologistas reservam uma atençãoespecial para as fábricas de papel e celulose, pelo mal que podem provocar àságuas, ao ar, ao meio ambiente em geral." (Revista Veja)
  • 2. 04. O beijo O beijo é uma coisa que todo mundo dá em todo mundo. Tem uns que gostammuito, outros que ficam aborrecidos e limpam o rosto dizendo já vem você denovo e tem ainda umas pessoas que quanto mais beijam, mais beijam, como aminha irmãzinha que quando começa com o namorado dá até aflição. O beijopode ser no escuro e no claro. O beijo no claro é o que o papai dá na mamãequando chega, o que eu dou na vovó quando vou lá e mamãe obriga, e que opapai deu de raspão na empregada noutro dia, mas esse foi tão rápido que euacho que foi sem querer... (Millôr Fernandes)05. Assinale a(s) alternativa(s) incorreta(s):a) A crônica é uma forma que ganhou invulgar vitalidade literária nas últimasdécadas, tendo experimentado momentos altos em Rubem Braga, ManuelBandeira, Paulo Mendes Campos, Fernando Sabino, Carlos Drummond deAndrade.b) Rubem Braga é um escritor brasileiro contemporâneo que se destacou naprodução de romancesregionalistas comprometidos com os problemas do universo rural.c) A crônica é um gênero egresso das páginas fugazes de jornais e revistasque, em certos casos deelaboração estética das informações do cotidiano, merece permanência entre oque há de melhor nopatrimônio literário do Brasil.d) Gênero muito desenvolvido no Brasil, a crônica pode focalizar: memórias,lembranças da infância, flagrantes do cotidiano, comentários metafísicos,considerações literárias, poemas em prosa e pequenos contos.e) A crônica brasileira privilegia a linguagem escrita e falada no contextourbano, dando ênfase ao registro coloquial e informal da variedade padrão dalíngua portuguesa.O texto abaixo servirá de referência para responder as questões 06 a 08A nuvem - Fico admirado como é que você, morando nesta cidade, consegue escreveruma semana inteira sem reclamar, sem protestar, sem espinafrar! E meu amigofalou da água, telefone, Light em geral, carne, batata, transporte, custo de vida,buracos na rua, etc. etc. etc. Meu amigo está, como dizem as pessoasexageradas, grávido de razões. Mas que posso fazer? Até que tenho
  • 3. reclamado muito isto e aquilo. Mas se eu for ficar rezingando todo dia, estouroubado: quem é que vai agüentar me ler? Acho que o leitor gosta de ver suasqueixas no jornal, mas em termos.Além disso, a verdade não está apenas nos buracos das ruas e outrasmazelas. Não é verdade que as amendoeiras neste inverno deram um showluxuoso de folhas vermelhas voando no ar? E ficaria demasiado feio euconfessar que há uma jovem gostando de mim? Ah, bem sei que essesencantamentos de moça por um senhor maduro duram pouco. São caprichosde certa fase. Mas que importa? Esse carinho me faz bem; eu o recebo terna egravemente; sem melancolia, porque sem ilusão. Ele se irá como veio, levenuvem solta na brisa, que se tinge um instante de púrpura sobre as cinzas demeu crepúsculo.E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velho Braga.Deixe a nuvem, olhe para o chão - e seus tradicionais buracos.(Rubem Braga, Ai de ti, Copacabana)06. É correto afirmar que, a partir da crítica que o amigo lhe dirige, o narradorcronista:a) sente-se obrigado a escrever sobre assuntos exigidos pelo público;b) reflete sobre a oposição entre literatura e realidade;c) reflete sobre diversos aspectos da realidade e sua representação naliteratura;d) defende a posição de que a literatura não deve ocupar-se com problemassociais;e) sente que deve mudar seus temas, pois sua escrita não está acompanhandoos novos tempos.07. Em "E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velhoBraga", o narrador:a) chama a atenção dos leitores para a beleza do estilo que empregou;b) revela ter consciência de que cometeu excessos com a linguagemmetafórica;c) exalta o estilo por ele conquistado e convida-se a reverenciá-lo;d) percebe que, por estar velho, seu estilo também envelheceu;e) dá-se conta de que sua linguagem não será entendida pelo leitor comum.08. Com relação ao gênero do texto, é correto afirmar que a crônica:a) parte do assunto cotidiano e acaba por criar reflexões mais amplas;b) tem como função informar o leitor sobre os problemas cotidianos;c) apresenta uma linguagem distante da coloquial, afastando o público leitor;d) tem um modelo fixo, com um diálogo inicial seguido de argumentaçãoobjetiva;
  • 4. e) consiste na apresentação de situações pouco realistas, em linguagemmetafórica.Resolução:01. C 02. B 03. C 04. B05. B 06. A 07. B 08. A