• Save
Lilacs application  profile
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Lilacs application profile

on

  • 1,080 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,080
Slideshare-icon Views on SlideShare
1,080
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Lilacs application  profile Lilacs application profile Presentation Transcript

    • Rumo ao LILACS Application Profile Sueli Mitiko Yano Suga Unidade LILACS/FIR BIREME/OPS/OMS
    • Padrão para descrição bibliográfica x Formato de intercâmbio de dados
      • LILACS X Dublin Core
      Descrição bibliográfica baseada em metadados de documentos eletrônicos Baseado no UNISIST e com o objetivo de proporcionar melhor comunicação científica, o que destaca o conteúdo em Detrimento do formato Cerca de 90 campos de dados + campo 9xx 15 elementos de dados + 24 qualifiers básicos + 20 códigos de elementos
    • Dublin Core LILACS
    • Níveis de interoperabilidade (Fusco, 2010) Exemplos Definição Nível Fluxos de informação: formação de redes, cooperação entre redes e dados. interoperabilidade política, quando organizações se reúnem com o intuito de alcançar a interoperabilidade, implementando padrões e tecnologias que cooperem com este objetivo. Organizacional Normas e vocabulários: AACR, RDA, DeCS interoperabilidade semântica, na qual a representação e organização do conhecimento são áreas chave a serem estudadas Conteúdo Protocolos e formatos de intercâmbio: MARC, Dublin Core, OAI/PMH, LILACS proporciona a interoperabilidade tecnológica Técnico
    • Campos mínimos LILACS convertidos para Dublin Core Qualified Dúvida 1: TYPE: vários campos são destinados a esse elemento. [5, 6, 9, 110 e 113] Dúvida 2: CREATOR ou CONTRIBUTOR:. [10 e 11] Dúvida 3: Campos [14 e 20] podem ser eliminadas, pois são essenciais e quando o registro possui URL não é necessário seu preenchimento, porém, usado como base referencial, é ncessário manter os campos para Dublin Core format.extent   extent Format E [20] páginas (monografico) format.extent   extent Format E [14] - páginas (nível analítico) format.extent   extent Format E [38] - Descrição Física     CorporateName Creator O [11] - Autor Institucional (nível analítico)     Affiliation Creator ^1^2^3 [10] - Autor Pessoal (nível analítico) contributor.author   PersonalName Creator O com ^1^2^3] [10] - Autor Pessoal (nível analítico) type     Type E [113] - Tipo de Periódico type     Type E [110] - Forma do Item type     Type E [09] - Tipo de Registro identifier.uri   URL Identifier O [08] - Endereço Eletrônico type     Type O [06] - Nível de Tratamento type     Type O [05] - Tipo de Literatura     pmid Identifier O [02] - Número de Identificação       Source O [01] - Código do Centro Dspace Enc. Elem. Refin. DC Tipo campos mínimos para S as
    • Campos mínimos LILACS convertidos para Dublin Core Qualified Definição: referência bibliográfica irá para IDENTIFIER.citation. Dúvida 4: No OAI de SEARO, os dados carregados vem até o nível de elemento. Assim sendo, todos os qualifiers são ignorados e depende de análise humana a Definição de quais campos receberão os dados. [30,31 e 32] Dúvida 5: Campos de Eventos [53,54 e 57] são essenciais, porém quando existirem dados serão direcionados para elemento TYPE.event. Dúvida: usando os qualificadores, como separar dados como Nome, Data e País? Dúvida 6: Campos de Indexação [71, 76, 87 e 88] usam o mesmo elemento SUBJECT.descriptor. Ocorrerá o mesmo problema qdo ocorrer harvesting de dados por OAI? Será necessário escolher qual elemento coletar? date.accessioned   created date O [91] - Data da Criação do Registro subject.other decs descriptor   E [88] - Descritor Secundário subject.other decs descriptor Subject O [87] - Descritor Primário subject.other decs descriptor Subject E [76] - Descritor Pré-codificado subject.other   keyword Subject E [85] - Palavra-chave do autor description.abstract   abstract Description E [83] - Resumo subject.other decs descriptor Subject E [71] - Tipo de Publicação date.issued   issued date O [64] - Data de Publicação     Event type E [57] - Evento - País     Event type E [54] - Evento - Data     Event type E [53] - Evento - Nome language.iso iso   Language O [40] - Idioma identifier.doi doi   Identifier E [724] - DOI identifier.issn issn   Identifier O [35] - ISSN identifier.citation   citation Identifier O [32] - Número do Fascículo (nível série) identifier.citation   citation Identifier O [31] - Volume (nível série) identifier.citation   citation Identifier O [30] - Título (nível série) title     Title O [12] - Título (nível analítico) Dspace Enc. Elem. Refin. DC Tipo campos mínimos para S as
    • Vontade de interoperar
      • Dublin Core simples com 15 elementos não será LILACS;
      • Dublin Core conforme Library Application Profile (DSpace), talvez dependendo do resultado do DE/PARA;
      • LILACS Application Profile, sim será LILACS.
      Registro incompleto Mais próximo de um registro LILACS Express Próximo de um registro LILACS
    • Relato de Elysio
      • “ Nos últimos anos, tenho dedicado boa parte do tempo, convertendo bases de dados de bibliotecas que decidiram adotar o PHL como meio de gestão de seus serviços e catálogos. Centenas de bases de dados em Excell, Access, DBase, Paradox, Foxpro, etc., etc. foram convertidas para CDS/ISIS. Deste tempo, somente 5% foram investidos na conversão de formatos ou padrão do banco de dados.
      • Os outros 95% do tempo foi investido na criação de rotinas para padronização dos elementos de dados daquelas bases cujos elementos de dados não seguiram as regras recomendadas pela AACR2 .
      • Portanto, podemos concluir que para o intercâmbio de registros bibliográficos, o mais importante é a padronização do elemento de dado (metadado) e não do formato adotado como "container" do registro bibliográfico . Pouco importa se a base de dados utiliza MARC, UNISIST, Dublin Core, ELHILL, ANSI, etc. O que realmente importa é que utilizem sempre as mesmas regras na transcrição dos seus elementos de dados” .
    • LILACS Application Profile
      • Uma declaração da forma como cada elemento do Dublin Core será aplicado para a Metodologia LILACS.
        • • Elementos necessários;
        • • Elementos do Dublin Core permitidos;
        • • Qualifiers do Dublin Core permitidos;
        • • Esquemas e valores permitidos (por exemplo, utilização de um vocabulário controlado específico ou esquema de codificação);
        • • Biblioteca de elementos de domínio usado de outro namespace;
        • • Os elementos/qualifiers adicionais a partir de outros perfis de aplicação;
        • • Refinamento dos padrões de definições.
    • Referências
      • Alves, Maria das Dores Rosa, Souza, Marcia Izabel Fugisawa. Dublin Core e MARC 21: um estudo de corresponência de elementos de metadados. Disponível em: http://www.erfelipe.com.br/artigos/K.Maria_Alves_Dublin_Core_e_Marc.pdf Acesso em 15/07/2011 .
      • DCMI. DC-Library Application Profile (DC-Lib) Disponível em: http://dublincore.org/documents/library-application-profile/ Acesso em 15/07/2011.
      • DCMI. Dublin Core Application Profile Guidelines (SUPERSEDED, SEE Guidelines for Dublin Core Application Profiles ). Disponível em: http://dublincore.org/usage/documents/profile-guidelines/ Acesso em 15/07/2011.
      • Fusco, Elvis. Modelos conceituais de dados como parte do processo de catalogação: perspectiva do uso dos FRBR no desenvolvimento de catálogos bibliográficos digitais. Tese de Doutorado. Marília: Unesp, 2010. Disponível em: http://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/fusco_e_do_mar.pdf
      • Packer, Abel Laerte. A biblioteca de cada um. Seminário Internacional de Bibliotecas Digitais Brasil, São Paulo, 18-20 set. 2007. Disponível em: http://www.google.com.br/url?sa=t&source=web&cd=1&ved=0CBsQFjAA&url=http%3A%2F%2Fwww.bibliotecadigital.unicamp.br%2Fdocument%2F%3Fdown%3D23443&ei=xZrjTYXwOMuRgQfVusCZBg&usg=AFQjCNFQoOO6GXbO9avYn8kb8W-nRUPFHQ
      • Oliveira, Elysio Mira Soares de. Formato MARC: um paradigma a ser quebrado! Jun. 2006. Disponível em: http://www.elysio.com.br/downloads/Ci.Inf-2006-884. pdf . Acesso em 15/07/2011.