Um insulto aos trabalhadores e ao povo do barreiro

112
-1

Published on

A homenagem a Alfredo da Silva, fundador da CUF, promovida durante esta semana, escamoteando o carácter de violenta e feroz repressão sobre os trabalhadores em luta, de recusa ao diálogo com os sindicatos e autoritarismo implacável que o caracterizou, constitui um insulto aos trabalhadores e ao povo do Barreiro.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
112
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Um insulto aos trabalhadores e ao povo do barreiro

  1. 1. PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Comissão Concelhia do Barreiro NOTA À COMUNICAÇÃO SOCIAL E À POPULAÇÃO UM INSULTO AOS TRABALHADORES E AO POVO DO BARREIRO A homenagem a Alfredo da Silva, fundador da CUF, promovida durante esta semana, escamoteando o carácter de violenta e feroz repressão sobre os trabalhadores em luta, de recusa ao diálogo com os sindicatos e autoritarismo implacável que o caracterizou, constitui um insulto aos trabalhadores e ao povo do Barreiro. Alfredo da Silva – deputado franquista na Monarquia, senador sidonista na República e procurador à Câmara Corporativa de Salazar – foi desde a primeira hora um dos sustentáculos do regime fascista, que condenou o povo português à fome, à exploração, à miséria, à guerra, ao obscurantismo e à privação das liberdades, durante quase meio século, assumindo-se como um entusiasta e financiador do Golpe do 28 de Maio, que abriu as portas à implantação do Estado Novo. Os trabalhadores e o povo do Barreiro bem conhecem a verdadeira face desse que é hoje apresentado como industrial visionário: a face da brutal exploração dos operários, da repressão sobre todas as formas, de suporte e de dirigente omnipresente do regime fascista implantado em Portugal, que requisitou e instalou a PIDE e a GNR nas fábricas da CUF, no Barreiro, para reprimir quem ousasse levantar a voz contra o sistema. Na verdade, a promoção desta homenagem a este pretenso benfeitor e benemérito da Pátria, no ano em que se assinalam os 40 anos da Revolução de Abril, tem um carácter verdadeiramente provocatório e merece o repúdio de quem viveu aqueles tempos de exploração e de quem, na actualidade, está sofrendo os resultados de décadas de política de direita. Os mesmos que desbarataram a oportunidade do aproveitamento das nacionalizações e da criação da Quimigal, impedindo que esta fosse colocada ao serviço da economia nacional e das populações e lançaram no desemprego milhares de trabalhadores do Barreiro, que insistem numa política de desastre nacional e de desmantelamento do aparelho produtivo, são os mesmos que, utilizando dinheiros públicos, promovem agora esta inusitada homenagem. O facto de o Governo do PSD-CDS, usar esta iniciativa como pretexto para reapresentar a sua proposta sobre uma suposta “reindustrialização” do país, revela até onde pode ir a sua hipocrisia e revela os modelos que estão dispostos a seguir. Depois de décadas de política de direita, é este o Governo que mais postos de trabalho e empresas destruiu, nos recentes anos de aplicação do Pacto de Agressão assinado entre o FMI, a União Europeia e o BCE com o PS, o PSD e o CDS. O Executivo da Concelhia do Barreiro do PCP, rejeitando as políticas de quem, ao longo de décadas, tem tentado destruir as conquistas da Revolução de Abril, reafirmando a urgência de demitir o actual Governo, sublinha que a situação actual e o futuro do País e, naturalmente, do Barreiro, impõem a ruptura com a política de direita e a concretização de uma alternativa patriótica e de esquerda, afirmação de democracia e soberania que projete, consolide e desenvolva os valores de Abril no futuro de Portugal. Barreiro, 27 de Junho de 2014 O Executivo da Comissão Concelhia do Partido Comunista Português Rua Miguel Bombarda, n.º 141 – 2830-089 Barreiro Tel.: 212 075 125 / 212 071 601 – Fax.: 212 074 374 barreiro@setubal.pcp.pt

×