• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Santiago de compostela
 

Santiago de compostela

on

  • 7,284 views

 

Statistics

Views

Total Views
7,284
Views on SlideShare
5,817
Embed Views
1,467

Actions

Likes
0
Downloads
74
Comments
0

17 Embeds 1,467

http://hca-aurelio.blogspot.com.br 386
http://hca-aurelio.blogspot.com 273
http://hca-aurelio.blogspot.pt 206
http://esfahistoriadores.blogspot.com 195
http://esfahistoriadores.blogspot.pt 190
http://histculartes.blogspot.com 120
http://histculartes.blogspot.pt 69
http://www.slideshare.net 13
http://www.histculartes.blogspot.com 3
http://www.esfahistoriadores.blogspot.com 3
http://www.hca-aurelio.blogspot.com 2
http://histculartes.blogspot.com.br 2
http://esfahistoriadores.blogspot.fr 1
http://www.hca-aurelio.blogspot.pt 1
http://www.histculartes.blogspot.pt 1
http://hca-aurelio.blogspot.ca 1
http://hca-aurelio.blogspot.fr 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Santiago de compostela Santiago de compostela Presentation Transcript

    • História e Cultura das Artes Escola Secundária Artística António Arroio Filipa Croce Rivera 10ºB
    • Catedral de Santiago de Compostela
    • A Catedral de Santiago de Compostela é uma catedral em estilo românico, pertencente à Arquidiocese de mesmo nome. Construída entre os anos de 1075 e 1128, durante a Reconquista Cristã, na época de Cruzadas, está situada no centro histórico da cidade, a qual está localizada no centro da província da Corunha, na Galiza. É um milenar centro de peregrinação cristã da Europa e foi factor determinante para colocar a Espanha dentro dos círculos medievais graças ao chamado Caminho de Santiago, dedicado a Santiago Maior, actual patrono e protector do Reino da Espanha. Santiago Maior Catedral de Santiago de Compostela, vista aérea
    • A catedral de Santiago de Compostela situa-se na zona mais ocidental da cidade antiga, rodeada por quatro praças: Praça do Obradoiro , Praça da Acibecharia , Praça das Pratarias e Praça da Quintana . A construção actual iniciou-se em 1075, sob a direcção facultativa do mestre Bernardo o Velho, segundo a leitura do epígrafe da Capela do Salvador transcrita por Ángel del Castillo. Quando o bispo Diego Páez foi destituído em 1088, estavam já feitas as três capelas da charola com seus trechos. Em 1101 o mestre Estevão abandona Compostela deixando completadas as capelas semi-decagonais da charola e estavam a ser realizadas obras na portada de Pratarias. Foi nos braços do cruzeiro, em direcção às portadas do Paraíso e de Pratarias, onde se começou a contratar por tarefa em quantidade importante. Em 1103 foram inscritas nas jambas de Pratarias a data de assento da portada. Em 1112 estavam construídos os primeiros trechos do corpo principal da igreja e as pequenas torres laterais. Finalmente em 1122 concluíam as obras do templo, deixando para trás meio século de trabalhos. Praça das Pratarias Praça da Quintana
    • A Catedral foi uma grande escola de cantaria onde se formaram famílias e gerações de canteiros, que espalharam por toda Galiza o aprendido durante sua construção. Planta da catedral (reconstrução hipotética de como seria no século XII, pois hoje está muito modificada). Consta de uma planta basilical de cruz latina de três naves, também no transepto, e trifório (chamado localmente tribuna), que está conectado directamente com o Paço do Arcebispo, o conhecido na actualidade como Paço de Gelmírez . Na cabeceira situa-se a capela-mor, rodeada por uma charola pela que se acede a cinco capelas radiais menores. Esta estrutura segue os exemplos franceses dos templos de peregrinação, novas formas construtivas chegadas através do Caminho. Planta da catedral (reconstrução hipotética de como seria no século XII, pois hoje está muito modificada).
    • O Pórtico da Glória da Catedral de Santiago de Compostela é um pórtico do românico realizado pelo Mestre Mateus e sua oficina entre 1168 e 1188. A estrutura arquitectónica do pórtico consiste em três plantas sobrepostas: a cripta que simboliza o mundo terreal, o pórtico propriamente dito, que constituía a porta de entrada ocidental à catedral, e que permaneceu aberto ao exterior durante a Idade Média e no que se representava a Jerusalém Celeste, e a última planta era a tribuna, na qual as rosáceas possibilitavam que estivesse iluminada tudo o dia. Representando a elevação do humano ao divino. Pórtico da Glória
    • Iconografia O Pórtico da Glória está constituído por três arcos, o central é o maior. No tímpano central, baseado no Evangelho segundo João, representa-se a Cristo em Majestade com as mãos mostrando as chagas, rodeasse pelo Tetramorfos, as imagens dos evangelistas e anjos que levam os instrumentos da paixão de Jesus. Na arquivolta representam-se, sentados, os 24 anciãos do apocalipse, cada um leva um instrumento musical ou uma taça. No arco esquerdo são representados os justos que aguardam a chegada do Salvador e no da direita representa-se o Julgamento Final. Nos ângulos figuram os quatro anjos do Apocalipse.
    • A fachada das Pratarias é a fachada meridional do cruzeiro da Catedral. Edificou-se entre 1103 e 1117 e contém, além dos relevos românicos originais, outros procedentes de uma porta que nunca se chegou a edificar e da fachada do Paraíso. A fachada das Pratarias sofreu um incêndio em 1117 durante um ataque dos burgueses contra Diego Gelmírez e outro nas meadas do século XV. Em 1884 Antonio López Ferreiro colocou nesta portada uma série de estatuetas que procediam do coro do Mestre Mateus. A fachada das Pratarias deve seu nome às oficinas de prata que existiam no lugar. Fachada das Pratarias
    • No tímpano da porta esquerda aparece o Cristo tentado por um grupo de demónios. À direita aparece uma mulher seminua com uma caveira nas mãos, que pode ser Eva ou a mulher adúltera. Nas jambas aparecem Santo André e Moisés. No contraforte, o rei David, tocando a harpa, a criação de Adão e Cristo abençoando. Todas estas figuras procedem da fachada românica norte (atual "fachada da Acibecharia"). No tímpano da porta direita aparecem várias cenas da paixão de Cristo. Numa das jambas aparece a inscrição que comemora a colocação da primeira pedra: ERA / IC / XVI / V IDUS / JULLII (11 de Julho de 1078). Uma imagem, não identificada, sobre um raposo que engole uma lebre e, á frente desta, uma mulher mal vestida com um animal no colo, procedem doutro lugar. Apoiadas no muro da torre da Berenguela aparecem outras imagens que representam a criação de Eva, Cristo num trono e o sacrifício de Isaac. Das onze colunas inferiores desta fachada, três são de mármore (a central e as extremas) e o resto de granito. Na central aparecem as figuras de doce profetas e nas laterais os apóstolos. Tímpano da porta esquerda Tímpano da porta direita
    • Para o friso também se aproveitaram algumas das figuras da porta da Acibecharia . Dois leões, sobre os que repousam um cristograma e uma figura desconhecida, apoiados sobre a coluna central. Num medalhão aparece o Pai Eterno (ou a Transfiguração), com as mãos abertas e rodeado por dois anjos que tocam cornes. No centro do friso aparece Cristo abençoando acompanhado do apóstolo Santiago e de seis figuras mais, as colocadas por Antonio López Ferreiro. Também aparecem Santo André, a Virgem e o Menino e quatro apóstolos e um anjo. À direita de Santiago está São João, uma cena da expulsão de Adão e Eva do Paraíso e outras figuras, incluído um centauro. Originariamente existiram duas torres românicas a ambos os lados desta fachada (só se conservam os alicerces de uma delas mandada construir por Berenguel de Landória, sobre a que se ergueu a Torre do Relógio, obra barroca de Domingo de Andrade), tendo sido o Messias o tema da portada.
    • A nave com abóbada de berço e os corredores de ogiva abobadada são compostos por onze baias, enquanto a largura do transepto é composta por seis baías. Cada cais cluster é ladeado por semi-colunas, três dos quais carregam o abóbadas das naves laterais e a armação da cúpula de arco, enquanto o quarto chega fonte da cúpula. Iluminadas galerias de execução, a uma altura impressionante, sobretudo os corredores laterais ao redor da igreja. A Nave
    • O coro é coberto por três baías e cercado com um ambulatório e cinco capelas radiantes. A abóbada da abside é perfurada por janelas redondas, formando um clerestório. O coro apresenta uma surpreendente exuberância neste contexto românico. Um enorme baldaquino, com uma estátua sumptuosa decorada de Saint James, do século XIII, eleva-se acima do altar principal. Os peregrinos estão autorizados a beijar o manto da santa, através de uma estreita passagem por detrás do altar. No corredor do coro uma das observações do trabalho da lindíssima estrutura e da abóbada da capela Mondragon (1521). As capelas radiantes constituir um museu de pinturas, retábulos, esculturas e relicários, acumulada ao longo dos séculos. Na Capela do Relicário (Galiza: Capela do Relicário é um crucifixo de ouro, datadas de 874, contendo um pedaço da alegada Verdadeira Cruz).
    • A cripta, abaixo do altar principal, mostra a infra-estrutura da igreja do século IX. Este foi o destino final dos peregrinos. As casas cripta, as relíquias de Saint James e dois dos seus discípulos: Saint Theodorus e Santo Atanásio. O relicário de prata (por José Losada, 1886) foi colocado na cripta no final do século XIX, após a autenticação das relíquias pelo Papa Leão XIII, em 1884. No decorrer do tempo, o lugar do enterro do santo tinha sido quase esquecido. Devido a regular as incursões holandesas inglesas, as relíquias foram transferidas em 1589 do seu lugar sob o altar principal para um lugar mais seguro. Foram redescobertas em Janeiro de 1879. Cripta
    • Botafumeiro A cúpula sobre o cruzamento contém o mecanismo de roldana para balançar o "Botafumeiro", que é um famoso turíbulo encontrado nesta igreja. Esse turíbulo foi criado pelo ourives José Losada em 1851. A Santiago de Compostela Botafumeiro é o maior incensário no mundo, pesando 80 kg e medindo 1,60 m de altura.
    • Normalmente, está em exposição na biblioteca da catedral, mas durante alguns dias religiosos importantes está ligado ao mecanismo de polia, preenchidas com 40 kg de carvão e incenso. Nos anos de Jubileu, sempre que o dia de St. James calhava a um domingo, o Botafumeiro também é ligado em todas as missas dos peregrinos. Oito tiraboleiros vestidos de vermelho puxam as cordas e fazem-no balançar quase até o tecto do transepto, alcançando velocidades de 60 km / h, e dispensam nuvens densas de incenso. Uma explicação deste costume, que se originou há mais de 700 anos - embora o incenso tem sido utilizado no ritual católico desde os primeiros tempos - é que ele é usado para disfarçar o mau cheiro que emana das centenas de peregrinos sujos.
    • Topo da Fachada Norte Pátio Interior
    • Cúpula da Catedral Altar principal