• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Relatório de Infraestrutura do Estado da Bahia - Setembro/2011
 

Relatório de Infraestrutura do Estado da Bahia - Setembro/2011

on

  • 753 views

O Relatório de Infraestrutura do Estado da Bahia é uma publicação mensal do Sistema FIEB, que destaca o monitoramento de indicadores de energia elétrica, petróleo e gás, e das principais obras ...

O Relatório de Infraestrutura do Estado da Bahia é uma publicação mensal do Sistema FIEB, que destaca o monitoramento de indicadores de energia elétrica, petróleo e gás, e das principais obras de infraestrutura na Bahia, particularmente o monitoramento quadrimestral das obras do PAC no Estado.

Statistics

Views

Total Views
753
Views on SlideShare
753
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Relatório de Infraestrutura do Estado da Bahia - Setembro/2011 Relatório de Infraestrutura do Estado da Bahia - Setembro/2011 Document Transcript

    • F d rço a I ú ta d E t o a a i e eaã d sn s i o s d d B h d rs a aDroa xcta S IS prt dnid D sno ietI ut l itiE euv / D - uen nêc e eevl n n si er i ie a vm o d ra
    • Relatório  de  Infraestrutura  é  uma  publicação  mensal  da  Federação  das  Indústrias  do  Estado  da  Bahia  (FIEB),  produzida  pela  Superintendência  de  Desenvolvimento  Industrial  (SDI).    Presidente:     José  de  F.  Mascarenhas    Diretor  Executivo:   Roberto  de  Miranda  Musser    Superintendente:   João  Marcelo  Alves                             (Economista,  Mestre  em  Administração  pela  UFBA/ISEG-­‐UTL,                                   Especialista  em  Finanças  Corporativas  pela  New  York  University)    Equipe  Técnica:     Marcus  Emerson  Verhine   (Mestre  em  Economia  e  Finanças  pela  Universidade  da  Califórnia)   Carlos  Danilo  Peres  Almeida     (Mestre  em  Economia  pela  UFBA)   Ricardo  Menezes  Kawabe     (Mestre  em  Administração  Pública  pela  UFBA)   Everaldo  Guedes   (Bacharel  em  Ciências  Estatísticas  –  ESEB)    Layout  e  Diagramação:   SCI  -­‐  Superintendência  de  Comunicação  Institucional  Data  de  Fechamento:   30  de  setembro  de  2011           Críticas  e  sugestões  serão  bem  recebidas.   Endereço  Internet:  http://www.fieb.org.br   E-­‐mail:  sdi@fieb.org.br   Reprodução  permitida,  desde  que  citada  a  fonte.   FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011    
    • SUMÁRIO           Pág.       1.  Energia  Elétrica   4     2.  Petróleo  e  Gás   7     3.  Acompanhamento  das  Concessões  Rodoviárias  na  Bahia   11   FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011    
    • 1.  ENERGIA  ELÉTRICA  1.1  Nível  dos  Reservatórios  do  Nordeste:  Sobradinho   Volume  ÚPl  de  Sobradinho  (2010-­‐2011)   (em  %  do  volume  máximo)     90,0   80,0   70,0   60,0   50,0   40,0   30,0   20,0   Jan   Fev   Mar   Abr   Mai   Jun   Jul   Ago   Set   Out   Nov   Dez   2010   2011   Fonte:  ONS;  elaboração  FIEB/SDI.  O  reservatório  de  Sobradinho  alcançou  o  volume  de  63,9%  de  sua  capacidade  máxima  em  agosto  de  2011,  valor  14,8%  menor  do  que  o  registrado  em  julho.  Este  valor  é  superior  ao  registrado  em  igual  mês  do  ano  anterior,  quando  o  volume  alcançou  53,9%.  O  nível  observado  em  agosto  está  em  valor  confortável  para  o  período  seco  na  região  Nordeste.    1.2  Energia  Armazenada  e  Curva  de  Aversão  ao  Risco  (2011)  –  Nordeste   Energia  Armazenada  e  Curva  de  Aversão  ao  Risco  -­‐  Região  Nordeste  (2010  -­‐  2011)   (em  %  do  volume  máximo)   100,0   80,0   60,0   40,0   20,0   0,0   Jan   Fev   Mar   Abr   Mai   Jun   Jul   Ago   Set   Out   Nov   2010   2011   Risco  2011   Dez   Fonte:  ONS;  elaboração  FIEB/SDI.    Na   comparação   da   curva   de   energia   armazenada,   que   engloba   todos   os   reservatórios   da   região  Nordeste,   vê-­‐se   que   o   nível   acumulado   em   agosto   de   2011   alcançou   70,5%   do   volume   máximo,   26%  acima  do  registrado  em  igual  mês  do  ano  anterior.  O  atual  nível  de  energia  armazenada  situa-­‐se  39,5%  acima   da   curva   de   risco   calculada   pelo   ONS,   o   que   indica   um   nível   relativamente   confortável   dos  reservatórios.   4   FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011    
    • 1.3  Consumo  de  Energia  Elétrica  –  Brasil  (2010  –  2011)   Consumo  de  Energia  Elétrica  -­‐  Brasil  (2010-­‐2011)   (em  GWh)     37.000   36.000   35.000   34.000   33.000   32.000   Jan   Fev   Mar   Abr   Mai   Jun   Jul   Ago   Set   Out   Nov   Dez   2010   2011   Fonte:  ANP;  elaboração  FIEB/SDI.  O  consumo  nacional  de  energia  elétrica  em  julho  de  2011  apresentou  alta  de  3,7%  em  relação  ao  registrado  em  igual  mês  do  ano  anterior.  No  acumulado  do  ano,  totaliza  crescimento  de  3,5%  em  relação  ao  mesmo  período  de  2010.    1.4  Consumo  Industrial  de  Energia  Elétrica  –  Brasil  (2010  –  2011)   Consumo  Industrial  de  Energia  Elétrica  -­‐  Brasil  (2010  -­‐  2011)   (em  GWh)     16.000   15.000   14.000   13.000   Jan   Fev   Mar   Abr   Mai   Jun   Jul   Ago   Set   Out   Nov   Dez   2010   2011   Fonte:  EPE;  elaboração  FIEB/SDI.  Quanto   ao   consumo   da   indústria   nacional,   julho   praticamente   estável   em   relação   ao   verificado   em  igual  mês  do  ano  anterior.  No  acumulado  do  ano,  o  consumo  industrial  está  acima  do  registrado  no  ano   anterior   em   2,3%.   De   acordo   com   a   EPE,   pela   primeira   vez   no   ano   o   consumo   de   energia   nas  indústrias   das   regiões   Sul   e   Sudeste   caiu,   com   variação   -­‐1,7%   e   -­‐0,4%,   respectivamente.   Tal  movimento  se  deu  em  conformidade  com  a  evolução  da  produção  física  nessas  regiões  e  indica  um  movimento  de  desaceleração  industrial.       5   FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011    
    • 1.5  Consumo  de  Energia  Elétrica  –  Nordeste  (2010  –  2011)   Consumo  de  Energia  Elétrica  -­‐  Nordeste  (2010-­‐2011)   (em  GWh)     6.500   6.000   5.500   5.000   Jan   Fev   Ma Abr   r   Mai   Jun   Jul   Ago   Set   Out   Nov   2010   2011   Dez   Fonte:  EPE;  elaboração  FIEB/SDI.  O  consumo  de  energia  elétrica  na  região  Nordeste  em  julho  apresentou  alta  de  1,3%  em  relação  ao  verificado  em  igual  mês  do  ano  anterior.  Nos  primeiros  sete  meses  do  ano,  o  consumo  total  na  região  está  praticamente  igual  ao  verificado  no  mesmo  período  do  ano  anterior.  A  Bahia  se  destacou  no  mês  com  crescimento  acima  da  média  do  consumo  residencial,  com  taxa  de  6,5%.    1.6  Consumo  Industrial  de  Energia  Elétrica  –  Nordeste  (2010  –  2011)   Consumo  Industrial  de  Energia  Elétrica  -­‐  Nordeste  (2010-­‐2011)   (em  GWh)     2.600   2.400   2.200   2.000   Jan   Fev   Mar   Abr   Mai   Jun   Jul   Ago   Set   Out   Nov   Dez   2010   2011   Fonte:  EPE;  elaboração  FIEB/SDI.    O  consumo  industrial  de  energia  elétrica  na  região  Nordeste  apresentou  recuo  de  2,2%  em  julho  de  2011   na   comparação   com   igual   mês   do   ano   anterior.   Em   relação   ao   acumulado   do   ano,   a   queda  registrada   alcança   3,7%   na   comparação   intertemporal.   De   acordo   com   a   EPE,   o   fechamento   da  Novelis   (alumínio)   e   a   interrupção   do   fornecimento   de   energia   para   o   Pólo   Petroquímico   de   Camaçari  fevereiro   na   Bahia   (que   representa   cerca   de   33%   do   consumo   industrial   regional),   a   parada  temporária  de  20  dias  da  planta  alagoana  da  Braskem  (petroquímica)  e  a  redução  da  produção,  para  ajuste  de  estoque,  da  Coteminas  (têxtil)  na  Paraíba,  explicam  o  resultado  do  acumulado  do  ano.   6   FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011    
    • 2.  PETRÓLEO  E  GÁS  2.1  Preço  médio  dos  petróleos  –  Cesta  OPEP  (1999-­‐2011)   Preço  Médio  do  Petróleo  -­‐  Cesta  OPEP  (1999  -­‐  2011)   120   100   107,4   94,5   80   69,1   77,5   60   61,1   US$/barril   50,6   61,1   40   17,5  27,6   23,1  24,4   28,1   36,1   20   0   1999   2000   2001   2002   2003   2004   2005   2006   2007   2008   2009   2010   2011   Fonte:  OPEP;  elaboração  FIEB/SDI.    Os  preços  dos  petróleos  da  cesta  OPEP  apresentaram  forte  aceleração  entre  2004  e  2008,  resultado  da   forte   elevação   na   demanda   dos   países   em   desenvolvimento,   notadamente   China   e   Índia.   Esse  movimento   foi   interrompido   após   meados   de   2008,   quando   a   crise   econômica   global   provocou   um  forte   recuo   dos   preços.   A   partir   de   2009,   no   entanto,   iniciou-­‐se   um   processo   de   recuperação.   Com  dados   atualizados   até   23/09/2011,   a   média   dos   preços   no   ano   alcançou   US$   107,4/barril,   o   maior  valor  da  série.  2.2  Preço  médio  mensal  do  petróleo  –  Cesta  OPEP     Preço  Médio  Mensal  do  Petróleo  -­‐  Cesta  OPEP   130   118,1   111,6   109,2   109,8   109,9  109,0   106,3   110   100,3   92,8   88,6   90   US$/barril   82,3   79,9  82,8   76,4  74,0   73,0  77,2   74,5   76,0   73,0  72,5   74,6   71,4   72,7   74,2   68,4   67,2   70   64,6   57,0   50,2   50   45,8   41,5  41,4   30   jan/09   fev/09   mar/09   abr/09   mai/09   ago/09   set/09   dez/09   jun/09   jul/09   out/09   nov/09   jan/11   fev/11   mar/11   abr/11   mai/11   ago/11   set/11   jun/11   jul/11   fev/10   ago/10   jan/10   set/10   jul/10   dez/10   mar/10   out/10   abr/10   jun/10   mai/10   nov/10   Fonte:  OPEP;  elaboração  FIEB/SDI.  Média  de  2011  calculada  com  dados  até  o  dia  23/09/2011   7   FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011    
    • 2.3  Preço  médio  do  Petróleo  WTI  (2005-­‐2011)     Preço  Spot  do  Petróleo  WTI  (2005  -­‐  2011)   160   140   120   100   US$/barril   80   60   40   20   0   set-­‐05   mar-­‐06   mar-­‐07   mar-­‐11   nov-­‐05   jan-­‐06   mai-­‐06   set-­‐06   jul-­‐06   nov-­‐06   jan-­‐07   mai-­‐07   set-­‐07   mar-­‐08   mar-­‐09   jul-­‐07   nov-­‐07   jan-­‐08   mai-­‐08   set-­‐08   jul-­‐08   nov-­‐08   jan-­‐09   mai-­‐09   set-­‐09   jul-­‐09   nov-­‐09   jan-­‐11   mai-­‐11   set-­‐11   mai-­‐10   jul-­‐11   nov-­‐10   jan-­‐10   set-­‐10   jul-­‐10   mar-­‐10   Fonte:  EIA  (Energy  Information  Administration);  elaboração  FIEB/SDI.  Analogamente,   o   preço   do   petróleo   WTI   (West   Texas   Intermediate)   no   mercado   spot   apresentou  trajetória   de   contínuo   crescimento   no   período   2003-­‐2008,   decorrente   da   forte   demanda   dos   países  em   desenvolvimento.   Tal   como   no   caso   dos   petróleos   da   cesta   OPEP,   os   preços   do   WTI   também  despencaram  de  US$  147,27  em  julho  de  2008  para  cerca  de  US$  33/barril  em  dezembro  do  mesmo  ano.  Nos  últimos  meses  apresentam  uma  trajetória  de  crescimento  progressivo,  alcançando  cotação  máxima  de  2011  com  US$  113,4/barril,  em  29/04/2011.  Por  conta  do  recente  agravamento  da  crise,  a  cotação  do  petróleo  WTI  recuou,  alcançando  US$  86,92/barril  em  20/09/2011.  2.4  Produção  Nacional  de  Petróleo  (2010-­‐2011)   Produção  Nacional  de  Petróleo  (2010-­‐2011)   (em  mil  barris  de  petróleo)     71.000   66.000   61.000   56.000   51.000   Jan   Fev   Mar   Abr   Mai   Jun   Jul   Ago   Set   Out   Nov   Dez   2010   2011   Fonte:  ANP;  elaboração  FIEB/SDI.  A   produção   nacional   de   petróleo   alcançou   em   julho   de   2011   o   volume   de   64,4   milhões   de   barris,  equivalentes  a  2,08  milhões  de  barris/dia,  valor  1,0%  superior  ao  de  igual  mês  de  2010.  A  produção  de   petróleo   da   Bahia   representou   apenas   2,1%   da   produção   nacional   no   mês,   contribuindo   com  aproximadamente  43,4  mil  barris/dia.     8   FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011    
    • 2.5  Produção  Nacional  de  Gás  Natural  (2010-­‐2011)   Produção  Nacional  de  Gás  Natural  (2010-­‐2011)   (em  milhões  m3)     2.200   2.000   1.800   1.600   1.400   Jan   Fev   Ma Abr   r   Mai   Jun   Jul   Ago   Set   Out   Nov   Dez   2010   2011   Fonte:  ANP;  elaboração  FIEB/SDI.   3  Em  julho  de  2011,  a  produção  nacional  de  gás  natural  alcançou  2,07  milhões  de  m (média  de  66,9   3milhões  m /dia),  registrando  alta  de  7,2%  na  comparação  com  igual  mês  de  2010.  No  acumulado  do  ano  registra  alta  de  6,3%  na  comparação  com  igual  período  de  2010.  A  produção  de  gás  natural  no  Brasil   seguiu   uma   trajetória   de   forte   crescimento,   incentivada   pelo   Plano   de   Antecipação   da  Produção   de   Gás   (Plangás)   da   Petrobras,   cujo   objetivo   foi   reduzir   a   dependência   de   importações,  sobretudo  do  gás  da  Bolívia.  2.6  Produção  Baiana  de  Gás  Natural  (2010-­‐2011)   Produção  Baiana  de  Gás  Natural  (2010-­‐2011)   (em  milhões  m3)     330   300   270   240   210   180   150   Jan   Fev   Ma Abr   r   Mai   Jun   Jul   Ago   Set   Out   Nov   Dez   2010   2011   Fonte:  ANP;  elaboração  FIEB/SDI.   3  O   volume   produzido   na   Bahia   em   julho   de   2011   alcançou   213   milhões   de   m   (ou   7,5   milhões   de   3m /dia),   com   queda   de   cerca   de   20%   em   comparação   com   igual   mês   de   2010.   Embora   apresente  queda  nos  primeiros  sete  meses  deste  ano  (-­‐21,9%),  a  produção  de  gás  natural  na  Bahia  aumentou  muito   com   a   entrada   em   operação   do   campo   de   Manati   no   início   de   2007,   que   adicionou   de   4   a   6   3milhões  m /dia,  em  dezembro  de  2009  alcançou  o  maior  valor  da  série  da  ANP  em  dezembro  de  2009,   9   FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011    
    • 3com   adição   de   6,3   milhões   m /dia.   A   produção   baiana   respondeu   por   11,2%   da   produção   nacional   de  gás  natural  em  julho  de  2011.  2.7  Importação  Nacional  de  Petróleo  (2010  –  2011)   Importação  Nacional  de  Petróleo  (2010-­‐2011)   (em  mil  barris  de  petróleo)      16.000      14.000      12.000      10.000      8.000      6.000      4.000     Jan   Fev   Ma Abr   r   Mai   Jun   Jul   Ago   Set   Out   No v   Dez   2010   2011   Fonte: ANP; elaboração FIEB/SDI.  Em  julho  deste  ano,  a  importação  de  petróleo  apresentou  forte  queda  de  56,5%  em  comparação  com  igual   mês   de   2010.   Nos   primeiros   sete   meses   a   queda   chega   a   8,4%   em   relação   a   igual   período   de  2010.  A  tendência,  no  longo  prazo,  é  de  queda  nas  importações  por  conta  do  aumento  da  produção  dos  novos  campos,  como  os  das  bacias  de  Campos  e  Santos  e  nos  campos  do  pré-­‐sal.  Em  2010,  por  exemplo,   o   Brasil   importou   123,6   milhões   de   barris   de   petróleo,   contra   142   milhões   de   barris   em  2009.    2.8  Exportação  Nacional  de  Petróleo  (2010  –  2011)   Exportação  Nacional  de  Petróleo  (2010-­‐2011)   (em  mil  barris  de  petróleo)     40.000   30.000   20.000   10.000   0   Jan   Fev   Ma Abr   r   Mai   Jun   Jul   Ago   Set   Out   2010   2011   No v   Dez   Fonte: ANP; elaboração FIEB/SDI. FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011   10    
    • Em   julho   de   2011,   o   Brasil   exportou   19,9   milhões   de   barris,   registrando   forte   alta   de   88,6%   em  relação  ao  registrado  em  igual  mês  do  ano  anterior.  No  médio  prazo,  a  tendência  é  de  aumento  das   exportações,   por   conta   do   incremento   na   produção   nacional   de   óleo   pesado.   Em   2010,   o  Brasil   exportou   230,5   milhões   de   barris,   contra   191,9   milhões   de   barris   em   2009.   O   petróleo  exportado   foi   do   tipo   pesado   (extraído   de   campos   marítimos),   sendo   no   momento   pouco  aproveitado  nas  refinarias  nacionais,  que  foram  projetadas  para  processar  óleo  leve  (de  grau  API  maior  que  31,1).  Em  2014,  esse  percentual  exportado  deverá  diminuir  com  o  processamento  de  óleo   pesado   da   Bacia   de   Campos   pela   refinaria   da   Petrobras   integrada   ao   COMPERJ,   que   terá  capacidade  para  processar  165  m il  barris/dia.  3.  ACOMPANHAMENTO  DAS  CONCESSÕES  RODOVIÁRIAS  NA  BAHIA                     1. BR  116/BR  324  -­‐  680  km  –  investimento   previsto   da   ordem   de   R$   2,2   bilhões,   num   prazo   de  concessão  de  25  anos.  A  cobrança  do  pedágio  nas  5  praças  de  pedágio  da  BR-­‐116  foi   iniciada  em  07/12/2010  e  em  28/12/2010  na  praça  de  pedágio  de  Amélia  Rodrigues  (BR   324).   A   última   praça   de   pedágio,   Simões   Filho   (BR   324),   teve   as   operações   autorizadas   pela   Resolução   Nº   3.697/11,   da   ANTT,   de   20   de   julho   de   2011.   De   acordo   com   o   consórcio   ViaBahia,   os   investimentos   realizados   até   m aio   de   2011   somam   o   m ontante   de   aproximadamente   R$   250   milhões,   cumprindo   assim   a   etapa   contratual   dos   Trabalhos   Iniciais,   cujas   obras   focaram   a   restauração   do   pavimento,   proteção   e   segurança,   obras-­‐ de-­‐arte   especiais,   drenagem/obras-­‐de-­‐arte   correntes,   terraplenos   e   estruturas   de   contenção,  canteiro  central  e  faixa  de  domínio,  sistemas  elétricos  e  de  iluminação.   O   Ministério   Público   Federal   na   Bahia   (MPF/BA)   ingressou   com   uma   ação   civil   pública   contra   a   Concessionária   Viabahia   e   a   Agência   Nacional   de   Transportes   Terrestres   (ANTT),   pois,   em   sua   avaliação,   embora   a   ANTT   tenha   aprovado   os   trabalhos   iniciais   e   autorizado   a  cobrança  do  pedágio,  irregularidades  evidenciadas  em  perícia  técnica  demonstraram  o   não   cumprimento   do   contrato   pela   concessionária.   Irregularidades   tais   como:   imperfeições  no  pavimento,  buracos  no  acostamento  e  na  rodovia,  canais  de  drenagem   obstruídos   com   lixo,   passarelas   sem   coberturas   e   meio   fio   deteriorado.   Segundo   o   MPF/BA   esses   problemas   deveriam   ter   sido   sanados   com   a   realização   de   trabalhos   iniciais,   antes   da   cobrança   do   pedágio.   A   ação   foi   ajuizada   na   Justiça   Federal   em   Feira   de   Santana  no  dia  7  de  julho.   Finalizada   a   fase   de   Trabalhos   Iniciais,   inicia-­‐se   a   etapa   de   Recuperação,   cujas   obras   e   serviços  têm  por  objetivo  o  restabelecimento  das  características  originais  existentes  nos   diversos   elementos   do   sistema  rodoviário.  Os  trabalhos  desta  fase  deverão  estender-­‐se   até   o   5º   ano   do   prazo   da   concessão   (2014).   Embora   a   ANTT   e   o   Consórcio   ViaBahia   considerem   que   a   capacidade   de   tráfego   do   trecho   Salvador-­‐Feira   da   BR   324   esteja   adequada   ao   fluxo   de   veículos,   verificam-­‐se   grandes   congestionamentos   em   feriados   prolongados.  No  feriado  de  São  João,  por  exemplo,  o  tempo  médio  gasto  de  viagem  na   ida   e   na   volta   superou   4   horas,   quando   normalmente   é   feito   em   1   hora   e   meia.   Pelo   contrato  de  concessão,  o  trecho  entre  Salvador  e  Feira  da  BR  324  (108  km)  só  terá  faixas   adicionais   quando   alcançar   uma   m édia   diária   de   70   m il   veículos,   sendo   que   atualmente   a   FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011   11    
    • média   seria   de   cerca   40   mil   veículos/dia.   No   entanto,   a   ANTT   ressalta   que   é   possível   haver   alteração   no   contrato   com   inclusão   de   novas   obras/ampliações,   desde   que   se   restabeleça  o  equilíbrio  econômico-­‐financeiro  do  contrato,  o  que  implicaria  aumento  do   pedágio  cobrado.   2. (CIA-Aeroporto). A Concessionária Bahia Norte (consórcio Invepar-Odebrecht) declarou investimentos da ordem de adsdas realizados até setembro de 2011, entre a etapa contratual dos Trabalhos Iniciais, já concluída, e o início da etapa de Recuperação, cujos trabalhos deverão se estender até o 5º ano do prazo da concessão (2015). Obras  Obrigatórias  previstas  em  Contrato:      Obras   previstas   no   PER   (Programa   de   Exploração   Rodoviária)   -­‐   Contrato   de   Concessão   Edital   nº  001/2008.    Passarelas  BR-­‐324  e  BR-­‐116:  41  passarelas  Melhorias  BR  324  e  BR  116:   - Implantação  de  Vias  Laterais:  10,0  km.   - Implantação  Acesso:  34  unidades.   - Interseção  Tipo  Trevo:  32  unidades.   - Duplicação:  83,7  km  (BR-­‐116  –  Feira  de  Santana  –  Rio  Paraguaçu).   - Interseção  com  Linha  Ferroviária  no  Município  de  Itatim.   - Recuperação  da  Ponte  Cândido  Sales.   - Iluminação:  10  km  na  BR-­‐324  e  65  km  na  BR-­‐116.     FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011   12    
    • Duplicações  Condicionadas:  BR-­‐324   - VDM  =  70.000:  implantação  de  3ª.  Faixa  no  segmento  correspondente.   - VDM  =  105.000:  implantação  de  4ª.  Faixa  no  segmento  correspondente.  BR-­‐116   - VDM  =  6.500:  duplicação  do  segmento  correspondente.    7  praças  de  pedágio  2  BR-­‐324  -­‐  (tarifa  básica  =  R$  1,60)  5  BR-­‐116  -­‐  (tarifa  básica  =  R$  2,80)       13   FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011    
    • 2. Sistema  BA  093  -­‐  125  km  –  investimento  previsto  da  ordem  de  R$  1,7  bilhão,  num  prazo   de  concessão  de  25  anos.  Será  realizada  a  cobrança  em  5  praças  de  pedágio,  sendo  duas   na  BA-­‐093,  em  Mata  de  São  João  e  Simões  Filho,  uma  na  BA-­‐524  (Canal  de  Tráfego),  em   Candeias,  outra  na  BA-­‐535  (Parafuso),  em  Camaçari,  e  a  última  em  Salvador,  na  BA-­‐526,   (CIA-­‐Aeroporto).   A   Concessionária   Bahia   Norte   (consórcio   Invepar-­‐Odebrecht)   declarou   investimentos   da   ordem   de   R$   191   milhões   realizados   até   setembro   de   2011,   entre   a   etapa  contratual  dos  Trabalhos  Iniciais,  já  concluída,  e  o  início  da  etapa  de  Recuperação,   cujos  trabalhos  deverão  se  estender  até  o  5º  ano  do  prazo  da  concessão  (2015).                                 14   FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011    
    •           3. Sistema  Estrada  do  Coco  /  Linha  Verde  BA-­‐099  -­‐  217  Km  de  concessão  segmentados  da   seguinte  forma  (fonte:  Agerba).   - da  rodovia  BA-­‐099,  desde  a  ponte  sobre  o  Rio  Joanes  até  o  acesso  à  Praia  do  Forte,  com   extensão  de  46,30  km  (a  ser  duplicado);   - da  rodovia  BA-­‐099,  desde  o  acesso  à  Praia  do  Forte  até  a  Divisa  BA/SE,  com  extensão  de   136,20  km  (somente  conservação);   - acessos  à  Praia  de  Arembepe  (1,39  km),  à  Praia  do  Forte  (2,72  km),  a  Porto  Sauípe  (4,56   km),   a   Subaúma   (8,00   km),   a   Palame   (8,00   km),   e   a   Sítio   do   Conde   (10,0   km),   com   extensão  total  de  34,67  km  (somente  conservação).   1. Contrato   de   Concessão   assinado   em   21/02/2000   entre   o   Derba   e   a   CLN   –   Concessionária  Litoral  Norte,  válido  pelo  prazo  de  25  anos.   2. Termo  de  Transferência  do  Contrato  de  Concessão  com  cláusula  de  subrogação  Nº   01/04  –  Derba  assinado  em  13/01/2004,  transferindo  o  contrato  em  sua  totalidade   para  a  AGERBA.   3. Termo   Aditivo   de   Re-­‐Ratificação   ao   Contrato   de   Concessão,   assinado   em   27/04/2005  entre  AGERBA  e  CLN,  com  reajuste  no  contrato  original:   - Novo  prazo  de  concessão:  35  anos  (até  março  de  2035).   4. Status  das  obras  previstas:   - Concluído  trecho  da  ponte  sobre  o  Rio  Joanes  até  a  entrada  de  Guarajuba.   - 4ª   etapa:   Trecho   de   Guarajuba   até   a   ponte   sobre   o   rio   Pojuca.   Obras   de   duplicação   em   andamento   correspondente   a   execução   de   2,14   Km   do   trecho   inacabado.   - 5ª   e   6ª   etapa:   Construção   da   ponte   sobre   o   rio   Pojuca   e   do   trecho   da   citada   ponte  até  a  entrada  da  Praia  do  Forte.   - Pendente  definição  do  cronograma  de  obras.   FIEB  –  SUPERINTENDÊNCIA  DE  DESENVOLVIMENTO  INDUSTRIAL  |  SETEMBRO  2011   15