Your SlideShare is downloading. ×
0
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Petrobras - Perspectivas do Mercado Brasileiro

972

Published on

Apresentação realizada pelo presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, durante a XIV Reunião do Comitê de Cooperação Econômica Brasil Japão, que aconteceu nos dias 9 e 10 de agosto, na sede da …

Apresentação realizada pelo presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, durante a XIV Reunião do Comitê de Cooperação Econômica Brasil Japão, que aconteceu nos dias 9 e 10 de agosto, na sede da Federação das Indústrias do Estado da Bahia.

Published in: Business, Economy & Finance
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
972
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
49
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. XIV REUNIÃO CONJUNTA DO COMITÊ DE COOPERAÇÃOECONÔMICA BRASIL-JAPÃOPresidente José Sergio Gabrielli de Azevedo 1
  • 2. s s a i u f f " " a “ s E a g d e d e d P i o o C C n ã d i p o x n e e e n o b o o a f t u a t l r a r n o r e r d b p v o i s a a t e t e r m m e n v e e r i o n r s e a g t l e n e v a t e p p c a a o n c . s t o u e t AVISO c n m v a t r a e a t i t a o i v a c e i i t a n , , á e i r n s p s n n f p a o a t i " r o d ç t r i m , h h a m n ç a c s , o s i i O e õ a a s s o e a v n " i t u ã d " , b s e r s t i ã n s o i r s i a d o e e ç f d a v a u f o a v p a t e l n a o õ c i s , l m o a t r r t i s u s e d z s a o e d d d o C s e r " q u c " a s o m r a e ç u e r s o e o o u r p o u f p s e l a i v a õ u e . s o l c r ç m s m a e s e m i r t t a u e l i d c õ c n p s a a e o t a n m d v n e s s o e i i d s o e a r a d T d c p f e j a f i n e s o n n u s a t p e d , o s o a t o m e i e s t õ r i h r . s r i " , r o s o i u d a , e , t i t s e s e b a n " m d a d a r r i s e m q e a u u f s p . s p s o z a a e r d t a m d e u f s d s t u d n e a e r a e e s e n " t a t e c c s o n v s t u i s r h a e p r n t o o d q A u " p r r ç s o t o e n n e r r u o a t s e r u õ p a o õ t e r j e m s s o o C e a s m e , i s s e e x s e v e s o a r e p o d i s r a e c m a t i s o u l u i e , a s s n , d r m t p e a r s t d , a " e 2 d e t s e i r , s d o p a a e a e i f r v p l " e 0 s o i x o r m a v . s o d l v 1 e i d n i s p p e l a t o o u é 1 C e h e v e C e i " i a s b r m o õ n a r r c m e n o a r s O s o e a t t , e s e s e m ã n m " õ u e b a d m ç n m j ã a o t t s e p a p n t i õ o m l p a e m s d r o e ã e t a p a v v i s e a t e c i r s e i e n , s à o s e n n a e p e v a n v h l d m t n n s n u a r a t i h t , , a e , ê . ã l i d t a a a a c s s s s o s o o o " " e m e e e z o r a a a t v d e p ó C A i l l s e r r r c s e o á g u e q q S u o u o t v í o m c E n s e i i e b n s i s o p a C ô a a v v e s b e m n e m t i d d e o d r h e a c c a t . s s o o i a e r s m , s o g e d m n á s t f n e s o e ô e o t r r n q e u m o s e i u h i a m a p n a c s p n e e e s e a e c r a r ç a l c u r t a a v ã s o r e a s c m o i l i m a t o e m p o e n e c a a g r r p i o r o i l s q m u p e n s e a v e r n c m l o u a t e v e m e d i a a v s n n n g s o ç a t i t s o s e d õ a s v p e n s s e ç c s e o u o t ã s o , n r o a s . s e o s p m d a r q u p a a t o U c r r t d u i s e o e i e n S l l l a a q u n i E h s i ç a Aviso aos Investidores Norte-Americanos: z a d t t C i ã c s e e ó ó ç o j o a r r n i i m õ m d o u a s s s o s e s o o o m e o2
  • 3. IMPORTÂNCIA DE RECURSOS NATURAIS PARA O JAPÃO O Japão importa praticamente 100% de suas demandas de recursos naturais, não tendo produção própria de petróleo, GNL, carvão e minério de ferro, por exemplo. O Japão está relativamente bem posicionado mundialmente na produção de recursos naturais, j i j i seja através de ou t t o n v e n u r e s t t o n v e n u r e s de financiamento para projetos de desenvolvimento e produção. 3
  • 4. BRASIL NA LIDERANÇA DAS DESCOBERTAS RECENTES Novas Descobertas 2005-2010 (33.989 milhões bbl) Descobertas em Águas Profundas Brasil 38% 49% 62% 51% Outros Outras Descobertas Águas Profundas ( ) N ú l i 5 i d 5 0 % d d b d f á f d t t • s o m s o a n s o m a s e a s n o a v s s e c o e r a s n o m u n o o a r m e m g u a s p r o u n a s ; D l i d d d á i d d d i i l d d i d f d t • s e e n v o v m e n o e s s a s r s e e r a v s e m a n a r c a p a c a e a c o n a a c a e a e o r n e c e o r s e ; E ã d d i d ó l á B i l l i h i t • x p a n s o a c a e a e e o e g s n o a r s e m n a c o m s e s a p e s r p e c a v . Expectativa de dobrar as reservas provadas até 2020, mantendo o custo da descoberta em US$ 2/boeF P F C E to n e : n e r g y 4
  • 5. LONGA HISTÓRIA DE LIDERANÇA TECNOLÓGICA E OPERACIONAL EM ÁGUAS PROFUNDAS 1977 Enchova 410ft 1988 125m Marimbá 1,610ft 491m 1994 Marlim 3,370ft 1997 2009 1,027m Marlim Sul 2003 Lula 5,600ft Roncador 7,125ft 1,707m 6,180ft 2,172m 1,884m Produção em águas profundas Instalações de produção offshore Operações globais em 2009¹ Petrobras 45 Shell 15 StatoilHydro 15 ExxonMobil 13 BP 12 Chevron 12 Anadarko 10 Total 9 CNOOC 8 ConocoPhillips 8 ENI/Agip 5 Others 100 0 20 40 60 80 100 FPSO Semi Spar TLP Other Petrobras opera 20% da produção global em águas profundasF t P F C Eo n e : n e r g y ( ) d % d d ã l b l á f d f d i d d í i d é ( d d N t 1 O 1 5 t 9 8 2 0 0 9 P 1 0 0 0 3 0 0 o a : s o p e a r o e r s e r p r e s e n a a r m a p o r u ç o g o a e m u g a s p o r u n a s e m o r u n a e m n m a e p s a o e r o r e . 5 ) t m e o r s
  • 6. c e r o n n o a c 01 a P o s a v e m e r l n t s c i j a s a t n c t p p i o r l e o a u i ç o n ç e r m e ã o ã o a s s n j a d a d a n o p n o i o s e p n d e d s n e o f ú ó s - s s 50/60 e n a r t o ç r g s i a v u e i o Construção do Navio de d e r s a r Perfuração Petrobras II – NS- , c I o g a B C G a n a r a r a P d n o M s o s m n ú a s i r l t s l d e t i t d r c i e a ç r n e u i a p i s l o e ç r i a ã o , c o C P e T o ç m p r ã p i p o t r d e o r e r a o m p e r d a a s r q a r a t i u f i t í s e t J i o r j a n a t G m c i p c i perfuração no Japão n n – C a r p i a o i a Semissubmersíveis de a n a J a e (Petrobras IX, X, XI, XII) s n p e ç 70/80 a n o ã o m a s n s d e Construção de 4 Plataformas p c j a o E U A p l a l m o n r e F L a P a P P o r P a b i n u c g o a t r a i c d e n a v r r o n o e n e o e j t t f ê u s e c i c i g r e n c a n r a r i a o s n p i p i c r z i i a t a s r a a i a c m a s m a e L l F e n o n i ç ç ç n m o e g s s ã ã s o o ã o e t a n p n a a b m T n c o t e J d d o a c e e r d Q a U k C e j e e S F d a d o d T e a r R E i o t Financiamento do E e v m p m o y 90 d L e U r A P e r o s SÓLIDO E LONGO HISTÓRICO DE RELAÇÕES BILATERAIS Gasoduto Bolivia-Brasil G M a s s N s d e a e e i E d P e o e C O n i I n n l e t E a P a P o o C K r P e m V p t p n r o C M e g g i o o r T e t o m r o c c r r o i O n r e n n b e e j Japão n e a e p n s t c é r k e b d a a U r c a s r h e a a s a r o y s c r r t ã c o S i i a a i o t i r t a t i e t i o o a r r s d e i a e c F m e n m s o n i n a e o ç d e ç g b n l p i o ã , o m ã o i s G a n a J M s E L m a S m i p a M n P O t e t d e a d r a c e i p s g c t i G o r p a e m u s i n e U o d T u u n j o M e i a i r o e r n a r , i E e v m p l o y o a t I j e i e v r C o t i na distribuição de gás ó r e r s o o c I g B s o n t r i c Parceria com Mitsui e s d g e a Criação da Brazil Japan i a 2000 g s s h n e d a c u d d d e o o m s i Instalação do Escritório do d e com a Japan Alcohol Trading t Mitsui torna-se sócia da PB s Ethanol Trading, empParceria s Drilling Ship Petrobras 10.000 m u Transocean para construção do6
  • 7. p p c o e t o p a a o o C C G G e u F a T r o N p C A A a a i r r p p r r M e r f m L o n a a o o e r m r a o a n e a r i O i p d a n a n a t a e a a U r r n c d o s e a b s U N l a c i a m e t t a r T e r n i i o o o a a m m r r n e i e d a a t n c r e v ç s m e s e n n a n ã o n n e m ç o p o s d o t r o T t a i ã o s n d o e i e t o t k d e t a S c d o d M o t o y j a i d o u o r t p r d a d e n o s u m o N i m G s a l P n i o 2008 J o t - T b d e ó R n a i n s O s g ê O i c l G m o h s a o T i Compra da refinaria de M d e I M k E N o y Okinawa (Nansei Sekiyu Co) C P p c a J a S E g d d n h u P o a e e l l i M M t p e i r c O n B i i L F F x E a P g a P o C d l a i e r t o g M O v z i G E a r u i N t s M G - n a a e t m c c p r r E D m O n r e i n u c u G i T i s o M t e m e a i E t a r C D e U L n c u n n o n a E a r r t e o r C h s r r s s s M i c d o d & a o u i i C i a a a e r m p o t i ã o d o e o y d b d e I o c c i a C Cingapura m n s G e u o o s e t F a b n m g e a b m p d ç a T . p a d o r L C m p g ã L d o e a r , m s e P c e a r g N a e O r e p p n m m e r a o t a M a 2 a A G a a r a t , o a ç F c r a s d a s M S e g e águas profundas T t o p d o P p f r e a r a r r l m e e O c o T n d o a s u i S u p e x l a d e o h j a U d o u i b e o s O c e t h m o s y p p t c , s p o d c D n n m m e s o a u o p i a o S r r ( n a t e p i de etanol baseado em I B E 2009 i d o I r - J n o p i e p R m n M n a n é e - g o J a C e t B e l P o m s c ê i , s O e a s G l o , e Criação de Joint Venture a s . o n e d a i o D - l C g m - o i a / o t r E s do segundo drilling ship para m com Mitsui & Co para trading C e Schain Cury para construção ) u Parceria com a Mitsubishi Co c o e j a J a t e r o S d e P o T F e B G N p l M c B a a I r u I F F T E a P o o o C A e a m V p N n e i i t r n n m e L i C c o s a r o m s c u p N q s n n a a m i i r e t t m l o e r n p n n e o i i g n e S o a i t u t ó c e r c i t n c e b r d e E a i c a n n c n c a r I a s a r a a s r p i s p o g g n i o i a m p i i a a l m a o r o g A a l d o e d o s L s d a d i s e a ç c g e I s j ç a p c l ã e o o ç n r o N ç s 1 m m ã e e i o p a P ã o a e g d ã e o h a 0 g G o e t r N p o i . m c u ç d a n n a a r D k A 0 c o s d t e o o t t ã o o d r d a m o i e d i e n o e B O 0 l N e s J z i l s p k j e e i 0 o i i S a w i e i a I L e t a s n d a j o s s E n a n n a t m I j c t o H t c N u i s n I n s a u r o p a O m t p n G d 2010 o n o E m d o a o SÓLIDO E LONGO HISTÓRICO DE RELAÇÕES BILATERAIS t a a w a D l a 3 e r o F l p o a m a r ç C d o a o d o a s s a parceria com a Petrobras e õ g para construir e operar as i a a r s utilidades de COMPERJ em Mitsui & Co. trabalhando s p c a e J o ₋ ₋ ₋ ₋ ₋ ₋ ₋ f a a g d d o e e o K C O E p S e S E P r e e m o A s o s s l P G e i n e o t m p m m p l t C g c O c n i a o M r m MV18 MV20 MV23 p d e u k s n O h e a l i n a i i a E i a Janeiro n / f e c i n n a e b r C s m a K d e a o p g t a r y ç h c o