Avanços da Insutria sobre a Rio+20
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Avanços da Insutria sobre a Rio+20

on

  • 1,251 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,251
Views on SlideShare
805
Embed Views
446

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

2 Embeds 446

http://www.fieb.org.br 444
http://dwww.fieb.org.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Avanços da Insutria sobre a Rio+20 Avanços da Insutria sobre a Rio+20 Presentation Transcript

  • O COMPROMISSO VOLUNTÁRIOEconomia verde Tecnologias limpas Eficiência energética Serviços ambientais Emprego e renda Baixo carbono Logística reversa Responsabilidade social www.oeco.com.br 1
  • OPORTUNIDADES Assumir liderança na mobilização do setor produtivo assegurando a representatividade no evento Demonstrar os avanços alcançados pela indústria brasileira na área de sustentabilidade econômica/ambiental/social 2
  • Contribuições ao Zero Draft da ConferênciaParticipação na construção do Acordo para o Desenvolvimento Sustentável, no âmbito do CDESDiálogos com o Governo Federal (MMA/MRE/MF/MDIC)Encontro da Indústria para Sustentabilidade - 14/06 (Hotel Sofitel-RJ)Elaboração do Documento da Indústria Nacional para a Rio + 20 e Coordenação de 16 Fascículos em parceria com asAssociações Setoriais 3
  • Documento Nacional (CNI): relação da indústria nacional com asustentabilidade, posicionamentos, tendências e governança internacional;Documentos Sesi, Senai e IEL: ações desenvolvidas pelo Sistema Indústria no caminho daSustentabilidade16 Documentos Setoriais: tendências, oportunidades e desafios setoriais na agenda daSustentabilidade, nos seguintes segmentos: ABAL – Alumínio BRACELPA - Papel e Celulose ABCP - Cimento Portland CBIC - Construção Civil ABIA - Indústria Alimentícia FMASE - Energia ABIMAQ – Máquinas e Equipamento FNABF - Floresta Nativa ABINEE - Eletroeletrônico Fórum Nacional Sucroenergético ABIQUIM - Indústria Química IABr - Siderurgia ABIT - Indústria Têxtil IBRAM – Mineração ANFAVEA - Automobilístico IBP - Petróleo e Gás 4
  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINA E EQUIPAMENTOS – ABIMAQ Reúne 1500 empresas associadas de 27 setores industriais, os quais fazem parte de um universo de 4.500 indústrias de bens de capital mecânico instaladas no país, representando 33% do setor. A ABIMAQ está fomentando diversas ações a caminho da sustentabilidade: • Realização do inventário de Resíduos Sólidos com base na Política Nacional; • Ações ligadas a sustentabilidade como eficiência energética e pegadas hídricas; • A realização do inventário de GEE, descarbonização da indústria de máquinas e Faturamento do 0% Series1, equipamentos. setor : 2,7%Composição do PIB Nacional 5
  • INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO-IBRAM A indústria minerária elaborou o inventário de emissões de GEE do setor mineral, servindo de base para o “Plano Setorial de Mitigação e Adaptação às Mudanças do Clima na Mineração”, em atendimento Lei nº 12.187/2009. O IBRAM também identificou as principais tendências para o setor a caminho para a sustentabilidade: • Implementar práticas comerciais éticas e sistemas íntegros de governança no processo de tomada de decisões, planejamento do uso do território;Faturamento do0% Series1, setor : 4% • Promover o gerenciamento de resíduos sólidos adequadamente; • Contribuir para o desenvolvimento socioambiental das comunidades do entorno e estabelecer acordos efetivos e transparentes com as partes interessadas. Composição do PIB Nacional 6
  • O INSTITUTO BRASILEIRO DE PETRÓLEO E GÁS – IBP O setor gera cerca de 400 mil empregos diretos e mais de 70 empresas concessionárias desenvolvem atividades exploratórias nas bacias sedimentares brasileiras. Práticas relevantes: • Implantação do CTPetro, um fundo de fomento à pesquisa reforçado pelo apoio financeiro advindo dos royalties; • Criação de 10 Centros de Defesa Ambiental - CDA’s em pontos estratégicos de operação; Faturamento do Series1, 0% setor : 12% • Certificação das operadoras nas normas ISO 14001 e OSHAS 18001; • Adoção do modelo de Relatório de Sustentabilidade proposto pelo GRI; • Integração dos biocombustíveis no mercado energético.Composição do PIB Nacional 7
  • SETOR SUCROENERGÉTICO O Brasil é destaque mundial no uso energias renováveis, que representam mais de 45% da matriz energética. Os produtos de cana-de–açúcar, são responsáveis por 17,8% de toda oferta primária de energia no País, ultrapassando a energia fornecida pelas usinas hidroelétricas. A cana-de-açúcar tem sido um dos principais motores do desenvolvimento descentralizado no interior do País, e permitiu uma redução anual de emissões de GEE de 46 milhões de toneladas de CO2 equivalente. A redução adicional de emissões projetada até 2020, responderá por 30% a 40% das metas brasileiras para a área de energia pela Política Nacional sobre a Mudança do Clima.Faturamento dosetor: 1,6% Várias iniciativas de sustentabilidade, auto regulação, certificação voluntárias, divulgação e transparência foram criadas para transmitir à sociedade os avanços realizados. Composição do PIB Nacional 8
  • CADEIA PRODUTIVA DE FLORESTAS NATIVAS Em 2010, o Brasil possuía 520 milhões de hectares de florestas naturais (13% do total mundial), sendo o segundo país com maior área florestada a nível mundial. A indústria do manejo sustentável de florestas naturais no Brasil, produz cerca de 26 milhões de m³ de toras para a serraria e laminação de folhosas, representando 11% do mercado mundial, sendo o segundo produtor mundial.Faturamento do 0% Series1, A Amazônia Legal abriga o maior número de indústrias da cadeia produtiva dosetor : 3,5% manejo sustentável de florestas naturais com 71 pólos de produção que abrigam 2,2 mil indústrias. Em 2009, o faturamento das mesmas foi de R$5 bilhões, gerando mais de 200 mil empregos diretos e indiretos. Composição do PIB Nacional 9
  • O FÓRUM DE MEIO AMBIENTE DO SETOR ELÉTRICO – FMASE, reconhecidocomo principal interlocutor do setor elétrico na proposição de soluçõesconjuntas em prol do desenvolvimento sustentável tem como missão:• Promover segurança energética;• Prover competitividade, sustentabilidade e universalização do acesso àenergia em suporte aos programas públicos brasileiros de inclusão social ecombate a pobreza;• Promoção da nova economia, uma vez que a energia elétrica é insumofundamental para o estímulo para a produção e para a inclusão social ecombate a pobreza;• Reforçar a posição do setor elétrico brasileiro como benchmark mundial;• Gestão socioambiental dos empreendimentos do setor;• A matriz elétrica brasileira é 7,5 vezes mais limpa que a mundial e o desafio émantê-la neste patamar. 10
  • CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO – CBIC O setor da construção vem gerando números recordes de emprego formal e movimenta segmentos que vão desde a extração de matérias primas, até o pós- obra. A CBIC contribui para a formulação de políticas públicas que visam o crescimento sustentável, priorizando algumas áreas estratégicas: • Programa Construção Sustentável • Programa Sanear é viver Faturamento do Series1, 0% setor:15,6% • Programa Moradia Digna • Programa Inovação Tecnológica • Programa de Inovação e Sustentabilidade do Ambiente Construído • Responsabilidade SocialComposição do PIB Nacional 11
  • A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CELULOSE E PAPEL - BRACELPA O Brasil é o quarto produtor mundial de celulose – primeiro em relação à celulose de eucalipto, décimo produtor mundial de papel. Toda a matéria prima utilizada na produção de celulose e papel tem origem em florestas plantadas para fins industriais. As florestas plantadas são fonte de energia de biomassa, substituindo fontes fósseis e criam condições para o uso sustentáveis da terra e seus recursos hídricos.Faturamento do 2,2 milhões de hectares de florestas plantadas para fins industriais Series1, 0%setor : 3% 2,9 milhões de hectares de florestas nativas preservadas 2,7 milhões de hectares de área florestal certificada São 115 mil empregos diretos e 575 mil empregos indiretosComposição do PIB Nacional 12
  • ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS FABRICANTES DE VEÍCULOS AUTOMOTORES – ANFAVEA Em 2010, o mercado automotivo brasileiro se posicionou como o 4º maior mercado e o 6º maior produtor automotivo mundial. No país estão instalados 20 fabricantes de veículos e 7 produtores de máquinas agrícolas. Gera empregos (diretos/indiretos) para 1,5 milhão de pessoas. Princípios de sustentabilidade do setor:Faturamento do • Performance dos motores e veículossetor : 5,2% • Redução de emissões atmosféricas • Energia alternativa • Redução de ruídos • Materiais verdes • Nanotecnologia e eletrônica embarcadaComposição do PIB Nacional 13
  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA QUÍMICA – ABQUIM O setor abrange cerca de 4 mil empresas de grande, médio e pequeno porte. A indústria brasileira é a 7ª do mundo. Emprega cerca de 400 mil trabalhadores próprios. Práticas adotadas: • Consumo de combustíveis está estável há dez anos, traduzindo enorme esforço de economia de energia; • Cresce o uso de matérias-primas derivadas de biomassa, que poderá atingir 10% em 2020 da oferta de produtos petroquímicos; • Consumo de água foi mantido constante 300 milhões de m³/ano nos últimos 10Faturamento do0% anos; Series1,setor:2,5% • O crescimento de emissões foi inferior ao crescimento da produção na última década; • O volume de efluentes associados à ABQUIM mostra redução de 60% em sua intensidade; • Aspectos de qualificação de mão de obra, segurança e saúde estão sendoComposição do PIB Nacional considerados desde antes da ECO 92 com o lançamento do Atuação Responsável. 14
  • INSTITUTO AÇO BRASIL – IABR O Brasil ocupa a 9ª posição no ranking mundial de produção de ton de aço bruto. O Parque Produtor de Aço abrange 29 usinas administradas por 11 grupos. Práticas sustentáveis adotadas: • Transformação de resíduos em coprodutos (19,2 milhões de toneladas) • Eficiência energética (42%) Faturamento do • Reaproveitamento de água doce (96%) Series1, 0% setor:7% • Agregados de alto forno e aciaria são utilizados na fabricação de cimentos, pavimentação de vias, lastro ferroviário e outras aplicaçõesComposição do PIB Nacional 15
  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INDÚSTRIAS TÊXTEIS – ABIT 5ª maior indústria têxtil do mundo; 4ª em confecção; 2º maior produtor de denim e 3º na produção de algodão, e conta com grandes investimentos na produção de fibras químicas. Práticas adotadas: • Conscientização dos produtores de algodão sobre as vantagens de adotar, no campo, práticas de cultivo socialmente corretas, respeitando a legislação ambiental; • Novas práticas para estamparia digital têxtil com pigmentos de alto rendimento tintorial, sem vaporização e processos de lavagem, neutralização eFaturamento do tratamento de efluentes;setor:5% • Projetos de coleta e reciclagem das sobras de confecção, envolvendo diretamente milhares de pessoas de cooperativas e associações comunitárias; • Certificação e auto-regulamentação do setor para obtenção do selo QUAL. Composição do PIB Nacional http://www2.uol.com.br/canalexecutivo/notas10/120120101.htm 16
  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA – ABINEEABINEE reúne 600 empresas associadas, entre as quais estão os principais playersmundiais do setor.Produtos e serviços do setor são hoje utilizados em:• Edifícios inteligentes, que demandam menos energia e consumo de água;• Sistemas de automação predial;• Geladeiras mais econômicas, que consomem cada vez menos energia;• Computadores e sistema de TI utilizados em todas as artérias da economia verde;Para o setor, a Logística Reversa é um compromisso de sustentabilidade. 17
  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA – ABIA A indústria da alimentação é fundamental para o desenvolvimento do País, que em 2011, empregou 1,62 milhões de trabalhadores. • 95% da matriz energética do setor é renovável; • 43% dos projetos de crédito de carbono do Brasil registrados pela ONU em 2011 envolvem a indústria da alimentação; • 75% da energia consumida pelo setor vem do bagaço da cana-de-açúcar; • 34,8 milhões de toneladas de dióxido de carbono deixarão de ser emitidos até 2020; Series1, 0Faturamento do %setor: 9% • 40% dos resíduos das empresas mantenedoras do compromisso Empresarial pela Reciclagem (CEMPRE) são do setor de alimentos; • 230 mil toneladas de gordura trans foram retiradas dos alimentos processados em 2009. Composição do PIB Nacional 18
  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND – ABCP Parque produtor constituído de 79 unidades (51 fábricas e 28 unidades de moagem). Ocupa a 7ª posição entre os maiores produtores mundiais. Número de empregos gerados de 23.000 diretos e 69.000 indiretos. Práticas adotadas: • Tecnologia de produção por via seca, reduz o uso de combustíveis em até 50%. Os fornos via seca são responsáveis por 99% da produção; • A produção de cimentos com adições ao clínquer de escóriasFaturamento do siderúrgicas, cinzas volantes, reduz emissões de CO² e uso das matériassetor: 0,47% primas não renováveis; • Os fornos de cimento passaram ser uma alternativa ambientalmente adequada para a destinação dos resíduos sólidos industriais e urbanos pela técnica de coprocessamento. Composição do PIB Nacional 19
  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ALUMÍNIO – ABAL O Brasil é o 4º mundial de bauxita, 3º de alumínio e 7º de alumínio primário. O setor foi responsável, em 2010, por 384 mil postos de trabalho direto e indiretos, incluindo a ocupação de pessoas na coleta e reciclagem de alumínio. Práticas adotadas: • Uso de tecnologia limpa: Produção a partir da hidroeletricidade com elevados índices de reciclagem ( pegada de carbono menor); • 85% das áreas mineradas de bauxita no Brasil já foram reabilitadas eFaturamento do 0% Series1, devolvidas com vegetação nativa;setor:0,7% • Índice de reciclagem superior a 36%, enquanto que a média mundial é de 28%; Em 2010, o Brasil atingiu o índice de 97,6%de embalagens recicladas, mantendo-se na liderança mundial, há 10 anos. Composição do PIB Nacional 20
  • Uso de MP Redução de oriunda de GEEs florestas Substituição associados plantadas Extração de subst. a produtos/ nas cadeias Tóxicas processos produtivas sustentável Redução/ de recursos reuso e Racionalização naturais reciclagem Racionalização no uso de resíduos no uso da água energiaDiversificaçãodas fontes deenergiarenovável 21
  • Das empresas pesquisadas: 77% Têm sustentabilidade formalizada em seu planejamento estratégico 51% Têm metas socioambientais estabelecidas 47% Adotam políticas e diretrizes de sustentabilidade 43% Elaboram relatórios de sustentabilidade 42% Gerenciam impactos ambientais 27%Fonte: Revista Brasil Sustentável, Ed. 35. Atrelam a remuneração às metas2012 – Conselho Empresarial Brasileiro socioambientaispara o Desenvolvimento Sustentável 22
  • ADOTAR CONCEITOS QUE APERFEIÇOAR O MODELO DE AVANÇAR NA DEFINIÇÃO DE TENHAM POTENCIAL GOVERNANÇA GLOBAL CONTEMPLANDO NOVAS MÉTRICAS E INDICADORESMOBILIZADOR E QUE FORNEÇAM MECANISMOS DE FINANCIAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO O EQUILÍBRIO NO TRIPÉ DA TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA P/ SUSTENTÁVEL SUSTENTABILIDADE PAISES EM DESENVOLVIMENTO DOTAR O CONCEITO ECONOMIA VERDE DE PRIORIZAR O MANEJO SUSTENTÁVEL E A PRÁTICA CONTEÚDO OPERACIONAL DE ECOEFICIÊNCIA 23
  • PROMOVER ENVOLVIMENTO GLOBAL DAS PARTESCRIAR INCENTIVOS À REMOÇÃO DE OBSTÁCULOS PARA OS INTERESSADAS COM RESPONSABILIDADES NOVOS PADRÕES DE PRODUÇÃO E CONSUMO COMUNS, PORÉM DIFERENCIADAS BAIXO GRAU DE COORDENAÇÃO E SINERGIA RESULTA ESFORÇOS DE FINANCIAMENTO E TRANSFERÊNCIA DE EM INADEQUAÇÃO DA OFERTA DE FINANCIAMENTOS TECNOLOGIA DEVEM TER NOS PAÍSES DESENVOLVIDOS COM AS NECESSIDADES E PRIORIDADES DOS PAÍSES SEUS PRINCIPAIS DOADORES EMERGENTES E EM DESENVOLVIMENTO 24
  • A INTRODUÇÃO DE BARREIRAS ÀS IMPORTAÇÕES DE ESTE CENÁRIO FRAGILIZA A RELAÇÃO COMERCIAL ENTREPRODUTOS INTENSIVOS NO USO DE ENERGIA, ÁGUA E OS PAÍSES DESENVOLVIDOS E EM DESENVOLVIMENTO, SEMEMISSÕES DE GEEs VEM SENDO DISCUTIDA EM PAÍSES BENEFÍCIO PALPÁVEL NOS ENFRENTAMENTOS DOS DESENVOLVIDOS DESAFIOS AMBIENTAIS E ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS A INDÚSTRIA BRASILEIRA ENTENDE QUE A CRIAÇÃO DEO PRINCIPAL DESAFIO NA ESFERA GLOBAL É A CRIAÇÃO METAS E DE PADRÕES DE COMPARABILIDADE É DE NOVAS MÉTRICAS QUE RESPONDAM ÀS PREPONDERANTE, CONSIDERANDO AS ESPECIFICIDADESESPECIFICIDADES DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAIS E SETORIAS 25
  • BRASIL - PAÍS MEGADIVERSO E COM INÚMEROS ATRIBUTOS NATURAIS OCUPA UMA POSICÃO PRIVILEGIADA DIANTE DO MODELO DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICAMENTE VIÁVEL, AMBIENTALMENTE SUSTENTÁVEL E COM INCLUSÃO SOCIAL USO RESPONSÁVEL DOS ATIVOS QUE O PAÍS DETÉM ARTICULADO AO ENGAJAMENTO DAS EMPRESAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL CONSOLIDA O POTENCIAL NA GERAÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS AS OPORTUNIDADES VISLUMBRADAS PELA INDÚSTRIA BRASILEIRA PERMEAM OS DIVERSOS SEGMENTOS DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVELportaconordeste.com.br 26
  • DISSEMINAÇÃO DE NOVASA CNI OMPROMETE-SE A FORTALECER O PAPEL DE TECNOLOGIAS, PRLIDERANÇA PARA MOBILIZAR E ENGAJAR A INDÚSTRIA OCESSOS E MELHORESBRASILEIRA NA TRANSFORMAÇÃO DE PADRÕES DE PRÁTICASPRODUÇÃO E CONSUMO PARA MODELOS SUSTENTÁVEIS IDENTIFICAÇÃO DE METAS E A CONSTRUÇÃO DE INDICADORES COMPROMISSOS INVESTIMENTOS NA EDUCAÇÃO E NA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL ARTICULAÇÃO COM ATORES DOMÉSTICOS E INTERNACIONAIS 27
  • A ELIMINAÇÃO DAS DISTORÇÕES DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO O APERFEIÇOAMENTO DOS MODERNIZAÇÃO DA INSTRUMENTOS DA POLÍTICA DE P&D LEGISLAÇÃO DO TRABALHO PARA A SUSTENTABILIDADE kboing.com.br A REDUÇÃO DOS CUSTOS E AA MELHORIA DOS SERVIÇOS DE MELHORIA NAS CONDIÇÕES DEINFRAESTRTUTURA ACESSO AO CRÉDITO DE LONGO PRAZO imotion.com.br AUMENTO EM INVESTIMENTOS EM A ESTABILIDADE, ADEQUAÇÃO E BOA EDUCAÇÃO E EM QUALIFICAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DOS MARCOS DOS TRABALHADORES REGULATÓRIOS NA ÁREA AMBIENTAL 28
  • LANÇAMENTO DO DOCUMENTO “VISÃO 2050 BRASILEIRA” CONDUZIDO PELO CEBDS COM MAIS DE 70 PARTICIPANTES. EVENTO "CORPORATE SUSTAINABILITY FORUM” DO PACTO GLOBAL COM PARTICIPAÇÃO DE 2700 PESSOAS LANÇOU 200 COMPROMISSOS VOLUNTÁRIOS. O “FRIENDS OF RIO + 20” COM PARTICIPAÇÃO DE 26 CEO´S GLOBAIS (04 BRASILEIROS) EXPLICITARAM A IMPORTÂNCIA DAS COALIZÕES PARA SUPERAR AS BARREIRAS DO AVANÇO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. BUSINESS DAY COM MAIS DE 800 LÍDERES, TEVE NA ABERTURA DO EVENTO A PARTICIPAÇÃO DE 03 REP. DE EMPRESAS BRASILEIRAS DENTRE OS CINCO CONVIDADOS. NA CÚPULA DE 2010, EM CONPENHAGUE, 20 COMPROMISSOS FORAM ASSINADOS. NA RIO+20, FORAM REGISTRADOS 692 COMPROMISSOS E US$ 513 BILHÕES SERÃO DESTINADOS A PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.08 BANCOS VÃO ESTIMULAR O TRANSPORTE SUSTENTÁVEL E 16 BANCOS VÃO INCENTIVAR PROJETOS DE BAIXA EMISÃO DE CARBONO, COM INVESTIMENTO DE US$165 MILHÕES PARA PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO.. REAFIRMADO COMPROMISSO DOS PAÍSES RICOS APLICAR 0,7% DE SEU PIB EM ASSISTÊNCIA OFICIAL PARA DESENVOLVIMENTO EM REGIÕES POBRES DO MUNDO. PIB NÃO DEVE SER MEDIDA DE PROGRESSO DAS NAÇÕES É PRECISO NOVO ÍNDICE, QUE LEVE EM CONTA TAMBÉM ASPECTOS SOCIAIS E AMBIENTAIS 29
  • COMPROMISSO SOCIOAMBIENTAL - Não existe desenvolvimento sustentável sem um esforço para aerradicação da pobreza e a proteção ambiental. Esta talvez seja a afirmação mais importante do documento"O Futuro que Queremos". Introduz um novo aspecto, a preocupação com a miséria, numa discussão queanteriormente tinha uma dimensão mais econômica.NOVOS PADRÕES DE PRODUÇÃO E CONSUMO - O compromisso é repetido diferentes vezes ao longo dodocumento. A idéia é que os países se comprometam a investir em direção ao desenvolvimentosustentável, estabelecendo melhores padrões até 2020.OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - Em 2015, acaba o prazo fixado pelas "Metas do Milênio"propostas pela ONU para promover desenvolvimento ao redor do mundo. Na Rio+20, os países concordaramem adotar, a partir de então, novas metas globais para governos progredirem em indicadoressociais, ambientais e econômicos; serão os ODS.PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE - Seja dentro da própria conferência oficial, seja na Cúpula dos Povos, houveampla participação da sociedade civil nas discussões sobre "O Futuro que Queremos". A série de Diálogos foiconsiderada pela presidente Dilma Rousseff uma iniciativa inovadora, ainda que as propostas que saíram dosencontros fossem muito vagas.FINANCIAMENTO - A FINEP vai aplicar 2 Bilhões em projetos focados na preservação dos recursos naturaiscujos temas serão; biomassa e energias renováveis; veículos elétricos; construções e mobilidade urbana;resíduos sólidos ; biodiversidade e Amazônia e Tecnologias sociais. 30
  • PROBLEMAS DE ESTRUTURA - Delegados reclamaram de diversos problemas estruturais da Rio+20. Para chegarao Riocentro, sede da conferência, perdia-se de 60 a 90 minutos de ônibus. Preços altos assustaram osestrangeiros, que também relataram muitas dificuldades de comunicação com brasileiros por causa da língua.AUSÊNCIA DE LÍDERES - A expectativa de que a Rio+20 não apresentaria resultados fortes acabou por esvaziá-la.Os principais líderes mundiais, incluindo os chefes de Estado e governo dos EUA, China, Rússia e da UniãoEuropéia, não foram ao Rio.DIREITO DAS MULHERES - Assegurada em outras documentos da ONU, a menção aos direitos reprodutivos dasmulheres foi excluída da Rio+20 por pressão do Vaticano. Trata-se de um retrocesso significativo na luta dasmulheres. A presidente Dilma Rousseff foi cobrada por feministas a respeito deste ponto.FINANCIAMENTO - De todos os espinhos da negociação, este foi um dos mais importantes. A criação de umfundo de US$ 30 bilhões, destinado a financiar o desenvolvimento sustentável, foi rejeitado pelos países ricos eficou de fora do documento final.FALTA DE AMBIÇÃO - Há unanimidade quanto a esta crítica, seja de governantes, seja de ONGs. O Brasil, nocomando das negociações, privilegiou o acordo, expurgando do texto os aspectos mais polêmicos, o queresultou numa declaração aquém das expectativas. 31
  • “PARTICIPARAM DOS FÓRUNS 1500 LÍDERES EMPRESARIAIS DE PEQUENO, MÉDIO E GRANDE PORTE DOS MAIS DIFERENTES SETORES E COM UM OBJETIVO EM COMUM: TRABALHAR COMRESPONSABILIDADE PARA TRAZER BENEFÍCIO PARA A EMPRESA E O MUNDO. A SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA CONTRIBUI PARA A SUSTENTABILIDADE GLOBAL” FU CHENGYU, GLOBAL COMPACT DAS NAÇÕES UNIDAS E PRESIDENTE DO SINPEC GROUP“A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL TEM QUE SE TORNAR UMA REALIDADE DAESCOLA BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR, SENDO NECESSÁRIAS MUDANÇAS CURRICULARES, É PRECISO ENSINAR FINANÇAS COM ÉTICA, FINANÇAS COM MEIO AMBIENTE” ANTONIO FREITAS-FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS “A RIO+20 É DE EXTREMA IMPORTÂNCIA SE SEUS MEMBROS RECONHECESSEM QUE O PIB É UMA MEDIDA ERRADA DE RIQUEZA PORQUE INDUZ A SOCIEDADE A UMA PRODUÇÃO EQUIVOCADA, DEIXANDO DE LADO O BEM ESTAR DE SUAS POPULAÇÕES E OS LIMITES ECOSSISTÊMICO” RICARDO ABRAMOVAY, ECONOMISTA –FEA/USP 32
  • ROBSON BRAGA DE ANDRADE, PRESIDENTE DA CNIJORGE SOTO – DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVELBRASKEM 33
  • A RIO + 20 PROPORCIONOU UMA AMPLA REFLEXÃO SOBRE A ESTRATÉGIA BRASILEIRA NA ABORDAGEM DOS SEGUINTES TEMAS: Erradicação da pobreza Economia verde Estrutura institucional para o desenvolvimento sustentávelA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTA GRANDES DESAFIOS E NUMEROSAS OPORTUNIDADES PARA O BRASIL.POR POSSUIR UMA INDÚSTRIA DIVERSIFICADA E SOFISTICADA, O PAÍS CONTA COM UMA COMBINAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS QUE OCOLOCA EM POSIÇÃO PRIVILEGIADA PARA LIDAR COM AS DEMANDAS GERADAS PELA SUSTENTABILIDADE. 34
  • 35