Your SlideShare is downloading. ×
Apresentação - Luiz Petitinga - Desenbahia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Apresentação - Luiz Petitinga - Desenbahia

624
views

Published on

Apresentação realizada durante seminário: Internacionalização: o Caminho para o Aumento da Competitividade Empresarial, que aconteceu na FIEB, no dia 28/03/2012, em parceria com instituições como …

Apresentação realizada durante seminário: Internacionalização: o Caminho para o Aumento da Competitividade Empresarial, que aconteceu na FIEB, no dia 28/03/2012, em parceria com instituições como SEBRAE, BNDES, FGV, entre outras.


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
624
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • As aprovações para micro, pequenas e médias empresas formais, entre 2007 e 2010, representam 25% das aprovações globais, totalizando mais de R$ 260 milhões. Somente os desembolsos para micro e pequenas empresas, nos primeiros quatro meses de 2011, totalizaram R$ 10,8 milhões. A meta é liberar R$ 32 milhões em 2011 para empresas desse segmento.
  • As aprovações para micro, pequenas e médias empresas formais, entre 2007 e 2010, representam 25% das aprovações globais, totalizando mais de R$ 260 milhões. Somente os desembolsos para micro e pequenas empresas, nos primeiros quatro meses de 2011, totalizaram R$ 10,8 milhões. A meta é liberar R$ 32 milhões em 2011 para empresas desse segmento.
  • Transcript

    • 1. Crédito como um doselementos de competitividade das empresas Luiz Petitinga Presidente da Desenbahia
    • 2. Estrutura da Apresentação Competitividade e Crédito Instrumentos de promoção do crédito Atuação dos bancos públicos Desenbahia: apoio às MPMEs
    • 3. Crédito e Competitividade A competitividade de um país poder de competição de suas empresas. Fatores externos:  Estabilidade Macroeconômica  Infraestrutura Adequada  Sistema político-institucional eficiente Fatores internos:  Capacidade de formular e implementar estratégias  Minimização de custos: busca por fontes de recursos competitivos.
    • 4. Crédito e Competitividade Financiamento de longo prazo afeta a produtividade:  Aumenta a propensão das firmas a investir em projetos de alto retorno, mas de longa maturação;  De Negri e Alvez (2008): Após 3 anos do financiamento, a taxa de crescimento das empresas financiadas é 57% maior do que a média desta taxa entre as não financiadas com características similares.  Coelho e De Negri (2011): as diferentes linhas de financiamento do BNDES afetam em média positivamente as taxas de crescimento da produtividade total de fatores, produtividade do trabalho, do número de empregados e da receita liquida de vendas das empresas financiadas.
    • 5. Crédito e Competitividade Em países onde o mercado de capitais é desenvolvido e os serviços financeiros ofertados são de qualidade, as empresas detêm um fator adicional de competitividade em relação as demais firmas de países com sistemas menos desenvolvidos. Países em desenvolvimento são caracterizados também pela situação de seu sistema financeiro, que da mesma forma está em desenvolvimento. Dois aspectos do desenvolvimento financeiro podem ser destacados: profundidade dos mercados financeiros e restrições de crédito. Ambos estão relacionados. Maior profundidade distribui melhor o risco não só entre setores da economia, mas também entre indivíduos.
    • 6. Crédito e Competitividade O desenvolvimento financeiro: o Reduz as restrições de crédito sobre os investidores, melhorando suas oportunidades de investimento. o Afeta a alocação de recursos na sociedade e a distribuição de renda. Instituições ou políticas públicas podem atuar diretamente sobre as falhas do sistema financeiro, acelerando o crescimento econômico.
    • 7. Instrumentos de promoção do crédito Objetivo: reduzir as restrições de crédito. As empresas brasileiras, salvo os grandes grupos, apresentam sérios problemas estruturais em relação à captação sob condições competitivas. As MPEs possuem também dificuldades em oferecer garantias. Para facilitar o acesso dessas empresas, algumas inovações têm surgido no mercado financeiro brasileiro. o Fundos de Aval o Sociedades de Garantia de Crédito
    • 8. Instrumentos de promoção do crédito Fundos de Aval  Objetivo: garantir aos bancos parte do valor financiado pelas empresas, através da concessão de garantias;  Aumentar o acesso das MPEs, que geralmente apresentam dificuldades em oferecer garantias;  Possibilitam a redução da taxa de juros e ampliação do prazo de amortização; Alguns fundos de aval: Fundo de Aval da Micro e Pequena Empresa – FAMPE/SEBRAE; Fundo Garantidor para Investimentos – FGI/BNDES; Fundo de Garantia de Operações – FGO/BB.
    • 9. Instrumentos de promoção do crédito Principais vantagens :o Suprem as dificuldades da ausência ou insuficiência de garantia;o Reduz o risco da operação, o que possibilita uma redução da taxa de juros e/ou aumento dos prazos de amortização e empréstimo;o Ampliação do volume de operações e da carteira de clientes, para os bancos;o Redução dos custos jurídicos, principalmente, os decorrentes de inadimplementos;
    • 10. Instrumentos de promoção do crédito Sociedades de Garantia de Crédito Objetivo: complementar as garantias exigidas aos seus associados e fornecer aval técnico, comercial e assessoria financeira. E, assim, promover a competitividade e o desenvolvimento empresarial. Caso de sucesso no Brasil: Associação de Garantia de Crédito da Serra Gaúcha (AGC Serra) o Criada em 2003 sob a forma de OSCIP na cidade de Caxias do Sul –RS. Atua na região da Serra Gaúcha (32 municípios) o Apoiadores: Sebrae Nacional, Sebrae Rio Grande do Sul, Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul e Prefeitura Municipal de Caxias do Sul.o Instituições financeiras conveniadas:BB, BRDES, BADESUL, SICREDI, NBC BANK BRASIL.
    • 11. Instrumentos de promoção do crédito
    • 12. Atuação dos bancos públicos Instrumento de políticas públicas:• Atenuando as falhas do sistema financeiro ao ofertarem crédito para setores pelos quais o setor privado tem baixo ou nenhum interesse.• Em períodos de estagnação econômica, essas instituições tendem a se comportar de forma anticíclica através da provisão de crédito bancário, para propiciar um reaquecimento da economia.• Os bancos públicos e as IFDs tiveram papel fundamental importância no fornecimento de crédito na crise 2008/2009.• A relação crédito/PIB no país se elevou de cerca de 30% no final de 2008 para aproximadamente 48,8% em fevereiro de 2012, tendo nos bancos públicos, principalmente com a elevação do crédito direcionado, seus principais atores.
    • 13. Atuação dos bancos públicos BNDES e o BB têm ofertado uma variedade de linhas de crédito à exportação, pré e pós-embarque, para MPMEs:  Objetivo: custear a produção e a comercialização dos bens e serviços exportáveis.  Taxas competitivas e, em alguns casos, elimina os riscos cambiais Banco do Nordeste tem disponibilizado linha especifica para financiar as MPMEs exportadoras do Nordeste: Objetivo: fomentar as exportações da Região Nordeste. Financia a aquisição de matérias-primas e insumos utilizados no processo produtivo de indústrias e agroindústrias, mercadorias para constituição de estoques de empresas comerciais e insumos utilizados por empresas de prestação de serviços.
    • 14. Desenbahia: Apoio às MPMEs A Desenbahia, apesar de não possuir linhas especificaspara exportadores, tem contribuído para relaxar as restriçõesde crédito com as quais os micro e pequenos empresáriosbaianos se defrontam.A Agência tem atuado firmemenete no sentido de expandir acompetitividade das micro, pequenas e médias empresasbaianas, buscando atender dois dos seus mais importantesobjetivos estratégicos:  Fortalecer e ampliar a base empresarial;  Expandir a competitividade das MPMEs;
    • 15. Desenbahia: Apoio às MPMEsPrincipais linhas de financiamento  Investimento Fixo:  Credifácil Fixo  Prodese  BNDES/FINAME  PSI-BK • Taxas de juros variam entre 5% a.a. e 8% a.a. • Prazo máximo de 12 anos, incluídos até 3 anos de carência. • Garantias: fiança; penhor; hipoteca; propriedade fiduciária.  Giro:  Credifácil Giro • Taxas de juros de 1,25% ao mês para MPEs. • Prazo máximo de 18 meses, incluídos até 3 meses de carência. • Garantias: fiança; penhor; hipoteca; propriedade fiduciária.
    • 16. Obrigado!www.desenbahia.ba.gov.br

    ×