• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Acompanhamento Conjuntural - Dezembro 2011
 

Acompanhamento Conjuntural - Dezembro 2011

on

  • 1,164 views

O Acompanhamento Conjuntural apresenta os dados mais recentes divulgados sobre a atividade econômica brasileira.

O Acompanhamento Conjuntural apresenta os dados mais recentes divulgados sobre a atividade econômica brasileira.

Statistics

Views

Total Views
1,164
Views on SlideShare
1,086
Embed Views
78

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

1 Embed 78

http://www.fieb.org.br 78

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Acompanhamento Conjuntural - Dezembro 2011 Acompanhamento Conjuntural - Dezembro 2011 Presentation Transcript

    • Acompanhamento FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DA BAHIAConjuntural – 12/2011 Diretoria Executiva Superintendência de Desenvolvimento Industrial Data de fechamento: 16 /12/2011 Copom promova cortes, totalizando 1,5 p.p, ao longo do ano dePIB 2012.O IBGE divulgou que o PIB brasileiro registrou estagnação no 3º A inflação medida pelo IPCA acelerou em novembro, apresentandotrimestre do ano, em relação ao trimestre imediatamente anterior. alta de 0,52% ante 0,43% em outubro. No acumulado dos primeirosTal resultado evidencia a desaceleração econômica previamente onze meses deste ano, o IPCA contabiliza elevação de 5,97%,detectada pelo Banco Central, quando deu início ao atual processo ficando acima dos 5,25% registrados em igual período de 2010. Emde flexibilização da Política Monetária. Em termos anualizados, a 12 meses o IPCA atingiu 6,64%. A expectativa do mercado é que otaxa de crescimento da economia também caiu de 4,9% no 2º IPCA alcance 6,50% no final ano, situando-se no limite superior dotrimestre, para 3,7% no 3º trimestre, sinalizando um crescimento da intervalo da meta inflacionária.ordem de 3% para este ano, o que não deixa de ser um resultadopositivo, diante da crise internacional que abate mais fortemente aseconomias avançadas. O setor industrial apresentou crescimento Política Fiscalanualizado de 2,9%, contra 3,6% do setor de serviços e 2,7% daagropecuária. Os resultados das contas públicas nos primeiros dez meses deste ano indicam que o Governo cumprirá com folga a meta de superávit primário fixada para 2011. Embora a situação fiscal estejaPolítica Monetária controlada, o agravamento da crise mundial preocupa. Seus efeitos já foram sentidos no 3º trimestre deste ano, quando o PIB registrouO Copom cortou novamente os juros na reunião do final de crescimento nulo.novembro, passando a taxa básica de juros da economia para 11%.O Comitê prevê uma deterioração do cenário externo e um recuo da O Governo Federal anunciou, no início de dezembro, novasinflação brasileira no último trimestre deste ano, após o pico medidas para estimular o consumo e o crédito, como o corte do IPIregistrado entre julho e setembro. A expectativa do Copom é de na linha branca de eletrodomésticos, redução/isenção do PIS/Cofinsque a inflação convirja para o centro da meta em 2012. sobre o trigo, farinha de trigo, pão francês e massas, o corte do IOF sobre o crédito ao consumidor e o fim do IOF sobre aplicações de estrangeiros na Bolsa. Analistas consideram que as medidas terãoDiante do esfriamento da economia brasileira, o Copom sinalizou um impacto positivo sobre o consumo do final do ano. No entanto,que deverá continuar a realizar ajustes moderados na Selic, pois dificilmente levarão a economia para o crescimento esperado pelopretende tempestivamente mitigar os efeitos vindos de um ambiente Governo Federal, que trabalha com metas de crescimento fixadasglobal mais restritivo. As expectativas do mercado são de que o no Plano Plurianual (2012-2015), de aumento de 4,5% do PIB em 2011 e 5,0% em 2012.
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011Contas ExternasNo acumulado dos primeiros dez meses deste ano, o saldo em contacorrente, que compreende os resultados da balança comercial e dascontas serviços, rendas e transferências unilaterais, foi deficitário emUS$ 39,1 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o déficitalcançou US$ 47,3 bilhões (2% do PIB), confirmando a tendência dedeterioração das contas externas após a crise de 2008, porém em umritmo menos intenso nos últimos meses. O déficit nas contas serviços erendas, em função, principalmente, das despesas com viagensinternacionais e das remessas de lucros e dividendos, explica o saldonegativo em conta corrente. A expectativa do mercado é de aumentodo déficit em conta corrente nos próximos meses, alcançando US$54,5 bilhões no final do ano.As reservas internacionais em outubro totalizaram US$ 352,9 bilhões,registrando elevação de US$ 3,2 bilhões em relação ao verificado emsetembro. O Banco Central não realizou operações no mercadodoméstico de câmbio em outubro. Com o agravamento da criseinternacional, o mercado agora projeta que dólar alcançará R$1,80 nofinal do ano, valor acima do projetado no mês anterior (R$ 1,75). 2
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 e Agropecuária (2,7%). Todas as atividades industriais registraram expansão: Extrativa Mineral (5,4%), Construção Civil (4,4%), Eletricidade,PIB Gás, Água, Esgoto e Limpeza Urbana (4,4%), e a Indústria de Transformação (1,7%). No setor de Serviços, as maiores elevaçõesO IBGE divulgou que o PIB brasileiro registrou estagnação no 3º trimestre ocorreram nas atividades de Intermediação Financeira, Seguros,do ano, em relação ao trimestre imediatamente anterior. Tal resultado Previdência Complementar e Serviços Correlatos (6,3%), Comércio (5%) eevidencia a desaceleração econômica previamente detectada pelo Banco Serviços de Informação (4,9%). Ver gráfico em anexo.Central, que deu início à mudança de rumo na condução da PolíticaMonetária. Em termos anualizados, a taxa de crescimento da economia O PIB do setor industrial registrou queda em relação ao trimestre anterior,também caiu de 4,9% no 2º trimestre, para 3,7% no 3º trimestre, sinalizando em função da queda de 1,4% da indústria de transformação, que mais doum crescimento da ordem de 3% para este ano, o que não deixa de ser um que compensou os resultados positivos da Indústria Extrativa Mineralresultado positivo, diante da crise internacional que abate mais fortemente (0,9%), Eletricidade, Gás, Água, Esgoto e Limpeza Urbana (0,8%) eos países desenvolvidos. Construção Civil (0,2%). A desaceleração no consumo das famílias, o agravamento da crise externa e a maior penetração dos importados emSob a ótica da demanda (ver gráfico em anexo), a análise da taxa função da valorização cambial prejudicaram o setor industrial brasileiro, queanualizada mostra que, no 3º trimestre deste ano, o Consumo das Famílias deverá registrar expansão de 1,8% em 2011. Segundo projeções da CNI, ocresceu 5,4%, ante 7% no mesmo trimestre do ano anterior, ainda refletindo PIB industrial crescerá 2,3% em 2012.a elevação da massa salarial real e a expansão do crédito com recursoslivres para as pessoas físicas. O Consumo do Governo (Despesa de O PIB medido a preços de mercado alcançou R$ 1,04 trilhão no 3º trimestreConsumo da Administração Pública) também cresceu a uma taxa inferior à deste ano, sendo R$ 891,1 bilhões referentes ao valor adicionado a preçosverificada no ano anterior (2,3%, contra 5,1%). A Formação Bruta de Capital básicos e R$ 155,6 bilhões aos impostos sobre produtos líquidos deFixo (FBCF) foi a que sofreu maior desaceleração ao registrar alta de 7,0% subsídios. Considerando o valor adicionado, nota-se que a Agropecuáriano 3º trimestre de 2011, contra 21,2% em igual período de 2010. Vale reduziu pouco sua participação no PIB, passando de 5,3% no 3º trimestredestacar que o crescimento da FBCF (taxa de investimento da economia) é de 2010 para 5,2% em igual período deste ano. A Indústria respondeu porbastante relevante no contexto atual de crise e refletiu a maior importação 28,4% do PIB no 3º trimestre de 2011, contra 29,5% no 3º trimestre do anode máquinas e equipamentos. As Exportações de Bens e Serviços anterior, enquanto o setor de Serviços incrementou sua participação no PIBcresceram 6,8% enquanto as Importações de Bens e Serviços aumentaram de 65,3% para 66,4%, na mesma comparação intertemporal. Quanto ao14,5%, contra 30,8% em igual período do ano passado, mostrando que a desdobramento do PIB pelos componentes da demanda a preços dedesaceleração econômica provocou redução no ritmo das importações, mercado (inclusive impostos), o Consumo das Famílias totalizou R$ 631,2além da influência da desvalorização cambial ocorrida em decorrência da bilhões, o Consumo do Governo R$ 201,8 bilhões e a FBCF R$ 209,6crise internacional. bilhões (20% do PIB, contra 20,4% no 3º trimestre de 2010). As Exportações e as Importações de Bens e Serviços alcançaram R$ 133,3Do lado da oferta, o resultado da taxa anualizada no 3º trimestre de 2011 bilhões e R$ 136,9 bilhões, respectivamente, enquanto a Variação dereflete o desempenho positivo dos setores Serviços (3,6%), Indústria (2,9%) Estoques foi positiva em R$ 7,8 bilhões. 3
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011Os dados do Caged, divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego Novos ajustes moderados deverão ser realizados, pois o Copom pretende(MTE), apontam uma geração líquida de 126,1 mil empregos formais em tempestivamente mitigar os efeitos vindos de um ambiente global maisoutubro, contra 209,1 mil no mês anterior. Os setores responsáveis pelo restritivo. A redução do nível da taxa básica neste momento é consistentedesempenho no mês foram: Serviços (77,2 mil), Comércio (60,9 mil) e com o cenário de convergência da inflação para a meta em 2012.Construção Civil (10,3 mil). Nos primeiros dez meses do ano, o País gerouum saldo de 2,2 milhões de postos de trabalho. No acumulado de 12 A inflação medida pelo IPCA acelerou em novembro, apresentando alta demeses, o saldo registrado foi de 1,97 milhões de empregos gerados. Os 0,52% ante 0,43% em outubro. De acordo com o IBGE, os preços dosdados apontam para uma geração de empregos inferior à registrada no ano alimentos foram responsáveis por quase metade da alta do IPCA no mês,passado, refletindo a desaceleração da economia. com impacto de 0,25 p.p, contra 0,13 p.p no mês anterior. O item carnes foi o que apresentou maior impacto em novembro (0,06 p.p, com alta de 2,63%), acompanhado por altas significativas nos itens: tomate (+10,37%),Política Monetária palpa de açaí (+6,53%) e batata-inglesa (+4,94%).O IPCA de novembro também foi impactado pelos grupos Despesas Pessoais, que registrou alta de 0,88%, com destaque para o item empregados domésticos (+1,36%),Na reunião dos dias 29 e 30 de novembro, o Copom manteve a tendência Habitação (+0,47%) e Vestuário (+0,58%). No acumulado dos primeirosde corte dos juros das últimas duas reuniões e reduziu a Selic em 0,5 p.p, onze meses deste ano, o IPCA contabiliza elevação de 5,97%, ficandopara 11% (totalizando, neste período, corte de 1,5 p.p.). De acordo com a acima dos 5,25% registrados em igual período de 2010. Em 12 meses oata da reunião, o Comitê considerou que os riscos para a estabilidade IPCA alcançou 6,64%, situando-se acima do intervalo superior da meta definanceira mundial cresceram desde a última reunião em 19/10, contribuindo inflação. Cumpre registrar que, a partir de janeiro de 2012, o IBGE irá mudarpara a continuidade do processo de deterioração do cenário internacional. a metodologia de cálculo do IPCA, utilizando a nova base de estruturas deAs projeções apontam para reduções generalizadas e de grande magnitude gastos de consumo.nas taxas de crescimento dos principais blocos econômicos. Dessa forma,para o Banco Central, o cenário internacional apresenta viés A partir de abril deste ano, o IBGE passou a divulgar mensalmente o Índicedesinflacionário no horizonte relevante, justificando as ações tomadas neste de Preço ao Produtor (IPP), que mede a evolução dos preços de produtosmomento. “na porta da fábrica”, sem impostos e sem frete, de 23 setores da indústria de transformação. O período de divulgação tem defasagem de dois meses.No cenário doméstico, o Copom considerou que a inflação acumulada em Em outubro de 2011, o IPP registrou alta de 0,85%, ante alta de 1,23% emdoze meses já alcançou o seu pico e começa a recuar no trimestre corrente setembro. As maiores variações observadas em outubro se deram entre osem direção à trajetória de metas. O Comitê avalia que, por si só, essa produtos compreendidos nas seguintes atividades industriais: bebidasinversão de tendência contribuirá para melhorar as expectativas dos (+3,62%), produtos de metal (+3,46%), e outros produtos químicosagentes econômicos, em especial dos formadores de preços, sobre a (+2,74%). No ano, o IPP registra alta de 2,86% e no acumulado de 12dinâmica da inflação nos próximos trimestres. O cenário central com o qual meses até outubro, 4,77%.trabalha o Copom indica que os riscos são decrescentes e que a inflaçãodeverá convergir para o valor central da meta em 2012. 4
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 período, com destaque para: CSLL, Imposto de Importação, Imposto dePolítica Fiscal Renda, CIDE, IPI, IOF, PIS/PASEP, Cofins, Receitas Tributárias e Outros Impostos. A Receita federal projeta que a arrecadação terá uma expansãoO superávit primário do setor público em outubro alcançou R$ 14 bilhões, real entre 11% e 11,5% neste ano, fazendo com que se contabilize o maiorvalor superior ao registrado em igual mês do ano passado, que foi de R$ 9,7 crescimento das receitas em relação ao crescimento do PIB desde 2003bilhões. O pagamento de juros no mês somou R$ 20,3 bilhões, contra R$ (cerca de quatro vezes superior ao crescimento do PIB).16,1 bilhões em igual mês do ano passado. Por conta do elevado superávitprimário no mês, o déficit nominal caiu para 1,8% do PIB. A dívida líquida do Embora a situação fiscal esteja controlada, o agravamento da crise mundialsetor público em outubro alcançou R$ 1,54 trilhão, equivalente a 38,2% do preocupa e seus efeitos já foram sentidos no terceiro trimestre deste ano,PIB, com elevação de 1,1 p.p. em relação ao mês anterior. A dívida bruta, quando o PIB registrou crescimento nulo. Por conta disso, o Governovariável utilizada nas comparações internacionais, alcançou R$ 2,23 trilhões Federal anunciou, no início de dezembro, novas medidas para estimular oem outubro de 2011, o equivalente a 55,4% do PIB, com queda de 0,4 p.p consumo. As principais medidas foram a redução/isenção do IPI para linhaem relação a setembro. branca de eletrodomésticos (fogões, tanquinhos, máquinas de lavar e geladeiras), redução/isenção do PIS/Cofins sobre o trigo, farinha de trigo,No ano, o superávit primário alcança 3,54% do PIB, resultado do esforço pão francês e massas. Também foram anunciadas medidas de estímulo aodas instâncias de governo (central e regional) e das estatais (ver tabela 2 no crédito, como o corte do IOF sobre crédito ao consumidor de 3% para 2,5%,anexo). Cumpre registrar a redução de 13,6% do déficit da Previdência na e o fim do IOF de 2% em aplicações de estrangeiros na Bolsa. Ademais, ocomparação dos primeiros dez meses do ano de 2011 com igual período de Governo reduziu tributos do Minha Casa, Minha Vida, de 6% para 1% em2010. imóveis de até R$ 85 mil. Analistas consideram que as medidas terão impacto positivo sobre o consumo ainda neste ano. Em 2009, medidas semelhantes foram adotadas e, naquela época, o efeito foi bastanteEm 12 meses, o superávit primário subiu para 3,3%, ante 3,2% do PIB do positivo, a exemplo das vendas de geladeiras, que aumentaram de 5,2mês passado, ficando 0,2 p.p. acima da meta fixada para este ano. O déficitnominal em 12 meses caiu para 2,5% do PIB, com queda de 0,1 p.p em milhões de unidades para 6,4 milhões. O Ministro da Fazenda, Guidorelação ao mês anterior (ver tabela 3 no anexo). Mantega, declarou que novas medidas poderão ser adotadas para levar o crescimento do PIB para 5% em 2012, dadas as metas de crescimento fixadas no Plano Plurianual (2012-2015), que estima aumento de 4,5% doOs resultados consolidados das contas públicas nos primeiros dez meses PIB em 2011, 5,0% em 2012 e 5,5% ao ano para 2013, 2014 e 2015.indicam que o Governo cumprirá com folga o superávit primário fixado paraeste ano, na medida em que a economia realizada até outubro já alcança93% da meta e, em 12 meses, supera em 4,6% a meta de superávitprimário, que foi ampliada para R$ 127,8 bilhões. O bom desempenho das Contas Externascontas neste ano resulta do aumento da arrecadação do Governo Federal,que cresceu mais de 12% em termos reais na comparação de janeiro a O déficit em conta corrente de US$ 39,1 bilhões no acumulado dosoutubro de 2011 com igual período do ano passado. Praticamente todos os primeiros dez meses deste ano pode ser explicado pelo saldo negativo doimpostos federais aumentaram sua arrecadação muito acima da inflação no agregado serviços e rendas, que passou de -US$ 55,9 bilhões em 2010 5
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011para -US$ 66,9 bilhões em igual período de 2011, em virtude das maiores câmbio R$/US$ comercial (compra) apresentou forte volatilidade (comremessas de lucros e dividendos, despesas com viagens internacionais, tendência de alta) em setembro, outubro e novembro, refletindo aaluguel de equipamentos, transporte, dentre outros. A balança comercial deterioração do cenário externo, a redução da taxa Selic e as medidasapresentou superávit de US$ 25,4 bilhões e o saldo das transferências governamentais para conter o câmbio. Após atingir o pico de R$ 1,90 emunilaterais alcançou US$ 2,5 bilhões. 22/09, com a atuação do BC, através da venda de swaps cambiais tradicionais, o dólar seguiu em patamar elevado, encerrando o mês deA entrada de investimentos estrangeiros diretos (IED) no País alcançou US$ novembro cotado em R$ 1,81. A expectativa é que a cotação da moeda56 bilhões, contra US$ 29,3 bilhões no acumulado entre janeiro e outubro norte-americana alcance R$ 1,80 no final de 2011.de 2010, destinados principalmente para as seguintes atividades:telecomunicações; metalurgia; extração de petróleo e gás natural; comércio, A dívida externa total brasileira alcançou US$ 297,6 bilhões em outubro,exceto veículos; bebidas; eletricidade, gás e outras utilidades; serviços tendo a dívida de longo prazo atingido US$ 250,7 bilhões e a de curto prazofinanceiros e atividades auxiliares; seguros, resseguros, previdência, totalizado US$ 46,8 bilhões. Com o aumento da aversão ao risco associadocomplementar e planos de saúde, produtos alimentícios; e extração de ao agravamento da crise global, a expectativa é que as empresas e bancosminerais metálicos. Em novembro, a agência de classificação de risco brasileiros enfrentem maiores dificuldades para captar recursos externos eStandard & Poor’s (S&P) elevou a nota do Brasil, motivada pelo rolar as suas dívidas.compromisso do País com as metas fiscais. Tal decisão deverá ter pouco O valor das exportações brasileiras alcançou US$ 21,8 bilhões emimpacto no curto prazo, em função da maior aversão global ao risco novembro, contra importações de US$ 21,2 bilhões, gerando um saldoassociada ao agravamento da crise das dívidas soberanas na Europa. comercial de US$ 583 milhões, contra US$ 2,4 bilhões no mês anterior. OO último Relatório de Mercado do BC apresenta as seguintes projeções resultado mais modesto da balança comercial em novembro reflete apara o ano de 2011: saldo de US$ 28,8 bilhões na balança comercial, déficit redução no ritmo de crescimento mundial e, consequentemente, dade US$ 54,3 bilhões na conta corrente e fluxo de US$ 60,1 bilhões em demanda internacional. No acumulado dos primeiros onze meses deste ano,investimentos estrangeiros diretos. as exportações alcançaram US$ 233,9 bilhões, um aumento de 29,2% em relação ao mesmo período do ano anterior, e as importações, US$ 207,9Após a forte entrada de dólares registrada nos meses de julho (US$ 15,8 bilhões, uma alta de 25,1% em relação ao mesmo período do ano anterior.bilhões), agosto (US$ 4,2 bilhões) e setembro (US$ 8,5 bilhões), o fluxo de O superávit comercial no acumulado do ano foi da ordem de US$ 26capitais inverteu o sinal em outubro (-US$ 134 milhões), alcançando -US$ bilhões, valor US$ 11,2 bilhões superior ao de igual período do ano942 milhões em novembro. No acumulado dos primeiros onze meses do passado. No período acumulado de 12 meses até novembro, asano, o fluxo de entrada de dólares superou o de saída em US$ 67,2 bilhões, exportações alcançaram US$ 254,8 bilhões e as importações US$ 223,5contra US$ 26,3 bilhões em igual período de 2010, reflexo da entrada de bilhões. Tanto as exportações, quanto as importações registraram recordeUS$ 25 bilhões no mercado financeiro e de US$ 42,3 bilhões no mercado para o período de 12 meses.comercial. A cotação do dólar reflete a especulação dos bancos no mercadode câmbio, cuja posição em dólar passou de vendida para comprada(aposta na desvalorização do Real), alcançando US$ 1,3 bilhão em No início de dezembro, o Governo anunciou a regulamentação do Regimesetembro, US$ 3,7 bilhões em outubro e US$ 1 bilhão em novembro. Após Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresasoscilar entre 1,53 e 1,69 nos primeiros oito meses deste ano, a taxa de Exportadores (Reintegra) que prevê a desoneração de resíduos de tributos 6
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011indiretos (Cide, IOF, PIS, Cofins etc.) sobre os produtos industrializados US$ 101/barril (contra US$ 95/barril, em igual período do mês anterior),brasileiros exportados. O Reintegra é uma das principais medidas do Plano enquanto a cesta OPEP foi cotada a US$ 109/barril (contra US$ 111/barril,Brasil Maior, lançado em agosto, e vigorará até o final de 2012. As em igual período do mês anterior).empresas beneficiadas terão o ressarcimento equivalente a até 3% dareceita de exportação. Segundo o MDIC, poderão ser beneficiados osprodutos cujos custos dos insumos importados não sejam superiores a 40%do preço de exportação (para os produtos de alta tecnologia, o limite é de65%). Os exportadores poderão utilizar os valores do Reintegra paracompensar débitos próprios, vencidos ou vincendos, referentes a tributos da Front ExternoReceita ou solicitar a quantia em espécie. A União Europeia aprovou em reunião de cúpula um plano de austeridade que deverá impactar significativamente a vida da população daquelePetróleo continente por vários anos. As medidas aprovadas devem dar lugar a mais uma onda de protestos e, segundo analistas, com mudanças nos governosNos últimos trinta dias, o mercado internacional do petróleo registrou nas próximas eleições.elevação nos preços do mercado spot, com o final dos conflitos na Líbia. A De acordo com o pacote de reformas aprovado, os governos terão detendência de médio prazo, no entanto, é de contenção nos preços. Por um promover uma série de ajustes em suas contas e qualquer déficit acima delado, a oferta está aumentando com o retorno da produção líbia, além do 3% do PIB será punido. O teto da dívida pública será de 60% do PIB. Nacrescimento da produção não-Opep nos Estados Unidos, Canadá e Mar do prática, para chegar ao que a UE propõe, os países membro precisarãoNorte. Por outro lado, a demanda se encontra deprimida na Europa e nos reduzir gastos num valor equivalente a US$ 3,6 trilhões. O pacto inclui aEstados Unidos, por conta da crise econômica internacional provocada pela antecipação, para julho de 2012, de um Mecanismo Europeu dedificuldade de gerenciamento das dívidas na Europa, que se iniciou na Estabilidade (fundo permanente de resgate para os países da região) e umGrécia, atingiu também Portugal e agora afeta Itália e Espanha. Os Estados financiamento de 200 bilhões de euros a países endividados, provido peloUnidos, maiores consumidores do mundo, ainda apresentam sinais tênues FMI. As medidas negociadas durante a cúpula da UE em Bruxelasde recuperação, mas, do lado positivo, apresentam um nível de produção começariam a valer em março de 2012.de petróleo cada vez maior, reduzindo a sua dependência das importaçõesdo Oriente Médio. Desse modo, a maior pressão sobre a demanda da Nas discussões da UE não houve consenso em torno das medidascommodity surge dos países em desenvolvimento, especialmente China e propostas. A principal objeção veio da Grã-Bretanha, que exigiu ser eximidaÍndia. Em termos de cenário de curto e médio prazos, por um lado, a época de algumas regulamentações orçamentárias e financeiras, as quais,de petróleo a preços baixos acabou (em 2002, por exemplo, o petróleo WTI segundo o Premiê David Cameron, influenciariam negativamente o setorno mercado spot era comercializado em média por US$ 26/barril). Por outro financeiro do país. Como a exigência britânica foi vetada, o país não firmoulado, a perspectiva de haver grandes elevações nos preços do petróleo é o pacto. Suécia, Hungria e República Tcheca ficaram de consultar seusbaixa, dado os limites na oferta e as restrições na demanda já mencionadas. Parlamentos antes de tomarem uma decisão. Há dúvidas também se aNa segunda semana de dezembro, o petróleo WTI (mercado spot) alcançou Dinamarca passará o pacto pelo crivo parlamentar antes de assiná-lo. 7
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011Apesar das declarações positivas dos principais lideres europeus, o pacto Segundo dados divulgados pelo Departamento de Comércio, o déficitainda não entusiasmou o mercado financeiro, que esperava a aprovação de comercial dos Estados Unidos atingiu US$ 43,5 bilhões em outubro, frente àmedidas que dessem maior poder de ação ao BCE. previsão dos analistas de saldo negativo de US$ 44 bilhões. No mês, as exportações somaram US$ 179,2 bilhões e as importações atingiram US$Não há dúvidas de que os impactos dessas medidas serão bastante duros. 222,6 bilhões.Os cortes, que já começaram a ocorrer por toda a Europa, dão uma ideia damagnitude do impacto na atividade econômica na zona do euro. Em A economia dos Estados Unidos criou 120 mil empregos em novembro, comPortugal, o PIB no terceiro trimestre voltou a cair 5%, depois que o governo os empregadores privados abrindo 140 mil novas vagas, segundo dadosadotou o pacote de austeridade no modelo exigido por Bruxelas. Na Irlanda divulgados pelo Departamento de Trabalho. O avanço, porém, ficou umos cortes no orçamento de 2012 terão maior impacto na camada mais pouco abaixo da previsão dos analistas do mercado, que previam a criaçãopobre, que irá perder 500 milhões de euros em benefícios sociais. Na de 125 mil vagas.Grécia, o pacote de austeridade exigirá em 2012 o corte de 15% no salário Segundo dados divulgados pelo National Bureau of Statistics of China, ados funcionários públicos e a demissão de 20% deles. Duas mil escolas produção industrial da China apresentou, em outubro, expansão de 13,2%fecharão as portas. Segundo a consultoria Deloitte, as vendas de Natal na em relação ao registrado em igual mês do ano anterior e de 14,1% noGrécia vão cair 25% ante ao fraco ano de 2010. acumulado dos últimos 12 meses. A formação bruta de capital fixo – taxa deEm meio às discussões sobre a crise, a UE aprovou a adesão de seu 28º investimento – manteve-se alta de 24,9% no período de janeiro a outubromembro, a Croácia, que se tornará parte efetiva do bloco a partir de julho de sobre o mesmo período do ano passado.2013. O Índice de Preços ao Consumidor da China, principal indicador da inflaçãoO Banco Central Europeu cortou em 0,25 ponto percentual - para 1% - a no país, foi de 5,5% em outubro, permanecendo inalterado em relação aotaxa de juros dos países que utilizam o euro. A medida, que volta a colocar registrado em setembro. Há sinais de que os esforços do governo chinêsa taxa de juros europeia no seu mais baixo nível histórico, visa evitar que a para conter os altos preços de 2011, principalmente nos setores derecessão volte a se alastrar pelas economias do euro. alimentos e moradia, vêm atingindo os objetivos estabelecidos, mas a inflação ainda está longe da meta de 4%.A autoridade monetária manteve em 1,6% a previsão de crescimento nesteano para os países que utilizam a moeda comum, mas revisou para baixo,de 1,3% para 0,3%, a projeção para 2012. Segundo dados divulgados pelo METI (Ministério da Economia, Comércio e Indústria), em outubro, a produção industrial japonesa cresceu 2,4% emO índice de preços ao consumidor da zona do euro registrou variação de relação ao registrado no mês anterior e 0,4% em relação ao verificado em3% em novembro, enquanto a taxa de desemprego manteve-se em 10,3% igual mês de 2010. Os segmentos industriais que mais contribuíram para aem outubro. alta foram: equipamentos de transporte, maquinário em geral e produtosDe acordo com a segunda estimativa do Bureau of Economic Analysis químicos. Em outubro, a taxa de desemprego ficou em 4,5% e o índice de(BEA), o PIB norte-americano cresceu 2% no 3º trimestre de 2011, contra preços ao consumidor registrou deflação de 0,2%.uma expansão de 1,3% no 2º trimestre de 2011, em termos anualizados. 8
    • Acompanhamento Conjuntural –12/2011 para a indústria nacional, em face à entrada facilitada de produtosEconomia em desaceleração importados e ao encolhimento das margens, pela dificuldade de repasse do aumento dos custos de seus insumos. Nesse sentido, a elevaçãoAs medidas restritivas adotadas pelo Governo Federal no início do ano, temporária da cotação do dólar foi positiva para o setor industrial.acrescidas a um ambiente econômico internacional adverso, provocaramuma desaceleração mais forte do que a anteriormente prevista na economia Analisando a conjuntura econômica com foco no setor industrial, observam-brasileira. Esse quadro acaba de ser confirmado estatisticamente, com a se efeitos diferenciados de acordo com o perfil setorial. Os fabricantes dedivulgação das contas nacionais trimestrais do 3º trimestre, que bens de consumo, a exemplo de calçados, têxteis e alimentos e bebidas,contabilizaram crescimento nulo, na comparação com o trimestre sofreram com o processo de valorização cambial que, juntamente aoimediatamente anterior. A previsão é que o PIB de 2011 tenha crescimento problema dos elevados encargos trabalhistas, reduz significativamente apróximo a 3%. Desse modo, fica patente que o processo de redução da taxa competitividade das empresas locais em relação aos concorrentes externos.Selic promovido pelo Banco Central foi acertado, no sentido de minimizar ofreio da atividade econômica e ao colocar o controle da inflação pela via Os setores industriais capital-intensivos e produtores de bens tradable aindamonetária num plano secundário, já que a própria redução da atividade se beneficiam dos preços das commodities, que impulsionam as receitas deeconômica tende a conter as pressões inflacionárias. No atual cenário, a segmentos como refino, petroquímico, metalurgia e celulose. As empresasatividade industrial deverá permanecer em ritmo lento. que possuem dívidas denominadas em dólares ou que possuem elevados coeficientes de importação se beneficiaram da trajetória de valorização doEm realidade, mesmo o nível de crescimento esperado pelo governo para Real, mas, podem ser bastante afetadas caso o agravamento da crise2012 (5%) já pode estar comprometido, tendo em conta o baixo global provoque novos repiques do Dólar.carregamento estatístico deste ano para 2012, o crescimento inferior dademanda, a reduzida confiança empresarial e a desaceleração da No âmbito local, o impacto negativo da retração da demanda de resinas deconstrução civil e do consumo de máquinas e equipamentos (nível de terceira geração motivou a antecipação da parada de manutenção eminvestimentos). unidades da Braskem. As indústrias químicas baianas devem ficar atentas ao processo de reestruturação da petroquímica mundial, com a maiorEm relação ao câmbio, o mercado enfrentou um período de volatilidade com presença de países do Oriente Médio no mercado. No dia 5/12, a Shello agravamento da crise europeia, chegando a trabalhar com o patamar de assinou com a Qatar Petroleum acordo para investir US$ 6,4 bilhões naR$1,90/US$. No entanto, o BC interveio promovendo leilões de "swap" produção de 1,5 milhão de toneladas/ano de monoetilglicol e 300 milcambial, o equivalente a uma venda de dólares no mercado futuro, e toneladas/ano de alfaolefinas. Outros projetos semelhantes foramconseguiu controlar o processo de alta, à medida que os mercados anunciados em países como o Iraque e Arábia Saudita.internacionais também se acalmavam. Atualmente o dólar está cotado emcerca de R$ 1,80. Apesar da expressiva oscilação ocorrida, num cenário demédio prazo, permanece a tendência de sobrevalorização do Real, emdecorrência do enfraquecimento das economias avançadas. O processo devalorização do Real no período recente provocou uma concorrência desleal 9
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011Compõem o presente Anexo os seguintes documentos:(i) Gráficos do PIB no 3º trimestre de 2011 (págs. 11 a 13);(ii) Brasil: Representatividade da Indústria de Transformação (% PIB) (pág.14);(iii) Brasil: Composição das Exportações (pág.15);(iv) Tabelas de Política Fiscal (págs. 16 a 18);(v) Brasil e Bahia: Evolução Mensal dos Saldos das Admissões menos Desligamentos de Trabalhadores regidos pela CLT, no período janeiro a outubro 2011 (págs. 19 e 20);(vi) Indicadores de Economias Avançadas (pág. 21);(vii) Indicadores Econômicos de Países Emergentes (pág. 22); e(viii) Relatório de Mercado do Banco Central - Expectativas de Mercado (págs. 23 e 24). 10
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 11
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 12
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 13
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011Fonte: Ipeadata; elaboração FIEB/SDI.Previsão para o ano de 2010. 14
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 Fonte: Ipeadata (09-11-2011); elaboração FIEB/SDI. Nota: 2011 de janeiro a outubroNota: 2011 de janeiro a setembro 15
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 16
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 17
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 18
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 19
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 20
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 21
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 22
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011Relatório de Mercado do Banco Central: Expectativas de Mercado (09/12/2011) 23
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011 24
    • Acompanhamento Conjuntural – 12/2011Acompanhamento Conjuntural (AC) é uma publicação mensal daFederação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), produzida pelaSuperintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI). Críticas e sugestões serão bem recebidas.Presidente: José de F. Mascarenhas Endereço Internet: http://www.fieb.org.brDiretor Executivo: Roberto de Miranda Musser E-mail: sdi@fieb.org.brSuperintendente: Reprodução permitida, desde que citada a fonte.João Marcelo Alves(Economista, Mestre em Administração pela UFBA/ISEG-UTL,Especialista em Finanças Corporativas pela New York University)Equipe Técnica:Marcus Emerson Verhine(Mestre em Economia e Finanças pela Universidade da Califórnia)Carlos Danilo Peres Almeida(Mestre em Economia pela UFBA)Ricardo Menezes Kawabe(Mestre em Administração Pública pela UFBA)Mauricio West Pedrão(Mestre em Análise Regional pela UNIFACS)Everaldo Guedes(Bacharel em Ciências Estatísticas – ESEB)