CRIANÇA A ALMA DO NEGÓCIO
Simone Helen Drumond Ischkanian
Compreendo que o documentário é uma reflexão de como a sociedade...
e principalmente a Dinamarca que possui uma legislação mais rígida impõe limites não permitindo
o uso no meio dos programa...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Criança a alma do negocio

173 views
104 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
173
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Criança a alma do negocio

  1. 1. CRIANÇA A ALMA DO NEGÓCIO Simone Helen Drumond Ischkanian Compreendo que o documentário é uma reflexão de como a sociedade de consumo e as mídias de massa impactam na formação de crianças e adolescentes. E mostra ainda uma realidade difícil de acreditar: crianças que preferem ir ao shopping a brincar, conhecem marcas pelo logotipo, e apesar de terem uma vasta coleção de brinquedos e jogos se encantam mesmo por roupas e adereços. O extraordinário vídeo nos revela a contraversão de valores que as crianças e adultos cultivaram em seu âmbito educacional familiar. Essa inversão de valores apoia-se nas diversas propagandas ao público infantil. Tais propagandas focam-se nas crianças por saberem que seus desejos são facilmente realizados por seus pais. A propaganda brasileira age como uma lavagem cerebral, uma alienação do pensamento em relação ao mundo, tornando crianças, seres consumidores, extremamente consumidores, atuando até mesmo na alteração financeira dos pais, já que pesquisas realizadas apontam que elas são responsáveis pelo alto consumo dentro do lar. “Este mercado consumidor nunca esteve mais preocupado em vender para crianças como antes, propagandas dirigidas ao mundo pueril movimentam milhões, certamente com a certeza de um retorno extremamente viável. Nesse jogo onde vale de tudo, existe até mesmo a manipulação da mente infantil, trazendo para a sociedade pessoas que sem mesmo ter a certeza do que é a adolescência e a maturidade acreditam já estar nessa fase da vida, afetando também o convívio familiar.” A mídia nacional busca constantemente uma forma de inventar produtos para destinarem às crianças, sendo que este estabelece um meio de serem aceitas em seu meio social, serem aceita por outras crianças justamente por terem aqueles produtos mostrados na propaganda e por serem possuidores de uma determinada marca. Os valores que estão sendo retorcidos são os que mais tiram a inocência da criança. Em certo momento do documentário há um relato de uma senhora onde fala que uma criança de 8 anos ao comprar uma peça de roupa, queria que esta valoriza-se seu corpo. Ficamos realmente estagnados com este relato que nos foi passado, pois uma criança de 8 anos, é apenas uma criança de 8 anos e justo essa publicidade que às afeta está mudando a visão desta criança, fazendo-a parecer uma modelo, querendo valorizar seu corpo. A legislação brasileira não se preocupa com a alienação infantil em relação as propagandas a elas dirigidas, outros países como E.U.A, Noruega, França, Bélgica, Holanda, Portugal, Espanha
  2. 2. e principalmente a Dinamarca que possui uma legislação mais rígida impõe limites não permitindo o uso no meio dos programas infantis, às vezes nem antes e nem depois. Realizando uma comparação com esses países temos a percepção de nações mais desenvolvidas, talvez porque não crie um mercado consumidor já na mais tenra idade. É o caso de se pensar nisso em nosso país, pois estas crianças estão perdendo a fase de serem de fato crianças. Cada vez mais vemos crianças que deveriam estar brincando, se transformando em verdadeiros “adultos em miniatura”: trocando de celular até mais de uma vez por ano, meninas com menos de 10 anos maquiadas e calçando salto alto… E o pior de tudo, é que muitos pais se percebem em uma situação terrível. Não querem fazer todas as vontades dos filhos – para não deixá-los mal-acostumados – mas ao mesmo tempo não têm muito tempo para conviverem com as crianças, devido aos muitos compromissos profissionais. Resultado: a “babá eletrônica” (televisão) acaba tendo mais influência sobre as crianças do que os próprios pais. Então, elas querem sempre um brinquedo, uma roupa, um tênis novo (um dos meninos mostrados no filme tem em seu armário mais tênis do que eu tive nos últimos 20 anos). E logo que ganhem, querem outro. Por um motivo simples: se não tiverem nada de novo para mostrar por muito tempo, acabam se sentindo excluídas da turminha de amigos. E os pais acabam cedendo ao desejo das crianças. Chega a parecer “coisa de velho”, mas “no meu tempo” (ou seja, quando eu era criança, e isso nem faz tanto tempo – menos de 20 anos), meu pai e minha mãe não davam tudo o que eu pedia. E quando eu ganhava algum presente, sempre devia dividi-lo com o meu irmão – e de nada adiantava eu protestar. Egoísmo não fez parte da minha educação. Por que meu filho sempre me pede um brinquedo novo? Por que minha filha quer mais uma boneca se ela já tem uma caixa cheia de bonecas? Por que meu filho acha que precisa de mais um tênis? Por que eu comprei maquiagem para minha filha se ela só tem cinco anos? Por que meu filho sofre tanto se ele não tem o último modelo de um celular? Por que eu não consigo dizer não? Ele pede, eu compro e mesmo assim meu filho sempre quer mais. De onde vem este desejo constante de consumo? Contundente, ousado e real este documentário escancara a perplexidade deste cenário, convidando você a refletir sobre seu papel dentro dele e sobre o futuro da infância.

×