Amazonia dos ultimos 25 anos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Amazonia dos ultimos 25 anos

on

  • 157 views

 

Statistics

Views

Total Views
157
Views on SlideShare
157
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Amazonia dos ultimos 25 anos Amazonia dos ultimos 25 anos Document Transcript

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Educação na Região Amazônica OLIVEIRA, José Aldemir de. e GUIDOTTI, Humberto. A igreja arma sua tenda na Amazônia: Manaus: Editora da Universidade do Amazonas, 2000. Que Amazônia foi construída nos últimos 25 anos? Simone Helen Drumond Ischkanian A recessão econômica brasileira no período de 1961 a 1967 refletiu na política e nas relações econômicas internacionais, transformando as bases de desenvolvimento econômico do país. A Amazônia, como região despovoada e rica em recursos naturais, começou a ser integrada ao país, através da presença mais intensiva dos militares nas áreas fronteiriças e da criação de bases desenvolvimentistas com o objetivo de atender aos interesses de exportação e mundialização do comércio. A Amazônia que até então não era importante para o conjunto da burguesia no país, porque não atendia às funções de absorção dos excedentes da acumulação capitalista e da criação de canais para investimentos novos, tornou-se “zona preferencial para a aplicação de recursos gerados graças à política econômica e fiscal do governo central” (Cardoso e Müller, 1978). Assim, as dificuldades sociais, econômicas e políticas do Brasil nos primeiros sete anos da década de 1960 se constituem, em parte, nas origens da criação do modelo de desenvolvimento implantado na Amazônia; primeiramente em forma de zona aduaneira e em seguida como Zona Franca de Manaus, em atendimento aos novos critérios de desenvolvimento do país. Esses novos critérios entrelaçaram a economia local com o mercado internacional, via vantagens da exportação e o interesse crescente de capitais internacionais em investimentos industriais, mineradores e agroexportadores. Conjuntamente, as atividades produtivas e a atuação do Estado na intermediação com o mercado internacional tornaram-se muito mais efetivas, e oficialmente aceitas. Por outro lado, o Governo Federal adotou políticas de favorecimento à entrada de capitais estrangeiros no país, garantindo a reprodução desses capitais e, quando possível, também procurava reter parte dos seus lucros, em busca de acumulação para posterior utilização em áreas diversas. Nesse processo, os recursos minerais e os produtos agropecuários tiveram as suas exportações incentivadas a fim de financiar os déficits causados na economia em decorrência das aquisições externas de máquinas, ferramentas e insumos industriais, denominados bens de produção. O modelo de desenvolvimento econômico da Amazônia caracterizou-se pela apropriação dos critérios de uma política fiscal benéfica às grandes empresas, alimentando o processo de expansão do capitalismo. Para Cardoso e Müller (1978), “o tipo de crescimento adotado – explorador de trabalho, concentrador de rendas e de riquezas – mostrou que por si só não traz melhoria para as populações, nem corrige distorções. A Amazônia não é senão um exemplo – mais dramático talvez – desta constatação”. A economia de mercado é favorável ao desenvolvimento das sociedades capitalistas,
  • mas ainda há sub-regiões na Amazônia onde a presença do Estado é fundamental para evitar a reprodução de condições de vida do século XVIII e XIX. As relações do homem com a terra e do Estado com o homem ainda precisam de redefinições. O processo de globalização observado nas últimas décadas caracteriza-se essencialmente por três fatores: aceleração da internacionalização da produção, cultura e informação (também chamada de transnacionalização); menor contestabilidade do mercado; acirramento da interdependência entre temas econômicos sob a forma de intercâmbio entre os agentes econômicos de diversos países. Nos últimos 25 anos, fatores como o investimento em aperfeiçoamento das tecnologias de produção e informação, flexibilização relativa das relações contratuais e aduaneiras, foram decisivos para a internacionalização acelerada da economia mundial. O fenômeno da globalização na Amazônia, assim como no Brasil, foi facilitado via desregulamentação da burocracia que tolhe as transações internacionais e aperfeiçoamento tecnológico na produção, informação e transportes, culminando por criar maiores economias de escala, reduzindo os custos e dinamizando o comércio internacional. O ponto polêmico desse fenômeno está na demanda insaciável por mercados que absorvam sua produção e serviços, como condição para a sobrevivência dessa evolução do modo econômico capitalista que se convencionou chamar de “globalização”. Por conta dessa incompatibilidade entre a oferta gerada pela globalização e a limitação dos mercados existentes ou em expansão, países passam por crises de excesso de oferta sem equivalente em demanda mundial. Convém lembrar que esse foi o motivo-chefe de um dos maiores desastres no sistema econômico capitalista, comumente chamado “Crise de 1929”, culminando com a quebra da Bolsa de Nova York na “quinta-feira negra” de 24 de outubro de 1929, marcada por desvalorizações acentuadas das ações de grandes empresas, estagnação da produção e consumo, e demissões em massa nos EUA. Efeitos que rapidamente se alastraram por todo o mundo. Se vivo fosse, John Maynard Keynes, um dos mais brilhantes economistas da História dessa Ciência, provavelmente sugeriria o investimento estatal como saída para a crise por efeito da globalização, que é cíclica. Porém, o endividamento público força a elevação dos juros básicos, desmotivando investimentos privados, produção e contratações, aumentando o desemprego involuntário gigantesco. A saída dessa crise está no estímulo à demanda externa por produtos com agregação de valor e desenvolvimento interno. A lógica da acumulação capitalista induz à globalização como macro-saída para as limitações desse sistema econômico. Para países em desenvolvimento, as limitações se clarificam na vulnerabilidade externa, que é a alta sensibilidade às variações nos mercados financeiros, de bens e serviços mundiais. Dessa vulnerabilidade, derivam crises cambiais recorrentes, degradações institucionais e problemas sociais. Portanto, para países e regiões estratégicas como o Brasil e a Amazônia respectivamente, a globalização pode ser muito perigosa se não houver mecanismos político-econômicos eficientes para mitigar suas conseqüências. E eles estão na pauta do plano de governo vigente. A política monetária agressiva adotada pelo Banco Central
  • para cumprir a meta de inflação anual não será suficiente se não vier acompanhada de desoneração tributária de setores vitais na economia doméstica (advinda de uma definitiva e eficaz reforma tributária) e política fiscal austera tanto quanto responsável. O Brasil já foi um País de volatilidade associada a quaisquer movimentações do mercado internacional. Hoje, porém, nossos fundamentos macroeconômicos são sólidos e assentados num imenso mercado consumidor interno e capacidade produtiva que alia crescentes investimentos em tecnologia e recursos naturais de fazer inveja às superpotências econômicas mundiais.