A identidade cultural na pós-modernidade - Stuart Hall

17,665 views
17,143 views

Published on

Seminário apresentado no dia 08 de novembro de 2011, na disciplina de Sociologia Contemporânea II do curso de Ciências Sociais da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos).

Published in: Education

A identidade cultural na pós-modernidade - Stuart Hall

  1. 1. Stuart HallO olhar do migrante é o mais verdadeiro"
  2. 2.  Questão da identidade Velhas identidades em declínio Surgimento de novas identidades Indivíduo unificado passa a ser um indivíduo fragmentado
  3. 3.  Crise de identidade Duplo deslocamento: a descentração dos indivíduos tanto de seu lugar no mundo social e cultural quando de si mesmo Mundo pós-moderno – sujeito pós-moderno
  4. 4.  Remontar a história do sujeito moderno Segundo a visão do descentramento Sujeito mudou em três pontos
  5. 5.  Primeiro Surgimento do indivíduo na modernidade Transformações que libertam o sujeito de sues apoios estáveis nas tradições e nas estruturas Humanismo – homem no centro do mundo Iluminismo – sujeito dotado de razão Sujeito cartesiano
  6. 6.  Segundo Sociedade mais complexa, adquirem uma forma mais coletiva e social Concepção social do sujeito Biologia darwiniana Surgimento das ciências sociais Indivíduo formado através de sua participação em relações sociais Interacionismo simbólico
  7. 7.  Terceiro Movimento estético e intelectual associado ao surgimento do modernismo Identidade fragmentada e o sujeito deslocado Deslocamento através de uma série de rupturas
  8. 8.  1º descentramento – Novas interpretações da teoria marxista 2º descentramento – Teorias de Freud 3º descentramento – Lingüística estrutural de Saussure 4º descentramento – Genealogia do sujeito de Foucault 5º descentramento – Movimentos feministas
  9. 9.  Descentramento do sujeito do Iluminismo Identidades abertas, contraditórias, inacabadas e fragmentadas do sujeito pós-moderno
  10. 10.  “Como as identidades culturais estão sendo afetadas ou deslocadas pelo processo de globalização?” (HALL, 2005, p. 47). Cultura nacional -> principal fonte de identidade cultural.
  11. 11.  “As culturas nacionais, ao produzir sentidos sobre „a nação‟, sentidos com os quais podemos nos identificar, constroem identidades.” (Ibid. p. 51). “memórias do passado; o desejo por viver em conjunto; a perpetuação da herança” (Ibid. p. 58). “dispositivo discursivo que representa a diferença como unidade ou identidade” (Ibid. p. 62).
  12. 12.  As identidades nacionais não subordinam todas as outras formas de diferença e não estão livres do jogo de poder, de divisões e contradições internas, de lealdades e de diferenças sobrepostas. Assim, quando vamos discutir se as identidades nacionais estão sendo deslocadas, devemos ter em mente a forma pela qual as culturas nacionais contribuem para “costurar” as diferenças numa única identidade. (Ibid. p. 65)
  13. 13.  “Como as identidades culturais estão sendo afetadas ou deslocadas pelo processo de globalização?” (Ibid. p. 47) Espaço-tempo -> coordenadas básicas de todos os sistemas de representação. (Ibid. p. 70)
  14. 14.  “a modelagem e a remodelagem de relações espaço-tempo no interior de diferentes sistemas de representação têm efeitos profundos sobre a forma como as identidades são localizadas e representadas” (Ibid. p. 71)
  15. 15.  “a medida em que as culturas nacionais tornam-se mais expostas a influências externas, é difícil conservar as identidades culturais intactas ou impedir que elas se tornem enfraquecidas através do bombardeamento e da infiltração cultural” (Ibid. p. 74)
  16. 16.  Fluxos culturais + consumismo global = identidades partilhadas = homogeneização cultural homogeneização cultural
  17. 17.  Três possíveis consequências do efeito globalizador (Ibid. p.69): 1. Desintegração das identidades nacionais; 2. Reforço à resistência das identidades nacionais e locais contra a globalização; 3. Surgimento das identidades híbridas.
  18. 18.  “Em certa medida, o que está sendo discutido é a tensão entre o global e o local na transformação das identidades.” (Ibid. p. 76) TENTÊNCIA CONTRADITÓRIA -> “tanto a tendência à autonomia nacional quanto a tendência à globalização estão profundamente enraizadas na modernidade” (Ibid. p.68) Identificações particularistas VERSUS universalistas
  19. 19.  O Global,o Local e o Retorno da Etnia As IDENTIDADES nacionais estão sendo HOMOGEINIZADAS ?  Essa é a principal indagação a cerca da Globalização,pois a integração de varias culturas cerceadas em espaços físicos completamente diferentes de sua origem poderia ameaçar a unidade nacional
  20. 20.  Há,juntamente com o impacto do “Global”,um novo interesse pelo “Local”. Seria mais lógico pensar no processo de globalização como um fato de articulação dessas duas variáveis,produzindo com isso novas identidades locais e globais
  21. 21.  A Globalização e muito desigualmente distribuída no globo,com variações em regiões bem como em estratos populacionais – “Geometria do Poder” Na maior parte das vezes fica bem mais evidente a globalização quando nos deparamos com produtos de outros países(alimentos da cultura Japonesa em países tropicais)
  22. 22.  “(...) as sociedades da periferia tem estado sempre abertas as influencias culturais ocidentais e,agora mais do que nunca.” “(...) um “fantasia colonial” sobre a periferia,mantida pelo Ocidente,que tende a gostar de seus nativos apenas como “puros” e de seus lugares exóticos apenas como “intocados” “  Esquecemos com isso que no meio desse aparente “caos”estreitamos as distancias locais resumidas agora em breves viagens ou comunicações cibernéticas.Os países recebem inúmeros migrantes,sendo esses em sua grande maioria “atuando” na ilegalidade.
  23. 23.  “A categoria identidade não é,ela própria ,problemática ?” “(...) a possibilidade de que a globalização possa levar a um fortalecimento de identidades locais ou a produção de novas identidades”
  24. 24.  Esses traços assimilativos irão depender das culturas em si que podem tratar com repulsão ou integração “(...) a globalização tem,sim,o efeito de contestar e deslocar as identidades centradas e “fechadas” de uma cultura nacional”
  25. 25.  “(...)”hibridismo e o sincretismo a fusão entre diferentes tradições culturais(...)” Muitas culturas acabam assimilando sem maiores conflitos os “traços” vindos de outros povos,(sincretismo)formando uma nova identidade social
  26. 26.  “(...) estão emergindo identidades culturais que não são fixas,mas que estão suspensas em transição,entre recursos ao mesmo tempo de diferentes tradições culturais (...)”  São varias as noticias de conflitos étnicos entre povos do oriente médio,conflitos esses pela total refutação em aderir traços culturais diferentes dos seus,o fundamentalismo acaba indo na contra mão e contribui para um”distanciamento”moral entre os mesmos
  27. 27.  “ (...) ortodoxia tem sido,desde há muito,uma das mais poderosas fontes de contra-identificação em muitas sociedades e regiões pós-coloniais e do Terceiro Mundo”  O Nacionalismo reavivado nos finais do século XX acaba trazendo novamente essa questão de moderna ou pós-moderna formação e integração cultural e social,o “local” nunca esteve tanto “global”,mais do que isso,a globalização pode contribuir para o “descentramento” do ocidente,porem cabe a todos os envolvidos nesse processo a responsabilidade de apresentar uma cultura e não impor a mesma,essa é a parte mais complicada.
  28. 28.  Diego Messias Cavalheiro – 381772 Luis Felipe da Silva – 381764 Simone Braghin – 381268

×