ROBERTO BLUM
Obras da Nova Revelação        Recebido pela voz interna                  por             Jacob LorberRoberto Blum(Comunic...
ROBERTO BLUMRecebido pela voz interna por Jakob Lorber   Traduzido por YOLANDA LINAURevisado por PAULO G. JUERGENSEN   DIR...
SUMÁRIO1.	    A Vida de ROBERTO BLUM 72.	    Chegada do fuzilado no Além e suas primeiras impressões.	      Despertar da c...
18.	   Necessidade da autoridade terrena. Não pode existir	      comunidade sem orientação. Ordem e obediência 3119.	   A ...
38.	   Roberto se admira de não ter sido suficientemente	      humilhado. Recordação de sua vida passada 6839.	   Transfor...
56.	   O coração de Jellinek se inflama pelo “amigo” de	      Roberto. O vinho celeste. Brinde de Jellinek e res-	      po...
74.	   Surpresa para o libidinoso. Bom conselho de Olavo 13875.	   Olavo intercede em favor dos amigos. Promessa do	      ...
92.	    Luta dos seis animais. Efeito desse espetáculo sobre os	       homens-lobos e o rei 18893.	    Amor-próprio e orgu...
106.	   Controvérsia entre o Senhor e Bruno. Humildade e	       prudência deste atraem a Graça Divina 225107.	   Ceia cele...
122.	   Novas surpresas. Penetração de inúmeros guerreiros	       excitados. O chefe pede uma prece 263123.	   Um padre qu...
136.	 Palestras a respeito de Jesus. Parábola do homem sem vestes	     Nupciais e das dez virgens 302137.	 O orgulho magia...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________                        1.° CAPÍTULO ...
Jacob Lorber______________________________________________________________ a pedra fundamental, construindo o seu edifício...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________                        2.° CAPÍTULOC...
Jacob Lorber______________________________________________________________     Incomoda-lhe somente a escuridão. Julga-se ...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________Não conseguindo melhor visão, desespe...
Jacob Lorber______________________________________________________________                        5.º CAPÍTULOTentativa de...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________concluo não existir Divindade; ou, en...
Jacob Lorber______________________________________________________________com a consciência tranquila. No entanto, encontr...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________Começa a refletir sobre a origem do f...
Jacob Lorber______________________________________________________________                        8.° CAPÍTULODespertar do...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________    Agora sinto-me aliviado! Admiro a...
Jacob Lorber______________________________________________________________as criaturas passarão pelo meu estado atual — el...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________     Regozijo-me ainda hoje quando me...
Jacob Lorber______________________________________________________________ verdadeiro ser ele mais que um Filho de Deus? S...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________precisarei de muita paciência até que...
Jacob Lorber______________________________________________________________     Será o bom Jesus mesmo? É ele em pessoa! Ag...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________é íngreme e escarpado de um lado. Os ...
Jacob Lorber______________________________________________________________                       14.º CAPÍTULO       Rober...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________parecer sobre nosso estado precário. ...
Jacob Lorber______________________________________________________________      Se ele tivesse conseguido me matar, jamais...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________     Lembro-Me que exclamaste numa as...
Jacob Lorber______________________________________________________________     Bem sei que, atualmente, nas classes inferi...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________de modo sobrenatural. Certamente sabe...
Jacob Lorber______________________________________________________________rador, sei o que deduzir de teus ensinamentos e ...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________e isto num dos planetas mais ínfimos ...
Jacob Lorber______________________________________________________________nada são, porquanto os ensinamentos daqueles fil...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________flutuam no Espaço etéreo. Por que são...
Jacob Lorber______________________________________________________________duta, sem depender de uma orientação mais sábia,...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________                     20.° CAPÍTULO   ...
Jacob Lorber______________________________________________________________amigo! Agora vamos ao principal: A fim de que as...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________concentrado mais e mais, sobre o mar ...
Jacob Lorber______________________________________________________________têm de se submeter àquelas leis, sem reação, não...
Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________     Afirmo-te que ninguém estaria se...
Jacob Lorber______________________________________________________________     Concordo e digo mais: o que, então, é neces...
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)

1,023 views
848 views

Published on

palavra do Senhor transmitida a Jacob Lorber; Roberto Blum, um revolucionário, nos revela como Deus, em Seu Amor e Sua Sabedoria, conduz as almas desencarnadas por caminhos diferentes à grande meta da Filiação Divina. Além de informações surpreendentes sobre a vida que nos espera no Além, estas Obras, divididas em dois volumes, são um testemunho eloquente da imortalidade de espírito e alma humanos, e da grandiosidade do Plano de Criação Divino na infinidade do cosmos material e espiritual.

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,023
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Roberto Blum - vol. 1 (Jacob Lorber)

  1. 1. ROBERTO BLUM
  2. 2. Obras da Nova Revelação Recebido pela voz interna por Jacob LorberRoberto Blum(Comunicação 27-11-1848)Traduzido por YOLANDA HENRIQUETA LINAU Revisado por PAULO G. JUERGENSEN UNIÃO NEO-TEOSÓFICA www.neoteosofia. .br
  3. 3. ROBERTO BLUMRecebido pela voz interna por Jakob Lorber Traduzido por YOLANDA LINAURevisado por PAULO G. JUERGENSEN DIREITOs DE TRADuÇÃO REsERVADOs Copyright by Yolanda Linau uNIÃO NEO-TEOsÓFICA www.neoteosofia.org.br Edição Eletrônica 2011
  4. 4. SUMÁRIO1. A Vida de ROBERTO BLUM 72. Chegada do fuzilado no Além e suas primeiras impressões. Despertar da consciência e explicação errônea desta sensação 93. Roberto presume estar narcotizado 104. Grito desesperador por Deus. Referência à Pessoa de Jesus. Desejo da não-existência 105. Tentativa de marchar e nadar no Espaço trevoso. Monólogo 126. Calma externa, inquietação. O que é a vida? Desejo de paz oriundo da fé. A lembrança da família leva-o à prece 137. Respeitosa recordação de Jesus provoca fortes coriscos 148. Despertar do amor à vida. Ira e vingança transformam-se em pensamentos de perdão. Novo corisco e claridade permanente 169. Toda a sapiência do mundo é fútil. Por isto Jesus recomenda a fé 1710. Bons pensamentos sobre Jesus. Novo corisco ilumina a situação de Roberto, de modo benéfico. Cresce a fé na imortalidade e em um Deus de Amor. Aparece outro corisco 1811. Saudades de Jesus. A zona de luz se aproxima 2012. Surge uma criatura na zona iluminada. Será Jesus Mesmo? Imensa alegria de Roberto nesta expectativa 2113. Roberto grita por socorro. Pela primeira vez a alma desencarnada encontra solo firme 2214. Roberto e Jesus. Questão de importância vital 2415. Boa réplica de Roberto 2516. O Senhor faz promessas dentro de certa precaução. Discurso veemente de Roberto 2617. O Senhor faz objeções. A Natureza Divina de Jesus 28 V
  5. 5. 18. Necessidade da autoridade terrena. Não pode existir comunidade sem orientação. Ordem e obediência 3119. A obediência. Exemplos em a Natureza 3220. As cordilheiras e sua necessidade 3521. Aparecimento das montanhas médias e pequenas e sua necessidade 3622. Submissão gradativa entre os homens 3823. Roberto indaga do abuso do poder 4024. Resposta extensa e confortadora. O castigo é causado pela maldade do homem, e não por Deus 4225. Razão e finalidade da vida terrena. Felicidade terrena ou eterna? Que trouxeste contigo à Eternidade 4326. Resposta de Roberto: Devolvo minha simples existência à aquele me m’a deu! Haverá um Deus de amor que trate suas criaturas tão cruelmente? 4527. A emancipação do homem. Na educação aparentemente dura manifesta-se a mais elevada Sabedoria do amor 4828. A própria morte é um meio de salvação do Amor Divino 4929. O verdadeiro sentido do pronunciamento: “Afastai-vos de Mim, malditos!” Pecado contra o Espírito Santo 5130. O rico e o pobre, no Além. Quem é causador do inferno? Somente a maldade dos espíritos 5331. Quem é a Verdadeira Divindade? 5532. Roberto duvida da Divindade de Jesus; prontifica-se, porém, em nela acreditar cegamente 56 33. A fé verdadeira e a fé errônea. Perigos da vida nababesca 5934. Roberto externa sua noções de fé e de veneração divina 6135. As duas fontes de conhecimento do homem. A verdadeira fé provém da luz do espírito 6336. Roberto se aborrece pela recordação de sua fraquezas carnais. Deseja outras palestras em local mais agradável 6537. O perigo psíquico do elogio. O próprio arcanjo necessita de humildade para sua evolução espiritual 67VI
  6. 6. 38. Roberto se admira de não ter sido suficientemente humilhado. Recordação de sua vida passada 6839. Transformação benéfica em Roberto. Explicação acerca de João Batista como predecessor de Jesus 7040. Início de vida nova provinda do Espírito Divino. Orientação acerca de uma prova de liberdade em grau evolutivo 7241. Roberto se prontifica a tudo 7342. O verdadeiro irmão. Tudo se organiza dentro do amor a Jesus 7443. O novo e maravilhoso mundo de Roberto 7644. Tarefa de Roberto no novo lar. A primeira visita 7845. Roberto dá testemunho de sua fé 8046. Estado dos antigos companheiros de luta 8347. A casa de Roberto. Interpretação espiritual dos andares. Intercâmbio com o Senhor pelo coração 8448. O deslumbrante interior da casa. Cenas escandalosas provocadas pelos vienenses. O Senhor, pacientemente, cura os males psíquicos 8649. Um grupo de dançarinas humildemente pede acolhida 8850. Os vienenses pretendem requisitar algumas dançarinas. Roberto faz um sermão impetuoso. Salvação das almas à beira do abismo 9051. Os três companheiros de luta analisados pelo Senhor. As dançarinas, gratas, como instrumentos de boa vontade 9352. A obra do bem no espírito de Roberto. A dedicação do Senhor o comove e sua compaixão reverte em benefício das moças 9553. Os três revolucionários vienenses no Além. Seu parecer sobre Deus, inferno e destino 9754. Jellinek prova aos amigos a existência de Deus 9955. O heróis medrosos. Jellinek na vanguarda, vão sondar o terreno. Surgem o Senhor e Roberto 101 VII
  7. 7. 56. O coração de Jellinek se inflama pelo “amigo” de Roberto. O vinho celeste. Brinde de Jellinek e res- posta do Senhor 10357. Efeito do vinho celeste. Indagação por Cristo e Sua Divindade. Resposta de Roberto 10458. Primeira prova para os três amigos de Roberto 10759. O Senhor fala do “fim que justifica o meio” 10960. Humildemente as dançarinas pedem esclarecimentos acerca de Deus. Perigo das pesquisas externas 11061. Luta do homem contra os elementos impuros. Perfeição gradativa 11362. Os vienenses devassos, no jardim. Sua cura amarga, porém, necessária 11563. Reação dos hóspedes diante das bailarinas. A heroína das barricadas. O orador circunspecto 11764. O orgulhoso e circunspecto orador é admoestado por Roberto. A heroína, bondosa, em vão procura convertê-lo 11965. Os vienenses e o húngaro desabrido. A heroína se dirige a Jellinek, que lhe indica Jesus 12066. A heroína pede socorro para todos, junto ao Senhor, que lhe aconselha confissão plena 12267. Importante observação do Senhor acerca da finalidade desta comunicação, aparentemente chocante 12468. A heroína ansiosa e o orgulhoso circunspecto. Admoestação do Senhor. Milagre ocorrido com Helena 12569. Discussões em torno da transfiguração de Helena. O sonho e a vida real. Comparação feita por Olavo 12870. Vida conjugal do libidinoso. O prestimoso general 13071. O horizonte conjugal do libidinoso se anuvia. A ver- dadeira índole de Ema 13372. Exigências de Ema. Tentativa de conciliação 13673. Crise de nervos e transformação de Ema 138VIII
  8. 8. 74. Surpresa para o libidinoso. Bom conselho de Olavo 13875. Olavo intercede em favor dos amigos. Promessa do Senhor. O teimoso libidinoso 14076. O honesto engraxate e a Mira indesejável. Purificação psíquica do libidinoso que abandona a Assembléia Celeste 14377. Olavo pede ao Senhor saciar as pobres almas 14578. Advertência acerca dos ignorantes. Revelação do Conselho Celeste em vista do destino do orbe 14779. O venerável Conselho. Que deve acontecer à Terra? Falam Adão, Noé, Abraão. Isaac e Jacó 15080. Prosseguimento do Conselho. Falam Moisés e Davi 15481. Crítica de Pedro a Roma e contestação de Paulo 15682. Roberto Blum e Jellinek se externam. Resposta do Senhor 16283. A natureza do Gênero Humano é condicionada pela Terra e pela posição desta dentro do Universo 16484. Helena se recusa. mas finalmente se prontifica a falar 16785. O Senhor critica as propostas de Helena. A Terra não pode ser um Paraíso enquanto for campo de provação 17186. Conhecimento de Olavo. Um brinde celeste. A Nova Ponte de Luz e Amor da Graça Divina 17387. A Ceia Celeste em benefício dos habitantes da Terra. Cena comovedora entre o Senhor e Helena. Um aparte de Adão. Vestido de noiva e coroa de Helena, símbolos de seu amor puro e fervoroso 17688. Que vem a ser um justo beijo? O noivado Divino como prêmio do mais puro amor a Deus 17989. A Terra e seus horrores. O espírito do anti-Cristo. Uma alegoria na mesa do conselho 18190. Prosseguimento do quadro, em cima da mesa do Conselho. Por que Deus permite os horrores do mundo? 18591. Os contrastes são necessários à liberdade espiritual 187 IX
  9. 9. 92. Luta dos seis animais. Efeito desse espetáculo sobre os homens-lobos e o rei 18893. Amor-próprio e orgulho, raízes de todo o mal. A vontade Imutável de Deus como polo de equilíbrio 19094. Helena fala acerca do monstro de sete cabeças. Suas propostas de melhoria 19295. Importante explicação do Senhor acerca do desenvolvimento de seres livres e independentes. Chave-mor à compreensão da vida terrena 19596. A Obra de Salvação se destina principalmente aos filhos do mundo. Parábola da árvore infrutífera 19897. Volúpia e orgulho. Difícil incumbência de Roberto Blum junto ao libidinoso. Filosofia materialista 20098. O libidinoso faz justiça à verdade. Faz-se a luz da consciência demonstrando-lhe sua perversão diante de Deus 20499. Roberto encoraja o pecador, que hesita. Seus amigos o ameaçam. Finalmente, acompanha o mensageiro de Deus 206100. Dismas confessa sua grande culpa, mas não pede miseri- córdia e, sim, punição justa. Consequencia de pedido tão errado 208101. Teimosia de Dismas. Críticas acerbas de seus amigos bem intencionados 211102. Perplexidade de Dismas diante da condenação geral. Dirige-se com sinceridade ao Senhor, pedindo Graça e Misericórdia 213103. Ema e Olavo perdoam a Dismas. O Senhor dá testemunho do forte espírito “Paulino” em Dismas. Incumbência celeste ao convertido 215104. Dismas e seus amigos de antanho 217105. Obras do intelecto e obras do coração. Dismas conduz os renitentes ao Senhor 223X
  10. 10. 106. Controvérsia entre o Senhor e Bruno. Humildade e prudência deste atraem a Graça Divina 225107. Ceia celeste. Concorrência amorosa entre os convertidos. Bruno é convocado à prova máxima do amor ao inimigo 226108. O herói do amor rodeado por inimigos no Além. O Amor do Cristo a tudo suplanta. Grande pesca de almas 229109. Espírito cordato entre as almas desordenadas. Inúmeros ignorantes vão junto do Senhor. Bruno relata sua vida terrna 233110. O Senhor fala acerca da pescaria de almas. Pão, vinho e vestimentas celestes, como dádivas fortalecedoras 235111. Bruno é feliz, porém faminto e sedento. O juíz dentro da criatura. A ordem celeste 236112. Bruno orienta seus tutelados. Objeções de um oponente quanto ao renascimento e livre arbítrio 238113. Crítica acerca da deturpação da Religião pelo sacerdócio 242114. Bruno responde, inspirado pelo Senhor. Confronto entre a Doutrina do Cristo e os sistemas humanos 244115. Crítica a Roma. Elucidação de Bruno quanto à utilidade da noite 246116. Deturpação da Doutrina pura em virtude do lívre arbítrio. O Senhor ama as ovelhas de Roma. O fim de Sua Paciência 248117. Os convertidos temem, em parte, a aproximação do Senhor. Humorismo no Além 250118. Suscetibilidade de Bardo. Réplica de Nicolau 252119. A alma de Bardo é curada. Os desígnios de Deus. Confraternização celeste 254120. Vestimenta no Além. O Senhor abençoa os recém-vindos. Bruno e seus amigos incumbidos da organização do refeitório 256121. Conselhos de amigos. Dismas acha a solução acertada. A benção do amor ao próximo 259 XI
  11. 11. 122. Novas surpresas. Penetração de inúmeros guerreiros excitados. O chefe pede uma prece 263123. Um padre quer oficiar missa por dinheiro. O general repele e critica Roma. Roberto quer socorrer, quando o Senhor Se apresenta 265124. Alegria de Roberto pelo reencontro com o Senhor, que Se ocupa com o monge. Consórcio celeste 268125. Despertar espiritual do monge. Monólogo como ato introspectivo. Cristo é a Aurora vital do náufrago 271126. O monge ouve a Doutrina de Jesus, o Crucificado. O espiritualmente cego adquire a visão e reconhece o Senhor e Sua Graça Infinita 274127. Gratidão excessiva por parte do monge. A simplicidade do amor 278128. Tomás no Salão Celeste. Seu pedido a favor de seus oponentes. Sua primeira tarefa, em companhia de Dismas 281129. Tomás e Dismas, em missão. Esclarecimento quanto à Pessoa de Jesus e o caminho da salvação. O Senhor no limiar da Sala da Vida 283130. A grande multidão diante do Senhor. O General Teobaldo dirige-se a Deus. O segredo da vida eterna é explicado 286131. A grande Ceia. O general e seu amigo discutem acerca dos milagres Divinos. Tomás agradece pela cura. O inferno terráqueo 289132. Aproximação de uma falange de almas desesperadas. Filosofia acerca de carência de fé e amor 292133. O conde e o inescrupuloso. História de ambos 294134. Surge a vingança como consolo. O sofrimento ensina a orar 297135. Advertências espirituais feitas aos infelizes. Situação política de tal época 299XII
  12. 12. 136. Palestras a respeito de Jesus. Parábola do homem sem vestes Nupciais e das dez virgens 302137. O orgulho magiar rebela-se novamente, mas é abafado pelo inescrupuloso. O general e Roberto discutem acerca da contenda desses espíritos. Grande Paciência do Senhor 306138. O conde continua hesitando em dirigir-se ao Senhor. Um homem do povo toma a dianteira 309139. Faz-se a luz na alma do conde. Surgem uma cordilheira e um palácio maravilhosos. Aproximação de um mensa- geiro celeste 312140. Prosseguem as indagações acerca de Jesus e de Seu Paradeiro 317141. O franciscano discursa sobre o amor e critica o conde em virtude de sue título. Miklosch interfere 318142. Prédica rigorosa do estranho contra a tendência da crítica 322143. Últimas dúvidas do monge. Os pecados mortais 325144. Estupefação diante da maravilha e grandiosidade da mensionada casa. As almas anseiam por Jesus 327145. Encontro com velhos conhecidos. Surpresas! 330146. Momento supremo para o conde. O Senhor fala acerca da relação entre Pai e filho 333147. Contrição do conde. A maturação para o Conhecimento de Deus. O ignorante franciscano recebe orientação 335148. O franciscano recai em novas dúvidas. Seu pavor do inferno é curado pelo Senhor 338149. O franciscano insiste no dogma católico. Finalmente derrete o gelo nesta alma estarrecida 340150. O franciscano agradece ao Pai pelo alimento celeste. Abre-se o Reino de Deus. A assembléia de espíritos felizes, na sala principal 344 XIII
  13. 13. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________ 1.° CAPÍTULO A Vida de ROBERTO BLUM Este homem, de origem alemã, veio ao mundo em circuns-tâncias precaríssimas, e teve, com exceção dos últimos anosde sua vida, de lutar constantemente com a miséria mun-dana, por motivos bem fundamentados, todavia desconhecidospara ele. Sua alma e espírito se originavam do planeta Ura-no, do qual sabeis, pela revelação do "Sol Natural", seremseus habitantes capazes de remover montanhas através dapersistência, de sorte a realizarem, até mesmo como espíritos,o que não lhes foi possível fazer em vida. Foi preso e executado em virtude de sua audácia, incli-nação que demonstrava desde a infância. Muito embora EuMesmo lhe impusesse empecilhos eficazes, tão logo tentasseerguer-se, isto teve pouco êxito neste mundo. A constanteinsistência de seu espírito abriu finalmente um caminho, peloqual conseguiu ação mais dilatada. Partindo deste princípio, fez mil planos e os executouna medida do possível. Antes de tudo, seu coração se apegavaao bem dos povos e não mediu sacrifícios! Se tivesse tidotodos os tesouros da Terra, os teria arriscado, com a vida,na realização de tão elevado ideal! Este conceito ele devia à Escola de Religião Mundana,de Ronge (escritor e fundador do Catolicismo alemão, inde-pendente de Roma, 1813-1887). Não possuia propriamenteuma religião, nem igreja, e jamais as terá, porquanto negaa Mim, o Senhor, reduzindo-Me a um homem comum e dou-trinador da Antiguidade. Esta pretensa "Igreja Pura" rejeita 7
  14. 14. Jacob Lorber______________________________________________________________ a pedra fundamental, construindo o seu edifício sobre areia. Por tal motivo, sua existência será duvidosa. Quanto ao bem dos povos, a igreja de Ronge se coadu- nava com as idéias de Roberto Blum, sem base: o que vinha do mundo era ínfimo e sem força. Somente em sua oratória via o poder capaz de destronar todos os regentes. Neste ponto sua convicção era tão forte que impedia qualquer reflexão. Mesmo Eu advertindo-o intimamente, quan- do em empreendimentos mais audaciosos, não o impedia de realizar seu projeto. Seguia um lema: um alemão poderia sa-crificar tudo, menos uma idéia por ele projetada. Alguns sucessos fortaleceram ainda mais sua ideologia;deste modo, atreveu-se a "subir o Himalaia", porque fora bemsucedido na demolição de alguns montes políticos, ganhandoa confiança de todo o país. Esta confiança determinou-lhe a queda. Em Francfurt, numa Reunião Nacional, experimentou opoder de sua oratória. Compartilhando com o próprio espí-rito, regozijou-se com a vitória. Confiante, dirigiu-se rapida-mente a Viena, cujo povo acatava suas ideias. Lá, pretendeumatar trinta regentes de um só golpe, sem refletir que Eu— embora nada representasse para ele — tinha o direito demanifestar-Me antes que seu intento se consumasse! Baseava-se na Minha Doutrina, de que a pessoa deveriaser perfeita como o Pai Celeste, somente um é o Senhor —todos os outros, irmãos, sem distinção de classe e sexo. Noentanto, não acreditava Naquele que era exemplo para o aper-feiçoamento. O Senhor, a seu ver, era ele próprio, pelo poderda retórica! Esqueceu-se de que os regentes são criaturas pos-suidoras do Meu Poder, e que também consta na Minha Dou-trina —: "Dai a Cesar o que é de Cesar, e a Deus o que éde Deus". "Submetei-vos à autoridade boa ou má, pois nãohaveria poder sem concessão do Alto!" Só a prece e uma con-duta justa dentro do Meu Verbo podem lutar contra tal poder;jamais um usurpador político. Este homem foi preso naquela cidade onde queria con-cretizar o seu ideal popular, pelo poder das armas e de suaverbosidade. Após curto processo, em 9 de novembro de 1848,como indivíduo perigoso ao Estado, foi fuzilado. Deste modo,finalizou-se sua carreira na Terra.8
  15. 15. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________ 2.° CAPÍTULOChegada do fuzilado no Além e suas primeiras impressões.Despertar da consciência e explicação errônea desta sensação. Agora resta saber de que maneira sua alma e espíritochegaram no Além, qual sua posição, e o que fazem. É preciso observar que a maioria dos que perderam avida de modo violento, em virtude de uma condenação, chegaao mundo dos espíritos quais fugitivos cheios de ira e vin-gança, e, por certo tempo, sujeitos a delírios. Verdadeirascriminosas contra os Mandamentos de Deus, essas almas sãoatiradas ao inferno, para, no seu elemento, abrandar a sedede vingança. Conseguindo isto, voltam ao mundo dos espí-ritos para iniciarem uma prova de libertação, condicional-mente limitada. Almas como Roberto, que chegam como criminosos po-líticos, contraventores das leis terrenas, não obstante esta-rem em conexão com as de Deus, são no início levadas a umestado trevoso, como cegos, sem avistar outros seres, impe-didos de dar vazão à ira. Raiva e vingança já produzem acegueira na Terra, quanto mais no Além. Nesse estado per-manecem, até que a vingança se tenha tornado impotente,levando a alma a verter lágrimas. Este pranto ainda é con-sequência da raiva, mas, aos poucos se abranda. Na Terra, Roberto podia apenas salvar a honra, após terchegado à conclusão de tudo estar perdido; razão pela qualmostrou-se tão destemido no momento da execução, despre-zando a morte. Não era verdade, pois como neocatólico, nãoacreditava na sobrevivência da alma, sentindo então o pavorda morte. Cerca de sete horas após a execução, quando sua almacomeçara rapidamente a se concatenar, convenceu-se da fu-tilidade de sua fé terrena ao ver que continuava a existir.Esta convicção da continuidade individual levou-o a outradescrença: afirmava ter sido levado à praça de suplício a fimde passar pelo pavor da morte, e aparentemente fuzilado.Com tal propósito, os oficiais haviam vendado os seus olhos.Aturdido pelo medo, fora levado sem sentidos a um cárcereescuro, de onde seria libertado por um protesto de seus con-terrâneos. 9
  16. 16. Jacob Lorber______________________________________________________________ Incomoda-lhe somente a escuridão. Julga-se em um cubí-culo, sem umidade e mau-cheiro. Verifica não estar algemadoe tenta analisar o seu cárcere, imaginando a possibilidade dehaver por perto uma sessão de julgamento secreto. É grande sua estupefação, não vendo solo nem paredes,nem mesmo uma rede que lhe desse a sensação de estar sus-penso sobre uma catacumba. 3.º CAPÍTULO Roberto presume estar narcotizado. A situação lhe parece estranha e grave. Analisa seus sen-tidos, julgando seus membros adormecidos. Com fricções ebeliscões, se convence estar o seu corpo astral bem vivo. Após certificar-se de que não está encarcerado, que éapenas uma noite de escuridão total, pergunta a si mesmo:"Onde estou? Que diabo, o que fizeram comigo esses car-rascos sanguinários? Não me fuzilaram, estou vivo! Tambémnão me prenderam, não vejo solo, nem paredes, e meus pése mãos estão livres de algemas! Os sentidos também não mefaltam; tenho olhos, mas nada enxergo! Que coisa pavorosa!Aquele inimigo da Humanidade, que me fuzilou "pro-forma",certamente me aplicou um narcótico desconhecido que meatirou neste estado. Ai de ti, carrasco, quando eu me livrardeste torpor; vingar-me-ei de ti, tão logo volte a Francfurt. Esta situação não pode durar eternamente. Toda a Sa-xônia reclamará a minha liberdade. Chegando lá, vingareio ultraje feito a um deputado do "Reichstag"! Eu, toda aAlemanha e até mesmo a França, não descansaremos até queesta infâmia seja punida! Se, ao menos, pudesse despertar desta narcose! Clamopor vingança e nada posso fazer! Paciência, isto é passageiro!" 4.° CAPÍTULOGrito desesperador por Deus. Referência à Pessoa de Jesus. Desejo da não-existência. Após tais palavras, ele sei mantém calmo por algum tempo.Esfrega os olhos de vez em quando, para libertar-se do torpor.10
  17. 17. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________Não conseguindo melhor visão, desespera-se: "O que sucede?Que maldita situação é esta? Acaso não existe Deus, maispoderoso e justo do que os justos da Terra? Meu Deus, seexistes, estende o Teu Braço e vinga-me! Eu lutava pela causajusta das criaturas, Teus filhos, a fim de levá-los ao destinoalmejado por Jesus, o incompreendido doutrinador, que,pelo esforço e sacrifício a bem da Humanidade, foi preso pelosmiseráveis esbirros e morto no lenho mais vergonhoso da-quela época. Deus, se existes, sou tanto Teu filho quanto ele! Se TuaExistência perdurar apenas na consciência humana, comotambém a Tua força, minhas palavras são ocas, infrutíferas.Fui torpemente enganado e para todo o sempre! Por que fuiobrigado a me tornar um ser vivo consciente? Por que umaidéia amorfa no Espaço Infinito deveria transformar-se emuma entidade individual? Porventura surgi na vida, complena consciência, para ser fuzilado? Maldito acaso que meprojetou no mundo! Se existem demônios cuja perversidadeultrapasse a imaginação humana, que destruam o poder queme fez surgir! Pobres criaturas do mundo! Deixai de procriar! Não im-planteis no orbe outros seres para sofrerem de maneira atroz!E vós, que ainda tendes filhos, matai-os, para que tudo fiquevazio! Potentados, estrangulai vossos súditos, dividi entre vósa Terra amaldiçoada para satisfazer vossa tendência domi-nadora! Meu desespero é em vão! O que poderia uma gotaalcançar contra a força do mar revolto?! Cala-te, fraca ma-nifestação de minha mente! Compete a mim finalizar minhaexistência miserável!" Roberto tenta estrangular-se, suas mãos não encontramapoio e nem sente asfixia! Perplexo com este fenômeno, per-turba-se mais ainda. Resolve caminhar, concluindo "não serpossível haver naquele ambiente local ainda mais trevoso eincerto, não havendo motivo para temer um abismo e muitomenos um julgamento secreto! Talvez alcance alguma luz,ou então, a própria morte?! Que feliz estado deve ser o da morte total! Que felizfui antes de ser, sem a consciência para trair-me! Ah, se fossepossível o aniquilamento! Que seja! O aniquilamento totalé lucro e a morte um néctar; nada mais haverá para temer!Por isto, avante!" 11
  18. 18. Jacob Lorber______________________________________________________________ 5.º CAPÍTULOTentativa de marchar e nadar no Espaço trevoso. Monólogo. Começa a fazer movimentos para andar, mas não en-contrando solo, tem a impressão de balançar os pés, como seestivesse sentado em um banco. Pensa, então, em outro meioe diz: "Tentarei nadar, pois para me locomover preciso desolo firme; sem este, resta-me nadar ou voar, mas, faltam-measas! Céus, que triste esportista! Convém armazenar energiaspara sair daqui!" Começa a fazer movimentos de natação, sem êxito. Pros-segue, no entanto! Quanto maior esforço empreende, maioré sua decepção. Por isto, pára e diz: "Que tolo eu sou! Por que me canso?Encontro-me no nada; para que prosseguir? O nada contéma maior calma; à calma me entregarei para com ela identi-ficar-me! Talvez seja o caminho certo para a total destruição!Se ao menos tivesse a certeza de que fui fuzilado! Tenho aimpressão de ter ouvido o estampido dos fuzis. Neste caso,estaria morto! Talvez exista de fato uma vida após a morte? Sinto omeu corpo e minha roupa! Se a alma possui corpo, meupaletó terá alma? Isto levaria um homem igual a mim a ri-dicularizar o infinito! Ah, ah! A imortalidade de um paletósoaria pior que o poder milagroso do Manto de Cristo expostoem Trier, pelo Bispo Arnoldi! Mas..., se sou alma, o paletóme acompanha? Nunca! Não sou alma! Sou Roberto Blum! Deputado doReich, em Francfurt, para formar nova Constituição a quea Áustria não quer se submeter! Soube em Viena das inten-ções deste país: as suas aspirações pendem para o Absolu-tismo! Como um tigre lutei contra isto. Os canhões adver-sários foram mais poderosos e tive de desistir, a ponto dedeixar-me prender e, finalmente, fuzilar — aparentemente!Bonito prêmio para um coração devotado à pátria! Malditavida e maldito quem ma deu! Se existe Deus, que prazer poderá sentir em Sua Onipo-tência, quando as criaturas, demonstrando verdadeira frater-nidade, são cruelmente abatidas em virtude de um regime emeras discussões políticas? Se acontecem na Terra coisastão horrendas, não emanadas de Deus — o puro amor —12
  19. 19. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________concluo não existir Divindade; ou, então, só pode ser má,fatalidade que merece a maldição, já que considera as cria-turas bonecos de seu capricho! Repito: amaldiçoo a entidaderesponsável pelas criaturas infelizes! Agora, calma. Se pretendo encontrar a destruição dentrodeste nada, afasto-me do aniquilamento com o despertar denovas energias. Calma, muita calma!" 6.° CAPÍTULOCalma externa, inquietação. O que é a vida? Desejo de paz oriundo da fé. A lembrança da família leva-o à prece. Quanto mais Roberto se entrega ao silêncio, tanto maisvibra o seu coração, o que o aborrece, pois sente maior sen-sação de vida e consciência mais dilatada, aumentando odesespero e a raiva, compreendendo não poder livrar-se da vidaque lhe é desagradável. Começa a falar novamente: "Em nomedo diabo, desejava saber o que vem a ser esta vida nojenta daqual a pessoa não consegue livrar-se? Vi milhares morre-rem! A decomposição era o final! Teriam uma vida idênticaà minha?! Não consigo compreender a morte! Quem me conservaesta vida abjeta? Tu, ó responsável pela minha execução, teusverdugos não entendem do ofício! Não me fizeste fuzilar paramorrer, mas, ao contrário, para viver! Se teus auxiliares pro-duzem tais resultados, poupa teu esforço! Afirmo-te daqui,de minha noite trevosa: usando pólvora e chumbo, apenasvivificarás os teus inimigos. Aplicaste-me grande injustiça:tencionaste tirar-me o que jamais poderás me restituir! Pre-tendias matar-me; estou vivo! E tu, que julgas viver, estásmais morto do que eu, tua vítima! Tudo estaria bem, se houvesse um vislumbre de luz! Queo diabo carregue esta escuridão total! Que horror, perma-necer assim por toda a Eternidade! Talvez eu já seja umespírito, o que seria uma deplorável surpresa! Não, não creiona vida eterna! No entanto... tenho a impressão de terempassado muitos anos nesta escuridão! Necessito de luz, luz! Confesso a mim mesmo: preferia ser um sujeito bemtolo que acreditasse no Filho de Deus, no Céu e na morteeterna, no diabo e no inferno. Com tal superstição, morreria 13
  20. 20. Jacob Lorber______________________________________________________________com a consciência tranquila. No entanto, encontro-me natreva total e meu raciocínio é claro! Que culpa me cabe?Sempre procurei a verdade, creio tê-la encontrado. De nadame adianta, se não recebo luz. Já que é assim, que assimfique! Minha intrepidez e completa ausência de temor aindame valem. Se eu fosse como a maioria das criaturas, medroso,cairia em total desespero. Sinto em meu coração a tristeza e aflição de minha mu-lher e filhos, por minha causa. Coitados! O que posso fazerpor eles? Nada! Poderia orar, tenho tempo de sobra! Mas,a quem orar, e o que deveria pedir? O menor desejo paraque sejam felizes já é uma boa e verdadeira prece. Caso nãoos auxilie, não será prejudicial. Com exceção do Pai Nosso,Ave Maria e outros exercícios linguísticos, desconheço outraprece. Com tais tolices, minha boa e culta família agradeceriaadmirada, caso percebesse que eu faço tal coisa para o seubem! Mas, será possível saberem o que faço aqui?" 7.° CAPÍTULO Respeitosa recordação de Jesus provoca fortes coriscos. Prossegue Roberto: "Entre todas as preces, o Pai Nossoé a melhor. Assim o sábio doutrinador Jesus ensinou os dis-cípulos a orar. Esta oração, infelizmente, nunca foi bem com-preendida. É o resumo das necessidades principais de cadaum, devendo ser repetida, para que a criatura conheça suasverdadeiras carências. No entanto, é pronunciada como remé-dio para todas as necessidades e condições. Católicos e pro-testantes atribuem-lhe um poder mágico contra todos os ma-les, inclusive moléstias de animais! Isto, para mim, é insu-portável! Ó bom mestre Jesus! Se o teu destino é semelhante aomeu, certamente já te arrependeste por teres feito tanto bemà Humanidade maldosa! Dois mil anos nesta treva, possoimaginar como é duro!" Mal Roberto pronuncia com dignidade e sentimento oNome de Jesus, vê um forte raio, com o qual se assusta, masao mesmo tempo sente alegria, percebendo que não está cego.14
  21. 21. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________Começa a refletir sobre a origem do fenômeno e procura lem-brar-se das explicações referentes à eletricidade. Não chegaa uma conclusão satisfatória para o enigma. Ele pensa: "Aeletricidade necessita de condições naturais, negativas e po-sitivas. Aqui, no absoluto nada, isto não pode acontecer. Soualguém, como indivíduo consciente, mas não posso sustar onada! Agora me veio uma ideia! Oh, maravilhosa filosofia ger-mânica, fonte inesgotável de verdadeira sabedoria! Única emais segura conselheira e guia nas situações mais estranhas!Trazes a luz a todos os que te abraçam com amor e dedicação!Se é possível encontrar-se um indivíduo no reino do nada,é lógico existirem outros! É admissível então a existência deelementos produtores de eletricidade, sem que isto altere onada! Estou rodeado por vizinhos de espécie e forma diversas.Não estou só; isto causa-me bem-estar. Se eu tivesse me dedicado à filosofia, certamente estariaem condição vantajosa. Perdi-me em crítica religiosa sobre ogrande sábio e mais nobre doutrinador Jesus, entregando-meà compaixão inútil!" Novamente aparece o raio, mais forte ainda. Alarmado,Roberto não se conforma com a intensidade da luz, emborade curta duração. Parece-lhe ter visto contornos de objetosa longa distância, mas a luminosidade não permitiu defini-los. Após prolongado silêncio, consegue concatenar seus pen-samentos: "Ah, já sei! É uma tempestade que se estendesobre Viena! Estou acordando, aos poucos, de um atordoa-mento provocado pelo medo mortal e volto à vida. Certa-mente a atmosfera carregada de eletricidade me será favorá-vel; voltarei a mim sob uma trovoada em boas condições!Não ouço trovões, certamente ainda não começou o desen-cadear dos elementos! Talvez eu esteja surdo! Ouço meus pensamentos comopalavras, o que prova não estarem em pleno funcionamentoos meus órgãos auditivos! Talvez os recupere nesta ocasião?Não consigo compreender a estranha sensação do nada queme envolve. Que importa? Existo e vi coriscos, não estoucego! O melhor é esperar que a tempestade passe para nãoalterar a minha situação, que parece durar há cem anos!Acaso será também um engano? Se ao menos trovejasse paramodificar esta monotonia!" 15
  22. 22. Jacob Lorber______________________________________________________________ 8.° CAPÍTULODespertar do amor à vida. Ira e vingança transformam-se empensamentos de perdão. Novo corisco e claridade permanente. Roberto continua a monologar: "Será que tais coriscossurgiram apenas em minha fantasia, provando que em breveminha existência terá chegado ao fim? É bem possível, poiscomo comecei a me interessar por esta vida isolada..., éfato conhecido: quem preza a vida, a perde. Quem chama amorte não é atendido; quem a teme, desejando prolongar aexistência, em breve terá de deixá-la. Convém clamar pelamorte e desejar com ímpeto a minha destruição. Assim, es-tarei certo de que não morrerei tão cedo. Eis o meu caso: atirei-me aos maiores perigos por amoraos meus conterrâneos, para finalmente ser transportado paraaqui, com chumbo e pólvora! O príncipe Alfredo, chefe doEstado Maior de Viena, pensou ter determinado a minha exe-cução! Acontece que estou vivo! Eu, Roberto Blum, vivo paraa tua condenação, Alfredo, e a queda de tua dinastia. Por enquanto estou fraco, é claro! Mas, sinto que embreve estarei forte para vingar o meu sangue, infames ver-dugos! Em vida só contava comigo mesmo; agora, vivo noscorações de milhares, razão pela qual não desanimo! Enquanto a ira e a vingança estão no apogeu, seria me-lhor que a força me voltasse; com a maior calma poderiaassistir ao martírio de meus assassinos, por dez mil anos. Seminha revolta se abrandar nesta treva, prefiro continuar semforças, deixando agir o destino. É curioso não poder manter minha vibração de ira evingança. Às vezes se transforma em uma espécie de perdão,o que muito me aborrece. Refletindo um pouco, reconheçoser esta tendência bem germânica! Somente o alemão sabeperdoar! O perdão é uma virtude inerente às almas abne-gadas! Quem poderia dizer ao próprio assassino: "Amigo, fizeste-me grande mal, mas eu te perdôo, de coração!" Só um alemãopoderia fazê-lo, e eu o faço! Roberto o fará! Alfredo, crimi-nosamente me mandaste fuzilar; eu te perdôo, não me vin-garei e mil vezes perdoaria! Toda a Alemanha deve ouvir esaber que Roberto perdoou o crime do príncipe Alfredo!16
  23. 23. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________ Agora sinto-me aliviado! Admiro a minha nobreza, é umíntimo lenitivo! A lenda conta o mesmo sobre o grande Mestreque na cruz perdoou a todos os inimigos. Certamente suaalma era alemã, caso contrário outra seria a manifestaçãode caráter. Os orientais jamais o fariam! É isto, o grandeMestre Jesus era alemão!" Ao pronunciar o nome de Jesus, um raio se estende deOeste a Leste, perdurando um vislumbre peculiar que causaespanto a Roberto; sua hipótese de tempestade desmorona. 9.º CAPÍTULO Toda a sapiência do mundo é fútil. Por isto Jesus recomenda a fé. Pensativo, Roberto observa aquele vislumbre e não sabecomo explicá-lo. Após certo tempo, refaz-se da surpresa e,mais calmo, diz: "As nuvens se tornaram mais claras apóso terceiro raio. Percebo agora que estou flutuando, sem qual-quer base. Antes, em completa escuridão, esta sensação es-taria sujeita a engano; agora, é a plena verdade. Sei que morri fisicamente; não é admissível que um corpopesado se mantenha por tanto tempo no ar. Nada vejo, sóa mim mesmo. Devo estar longe de qualquer planeta! Tudoisto é muito curioso! Ó sábios da época, vossa sapiência parece fracassar! Ondeestaria a alma universal, na qual, de acordo com vossa afir-mação, a criatura se integra após a dissolução corpórea?!Onde está a divindade que deveria surgir no homem, eonde sua consciência?! Eu morri, encontro-me em completasolidão: nem sombra de divindade, nem tampouco minha in-tegração na alma universal! Pretensos sábios, todavia humanitários! Vossa visão é bemturva e o será ainda mais; nunca imaginastes sensação tãoestranha após a morte. Enganastes-vos, o que ainda fareis nofuturo! Por serdes alemães, tudo vos será perdoado! Se ti-vésseis outros conhecimentos, certamente não os teríeis omi-tido aos vossos adeptos! Sois justos! Vosso zêlo não é de utilidade para este mundo; lançastes,no entanto, a idéia de uma ordem. No que diz respeito a estavida de Além-túmulo, tão discutida — na hipótese que todas 17
  24. 24. Jacob Lorber______________________________________________________________as criaturas passarão pelo meu estado atual — ela dispensaleis. Quais seriam, no momento, as minhas obrigações? Cer-tamente as mesmas de uma nuvem impelida pelo vento! Denada me valeriam a sabedoria de Salomão ou a força de umgigante. Seria melhor viver e morrer com a superstição de Roma,na fé cega de que a alma teria de continuar sua existência,boa ou má, eternamente, do que — como adepto de Ronge,perder toda a sensação de vida, o que desperta pavor, comoexperimentei. Prefiro mil vezes esta escuridão, do que passarnovamente por esse sofrimento horrível! Ó doutrinadores, ensinai os vossos adeptos a terem fé;eles morrerão mais felizes do que eu, com toda a minha in-telectualidade! Agora compreendo porque o Grande Mestresempre recomendou a fé!" 10° CAPÍTULOBons pensamentos sobre Jesus. Novo corisco ilumina a situaçãode Roberto, de modo benéfico. Cresce a fé na imortalidade e em um Deus de Amor. Aparece outro corisco. Prossegue Roberto: "O mais sábio doutrinador dos povos,igual a mim, nasceu de pais pobres e, através de privações,deveria elevar-se ao mais alto cume da sabedoria. Por partedo sacerdócio judáico teve de suportar as piores perseguições!Deveria ter sido difícil atingir tal cume entre os seguidoresde Moisés e Aarão! Certamente teve oportunidade de chegar ao Egito em com-panhia dos progenitores — que na própria pátria poucos meiosde vida teriam encontrado — ou com alguma caravana qual-quer, despertando a atenção de algum sábio, em virtude deseus talentos excepcionais e inatos. Deve ter frequentado aescola e se iniciado em todos os segredos e, empregando-ossabiamente, deve ter causado a maior sensação em meio deseus conterrâneos. Talvez até chegasse à escola dos essênios— naquela época a quinta-essência da sabedoria mundana—e deste modo era natural apresentar-se ele qual deus diantedos judeus ignorantes: um consolo da pobre Humanidade,muito embora causando aborrecimento ao sacerdócio rico eorgulhoso!18
  25. 25. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________ Regozijo-me ainda hoje quando me lembro da maneiracomo admoestou os sacerdotes, incapazes de conterem suaraiva! Infelizmente, tornou-se no final uma vítima de suaintrepidez e da infâmia das feras do Templo, enfeitadas comprata, ouro e pedrarias. Mas. . . acaso tive mais sorte? Oh, não! Também sou ummártir de minhas mais nobres aspirações: tencionava libertara Humanidade das algemas da escravidão e o prêmio foi amorte mais estúpida em Brigittenau! A Humanidade todaestá perdida, pois mata seus maiores amigos e aos adver-sários mais infames ela faz ovações e passeatas com bandade música! Seja como for — estou livre de tudo, com a convicçãotirada da História de que todos os benfeitores dos povos nãotiveram melhor sorte do que eu que, não obstante minhamelhor boa vontade, longe estou de ser um Jesus!" Ao pronunciar este nome, surge um raio poderoso juntode Roberto, deixando uma espécie de luz crepuscular e umazona ao Norte que ele bem pode vislumbrar. Conquanto também o surpreenda o raio, ele não mais seassusta e reflete da seguinte maneira: "Realmente, muito es-tranho! Agora o corisco atravessou-me o corpo e, pela pri-meira vez, senti uma aragem agradável e confortadora! Suamaior projeção de luz me causa sensação de conforto ao coraçãoe olhos. Ao que me parece, vejo uma zona nublada, o queme convence de estar realmente flutuando no ar! Noto, tam-bém, pés e mãos e até mesmo a roupa que usei na hora daexecução! Oh, quem no mundo não daria boas gargalhadasse alguém afirmasse que, após a morte, não só a alma, naulterior figura humana, mas até a roupagem se tornaimortal. Shakespeare tinha razão quando dizia: "Entre Lua e Solocorrem fatos que o intelecto humano jamais imaginou". Oh,Shakespeare, desses fatos faz parte a imortalidade da roupaterrena! E — o que mais me intriga — ter sido justamenteminha farda, como a do máximo vexame aos olhos dos ini-migos, levada comigo à liberdade! Isto só pode ter sido obrade um Deus amoroso e justo! Agora acredito, não obstante afilosofia de Hegel e Strauss, existir um Deus Verdadeiro quenão precisa indagar deles se permitem Sua Existência! Algo estranho é a observação de que ao pronunciar onome do grande oriental surge um raio! Haveria algo de 19
  26. 26. Jacob Lorber______________________________________________________________ verdadeiro ser ele mais que um Filho de Deus? Se até mesmo as fardas são imortais, por que Jesus — hum, novo raio, e desta vez mais forte que antes! Estranho, muito estranho!" 11° CAPÍTULO Saudades de Jesus. A zona de luz se aproxima. "Talvez se encontre, iqual a mim, nesta zona e corres-ponde-se comigo, seu semelhante, de maneira inteiramenteinofensiva, como reminiscência terrena? É isto! Pois era pe-rito na magia egípcia, pelo conhecimento das forças da Na-tureza, o que explica também seus milagres, deturpados como tempo — uma vez que os turcos queimaram a grande Bi-blioteca de Alexandria! Assim como mantive a filosofia de Hegel e Ronge, eleconservou seu grande tesouro de sabedoria, de onde transmite,por meio de raios, estar na minha proximidade e desejar en-contrar alguém neste vácuo. Não deve ser brincadeira satis-fazer-se com sua própria pessoa — mesmo sendo o espíritomais lúcido do mundo — no decorrer de 1840 e alguns anos! Oh, maior amigo da Humanidade! Não mereço, diantede tua grandeza, desatar tuas correias; mas, de que adiantaaqui a grandiosidade mundana?! Desvanecem brilho e cele-bridade terrenos! Teu nome — e no futuro também o meu —serão louvados e admirados! Que nos adianta isto? Podemosapenas nos comunicar reciprocamente por meio de coriscos. Se fosse possível aproximarmo-nos, tal companhia seriasuficiente para toda a Eternidade! Duas almas afins jamaishaveriam de sentir carência de assuntos maravilhosos, encur-tando deste modo o tempo ou o Infinito, tornando-o maisatraente! Que vale, porém, qualquer desejo? Quem poderiarealizá-lo? Assim como nós, quantos estarão flutuando? Os corposcósmicos, em eras remotas, foram o que hoje somos? Apóstrilhões de anos, se agruparam inúmeros átomos ao seu redor,dando origem aos corpos, em cujo centro ainda habitam osmesmos espíritos ou almas! Talvez, meu grande amigo, te transformaste, no decorrerde cerca de dois mil anos, num pequeno cometa, e assimconsegues emitir raios de tua própria esfera? Eu, por certo,20
  27. 27. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________precisarei de muita paciência até que alcance a projeção deuma pequena atmosfera! Talvez estejas lá onde percebo umazona nublada? E, quando te tiveres tornado um planeta, euserei teu satélite? E, quando fores — em miríades de anos— um Sol, eu serei, talvez, teu planeta mais próximo, comoo atual Mercúrio? Tais esperanças se projetam no Infinito e convém es-perar com paciência. Na Terra, as esperanças passageiras de-veriam erguer o ânimo das criaturas sofredoras; por isto,convém aqui — no Reino da Eternidade — empregar os meiosadequados, caso não se queira cair em desespêro! Mas... que é isto? Aquela zona turva está ficando maisclara e parece aproximar-se! Isto seria ótimo e tal qual euimaginei! Meu grande amigo Jesus — hum, eis o corisco! Mas, nãoimporta! O que ia dizendo? Ah, sim! Meu grande amigo ouviuo meu mais ardente desejo e se empenha para vir aqui. E,quando o fizer, certamente me atrairá ao seu mundo, redo-brando a força de atração dos átomos, o que aumentará suaprojeção sideral! Quiçá já o circunda uma quantidade deseres afins? É bem possível, pois já houve muitas pessoassemelhantes a mim! Se lhe é possível atrair-me, também terá atraido aquelesque, antes de mim, passaram pelo caminho da cruz! Destaforma, encontrarei um grande grupo de pessoas a seu redor!Como isto me alegraria! Pelo que me parece, isto está setornando realidade; a zona estranha vem se aproximandomais clara e nítida! Vislumbro algo semelhante a pequenomorro rodeado de várias colinas! Graças a Deus! Desta formaalcançarei uma base mais sólida! 12.º CAPÍTULOSurge uma criatura na zona iluminada. Será Jesus Mesmo? Imensa alegria de Roberto nesta expectativa. Prossegue Roberto: "Oh, meu coração, alegra-te, poisaquela região já se acha bem próxima de ti! E, se minhavisão não me engana, noto a figura de alguém em cima dopequeno morro e parece acenar-me! 21
  28. 28. Jacob Lorber______________________________________________________________ Será o bom Jesus mesmo? É ele em pessoa! Agora com-preendo que, ao pronunciamento de seu nome, um raio pro-jetou-se até mim! Será maravilhoso encontrar-me em com-panhia daquele espírito, cuja grandiosidade e sabedoria ini-gualável tantas vezes admirei! Oh, pobres e tolas criaturas da Terra, que vos julgaissuperiores aos necessitados em virtude de vossos bens terrenose de um nobre nascimento — digo-vos a todas que não me-receis trazer no cérebro os detritos dum pobre, pois nestecaso saberíeis algo daqui! Desprovidas até mesmo disso, soistão infinitamente tolas por vos julgardes algo excepcional,enquanto sois menos do que nada! Qual não seria a reaçãode um ricaço orgulhoso caso um honesto trabalhador se atre-vesse a pedir em casamento sua filha "nobre"; ou, tendo eleum filho de boa índole, que se elevasse acima da vaidadereferente à família e ao dinheiro, almejasse unir-se à filhadum pobre operário? Ora, tal atitude seria um verdadeirosacrilégio! Mas, vinde aqui, idiotas semimortos! Sabereis o que soispelo nascimento, antecedentes e fortuna! Nem um demôniovos libertará de vosso banimento eterno e trevoso; pois osque a Divindade vos enviou para salvadores, desde Adão, pren-destes e assassinastes cruelmente. Agora declaro, talvez docentro universal: Vossa época chegou ao fim; dentro em breve estareis aquie perguntareis pelos vossos antepassados orgulhosos! Mas oEspaço Eterno, vazio e trevoso, rodear-vos-á para sempre!Deus por certo não poderá construir uma casa de lesma,muito menos um mundo, de vossa índole atrasada! Por mim,Ele fará o que quiser! Estou sobremaneira contente que meumais caro amigo já se acha tão perto de mim, que até lhepoderia falar! Graças a Deus por esta surpresa! 13.º CAPÍTULO Roberto grita por socorro. Pela primeira vez a alma desencarnada encontra solo firme. Diz Roberto: "A zona estranha se aproxima cada vezmais; o monte onde se acha o Grande Mestre da moral maiselevada é bem considerável. Mede talvez alguns cem pés e22
  29. 29. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________é íngreme e escarpado de um lado. Os outros montículospodem ser tomados por pequenas elevações de areia, das quaisa maior mal medirá trinta pés. Vêm-se apenas iluminadasas elevações, enquanto os vales são nublados, de um verdeescuro, impossível de saber-se sua extensão. Penso que desta forma se assemelham aos recém-cons-truídos corpos cósmicos antes de começarem sua trajetóriaao redor do Sol, como simples cometas. Tais montes certamente terão uma ligação subterrânea,que o Grande Mestre da mais pura moral talvez saiba ex-plicar! Já está bem perto e me ouviria, caso o chamasse emvoz alta! Vou experimentar, pois o êxito será bom para mime talvez para ele; e, caso eu o chame em vão, não será estemeu primeiro, nem último grito baldado!" A seguir, Roberto junta as mãos à boca, como funil, res-pira profundamente e grita com toda força: "Jesus! GrandeMestre de todos os povos da Terra tola — se és aquele quevislumbro ao longe, vem cá, com teu pequeno planeta, se tefor possível! Encontrarás em mim o maior e mais ardenteadorador! Primeiro, considero-te em virtude de tua sabedoriasimples, contudo elevada, pela qual ultrapassas todos os teuspredecessores e sucessores. Segundo, prezo-te por ter sidoidêntico nosso destino na Terra. Terceiro, porque foste eainda és o primeiro a trazer luz a esta treva insuportável —por acaso ou premeditadamente — pelo que te serei eterna-mente grato. Se fores realmente o meu tão estimado Jesus e puderesvir a mim, porquanto ouviste meu brado, vem, vem, e vamosnos consolar reciprocamente! Além disto, estou plenamenteconvicto de que me confortarás com tua enorme sabedoria!Vem, pois, vem, meu mais caro amigo e companheiro dedesdita! Ó Mestre do Amor, que fizeste do Amor a única lei uni-versal; se este sentimento em ti perdura, como em mim, demodo íntegro, lembra-te disto e vem junto de mim com omesmo amor que ensinaste e que também te quero render!" Após tal exclamação vibrante, o pequeno mundo luminosose move rápido aos pés de Roberto, de sorte que, pela primeiravez após sua desencarnação violenta, ele pisa solo firme, pre-cisamente ao lado direito de Jesus! 23
  30. 30. Jacob Lorber______________________________________________________________ 14.º CAPÍTULO Roberto e Jesus. Questão de importância vital. Assim apoiado, Roberto Me observa dos pés à cabeça eencontra o inegável Jesus que acreditava achar, no mesmotraje precário e com os estigmas, conforme ele Me havia ima-ginado tantas vezes. Observando-Me assim, calado, as lágrimas lhe corremsobre a face. Quando mais calmo, diz, cheio de compaixão:"Caro e maior amigo da Humanidade, cujo coração foi capazde perdoar até mesmo aos mais cruéis verdugos o mais in-famante ultraje, porque aceitavas, em tua dignidade humana,a cegueira completa como justificativa. Em compensação, quão inclemente deve ser a Divindade,Teu Pai, tantas vezes por ti honrado e louvado — se é queexiste — porquanto deixou-te, a mais nobre e perfeita cria-tura da Terra, quase dois mil anos neste eterno vácuo e namesma pobreza que te acompanhou desde tua infância! Querido Mestre Jesus, mereces o maior amor! Como teamo e como sinto a maior compaixão para contigo em virtudede tua miséria que perdura! Se te tivesses apresentado apenasum pouco mais feliz, ter-me-ia aborrecido por um espíritosemelhante ao teu após a morte não ter alcançado a máximadistinção, caso exista uma divindade justa! Como te encontro tal qual viveste na Terra, a situaçãodos seres parece bem diversa da nossa imaginação. Assim,somente após épocas extensas poderemos realizar aquilo quecondiciona nossa base de vida dentro da capacidade de co-nhecimento e vontade. Considerando nossa existência aqui, é ela tanto mais las-timável porquanto a força realizadora daquilo que projeta-mos, em virtude dos conhecimentos adquiridos, dista muitodo poder de nossa vontade. A fim de equilibrar a futura rea-lização com a deficiente força de vontade, possuímos, porsorte, certa indiferença, que também poderíamos denominarde paciência. Ela faz com que suportemos nosso estado; en-tretanto é, de quando em quando, posta a tais provas quepoderíamos comentar até em eternidade! Caríssimo amigo, fiz com isto minha confissão fiel e ver-dadeira. Caso me aches merecedor, peço-te externares teu24
  31. 31. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________parecer sobre nosso estado precário. Somente pela permutade ideias poderemos torná-lo mais agradável. Abre, pois, nobreamigo da Humanidade, tua boca santificada!" Digo Eu, Jesus, estendendo a mão a Roberto: "Sê ben-vindo, caro companheiro de desdita, e sê feliz por Me teresencontrado, e não te preocupes com o resto. Basta que Meames e Me julgues, dentro de teus conhecimentos, o maisnobre e sábio. Deixa todo o resto por Minha conta e dou-tea promessa bendita que tudo correrá bem, não obstante osacontecimentos vindouros! Nesta solidão refleti sobre todosos assuntos e te afirmo que consegui, pela prática do poderda vontade, realizar tudo que penso e quero. Se, contudo, tecauso impressão de abandono e isolamento, isto se baseia emtua visão imperfeita para este mundo; se, com o tempo, elase tornar mais forte pelo amor a Mim, verás o poder de MinhaVontade. Além daquilo que falamos, faço-te uma pergunta séria eimportante, a qual me responderás sem restrição, de acordocom teu sentimento! Dá-se o seguinte, caro amigo e irmão:Quando estiveste na Terra, tua boa índole tencionava libertarteus irmãos da pressão excessiva dos regentes tiranos, muitoembora sem escolher os meios adequados! Considero, noentanto, apenas a finalidade e não o meio, que Eu aceitocomo justo, não podendo ser classificado de cruel! Peloque sei, foste preso e executado, sem realizar o teu ideal. Achotambém justo que tal resultado deplorável tenha feito vibrarteu coração de sentimentos vingativos! Se, porém, tivessescapturado o marechal austríaco, inclusive todos os seus sú-ditos, ele que te fez condenar à morte — que lhes terias feito?Responde-Me com sinceridade!" 15.° CAPÍTULO Boa réplica de Roberto. Diz Roberto: "Nobilíssimo amigo! Minha reação, no mo-mento em que aquele tirano me tratou qual reles criminoso,é perdoável para qualquer espírito justo. Os tempos, porém,mudaram e agora desejo para esse cego nada mais que luz eo reconhecimento de sua atitude para comigo, se foi justaou não. 25
  32. 32. Jacob Lorber______________________________________________________________ Se ele tivesse conseguido me matar, jamais eu poderia pensar em vingança. Assim, fuzilando-me para a vida, não mais poderá prejudicar-me e, além disto, sendo eu mil vezes mais feliz do que ele em sua tendência dominadora, é-me mais fácil perdoar-lhe; porquanto, pela aparência, teve muito mais motivo em liquidar-me como sujeito perigoso, do que em tua época, o sumo sacerdote de Jerusalém o fez de modo tão cruel, meu nobre amigo! Se te foi possível perdoar aos teus verdugos, na plena consciência das dores atrozes, quanto mais eu que, fisica- mente, descontando alguns instantes, nada disto senti. Por isto, se meu inimigo n.° 1 me aparecesse, eu só lhe diria o que disseste a Pedro, por ocasião de teu aprisiona- mento em Getsemani, ao decepar a orelha de Malco. Sei que este meu desejo não se realizará, pois, se existe no Espaço Infinito um Deus de Justiça, Ele fará com que receba aquilo que merece. Se tal existência for um mito — o que agora não mais concebo — o tempo e a História lhe farão justiça, sem que eu seja obrigado a desejá-lo! Se permites que te faça um pequeno pedido de meu co- ração e tu o puderes realizar, entrego-te minha pobre família e todas as pessoas de boa índole! Aos egoístas, que julgam ter feito tudo pelo zelo para si e seus descendentes à custa de outrem, faze com que sintam em vida o sofrimento dos que deles dependem! Considera isto não como uma exigência; de minha parte, mas apenas um pedido para o bem deles. Por mim, já encontro em ti a recompensa por tudo que sofri e perdi!" 16.º CAPÍTULO O Senhor faz promessas dentro de certa precaução. Discurso veemente de Roberto. Digo Eu: "Tua resposta não podia ser melhor em assuntatão importante, uma vez que a deste tal qual a sentes emteu íntimo. De minha parte, asseguro-te que satisfarei teuspedidos de acordo com Meu Poder e Força. Apenas não posso conciliar teus pensamentos humani-tários com o prazer que manifestavas quando um aristocrataorgulhoso era exterminado pela plebe! 26
  33. 33. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________ Lembro-Me que exclamaste numa assembléia, em Viena,sob aplausos estridentes, que na Áustria e em outros paísesas coisas não melhorariam antes de serem liquidadas umascem cabeças proeminentes! Falaste aquilo dentro de tua con-vicção, ou apenas para dar maior ênfase ao teu discurso?" Responde Roberto: "Quando, na Terra, dedicava minhavida à felicidade e ao progresso da Humanidade pobre e opri-mida, e tendo feito a experiência de como os ricos aristo-cratas se regalavam com o suor e o sangue dos pobres quelhes construíam tronos, burgos e palácios; quando depreendide todos os partidos da Áustria que a dinastia fazia tudo afim de induzir ao antigo absolutismo para algemar o povo,isto foi demais para meus sentimentos de fraternidade. Setivesse cem mil vidas, eu as daria em prol dos irmãos; en-quanto os potentados nem se perturbam com a morte de mi-lhares, uma vez que aumentem seu próprio prestígio! Se um coração cheio de amor ao próximo assiste a taiscrueldades, não se lhe pode acusar se, numa revolta justa,é levado a certas exclamações que jamais teriam passado pelasua mente numa situação normal. É bem possível que tudoisto se baseie no plano insondável duma eterna Providência— que desconheço — e que tudo aconteça conforme foi pre-visto. Mas, que sabemos nós e que temos a ver com leis se-cretas e incompreensíveis que um Ser Divino determina noInfinito. Conhecemos apenas tuas elevadas leis do Amor, quedevemos cumprir à custa de nossa vida! O que passa daí,não nos compete. Talvez existam outras, num mundo solar,mais sábias ou mais tolas do que aquelas que nos deste! Seria,porém, loucura se devessemos organizar a nossa vida dentro deoutras leis que, certamente por eternidades, nos serão desco-nhecidas! Temos e reconhecemos apenas uma lei como divinae verdadeira pela qual, a julgar logicamente, toda e qualquersociedade poderá existir. O joio lançado por criaturas egoístasem teu campo de trigo merece ser arrancado e queimado! Digo-te com sinceridade: enquanto o homem for homemdentro de tuas leis, merece todo respeito humano; elevando-se e pretendendo ser mais que seu próximo, à custa do mesmo,declaro nula tua lei; deixa de ser um irmão para se tornarsenhor, e lida com a existência alheia como se fora sua pro-priedade! Neste ponto sempre serei Roberto Blum e jamaiscantarei louvores aos soberanos! 27
  34. 34. Jacob Lorber______________________________________________________________ Bem sei que, atualmente, nas classes inferiores, muitoshá que só podem ser mantidos dentro da ordem através doaçoite. Quem tem culpa disto? Precisamente os que dominamo povo, aumentando sua cegueira, a fim de nela escudar opróprio domínio! Meu amigo, jamais Roberto Blum — e muitomenos Jesus de Nazaré — cantarão hosanas a tais ditadores! Existem alguns poucos, justos e equilibrados em seu re-gime, verdadeiros amigos dos súditos. Os tiranos e assassinosaos povos só posso comparar a demônios! Creio ter respon-dido sem rodeios e te peço que te pronuncies! Sou firme nasminhas convicções, todavia não irredutível se me puderes con-vencer de coisa melhor!" 17.° CAPÍTULO O Senhor faz objeções. A Natureza Divina de Jesus. Digo Eu: "Caro amigo e irmão, em absoluto posso con-denar teu modo de pensar e agir; onde existem situações entreregentes e povos conforme relataste, tens plena razão de agire falar como fizeste. Se as coisas, porém, forem diferentes doque pensas — qual será teu critério a respeito? Confessasteque as relações humanas eram por ti observadas sob o prismade Minhas Leis de Amor e nada tinhas a ver com determi-nações transcendentes. Neste ponto não concordo, por muitasrazões. Uma, é o mandamento dado por Mim, pelo qual EuMesmo Me mostrei submisso ao poder mundano, enquantotinha força de sobra para reagir a qualquer um. Outra é ofato que Eu no Templo determinei de dar-se a Cesar o quelhe compete e a Deus o que é de Deus! Além disto, falei,através de Paulo, em obedecer à autoridade, condescendenteou severa, pois que nenhuma tinha poder, senão do Alto! QueMe dizes a estes Mandamentos?" Responde Roberto: "Amigo da Humanidade, observandoeste caso com certa ponderação, julgo que a necessidade da-quela época levou-te a externá-las para proteção de tua dou- trina, tua pessoa e do próprio Paulo. Pois se tivesses atacadoos reis, corno fez Jehovah pela boca de Samuel, tua moralelevada e imaculada dificilmente teria sobrevivido sob o do-mínio mundano de Roma, cerca de dois mil anos, a não ser28
  35. 35. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________de modo sobrenatural. Certamente saberás melhor o que deverdade contêm, pois não fui, como tu, testemunha dos hor-rores dessa nova Babel! Meu parecer é o seguinte: se fosse de tua intenção res-peitar as autoridades mundanas, boas ou más, terias, pelaprepotência deste mandamento, desistido da tua doutrina ex-cessivamente liberal e sua propagação, e admitido ser precisoa pessoa continuar para sempre um pagão atrasado — umavez que uma autoridade gentia, muito embora não maldosa,obrigasse um povo a persistir na religião dos antepassados,adorando os deuses, e, por nada deste mundo dando ouvidosà tua nova doutrina! Afirmaste: Dai a Cesar o que é de Cesar, e a Deus o queé de Deus; mas, não marcaste os limites — o que cabe aCesar e a Deus — tornando-se fácil ao Imperador arrogar-sedireitos somente cabíveis à Divindade, desconsiderando seuspróprios deveres que determinam sua gestão. Com tudo isso, tua expressão de antanho e dentro danecessidade da época, é mais fácil de ser limitada do que omandamento paulino, com forte demonstração de temor aospotentados, pelo qual até mesmo conviria renunciar a sercristão, uma vez que tal regente ache perigosa tua doutrinaem sua pureza e inconveniente — conforme a religião ateistade Roma demonstrou no decorrer de vários séculos. Talvez houvesse um motivo, até hoje não descoberto, quelevou o bom Paulo a emitir tal preceito; do ponto de vistanatural, não deixa de ser tolice. De um lado consta: "Soistodos irmãos e Um é vosso Senhor!" De outro lado está omandamento que recomenda fiel obediência às leis terrenas! Amigo, isto não é possível! Ou uma, ou outra coisa!Sendo preciso seguir-se a ambas, servir-se-á a dois senhores— caso por ti condenado. Ou a pessoa deveria aprender aexternar dupla individualidade, pela qual faria externamenteo que exige o Governo enquanto internamente amaldiçoariatal atitude, fazendo em segredo o que exige a parte liberal doTeu Ensinamento — fato não só mui difícil, como às vezesimpossível e, no mínimo, extremamente perigoso! Crê-me, nobilíssimo amigo, ponderei, como talvez poucos,todos os pontos de tua doutrina e penso estar orientado sobreo que ensinaste livremente, qual teu fito principal, e aquiloque tu e teus discípulos propagastes em virtude das circuns-tâncias ameaçadoras daquela época. Todavia, sou teu ado- 29
  36. 36. Jacob Lorber______________________________________________________________rador, sei o que deduzir de teus ensinamentos e não contestotuas palavras referentes à obediência às leis terrenas por-quanto tu mesmo te deixaste pregar à cruz por tal motivo! Ultrapassa o meu atual horizonte de conhecimento se po-derias ter reagido através de uma força sobrenatural. Bempode ser, e se tuas ações não foram incorporadas à doutrinacomo fábulas de semideuses, torna-se isto até mesmo certezade que o maior sábio dispunha de forças excepcionais, comoconhecedor da Natureza. Tua paixão e crucifixão puseramem dúvida teu poder milagroso, provocando grande aborre-cimento. Eu e muitos outros, porém, extraímos apenas a pu-reza da doutrina e excluimos tudo que se assemelhava a ummito posteriormente incluído. Se nossa atitude foi certa ou não, espero ouvir de ti,como autor da doutrina, e se algo de verdade existe na tuadivindade, ensinada pela Igreja Católica e matematicamenteprovada por Swedenborg no século dezoito. Um filósofo acei-tará com dificuldade tal idéia, porquanto teria aspecto con-traditório. Imagina tu mesmo um Ser Supremo cuja Inteligência,Sabedoria e Poder são incontestavelmente ilimitados, de sortea se tornar logicamente impossível concentrar-se o Infinitonuma só pessoa, e te pergunto se existe a convicção, apósreflexão profunda, que tu e a Divindade Infinita e Imutávelpossais ser idênticos? Como "Filho de Deus" nada tenho queobstar, pois toda pessoa de boa índole também poderá afir-mar tal coisa de si mesmo. Deus e Homem a um só tempo,isto excede qualquer possibilidade! Aliás, não me oporei, casome seja provado;pois, já afirmei anteriormente ser possívelexistirem coisas entre Sol e Lua que ninguém jamais tenhasonhado; porque então não admitir-se, entre tais coisas ex-traordinárias, seres tu o Ser Supremo? Talvez a Divindade,até então adormecida, tivesse despertado e passado à claraconsciência dentro de ti? Quiçá ela sentisse em si a necessidade de se manifestarqual homem entre os demais, para por eles ser compreendidae vista, sem com isto perder algo de seu Poder Supremo eUniversal? Tudo isto é admissível, mormente aqui, onde avida assume um caráter extremamente misterioso. Como e por que a Divindade manifesta em ti deixou-secondenar à morte por um grupo de judeus maus e loucos —30
  37. 37. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________e isto num dos planetas mais ínfimos — é algo incompre-ensível! Penso que tu mesmo nunca o afirmaste, pois conheço tuaresposta quando te perguntaram se eras realmente o Filhode Deus! Disseste o que somente caberia a um sábio: "Não eu,mas vós o afirmais!" Creio ter considerado tua resposta den-tro da compreensão humana e deduzo que eras um verdadeiroarcanjo e nunca um semideus pagão. Compreendo perfeitamente que se admita tua diviniza-ção como sábio número um, como até hoje não houve seme-lhante, numa época em que se acreditava no oráculo de Delfose toda pessoa dotada de qualidades excepcionais era tida comosemi-deus, onde o Tumim e Urim profetizavam e a vara deAarão, com mais de mil anos de idade, verdejava dentro daarca. Os próprios romanos inteligentes, que intimamente nãoconsideravam seus deuses, afirmavam: "Não existe pessoaexcepcional sem bafejo divino!" Quanto mais isto não fizeramteus conterrâneos, porquanto efetuavas diante de seus olhosperplexos coisas que nunca sonharam desde Abraão! Queteriam dito, por exemplo, à vista duma locomotiva? Creioter bem respondido e chega tua vez de falar. Saberei fazer-meouvinte atento e respeitoso!" 18.° CAPÍTULO Necessidade da autoridade terrena. Não pode existir comunidade sem orientação. Ordem e obediência. Digo Eu: "Meu caro irmão, quando se considera este casosob ponto de vista e intelecto mundanos, e se satisfaz comqualquer tradução, desprovida de todo senso salutar, dos qua-tro Evangelhos e das cartas de Paulo, e tendo-se absorvido oespírito da filosofia mundana de vários ateístas alemães, ascoisas não podem ser diversas de como acabas de falar. Afirmo-te que se te tivesses dado ao trabalho de te apro-fundares no Velho e Novo Testamento, por uma boa traduçãode Lutero, a Vulgata ou a Bíblia Grega original, terias che-gado a outras conclusões do que pelo caminho "radical", quede modo algum é radical, porquanto poucas raízes possui,com exceção de Hegel, Strauss, Ronge e Czerski. Tais raízes 31
  38. 38. Jacob Lorber______________________________________________________________nada são, porquanto os ensinamentos daqueles filósofos emuitos outros representavam apenas parasitas na grande ár-vore ao conhecimento. Como agricultor terreno saberás daconstituição das raízes das parasitas e, assim, também sabe-rás do valor que atribuo a teus predecessores! Quando se traduz a Bíblia de acordo com os própriosprincípios, ressaltando aqueles textos que permitem sentidodúbio, não se torna difícil achar argumentos como os queproferiste. Tudo isto está errado. Primeiro, os textos referen-tes ao tributo de Cesar, e o de Paulo na carta aos Romanos,13.° capítulo, e a Tito, não constam como tu os enunciaste.Além disto, nunca se pode falar de receio pelos regentes ma-nifestado por Mim ou por Paulo, porquanto provei, diantede Caifás, Pilatos e Herodes, se realmente temia os poten-tados daquela época. Quem não teme a morte, por ser eter-namente seu Senhor, muito menos motivo tem de recear osque espalham a destruição física! Assim como Eu não tiveo menor motivo para temer os grandes da Terra, Paulo tam-bém não os teve! Sabe-se que Nero foi o mais cruel déspota ro-mano; no entanto, Paulo procurou precisamente proteçãocom ele contra os judeus maldosos que o perseguiam, e semprea encontrou. Teria sido isto manifestação de medo dos ju-deus? Em absoluto; pois, muito embora soubesse de sua ini-mizade, foi a Jerusalém, contrariando a advertência dos ami-gos íntimos. Daí poderás deduzir que tanto ele como Eu demos man-damentos idênticos, de certo modo conselhos, não partindodo receio, mas unicamente em virtude de uma ordem impres-cindível às criaturas. Compreenderás não poder subsistir umacomunidade sem guia, portanto urge demonstrar — comodoutrinador — a necessidade de obediência aos teus guias! Acaso julgas o contrário? Isto seria impossível e contraa ordem natural, não só das criaturas, mas das coisas terre-nas! A fim de que compreendas isto mais a fundo, levar-te-eipelos diversos reinos naturais." 19.° CAPÍTULO A obediência. Exemplos em a Natureza. Prossigo: "Todos os corpos cósmicos são dotados de certainteligência e livre noção, indispensáveis à sua finalidade, e32
  39. 39. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________flutuam no Espaço etéreo. Por que são tão teimosos e se movimentam há muitos milênios nas mesmas órbitas emredor de um determinado Sol, que por preço algum queremou podem abandonar? Naturalmente, certas rotações são piores que outras, comoprovam os anos bons ou maus de um planeta, mormente emperíodos em que se dão consideráveis erupções no Sol. NãoMe refiro a um período difícil como motivo de deserção deum planeta, pois pode ele suportar certas reações do Astro.Ocorrem, porém, várias destas rotações para um corpo cós-mico. Se tal enorme viajor sideral, após dez ou mais períodos,tivesse sido maltratado pelo Sol e no final se cansasse damonotonia, resolvendo abandoná-lo a fim de vaguear sozinhoe independente pelo Espaço, qual seria a consequência inevi-tável de tal atitude? Primeiro, um total endurecimento pela falta de luz ecalor; em seguida, um fogo interno pela forte pressão do ex-terior; e, finalmente, a desintegração total de todas as partesplanetárias, ou seja, sua destruição! Os planetas o sentem intimamente; sua vida é-lhes umanecessidade sensível. Por isto, continuam sob o regime do seuSol, na ordem imutável de sua movimentação e não se per-turbam quando ele os trata, vez por outra, mais economica-mente. Neste caso, um defensor igual a ti poderia dizer, seminteresse próprio: "Só posso elogiar planetas tão obedientes;o Sol, porém, tão caprichoso, eu castigaria, caso fosse o Cria-dor!" Levanta-se o Astro, dizendo: "Que dizes, cosmopolitatolo? Não vês não ter eu apenas de cuidar de um, mas demuitos planetas, grandes e pequenos? Ignoras serem suas tra-jetórias diversas e que às vezes se acham em maior númerode um lado, onde me ocupam mais do que do lado oposto,havendo então certa carência de minhas dádivas, geralmenteabundantes? Contudo, é ele de tal forma provido que podesubsistir e possuo provas que, de trilhões de viajores inde-pendentes dum outro sol imenso, jamais tenha perecido umplaneta que se haja submetido à minha ordem. Se outros,vagueando livremente, preferem sua independência à ordemfixa e assim perecem no Espaço Infinito — não me cabe aculpa. A um ser que pretende determinar sua própria con- 33
  40. 40. Jacob Lorber______________________________________________________________duta, sem depender de uma orientação mais sábia, nada deinjusto sucederá; ter-se-á julgado a si próprio! Se tu, cos-mopolita liberal, queres castigar-me como regente planetário,pela minha conduta mutável em relação aos que me são su-jeitos, tira-me luz, brilho, grandeza e poder! Observa, porém,de que forma os corpos subsistirão sem mim!" Meu amigo, assim se manifesta a ordem natural nos pri-meiros, maiores e mais potentes corpos cósmicos, pois semela não se pode pensar em subsistência. Se estes seres enor-mes e completamente livres necessitam de guia, quanto maisos menores e tolhidos, como os animais e mormente as cria-turas dotadas dum espírito inteiramente livre! Irracionais de certa espécie possuem determinado guia;quando este se movimenta, todos são tocados como por umadescarga elétrica. O pastor de um rebanho sabe qual dos ani-mais é considerado pelos outros; por isto ele lhe dependuraum sino. Quando à tarde quer levar a manada ao curral, bastaprestar ouvidos ao som do sino para encontrá-la; guiando oprincipal, os outros o seguem automaticamente. O mesmose dá com os suinos quando vivem ao ar livre, bem como ascabras, carneiros, cavalos, burros, etc. Fato idêntico obser-varás até mesmo nos insetos, pássaros, peixes e outros. Explicar-te-ei o assunto em seu todo e te conduzirei ànatureza aparentemente muda. Observemos a água, em simaleável, porquanto pode ser dividida em inúmeras gotas.Este elemento sumamente importante e ocultando em si todosos germes primitivos da vida animal e vegetal, e ao mesmotempo fecundado por forças por ti jamais calculadas, obe-dece, em estado livre, à lei do peso que nela reside. Em vir-tude desta lei, que ela observa por uma capacidade percep-tiva toda peculiar, sente a mais suave inclinação de um ter-reno e começa a mover-se em direção do declive, não des-cansando até que tenha alcançado o mar. Além disto, temeste elemento a tendência estranha de se purificar somenteapós ter alcançado a margem marítima — demonstrando assimque o homem também só atinge a consciência plena da suaverdadeira finalidade, quando em vida não almeja honrarias,senão a posição mais simples, isto é: a verdadeira humildade,tão recomendada por Mim, e que jamais poderá ser alcançadapela autoridade, mas pela obediência!34
  41. 41. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________ 20.° CAPÍTULO As cordilheiras e sua necessidade. Prossigo: "Recebeste, pela explanação dada, uma provade que a água, como elemento passivo, contém uma inteli-gência própria pela qual rende obediência à lei puramentedivina dentro dela até a última gota, muito embora contenhacada uma trilhões de germes! Não paremos na observação da água e vamo-nos encami-nhar ao local do seu nascimento, isto é, às montanhas, paraanalisarmos se não manifestam inteligência individual e poristo respeitam as leis que comportam, de modo milagroso! Existem na Terra montanhas variadas. As enormes, ouseja, as de origem primária; em seguida, as de altura me-diana, de formação secundária e, finalmente, as menores,que são mais montes do que montanhas e pertencem à ter-ciária. Estás sorrindo de satisfação porque descobres em Mimum geólogo moderno! Como não? Pois justamente na Geolo-gia e na Cosmologia superior estou bem informado. Temos, pois, três espécies de montanhas e vamos analisarprimeiro a mais alta. Suas finalidades são diversas: primeiro,são elas reguladoras das correntes eletromagnéticas, que destemodo são devidamente distribuídas sobre o solo terráqueo.Segundo, elas evitam que o ar estacione enquanto se faz arotação da Terra, o que provocaria uma corrente contráriapior que qualquer furacão, impossibilitando a vida sobre amesma. Terceiro, absorvem as partículas de umidade provin-das do oxigênio e hidrogênio, razão por que seus cumes geral-mente estão nublados e invisíveis. Tais partículas unem-seali à eletricidade abundante e caem como neve e gelo sobreos penhascos. Após maiores acúmulos, se arremessam comopoderosas avalanches nas fendas e grutas onde formam asgeleiras; estas, por sua vez, absorvem as partículas frias daatmosfera, protegendo as zonas cultivadas da geada destrui-dora. Ao mesmo tempo amenizam a eletricidade fortementeacumulada, do contrário as planícies teriam de suportar cons-tantes aguaceiros. Vês, portanto, a grande finalidade das montanhas e con-jeturas: "É isto mesmo, pois sempre que os homens se atre-viam a modificar a formação montanhosa, em breve rece-biam o castigo dos elementos, jamais vistos." Tens toda razão, 35
  42. 42. Jacob Lorber______________________________________________________________amigo! Agora vamos ao principal: A fim de que as monta-nhas passam cumprir sua importante finalidade na manu-tenção do orbe e de tudo que nele se encontra, já não é in-diferente seu local; além disto, precisam — através dos espí-ritos ou elementos que habitam tanto no centro quanto nasuperfície — ser donos de peculiar inteligência para executa-rem o que lhes cabe. A esfera de ação é para elas, tanto quanto para nós, umalei positiva que percebem pela inteligência; tudo isto podesacreditar, porquanto de Mim afirmaste ter sido Eu Iniciadona escola egípcia nas forças da Natureza de modo mais com-pleto que todos os intelectuais hodiernos. Aceitando, pois, Minha explanação, aceitarás também sersomente possível a conservação de um planeta pelo fiel cum-primento das leis a cuja inteligência estão sujeitas as mon-tanhas. Que seria, caso elas se revoltassem contra tais deter-minações, dizendo: Não mais queremos ser soberanas eleva-das, mas humilhar-nos em pequenos montes frutíferos! Enquanto as montanhas nada produzem por várias cen-tenas de milhas quadradas, dando a impressão de inúteis —seria talvez aconselhável destronar tais regentes e transfor-má-los em planícies produtivas? Respondes negativamente.Da mesma forma acrescento que os regentes da sociedadehumana não podem ser aniquilados! Do contrário, a Terraem breve terá o mesmo aspecto que as montanhas arrasadas!Como os reis da Terra devem cumprir sua finalidade, ela temque ser idêntica às montanhas. Compreendes? Dizes: "Sim,e também percebo seres um sábio verdadeiro!" Pois bem, ain-da não chegamos ao fim; restam duas qualidades de mon-tanhas, que vamos analisar." 21.º CAPÍTULO Aparecimento das montanhas médias e pequenas e sua necessidade. Prossigo: "Quando o orbe ainda era deserto e necessitavaalimentar plantas e animais — além dos tipos primários detodas as formas posteriores — as cordilheiras primitivas eramsuficientes para fornecer os mencionados serviços ao planetaainda informe. Mas, após inúmeros milênios, ele se havendo36
  43. 43. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________concentrado mais e mais, sobre o mar se elevavam impor- tantes grupos de ilhas e os germens primitivos depositadosna água começavam a se manifestar por várias espécies devegetais. Era então chegado o momento de produzirem-se no-vas elevações através de erupções internas, fornecendo maisterreno, alimento e proteção para seu desenvolvimento. Eisque houve tremendo e furioso rugir. Romperam-se as cama-das subaquáticas, sendo levantadas pelas forças poderosas aalturas imensas! Passaram-se milênios até que fosse concluída esta tarefa.Mas, para Deus, Meu amigo, pouca diferença faz; pois milou milhões de anos Lhe são idênticos a um dia! Bem, destemodo se formaram as montanhas de segunda categoria! Eram,no início, mais altas e escarpadas que hoje; o tempo e astempestades baixaram-lhes as frontes, preenchendo as enor-mes profundezas e formando vales estreitos e largos. Comoestes não facultassem livre passagem às águas, elas se acu-mulavam nas fendas mais vastas, onde formaram grandes epequenos lagos. Como tais lagos recebessem um constante acúmulo deágua, tanto pelos poros do orbe como do ar — pela chuva,neve, saraiva e orvalho — tinham forçosamente de ultra-passar suas margens. No decorrer dos tempos se soltarampequenas e grandes partes de terra, que preencheram as pro-fundidades irregulares dos vales e até mesmo formaram, emépoca de inundações, verdadeiros montes e fileiras de coli-nas, o que até hoje ainda acontece; e, além disso, tambémsurgem tais montanhas pelo fogo. A formação de colinas pormeio de inundações é a terciária, condicionada pela secun-dária. Por esta explicação é fácil deduzir-se como surgiu e aindasurge a terceira categoria, quando não se perde de vista que,para a futura produção, conservação e proteção de novos serese na reprodução do que já existe, preciso é um solo vasto efértil. O solo terráqueo é de tal forma organizado que nelepode surgir, viver e procriar toda sorte de criaturas. Esta or-ganização foi e ainda é facultada pelas três categorias mon-tanhosas. As duas últimas formações parecem, à primeira vista, nãoter semelhança com a primeira na sua finalidade; tanto aorigem quanto seu destino são diversos. Uma vez que entra-ram na fileira das montanhas primitivas, isto é, dos regentes, 37
  44. 44. Jacob Lorber______________________________________________________________têm de se submeter àquelas leis, sem reação, não obstantesuas finalidades por elas determinadas. Não basta que montese colinas preencham, com o supérfluo, vales e fendas, lá pro-duzam campo fértil e formem agradáveis bosques; precisoé que desde o início de seu aparecimento assumam grandeparte do peso e em tudo auxiliem as montanhas; do con-trário, não poderão satisfazer sua finalidade, porquanto seusurgir requisitaria por demais aquelas forças, caso as mon-tanhas tivessem que organizar tudo por si mesmas! Assimsendo, montes e colinas agem pela inteligência estimulantenaquilo que os regentes montanhosos lhes incutem. Existem, na realidade, alguns não dispostos à obediência;são então vergastados por tempestades poderosas até que sesubmetam ou sejam destruídos. Os antigos sábios os deno-minavam de "teimosos", às vezes, "amaldiçoados". Ultima-mente chamam-se tais heróis de "soltos", "inconstantes" e"decompostos". Existem muitos exemplos de montes casti-gados, tanto da antiguidade quanto de época recente. 22.° CAPÍTULO Submissão gradativa entre os homens. Digo Eu: "Caro amigo, por esta exemplificação, tirada daNatureza, terás deduzido as condições submissas até nascoisas inertes e sem inteligência — a teu ver — portantopodemos declinar de outros exemplos. Teria fatos interessan-tes a te contar, caso te levasse a outros planetas, cuja ordemé muito mais rigorosa que na Terra, onde intencionalmenteexiste a maior desordem — e isto, a fim de que os espíritoslivres nela pudessem ser educados para verdadeiros filhos deDeus, de modo independente e proveitoso à sua natureza. Já que aceitas ser indispensável, na construção da Na-tureza, uma ordem de submissão gradativa a fim de garantirsua existência — considera uma pessoa dotada de um espí-rito absolutamente livre, encontrando-se na capacidade ili-mitada de pensamentos, julgamentos e desejos. Imagina qualseria o resultado se cada uma pudesse realizar tudo aquiloque sua índole, em seu recôndito invencível e fantástico, pro-jeta da riqueza infinita e divina de suas ideias!38
  45. 45. Roberto Blum - Volume I______________________________________________________________ Afirmo-te que ninguém estaria seguro perto do seme-lhante. Primeiro, espíritos há cuja fantasia ou criação seocupa, principalmente, com volúpia, na destruição de tudoque existe. Outros desejam matar de formas variadas; outros,ainda, destruir montanhas, perfurar a Terra, enchê-la de pól-vora a fim de fazê-la explodir, fazer secar o orbe, inundá-lo,queimá-lo; outros, atar a Lua à Terra! Além disso, há uma infinidade de espíritos sensuais cujafantasia consiste nas ideias de gozo. Se não fossem retidospor leis, não haveria proteção para o sexo feminino, até mes-mo para o masculino e os próprios animais! Conheço muitosde tais amigos da Natureza da espécie de Sodoma e Gomorra,que se entretinham no cruzamento de várias raças para ob-servarem o produto. Quando isto não mais satisfazia sua ima-ginação, dedicavam-se a experiências com irracionais, de ondesurgiram figuras horripilantes, conforme agiam os pagãos. Imagina uma grande sociedade de tais pessoas, não con-troladas por leis morais e políticas! Que geração monstruosanão surgiria? Em alguns séculos o orbe seria inundado deseres onde a vida humana não mais encontraria defesa! Poristo instituiu Moisés uma lei rigorosíssima e a morte comocastigo para tais obcenos, pois ele, como filho adotivo do rei,era conhecedor das monstruosidades egípcias. Entre os espíritos sensuais houve — e ainda há — osque somente satisfazem seu gozo quando martirizavam a moçaantes e durante o ato. Não pretendo revelar-te fatos especiais,pois não serias capaz de ouvi-los! Basta que saibas do resul-tado quando a sociedade se acha num estado anárquico. Terceiro, existem espíritos que se têm em tão alto con-ceito a ponto de acharem tudo abaixo de sua dignidade; sãoorgulhosos e excessivamente dominadores; todos devem seajoelhar no pó e satisfazer apenas suas vontades. Calcula umacomunidade constituída de tais pessoas! Tigres, leões e pan-teras viveriam em maior harmonia que elas, caso não fossemmantidas por leis morais e políticas! Além disto, vivem entre os homens inúmeras aberraçõesde espíritos vários cujas fantasias e inclinações são de talmodo pervertidas contra qualquer ordem positiva e equili-brada, que não fazes a menor ideia! Se lhes fosse permitidofazer uso de sua liberdade na milionésima parte, qual seria oaspecto do planeta? Respondes: "Tal seria um horror! Seriao inferno de todos os infernos sobre a Terra!" 39
  46. 46. Jacob Lorber______________________________________________________________ Concordo e digo mais: o que, então, é necessário paraimpedir o inferno total na superfície terráquea? Vê, agorachegamos ao ponto de partida e onde Eu queria chegar! Re-conheces o motivo por que Eu e Paulo recomendamos obe-diência à autoridade mundana os confessores da Minha Dou-trina? Acaso ainda descobres um contrassenso nisto tudo ejulgas a obediência justa e a humildade verdadeira comoindignas de um espírito livre?" 23.º CAPÍTULO Roberto indaga do abuso do poder. Diz Roberto: "Que posso ainda dizer, caro amigo? Con- fesso que me ultrapassas em ciência e sabedoria, portanto tens razão em tudo que me expuseste. Nada posso contrapor,uma vez que tu, iniciado nas forças ocultas da Natureza, pos- suis conhecimento mais completo que eu! Tudo, pois, é verdade e se apresenta a necessidade férreade uma lei em virtude da liberdade do espírito. Surge, porém,a questão: podem os legisladores, de certo modo nomeados porDeus, ser excluídos do respeito às suas próprias leia e, mormen-te nesta época, tornarem-se déspotas e tiranos, deixando quemilhares sejam aniquilados por causa de um trono qualquer?Teria sido meu crime de tal espécie que um príncipe Alfredo,em nome de seu Imperador que lhe conferira plenos poderes,fez-me fuzilar e a outros tantos simpatizantes? Se tal regente se exclui de suas próprias leis, resta saberquem o dispensa de tua Lei de Amor, válida no mundo in-teiro, sem distinção de classe e caráter? Por que devem cen-tenas de milhares sofrer as maiores misérias e, caso cometamo menor deslize em virtude de sua pobreza, terem de passarpelo rigor da lei, enquanto que os grandes podem fazer oque lhes apraz, pois não haverá juiz que os chame à respon-sabilidade? Sou muito a favor de regentes sábios e bons; quanto aosque mal sabem o que são e muito menos o que devem ser,isto é, regentes que ocupam tronos para satisfazer suas ten-dências e sugam o sangue dos súditos quais vampiros, ao invésde guiá-los por sábias leis, dize-me se tal povo oprimido nãotem direito de enxotar ladrões e malandros inconscientes40

×