20101215 resultados workshop gestão do futuro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

20101215 resultados workshop gestão do futuro

on

  • 459 views

Resultados Worksho Gestão do Futuro 2010

Resultados Worksho Gestão do Futuro 2010

Statistics

Views

Total Views
459
Views on SlideShare
459
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
6
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

20101215 resultados workshop gestão do futuro 20101215 resultados workshop gestão do futuro Presentation Transcript

  • Workshop Gestão doFuturoResultados
  • Agenda Introdução Priorização dos Projetos Geração de Idéias Senso Comum
  • Agenda Introdução Priorização dos Projetos Geração de Idéias Senso Comum
  • IntroduçãoObjetivo do Wokshop Orientar a concepção e priorização de projetos, idéias, temas e frentes de trabalho da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SECTES) para o período de 2011 a 2015.
  • IntroduçãoParticipantes Participaram do workshop representantes de várias empresas da iniciativa pública e privada de diversos Estados do Brasil, imprimindo ao trabalho uma forte visão empresarial
  • IntroduçãoParticipantes Edvaldo Adauto Caldara Head of Innovation Center Gerente Geral de Inovação Vicente de Paulo Pereira Frederico Braga Diretor de Operações Gerente de Inovação Tecnológica Ricardo Brandalise Guido Ganassali Gerente de Engenharia Gerente de PD&I Ricardo Machado Cabral Heloi Tertuliano Superintendente de Gestão do Conhecimento Gerente Regional Mariana Yasbeck Márcio Adrinani Damazio Gerente de Inovação Diretor de RH da América Latina Marcio Antonio Bernardi Deny Edison de Souza Alfredo Gontijo Gerente de Inovação e Gerente de Inovação Presidente / Diretor de Serviços Técnicos P&D e P&D Marco Aurélio Dumont Porto Guilherme Emrich Thiago Alves Gerente de Alternativas Energéticas CSEM/FIR Capital Diretor Presidente Arnaldo Bacha de Almeida Victor Afonso Coutinho Vice Presidente Executivo Gerente de Manutenção e Reparo Wilfred Brandt Ivo Godoi Júnior Presidente Diretor Executivo Carlos Antonio Garcia Rodrigues Paulo Matos Empresário da área eletroeletrônica - BH Engenharia do Produto
  • O Evento Os convidados dividiram-se em grupos de trabalho – que foram modificados nas diversas dinâmicas – e participaram ativamente, avaliando os projetos da SECTES em andamento e propondo, ao final, idéias de melhorias para seu encaminhamento futuro
  • Agenda do Workshop Manhã Tarde08:00 12:00 13:00 18:00 Foi realizada a priorização Foram geradas novas dos projetos da SECTES idéias e diretrizes para conforme dimensões e projetos da SECTES. parâmetros pré estabelecidos. 53 projetos 60 idéias 28 idéias avaliados geradas filtradas A redução do número de idéias deveu-se à sobreposição ou ao agrupamento de algumas delas
  • Agenda Introdução Priorização dos Projetos Geração de Idéias Senso Comum
  • Priorização dos ProjetosMetodologia Os convidados analisaram e priorizaram os projetos recentemente concluídos e em andamento, considerando o seu impacto para o desenvolvimento do Estado e para a promoção de um ambiente de inovação. Projetos com alto impacto para o desenvolvimento do Estado e para a Alto promoção de um ambiente de inovação Área Área devem ser priorizados 2 1 Ambiente de inovação Área 3 Projetos localizados na área intermediária devem ser discutidos Baixo caso a caso Projetos com baixo impacto para o Impacto para o desenvolvimento do Baixo desenvolvimento do Estado Alto Estado e para a promoção de um ambiente de inovação devem ser revistos
  • Priorização dos ProjetosDefinição dos CritériosForam utilizados diversos critérios pré-definidos para a identificação do impactopara o desenvolvimento do Estado e para a promoção de um ambiente de inovaçãode cada projeto. DIMENSÕES CRITÉRIOS  Impacto potencial na imagem do Estado como parceiro / colaborador do desenvolvimento sustentável / facilitador do processo Ambiente de  Potencial de formação de maior nº de pessoas inovação  Fortalecimento das ICTs do Estado  Impacto na formação de parcerias com instituições estratégicas  Impacto na qualidade de vida / melhor aproveitamento do tempo  Custo de oportunidade / Impactos Potenciais da não execução  Viabilidade técnica e econômica do projeto Impacto para o  Potencial de gerar desenvolvimento econômico desenvolvimento do  Potencial de geração de emprego / renda Estado  Grau de inovação (desenvolvimento de competências diferenciadores / Capacidade de agregar valor no longo prazo
  • Priorização dos ProjetosResultado Geral 100 APLAmbiente de Inovação Especiais RFP RIT 50 Área 1 – 38 projetos Área 2 – 4 projetos Área 3 – 11 projetos 0 0 50 100 Total - 53 projetos Impacto para o Desenvolvimento do Estado
  • Projeto Projeto PROJETOS Estruturad PROJETOS Estrutura or dorImplantação dos Parques Tecnológicos RIT Rede de formação profissional RFP Minas Biotec APL CMD – Centro Minas Design RITAtração e retenção de centros de P&D Programa de Incentivo à Inovação RIT para Minas Gerais – Estratégias de RIT APL de Software: BH e Viçosa APL operacionalização Consolidação do Polo de Excelência Projeto estruturador para as linhas de APL em genética bovinaatuação do pólo de excelência mineral APL Polos de Inovação APL e metalúrgico – PEMM Produção de III espécies do cerrado Fortalecimento das instituições de Especiais ciência e tecnologia de MG para para o Alto do Jequitinhonha Ranking Geral dos Projetos APL Consolidação do Pólo de Excelência implementação de boas práticas de APL em Recursos Hídricos produção de lácteos Da inclusão digital a social RIT Incubadoras de Empresa RIT NIT RIT SIMI RIT Operação e Manutenção do Centro de APL Inteligência em Florestas ProjetoRede laboratorial de biocombustíveis APL Estruturação do programa mineiro de PROJETOS Estrutura Pólo de excelência mineral e RIT APL empreendedorismo tecnológico dor metalúrgico TEIA RIT Validação da tecnologia de análise, Oportunidades ao desenvolvimento Homologação e certificação de planejamento e monitoramento dasócio-econômico e desafios da Ciência, APL RIT Especiais produtos e serviços atenção Tecnologia e Inovação em Minas Caracterização da cafeicultura de integrada Gerais APL montanha Desenvolvimento e manutenção das Editais Induzidos RIT Movimento Inovação Especiais tecnologias da Rede de Inovação Agenda do desenvolvimento em RIT Escola da Água APL TecnológicaCiência, Tecnologia, Inovação e Ensino Especiais Bureau inteligência e inovação: na gestão social Superior de Minas Gerais APL bioenergia, biodiesel e óleos vegetais. Bureau de informação - APLRede CTI - cadeia de bioenergia, etanol Programa de Consolidação do Pólo de eletroeletrônicos Santa Rita do APL APL APLe derivados, biodiesel e óleos vegetais. Excelência de Leite e Derivados Sapucaí bureau de inovação e inteligência Fórum das Américas – Leite e Monitoramento qualidade das águas APL APL competitiva do APL biocombustíveis Derivados 2009 da lagoa Dom Helvécio - Parque Rio APL Articulação Virtual do Café APL Centro de excelência em Doce Fomento à educação empreendedora RIT APL bioinformática Agenda de CT&I em recursos hídricos TIB – Tecnologia Industrial Básica RIT e estruturação do conhecimento Diagnóstico da cadeia de co-produtos Especiais Operacionalização e ampliação da APL disponível sobre águas subterrâneas APL e resíduos gerados UNIT no estado de MG pólo de excelência de eletrônica e Avaliação da sustentabilidade das Museu mineiro de comunicação Especiais APL Especiais telecomunicações atividades agrícolas Plataforma de Colaboração em Rede – RIT Programa Mineiro de Estruturação do Design House para apoio da inovação PCR Virtual APL APL Setor Lácteo para Exportação no APL de Eletroeletrônica
  • Projeto Projeto PROJETOS Estruturad PROJETOS Estrutura or dorImplantação dos Parques Tecnológicos RIT Rede de formação profissional RFP Minas Biotec APL CMD – Centro Minas Design RITAtração e retenção de centros de P&D Programa de Incentivo à Inovação RIT para Minas Gerais – Estratégias de RIT APL de Software: BH e Viçosa APL operacionalização Consolidação do Polo de Excelência Projeto estruturador para as linhas de APL em genética bovinaatuação do pólo de excelência mineral APL Polos de Inovação APL e metalúrgico – PEMM Produção de III espécies do cerrado Fortalecimento das instituições de Especiais ciência e tecnologia de MG para para o Alto do Jequitinhonha Ranking Geral dos Projetos APL Consolidação do Pólo de Excelência implementação de boas práticas de APL em Recursos Hídricos produção de lácteos Da inclusão digital a social RIT Incubadoras de Empresa RIT NIT RIT SIMI RIT Operação e Manutenção do Centro de APL Inteligência em Florestas ProjetoRede laboratorial de biocombustíveis APL Estruturação do programa mineiro de PROJETOS Estrutura Pólo de excelência mineral e RIT APL empreendedorismo tecnológico dor metalúrgico TEIA RIT Validação da tecnologia de análise, Oportunidades ao desenvolvimento Homologação e certificação de planejamento e monitoramento dasócio-econômico e desafios da Ciência, APL RIT Especiais produtos e serviços atenção Tecnologia e Inovação em Minas Caracterização da cafeicultura de integrada Gerais APL montanha Desenvolvimento e manutenção das Editais Induzidos RIT Movimento Inovação tecnologias da Rede de Inovação Especiais Agenda do desenvolvimento em RIT Escola da Água APL TecnológicaCiência, Tecnologia, Inovação e Ensino Especiais Bureau inteligência e inovação: na gestão social Superior de Minas Gerais APL bioenergia, biodiesel e óleos vegetais. Bureau de informação - APLRede CTI - cadeia de bioenergia, etanol Programa de Consolidação do Pólo de eletroeletrônicos Santa Rita do APL APL APLe derivados, biodiesel e óleos vegetais. Excelência de Leite e Derivados Sapucaí bureau de inovação e inteligência Fórum das Américas – Leite e Monitoramento qualidade das águas APL APL competitiva do APL biocombustíveis Derivados 2009 da lagoa Dom Helvécio - Parque Rio APL Articulação Virtual do Café APL Centro de excelência em Doce Fomento à educação empreendedora RIT APL bioinformática Agenda de CT&I em recursos hídricos TIB – Tecnologia Industrial Básica RIT e estruturação do conhecimento Diagnóstico da cadeia de co-produtos Especiais Operacionalização e ampliação da APL disponível sobre águas subterrâneas APL e resíduos gerados UNIT no estado de MG A avaliação desfavorável dos projetos deveu-se à sua falta de alinhamento aos objetivos pólo de excelência de eletrônica e APL Avaliação da sustentabilidade das Especiais Museu mineiro de comunicação Especiais da telecomunicações Plataforma de Colaboração em Rede – SECTES ou ao desbalanceamento entre inovação Programa Mineiro de Estruturação do atividades agrícolas Design House para apoio da os recursos gastos e os PCR Virtual resultados obtidos RIT APL APL Setor Lácteo para Exportação no APL de Eletroeletrônica
  • Priorização dos ProjetosRede de Inovação Tecnológica (RIT) 100 SIMI A&R Parques Tec. Embate Incubadoras PII Editais TEIA TIBAmbiente de Inovação Educ. Empreend. Inovatec CMD NIT I. Digital a Social Inovação na Empresa TIB 50 Ambiente de Inovação A&R Educ. Empreend. Inovação na Sociedade RIT Gestão Social Atenção Integrada Área 1 PCR Virtual Área 2 Área 3 0 0 50 100 Impacto para o Desenvolvimento do Estado
  • Priorização dos ProjetosRanking - RIT Projeto Dimensão RIT Implantação dos Parques Tecnológicos Ambiente de Inovação Incubadoras de Empresa Ambiente de Inovação Inovatec Ambiente de Inovação Atração e retenção de centros de P&D para Minas Gerais – Ambiente de Inovação Estratégias de operacionalização Editais Induzidos Inovação na empresa Fomento à educação empreendedora Inovação na sociedade Área 1 SIMI – Sistema Mineiro de Inovação – Gestão Operacional do Ambiente de Inovação Simi III TIB – Tecnologia Industrial Básica Inovação na empresa CMD – Centro Minas Design Inovação na empresa Da inclusão digital a social Inovação na sociedade PII – Programa de Incentivo à Inovação Inovação na empresa NIT – Núcleos de Inovação Tecnológica e Inovação na empresa Proteção ao Conhecimento TEIA – Tecnologia, empreendedorismo e inovação aplicados Inovação na sociedade Estruturação do programa mineiro de empreendedorismo Inovação na sociedade tecnológico Validação da tecnologia de análise, planejamento e monitoramento da atenção Inovação na sociedade integrada Área 3 Desenvolvimento e manutenção das tecnologias da Rede de Inovação Tecnológica Inovação na sociedade na gestão social Plataforma de Colaboração em Rede – Inovação na sociedade PCR Virtual
  • Priorização dos ProjetosEspeciais e Rede de Formação Profissional 100 CETEC RFP OportunidadesAmbiente de Inovação Tec. Jequitinhonha Movimento Inovação Agenda Especiais 50 RFP Indicadores - Ativ. Agrícolas M.M Comunicação Área 1 Área 2 Área 3 0 0 50 100 Impacto para o Desenvolvimento do Estado
  • Priorização dos ProjetosRanking – Especiais e RFP PROJETOS Projeto Estruturador Agenda do desenvolvimento em Ciência, Tecnologia, Especiais Inovação e Ensino Superior de Minas Gerais Oportunidades ao desenvolvimento sócio-econômico e Especiais desafios da Ciência, Tecnologia e Inovação em Minas Gerais CETEC – Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais Especiais Área 1 Desenvolvimento de tecnologias para produção de III Especiais espécies do cerrado para o Alto do Jequitinhonha Rede de formação profissional orientada para o mercado de RFP trabalho Movimento Inovação Especiais Identificadores de indicadores – Avaliação da Especiais sustentabilidade das atividades agrícolas Agenda de CT&I em recursos hídricos e estruturação do Área 3 conhecimento disponível sobre águas subterrâneas no Especiais estado de MG Museu mineiro de comunicação Especiais
  • Priorização dos Projetos Desenvolvimento Regional e Setorial (DRS) 100 APL Biocomb. APL Biotec.Ambiente de Inovação APL Eletro. APL Software Polo Café 50 Polo Florestas Polo Gen. Bovina Polo Inovação Polo Leite Polo MM Polo Rec. Hídricos Área 1 Área 2 Área 3 0 0 50 100 Impacto para o Desenvolvimento do Estado
  • Priorização dos Projetos DRS - Resultado APL´s 100 APL Biotec. APL Eletro. APL Biocomb. APL Biocomb. APL Eletro.Ambiente de Inovação APL Software APL Biocomb. 50 APL Biotec. APL Biotec. APL Biocomb. APL Eletro. APL Software APL Biocomb. Área 1 APL Eletro. Área 2 Área 3 0 0 50 100 Impacto para o Desenvolvimento do Estado
  • Priorização dos ProjetosRanking – APL´s (DRS) Projeto Classificação Projeto Estruturador do APL de Biotecnologia: APL Biotec. Minas Biotec Rede laboratorial de referência em APL Biocomb. biocombustíveis de Minas Gerais (RLBio) Rede CTI - cadeia de bioenergia, etanol e derivados, biodiesel e óleos vegetais, carvão APL Biocomb. vegetal e biomassa Área 1 Implantação e operacionalização do bureau de inovação e inteligência competitiva do APL APL Biocomb. biocombustíveis Projeto especial de implantação do pólo de APL Eletro. excelência de eletrônica e telecomunicações Projeto Estruturador do APL de Software: Belo APL Software Horizonte e Viçosa Homologação e certificação de produtos e APL Eletro. serviços Área 2 Bureau inteligência e inovação: bioenergia, APL Biocomb. biodiesel e óleos vegetais, biomassa florestal Centro de excelência em bioinformática APL Biotec. Diagnóstico da cadeia de co-produtos e resíduos gerados: uso intensivo da biomassa na produção APL Biocomb. Área 3 de energia na forma líquida Implementação de Design House para apoio da APL Eletro. inovação no APL de Eletroeletrônica Bureau de informação - APL eletroeletrônicos APL Eletro. Santa Rita do Sapucaí
  • Priorização dos Projetos DRS - Resultado Polos 100 Polo MM Polo Leite Polo Café Polo InovaçãoAmbiente de Inovação Polo Leite Polo Leite Polo Café Polo Florestas Polo Café Polo Rec. Hídricos Polo Rec. Hídricos Polo Gen. Bovina Polo Gen. Bovina 50 Polo Inovação Polo Florestas Polo MM Polo Leite Polo MM Polo Leite Polo Rec. Hídricos Área 1 Polo Rec. Hídricos Área 2 Área 3 0 0 50 100 Impacto para o Desenvolvimento do Estado
  • Priorização dos ProjetosRanking – Polos (DSR) Projeto Classificação Projeto estruturador para as linhas de atuação do pólo de Polo MM excelência mineral e metalúrgico – PEMM Fortalecimento das instituições de ciência e tecnologia de MG Polo Leite para implementação de boas práticas de produção de lácteos Pólo de excelência mineral e metalúrgico Polo MM Área 1 Articulação Virtual do Café Polo Café Operacionalização e ampliação da UNIT como centro de Polo MM referência do pólo de excelência mineral e metalúrgico Polos de Inovação Polo Inovação Consolidação do Polo de Excelência em genética bovina Polo Gen. Bovina Programa Mineiro de Estruturação do Setor Lácteo para Polo Leite Exportação Consolidação do Pólo de Excelência em Recursos Hídricos Polo Rec. Hídricos Operação e Manutenção do Centro de Inteligência em Florestas Polo Florestas Caracterização da cafeicultura de montanha Polo Café Escola da Água Polo Rec. Hídricos Área 2 Área 3 Programa de Consolidação do Pólo de Excelência de Leite e Polo Leite Derivados Fórum das Américas – Leite e Derivados 2009 Polo Leite Monitoramento qualidade das águas da lagoa Dom Helvécio - Polo Rec. Hídricos Parque Rio Doce
  • Agenda Introdução Priorização dos Projetos Geração de Idéias Senso Comum
  • Geração de Novas Idéias e Projetos Desenvolvimento Regional e Setorial Rede de Inovação Tecnológica Especiais Rede de Formação Profissional As idéias geradas foram agrupadas de acordo com o projeto estruturador ao qual se referiam.
  • Geração de Novas Idéias e Projetos Desenvolvimento Regional e Setorial • Pensar em novos Polos e APLs com foco em temas que ainda não são de domínio do estado de MG; • Criar “Polo da Mobilidade” (ferrovia, aeroporto e mobilidade urbana); • Desenvolver ou ampliar “Polo de Matriz Energética” com foco em energias renováveis; • Criar “APL Agroindustrial”; • Estimular a interação entre APLs; • Promover maior atuação do APL de Software em beneficio dos outros APLs e Polos; • Eleger um APL ou Polo estratégico para ter um maior aporte financeiro.
  • Geração de Novas Idéias e Projetos Rede de Inovação Tecnológica • Criar projeto para Rede de Inovação em Serviços na iniciativa pública e privada; • Realizar um benchmarking internacional sobre redes de inovação para desenvolver e ampliar a rede mineira; • Realizar um benchmarking nacional sobre as leis de inovação para estruturar a melhor lei de inovação do Brasil; • Facilitar incentivos fiscais para pequenas e médias empresas; • Criar fundos setoriais dedicados a segmentos estratégicos; • Diminuir burocracia para aproximação dos NITs e empresas; • Promover a interação dos mestres e doutores com a empresa; • Promover a articulação da cadeia produtiva visando o mercado externo. • Ampliar o Programa Mineiro de Empreendedorismo na Pós-Graduação; • Incentivar a “formação sandwich” em universidades de primeira linha.
  • Geração de Novas Idéias e Projetos Rede de Formação Profissional • Realizar benchmarking das referências mundiais em educação (Modelo Piza - Finlândia) e criar o MIT brasileiro em MG (referencial em educação tecnológica); • Desenvolver mecanismos para disseminar ética e valores profissionais; • Inserir a cultura da inovação e empreendedorismo na grade do ensino básico – Ciência e Tecnologia a serviço do ensino fundamental; • Investir em cursos de formação técnicas orientadas para o mercado; • Atração e formação de engenheiros e técnicos (bolsas de estudo); • Incentivar a formação de mestres e doutores orientados para o mercado; • Ampliar o Programa Mineiro de Empreendedorismo na Pós-Graduação; • Incentivar a “formação sandwich” em universidades de primeira linha. Apesar de termos explicado claramente no início do workshop os objetivos e os projetos que compunham cada projeto estruturador, diversas iniciativas do RIT foram associadas pelos participantes à Rede de Formação Profissional
  • Geração de Novas Idéias e Projetos Especiais • Criar projetos de divulgação das iniciativas e cases de sucesso da SECTES utilizando ferramentas do SIMI; • Fomentar a Sustentabilidade como negócio; • Estímulo da cooperação internacional para atração de conhecimento e recurso; • Editais conjunto com ICTs internacionais para desenvolvimento de pesquisa; • Editais de promoção de inovação nas médias e grandes empresas sem pré requisito de ICT.
  • Agenda Introdução Priorização dos Projetos Geração de Idéias Senso Comum
  • Senso Comum A partir das discussões geradas no Workshop pôde-se extrair algumas iniciativas abrangentes que foram consideradas como Senso Comum dos grupos e podem orientar a SECTES em suas ações futuras
  • Senso Comum Regiões Inovadoras no mundo Olhar para Olhar para dentro fora Regiões Inovadoras no mundo Realizar visitas de benchmarking nacionais e internacionais para estudar melhores práticas.
  • Senso Comum Comunicar efetivamente as ações da SECTES para fomentar a imagem de Estado Inovador utilizando principalmente o portal do SIMI e outras redes sociais.
  • Senso Comum O posicionamento da SECTES é hoje mais proativo do que antes, mas pode ser ainda mais proativo: olhar para o futuro, vislumbrar tendências e investir em novas temáticas.
  • Senso Comum Focar em algumas frentes de atuação estratégicas, concentrando mais recursos em projetos que tragam mais retorno em termos de desenvolvimento econômico e social.
  • Dúvidas
  • Anexos
  • Matriz de PriorizaçãoProjetos priorizados Ilustrativo Os projetos que compõem o portfólio analisado foram priorizados conforme sua posição no gráfico, que reflete sua adequação à estratégia do Estado. Projetos com alto impacto para o 100 pontos desenvolvimento do Estado e para a promoção de um ambiente de inovação devem ser priorizados 4 3 Ambiente de inovação 1 2 Projetos localizados 0 pontos na área intermediária Impacto para o devem ser discutidos 0 pontos 100 pontos caso a caso desenvolvimento do Projetos com baixo Estado impacto para o desenvolvimento do Estado e para a promoção de um ambiente de inovação devem ser revistos
  • Matriz de PriorizaçãoDefinição de critérios Foram utilizados diversos critérios pré-definidos para a identificação do impacto para o desenvolvimento do Estado e para a promoção de um ambiente de inovação de cada projeto. DIMENSÕES CRITÉRIOS  Impacto potencial na imagem do Estado como parceiro / colaborador do desenvolvimento sustentável / facilitador do processo Ambiente de  Potencial de formação de maior nº de pessoas inovação  Fortalecimento das ICTs do Estado  Impacto na formação de parcerias com instituições estratégicas  Impacto na qualidade de vida / melhor aproveitamento do tempo  Custo de oportunidade / Impactos Potenciais da não execução  Viabilidade técnica e econômica do projeto Impacto para o  Potencial de gerar desenvolvimento econômico desenvolvimento do  Potencial de geração de emprego / renda Estado  Grau de inovação (desenvolvimento de competências diferenciadores / Capacidade de agregar valor no longo prazo
  • Matriz de PriorizaçãoAmbiente de inovaçãoO projetos foram analisados / quantificados em cada um dos critérios que compõema dimensão Ambiente de Inovação… Grau de Alinhamento 0 pontos 50 pontos 100 pontos Impacto potencial  Pouco ou nenhum  Moderado potencial de  Alto potencial de na imagem do potencial de impacto impacto em imagem impacto em imagem Estado como em imagem parceiro  Gera conhecimento  Gera conhecimento  Gera conhecimento Potencial de pouco aproveitável relevante mas de difícil relevante e de fácil formação de maior pelo processo de absorção ao processo absorção ao processo nº de pessoas formação de formação de formação  Pouca ou nenhuma  Alguma visibilidade  Forte visibilidade Fortalecimento das visibilidade acadêmica junto às empresas /interação/parcerias junto ICTs do Estado com promoção de às empresas interação Impacto na  Nenhum potencial de  Potencial moderado de  Alto potencial de atração formação de atração de parceiros atração de parceiros de parceiros estratégicos parcerias com estratégicos estratégicos instituições estratégicas Impacto na  Melhor aproveitamento  Aumento da atratividade  Sem impacto qualidade de vida do tempo pela qualidade de vida
  • Matriz de PriorizaçãoImpacto para o desenvolvimento do Estado…assim como em cada critério que constitui o Impacto para o Desenvolvimento doEstado. Grau de Alinhamento 0 pontos 50 pontos 100 pontos  Pouco ou nenhum  Potencial de impacto  Potencial de alto Custo de impacto potencial da moderado da não impacto da não oportunidade não execução execução execução Viabilidade técnica  Alto nível de  Alto nível de  Baixo nível de e econômica do complexidade técnica complexidade técnica complexidade técnica e projeto e alto investimento ou alto investimento baixo investimento  Gera muitas oportunidades Potencial de gerar  Não gera novas  Gera moderadas de surgimento de novas desenvolvimento oportunidades de oportunidades de empresas ou crescimento econômico negócios negócios das atuais Potencial de geração de  Sem impacto  Impacto moderado  Impacto significativo emprego/renda  Não traz competência  Traz novas  Traz novas diferenciadora / competências competências tornando- Grau de inovação Conhecimento aumentando a se referência competitividade tecnológica do Estado
  • Matriz de PriorizaçãoPontuação dos projetos Ilustrativo Pela composição da pontuação do projeto é possível definir o seu posicionamento no gráfico, a partir do valor de cada um dos eixos: impacto para o desenvolvimento do Estado e promoção de um ambiente de inovação. Impacto para o desenvolvimento do Ambiente de inovação Estado Potencial de geração Viabilidade técnica e Impacto na imagem Fortalecimento das formação de maior Potencial de gerar de emprego/renda qualidade de vida Grau de inovação desenvolvimento do Estado como ICTs do Estado nº de pessoas econômica do oportunidade formação de Potencial de estratégicas econômico Impacto na Impacto na parcerias Custo de parceiro projeto Total Total 0 50 100 100 100 0 50 Projeto 1 0 pontos 0 pontos 30 pontos 50 pontos 60 pontos pontos pontos pontos pontos pontos pontos pontos 0 50 50 50 50 100 0 100 Projeto 2 0 pontos 0 pontos 20 pontos 60 pontos pontos pontos pontos pontos pontos pontos pontos pontos 50 100 50 50 50 100 50 100 Projeto 3 0 pontos 100 pontos 60 pontos 70 pontos pontos pontos pontos pontos pontos pontos pontos pontos 0 100 50 100 100 50 0 Projeto 4 50 pontos 50 pontos 0 pontos 0 pontos 30 pontos pontos pontos pontos pontos pontos pontos pontosNota: Os pesos indicados na tabela acima são meramente ilustrativos