Edgar morin avaliação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Edgar morin avaliação

on

  • 1,474 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,474
Views on SlideShare
1,474
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
14
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Edgar morin avaliação Edgar morin avaliação Presentation Transcript

  • Universidade Cruzeiro do Sul Carina Ribeiro RGM 991-1 Silvilene Oliveira RGM 966-1
  • Edgar Morin • (Paris, 1921) é considerado um dos maiores pensadores do século XX. • É doutor honoris causa em 17 universidades de diversos países, tais como Itália, Portugal, Espanha, Dinamarca, Grécia, México, Bolívia e Brasil (em João Pessoa e Porto Alegre). • Tem formação pluridisciplinar, é sociólogo, antropólogo, historiador, geógrafo e filósofo, e acima de tudo um intelectual livre que nos propõe uma visão transdisciplinar do pensamento. • Tem mais de 40 livros de Epistemologia, sociologia, política e antropologia, publicados e traduzidos em diversas línguas. Merece ser destacada sua obra de 4 volumes, intitulada El Mètode que trata da transformação das ciências e do seu impacto na sociedade contemporânea. • É diretor do Centro de Estudos Transdisciplinares em Paris, (EHESS), presidente da Agência Européia de Cultura da UNESCO e presidente da Associação de Pensamento Complexo. É um apaixonado pelas artes em geral, principalmente pela literatura e pelo cinema. • Durante a II Guerra Mundial, foi combatente voluntário da resistência francesa nos anos de 1942 a 1944, lutando contra o nazismo e o stalinismo.
  • Avaliação Segundo o Projeto Político Pedagógico: A avaliação é desenvolvida de forma contínua, sistemática e cumulativa respeitando as características individuais, pois cada um aprende em tempo e ritmos diferentes. O conhecimento não é produto acabado e sim um processo que está sendo reformado, repensado e se adequando a nossa realidade. A avaliação é qualitativa e quantitativa (regime da escola), mas sempre se procura avaliar o aluno como um todo e não somente pelas notas obtidas pelas provas. Segundo Edgar Morin: É uma forma de segregação que não ajuda a organizar o conhecimento e suas relações entre as distintas informações. A avaliação não está de acordo com os sete saberes de Edgar Morin.
  • • Os sete saberes são essenciais ao ensino, porque tudo está integrado para permitir uma mudança de pensamento; para que se transforme a concepção fragmentada e dividida do mundo, que impede a visão total da realidade. Essa visão fragmentada faz com que os problemas permaneçam invisíveis.
  • • Reconhecer as cegueiras do conhecimento, seus erros e ilusões. • Assumir os princípios de um conhecimento pertinente • Condição humana • Identidade planetária • Enfrentar as incertezas • Compreender • Ética do gênero humano Quais são os 7 saberes de Morin?
  • • Entende-se reconhecer as cegueiras do conhecimento, seus erros e ilusões, é assumir o ato de conhecer como um traduzir e não como uma foto correta da realidade. Trata-se de armar nossas ates para o combate vital pela lucidez e isso o significa estar sempre buscando modos de conhecer o próprio ato de conhecer. • Por assumir os princípios de conhecimento pertinente, entende-se a necessidade de ensinar os métodos que permitam apreender as relações mútuas e as influências recíprocas entre as partes e o todo se mundo complexo. Trata-se de envolver uma atitude mental capaz abordar problemas globais que contextualizem suas informações parciais e locais. • Ensinar a condição humana deveria ser o objeto essencial de qualquer sistema de ensino e isso passa considerar conhecimentos que estão dispersos em várias disciplinas como as ciências naturais, as ciências humanas, a literatura e a filosofia. As gerações precisam conhecer a unidade e a diversidade do humano.
  • • Ensinar a identidade planetária tem a ver com mostrar a complexidade da crise planetária que caracteriza o século XX. Trata-se de ensinar a história da era planetária, mostrando como todas as partes do mundo necessitam ser intersolidárias, a vez que enfrentam os mesmos problemas de vida e de morte. • É preciso aprender a tentar as incertezas reveladas ao longo do século XX através da microfísica, da termodinâmica, da cosmologia, das ciências biológicas evolutivas, das neurociências e das ciências históricas. É preciso aprender a navegar no oceano das incertezas através dos arquipélagos das certezas. • Compreender é ao mesmo tempo meio e fim da comunicação humana, portanto não pode ser algo desconsiderado pela educação. E, para tanto, precisamos passar por uma reforma das mentalidades. • Por ética do gênero humano, entendo uma abordagem que considere tanto o indivíduo, quanto a sociedade e a espécie. E isso não se ensina dando lições de moral. Isso passa pela consciência que o humano vai adquirindo de si mesmo como indivíduo, como parte da sociedade e como parte da espécie humana. Isso implica conceber a humanidade como uma comunidade planetária composta de indivíduos que vivem em democracias.
  • Críticas à Educação • Segundo Morin: • “Há que se fazer uma total reorganização da educação. E essa reorganização não se refere ao ato de ensinar. Refere-se à luta contra os defeitos do sistema que estão cada vez maiores. Por exemplo, o ensino de disciplinas separadas e sem comunicação entre si produz uma fragmentação e uma dispersão que nos impede de ver globalmente coisas que são cada vez mais importantes no mundo. Existem problemas centrais e fundamentais que permanecem completamente ignorados ou esquecidos e que são importantes para qualquer sociedade e qualquer cultura”.
  • Críticas à Avaliação • De acordo com Morin: • “Não sou a favor de nenhum tipo de segregação, uma vez que ao longo da vida passamos por tudo: atrasos, progressos, encontros, desencontros, crises. Esse tipo de avaliação (quantitativa) é uma forma de segregação que não ajuda a organizar o conhecimento e suas relações entre as distintas informações”.
  • • Para avaliarmos uma disciplina precisamos avaliar o curso, o currículo, o ensino e aí o papel do professor é central: seu treinamento, seu estilo, suas crenças, atitudes, arte, inserção social, psique.
  • Papel do Professor • Mediador do processo de reconstrução do conhecimento. Ele precisa possibilitar o acesso às ferramentas necessárias para que o aluno possa elaborar uma nova forma de compreensão de sua prática social e de seus vínculos com a prática social global. • O professor(a) precisa trabalhar-se, trabalhar sua relação ao desejo de saber, desejo de ensinar e isso exige uma leitura plural: filosófica, antropológica, psicanalítica, sociológica: multirreferencial. O sujeito professor precisa colocar-se em questão: auto-avaliar-se, auto-questionar-se, perceber seu papel no instituído e no instituinte.
  • Conclusão • A avaliação é um processo que deveria ajudar o aluno a organizar o seu conhecimento. No entanto, na maioria das vezes é um meio utilizado para segregar os indivíduos, ou seja, separar os melhores dos piores.
  • Referências Bibliográficas • BORBA. Sergio da Costa. A Complexa Arte da Avaliação: Contribuições da Psicanálise, Filosofia, História, Pedagogia, Sociologia e Antropologia”. Maceió, EDUFAL, 2003 • MORIN, Edgar. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios, 4 ed. – São Paulo: Cortez: 2007 • MORIN. Edgar. Os sete saberes necessários à Educação do Futuro. 5 ed. São Paulo: Cortez: 2002. • SÁTIRO, Angélica O pensamento complexo de Edgar Morin e sua Ecologia da ação. Revista Linha Direta. Publicação Mensal dos Sinepes e da AEBJ, Ano 5, nº 57, 2002 .