Os movimentos sociais no brasil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Os movimentos sociais no brasil

on

  • 8,806 views

 

Statistics

Views

Total Views
8,806
Views on SlideShare
8,806
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
106
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Os movimentos sociais no brasil Os movimentos sociais no brasil Document Transcript

  • Os Movimentos Sociais noBrasil A análise dos movimentos sociais no Brasil revelamforte enfoque teórico oriundo do marxismo, sejam elesvinculados ao espaço urbano e/ou rural. Tais movimentos, quando se referiam ao espaçourbano possuíam um leque amplo de temáticas como por exemplo, as lutas por creches, porescola pública, por moradia, transporte, saúde, saneamento básico etc. Quanto ao espaço rural,a diversidade de temáticas expressou-se nos movimentos de bóias-frias (das regiões cafeeiras,citricultoras e canavieiras, principalmente), de posseiros, sem-terra, arrendatários e pequenosproprietários. Cada um dos movimentos possuía uma reivindicação específica, no entanto, todosexpressavam as contradições econômicas e sociais presentes na sociedade brasileira. No início do século XX, era muito mais comum a existência de movimentos ligados aorural, assim como movimentos que lutavam pela conquista do poder político. Em meados de1950, os movimentos nos espaços rural e urbano adquiriram visibilidade através da realizaçãode manifestações em espaços públicos (rodovias, praças, etc.). Os movimentos popularesurbanos foram impulsionados pelas Sociedades Amigos de Bairro - SABs - e pelas ComunidadesEclesiais de Base - CEBs. Nos anos 1960 e 1970, mesmo diante de forte repressão policial, osmovimentos não se calaram. Havia reivindicações por educação, moradia e pelo voto direto. Em1980 destacaram-se as manifestações sociais conhecidas como "Diretas Já". Em 1990, o MST e as ONGs tiveram destaque, ao lado de outros sujeitos coletivos, taiscomo os movimentos sindicais de professores. Concomitante às ações coletivas que tocam nos problemas existentes no planeta(violência, por exemplo), há a presença de ações coletivas que denunciam a concentração deterra, ao mesmo tempo que apontam propostas para a geração de empregos no campo, aexemplo do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST); ações coletivas que denunciam oarrocho salarial (greve de professores e de operários de indústrias automobilísticas); açõescoletivas que denunciam a depredação ambiental e a poluição dos rios e oceanos (lixodoméstico, acidentes com navios petroleiros, lixo industrial); ações coletivas que têm espaçourbano como locus para a visibilidade da denúncia, reivindicação ou proposição de alternativas. As passeatas, manifestações em praça pública, difusão de mensagens via internet,ocupação de prédios públicos, greves, marchas entre outros, são características da ação de um
  • movimento social. A ação em praça pública é o que dá visibilidade ao movimento social,principalmente quando este é focalizado pela mídia em geral. Os movimentos sociais são sinaisde maturidade social que podem provocar impactos conjunturais e estruturais, em maior oumenor grau, dependendo de sua organização e das relações de forças estabelecidas com oEstado e com os demais atores coletivos de uma sociedade. Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - MST O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, também conhecido pela siglaMST, é um movimento social brasileiro de inspiração marxista cujo objetivo é a implantação dareforma agrária no Brasil. Teve origem na aglutinação de movimentos que faziam oposição ouestavam desgostosos com o modelo de reforma agrária imposto pelo regime militar,principalmente na década de 1970, o qual priorizava a colonização de terras devolutas emregiões remotas, com objetivo de exportação de excedentes populacionais e integraçãoestratégica. Contrariamente a este modelo, o MST declara buscar a redistribuição das terrasimprodutivas. Apesar dos movimentos organizados de massa pela reforma agrária no Brasilremontarem apenas às ligas camponesas, associações de agricultores que existiam durante asdécadas de 1950 e 1960, o MST proclama-se como herdeiro ideológico de todos os movimentosde base social camponesa ocorridos desde que os portugueses entraram no Brasil, quando aterra foi dividida em sesmarias por favor real, de acordo com o direito feudal português, fatoeste que excluiu em princípio grande parte da população do acesso direto à terra. Uma das atividades do grupo consiste na ocupação de terras improdutivas como formade pressão pela reforma agrária, mas também há reivindicação quanto a empréstimos e ajudapara que realmente possam produzir nessas terras. Para o MST, é muito importante que asfamílias possam ter escolas próximas ao assentamento, de maneira que as crianças nãoprecisem ir à cidade e, desta forma, fixar as famílias no campo.A organização não tem registro legal por ser um movimento social e, portanto, não é obrigadaa prestar contas a nenhum órgão de governo, como qualquer movimento social ou associaçãode moradores.
  • O movimento recebe apoio de organizações não governamentais e religiosas, do país edo exterior, interessadas em estimular a reforma agrária e a distribuição de renda em paísesem desenvolvimento. Sua principal fonte de financiamento é a própria base de camponeses jáassentados, que contribuem para a continuidade do movimento. Dados coletados em diversas pesquisas demonstram que os agricultores organizadospelo movimento têm conseguido usufruir de melhor qualidade de vida que os agricultores nãoorganizados. O MST reivindica representar uma continuidade na luta histórica dos camponesesbrasileiros pela reforma agrária. Os atuais governantes do Brasil tem origens comuns nas lutassindicais e populares, e portanto compartilham em maior ou menor grau das reivindicaçõeshistóricas deste movimento. Segundo outros autores, o MST é um movimento legítimo que usaa única arma que dispõe para pressionar a sociedade para a questão da reforma agrária, aocupação de terras e a mobilização de grande massa humana. Movimento dos Trabalhadores Sem Teto - MTST O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) surgiuem 1997 da necessidade de organizar a reforma urbana e garantir moradia e a todos oscidadãos. Está organizado nos municípios do Rio de Janeiro, Campinas e São Paulo. É ummovimento de caráter social, político e sindical. Em 1997, o MST fez uma avaliação interna emque reconheceu que seria necessária uma atuação na cidade além de sua atuação no campo.Dessa constatação, duas opções de luta se abriram: trabalho e moradia. Estão em quase todas as metrópoles do País. São desdobramentos urbanos do MST,com um comando descentralizado. As formas de atuação variam de um movimento para outro.Em geral, as ocupações não têm motivação política, apenas apoio informal de filiados a partidosde esquerda. O objetivo das ocupações é pressionar o poder público a criar programas demoradia e dar à população de baixa renda acesso a financiamentos para a compra de imóveis. Atualmente, o MTST é autônomo em relação ao MST, mas tem uma aliança estratégicacom esse.
  • Fórum Social Mundial - FSM O Fórum Social Mundial (FSM) é um evento altermundialista organizado pormovimentos sociais de diversos continentes, com objetivo de elaborar alternativas para umatransformação social global. Seu slogan é Um outro mundo é possível.É um espaço internacional para a reflexão e organização de todos os que se contrapõem àglobalização neoliberal e estão construindo alternativas para favorecer o desenvolvimentohumano e buscar a superação da dominação dos mercados em cada país e nas relaçõesinternacionais. A luta por um mundo sem excluídos, uma das bandeiras do I Fórum Social Mundial, temsuas raízes fixadas na resistência histórica dos povos contra todo o gênero de opressão emtodos os tempos, resistência que culmina em nossos dias com o movimento irmanando milhõesde cidadãos e não-cidadãos do mundo inteiro contra as conseqüências da mundialização docapital, patrocinada por organismos multilaterais como o Fundo Monetário Internacional (FMI),o Banco Mundial (BM) e a Organização Mundial do Comércio (OMC), entre outros. O Fórum Social Mundial (FSM) se reuniu pela primeira vez na cidade de Porto Alegre,estado do Rio Grande do Sul, Brasil, entre 25 e 30 de janeiro de 2001, com o objetivo de secontrapor ao Fórum Econômico Mundial de Davos. Esse Fórum Econômico tem cumprido, desde1971, papel estratégico na formulação do pensamento dos que promovem e defendem aspolíticas neoliberais em todo mundo. Sua base organizacional é uma fundação suíça quefunciona como consultora da ONU e é financiada por mais de 1.000 empresas multinacionais. Movimento Hippie Os "hippies" (no singular, hippie) eram parte do que seconvencionou chamar movimento de contracultura dos anos 60 tendo relativa queda depopularidade nos anos 70 nos EUA, embora o movimento tenha tido muita força em paísescomo o Brasil somente na década de 70. Uma das frases ideomáticas associada a estemovimento foi a célebre máxima "Paz e Amor" (em inglês "Peace and Love") que precedeu áexpressão "Ban the Bomb" , a qual criticava o uso de armas nucleares.
  • As questões ambientais, a prática de nudismo, e a emancipação sexual eram idéiasrespeitadas recorrentemente por estas comunidades. Adotavam um modo de vida comunitário, tendendo a uma espécie de socialismo-anarquista ou estilo de vida nômade e à vida em comunhão com a natureza, negavam onacionalismo e a Guerra do Vietnã, bem como todas as guerras, abraçavam aspectos dereligiões como o budismo, hinduismo, e/ou as religiões das culturas nativas norte-americanas eestavam em desacordo com valores tradicionais da classe média americana e das economiascapitalistas e totalitárias. Eles enxergavam o patriarcalismo, o militarismo, o podergovernamental, as corporações industriais, a massificação, o capitalismo, o autoritarismo e os valores sociais tradicionais como parte de uma "instituição" única, e que não tinha legitimidade. Nos anos 60, muitos jovens passaram a contestar a sociedade e a pôr em causa os valores tradicionais e o poder militar e econômico. Esses movimentos de contestação iniciaram-se nos EUA, impulsionados por músicos e artistas em geral. Os hippies defendiam o amor livre e a não-violência. Como grupo, os hippies tendem a viver em comunidades coletivistas ou de formanômade, vivendo e produzindo independentemente dos mercados formais, usam cabelos ebarbas mais compridos do que era considerado "elegante" na época do seu surgimento. Muitagente não associada à contracultura considerava os cabelos compridos uma ofensa, em partepor causa da atitude iconoclasta dos hippies, às vezes por acharem "anti-higiênicos" ou osconsiderarem "coisa de mulher". Foi quando a peça musical Hair saiu do circuito chamado off-Broadway para um grandeteatro da Broadway em 1968, que a contracultura hippie já estava se diversificando e saindodos centros urbanos tradicionais.Os Hippies não pararam de fazer protestos contra a Guerra do Vietnã, cujo propósito era acabarcom a guerra. A massa dos hippies eram soldados que voltaram depois de ter contato com osIndianos e a cultura oriental que, a partir desse contato, se inspiraram na religião e no jeito deviver para protestarem. Seu principal símbolo era o Mandala (Figura circular com 3 intervalosiguais).
  • Movimento Feminista O Feminismo é um discurso intelectual, filosófico e político que tem como meta os direitos iguais e a proteção legal às mulheres. Envolve diversos movimentos, teorias e filosofias, todas preocupadas com as questões relacionadas às diferenças entre os gêneros, e advogam a igualdade para homens e mulheres e a campanha pelos direitos das mulheres e seus interesses. De acordo com Maggie Humm e Rebecca Walker, a história do feminismo pode ser dividida em três "ondas". Aprimeira teria ocorrido no século XIX e início do século XX, a segunda nas décadas de 1960 e1970, e a terceira teria ido da década de 1990 até a atualidade. A teoria feminista surgiu destesmovimentos femininos, e se manifesta em diversas disciplinas como a geografia feminista, ahistória feminista e a crítica literária feminista. O feminismo alterou principalmente as perspectivas predominantes em diversas áreas dasociedade ocidental, que vão da cultura ao direito. As ativistas femininas fizeram campanhaspelos direitos legais das mulheres (direitos de contrato, direitos de propriedade, direitos aovoto), pelo direito da mulher à sua autonomia e à integridade de seu corpo, pelos direitos aoaborto e pelos direitos reprodutivos (incluindo o acesso à contracepção e a cuidados pré-nataisde qualidade), pela proteção de mulheres e garotas contra a violência doméstica, o assédiosexual e o estupro, pelos direitos trabalhistas, incluindo a licença-maternidade e salários iguais,e todas as outras formas de discriminação. Durante a maior parte de sua história, a maior parte dos movimentos e teoriasfeministas tiveram líderes que eram principalmente mulheres brancas de classe média, daEuropa Ocidental e da América do Norte. No entanto, desde pelo menos o discurso SojournerTruth, feito em 1851 às feministas dos Estados Unidos, mulheres de outras raças propuseramformas alternativas de feminismo. Esta tendência foi acelerada na década de 1960, com omovimento pelos direitos civis que surgiu nos Estados Unidos, e o colapso do colonialismoeuropeu na África, no Caribe e em partes da América Latina e do Sudeste Asiático. Desde entãoas mulheres nas antigas colônias europeias e no Terceiro Mundo propuseram feminismos "pós-coloniais" - nas quais algumas postulantes, como Chandra Talpade Mohanty, criticam ofeminismo tradicional ocidental como sendo etnocêntrico. Feministas negras, como AngelaDavis e Alice Walker, compartilham este ponto de vista. Desde a década de 1980, as feministas standpoint argumentaram que o feminismodeveria examinar como a experiência da mulher com a desigualdade se relaciona ao racismo, àhomofobia, ao classismo e à colonização. No fim da década e início da década seguinte as
  • feministas ditas pós-modernas argumentaram que os papeis sociais dos gêneros seriamconstruídos socialmente, e que seria impossível generalizar as experiências das mulheres portodas as suas culturas e histórias. Movimento Estudantil O movimento estudantil, embora não seja considerado um movimento popular, dada a origem dos sujeitos envolvidos, que, nos primórdios desse movimento, pertenciam, em sua maioria, a chamada classe pequeno burguesa, é um movimento de caráter social e de massa. É a expressão política das tensões que permeiam o sistema dependente como um todo e não apenas a expressão ideológica de uma classe ou visão de mundo. Em1967, no Brasil, sob a conjuntura da ditadura militar, esse movimento inicia um processo dereorganização, como a única força não institucionalizada de oposição política. A história mostracomo esse movimento constitui força auxiliar do processo de transformação social ao polarizaras tensões que se desencadearam no núcleo do sistema dependente. O movimento estudantil éo produto social e a expressão política das tensões latentes e difusas na sociedade. Sua açãohistórica e sociológica tem sido a de absorver e radicalizar tais tensões. Sua grande capacidadede organização e arregimentação foi capaz de colocar cem mil pessoas na rua, quando dapasseata dos cem mil, em 1968. Ademais, a histórica resistência da União Nacional dosEstudantes (UNE), como entidade representativa dos estudantes, é exemplar. O movimento estudantil é um movimento social da área da educação, no qual ossujeitos são os próprios estudantes. Caracteriza-se por ser um movimento policlassista econstantemente renovado - já que o corpo discente se renova periodicamente nas instituiçõesde ensino. Podem-se encontrar traços de movimentos estudantis pelo menos desde o século XV,quando, na Universidade de Paris, uma das mais antigas universidades da Europa, registraram-se vários movimentos grevistas importantes. A universidade esteve em greve durante trêsmeses, em 1443, e por seis meses, entre setembro de 1444 e março de 1445, em defesa desuas isenções fiscais. Em 1446, quando Carlos VII submeteu a universidade à jurisdição doParlamento de Paris, eclodiram revoltas estudantis - das quais participou, entre outros, o poetaFrançois Villon - contra a supressão da autonomia universitária em matéria penal e a submissãoda universidade ao Parlamento. Freqüentemente, estudantes eram detidos pelo preboste do reie, nesses casos, o reitor dirigia-se ao Châtelet, sede do prebostado, para pedir que o estudantefosse julgado pelas instâncias da universidade. Se o preboste do rei indeferia o pedido, a
  • universidade entrava em greve. Em 1453, um estudante, Raymond de Mauregart, foi mortopelas forças do Châtelet e a universidade entrou novamente em greve por vários meses. Contemporaneamente, destacam-se os movimentos estudantis da década de 1960,dentre os quais os de maio de 1968), na França. No mesmo ano, também se registrarammovimentos em vários outros países da Europa Ocidental, nos Estados Unidos e na AméricaLatina. No Brasil, o movimento teve papel importante na luta contra o regime militar que seinstalou no país a partir de 1964.