Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança

6,853 views

Published on

Matéria do 10ºano relativamente ao cristianismo e a sua expansão no império romano.

0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
6,853
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
241
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança

  1. 1. Espaço civilizacional greco-latino a beira da mudança
  2. 2. <ul><li>O tema que nós vamos desenvolver neste trabalho é referente ao espaço civilizacional greco - latino à beira da mudança. </li></ul><ul><li>Dentro deste mesmo tema, falaremos do aparecimento do cristianismo no império romano, do crescimento dos cristãos no império, do tempo das perseguições há adopção do cristianismo como religião oficial do império romano, do império romano - cristão e, por fim, da igreja e a transmissão do legado político-cultural clássico. </li></ul>
  3. 3. O Aparecimento do cristianismo no império romano . Por todo o império romano, eram acolhidos diversos cultos e devoções a vários deuses. <ul><li>E é precisamente na Palestina que, por volta do ano 4 a.C ., durante o poder de Octávio Augusto, vai acontecer algo importante, o NASCIMENTO DE JESUS, na região da Judeia, na Nazaré da galileia, em Belém, dando início ao ano 1 da era cristã. Este vai nascer no meio de uma família humilde e muito simples, filho de José e de Maria vivendo durante a sua infância em Nazaré. </li></ul>Mas nesse vasto império, havia um povo monoteísta os JUDEUS. Que se encontravam na Palestina que, estava sob domínio dos romanos desde 64 a.C. (JUDAISMO-JEOVÁ)
  4. 4. Segundo a fé cristã, Deus enviou à terra o seu filho, não só para espalhar a mensagem de deus, mas também, para ser o Messias ou Cristo (em grego), “O salvador”, à muito esperado pelo povo hebreu (o antigo povo que dará origem aos judeus). Daí a chamar-se JESUS CRISTO . Pois estes acreditavam que um dia viria alguém, para os libertar do domínio dos romanos. Ora, Jesus veio ao mundo com a missão de difundir a palavra de seu pai e assim fundar uma nova religião, CRISTIANISMO. Começa por espalhar a “Boa Mensagem”, o significado da palavra Evangelho, na região onde vivia. E só depois de 2 anos, é que parte junto com os seus 12 discípulos, para outras cidades e aldeias. <ul><li>E é por volta dos 30 anos de idade, que vai dar inicio à sua vida </li></ul><ul><li>pública, e vai começar a difundir as ideias do Cristianismo. </li></ul>O Aparecimento do cristianismo no império romano .
  5. 5. <ul><li>A novidade da sua doutrina </li></ul>Jesus Cristo, divulgava uma nova mensagem de FRATERNIDADE, SOLIDARIEDADE HUMANA, HUMILDADE, PACIFISMO, UNICIDADE e “ SALVAÇÃO ”, ora prometia aos crentes a imortalidade espiritual pela sobrevivência da alma, depois da morte. UNIVERSAL REVOLUCIONÁRIA TOTALITÁRIA Dirige-se a toda Humanidade sem distinção de, raça, sexo ou situação social. (ao contrário do judaísmo) Pois vem contrariar as desigualdades sociais do seu tempo, e defende a igualdade entre os homens. Defendia a existência de um único deus, não admitiam e prestavam culto qualquer outro credo, se não a Deus, o todo poderoso. Aos olhos de deus todos podem alcançar a vida eterna, pois para ele não há diferenças entre os homens. Era uma mensagem carácter exclusivo e messiânico, isto é, anunciador de uma nova ordem espiritual, em que todos tinham de ser seus crentes. O Aparecimento do cristianismo no império romano .
  6. 6. Por isso Jesus foi rejeitado e acusado de blasfemo, e juntamente com os seus seguidores, foram martirizados e perseguidos pelas autoridades judaicas. Mas Jesus, quando foi aclamado Messias, não vêm a ser aceite por todos os judeus, nomeadamente os lideres religiosos judeus, os que defendiam o judaísmo oficial. Pois estes já tinham tido conhecimentos de outros anteriores messias que, não tinham tido um grande impacto, como Jesus. O Aparecimento do cristianismo no império romano . E só após à morte de Jesus é que os cristãos vão sofrer, as sucessivas e sangrentas perseguições e massacres por parte dos romanos.
  7. 7. Ora os romanos ao quererem, criar laços com autoridade religiosas judaicas, ao concordarem que Jesus não passava de um blasfemo , por verem-no como perturbador da paz social e temerem que se tornasse num líder numa das regiões de domínio romano. Entre o ano 30 e 33 , a mando do procurador romano Pâncio Pilatos, Jesus vêm a ser torturado, condenado à morte, através de um castigo comum na época, a CRUCIFICAÇÃO. Crucificação de Jesus no império romano. O Aparecimento do cristianismo no império romano .
  8. 8. E assim foram ganhando cada vez mais seguidores e crentes, nomeadamente, entre os excluídos da sociedade, como as mulheres, os pobres e em especial os escravos. E cada vez eram mais mal vistos pela maior parte da sociedade romana. Os apostoles, os principais testemunhos da vida de Jesus, (entre eles, S.Pedro e S.Paulo) entre 45 d.C. e 61 d.C ., vão estar encarregues de difundir a mensagem cristã, que juntamente com o Novo testamento (bíblia), se vai espalhar rapidamente pelo império, devido a factores que os beneficiaram, como: <ul><li>A insatisfação da população romana devido a desigualdade social; </li></ul><ul><li>Povos oprimidos pensarem que os valores cristãos são a sua esperança; </li></ul><ul><li>Haver muitas comunidades judaicas que acolhiam esta religião; </li></ul><ul><li>Redes de estrada e a unidade linguística. </li></ul>E após a morte de Jesus. O Aparecimento do cristianismo no império romano.
  9. 10. E é então no ano 64 d.C . que se vai iniciar a época dos mártires, a época das perseguições aos cristãos. Pois incomodados com o crescimento de cristãos e com alguns aspectos que os caracterizavam, viam-nos assim como perturbadores da paz social, mas esses aspectos tinham mais um carácter politico do que propriamente religioso, tais como: <ul><li>Estes negarem a prestação de culto ao imperador de Roma; </li></ul><ul><li>Rejeitarem a escravidão e defenderem a igualdade entre homens; </li></ul><ul><li>Condenarem hábitos tradicionais (como o espectáculo dos gladiadores) </li></ul>Vão ser acusados de : <ul><li>deslealdade para com a pátria </li></ul><ul><li>de ateísmo </li></ul><ul><li>de ódio pelo género humano </li></ul><ul><li>de delitos ocultos, como incesto </li></ul><ul><li>infanticídio </li></ul><ul><li>carestia </li></ul><ul><li>canibalismo ritual </li></ul>Crescimento do cristianismo no império romano.
  10. 11. Estes vão ser perseguidos e massacrados desde 64 d.C. até entre 303 d.C. e 305 d.C ., pelos imperadores, Nero, Domiciano, Trajano, Marco Aurelio Septimio Severo, Maximiano, Decio, Valeriano, Aureliano e por ultimo Diocleciano. Se fossem cidadãos romanos eram decapitados se não, podiam ser atirados às feras no coliseu, ou enviados para trabalhar nas minas , eram crucificados , condenados aos trabalhos forçados , exílios e utilizados como tochas . Cristãos sendo usados como tochas humanas. E por volta do séc. II d.C . , as perseguições aos cristãos começam atingem uma grande violência. Crescimento do cristianismo no império romano.
  11. 13. Perante a situação vivida vão ser cridas as catacumbas para os cristãos se refugiarem e de certa forma ali poderem praticar em tranquilidade cerimónias de culto ou até enterramento dos mortos. - Seus adeptos uniram-se, e o heroísmo dos mártires começou a suscitar múltiplas conversões, e foram ganhando cada vez mais adeptos em todas as classes sociais e na política , na administração e no exército e ainda nas cortes , aumentando consideravelmente o número de fiéis. No séc. III d.C . as perseguições acabaram por fortalecer o Cristianismo. Crescimento do cristianismo no império romano.
  12. 14. <ul><li>E vêm ganhar em 312 como aliado o imperador Constantino </li></ul><ul><li>que consciente desta situação, publicou , em 313 , o Édito de tolerância (Milão), que decretava : </li></ul><ul><li>liberdade religiosa em todo o Império; </li></ul><ul><li>igualdade de direitos para os cristãos; </li></ul><ul><li>restituição dos bens anteriormente confiscados às Igrejas. </li></ul>E assim Constantino a partir de 313 vêm conceder aos cristãos um tratamento preferencial, colocando-os nos mais altos cargos do Império , isenções fiscais e a permissão de construção de Templos ao seu Deus. Escultura de Constantino . Mas este, ao temer as divisões que começaram a surgir entre os cidadãos, convocou em 325 , o I Concílio Ecuménico (Concílio de Niceia) onde se vão reunir os bispos cristãos para definir as verdadeiras doutrinas (Credo Niceno) Império romano - cristão
  13. 15. <ul><li>Mais tarde, nos anos de 391 e 392 , o imperador Teodósio I , </li></ul><ul><li>vem publicar o Edicto de Tessalónica, e vem: </li></ul><ul><li>Combater o paganismo, </li></ul><ul><li>Proibir o seu culto quer público ou privado, </li></ul><ul><li>Encerrar muitos templos sendo alguns convertidos em igrejas, e assim proclamar o cristianismo como religião oficial em todo </li></ul><ul><li>Império romano. </li></ul>E todos os sucessores a Constantino, à excepção de Julião, o Apóstata , professaram o cristianismo, que vem assim ganhando cada vez mais evidência. <ul><li>O império Universal , era agora um </li></ul><ul><li>império cristão. </li></ul>Escultura de Teodósio. Império romano - cristão
  14. 16. O imperador vai ser visto como o “ escolhido , que Deus mandou à terra, para governar em Seu nome” , sendo destituído da condição de deus vivo, mas adquirindo um enorme poder. <ul><li>Isto vai constituir um importante factor de </li></ul><ul><li>unificação do Império. </li></ul>E o monoteísmo vem adaptar-se à instituição imperial havendo agora um só deus e um só imperador onde concentram em si, toda autoridade. Império romano - cristão
  15. 17. E aliada a autoridade terrena à igreja romana – cristã, é consolidada e sob o seu aspecto doutrinal e administrativo vem ser essencial para os romanos. A organização eclesiástica toma por base Diocese (do grego antigo διοίκησις , pelo latim dioecēsis ), uma unidade territorial administrada por um bispo, que coordenava a capital de província. E assim Roma, para além de ser o coração do império, vem-se tornar a sede do cristianismo, onde o bispo vem receber o título de Papa (pai, em grego), que vem centrar em si a autoridade sobre todos os fiéis. Pedro como o primeiro Bispo de Roma Pedro o Primeiro Papa da Igreja Católica Império romano - cristão
  16. 18. O Cristianismo no ano 400.
  17. 19. No decorrer dos primeiros séculos, os cristãos encontravam-se essencialmente entre os habitantes das cidades, atraindo cada vez mais outros grupos sociais mais elevados e mais cultos , ora as elites romanas vieram aderir à nova religião, e a partir do século IV , ao serviço da qual colocaram os seus conhecimentos da cultura greco-latina. <ul><li>E assim o Cristianismo vem assimilar a cultura clássica e transmitir às gerações vindouras. </li></ul><ul><li>Santo Agostinho , filósofo e professor de retórica (discurso com lógica) foi um importante exemplo de adaptação da cultura clássica à religião cristã. </li></ul>Foi mais fácil para os Cristãos propagarem a sua fé nas cidades do que no campo, e foi nelas que também os apóstolos mais exerceram a sua acção. <ul><li>Santo Agostinho </li></ul>A Igreja e a transmissão do legado político – cultural clássico
  18. 20. - Vieram merecer por parte de alguns Padres da Igreja uma especial atenção já que consideravam que esta poderia fornecer os instrumentos lógicos ,outros métodos e conceitos , conceptuais para o ensino da verdade revelada. (Lactâncio, Sto. Ambrósio, S. Jerónimo e Sto. Agostinho). <ul><li>A literatura e a filosofia clássica </li></ul>Elementos culturais clássicos que se tornam suporte da cultura cristã: S. Jerónimo <ul><li>Ensino do ensino dos sofistas, da retórica que vem permitir aos bispos, utilizarem nas homilias, pregações, para a produção de obras literárias de estilo clássico, como panegíricos de imperadores e ainda escritos de natureza política. </li></ul>A Igreja e a transmissão do legado político – cultural clássico
  19. 21. - Este revelou-se muito importante na defesa das ideias sobre questões de natureza política e social e no controlo das questões administrativas e disciplinares no interior da Igreja, pois foi base do Direito Canónico . <ul><li>Direito Romano </li></ul>- Compreende uma celebração religiosa pré-definida, que foi enriquecida pela incorporação de aspectos só cerimonial imperial. <ul><li>Liturgia </li></ul><ul><li>liturgia romana </li></ul>A Igreja e a transmissão do legado político – cultural clássico
  20. 22. - A arquitectura religiosa seguiu os modelos das construções romanas, quer públicas ou privadas, estas vão-se basear nos palácios imperiais, termas, nas basílicas e entre outros edifícios religiosos. <ul><li>Arte </li></ul>- Tal como os frescos, mosaicos, estátuas e relevos cristãos que se vão inspirar nos modelos romanos atribuindo-lhes apenas um conteúdo diferente. <ul><li>Escultura romana séc. IV d.C. “O Bom Pastor” </li></ul><ul><li>Mosaico da abside da Basílica de Santa Pudenciana. </li></ul>A Igreja e a transmissão do legado político – cultural clássico
  21. 23. Basílica de Santa Maria Maggiore em Roma .
  22. 24. Para além dos aspectos culturais, a Igreja preservou o legado político da antiguidade: . Ideia de um poder forte , centrado numa só pessoa (um imperador), manteve-se viva até ao tempo medieval. . Ideia de um poder Sagrado , tal como os últimos imperadores romanos, os monarcas afirmaram que governam em nome de Deus. No séc. XIII, os reis vêm iniciar igualmente aos imperadores um poder centralizado sendo nos escritores religiosos, que estes fundamentam as suas intenções. <ul><li>O próprio Papa será a figura política mais importante, até ao século XV , com uma autoridade suprema, expressão da vontade divina e símbolo da unidade do mundo cristão. </li></ul>A Igreja e a transmissão do legado político – cultural clássico
  23. 25. A Igreja romano-cristã , após a queda de Roma vai assumir -se como a única força organizada capaz de defender a unidade da Fé Cristã e assegurar a transmissão de grande parte do legado cultural clássico. <ul><li>Os Padres das Igrejas , ou mestres da patrística, </li></ul><ul><li>foram escritores cristãos que definiram, nas </li></ul><ul><li>suas obras, a doutrina cristã, tornando-a: </li></ul><ul><li>clara e distinta das heresias, do judaísmo, </li></ul><ul><li>dos cultos pagãos e das concepções filosóficas </li></ul><ul><li>greco-romanas. </li></ul><ul><li>Alguns foram estudiosos da filosofia clássica e do Direito Romano e vêm assim contribuir para assegurar o legado cultural clássico. </li></ul>A Igreja e a transmissão do legado político – cultural clássico
  24. 26. . <ul><li>A realização deste trabalho permitiu-nos conhecer quando e onde nasceu a nossa religião, o cristianismo. </li></ul><ul><li>Esta religião ganhou inúmeros adeptos, levando mesmo à Conversão por parte do Imperador Constantino. Apesar das ferozes perseguições de que foram alvos os Cristãos, sobretudo nos três primeiros séculos da nossa era, esta religião iria adquirir uma enorme importância na sociedade romana. O Império Romano teve desta forma um papel instrumental na expansão do cristianismo. </li></ul><ul><li>Com este trabalho ficámos mais conhecedores da </li></ul><ul><li>evolução e o grau de importância que esta religião </li></ul><ul><li>adquiriu. </li></ul>
  25. 27. <ul><li> http://educacao.uol.com.br/historia/roma-cristianismo.jhtm </li></ul><ul><li> http://pt.wikipedia.org/wiki/Cristianismo </li></ul><ul><li> http://www.suapesquisa.com/cristianismo/ </li></ul><ul><li> http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_do_cristianismo </li></ul><ul><li> http://www.libanoshow.com/home/cultura_arabe/resumoc.htm </li></ul><ul><li> http://historiah2.blogspot.com/2009/11/igreja-e-transmissao-do-legado-politico.html </li></ul><ul><li>Livro de História A 10º ano, O Tempo da História 1º Parte páginas (132 e 139). </li></ul>
  26. 28. “ TODO O PODER VEM DE DEUS” S. Paulo &quot; Que saibamos Amar e Respeitar o Próximo como a nós mesmos &quot; 2010/11

×