Sinergia Organizacional


            O desafio da parceria Sinérgica
                                                    ...
Epílogo

impactos na cultura organizacional, com destaque para o tipo de
transformação que está ocorrendo ou poderá vir a ...
Sinergia Organizacional

interdependência.
Fase III
   Esta fase será iniciada quando se perceber a realização das primeir...
Epílogo

transformações culturais em termos de valores, crenças, preconceitos, hábitos
e esquemas de compreensão da realid...
Sinergia Organizacional

Continuação da aprendizagem sinérgica
    O estímulo ininterrupto e a permanente manutenção da si...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Desafio Da Parceria Sinergica

2,123

Published on

Trecho do livro “Sinergia Fator de Sucesso nas Realizações Humanas”
Sérgio Lins editado pela Campus-Elsevier em 2005


Manter parceria para obter resultados mais expressivos do que se conseguem trabalhando em separado, implica adotar o sinergismo como forma de pensar, falar e agir. Neste caso, é importante compreender que sinergia não acontece espontaneamente como na natureza e que cuidados devem ser tomados para consegui-la, diminuindo o risco de ocorrer disergia. No roteiro de cuidados, e com o objetivo de garantir o sucesso da sinergia, inclui-se um método para caracterizar e analisar o processo sinergístico. A caracterização deve ajudar na compreensão criteriosa do tipo de sinergia em desenvolvimento e a análise deve manter permanente avaliação sobre os fatores de sucesso do processo sinergístico, garantindo a obtenção de resultados cada vez mais expressivos. less

Published in: Business, Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,123
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Desafio Da Parceria Sinergica"

  1. 1. Sinergia Organizacional O desafio da parceria Sinérgica Sérgio Lins Manter parceria para obter resultados mais expressivos do que se consegue trabalhando em separado, implica adotar o sinergismo como forma de pensar, falar e agir. Neste caso, é importante compreender que sinergia não acontece espontaneamente como na natureza e que cuidados devem ser tomados para consegui-la, diminuindo o risco de ocorrer disergia. No roteiro de cuidados, e com o objetivo de garantir o sucesso da sinergia, inclui-se um método para caracterizar e analisar o processo sinergístico. A caracterização deve ajudar na compreensão criteriosa do tipo de sinergia em desenvolvimento e a análise deve manter permanente avaliação sobre os fatores de sucesso do processo sinergístico, garantindo a obtenção de resultados cada vez mais expressivos. O método Entenda-se por método, neste caso, o conjunto de procedimentos utilizados para se atingir uma meta, usando descrição, explicação e predição resgatadas de observações.[22] A meta a ser atingida é a manutenção de resultados sinérgicos com padrão elevado de ética, confiança e colaboração. Propõe-se um método composto de três fases. Na primeira compara-se a situação atual com outros casos, identificando o que distingue o ambiente sinérgico em questão, quando comparado com outros. Na segunda fase avalia- se como está sendo conduzido o processo sinergístico. E na terceira fase toma-se a medida do sucesso da sinergia obtida. Em resumo, o método se aplica para fazer a caracterização dos aspectos do ambiente sinérgico, acompanhar o andamento do processo sinergístico, e avaliar os resultados obtidos. Fase I Inicialmente, antes que o conjunto completo de colaboradores seja reunido, deve-se compreender o potencial sinérgico do conjunto. Nessa ocasião, definem-se as características do processo com o objetivo de criar um modelo que facilite a comunicação entre os envolvidos. Com base nesse modelo, todos poderão falar uma mesma linguagem e contribuir de forma mais eficaz com seus insights. Serão então abordadas as características, considerando a visão externa e os componentes do processo sinergístico. Visão externa A visão externa descreve as características que independem dos componentes do processo sinergístico e que são influenciadas apenas pelo ambiente em que se realiza o esforço conjunto. Essa descrição inclui as circunstâncias que justificaram a reunião dos elementos, considerando-se o contexto, o objetivo e o motivo. Caracterizam-se os aspectos da mudança e os 183
  2. 2. Epílogo impactos na cultura organizacional, com destaque para o tipo de transformação que está ocorrendo ou poderá vir a ocorrer como resultado do esforço sinérgico. Para tanto analisam-se as particularidades das camadas da cultura organizacional e o perfil das micro-culturas mais afetadas. Componentes Em termos de componentes, determinam-se os elementos que participarão da sinergia, a motivação individual dos mesmos, as possíveis formas de ligação, as semelhanças que agregam e as diferenças que catalisam. Estima-se um ganho sinérgico, determinam-se as restrições ao processo sinergístico, as possibilidades de aprimoramento, o grau de autonomia dos componentes, e o risco de a sinergia se desfazer. Fase II É feita uma avaliação do andamento do processo sinergístico a partir do momento em que este se inicia. Para tanto se estudam o campo de forças e a presença de ingredientes sinérgicos invisíveis. Nesta fase é que se toma conhecimento das possibilidades de distorções sistêmicas onde a ansiedade pelo “agora aqui” ofusca a percepção do “futuro-acolá”. E também nesta fase que se observa os deslizes de atitudes e comportamentos dos colaboradores. Em outras palavras, avalia-se o processo sinergístico, considerando de forma dinâmica o que pode ajudar ou impedir localmente no momento e remotamente no futuro. Após esta avaliação, define-se a dosagem adequada dos ingredientes invisíveis a serem colocados na “sopa sinérgica”. Pode-se concluir, por exemplo: necessidade de desenvolver mais Resiliência, melhorar o senso de Prioridade, ou aprimorar o processo de Comunicação entre os parceiros. Avaliação do andamento do processo Através do uso combinado de análises e sínteses, deve-se manter permanente avaliação sobre os fatores de sucesso do processo sinergístico, garantindo a obtenção de resultados cada vez mais expressivos. A sinergia depende de ética, confiança e colaboração para estimular e manter a interdependência que pode ser disparada quando se identifica o objetivo comum e o valor da diversidade em cada componente. Em outras palavras, a valorização do apoio mútuo começa quando em equipe se compartilham visão e modelos mentais em busca de um aprendizado conjunto.[29] Propicia-se assim a criação de algo em conjunto que será tão maior quanto mais forte for o sentimento de unidade e de interdependência. Num processo sinergístico ideal ocorre uma simbiose, uma forma tão íntima de união que em um dado instante perde-se a consciência de quem é o sujeito e para quem ele dedica seu esforço. Pode surgir então uma questão para se refletir: cada elemento trabalha, cria e realiza para si próprio, para o conjunto dos colaboradores associados, ou para algo maior como uma empresa? Num elevado grau de sinergia, a melhor resposta é: não importa ou dá no mesmo, pois existe a 184
  3. 3. Sinergia Organizacional interdependência. Fase III Esta fase será iniciada quando se perceber a realização das primeiras metas organizacionais associadas ao ambiente sinérgico. Será o momento de capitalizar conhecimentos, visando melhorar o processo em andamento e contribuir para o produto sinérgico final de outros projetos onde a sinergia seja fator crítico de sucesso. Neste momento é que se precisa recorrer a práticas de GC – Gestão do Conhecimento, não apenas para desenvolver e manter o registro das experiências, como também para medir o valor do conhecimento que vai sendo adquirido, acumulado e capitalizado enquanto se formam parcerias. Produto sinérgico final À medida que as práticas de GC vão capitalizando conhecimento multicultural com os diversos projetos de alta sinergia, vai-se obtendo um dos maiores benefícios do Sinergismo, que é o diferencial competitivo gerado pela confiança generalizada e prática da colaboração interdepartamental e interorganizacional. Por isso, é importante lembrar que as comunidades ou elementos isolados não devem comprometer sua própria cultura ou abrir mão em prol de outra. Cada unidade colaboradora deve deixar transparecer suas diferenças culturais e tentar compreender a dos outros, promovendo um processo ensino–aprendizagem construtivista, recíproco e simultâneo. Para que essa aprendizagem possa ser profícua há que se desenvolver uma consciência sinérgica e aplicar fórmula para reforçar tanto as parcerias internas quanto as parcerias entre organizações, começando com uma análise do contexto em que se desenvolve a sinergia. Análise do Contexto da sinergia Forças transformadoras do ambiente provocam uma mudança generalizada de atitudes. Troca-se o trabalho de “aprender de uma vez por todas” pelo esforço intelectual de “aprender a aprender mais rápido e mais profundamente”. Abandona-se o anseio de “projeto definitivo” usando métodos consagrados, em favor da expectativa de progresso gradual através de “projeto evolutivo” e inovador; troca-se a mentalidade de aprimoramento contínuo pelo espírito de criatividade e inovação. Essas mudanças de atitude acontecem enquanto, numa quebra de paradigmas, ocorre o desapego das fórmulas consagradas, que dão continuidade ao sucesso, em prol do inusitado, do novo e revolucionário que transforma o ambiente. Neste novo ambiente, no lugar de aprimorar continuamente as rotinas, busca-se aprender continuamente sobre os processos; desenvolvem-se métodos mais eficazes; elaboram-se projetos mais flexíveis; e desenvolvem-se soluções mais criativas visando inovação constante. Em outras palavras, desencadeiam-se metamudanças que são mudanças na forma de fazer as mudanças, provocando 185
  4. 4. Epílogo transformações culturais em termos de valores, crenças, preconceitos, hábitos e esquemas de compreensão da realidade. Tudo isto conduz a uma busca por parcerias que compensem fraquezas, amplifiquem intelecto, agreguem capital intelectual e consolidem um sinergismo consciente. Criação de uma consciência sinérgica A evolução da TCI – Tecnologia de Comunicação e Informação, facilitou o desenvolvimento da capacidade de inovar e empreender. Isto porque com essa evolução houve um aumento nas possibilidades de conexão entre os pesquisadores, e uma extensão na capacidade para criar novidades, agregando cada vez mais informação aos produtos e serviços. Enquanto inovar e empreender depende da eficiência no uso do conhecimento com o apoio tecnológico, a eficácia deste uso depende de sinergia entre parceiros que interagem cada vez com mais facilidade através de meios digitais. Em outras palavras, a evolução da TCI influencia diretamente a eficiência da inovação, que depende da rapidez com que acessamos o conhecimento, e aumenta a eficácia do empreendedorismo, que depende da vigilância sobre as mudanças e da manutenção de parcerias sinérgicas. Desta forma, tudo parece indicar que na Sociedade do Conhecimento, a TCI é um dos fatores críticos de sucesso da sinergia, pois possibilita uma forte interdependência entre os parceiros de negócios que inovam e empreendem. O desafio é definir e aplicar fórmula para estimular, desenvolver e manter a mentalidade sinérgica. Aplicação de fórmula para a sinergia Assim como a oportunidade favorece apenas a mente preparada,1 a formação de parcerias altamente sinérgicas acontece apenas para quem, na identificação dos desafios organizacionais, leva em conta a permanente vigilância sobre as transformações do ambiente. Porém para que a parceria sinérgica seja mantida, não basta estímulo e monitoramento constante sobre o ambiente. Sinergia depende de atitudes e comportamentos lastreados por valores, observância de princípios e exercício de virtudes. A motivação, que surge com os desafios, e o caráter, que se mantém com valores e princípios, criam as condições mínimas para a busca de uma parceria. O poder sinérgico desta parceria dependerá da confiança mútua e da colaboração eficaz. Confiança depende de como se percebe a atitude alheia com relação aos problemas, ameaças e oportunidades. Colaboração deriva da energia que cada um investe no apoio mútuo para solucionar problemas e aproveitar oportunidades. Pode-se dizer então que caráter, confiança e colaboração são fatores críticos para o sucesso de parcerias sinérgicas que se mantêm em contínua aprendizagem. 1 Louis Pasteur citado por Rudolf Flesch[12] 186
  5. 5. Sinergia Organizacional Continuação da aprendizagem sinérgica O estímulo ininterrupto e a permanente manutenção da sinergia exigem dedicação e esforço reflexivo na observação conceitual e na prática vivencial. É o caso de se aproveitar até os momentos de viagem para interpretar como a Tecnologia de Comunicação e Informação contribui de forma sinérgica para possibilitar a complementaridade de conhecimentos, realizando parcerias que, por exemplo, podem produzir meios de transporte sofisticados, como o 145 da Embraer ou o gigantesco Airbus A380.[38] No ambiente de trabalho vale a pena analisar como os processos de negócio mais complexos se beneficiam com a complementaridade de conhecimento entre parceiros. Com a reflexão e análise sob perspectiva pessoal, organizacional ou mundial, reconhece-se o papel do conhecimento como mantenedor e agente catalisador de sinergia das diversas forças, cujo poder de transformação do ambiente é muito maior devido à simultaneidade. O espírito de inovação e empreendedorismo surge com a compreensão dos desafios e das complexidades do ambiente; evolui com as facilidades de acesso e troca de idéias sobre produtos e serviços; e se mantêm com a permanente vigilância sobre as mudanças. Em resumo, a sinergia entre a conectividade, a intangibilidade e a velocidade[06] harmoniza as tensões e desenvolve a nossa capacidade de inovar e empreender. Trecho do livro “Sinergia Fator de Sucesso nas Realizações Humanas” Sérgio Lins editado pela Campus-Elsevier em 2005 Referências [06] DAVIS, Stan & MEYER, Christopher. BLUR: a velocidade da mudança numa economia integrada. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1999. [22] LITTLEJOHN, Stephen W. Fundamentos Teóricos da Comunicação Humana. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978. [29] SENGE, Peter. The Fifth Discipline. New York: Doubleday, 1990. [38] VEJA. Quebra-Cabeça Gigante. Airbus A380. Uma megaoperação para montar o maior avião do mundo com peças feitas em quatro países. São Paulo: VEJA, 12 de novembro de 2003. 187

×