Construtivismo

10,529 views

Published on

Trecho do Livro “Transferindo Conhecimento Tácito” uma abordagem construtivista” Editado pela E-papers em 2001
A natureza do conhecimento e o processo de construção do mesmo são considerações essenciais para o Construtivismo. O Construtivismo como teoria cognitiva surgiu há aproximadamente 60 anos com os trabalhos de Jean Piaget. Para o Construtivismo, o conhecimento tem uma função adaptativa e não tem o propó¬sito de produzir representações de uma realidade independente. Esta concepção da atividade cognitiva quebra o paradigma objetivista que coloca por trás do conhecimento um esforço do conhecedor para atingir uma visão do mundo real.

Published in: Education
1 Comment
0 Likes
Statistics
Notes
  • too bad the presentation is in Spanish, how do I translate it?
    http://www.gardeningmania.net
    http://www.gardeningmania.net/category/vegetables/
    http://www.gardeningmania.net/category/seeds/
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
10,529
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Construtivismo

  1. 1. O Construtivismo A natureza do conhecimento e o processo de construção do mesmo são considerações essenciais para o Construtivismo. O Construtivismo como teoria cognitiva surgiu há aproximadamente 60 anos com os trabalhos de Jean Piaget. Para o Construtivismo, o conhecimento tem uma função adaptativa e não tem o propósito de produzir representações de uma realidade independente. Esta concepção da atividade cognitiva quebra o paradigma objetivista que coloca por trás do conhecimento um esforço do conhecedor para atingir uma visão do mundo real. (Fosnot, C., 1996) O processo de aprender algo novo, ou compreender profundamente algo já conhecido, não é um processo linear. Recorre-se tanto às experiências de um passado remoto quanto aos últimos conhecimentos ganhos a partir das mais recentes explorações. É o que acontece quando somos estimulados por algum fenômeno intrigante, como um arco-íris. Sondamos, investigamos, indagamos e exploramos este fenômeno até ele tornar-se menos misterioso. Podemos imaginar que existe uma associação entre a luz do sol e o vapor d’água. Peça por peça, como se estivéssemos montando um quebra-cabeças, nós construímos conhecimento. Algumas vezes, quando as peças não se encaixam, nós desmontamos antigas idéias e as reconstruímos. Nós estendemos nosso entendimento conceitual através de discussões e esforços criativos e validamos nossas teorias quando resolvemos problemas. No caso do arco-íris, podemos conceber que se nos posicionarmos apropriadamente, podemos criar um arco-íris pulverizando água de uma mangueira à luz do sol. A clareza que ganhamos em compreender um conceito, nos dá habilidade para aplicar este entendimento a novas situações e a novos mistérios. Este é um processo continuo e muito particular e individual, no qual trazemos para cada experiência de aprendizagem nosso nível de desenvolvimento, nossa história e estilos pessoais. Cabe ao mestre facilitar o processo de aprendizagem Construtivista, promovendo oportunidades e eventos que encorajem e apoiem a aprendizagem(Bybee, R., 2001). Maior eficácia na aprendizagem Mais do que nunca, na era do conhecimento, a tradicional educação conduzida através de palestras e aulas, onde o conhecimento era transferido, em 1
  2. 2. sua totalidade, apenas através de palavras ou símbolos, precisa mudar para uma modalidade em que a pessoa construa ativamente seu conhecimento. Montando conexões, construindo esquemas mentais, elaborando mapas conceituais e desenvolvendo novos conceitos a partir de entendimentos prévios. No lugar de aprender um conjunto básico de conhecimentos, pessoas se desenvolvem através de interações com seus pares, orientadores e mestres. Este processo de construção, interativa e bastante conversacional, iterativa e com grande acúmulo sucessivo do saber, foi denominado por Construtivismo e constitui uma teoria sobre conhecimento e aprendizagem que provê uma base conceitual sólida para quem deseja conduzir o processo ensino-aprendizagem de forma mais eficaz. Na citação abaixo, Fosnot (1996) nos mostra como o Construtivismo se processa: “(...)os professores precisam permitir que os alunos coloquem suas próprias perguntas, gerem suas próprias hipóteses e modelos como possibilidades e testem sua validade. (...)Os erros precisam ser percebidos como resultado das concepções do aprendiz e, portanto, não devem ser minimizados ou evitados. (...)As contradições precisam ser esclarecidas, exploradas e discutidas. (...)O diálogo dentro de uma comunidade engendra mais pensamento. A sala de aula precisa ser vista como uma comunidade discursiva engajada em atividade, reflexão e conversação(...)” (Fosnot, C., 1996:46). Sob uma perspectiva estratégica, a aprendizagem Construtivista é um processo auto-regulador que promove o equilíbrio entre modelos mentais individuais já existentes e novos insights, visando construir novas representações e modelos da realidade. Para isso a aprendizagem Construtivista é um processo de formação de significados que acontece através do uso de ferramentas e símbolos usados em atividade social, discurso e debate. O praticante do Construtivismo reprova qualquer possibilidade de passar conhecimento pelo uso de símbolos ou por transmissão de mão única. O Construtivista não acredita em aprendizagem pela incorporação de cópias exatas de entendimento que os professores transmitem em aulas apenas expositivas. Ele também rejeita a idéia de dividir conceitos em suas partes elementares e acha impraticável ensiná-los fora de um contexto (Fosnot, C., 1996). A importância do contexto na aprendizagem foi muito bem colocada por Ferguson, M (1980) na citação a seguir: “(...)O cérebro direito, com seu dom de perceber padrões e o todo, é essencial à compreensão do contexto e do significado. "Aprender a aprender" inclui aprender a ver a relação entre as coisas(...)” (Ferguson, M., 1980:288). No Construtivismo, a abordagem do ensino deve criar oportunidades de experiências concretas, contextualmente significativas, nas quais os alunos possam buscar padrões, levantar seus questionamentos e construir seus próprios modelos, conceitos e estratégias. Trecho do Livro “Transferindo Conhecimento Tácito” uma abordagem construtivista” Editado pela E-papers em 2001 2

×