Your SlideShare is downloading. ×
Opinião 01 abril 1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Opinião 01 abril 1

723

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
723
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Product: OGlobo PubDate: 01-04-2012 Zone: Nacional Edition: 1 Page: PAGINA_F User: Schinaid Time: 03-31-2012 10:22 Color: K6 Domingo, 1 de abril de 2012 O GLOBO OPINIÃO Corrupção na Saúde é sistêmica V istos só pelos números, os índices de A malversação de verbas do SUS não é exclu- ríodo, se perderam pelos desvãos de negocia- cessos de controle financeiro, de pessoal e de atendimento médico pelo SUS em São sividade de São Francisco de Itabapoana. O tas arranjadas por agentes públicos, maus em- procedimentos efetivamente realizados (na Francisco de Itabapoana indicariam episódio no pequeno município fluminense se- presários e atravessadores de influência para maioria dos casos comprovados de assalto a que o pequeno município do Norte gue um protocolo de ações criminosas. Nele, o drenar dinheiro do Erário. Pior: o valor estima- verbas da Saúde, registram-se superfatura- Fluminense, penúltimo no ranking do IDH do programa de saúde pública do do da roubalheira corresponde mento de preços, licitações viciadas e disso- Estado do Rio, estaria promovendo uma revo- país torna-se refém de quadri- apenas a processos sobre frau- nâncias entre serviço prestado à população e lução no seu sistema de saúde. Com uma popu- lhas organizadas para tirar pro- des identificadas pelo Ministério prestação de contas ao Ministério da Saúde, lação de 41 mil habitantes, a prefeitura chegou veito da frouxidão dos mecanis- Antes de da Saúde. Num sistema que não como no episódio de Itabapoana). a apresentar ao Ministério da Saúde planilhas mos oficiais de fiscalização dos prima pelo zelo no controle de re- A questão dos ralos da corrupção e do registrando a realização de 40 mil exames men- repasses de verbas e de gerenci- destinar mais passes, é de se imaginar a exten- mau gerenciamento deve pautar qualquer sais de rotina (sangue e urina) — quase 100% amento da aplicação do dinheiro são real da sangria. discussão sobre a criação de novas fontes da população, percentual superior, por exem- repassado aos parceiros (esta- verbas a uma O próprio sistema, pela dimen- de financiamento para o setor. Por princí- plo, ao de campanhas de vacinação. dos e municípios) da União. são e falta de estrutura, estimula pio, é simpática a ideia de se destinar mais Mas, dissecados pela Polícia Federal, os su- Levantamento do governo fe- área viciada, os desvios. Entre os principais verbas para cuidar da saúde da população, postos indicadores de primeiro mundo revela- deral mostra que, entre 2002 e agentes da corrupção no SUS mas desde que os dutos das fraudes sejam ram-se o resultado de uma sangria de verbas 2011, a Saúde perdeu um orça- deve-se saneá-la aparecem prefeitos, secretários previamente lacrados. Pôr mais dinheiro públicas. Em vez de curar doenças, repasses mento paralelo de R$ 2,3 bilhões, de Saúde, estaduais e munici- nesse buraco não resolverá os graves pro- do governo federal, através do SUS, engorda- dinheiro que escorreu para bol- pais, e clínicas particulares con- blemas encontrados na ponta do atendi- vam contas privadas. A drenagem era coman- sos privados por dutos que nu- veniadas. Os bilhões escorrem mento aos pacientes na rede pública e con- dada, segundo a PF, pelo prefeito Beto Azeve- trem a corrupção. De acordo com dados do por tubos marcados por falta — ou no mínimo veniada. Apenas engordará ainda mais os do, preso sob acusação de chefiar uma quadri- Tribunal de Contas da União, o setor responde falhas — de protocolos de defesa contra mal- esquemas que se especializaram em avan- lha que, desde 2009, embolsou R$ 3 milhões. por um terço dos recursos federais que, no pe- versações, por deficiências graves nos pro- çar sobre os repasses oficiais. Cristina recorre à tática do ‘inimigo externo’ A Argentina está hoje muito melhor ajudada pela valorização das commodities anunciou planos de enviar um navio de guer- quais pretende explorar a partir de 2016. En- que em 1982, quando o general Le- agrícolas de exportação, mas seu governo ra às águas territoriais das Malvinas. E conse- quanto isso, Cristina Kirchner denuncia que opoldo Gualtieri, líder de uma fe- perde credibilidade diante da falta de um pro- guiu, em dezembro, que o Mercosul passasse os ingleses estão “depredando nossos recur- roz e desgastada ditadura, decidiu jeto nacional, do estilo casuísti- a impedir que barcos com ban- sos naturais, nosso petróleo, nossa pesca.” investir no sentimento nacionalista e tirou co de administrar, da venda de deira das ilhas atraquem em O caminho do confronto, típico do modo do baú uma guerra contra a Grã-Bretanha uma imagem que não corres- seus portos. Em recente cúpula kirchnerista de governar, não levará a nada. pela posse das ilhas Malvinas/Falklands. A ponde à realidade. Se a inflação Mobilização sobre segurança nuclear, em A posição tradicional da Grã-Bretanha em re- ditadura, no fundo, não acreditava que Lon- sobe, faz-se uma intervenção no Seul, o chanceler argentino, lação às ilhas é só dialogar sobre soberania dres fosse lutar pelas ilhas, mas cometeu instituto nacional de estatísti- sobre Malvinas Héctor Timerman, acusou a se assim o desejarem os cerca de 3 mil habi- um erro terrível, que custou a vida a 650 cas e muda-se o índice; se a im- Grã-Bretanha de enviar um sub- tantes das Malvinas, que sempre manifestam soldados argentinos e 255 britânicos. Os in- prensa noticia erros e escânda- não resolve marino capaz de transportar ar- a vontade de continuar sob domínio britâni- gleses retomaram o território, em seu po- los no governo, punem-se os ve- mas nucleares ao Atlântico Sul, co. der desde 1833, e a ditadura, desmoraliza- ículos de comunicação com per- problemas o que levou o representante bri- O truque do inimigo externo só dá resulta- da, caiu no ano seguinte. seguição implacável; se as con- tânico na reunião, o vice-premi- do num primeiro momento. Logo, a realida- Amanhã, completam-se 30 anos da invasão tas nacionais não fecham, no- domésticos er Nick Clegg, a um veemente de se impõe, como no caso da dura derrota das ilhas pela Argentina. Os tempos são ou- meia-se um feitor para bloquear desmentido. sofrida pelos argentinos em 1982. Em rela- tros, mas a política do país vizinho, mesmo na importações, inclusive de paí- A busca de petróleo por em- ção aos problemas internos, o mais indica- democracia, não perde o cacoete de recorrer ses do Mercosul, como o Brasil. presas britânicas nas águas ter- do é investir na governança para enfrentá- ao “inimigo externo” para camuflar proble- A Argentina apresentou à ONU uma queixa ritoriais das Malvinas concorre para acirrar los e, na medida do possível, resolvê-los. mas domésticos. É o que ocorre com a presi- contra o que chamou de militarização britâ- os ânimos. Uma delas descobriu uma área Não adianta empurrá-los para as águas gela- dente Cristina Kirchner. A Argentina cresce, nica do Atlântico Sul, depois que Londres com reservas de 350 milhões de barris, as das do Atlântico Sul.Como se a história fosse outra CavalcanteRODRIGO BOTERO MONTOYA disso, os EUA reduziram sua depen-C dência do petróleo importado, de- om a chegada da primavera vido ao aumento da produção inter- no Hemisfério Norte come- na e queda no consumo. Em 2011, a çam a brotar indícios tênu- produção diária de petróleo foi de es, mas positivos de uma re- cerca de 10,3 milhões de barris, acuperação da atividade econômica maior desde os anos 80. Enquantodos EUA. A criação de emprego re- em 2005 as importações represen-gistra uma tendência favorável. O se- taram 60% do consumo, em 2011 es-tor industrial recupera fôlego. O sa- sa proporção foi de apenas 45%. Osneamento do setor bancário melho- avanços tecnológicos facilitam ara as perspectivas de crescimento extração de “gás de xisto”, o quedo crédito. Os consumidores des- tem ajudado a reduzir o preço des-pertam de sua le- se combustível.targia e se prepa- As perspectivasram para comprar para explorar aautomóveis, bens Candidatos republicanos disponibilidadede consumo durá- abundante de gásveis e novas mora- fingem ser excedente dodias. Alasca e a instala- Note-se que a re- herdeiros de Reagan, ção de fábricas decuperação ainda é compressão defrágil. Poderia ser e fazem de conta que gás permitiriamabortada, com a aos EUA se con-ocorrência de um Bush não existiu verter em um ex-colapso financei- portador de gás li-ro na Europa, ou quefeito.uma explosão ge- Crescimento doopolítica no Oriente Médio. Embo- PIB, estimado em 1,7% este ano, es-ra os riscos não possam ser excluí- tá abaixo do crescimento potencialdos, a probabilidade de isso acon- da economia americana. Emboratecer diminuiu nos últimos meses. esse ritmo de crescimento seja in-Os mercados financeiros saudaram suficiente para induzir uma forteo recente acordo entre a Grécia e a redução do desemprego, não podeUnião Europeia para evitar uma ser descrito como um comporta-traumática declaração de morató- mento recessivo de demanda agre-ria da dívida externa por parte das gada.autoridades de Atenas. A reviravolta nos indicadores eco- No setor de energia também se nômicos e a gradual melhoria queobserva uma melhoria, não obstan- vem ocorrendo na confiança do con-te o aumento do preço da gasolina, sumidor afetam o panorama eleitoral.que teve origem nas oscilações do Um ano atrás, as circunstâncias pare- viabilizar a reeleição de Barack Oba- ções primárias conflitivas, fingindo Party vão dificultar que prevaleçammercado global de petróleo. Por um ciam propícias para que os republica- ma. A fadiga com a guerra se agregava ser os herdeiros de Ronald Reagan, e na campanha presidencial.lado, as temperaturas amenas do nos pudessem alcançar a meta que se ao pessimismo econômico. fazendo de conta que George W. Bushinverno reduziram a demanda de tornou o objetivo central, e quase ex- Agora, os pré-candidatos republi- não existiu. As posições extremistas RODRIGO BOTERO MONTOYA é economistacombustível para calefação. Além clusivo, de sua agenda partidária: in- canos estão se desgastando em elei- que lhes foram impostas pelo Tea e foi ministro da Fazenda da Colômbia. N ORGA NIZ AÇÕE S GLO B0 FALE COM O GLOBO Presidente: Roberto Irineu Marinho Classifone: (21) 2534-4333 Para assinar: (21) 2534-4315 ou oglobo.com.br/assine Geral e Redação: (21) 2534-5000 Vice-Presidentes: João Roberto Marinho ● José Roberto Marinho AG Ê N C I A O G L O B O P U B L I C I DA D E SUCURSAIS A S S I N AT U R A V E N DA AV U L S A AT E N D I M E N T O OGLOBO DE NOTÍCIAS Noticiário: (21) 2534-4310 Belo Horizonte: Atendimento ao assinante ESTADOS DIAS ÚTEIS DOMINGOS AO L E I T O R é publicado pela Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Venda de noticiário: Classificados: (21) 2534-4333 (31) 3298-9300 Rio de Janeiro e principais RJ, MG e ES 2,50 4,00 plantao@oglobo.com.br Diretor-Geral: Marcello Moraes (21) 2534-5656 Jornais de Bairro: Fax: (31) 3298-9305 capitais: 4002-5300 SP 3,00 4,50 Banco de imagens: (21) 2534-4355 Brasília: Demais localidades: DF 3,00 6,00 DEFESA DO Diretor de Redação e Editor Responsável: Ascânio Seleme CONSUMIDOR (21) 2534-5777 Missas, religiosos e fúnebres: (61) 3327-8989 0800-0218433 – Segunda a Demais estados 4,50 9,00 Editores Executivos: Luiz Antônio Novaes, Pesquisa: (21) 2534-4333 Fax: (61) 3327-8369 sexta: das 6h30m às 19h – As reclamações devem Paulo Motta, Pedro Doria e Silvia Fonseca (21) 2534-5779 -- Plantão nos fins de semana Salvador: Sábados, domingos e feriados: EXEMPLARES ser enviadas através da Editores - O País: Fernanda da Escóssia; Rio: Adriana Oliveira; AT R A S A D O S Atendimento ao estudante: e feriados: (21) 2534-5501 (71) 243-3944/243-3387 das 7h às 12h internet: oglobo.com.br/ Economia: Cristina Alves; O Mundo: Sandra Cohen; (21) 2524-5610 Loja: Rua Irineu Marinho 35, Fax: (71) 243-3587 Assinatura mensal com débito Rua Marquês de Pombal 75 defesadoconsumidor Esportes: Antonio Nascimento; Segundo Caderno: Isabel De Luca; Imagem: Ricardo Mello; Fotografia: Alexandre Sassaki; Cidade Nova São Paulo: automático no cartão de (das 9h às 17h). Preço: Ciência/Saúde: Ana Lucia Azevedo; Arte: Léo Tavejnhansky; PRINCÍPIOS International sales: (11) 3226-7888 crédito, ou débito em conta o dobro do de capa atual Opinião: Aluízio Maranhão E D I T O R I A I S DA S Multimedia, Inc. (USA) Fax: (11) 3226-7882 corrente (preço de segunda a Rua Irineu Marinho 35 - Cidade Nova - Rio de Janeiro, RJ O GLOBO É ASSOCIADO: O R G A N I Z AÇ Õ E S Tel.: +1-407 903-5000 domingo) RJ/MG/ES: CEP 20.230-901 Tel.: (21) 2534-5000 Fax: (21) 2534-5535 Impressão: Rod. Washington Luiz 3.000 - Duque de Caxias, RJ GLOBO E-mail: Normal: R$ 82,33 CEP 25.085-000 Tel.: (21) 2534-5000 http://glo.bo/pri_edit adsales@multimediausa.com Promocional: R$ 62,90

×