Romero Cesar Gomez (Ufop)

  • 1,342 views
Uploaded on

Carta geotécnica de ouro Preto: base de engenharia e monitoramento.

Carta geotécnica de ouro Preto: base de engenharia e monitoramento.

More in: News & Politics
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,342
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
42
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. PERIGOSA ocupação dos espaços urbanosocorre em muitos casos de forma desordenada. Ou mesmo ordenada, mas em áreas geológica ou geotecnicamente desfavoráveis.
  • 2. Para uma devida ocupação de áreas instáveis, impõe-se o conhecimento das condições geológico-geotécnicas locais, caracterizando- se os processos e parâmetros envolvidos e sistematizando-se as informações sobre a suscetibilidade do meio a eventos geotécnicos.Quando as áreas já estão ocupadas, surge umnovo elemento a ser considerado no estudo, a vulnerabilidade, que expressa as perdas materiais e socioambientais envolvidas nos processos. O conjunto das informações da suscetibilidade associado à vulnerabilidade dimensiona o risco.
  • 3.  Fatores Predisponentes:- geometria do talude;- condicionantes geológico - geotécnicos;- presença ou não de vegetação;- posição do NA no terreno;- condições climáticas locais;- ocupação urbana, etc
  • 4.  Causas dos movimentos de massa: - externas: aumento das solicitações atuantes - internas: diminuição da resistência do solo • alteração da geometria • colocação de sobrecarga • infiltração de água • desmatamento e poluição ambiental aterro corte no pé do talude
  • 5. Recentemente, em um estudo realizado pelo Ministério das Cidades, a cidadede Ouro Preto foi incluída na lista de municípios brasileiros mais suscetíveis aescorregamentos em encostas urbanas.Estes estudos tiveram como base três indicadores considerados fundamentais: i.histórico de acidentes com vítimas, com base em registros dos organismos de Defesa Civil e em informações de mídia; ii.suscetibilidade do meio físico marcado por relevos mais acidentados; iii. presença de áreas de ocupação subnormal em encostas, com condições precárias de qualidade construtiva, urbana e ambiental, sinalizando condições propícias a acidentes associados a escorregamentos induzidos de solo, rocha e depósitos artificiais de encosta.
  • 6. SERRA DE OURO PRETO SERRA ITACOLOMI
  • 7. Planta da cidade de Ouro Preto Preto – 1:20.000 – 1939 Planta da cidade de Ouro escala 1888Fonte: Acervo Cartográfico do Arquivo Público Mineiro Fonte: Acervo Cartográfico do Arquivo Público Mineiro
  • 8. MONITORAMENTO MAPEAMENTO GEOTÉCNICO 2011IDENTIFICAÇÃO 2003 2001 PROJETO IMAGEM IDENTIFICAÇÃO, MAPEAMENTO GEOTÉCNICO E MONITORAMENTO DAS ÁREAS DE RISCO DA ZONA URBANA DA CIDADE DE OURO PRETO/MG
  • 9. INVENTÁRIO E AVALIAÇÃO SISTÊMICA DOS EVENTOS OCORRIDOS CARACTERIZAÇÃO DO MEIO FÍSICO MONITORAMENTO DA ÁREA PREVENÇÃO DE NOVOS EVENTOS (MINIMIZAÇÃO DOS RISCOS)
  • 10. FASES DO I DE IMAGEM • INVENTÁRIO E ANÁLISE DOS DADOSETAPA 1 EXISTENTES • TRABALHOS DE CAMPOETAPA 2 • TRATAMENTO, INTERPRETAÇÃO EETAPA 3 SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS
  • 11. TRABALHOS DE CAMPOInformações cadastrais Diagnóstico da situação localNatureza e descrição do evento geotécnico LitologiaMecanismos potenciais de Avaliação dos danos, em termos de potenciaisinstabilização e riscos associados perdas de vidas humanas, danos construtivos, etc.Prioridade de intervenção em caso de Principais recomendações queevolução dos problemas detectados possam solucionar ou reduzir a evolução da atual condição
  • 12. Aspectos Climáticos
  • 13. HISTÓRICO DE MOVIMENTOS DE MASSA EM OURO PRETO Nº de Ano Nº de Mortes Locais Ocorrências Bairros São Cristóvão, Padre Faria, Taquaral, Piedade e áreas do que no futuro 1989 32 3 seria denominado Bairro Santa Cruz. 1991 32 - Bairros São Francisco, Antônio Dias, Pilar, Alto da Cruz, piedade e Padre Faria. 1992 54 2 Bairros São Francisco, Piedade, Alto da Cruz, Padre Faria e Santa Cruz. Bairros São Cristóvão, Piedade, Padre Faria, Santa Cruz, Antônio Dias, Água 1995 40 3 Limpa*, Bauxita e Nossa Senhora das Dores. Bairros Taquaral, São Cristóvão, São Francisco, Alto da Cruz, Piedade, Padre Faria,1996/97 123 13 Santa Cruz e Vila Aparecida. Bairros São Cristóvão, Alto da Cruz, Piedade, Padre Faria, Santa Cruz e Morro2001/03 100 - Santana. Bairros São Francisco, São Cristóvão. Piedade, Padre Faria, Santa Cruz, Morro 2005 54 - Santana, Taquaral, Bauxita e Nossa Senhora das Dores. Bairros São Francisco, São Cristóvão. Piedade, Padre Faria, Santa Cruz, Morro2006/07 312 - Santana e Taquaral. 2008 193 - Idem ao Ano Anterior 2009 89 - Idem ao Ano Anterior
  • 14. Bairro Zoneamento Água Limpa AGL Antônio Dias ANT Alto da Cruz ATC Barra BAR Bauxita BAU Cabeças CABMorro Santana MSN Padre Faria PDF Piedade PIESão Cristovão SCR Santa Cruz STCSanta Efigênia STF Taquaral TAQVila Aparecida VAP
  • 15. FASES DO MAGE DE IMAGEM • ELABORAÇÃO DE BASES CARTOGRÁFICASETAPAS 1...n TÉCNICAS DE SOBREPOSIÇÃO OU DE COMBINAÇÃO DE MAPAS DE ÍNDICES OU PARÂMETROS
  • 16. Aspectos Geomorfológicos Declividade Padrão do % da áreaCor Classe (%) relevo urbana 1 0 a 10 Planalto 9 Suave 2 10 a 20 13 Ondulado 3 20 a 40 Ondulado 36 4 40 a 60 Montanhoso 23,5 5 60 a 100 Escarpado 14,4 6 >100 Serra 4,1
  • 17. MAPAS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Modelo de OcupaçãoDesordenada e de Baixo Padrão Construtivo
  • 18. MAPAS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Modelo de Ocupação Planejada de Médio Padrão Construtivo
  • 19. MAPAS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLOModelo de Ocupação Planejada de Alto Padrão Construtivo
  • 20. MAPAS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLOA probabilidade de ocorrência de escorregamentos é função das feições e característicasdo terreno, indicadoras de maior ou menor grau de suscetibilidade, combinadas aobservações sobre as formas de uso e ocupação do terreno.
  • 21. MAPA DE SUSCETIBILIDADE A ESCORREGAMENTOSDA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE OURO PRETO
  • 22. MAPA DE PERIGO A ESCORREGAMENTOS
  • 23. MAPA DE RISCO A ESCORREGAMENTOS
  • 24. DEFINIÇÃO DOS GRAUS DE RISCO Risco I - Baixo Os Os condicionantes condicionantes geológico-geotécnicos geológico-geotécnicos predisponentes são de média tipo de terreno,setor são predisponentes(declividade, intervenção no Observa- são nível alta potencialidade. etc.) e o e o de de potencialidade para Risco I I- Médio nível presença de algumas evidências de muito de desenvolvimento de processos o são de instabilidade se abaixa intervenção no para dedesenvolvimento alta de de potencialidade setor escorregamentos e potencialidade. Processo as instabilização incipientes. solapamento. escorregamentos. Não há em avançado (encostas ede Mantidas drenagens), porém indícios de processos margens de de condições existentes, é Risco III- Alto estágio de desenvolvimento. ocorrência inicial de perfeitamente possível a É condição mais crítica, Processo de instabilização ema estágio de eventos desenvolvimento de processos de instabilização necessitando de Os de eventos dechuvas dado são destrutivosOs durante episódios dese ocorreram, nos desenvolvimento. intervenção imediata intensas e encostas. registros registros eventos seuRisco IV- Muito Alto elevado anos prolongadas. são mais comuns. últimos estágio de desenvolvimento. raros.
  • 25. FASES DO M DE IMAGEM • INSTRUMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE ÁREAS CRÍTICAS E/OU SINGULARESETAPA INSTALAÇÃO DE INCLINÔMETROS EM ENCOSTAS E MEIA-ENCOSTAS
  • 26. INSTRUMENTAÇÃO GEOTÉCNICA DE ENCOSTAS MODELO BÁSICO
  • 27. EQUIPAMENTO
  • 28. São José I1 Get Var I1Get Var I2
  • 29. MUSEU DA INCONFIDÊNCIAGráficos deslocamento acumulativo (2003 - 2010) I2 – Museu da Inconfidência Gráficos de tempos de I2 – Museu da Inconfidência
  • 30. ssr
  • 31. E, claro, a essência de tudo: formação de recursos humanos... “Nature to be commanded must be obeyed” Francis Bacon (1561 - 1626)