Clipping Sectes 04.03.11
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
685
On Slideshare
685
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Data: 4 de marçoAgência MinasSectes reúne reitores de universidades públicas mineiras e propõe pactodo ensino superiorBELO HORIZONTE (03/03/11) - Criar o pacto do ensino superior por meio de um grande projetoconjunto e fortalecer a parceria existente entre aSecretaria de Estado de Ciência, Tecnologia eEnsino Superior (Sectes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais(Fapemig) com as Instituições Públicas de Ensino Superior (Ipes). Essa proposta foi apresentada pelosecretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, em sua primeirareunião do ano com os reitores das 14 universidades públicas mineiras, nesta quinta-feira (3), noauditório da Fapemig, em Belo Horizonte.Após assistir à apresentação que mostra o crescimento de todas as instituições públicas de ensinosuperior de Minas Gerais pelo coordenador do Fórum das Ipes e reitor da Universidade Federal deAlfenas (Unifal), Paulo Márcio de Faria e Silva, o secretário Narcio Rodrigues disse que vai propor umapoio direto à entidade. O secretário disse que o Governo de Minas vai fortalecer o ensino superiordo Estado com a estadualização das seis associadas à Universidade do Estado de Minas Gerais(UEMG) e ampliar as parcerias existentes com as universidades federais.Narcio Rodrigues acredita em um grande projeto conjunto reunindo as competências dasuniversidades e a participação da Sectes e Fapemig para o desenvolvimento do Estado. “Vamospensar o ensino superior como ferramenta estratégica. No pacto que estamos propondo, temoscondição de construir uma plataforma única com desenho geográfico e metas para que todas asregiões mineiras estejam contempladas com o ensino superior, seja o presencial, seja o ensino adistância”, afirmou.Para o secretário, um dos grandes desafios é fazer com que as pessoas compreendam a importânciada ciência, tecnologia, inovação e ensino superior para se chegar a um novo estágio dedesenvolvimento. Em sua opinião é preciso dar visibilidade política a essa área, integrar as bancadasde senadores e deputados mineiros em torno da causa, mostrar a eles que é possível avançar muitopara fazer um estado melhor e sensibilizá-los na questão das emendas parlamentares.Minas Gerais hoje tem aproximadamente 35 mil vagas por ano nas instituições públicas de ensinosuperior. Os investimentos da União chegam a R$ 4 bilhões entre recursos dos Ministérios da
  • 2. Data: 4 de marçoEducação (MEC) e da Ciência e Tecnologia (MCT), de acordo com o fórum das Ipes. A participação doEstado nas instituições públicas foi mostrada pelo secretário-adjunto da Sectes, Evaldo Vilela, e pelopresidente da Fapemig, Mário Neto Borges.Em relação aos projetos de inovação, Vilela ressaltou que parte dos projetos e programas temparceria com as universidades públicas. Ele destacou os Arranjos Produtivos Locais (APLs) em áreascomo, Polos de Excelência e de Inovação, Incubadoras e Parques Tecnológicos.Com a estadualização prevista, a UEMG que hoje possui cerca de oito mil alunos matriculados passariaa contar com 18 mil alunos, segundo o reitor Dijon de Moraes. O número de professores saltaria deum mil para três mil nas diversas áreas do conhecimento. Todos os presentes concordaram que épreciso fortalecer o ensino superior estadual.O presidente da Fapemig mostrou o crescimento do orçamento da Fundação nos últimos oito anos: deR$ 25 milhões em 2003 para R$ 284 milhões em 2010; o número de bolsas passou de 744 para seismil nesse período; os eventos científicos apoiados pela Fundação chegaram a 1.143 no último ano,enquanto em 2003 foram 263. Mário Neto Borges explicou que o repasse de 1% do orçamento doEstado à Fapemig tem sido fundamental para o crescimento do apoio e das parcerias com asuniversidades. “A Fapemig completa 25 anos de fundação, e nos últimos oito anos aplicamos 81% dosrecursos investidos em toda a história, o que representa o crescimento vigoroso da instituição”,afirmou.O reitor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Clélio Campolina, disse que a reunião dosecretário com as Ipes foi um momento de dar testemunho: “Minas Gerais avançouextraordinariamente nos últimos anos, através da Sectes e Fapemig. Buscarmos um projeto coletivo éuma ideia muito feliz e a UFMG será parceira”, disse. Também se manifestaram os reitores da Unifei,UFSJ, UFVJM e o coordenador do Fórum das Ipes, Paulo Márcio. Ele disse que a possibilidade de maisrecursos para a Sectes e Fapemig o anima. Aproveitou para dizer que aceita o apoio do Governo deMinas para estruturar melhor o fórum, inclusive com endereço como propôs o secretário NarcioRodrigues.Integram o Fórum das Ipes as seguintes instituições: UFMG, Ufop, UFSJ, UFTM, UFU, UFV, Ufla,UFVJM, Unifei, Unifal, UFJF, Cefet-MG, Unimontes e UEMG.
  • 3. Data: 4 de marçoGESTÃO C&TEduardo Braga é eleito presidente da CCT do Senado O senador Eduardo Braga (PMDB-AM) foi eleitoontem (2), por unanimidade, presidente daComissão de Ciência, Tecnologia, Inovação,Comunicação e Informática (CCT) do SenadoFederal. O parlamentar assumirá a instância porum período de dois anos. Com larga experiência na área, sendo fundadorda Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia doAmazonas, além da Fundação de Amparo àPesquisa do Estado (Fapeam), e do Centro deEnsino Tecnológico (Cetam) da região, Bragainiciou seu discurso afirmando que a C&T são osfatores determinantes do progresso de um país. De acordo com ele, para desenvolver ciência e tecnologia são necessários estímulos àinovação, uma ação que, por parte do governo, pode ser provida por meio do direcionamentode verbas públicas, em acordos internacionais de transferência de tecnologia, e na criação deum arcabouço legal que possibilite investimentos privados no setor, assim como associaçõesentre capitais públicos e particulares em institutos de pesquisa. “Queremos usar a comissão de forma que possamos entender de que maneira podemosfazer a ciência, tecnologia e inovação como um suporte das nossas atividades econômicas epara a melhoria da qualidade de ensino nesse país, para podermos resgatar algumas situaçõescomo, por exemplo, de doenças negligenciadas”, disse. O senador ainda destacou a necessidade de investimento na formação de recursoshumanos. De acordo com ele, o Brasil tem na região amazônica 8% do seu Produto InternoBruto (PIB), sendo que não se investe sequer 2% do orçamento de ciência e tecnologia naAmazônia brasileira. “Não é a toa que a região Sudeste tem 20 vezes mais doutores do que aregião Norte e 14 vezes mais mestres”, ressaltou. Ele também chamou a atenção para a necessidade de ampliação de investimento do setorprivado em pesquisa e desenvolvimento. Braga lembrou que a pesquisa científica no paísesteve confinada às universidades, causando certo descompasso entre eventuais descobertase os interesses imediatos da indústria. “É preciso estimular o empreendedor a aplicar recursosem inovação, com o apoio do Estado”. Para debater alguns desses temas, o senador convidou os ministros das Comunicações,Paulo Bernardo, e da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, para uma audiência, quedeverá ser realizada ainda neste mês. A partir da audiência será feita uma reunião com acomissão para a aprovação de um plano de trabalho. “A minuta e a estruturação desse planoestão feitas, mas é importante colhermos novas informações com a posição deles paradefinirmos a pauta de debate a partir daí”, frisou.
  • 4. Data: 4 de março A sociedade civil também será ouvida. A ideia, segundo o parlamentar, é colocar em algunsinstitutos tecnológicos e universidades, “ilhas de CT&I” para que possa haver interatividadedessas instituições com as audiências da CCT. “Queremos dar inovação tecnológica para asaudiências que a CCT vai enfrentar. Vamos discutir com a Associação Brasileira dasInstituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação, com os institutos tecnológicos euniversidades para vermos de que forma efetivaremos isso”. Sobre as prioridades da pauta, o senador disse que num primeiro momento a ideia é limarcom o estoque de processos, que são meramente de rotina. Ele espera que até o final demarço consigam desengavetar os mais de 280 processos paralisados dentro da Comissão deCiência e Tecnologia. (Isadora Lionço para o Gestão C&T online)Mercadante participará do Seminário Excelência na Gestão O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, participará do encerramento dostrabalhos do primeiro dia do seminário “Em busca da excelência na Gestão”. O evento serárealizado pela ABIPTI nos dias 29 e 30 de março, em Brasília (DF) e abrirá o ciclo 2011 doPrograma da Excelência na Gestão (PEG). Durante a palestra, marcada para 17h30 de 29 de março, Mercadante falará sobre o cenáriode ciência, tecnologia e inovação (CT&I) no país e destacará o papel dos institutos de pesquisanesse contexto. O ministro abordará, ainda, a importância das entidades de pesquisa adotaremmodelos gerenciais eficientes, que permitam não só gerar economia de recursos financeiros,como também ampliar a participação no mercado. As inscrições para o seminário são gratuitas. O evento é direcionado para dirigentes etécnicos de institutos de pesquisa, assim como outras entidades da área de CT&I. Osinteressados podem ser inscrever neste link. A pauta do seminário inclui, ainda, debates sobre a inovação nas indústrias e nos institutosde pesquisa, além da apresentação de boas práticas de gestão. Participam também opresidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro),João Jornada, além de representantes do CNPq, Finep, Centro de Gestão e EstudosEstratégicos (CGEE), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC),entre outras autoridades. O programa Criado há 12 anos, o PEG objetiva aprimorar as práticas de gestão das entidades depesquisa do país e torná-las mais competitivas. Trata-se de uma ferramenta estratégica voltadapara facilitar o acesso dessas entidades às mais recentes tecnologias de apoio àadministração. Podem participar entidades associadas à ABIPTI, assim como organizações parceiras. Deacordo com o novo calendário, os cursos terão início em abril, com oficinas em todas asregiões do país.
  • 5. Data: 4 de março Pelo programa, que já beneficiou mais de 120 instituições, a Associação oferecerá durante12 meses oficinas que englobam aulas sobre a elaboração do programa de melhoria dodesempenho dos institutos de pesquisa; geração de indicadores de desempenho; capacitaçãode pessoal; implementação de práticas inovadoras na gestão organizacional; e produção deplano de comunicação. Todas terão como base os critérios de excelência disseminados pela Fundação Nacional daQualidade (FNQ) e pelo GesPública, considerados os maiores reconhecimentos à excelênciana gestão das organizações sediadas no Brasil. O programa é atualizado a cada ciclo e contacom o apoio da Finep. “As ações serão desenvolvidas sem custos de inscrição ou honorários de qualquernatureza. As entidades participantes custearão, apenas, o deslocamento dos seuscolaboradores para a realização das atividades propostas”, reforça a gerente executiva daAssociação, Flaudemira Paula.Governo lança pacote para simplificar importações de produtos para pesquisa O MCT anunciou ontem (2), em Brasília (DF), um pacote de medidas para desburocratizaros procedimentos para as importações destinadas à pesquisa. Batizado de CNPq_Expresso, osistema é fruto de um trabalho realizado pelo ministério em parceria com o CNPq, ReceitaFederal do Brasil, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Empresa Brasileira deInfraestrutura Aeroportuária (Infraero) e pelo Sistema de Vigilância Agropecuária (Vigiagro). Pelo novo sistema, que passa a vigorar esta semana, as caixas com produtos parapesquisas receberão uma etiqueta especial, disponível para download no site do CNPq.Inicialmente, o sistema funcionará apenas no Terminal de Cargas da Infraero em Guarulhos(SP), responsável por aproximadamente 60% das importações para a pesquisa no país. “As cargas dos pesquisadores ficavam perdidas nos terminais. Agora elas vão ter umtratamento diferenciado”, disse Mercadante. Além da identificação na caixa, o importadordeverá enviar um e-mailespecífico, criado pela Infraero, para guardar informações do voo ehorário de chegada da carga ao terminal. Um guia para orientar os pesquisadores sobre o novomodelo também já está disponível nosite do CNPq, no endereço www.cnpq.br. Dados do MCT apontam que as importações de insumos e matérias para pesquisas sãoresponsáveis por US$ 600 milhões da balança comercial brasileira. De acordo cominformações do CNPq, os cientistas fazem cerca de 7 mil operações de registro de compra deprodutos vindos do exterior por mês. (Com informações do MCT)
  • 6. Data: 4 de marçoRaupp é nomeado para presidência da AEB Foi nomeado nesta quarta-feira (2), o novo presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB).Marco Antônio Raupp assumirá a instituição, que teve como presidente Carlos Ganem, desdemarço de 2008. Titular e ex-diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e ex-presidente daSociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Raupp é especialista em análisenumérica e também ex-diretor e pesquisador titular do Laboratório Nacional de ComputaçãoCientífica (LNCC), além de membro titular da Academia Internacional de Astronáutica (IAA). A nomeação foi publicada na Seção 2 do Diário Oficial da União e está disponível neste link.A posse do novo presidente será marcada nos próximos dias. A AEB é uma instituição associada à ABIPTI. Informações sobre a AEB estão disponíveis neste link. (Com informações da AEB)Recursos para FAT Pró-Inovação somam R$ 320 milhões O Ministério do Trabalho e Emprego publicou, na última segunda-feira (28), a Resolução nº661, que trata sobre a programação anual da aplicação dos depósitos especiais do Fundo deAmparo ao Trabalhador (FAT) para este ano. De acordo com o texto, o montante aprovado éda ordem de R$ 3,5 bilhões, sendo R$ 320 milhões para o Programa de Apoio à InovaçãoTecnológica da Empresa Nacional (FAT Pró-Inovação). Do total destinado para o programa, que tem por meta estimular e desenvolver acapacidade inovadora e de geração de tecnologias nas empresas, R$ 220 milhões são asalocações autorizadas pelo Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador(Codefat), conforme divulgado peloGestão C&T online na edição 1016. O restante é oriundode reaplicação de retornos nos agentes financeiros, neste caso a Finep. Espera-se realizar 230operações.Cooperação internacional em C&T é tema de visita da Alemanha ao Brasil Em 1969, Brasil e Alemanha assinaram o Acordo Geral sobre Cooperação nos Setores dePesquisa e Desenvolvimento Tecnológico entre os dois países. Periodicamente as duasnações se reúnem para tratar da cooperação em ciência e tecnologia. O último encontro aconteceu nesta quarta-feira (2), entre o ministro da Ciência eTecnologia, Aloizio Mercadante, em seu gabinete, e o embaixador da Alemanha, WilfriedGrolig. O conselheiro de Assuntos Científicos e Intercâmbio Acadêmico, Dirk Schüller, e aministra Carmen Ribeiro Moura também participaram.
  • 7. Data: 4 de março Em 1997, o acordo foi atualizado, estabelecendo como temas prioritários as áreas depesquisa ambiental e tecnológica, pesquisa de materiais, tecnologias de informação ecomunicação, pesquisa marinha, biotecnologia, pesquisa espacial e ciências geológicas. Em2000, foram incorporadas as áreas de genoma e de nanotecnologia. O Ministério Federal de Educação e Pesquisa da Alemanha (BMBF) propôs, durante a 27ªComissão Mista bilateral de Ciência, Tecnologia e Inovação (Comista), realizada em Munique,em meados de 2010, a criação de um “Fundo Brasil – Alemanha para Cooperação em Ciência,Tecnologia e Inovação”. No evento, foram traçadas metas para os próximos dois anos, como acooperação aeroespacial na área de foguetes sub-orbitais e a proposta de realização de umprojeto piloto em nanotecnologia, envolvendo instituições de pesquisa e empresas. Hoje, os recursos destinados pelo MCT aos programas de cooperação com a Alemanhachegam a cerca de R$ 20 milhões entre apoio a programas temáticos, mobilidade depesquisadores e concessão de bolsas de doutorado na Alemanha. (Com informações do MCT)Portaria prevê construção de agenda comum para C&T e meio ambiente Os ministros da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, e do Meio Ambiente, IzabellaTeixeira, criaram um Comitê de Enlace para coordenar a construção e a implementação deuma agenda comum para as duas áreas. A decisão está na portaria interministerial nº 79, de 17de fevereiro. A instância será composta pelos secretários Executivo, de Políticas e Programas dePesquisa e Desenvolvimento, de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, de Ciência eTecnologia para Inclusão Social, todos do MCT, além dos secretários Executivo, deBiodiversidade e Florestas, de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental, e de RecursosHídricos e Ambiente Urbano do MMA. Além da construção de uma agenda comum, o comitê também será responsável porassessorar os ministros das duas pastas. As reuniões serão realizadas mensalmente, podendoser criados grupos de trabalho temáticos, conforme a necessidade. A portaria estipula o prazo máximo de cem dias para a elaboração da agenda para operíodo 2011 a 2015, contemplando: instrumentos de indução de pesquisa; formação derecursos humanos; consolidação institucional; aperfeiçoamento do marco legal; e participaçãona agenda internacional. As áreas de interesse são biodiversidade, mudança climática,recursos hídricos, energias renováveis e desastres naturais.
  • 8. Data: 4 de marçoMEC cria comitê gestor do Projeto Siges Por meio da portaria nº 201, de 25 de fevereiro, o ministro da Educação, Fernando Haddad,criou o Comitê Gestor do Projeto Sistema Integrado de Gestão da Educação Superior (Siges).O objetivo é promover o desenvolvimento de um sistema integrado de gestão para asinstituições federais de ensino superior (Ifes). Entre as atribuições do comitê estão: monitorar e controlar o cumprimento do planejamento,orçamento e cronograma do projeto; acompanhar o desenvolvimento e a implantação doprojeto, propondo alterações no planejamento; priorizar o desenvolvimento dos segmentos denegócios que irão compor a proposta; estimular a participação colaborativa das Ifes; entreoutras. A instância será integrada por representantes da Secretaria de Educação Superior e daDiretoria de Tecnologia da Informação, ambos do Ministério da Educação; da Diretoria deTecnologia da Informação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais AnísioTeixeira; da Diretoria de Tecnologia da Informação da Coordenação de Aperfeiçoamento dePessoal de Nível Superior; além de reitores de universidades federais e representantes doFórum de Pró-Reitores de Administração e Planejamento.Edital estimula mobilidade acadêmica entre brasileiros e canadenses A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) abriu asinscrições para o edital 7/2011, no âmbito do Programa Capes/DFAIT (Ministério das RelaçõesExteriores e de Comércio Internacional do Canadá). A data limite para submissão daspropostas é 19 de abril. O objetivo é selecionar projetos conjuntos de pesquisa em todas as áreas do conhecimentopara fortalecer a colaboração entre pesquisadores brasileiros e canadenses e estimular amobilidade acadêmica em nível de doutorado-sanduíche. Cada projeto deverá planejar suasatividades considerando a duração de dois anos. Serão consideradas válidas somente as propostas que atendam aos seguintes requisitos:comprovar a vinculação do projeto a um programa de pós-graduação reconhecido pela Capes,preferencialmente com conceitos 5, 6 ou 7; contemplar a formação de doutorandos e oaperfeiçoamento de docentes e pesquisadores vinculados à equipe; entre outros. Nas missões de trabalho, o DFAIT será responsável pelo pagamento de auxílio fixo no valorde três mil dólares canadenses. Já para custeio de bolsa de estudos e auxílio instalação paraas missões de estudos destinará 8,4 mil dólares canadenses. O governo brasileiro tambémfinanciará no Brasil despesas para um grupo de até cinco doutorandos canadenses por projeto.
  • 9. Data: 4 de marçoHoje em Dia - Belo Horizonte - MGNegócios S.A. - Fapemig-FPTCaderno: Economia - Página: 19Publicado: 04-03-2011
  • 10. Data: 4 de marçoEstado de Minas - Belo Horizonte - MGMineração em MG é alvo da GerdauCaderno: 1º Caderno - Página: 21 - Obs: APublicado: 04-03-2011
  • 11. Data: 4 de marçoO Tempo - Belo Horizonte - MGProjeto deverá unificar e sistematizar leis ambientaisCaderno: 1º Caderno - Página: 6Publicado: 04-03-2011
  • 12. Data: 4 de marçoHoje em Dia - Belo Horizonte - MGAsiáticos miram nióbio mineiroCaderno: Economia - Página: 20 - Obs: APublicado: 04-03-2011
  • 13. Data: 4 de marçoEstado de Minas - Belo Horizonte - MGMinas e a EuropaCaderno: 1º Caderno – Página: 9Publicado: 04-03-2011
  • 14. Data: 4 de marçoDiário do Comércio - Belo Horizonte - MGMineração cresce 15,7% e garante alta do PIBCaderno: 1º Caderno - Página: 3Publicado: 04-03-2011
  • 15. Data: 4 de março
  • 16. Data: 4 de março
  • 17. Data: 4 de marçoMinas Gerais - Belo HorizonteServidoras recebem homenagem especialPágina: 4Publicado: 04-03-2011