Your SlideShare is downloading. ×
0
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Projeto UPP SOCIAL

3,469

Published on

Slides de apresentação do projeto UPP Social da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos do Estado do Rio de Janeiro

Slides de apresentação do projeto UPP Social da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos do Estado do Rio de Janeiro

Published in: News & Politics
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,469
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
119
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Ricardo Henriques Secretário de Assistência Social  e Direitos Humanos 19 de Agosto de 2010
  • 2. [Objetivos] • Assegurar a consolidação do controle territorial e da pacificação nas áreas das Unidades de Polícia Pacificadora / UPPs. • Promover a cidadania e o desenvolvimento social e econômico nessas áreas. • Efetivar a integração plena das áreas ao conjunto da cidade.
  • 3. [Missão] • Construir diretrizes para a integração de esforços de atores públicos, privados e da sociedade civil para o alcance dos objetivos. • Disponibilizar a estrutura de gestão para a realização dessa integração com prioridade e eficiência nas áreas das UPPs. • Prover suporte para a execução das ações previstas e monitorar sua implantação.
  • 4. O programa promove a identificação qualificada da demanda e da oferta potencial de ações para as áreas beneficiadas e articula a sua integração em torno de metas, indicadores e diretrizes compartilhadas. [Modelo de Atuação]
  • 5. [Modelo de Atuação] Ações integradas Demanda Empreendedores Organizações comunitárias Gestores públicos locais Moradores Setor privado Sociedade civil Governo federal Governo municipal Governo estadual Bases de dados e pesquisas Oferta Diretrizes de ação
  • 6. [Modelo de Atuação] Demanda Adoção de mecanismos de escuta permanente e canais de interlocução direta com moradores, empreendedores, gestores públicos e organizações comunitárias nas áreas beneficiadas; mapeamento das demandas setoriais identificadas por órgãos públicos diversos; produção de estudos e diagósticos específicos sobre cada área. Bases de dados e informações Agregação e tratamento de bases de dados primárias e secudárias, pesquisas públicas regulares, registros administrativos setoriais, estudos e pesquisas em geral, possibilitando a análise, qualificação e detalhamento das demandas identificadas. Oferta Mapeamento de programas governamentais federais, estaduais e municipais existentes e levantamento de projetos, ações e boas práticas do setor privado e da sociedade civil. Diretrizes de ação Eixos prioritários para a organização e integração de ações no âmbito do programa, permitindo a otimização de esforços e sua convergência com vistas aos objetivos de consolidação da pacificação, desenvolvimento e integração nas áreas beneficiadas.
  • 7. [Diretrizes de Ação] Eixos prioritários para as ações complementares ao policiamento a serem articuladas pelo programa. A partir da pacificação proporcionada pela implantação das UPPs, mobilizar esforços em torno de duas diretrizes: • Consolidação: ações subsequentes à retomada do controle territorial e à garantia da paz, com vistas a enraizar a presença do estado democrático, promover a cidadania e reverter os principais fatores da violência e exclusão territorial vivenciadas anteriormente. • Desenvolvimento social e econômico: ações articuladas entre as diversas dimensões da atuação pública, com vistas a amparar um ciclo sustentado de inclusão social, desenvolvimento econômico e integração urbana nas áreas beneficiadas, de acordo com as realidades e prioridades de cada uma delas. Observação: As ações descritas a seguir nos eixos de Consolidação e Desenvolvimento Social ilustram possibilidades de intervenção a serem formatadas de acordo com a especificidade de cada território e executadas pelas respectivas áreas setoriais e finalísticas.
  • 8. [Diretrizes de Ação] Consolidação Desenvolvimento social Pacificação Integração  territorial e  simbólica Superação da  violência juvenil Inclusão  produtiva e  dinamização  econômica Desenvolvimento  humano Qualidade  de vida Diversidade e  direitos humanos Infra‐estrutura e  meio ambiente Redução  da pobreza Legalidade democrática Cidadania e convivência
  • 9. [Pacificação] Retomada Focos em ações de inteligência e repressivas; utilização de forças táticas; "guerra avisada“; parâmetro de efetivo variável; duração variável. Estabilização Manutenção do controle; eliminar últimos focos de resistência; utilização de forças táticas; parâmetro de efetivo variável; duração variável. Ocupação definitiva Foco preventivo; polícia de proximidade; efetivo recém‐formado e especializado; vinculação administrativa BPM; vinculação doutrinária / operacional CPCOM. Pós‐ocupação Acompanhamento da qualidade dos serviços; padrões objetivos e subjetivos; aprofundamento do vínculo com a comunidade; articulação institucional.
  • 10. [Consolidação] Cidadania e Convivência Criação de canais de escuta e interlocução social (fóruns, ouvidorias) e apoio a organizações e ações cidadãs desenvolvidas em cada comunidade. Legalidade Democrática Oferta de orientação e serviços jurídicos; serviços de mediação negociada de conflitos individuais e coletivos; adoção de políticas para a regularização e formalização das diversas dimensões do cotidiano das áreas beneficiadas caracterizadas pela informalidade (normas urbanísticas e ambientais, propriedade fundiária, empreendimentos e serviços privados, provimento de energia elétrica, água, gás, tv a cabo e internet, transportes públicos locais etc.); pactuação e fiscalização de regras de convivência e uso de espaços públicos. Superação da Violência Juvenil Estímulo e apoio a grupos juvenis de esporte, cultura, lazer e cidadania; oferta de oportunidades educacionais, de inserção produtiva e de suporte psicosocial a adolescentes e jovens em situação de risco; apoio à reinserção social de adolescentes e jovens egressos dos grupos criminais ou dos sistemas penitenciário e socioeducativo. Integração Territorial e Simbólica Criação ou valorização de espaços públicos de convivência e lazer; abertura de vias de acesso e circulação e aprimoramento dos transportes públicos locais; mapeamento e divulgação de serviços e atrações culturais, turísticas e de lazer nas áreas beneficiadas; promoção da integração dos seus moradores com o entorno e o restante da cidade.
  • 11. [Desenvolvimento Social] Redução da Pobreza Transferência de renda, segurança alimentar e apoio para aproveitamento de oportunidades (crédito educativo, transporte subsidiado etc.). Desenvolvimento Humano Aperfeiçoamento dos serviços universais e segmentados de saúde e educação; multiplicação das condições de acesso à informação; oferta de oportunidades culturais e esportivas e de desenvolvimento de talentos. Inclusão Produtiva e Dinamização Econômica Ampliação e aperfeiçoamento dos programas de formação e colocação profissional; cooperação com empresas baseadas no entorno de cada comunidade; ofertas de alternativas de crédito, assistência técnica e expansão de atividades de empreendedores e serviços locais. Qualidade de Vida Apoio e valorização de equipamentos e serviços locais de cultura, esporte e lazer; facilitação do acesso a equipamentos e serviços localizados no entorno das comunidades e no restante da cidade. Diversidade e Direitos Orientação e promoção do acesso a serviços de garantia de direitos e apoio a grupos vulneráveis segundo recortes diversos (gênero, raça, orientação sexual, pessoas com deficiência, religião e grupos etários). Infraestrutura Promoção de melhorias na infraestrutura urbana, viária e econômica local e implantação ou aprimoramentos dos serviços regulares de conservação urbana e ambiental.
  • 12. O Governo do Estado, a partir da Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, é responsável pela coordenação geral do programa, segundo os objetivos, diretrizes e modelo de atuação apresentados. O universo de ações potenciais previsto nas diretrizes é distribuído entre as diversas secretarias e demais órgãos estaduais e municipais, segundo as suas responsabilidades setoriais, e entre parceiros do setor privado e da sociedade civil de acordo com suas vocações e atividades específicas. A estrutura de gestão do programa é voltada a abrigar as condições para a mobilização e integração, prover suporte à execução das ações por parte dos atores envolvidos e realizar o monitoramento e avaliação continuados da sua implantação. [Gestão]
  • 13. [Gestão - Elementos-Chave] Função integradora Compartilhar diretrizes de atuação e articular demanda e oferta. Gestão em rede Unidade coordenadora, sem ascendência hierárquica sobre os atores envolvidos. Caráter intergovernamental Integração de esforços de secretarias e órgãos públicos estaduais e municipais. Em particular, estreita cooperação com a Secretaria de Segurança Pública e comandos das UPPs. Gestão participativa Parcerias com comunidades locais, setor privado e sociedade civil. Aprendizado contínuo Flexibilidade, inovação e mecanismos de monitoramento e avaliação. Transitoriedade Meta de integração plena das áreas ao conjunto da cidade, considerando indicadores de cidadania e bem estar por territórios específicos e regularizando o fluxo das ações das estruturas de gestão pública da cidade e do estado.
  • 14. Câmara de Gestão Estadual Câmara de Gestão Municipal Pontos Focais  (Secretarias) Pontos Focais  (Secretarias) Unidades de  Gestão Local Unidade  de Gestão  Central Parcerias Setor  Privado Parcerias  Sociedade Civil [Gestão - Estrutura]
  • 15. Câmaras de Gestão Estadual e Municipal Instâncias de gestão política do programa, compostas pelos(as) secretários(as) dos principais órgãos envolvidos e responsáveis pela aprovação das diretrizes e planos de ação e pelo monitoramento da sua implantação. Unidade de Gestão Central Base executiva do programa e ponto de referência para a interlocução dos diversos atores e parceiros envolvidos nele, responsável pelo planejamento, coordenação e monitoramento das suas ações. Localizada na Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos e dedicada também ao suporte e supervisão das Unidades de Gestão Locais e à interação com os pontos focais indicados pelas demais secretarias para o envolvimento e acompanhamento do programa. Parcerias Setor Privado e Sociedade Civil Abertura e oferta de suporte para o engajamento de organizações e empresas interessadas em atuar nas áreas beneficiadas, a partir das diretrizes de ação propostas pelo programa e dos meios de gestão e interlocução local proporcionadas por ele. Unidades de Gestão Local Bases de ação do programa em cada comunidade, formadas por equipes técnicas qualificadas e responsáveis pela escuta e identificação de demandas locais, suporte para a execução das ações articuladas pelo programa, apoio à resolução de problemas coletivos na comunidade e mobilização e suporte às atividades de fóruns comunitários locais, sempre em colaboração estreita com as UPPs. [Gestão - Estrutura]
  • 16. [Síntese] Dissolução de redes criminais Dissolução de fronteiras CIDADE INTEGRADA PACIFICAÇÃO CONSOLIDAÇÃO INCORPORAÇÃO À CIDADE DESENVOLVIMENTO SOCIAL
  • 17. [Visão] Rio 2016 Cidade Integrada

×