• Like
Mostra hipermidia e etnosonora selecionados 1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Mostra hipermidia e etnosonora selecionados 1

  • 148 views
Published

Selecionados mostra Hipermídia e Etnosonora

Selecionados mostra Hipermídia e Etnosonora

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
148
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Mostra de Produções Hipermídia e Etnografia Sonora – 28a. RBA trabalhos selecionadosNome Instituição Estado Trabalho Resumo A proposição do blog do INRC – Pecuária, Bagé/RS (1ª Fase) busca articular os parceiros institucionais do inventário – Prefeitura de Bagé, UFPel e IPHAN – bem como os interlocutores da pesquisa. Deste modo, possibilita o cruzamento de diferentes olhares, Blog do INRC –Flávia Maria próximos e distantes, nas atualizações do UFPel RS Pecuária, Bagé/RSSilva Rieth processo de investigação. O Inventário (1ª Fase) Nacional de Referências Culturais – Pecuária, Bagé/RS (1ª Fase), visa o levantamento preliminar, e as consecutivas documentação e divulgação de dados bibliográficos e etnográficos sobre as relaçõesenvolvidas na produção pecuária no pampa.Marília Floor UFPel RS CD-Rom do O Inventário Nacional de ReferênciasKosby Inventário Nacional Culturais – Produção de Doces Tradicionais de Referências Pelotenses teve como produtos o relatório Culturais – final, composto por umextenso conjuntode Produção de Doces fichas descritivas e classificatórias previstas Tradicionais pela metodologia do IPHAN, eum CD-ROM Pelotenses interativo, visando à divulgação da pesquisa para um público amplo. Esteproduto multimídia contempla uma síntese da investigação,com ênfase nos seus conteúdos imagéticos, é um dos retornos dados pela pesquisa àcomunidade no sentido da legitimação do interesse em registrar a tradição doceira dePelotas como patrimônio imaterial brasileiro. A busca por uma linguagem visual viabiliza a compreensão e oreconhecimento das duas grandes tradições doceiras enquanto um patrimônio imaterial na sociedade e cultura locais, possuindo um valorcultural inestimável e que, do ponto de vista dos saberes e fazeres, diferencia a região dePelotas de outros lugares, sendo um elemento central na composição da memória social eda identidade cultural pelotense.A escolha do recurso imagético justifica- seporque, a imagem não verbal tende a ser mais carregada, no que tangea sensibilidade aos códigos transmitidos, do que aquilo que se expressa verbalmente, aomesmo tempo em que comunga com o texto, revelando
  • 2. significados específicos. As fotografias apresentadas no referido CD-ROM revelam asformas, cores, saberes e lugares que orientam as múltiplas apropriações das tradiçõesdoceiras e que ordenam seus significados compondo uma estética do doce. Con las últimas lluvias estivales, los habitantes de San Miguel de Azapa (Arica, Chile), tal como en toda el área cultural de los Andes, hacen carnaval. En su caso, reciben al Ño Carnavalón con tarqueada. El bulto de un abuelo permanece sepultado todo el año hasta que sus devotos lo desentierran con bailes, sahumerios y tarkas. Los sahumerios son ofrendas aromáticas que permiten comunicarle El desentierro.Gerardo Mora solicitudes y agradecimientos. Las tarkas son AZAPA 0 Azapa, el ÑoRivera aerófonos que lloran para que llueva, en un Carnavalón llanto que es la alegre esperanza de buenas cosechas, buenos negocios y un buen año. Cuando sale de la tierra, beben cerveza con él, gritan de alegría por el rencuentro, le piden con fe para que les cumpla con fe y bajan bailando por la ladera del cerro hasta el pueblo con el abuelo Carnavalón en andas. Días después, volverán a depositarlo en la tierra, como a una semilla de poder genésico. No seringal Porongaba, no leste do estado do Acre, a maior parte dos grupos domésticos residem em colocações de centro, em meio a floresta, em distâncias de uma hora a um dia de caminhada desde a margem, na beira do rio Iaco. Tendo suas atividades cotidianas centradas no quebrar castanha, na caça deKarine Lopes Entre a margem e o animais da mata, na agricultura, na criação de IBAMA RJNarahara centro animais domésticos (incluindo o gado) e, em alguns casos, no extrativismo de borracha, esses grupos domésticos inserem-se em circuitos de troca e de reciprocidade que transpassam os seringais da região, incluindo também a rua. As presentes imagens demonstram um pouco desse modo de viver (dinâmico!) entre a margem e o centro.Viviane UFRGS RS Etnografias do O DVD interativo "Etnografias do Trabalho"Vedana Trabalho: trajetórias foi produzido no âmbito do projeto Trabalho e e cotidiano Cidade: etnografia da memória do trabalho na cidade moderno-contemporânea como parte dos resultados das investigações que estão sendo realizadas pelos pesquisadores envolvidos no projeto. Reunindo crônicas etnográficas em vídeo e som que apresentam trajetórias e cotidianos de trabalho em diferentes contextos através das narrativas de
  • 3. taxistas, engraxates, comerciantes, trabalhadores do campo, empregadas domésticas, entre outros, este DVD pretende fazer reverberar as imagens da memória do trabalho na cidade de Porto Alegre e no Rio Grande do Sul. O DVD do habitantes do arroio apresenta os vídeos de pesquisa produzidos em 2009 e 2010, reunindo a pesquisa de campo, os documentos de acervo, entrevistas e deslocamentos pela bacia do Arroio Dilúvio, em Porto Alegre - RS. O DVD com 1h e 40 min de duração pode ser assistido como um documentário linear, ou como um DVDRafael Habitantes do interativo, em que novas direções na narrativaVictorino UFSC SC Arroio - DVD são provocadas pelas conexões entreDevos Interativo e blog universos urbanos diferentes reunidos pelas águas - águas da memória, águas pluviais, águas domésticas, águas lúdicas e prazerosas, águas perigosas, águas que limitam e atravessam territórios entre o público e o privado na cidade. O material produzido e colecionado pelo projeto pode ser acessado também no blog http://habitantesdoarroio.blogspot.com O material apresentado à Mostra de Etnografia Sonora é uma edição que apresenta um dia em que o grupo Glória ao Samba, de São Paulo, homenageia o compositor falecido da VelhaAna Lucia Guarda da Portela. O registro apresenta osMarques Homenagem a vários momentos do encontro, a chegada e UFF RJCamargo Chico Santana preparação da "roda de samba", as músicasFerraz tocadas em blocos, os comentários sobre o sentido da homenagem. Esse DVD foi produzido como feedback da pesquisa "A aprendizagem no samba" ao grupo de jovens músicos populares. Disponibilização de 475 fotos digitalizadas provenientes das pesquisas linguísticas eNicolas Índios do Brasil e o etnológicas de Curt Nimuendajú, eAlexandria UFRJ RJ olhar de Curt depositadas no Centro de Documentação dasPinheiro Nimuendajú Línguas Indígenas - CELIN do Setor de Linguística do Museu Nacional da UFRJ.Luciano Von UFRGS RS Inovar: a arte de O filme narra a trajetória profissional doDer Goltz uma profissão alfaiate Damon Michalski. A intriga daVianna narrativa está presente na sua fala: “É técnica, graças a Deus”. Ao narrar sua biografia ele traça ao modificações da cidade e da sua profissão no decorrer de seus 94 anos. Assim como narra as transformações de uma “cultura
  • 4. profissional” de acordo com as tendências da moda e das modificações técnicas na confecção de roupas. Durante sua fala são evocados contextos políticos e sociais das mais diferentes décadas do século XX a partir dos seus álbuns de fotografia. As imagens antigas por sua vez evocam as outras narrativas da cidade de Porto Alegre, convergindo a “quadros sociais da memória” comuns aos demais interlocutores da pesquisa. Esse documentário pertence ao projeto “Trabalho e Cidade: Antropologia da memória do trabalho na cidade moderno- contemporânea” coordenado pela professora Cornelia Eckert e ao trabalho de conclusão de curso do diretor. Machinima Fieldnotes é um blog elaborado para compartilhar machinimas produzidos durante meu processo de pesquisa etnográfica no mundo virtual Second Life. Machinima é a produção digital realizada pela apropriação de uma plataforma gráfica desenhada para um fim específico – jogar ou interagir – para a elaboração de filmes. Embora tenham em comum o fato de serem uma espécie de anotações de campo em movimento, os machinimas aqui apresentados são deDebora Machinima conteúdo e forma muito variados. Por essaKrischke UFSM RS Fieldnotes razão procurei classificá-los, agrupando-os emLeitao um único blog. Em qualquer uma das categorias, os machinimas por mim produzido vem sendo amplamente compartilhados com residentes do Second Life, sobretudo através dos sites youtube e flickr. Eles são freqüentemente objeto de comentários e críticas, gerando, portanto, novos dados de pesquisa e sobretudo novos aprendizados sobre aspectos sociais e culturais do Second Life e sobre as mais variadas técnicas de produção visual em mundos virtuais 3D.Andressa UFRN CE O Sabor do Rio: "O Sabor do Rio: práticas, memórias e saberesLidicy Morais práticas, memórias do Potengi", documentário idealizado eLima e saberes do produzido por alunos da disciplina Teorias da Potengi Cultura do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFRN. É um manifesto a favor da patrimonialização do Rio Potengi. Nossa perspectiva não é a de salvaguardar uma tradição imutável, mas um esforço para que as populações "esquecidas" do Potengi possam mudar por sua própria conta. Além de ser um símbolo importante para essas populações, o rio é o vínculo essencial da "cultura potiguar", o seu lugar de
  • 5. nascimento. Realizou estágio Pós-Doutoral em Antropologia no The College of William and Mary (EUA), 2007. É doutor em Antropologia Social e Cultural pela Universidade de Brasília (1998), quando foi bolsista da Fulbrigth/CAPES na Harvard University (1994/95) com bolsa Sanduíche. Cursou o Mestrado em Antropologia Social pela Universidade de Brasília (1991) e a Especialização em Antropologia Social (1987) na Universidade Federal de Goiás. Possui Graduação em Geologia pela Universidade Federal do Pará, (1985). Foi Visiting Scholar da Smithsonian Institution (EUA) no National Museum of Natural History. Foi Visiting Scholar da Rockfeller Library/Colonial Williamsburg Foundation (EUA), 2007. FoiManuel coordenador do Mestrado Profissional emFerreira Lima UFG GO Ouropretana Gestão do Patrimônio Cultural e ProfessorFilho Titular da Universidade Católica de Goiás/Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia. Atualmente é professor Adjunto II DE na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás e Pesquisador do CNPq, 2 e coordenador do programa de pós-graduação em antropologia social da Universidade Federal de Goiás. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Patrimônio Cultural, Etnologia Indígena e Antropologia do Desenvolvimento, atuando principalmente nos seguintes temas: patrimônio cultural, cidade, memória coletiva, identidade social e Karajá. https://wwws.cnpq.br/curriculoweb/pkg_menu .menu? f_cod=4D19F8DB41C710394DEE732969807 E98Deise Lucy UFAM AM Podáali: um "Maloca e Música. Aspectos centrais da vidaOliveira documentário da ritual dos Baniwa do Içana-Ayari, é a opçãoMontardo música baniwa que faz uma comunidade indígena peri-urbana de São Gabriel da Cachoeria para reposicionar-se no mundo, expandindo-o, abrindo e reforçando canais de comunicação e transmissão de conhecimentos numa dimensão vertical, no que diz respeito à relação com os ancestrais míticos e com as passagens dos ciclos de vida; e outra horizontal, no que diz respeito ao manejo das relações com os “outros”, com os parentes e com o mundo dos brancos." Produção da comunidade Baniwa de Itacoatiara-Mirim, este documentário de curta duração mostra a construção da maloca
  • 6. tradicional em São Gabriel da Cachoeira e a expedição a Camarão, comunidade de origem, onde são ouvidas as flautas sagradas, depois de trinta anos. Trata-se de desconstruir a ideia de um único som – o “som do ônibus” – evocando os diferentes sons que se apresentam ao longo de uma viagem. Marca, por uma escuta semântica, o momento de embarque, as interações entre os passageiros que já se encontram acomodados no interior do transporte coletivo e o desembarque dos mesmos. Ao longo desta narrativa, procura-se entrelaçar esses sons, superpondo-os deLuciana UFRGS RS Será Balbúrdia? maneira a evocar uma escuta simbólica – queTubello Caldas para o senso comum é encarada como “balbúrdia”, “confusão”, “barulho” – aqui é a expressão de uma cultura do trânsito, seus deslocamentos, itinerários e pretextos para diálogo ocorridos durante o tempo de viagem, um tempo cíclico, que sempre recomeça ritmado por esses diferentes sons, ora mais evidentes, ora menos evidentes, mas que em nenhum momento, se deixam de relacionar com o “RUMHNNMHN” do motor do ônibus. A través de esta etnofonía, que se presenta como modelo etnográfico alternativo y complementario frente a otros posibles, se ha buscado reflexionar sobre el papel de la percepción y los sentidos tanto del etnógrafo como de los sujetos en el campo, que se ponen en juego en relación al espacio sonoro, y poner el acento en el papel configurante del sonido, así como el carácter performativo y practicado del espacio sonoro. En virtud de la UBA/UNLa reflexividad y análisis manifestado en losVictoria Polti SP Sonidos en trânsito /CMMF entrevistados al abordar las percepciones, y el análisis efectuado a partir de los registros y la implicancia de los investigadores en el campo, podemos abordar estos espacios subterráneos como espacios de tránsito en una primera instancia, pero fundamentalmente se trata de espacios cargados de significación, historia, e identidad que los sujetos practican, performando su biografía sonora y que construye junto a otras percepciones la memoria tanto individual como colectiva.Yara Schreiber USP SP Um Bairro Oriental A ênfase do projeto concentra-se naDines - A Liberdade em construção do olhar do aluno através da São Paulo câmera fotográfica, usando a entrada em campo na cidade como portal para os estudos de etnografia e de fotografia, abordando o
  • 7. urbano como o laboratório para o qual os fenômenos sociais convergem: a construção do universo simbólico, do imaginário e do imagético. Neste lugar social - aonde se desenrolam práticas e enlaces sociais significativos, palco da afirmação da diversidade cultural, em que desenvolvem-se as vivências e cartografias afetivas das experiências urbanas dos alunos, que são ressignificadas, a partir da sua tradução, por meio do seu olhar e registro através da câmera. O foco deste projeto é o estudo sobre a construção do espaço social do bairro da Liberdade e de suas manifestações de orientalidade, no intuito de promover uma pesquisa de antropologia visual para a construção da forma de expressão dos alunos e de sua singularidade imagética. Neste trabalho é apresenta uma “reconfiguração” da narrativa (Ricoeur, 1994) de uma benzedeira da Barra da Lagoa em Florianópolis/SC, apresentando também duas benzedurasLetícia Grala Enquanto minha voz realizadas por ela: a de Mau Olhado e de Mau UFSC SCDias sair Jeito. A narrativa, que se encontra pontuada pela música “Velha Bruxa Chefe”, do Ciclo Bruxólicas do compositor e antropólogo Acácio Piedade, foi construída segundo caminhos apontados por Ricoeur (1994): mimese I (pré-figura), mimese II (configuração) e mimese III (re-configuração).