Your SlideShare is downloading. ×
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Dnit valec relatorio-set2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Dnit valec relatorio-set2011

1,489

Published on

Published in: News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,489
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNOTIPO DE AUDITORIA : ESPECIALUNIDADE AUDITADA : DNIT e VALECCÓDIGOS : 393003 e 275075CIDADE : BRASILIARELATÓRIO Nº : 201112110UCI EXECUTORA : 170985 RELATÓRIO DE AUDITORIA Senhor Coordenador-Geral,Em atendimento à determinação contida na Ordem de Serviço nº 201112110, apresentamos osresultados dos exames realizados sob atos e consequentes fatos de gestão, ocorridos nasEntidades acima referidas, no período de 01/01/2005 a 25/08/2011.A estrutura deste Relatório é a seguinte:I – INTRODUÇÃO ..................................................................................................................................................... 2 II – DESENVOLVIMENTO ...................................................................................................................................... 3  II.1 -  DA PRECARIEDADE ESTRUTURAL DO DNIT E DA VALEC ....................................................... 3  II.2 -  DNIT – FATOS CONSTANTES DA DENÚNCIA INICIAL ................................................................ 9  II.2.1 -  O CASO DA LICITAÇÃO DA BR-280/SC ...................................................................................... 9  II.2.2 -  O CASO DA LICITAÇÃO DA BR-116/RS .................................................................................... 23  II.3 -  DNIT – OUTROS FATOS DIVULGADOS NA MÍDIA ...................................................................... 33  II.3.1 -  CONTORNO DE VITÓRIA/ES ....................................................................................................... 34  II.3.2 -  CONFLITO DE INTERESSES – CONSTRUTORA ARAÚJO E TECH MIX ............................... 40  II.4 -  DNIT – OUTRAS APURAÇÕES DA CGU .......................................................................................... 58  II.4.1 -  DNIT – O CASO DAS OBRAS DA BR-101/NE ............................................................................ 58  II.4.2 -  DAS IRREGULARIDADES PRATICADAS NO ÂMBITO DO DNIT/ES .................................. 110  II.4.3 -  DOS FATOS CONSTATADOS NO ÂMBITO DO DNIT/RS ...................................................... 130  II.4.4 -  DO SISTEMA DE PESAGEM DE VEÍCULOS – PPV (CGPERT) .............................................. 147  II.4.5 -  IMPROPRIEDADES NA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA TERCEIRIZADA ......................... 181  II.4.6 -  IMPROPRIEDADES NA EXECUÇÃO DE OBRAS DELEGADAS ........................................... 193  II.5 -  VALEC – FATOS CONSTANTES DA DENÚNCIA INICIAL ........................................................ 200  II.5.1 -  FERROVIA DE INTEGRAÇÃO OESTE-LESTE - FIOL............................................................. 200  II.6 -  VALEC – OUTROS FATOS DIVULGADOS NA MÍDIA ................................................................ 210  II.6.1 -  O CASO DISMAF .......................................................................................................................... 211  II.7 -  VALEC – OUTRAS APURAÇÕES DA CGU .................................................................................... 222  II.7.1 -  FERROVIA NORTE-SUL - FNS ................................................................................................... 222  II.7.2 -  IMPROPRIEDADES NA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA TERCEIRIZADA ......................... 225 III – CONCLUSÕES .............................................................................................................................................. 232 IV – RECOMENDAÇÕES ..................................................................................................................................... 246 V - ANEXOS ............................................................................................................................................................ 251  Página 1 de 253
  • 2. I – INTRODUÇÃOO presente trabalho de auditoria investigativa foi realizado em cumprimento às Portarias nº1.322, de 06/07/2011 e nº 1.579, de 08/08/2011, do Ministro de Estado Chefe da Controladoria-Geral da União, que designou equipe específica para auditar as licitações, contratos e execuçãode obras que deram origem a denúncias de irregularidades no Ministério dos Transportes, maisespecificamente em suas entidades vinculadas DNIT e VALEC.Trata-se de Auditoria Especial, resultante de determinação da Senhora Presidenta da República,e que atendeu também a solicitação do então Ministro de Estado dos Transportes, dirigida àCGU por meio do Aviso nº 089/GM/MT, de 04/07/2011.Os trabalhos foram realizados na sede do Ministério dos Transportes – MT, no DepartamentoNacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT e na VALEC – Engenharia, Construções eFerrovias S.A., no período de 06/07/2011 a 31/08/2011, em estrita observância às normas deauditoria aplicáveis ao serviço público federal.A presente Ação de Controle teve por objetivo inicial a verificação da procedência dos fatosapontados na denúncia publicada pela Revista VEJA nº 2.224, de 6/7/2011, na qual foramabordadas questões relativas aos procedimentos licitatórios para contratação das obras nasRodovias BR-280/SC e BR-116/RS (entre Eldorado do Sul e Pelotas), bem como ao incrementodos custos para construção de trecho da Ferrovia de Integração Oeste-Leste – FIOL.Além desses casos, entretanto, o presente Relatório aborda também outras denúncias veiculadasna imprensa, e, ainda, inclui resultados de outras auditorias e fiscalizações realizadas pelaControladoria-Geral da União - CGU.Estas últimas apurações, embora não tratem de casos apontados nas recentes denúncias, foramincluídas neste relatório tendo em vista a decisão do Governo de fazer um amplo diagnóstico,com vistas a uma completa reformulação e renovação nos órgãos envolvidos – DNIT e VALEC.Por isso, os critérios para sua inclusão levaram em conta serem eles casos emblemáticos erepresentativos das principais tipologias de problemas que a CGU encontra, frequentemente, nasauditorias de obras, sobretudo do DNIT.A partir dos casos descritos, é possível constatar a precariedade dos projetos de engenharia – fatoreiteradamente apontado pela CGU – e o modo como essas deficiências contribuem para ageração de superestimativas nos orçamentos de referência da própria Administração, daí para osobrepreço nos contratos, e como, por fim, levam, em muitos casos, ao superfaturamento dasobras, com prejuízo aos cofres públicos.Desse modo, serão aqui analisados, além das denúncias inicialmente mencionadas (BR-280/SC,BR-116/RS, Ferrovia de Integração Oeste-Leste – FIOL), os fatos relativos às obras derestauração e duplicação do Lote 07 da BR-101 no Estado de Pernambuco; às obras do Contornode Vitória/ES; às irregularidades constatadas no âmbito do DNIT/ES e do DNIT/RS; à licitaçãopara estruturação de Postos de Pesagem Veicular – PPV; a impropriedades na contratação deempresas terceirizadas pelo DNIT e pela VALEC; a impropriedades na execução de obrasdelegadas; à contratação de empresa para fornecimento de trilhos (FIOL e FNS); e à construçãoda Ferrovia Norte-Sul.Esclarece-se, por fim, que, além dos casos abordados no presente Relatório de Auditoria daSecretaria Federal de Controle (SFC/CGU), outras situações irregulares encontram-se emapuração na Corregedoria-Geral da União (outra unidade da CGU), mediante sindicâncias e Página 2 de 253
  • 3. processos disciplinares, cujos prazos obedecem às regras legais, tendo em vista o direito aocontraditório e à ampla defesa. A Corregedoria-Geral, ademais, deverá receber também umacópia do presente relatório, tanto para subsidiar aqueles processos já em curso, quanto parapossível instauração de novos processos e sindicâncias.II – DESENVOLVIMENTOII.1 - DA PRECARIEDADE ESTRUTURAL DO DNIT E DA VALECO DNIT, Autarquia criada por meio da Lei 10.233/01 e que sucedeu o antigo DepartamentoNacional de Estradas de Rodagem – DNER, tem por objetivo implementar a política deinfraestrutura do Sistema Federal de Viação, compreendendo sua operação, manutenção,restauração ou reposição, adequação de capacidade e ampliação mediante construção de novasvias e terminais. Trata-se de entidade gestora e executora, sob a jurisdição do Ministério dosTransportes, das vias navegáveis, ferrovias e rodovias federais, instalações de vias de transbordoe de interface intermodal e instalações portuárias fluviais e lacustres.Além disso, o DNIT é o órgão da União competente para exercer as atribuições elencadas no art.21 do Código de Trânsito Brasileiro: nas rodovias federais, ele é responsável pela aplicação demultas por excesso de peso e ou de velocidade, por meio dos postos de pesagem e das lombadaseletrônicas.Para cumprir sua missão, o DNIT conta ainda com 23 Superintendências Regionais, de maneira acobrir todo o território nacional.A VALEC, Empresa Pública sob a forma de sociedade por ações, nos termos previstos na Lei n°11.772/2008, tem por função social a construção e exploração de infraestrutura ferroviárianacional. Além disso, a VALEC que vinha tendo como função principal a construção da EF 151– A Ferrovia Norte-Sul, que vai de Belém (PA) até Panorama (SP), detém, também, pela Lei11.772, a concessão das seguintes Ferrovias: EF 267, de Panorama, em São Paulo, a PortoMurtinho, no Mato Grosso do Sul, com 750 km; EF 334 – Ferrovia da Integração Oeste-Leste,que, partindo de Ilhéus, na Bahia, chega a Figueirópolis, no Tocantins, onde se liga à FerroviaNorte-Sul, num total de 1.490 km; e a EF 354 – Ferrovia Transcontinental, que partirá do LitoralNorte Fluminense e passará por Muriaé, Ipatinga e Paracatu, em Minas Gerais; por Brasília, noDistrito Federal, por Uruaçu, em Goiás; por Cocalinho, Ribeirão Castanheira e Lucas do RioVerde, em Mato Grosso; Vilhena e Porto Velho, em Rondônia; e Rio Branco e Cruzeiro do Sul,no Acre, até chegar à localidade de Boqueirão da Esperança, na fronteira Brasil-Peru. ATranscontinental terá, após concluída, um percurso de 4.400 km.Para cumprir sua missão, a VALEC conta ainda com 10 Escritórios nos seguintes Estados: RJ,MA, GO, TO e BA, conforme distribuição a seguir.Quadro I: Distribuição dos Escritórios da VALEC nos Estados UF Rio de Janeiro Maranhão Goiás Tocantins Bahia Nº Escritórios 1 4 2 2 1Fonte: VALECNo entanto, ambas as Entidades não dispõem de elementos fundamentais para garantia dosucesso em seus projetos, aqui entendido como a entrega do objeto contratado conforme oplanejado, dentro do prazo previsto, com o custo total dentro do orçamento avençado, e com anecessária qualidade, segundo os padrões e normas técnicas. Esses projetos relacionam-se àsatividades de construção/manutenção da infraestrutura dos modos rodoviário, ferroviário e Página 3 de 253
  • 4. aquaviário (hidrovias). Dessa forma, os elementos fundamentais anteriormente citados seriam osseguintes: a) necessidade da estruturação de um planejamento estratégico; b) utilização dasmelhores práticas relacionadas à gestão de projetos; c) quantitativo adequado de pessoal próprionecessário ao pleno desenvolvimento de suas atividades, inclusive em suas Auditorias Internas; ed) aquisição de recursos materiais, em especial de TI.a) A falta de planejamento estratégico dificulta uma maior efetividade das políticas públicas, e,por este motivo, faz-se necessário que as organizações públicas aprimorem, continuamente, seusprocessos de gestão e o uso coordenado de recursos, visando obter os melhores resultados. Nocaso do DNIT e VALEC, sem a existência de um planejamento estratégico, os objetivos e metasdessas Entidades não são formalizados; não há mapeamento de processos críticos e, porconseguinte, não há meios de mitigação, de acompanhamento/atualização, de mensuração eclassificação dos riscos identificados.b) Quanto à falta de gestão de projetos, faz-se necessário efetuar as seguintes considerações:O conceito de maturidade em gestão de projetos está relacionado à capacidade de umaorganização de gerenciar, conduzindo ao êxito, seus projetos.Observa-se no DNIT e na VALEC que não existe um fluxo horizontal, em que os pacotes detrabalho são organizados e gerenciados mediante a interação permanente entre as áreas. Ascadeias de trabalho são verticais e não há interface entre as coordenações-gerais, no caso doDNIT ou superintendências, no caso da VALEC. As consequências são visíveis e manifestam-sepela falta de percepção do escopo completo dos projetos, acarretando surpresas do ponto de vistaambiental, das desapropriações, do descasamento entre a compra de insumos e o plano de ataquedas construções, entre outros.Não há um sistema de controle de custos minimamente razoável, que possibilite omonitoramento do desempenho, a melhoria nas estimativas e uma melhor compreensão do custoreal do trabalho exigido pelo empreendimento. Tampouco existe mecanismo para gestão demudanças de escopo e a compreensão de que o gerenciamento de riscos é fundamental para osucesso das obras, sendo mais abrangente que uma mera medida de proteção de uma estimativaou programação. Não são produzidos relatórios gerenciais de como os recursos humanos emateriais estão sendo reunidos e utilizados, inexistindo um modelo de planejamento decapacidade para percepção de quanto de esforço adicional as unidades são capazes de absorver.No DNIT em particular, há um grande número de projetos em estoque, inviabilizando ascompetentes análises técnicas com as profundidades requeridas. Muitos projetos acabam sendolicitados já defasados em relação ao volume médio diário de tráfego, ao nível de serviço, àslocalizações de jazidas e às necessidades de desapropriações, o que, inevitavelmente, conduz ànecessidade de aditivos contratuais, consequência das necessárias revisões de projeto em fase deobra.A conquista da maturidade na gestão de projetos passa obrigatoriamente pela definição desucesso em projeto. Se sucesso for definido como a concretização do prazo programado, dentrodo orçamento e com os requisitos de qualidade assegurados, o nível de êxito nosempreendimentos seria muito baixo, tanto no DNIT quanto na VALEC.Raríssimos são os empreendimentos em que não há acréscimos de custos, muitos dos quais seaproximam do limite legal, algumas vezes até superando-o, tornando sem efeito os descontosobtidos pela administração nos processos licitatórios, irrisórios em muitos casos. É possível Página 4 de 253
  • 5. constatar facilmente a deficiência na programação, bastando relacionar alguns empreendimentosdo PAC, por exemplo, como os apresentados na Tabela a seguir:Tabela 1: Amostra de empreendimentos do PAC sob responsabilidade do MT, DNIT e VALEC VALOR VALOR % Unid Obra DESCRIÇÃO DO OBJETO Atual-Inicial INICIAL ATUAL variação (PAC) BR- Execução de obras do Proj. de Ampliação 101/RS - de Capacidade e Modernização da Ligação DNIT Adequação Rod. Florianópolis-Osório, BR-101/RS. 157.009.885,39 272.657.211,93 115.647.326,54 73,7% Divisa SC/RS Lote 03, km 52,86 - 72,06 (extensão 19,20 – Osório km). (PAC) BR- 101/PE - Restauração, duplicação e OAEs da BR-101 Adequação DNIT NE - subtrecho: entr. PE064/85 - entr. PE- 208.216.132,90 258.635.706,52 50.419.573,62 24,2% Trecho Divisa 126 (Catende) - km 148,5 a 188,5 - Lote 8 PB/PE - Divisa PE/AL (PAC) BR- 101/PE - Restauração, Duplicação e OAEs da BR Adequação 101 NE - subtrecho entr. PE-025/02/037 DNIT 272.504.024,09 316.021.702,67 43.517.678,58 16,0% Trecho Divisa (Cabo) - entr. PE-064/085 (Ribeirão) - Km PB/PE - Divisa 104,6 a 148,5 - Lote 7 PE/AL (PAC) Obra de infraestrutura e superestrutura Ferrovia Valec ferroviárias e obras de artes especiais no 119.449.743,01 159.797.894,67 40.348.151,66 33,8% Norte-Sul – trecho Darcinópolis - Araguaína -TO TO Execução das obras de infraestrutura e (PAC) superestrutura ferroviária e obras de arte Ferrovia Valec especiais da Ferrovia Norte-Sul, trecho 159.298.536,98 199.068.341,73 39.769.804,75 25,0% Norte-Sul – Córrego do Brejo Grande - Ribeirão TO Tabocão, Lote 08 Obras de infra-estrutura e superestrutura ferroviária e obras de arte especiais da (PAC) Ferrovia Norte - Sul,no trecho do TO - 080 Valec Ferrovia 299.684.766,95 372.897.156,29 73.212.389,34 24,4% Palmas (km 719,16) - Córrego Jaboti (km Norte-Sul - TO 818,30),Lote 12,com 99,14 km de extensão (Concorrência 001/2007) Obra de infraestrutura e superestrutura (PAC) ferroviárias e obras de arte especiais na Construção da Ferrovia Norte-Sul/GO, no trecho de 71 Valec 164.704.436,23 205.806.314,91 41.101.878,68 25,0% Ferrovia km, compreendido entre o Pátio de Norte-Sul/GO Jaraguá/GO e o Pátio de Santa Isabel/GO - Lote 03 Execução das obras de infra-estrutura e (PAC) superestrutura ferroviária e obras de arte Valec Ferrovia especiais da Ferrovia Norte-Sul, trecho 159.298.536,98 199.068.341,73 39.769.804,75 25,0% Norte-Sul - TO Córrego do Brejo Grande - Ribeirão Tabocão, Lote 08 Obras de infra-estrutura e superestrutura (PAC) ferroviária e obras de arte especiais da Valec Ferrovia 151.194.412,22 183.686.592,39 32.492.180,17 21,5% Ferrovia Norte-Sul, Lote 16 (Concorrência Norte-Sul - TO 001/2007) Obras de infra-estrutura e superestrutura (PAC) ferroviária e obras de arte especiais da Valec Ferrovia Ferrovia Norte-Sul, no trecho Córrego 127.895.492,86 159.839.936,10 31.944.443,24 25,0% Norte-Sul - TO Riacho Fundo - Córrego Brejo Grande, Lote 07 Execução, sob o regime de empreitada por preço unitário, de obra de infraestrutura e (PAC) superestrutura ferroviárias e obras de arte Construção da Valec especiais, no trecho de 52 km, 116.426.598,81 145.529.895,75 29.103.296,94 25,0% Ferrovia compreendido entre Ouro Verde de Goiás e Norte-Sul/GO o Pátio de Jaraguá no Estado de Goiás, relativo ao lote 2 Obras de infra-estrutura e superestrutura (PAC) ferroviária e obras de arte especiais da Valec Ferrovia Ferrovia Norte-Sul, no trecho Córrego 110.199.784,66 137.733.455,25 27.533.670,59 25,0% Norte-Sul - TO Gavião ,Córrego Riacho Fundo, Lote 06 com extensão de 51kmFonte: TCU Página 5 de 253
  • 6. É possível observar, a partir destes 12 empreendimentos listados, que os aditivos de valor sãofrequentes, principalmente nas obras sob a responsabilidade da VALEC, muitas vezesaproximando, e, às vezes, até superando o teto previsto no § 1º do artigo 65 da Lei nº 8.666/93.Concorrem para este quadro a deficiência dos projetos de engenharia, principalmente no tocanteaos estudos geotécnicos, geológicos, topográficos, a falta de um plano estratégico de ataque àsobras, as fragilidades dos sistemas de referência de custos utilizados pela administração e asdificuldades de se conduzir cotações, entre outras causas. Convém alertar que a pressão para oinício da execução das obras e do orçamento previsto, encerra prematuramente os processos deconfecção e análise dos projetos, fatores que, somados à baixa capacidade operacional dosórgãos, muito aquém das necessidades impostas pelos gigantescos portfólios, contribui para obaixo percentual de êxito.Modernamente, a definição de sucesso em projetos é mais abrangente, mensurando fatores comoo alinhamento à estratégia da organização, a proteção ambiental e a conduta ética dos servidores.Em junho deste ano, a CGU aplicou um questionário aos diretores e coordenadores-gerais doDNIT com o intuito de avaliar a maturidade em gestão de projetos, seja pela compreensão dosconceitos relacionados à disciplina, seja pela atitude da alta direção ou pelo emprego deferramentas de gestão de projetos. O resultado mostra um quadro que explica o baixo nível desucesso alcançado, considerando-se os parâmetros primários de qualidade, custos e prazos.Dentro de um modelo de maturidade reconhecido internacionalmente, em que é possívelquantificar numericamente a capacidade de uma organização gerenciar projetos com sucesso,classificando o estágio de maturidade em cinco níveis, verificamos que o DNIT encontra-se nonível denominado inicial, ou seja, o mais baixo existente. Neste nível, os gestores reconhecem aimportância de dispor de ferramentas e métodos de gerenciamento de projetos, no entanto, nãohá medidas concretas para promover o amadurecimento na ciência e arte de gerir projetos.Figura 1: Modelo Capability Maturity ModelFonte: Curtis et al. 1995Neste patamar, o DNIT iguala-se a 11% das organizações brasileiras, segundo pesquisaconduzida por Darci Prado, publicada na Revista Mundo Project Management – Abr/Mai 2011. Página 6 de 253
  • 7. Gráfico 1: Distribuição percentual nos níveis de maturidade das organizações brasileiras.Fonte: Revista Mundo Project Management – Abr/Mai 2011Merece destaque o fato de que, pelo portfólio de investimentos administrado, tanto o DNITquanto a Valec deveriam contar em suas estruturas com escritórios de gerenciamento de projetos.Este organismo teria como missão manter a propriedade intelectual relativa à gestão de projetosnas organizações, bem como sustentar o planejamento estratégico, realizando oacompanhamento e a supervisão dos empreendimentos, segundo uma visão de valor agregado,garantindo os marcos de entrega.Também é fundamental para o êxito contar com sistemas de informação confiáveis, em que severifiquem os valores reais e planejados para o trabalho, o tempo estimado da conclusão, oscustos envolvidos para retroalimentar o sistema de referência. Além disso, deve ser possívelregistrar lições aprendidas e pontuar o desempenho dos contratados, visando à aplicação dassanções, quando for o caso, e a emissão dos atestados.c) Em relação à falta de pessoal próprio, cabe apresentar a seguinte situação conforme se segue.O DNIT possui uma força de trabalho de 2.583 servidores efetivos e 3.360 terceirizados. Emfunção do grande volume de contratos de obras, e considerando-se que nem todos os 2.583servidores são engenheiros, ocorre, principalmente nos Estados da Federação com as maioresmalhas, a sobrecarga dos fiscais, especialmente no que se refere à efetividade das fiscalizaçõespor eles realizadas, tendo em vista a necessidade de se percorrer grandes trechos em construção,sem o devido aprofundamento nas questões inerentes a uma obra rodoviária. Se essa fiscalizaçãoprimária não for realizada de maneira efetiva, os empreendimentos passam a ser acompanhados,unicamente, pelas empresas supervisoras. Conforme será verificado mais adiante, verifica-se aexistência reiterada de diversos problemas decorrentes da precariedade da fiscalização e daatuação das empresas supervisoras nos empreendimentos em construção.Já a VALEC possui uma força de trabalho de 364 empregados e 155 terceirizados. Tendo emvista o volume das obras relacionadas à construção da infraestrutura ferroviária nacional, econsiderando-se que existem 42 engenheiros fiscais, cuja atuação já foi contestada pela CGU,devido à precariedade no gerenciamento, supervisão e fiscalização dos contratos de supervisãoda Ferrovia Norte-Sul (Lotes S/Nº, 1, 02, 04, 09, 10, 11, 12, 13, 14), é fundamental oaprimoramento desse controle primário. Da mesma forma como relatado para o DNIT, seráverificado mais adiante a existência reiterada de diversos problemas decorrentes da precariedadeda fiscalização e da atuação das empresas supervisoras nos empreendimentos em construção. Página 7 de 253
  • 8. d) Por fim, no que se refere à falta de recursos materiais, em especial os de Tecnologia daInformação – TI, por meio da Solicitação de Auditoria nº 201112110/030, de 18/8/2011,solicitou-se ao DNIT o encaminhamento de um diagnóstico da área de TI da Autarquia eSuperintendências Regionais, destacando a existência ou não de política de segurança dainformação, a existência de PDTI já implementado, integração de sistemas no âmbito daAutarquia, além da composição do parque de hardware e os softwares em utilização pelo DNIT,em especial os relacionados à engenharia.Nesse sentido, a Autarquia, por meio da Coordenação-Geral de Modernização e Informática –CGMI, ressaltou diversos problemas em especial quanto à política de segurança da informação,tendo em vista o incremento considerável de incidentes de segurança da informação ao longo dosúltimos anos, os quais assumem as formas mais variadas, como, por exemplo: infecção por vírus,acesso não autorizado, ataques contra redes e sistemas, furto de informação proprietária, invasãode sistemas, fraudes internas e externas, e uso não autorizado de redes sem fio.Apesar de ainda não implementado, encontra-se em desenvolvimento o Plano Diretor deTecnologia da Informação da Autarquia, o qual tem como propósito orientar o planejamento e aexecução das ações de TI no DNIT, de maneira a consolidar a importância estratégica dessa área,consistindo em um instrumento essencial para orientar ações e decisões sobre tecnologia deinformação.No que se refere à integração de sistemas, verifica-se a necessidade de se integrar o universo desistemas existentes na Autarquia ao SIAC – Sistema de Acompanhamento de Contratos, aexemplo do Sistema de Faixa de Domínio, Sistema Patrimonial, Sistema Desapropriação,Sistema Custo Final de Obra, Sistema Contabilidade, além do Módulo Protocolo.Quanto ao parque de TI verifica-se que a situação atual requer melhoramentos, tendo em vista anecessidade de investimentos em hardware e na aquisição de licenças de softwares, em especialos relacionados à área de engenharia, atualmente insuficientes ao desenvolvimento dos trabalhosna Sede e Superintendências Regionais, situação relacionada ao fortalecimento do ambiente decontrole.Com base no anteriormente exposto, pode-se concluir que as duas Entidades estão com seusambientes de controle fragilizados, com baixa governança corporativa, e submetidas a diversasvulnerabilidades e riscos.Primeiramente, entende-se por um efetivo ambiente de controle aquele ambiente onde as pessoascompreendem suas responsabilidades, seus limites de autoridade e são responsáveis, cuidadosase comprometidas a fazer o que é correto e da forma adequada. Elas estão comprometidas com aspolíticas e procedimentos da organização e os padrões de ética e comportamento. O ambiente decontrole envolve tanto a competência técnica como os valores éticos, e estes são fatoresintangíveis essenciais ao controle interno. As diversas constatações apresentadas ao longo desteRelatório corroboram a precariedade do ambiente de controle tanto no DNIT quanto na VALEC.Em linhas gerais, uma boa governança deve garantir que os processos e instituiçõesgovernamentais devem produzir resultados que vão ao encontro das necessidades da sociedadeao mesmo tempo em que fazem o melhor uso possível dos recursos à sua disposição. NasEntidades do MT em foco, a baixa governança está associada à inadequada utilização de recursospúblicos, conforme pode ser verificado nos itens seguintes deste Relatório.Com um ambiente de controle precário e baixa governança, é fato que ambas as Entidadesestejam vulneráveis a diversos tipos de riscos e fragilidades. Em decorrência disso e de todo o Página 8 de 253
  • 9. contexto apresentado anteriormente, ocorre a formação do cenário propício para o surgimento deprojetos mais caros do que realmente valem, com qualidade inferior, os quais serão licitados comsobrepreço, situação que futuramente acarreta a confirmação de obras superfaturadas, além delicitações dirigidas, fraudes relacionadas à execução de obras, situações de conflitos deinteresses, e pagamentos indevidos.Nos itens que se seguem, são apresentadas situações específicas relacionadas ao DNIT e àVALEC, as quais decorrem das questões expostas no item II.1 anteriormente apresentado.II.2 - DNIT – FATOS CONSTANTES DA DENÚNCIA INICIALII.2.1 - O CASO DA LICITAÇÃO DA BR-280/SCFato denunciado: O teor da denúncia se refere a situações envolvendo burla à livre concorrência,direcionamento de licitações e superestimativa na tabela de referência da Administração, deforma que esse contexto proporcionasse margem ao pagamento de propina.Conclusão CGU: No que compete ao órgão de auditoria - em especial a análise do procedimentolicitatório e sua lisura, a qualidade do projeto básico, o orçamento de referência da licitaçãoformulado pela Administração e eventuais superestimativas -, concluímos pela existência desuperestimativa na tabela da Administração, o que, por sua vez, pode, em tese, gerar contrataçãofutura com sobrepreço. Concluir, entretanto, que isso resultaria no pagamento de propinadependeria de apuração somente factível, via de regra, por meio de investigação policial, cominstrumental próprio e autorização judicial.DO PROCEDIMENTO LICITATÓRIOTrata-se de licitação na modalidade Concorrência – Edital no 505/2010-00, cujo objeto é aexecução, sob o regime de empreitada a preços unitários, dos serviços necessários à realizaçãodas obras de duplicação, incluindo restauração e melhoramentos, para adequação de capacidadee segurança na Rodovia BR-280, no Estado de Santa Catarina.Em 08/10/2010, o Diretor-Geral do DNIT delegou, através da Portaria n° 1.167, competência aoSuperintendente Regional no Estado de Santa Catarina para analisar e aprovar os projetos deengenharia da duplicação da BR-280/SC.Em 25/10/2010 os referidos projetos foram aprovados pelo Superintendente através das Portariasno 148 e no 149, conforme descrito a seguir:- Portaria n° 148/2010 – o Superintendente de Santa Catarina aprova o Projeto de Engenharia dotrecho que vai de São Francisco do Sul (acesso ao Porto) até a intersecção com a BR-101 (ladooeste) - extensão 36,0 km – Projetista: Consórcio Prosul/ARS – Valor: R$ 319.690.509,98 (database: março 2010).- Portaria n° 149/2010 – o Superintendente de Santa Catarina aprova o Projeto de Engenharia dotrecho que vai da intersecção com a BR-101 (lado oeste) até Jaraguá do Sul – extensão 37,9 km –Projetista: Consórcio Iguatemi/Sotepa – Valor: R$ 621.948.711,15 (data base: março 2010).A Licença Prévia n° 370/2010 havia sido emitida pelo IBAMA em 09/09/2010 para as obras deduplicação da Rodovia BR-280/SC, com validade de dois anos. Página 9 de 253
  • 10. Após a aprovação dos projetos, foi definido pela área técnica do DNIT que a obra seria divididaem três lotes, que compreenderiam:-Lote 1 – Porto de São Francisco do Sul a entrada da BR-101 – extensão de 36 km – valor deR$ 319.690.509,98 (março/2010);-Lote 2 – Entrada da BR-101 a entrada da SC-108 (A) (Neudor) – extensão de 14 km – valor deR$ 133.606.841,59 (março/2010);-Lote 3 – Entrada da SC-108 (A) (Neudor) a Corupá – extensão de 23,9 km – valor deR$ 488.341.869,56 (março/2010).-Valor Total: R$ 941.639.221,13Em 08/11/2010, foi publicado no DOU o aviso de licitação do Edital n° 505/2010-00, com a datade entrega das propostas definida para 21/12/2010, no valor total de R$ 941.639.221,13.O referido edital foi objeto de vários questionamentos e pedidos de impugnação devido a falhasapresentadas no orçamento, razão pela qual o Superintende Regional do DNIT/SC sugeriu asuspensão do edital para que fossem corrigidas as falhas.Em 14/12/2010 foi publicado no DOU o Aviso de Suspensão da Concorrência n° 505/2010.Após as devidas correções, a Superintendência Regional do DNIT apresentou os orçamentoscorrigidos pelas projetistas com os seguintes valores:- Lote 1 – R$ 319.392.338,60 (data base: março 2010)- Lote 2 – R$ 136.959.587,06 (data base: março 2010)- Lote 3 – R$ 492.759.483,02 (data base: março 2010)- Valor total: R$ 949.111.408,68- Incremento no orçamento total: R$ 7.472.187,55O Tribunal de Contas da União publicou em 08/12/2010 o Acórdão 3.402/2010 - Plenáriodeterminando ao DNIT que, enquanto não viabilizada e tornada oficial, no SICRO 2 e/ou noSINCTRAN, a pesquisa de preços de fretes praticados pelas distribuidoras/transportadoras demateriais betuminosos, adotasse as equações tarifárias sugeridas pelo referido Acórdão emsubstituição às equações constantes do Ofício Circular no 032/2000/DFPC/DNER, de28/06/2000.Diante da provocação do TCU, o Diretor-Geral do DNIT publicou a Instrução de Serviço/DGn° 02, de 18/01/2011, introduzindo as alterações nas equações tarifárias de transporte de materialbetuminoso.Em virtude da IS no 02, houve uma nova adequação no orçamento, com a data-base atualizadapara setembro/2010:- Lote 1: R$ 299.402.523,22 (data base: setembro/2010)- Lote 2: R$ 130.313.240,85 (data base: setembro/2010)- Lote 3: R$ 470.801.810,91 (data base: setembro/2010)- Total: R$ 900.517.574,98- Redução: R$ 41.121.646,15 (considerando o orçamento apresentado no edital da licitação)Motivado pelo Ofício 277/2011-TCU/SECOB-2 (oitiva) – Processo TC 000.823/2011-2, queapresentou questionamentos ao projeto, o Superintendente Regional do DNIT/SC fez novascorreções no orçamento, chegando aos valores dispostos a seguir: Página 10 de 253
  • 11. - Lote 1: R$ 297.200.695,82 (data base: setembro/2010)- Lote 2: R$ 128.823.583,82 (data base: setembro/2010)- Lote 3: R$ 459.604.702,33 (data base: setembro/2010)- Total: R$ 885.628.981,97- Redução: R$ 56.010.239,16Em 27/05/2011 foi publicada no DOU a 1ª errata ao Edital, com as modificações procedidas e anova data para abertura das propostas, marcada para 06/07/2011.Na data marcada para a abertura das propostas foi publicado no DOU o Aviso de Revogação daLicitação, justificada pelo Diretor Executivo, através do Mem. n° 369/2011/DIREX, pelanecessidade de inclusão de uma ponte que não estava considerada no valor da obra, o queresultaria em um valor acima do autorizado pelo GEPAC.O presente edital foi objeto de auditoria do Tribunal de Contas da União – TCU no períodocompreendido entre 19/01/2011 e 18/02/2011, e teve como escopo a análise dos projetos eorçamentos apresentados quando da publicação do Edital n° 505/2010.Para a estruturação dos trabalhos, a equipe de auditoria da CGU utilizou como referência osachados apontados pelo TCU, modificando o escopo da análise para os projetos e orçamentosapresentados na 1ª Errata ao edital, tendo sido verificado alguns problemas tais como: previsãode execução de serviços que são da responsabilidade de particulares, projeto básico deficiente esuperestimativa decorrente de preços excessivos, que proporcionam um incremento no valor daobra estimado em R$ 47 milhões.CONSTATAÇÃO 001:PREVISÃO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS CUJA RESPONSABILIDADE É DECONCESSIONÁRIOS.Os valores necessários ao remanejamento de serviços públicos (redes elétricas, de água, ecomunicações – telefonia e fibra ótica), no total de R$ 11.469.510,07 (setembro/2010), foramprevistos na planilha do Edital, sendo que, conforme as Instruções de Serviço no 06/2008,no 07/2008 e no 08/2008, tais serviços são de responsabilidade das respectivas concessionárias,não cabendo ao DNIT assumi-los.A IS/DG no 06/2008 estabelece em seu item 2.5 que será a Permissionária quem tomará todas asmedidas necessárias (com as despesas ocorrendo por sua conta) se o DNIT, por força de obrasnovas de melhoramentos, como alargamentos, pavimentação, construção de variantes e acessos,necessitar renovar a posteação e alterar suas condições geométricas.Por sua vez, a IS/DG no 07/2008 estabelece em seu item 4.6 que será a Permissionária quemtomará todas as medidas necessárias (com as despesas ocorrendo por sua conta) se o DNIT, porforça de obras novas ou melhoramentos na faixa de domínio, necessitar remover ou alterar assuas instalações de adutoras, tubulações de gás, oleodutos, esgotos e similares.E ainda, a IS/DG no 08/2008 estabelece em seu item 1.3 que em caso de obra em que for precisoinfluir nas redes de telecomunicações das Permissionárias, os custos de recomposição das redesdeverão ser absorvidos pelas próprias permissionárias. Página 11 de 253
  • 12. Entretanto, apesar do disposto nas referidas Instruções, o Edital contempla, nos três lotes, oremanejamento de serviços públicos, com intervenções em redes elétricas, de comunicações e deágua e esgoto, conforme se observa nos Quadros a seguir:Quadro I: Lote 1 Valor Unitário Valor Total Interferências Unid. Quant. com BDI (R$) com BDI (R$) Remanejamento de LT 69 kV Joinville – São un 1 1.309.135,16 1.309.135,16 Francisco do Sul (orç. CELESC) Remanejamento LT 230 kV Joinville – Veja do Sul un 1 322.524,85 322.524,85 (orç. Eletrosul) Remanejamento de linha de telefonia e fibra ótica un 1 1.578.192,21 1.578.192,21 (orç. Oi – CT) Remanejamento de rede de água (orç. CASAN) un 1 1.637.011,67 1.637.011,67 Remanejamento de rede de água (orç. SAMAE) un 1 355.437,11 355.437,11 Total 5.202.301,00 5.202.301,00Fonte: Edital no 505/2010-00Quadro II: Lote 2 Valor Unitário Valor Total Interferências Unid. Quant. com BDI (R$) com BDI (R$) Remanejamento de rede elétrica (orç. CELESC) un 1 259.765,24 259.765,24 Remanejamento de rede de abastecimento (orç. un 1 3.137.989,65 3.137.989,65 Águas de Guaramirim) Remanejamento de rede de comunicação (orç. un 1 2.581.306,79 2.581.306,79 Brasil Telecom) Total 3.575.036,71 3.575.036,71Fonte: Edital no 505/2010-00Quadro III: Lote 3 Valor Unitário Valor Total Interferências Unid. Quant. com BDI (R$) com BDI (R$) Remanejamento de rede elétrica (orç. CELESC) un 1 11.327,96 11.327,96 Remanejamento de rede de abastecimento (orç. un 1 937.321,59 937.321,59 Águas de Guaramirim) Remanejamento de rede de abastecimento (orç. un 1 59.027,65 59.027,65 SAMAE Jaraguá do Sul) Remanejamento de rede de comunicação (orç. un 1 1.106.274,33 1.106.274,33 Brasil Telecom) Total 2.692.172,36 2.692.172,36Fonte: Edital no 505/2010-00Evidências:Planilha Orçamentária dos Lotes 01 a 03IS/DG no 06IS/DG no 07IS/DG no 08CONSTATAÇÃO 002:PROJETO BÁSICO DEFICIENTEForam observadas falhas no Projeto Básico da BR-280/SC, as quais poderiam acarretar umprejuízo potencial estimado de R$ 29.018.282,89, tais como: previsão de aquisição de areiacomercial em detrimento de sua exploração direta; utilização de fator de contração inadequado;quantificação indevida de cambotas metálicas e seus respectivos pés-direitos; e insuficiência desondagens. Página 12 de 253
  • 13. a) Aquisição de areia comercial em detrimento de sua exploração diretaO Projeto Básico prevê nos três lotes da obra a aquisição de areia comercial, embora se tenhaconstatado a possibilidade de sua exploração direta pelo executor da obra.Primeiramente, cabe esclarecer que é possível se determinar, em caráter preventivo, o bloqueiodas áreas de jazidas necessárias à construção de rodovias, por Portaria do DNPM, como jáocorreu na BR-101/Sul e no Arco Rodoviário do Rio de Janeiro.Esta possibilidade se deve ao fato de que a propriedade do subsolo está dissociada dapropriedade do terreno. Segundo a CF/88, art. 20, inciso IX, os recursos minerais, inclusive os desubsolo, são bens da União. E de acordo com seu art. 176, as jazidas, em lavra ou não, e demaisrecursos minerais, constituem propriedade distinta da do solo, para efeito de exploração ouaproveitamento, e pertencem à União, garantida ao concessionário a propriedade do produto dalavra e assegurada à participação do proprietário do solo nos resultados da lavra, na forma e novalor que dispuser a lei.O art. 42 do Código Minerário estabelece que “A autorização será recusada se a lavra forconsiderada prejudicial ao bem público ou comprometer interesses que superem a utilidade daexploração industrial, a juízo do Governo. Neste último caso, o pesquisador terá direito dereceber do Governo a indenização das despesas feitas com os trabalhos de pesquisa, uma vez quehaja sido aprovado o Relatório”.Ainda nesse aspecto, o Parecer DNPM/PROGE 136/2005 dispõe que “... a despeito do art. 42fazer a alusão somente à recusa do requerimento de lavra, possível o indeferimento derequerimento de autorização de pesquisa assim como a invalidação de autorização de pesquisa jáconcedidos com o fundamento em interpretação extensiva da mesma norma em face do caráterrelativo desses direitos e hão de ceder quando da existência de interesse público preponderante(garantido o ressarcimento pelos gastos com a pesquisa).A União, contudo, não necessita de título minerário para explorar o subsolo, sendo suficiente queo DNPM emita a “dispensa de título minerário”. Conforme o art. 3º, 1º do Código Minerário, noscasos de exploração de jazidas que se destinem à abertura de vias de transporte, a União poderáse utilizar desses recursos mediante a dispensa de título minerário.A esse respeito, a Portaria-DNPM 441/2009 estabelece em seu art. 7º que “A declaração deDispensa de Título Minerário somente poderá ser pleiteada pelo responsável ou executor daobra, mediante requerimento dirigido ao Chefe do Distrito do DNPM em cuja circunscrição estálocalizada a área de interesse”.Portanto, caberia ao DNIT pleitear junto ao DNPM o bloqueio e a Declaração de Dispensa deTítulos Minerários das áreas necessárias à construção da BR-280/SC antes da retomada dalicitação, proporcionando uma economia estimada de R$ 22.700.508,53 no preço da obra, emvirtude da exploração direta das jazidas, sem a cobrança comercial desses insumos, conformedemonstrado a seguir.Lote 1O Projeto Básico prevê a aquisição de areia comercial a partir de dois areais, o do km 30 + 200do lado direito da BR-280/SC (para substituição de solos inservíveis) e o de Águas do Piraí nokm 71 da BR-101/SC, distante 16,9 km do acesso à BR-280 no km 35 + 960 (para os demaisserviços), a um custo de R$ 24,31/m3. Página 13 de 253
  • 14. Dados obtidos no DNPM (endereço eletrônico SIGMINE – http://sigmine.dnpm.gov.br) indicama existência de alguns areais não explorados passíveis de utilização vizinhos àqueles indicadosno projeto, o que reduziria o custo do insumo “areia” para R$ 5,27/m3 (composição 1 A 01 17001 – areia extraída com escavadeira hidráulica).As figuras a seguir mostram a localização de algumas jazidas pesquisadas para serem utilizadasem substituição às especificadas no projeto, com seus respectivos números de identificação derequerimento junto ao DNPM. Estes areais são aqueles cujos processos minerários são do tipo“requerimento de lavra”, “requerimento de pesquisa” ou “autorização de pesquisa”.Figura I: Jazidas pesquisadas para serem utilizadas em substituição às especificadas no projetoFonte: DNPMNota-se que nas proximidades do areal Águas do Piraí existem várias áreas com requerimento delavra de areia, mais próximas do eixo da rodovia, tais como as de números 815.981/1996,815.561/2001, 815.451/2004, 815.379/2004 e 815.443/2005.Figura II: Jazidas pesquisadas para serem utilizadas em substituição às especificadas no projetoFonte: DNPMNo caso do areal do km 30 + 200, que se encontra às margens da rodovia, existem as áreas815.377/2004, 815.226/1992, 815.452/2004 e 815.294/2004 que também estão nas condições derequerimento de lavra. Página 14 de 253
  • 15. Com a utilização de tais áreas observar-se-ia uma redução no valor da obra de R$ 7.176.622,60somente para o serviço de “Fornecimento e Transporte de areia comercial”, em que a areia temmaior representatividade.Quadro IV: Redução do valor da obra para o serviço “Fornecimento e Transporte de areia comercial” Pr. Unit. Areia Pr. Total Areia Pr. Unit. Areia Pr. Total Areia Diferença sem Diferença com Quant. Comercial Comercial Expl. Direta Expl. Direta BDI BDI294.840,00 R$ 24,31 R$ 7.167.560,40 R$ 5,27 R$ 1.553.806,80 R$ 5.613.753,60 R$ 7.176.622,60Lotes 2 e 3Para os Lotes 2 e 3 adotou-se o areal “Extração e Comércio de Areia Ottomar Ltda”, localizadoem Guaramirim no km 46 + 740, situado do lado esquerdo da rodovia (processo minerárioDNPM no 815.092/1991), no valor de R$ 30,22/m3.Novamente, dados obtidos no DNPM (endereço eletrônico SIGMINE –http://sigmine.dnpm.gov.br) indicam a existência de dois areais (815.869/2008 e 815.340/2002)não explorados, passíveis de utilização, vizinhos àquele indicado no projeto, o que reduziria ocusto do insumo “areia” para R$ 5,27/m3 (composição 1 A 01 170 01 – areia extraída comescavadeira hidráulica), conforme figura a seguir.Figura III: Jazidas pesquisadas para serem utilizadas em substituição às especificadas no projetoFonte: DNPMCom a utilização de tais áreas observar-se-ia uma redução no valor da obra de R$ 11.451.713,39somente para o serviço de “Colchão de areia” do Lote 2 e de R$ 4.072.172,53 somente para oserviço “Forn., carga, transp. e esp. mat. de areal (terra armada)” do Lote 3, totalizandoR$ 15.523.885,93.Quadro V: Redução do valor da obra para os serviços “Colchão de areia” e “Forn., carga, transp. e esp. mat. de areal (terraarmada)” Pr. Unit. Areia Pr. Total Areia Pr. Unit. Areia Pr. Total Areia Diferença sem Diferença com Lote Quant. Comercial Comercial Expl. Direta Expl. Direta BDI BDILote 2 359.032 R$ 30,22 R$ 10.849.947,04 R$ 5,27 R$ 1.892.098,64 R$ 8.957.848,40 R$ 11.451.713,39Lote 3 127.670 R$ 30,22 R$ 3.858.187,40 R$ 5,27 R$ 672.820,90 R$ 3.185.366,50 R$ 4.072.172,53Total R$ 15.523.885,93É importante salientar que os cálculos foram feitos considerando-se apenas os serviços de maiorrepresentatividade em cada lote, porém tem uma série de outros serviços que utilizam o insumo Página 15 de 253
  • 16. (serviços de drenagem, obras de arte especiais e correntes e pavimentação), o que geraria umaeconomia ainda maior ao contrato.Evidências:Planilha Orçamentária dos Lotes 01 a 03SIGMINE – site do DNPMVolume 2 – Projeto Básico de Terraplenagem dos Lotes 01 a 03Volume 4 – Projeto Básico – Orçamento da Obra dos Lotes 01 a 03b) Utilização de Fator de Contração (FC) inadequadoDe acordo com o Acórdão no 2311/2008-P, o TCU admite, para fins de projeto, um Fator deContração - FC (volume natural / volume compactado) de até 1,30.Pela análise dos quantitativos previstos no Projeto de Terraplenagem dos Lotes 02 e 03 (volume02), observou-se que o projetista adotou um FC de 1,39 para o Lote 02 e de 1,43 para o Lote 03em seus cálculos, conforme tabela apresentada a seguir, o que majora o volume de escavações,podendo acarretar um incremento no valor do contrato de R$ 3.411.237,11, no caso de seconsiderar uma DMT de 50 a 200 m.Quadro VI: Incremento do contrato em função da DMT Planilha TCU Diferença Pr. Unit. Lote Volume de Volume de Vol. Corte 3 Pr. Total (R$) 3 3 FC FC - TCU 3 Volume (m ) (R$) Aterro (m ) Corte (m ) Corrigido (m )Lote 2 485.748,00 676.550,00 1,39 1,30 631.472,40 45.077,60 4,96 223.584,90Lote 3 5.359.699,00 7.680.730,00 1,43 1,30 6.967.608,70 713.121,30 4,47 3.187.652,21Total 3.411.237,11Fonte: Projeto de Terraplenagem dos Lotes 02 e 03 (volume 02) e TCUEvidências:Planilha Orçamentária dos Lotes 01 a 03Volume 2 – Projeto Básico de Execução dos Lotes 02 e 03Volume 4 – Projeto Básico – Orçamento da Obra dos Lotes 02 e 03c) Quantificação indevida de cambotas metálicas e seus respectivos pés-direitosForam observadas, na análise do Projeto Básico do túnel (Lote 3), inconsistências naquantificação do número de cambotas metálicas a serem instaladas, levando a um aumento novalor do orçamento de R$ R$ 2.906.537,25 .O volume 3, tomo IV, item 4.7.5.1, estabelece as seguintes disposições para o Escoramento emSolo: “Nos emboques, os trechos escavados total ou parcialmente em solo ou no interior dotúnel nos trechos onde as características geológicas da rocha forem particularmentedesfavoráveis, o escoramento será executado com cambotas treliçadas feitas com vergalhões deaço. O espaçamento médio entre as cambotas será de 80 cm, podendo sofrer alteração deespaçamento conforme a situação geológica”.Já o item 4.7.5.2 estabelece para o Escoramento em Rocha - “A rocha será classificada conformeo método Bieniawski de classificação de maciço, de acordo com a tabela apresentada a seguir: Página 16 de 253
  • 17. Tabela I: Método BieniawskiComo se pode inferir da leitura da tabela, para as rochas de Classe I, II e III não há previsão deescoramento por cambotas. Quanto às outras classes, a previsão é de espaçamento entrecambotas de 1,50m para as rochas de Classe IV e de 0,75 m para as de Classe V.Entretanto, observa-se na análise do Demonstrativo dos Quantitativos de Serviços (pag. 384,volume I, tomo II), que o projetista utilizou um espaçamento de 0,60 m, independentemente dotipo de material escavado, levando a uma superestimativa da quantidade de cambotas, conformese pode observar nos dados apresentados a seguir:- extensão de solo = 180 m (direito) + 180 m (esquerdo) = 360 m- extensão de rocha classe IV = 233m (direito) + 233 m (esquerdo) = 496 m- extensão de rocha classe V: 27 m (direito) + 27 m (esquerdo) = 54 m- extensão total: 910 m- considerando um espaçamento de 60 cm, o número de cambotas = 910 / 0,60 = 1.517 un- 1.517 + 10% = 1.680 unidades (margem de incerteza)Levando-se em consideração os espaçamentos apresentados nas especificações do volume 3 doProjeto Básico, tem-se:- número de cambotas instaladas em solo: 360 / 0,80 = 450 (espaçamento de 0,80 m em solos)- número de cambotas instaladas em rocha classe IV: 496 / 1,50 = 331 (espaçamento de 1,50 mem rochas da classe IV).- número de cambotas instaladas em rocha classe V: 54 / 0,75 = 72 (espaçamento de 0,75 m emrochas da classe V)- total de cambotas metálicas = 450 + 331 + 72 = 853 unidades- 853 + 10% = 939 (margem de incerteza)Quadro VII: Diferença de valor resultante de falha na quantificação das cambotas metálicas Valor Unit. Quant. Valor Total Quant. Valor Total Diferença (R$) (R$) Planilha (un) Planilha (R$) Corrigida (un) Corrigido (R$) 1.496,90 1.680 2.514.792,00 939 1.405.589,10 1.109.202,90Fonte: Demonstrativo dos Quantitativos de Serviços (pag. 384, volume I, tomo II) e especificações do volume 3 do ProjetoBásico Página 17 de 253
  • 18. Houve também falha na quantificação de pés-direitos das cambotas metálicas (elementosestruturais posicionados no rebaixo do túnel), uma vez que o cálculo do número de pés-direitosleva em consideração a quantidade de cambotas. De acordo com o que está transcrito na pág.384, volume I, tomo II do Projeto Básico, considerou-se que 5% das cambotas terão pé direitoem apenas um lado, portanto:- quantidade de pés-direitos prevista na planilha = 1.680 + (0,95 * 1.680) = 3.276 unidades.Porém, levando-se em consideração o número corrigido de cambotas tem-se:- quantidade de pés-direitos = 939 + (0,95 * 939) = 1.831 unidadesQuadro VIII: Diferença de valor resultante de falha na quantificação de pés-direitos das cambotas metálicas Valor Unit. Quant. Valor Total Quant. Valor Total Diferença (R$) Planilha (un) Planilha (R$) Corrigida (un) Corrigido (R$) 1.243,83 3.276 4.074.787,08 1.831 2.277.452,73 1.797.334,35Fonte: Volume I, tomo II do Projeto BásicoCorrigindo-se os quantitativos de cambotas metálicas e pés-direitos tem uma redução total deR$ 2.906.537,25 no valor do contrato.Evidências:Planilha Orçamentária dos Lotes 01 a 03Volume 1 – Relatório do Projeto BásicoVolume 3 – Memória JustificativaVolume 4 – Projeto Básico – Orçamento da Obra do Lote 03d) Insuficiência de sondagensA norma DNER-PRO 391/98 – Projeto de aterros sobre solos moles para obras viárias,estabelece parâmetros mínimos para as investigações desses materiais - “As investigaçõespoderão ser realizadas em duas fases: a primeira, objetiva somente a obtenção do perfilgeotécnico e constará simplesmente de sondagens a percussão segundo a norma ABNT NBR6484, sendo pelo menos uma em cada depósito mole. Quando o depósito tiver mais que 100 mde extensão, as sondagens a percussão deverão ser realizadas com intervalo não superior a 100m. Estes estudos permitirão elaborar um perfil geotécnico detalhado”.Nos Lotes 2 e 3 os projetos não atenderam ao critério mínimo de investigações especificado pelanorma DNER-PRO 381/98.No Lote 2 foram detectados solos moles, de diferentes espessuras, desde o km 38 + 140 até o km45 + 150 (extensão de 7.100 m) e, em toda essa extensão, somente foram executados 34 furos desondagem.No Lote 3, no segmento compreendido entre o km 50 + 930 e o km 54 + 250 (extensão de 3.320m), foram executados apenas 10 furos de sondagem, embora tenha previsão de remoção de soloinservível em todo esse segmento.Ainda no Lote 03, verificou-se que as sondagens para caracterização geológica da região ondeserá construído o túnel, foram executadas em desacordo com as especificações da normaNBR 8044/83, que estabelece “Ao longo do túnel, execução de sondagens a percussão em solos,sondagens rotativas em rochas, verticais ou inclinadas nos trechos com capeamento inferior a 50 Página 18 de 253
  • 19. m, no mínimo até 10 m abaixo da soleira do túnel, e sondagens geofísicas ao longo de todo otúnel ou nos mesmos trechos, dependendo das condições geológicas”.Da análise do Projeto Básico, volume 2, pg. 377 e 378 pode-se inferir que:- das seis sondagens executadas, pelo menos quatro delas (SM 01, 02, 03 e 04) não atenderam àsespecificações da norma. As de no 02, 03 e 04 sequer atingiram a parte superior do túnel (topoda abóboda). A de no 01 atingiu a região de escavação do túnel, porém não alcançou dez metrosabaixo da soleira;- há indícios que as outras duas, de no 05 e 06 também estão em desacordo com a norma, poisforam plotadas em local incorreto (diverge do estaqueamento dos furos) nas figuras constantesdas fls. 377 e 378;- em consulta ao volume 3, tomo VI do Projeto Básico, observou-se que a execução dos furos desondagens SM 05 e SM 06 se deu nas posições de estaca 66+680 e 66+710,80 e quando se plotaestes estaqueamentos verifica-se que as duas sondagens não se alinham às especificações danorma, pois não atingiram os dez metros abaixo da soleira do túnel;- caso se confirme o posicionamento incorreto das sondagens apresentadas no volume 2, pode-seconcluir que as sondagens executadas estão em desacordo com o preceituado pela norma. Essassondagens são determinantes para a identificação da geologia da região e para a escolha dasolução técnica e econômica de projeto mais adequada, para a definição dos métodos executivose das necessidades de escoramento e revestimento do túnel.Portanto, é fundamental proceder ao aperfeiçoamento do projeto, como novas investigações, demodo a se obter um perfil geotécnico detalhado que possibilite a adequada avaliação equantificação dos serviços.EvidênciasPlanilha Orçamentária dos Lotes 01 a 03Volume 1 – Relatório do Projeto BásicoVolume 2 – Projeto Básico de ExecuçãoVolume 3 – Memória JustificativaCONSTATAÇÃO 003SUPERESTIMATIVA DECORRENTE DE PREÇOS EXCESSIVOSObservou-se indícios de superestimativa decorrente de preços excessivos na planilha da 1ª Errataao Edital no 505/2010, que acarretam um prejuízo potencial estimado de R$ 6.515.530,30, paraos seguintes serviços: BDI inadequado para o serviço “transporte de materiais betuminosos”,BDI inadequado para serviços cujas composições foram obtidas a partir de cotações e serviçoscom preços referenciais de restauração em vez de construção.a) BDI inadequado para o serviço “transporte de materiais betuminosos”Da análise das composições de preços do DNIT, observa-se que este considera um BDI de27,84% para transporte e de 15% para aquisição dos materiais betuminosos, seguindo aorientação da Portaria no 349, de 06/03/2010, que estabelece em seu art. 1º que “Todos osmateriais betuminosos necessários às obras ou serviços rodoviários do DNIT financiados comRecursos Ordinários do Tesouro serão inseridos nas planilhas de quantidade de projetos e planosde trabalho, para aquisição pela empresa contratada, com os preços definidos peloacompanhamento de preços regionais de distribuição de asfaltos, realizado pela AgênciaNacional de Petróleo – ANP, acrescidos das respectivas alíquotas de ICMS e com LDI de 15%(quinze por cento)”. Página 19 de 253
  • 20. Observa-se, pela leitura do dispositivo, que o DNIT fixa o BDI em 15% somente para aquisiçãode material betuminoso.O Tribunal de Contas da União tem vários Acórdãos a respeito do tema, dentre os quais sedestaca o de no 2649/2007 – Plenário, em que o Ministro relator afirma no Item “I.3 BDIAPLICADO À AQUISIÇÃO E AO TRANSPORTE DE MATERIAIS BETUMINOSOS” quetendo em vista a representatividade dos materiais betuminosos no custo das obras rodoviárias, épremente e de necessidade imperiosa a realização de estudo sobre o valor de BDI incidente sobreos materiais betuminosos e que até que este estudo seja realizado, entende-se que deve seradotado o BDI de 15% na orçamentação de obras pelo DNIT, sendo que tal limite é plenamentejustificável, posto que, até outubro/1997, quando os materiais eram remunerados medianteapresentação da Nota Fiscal, acrescida de BDI, o percentual de 15% era amplamente adotadopelo DNIT, não havendo razão para incremento deste valor, sem qualquer justificativadevidamente fundamentada por aquela Autarquia.Nesse mesmo sentido, no Acórdão nº 1077/2008 – Plenário, o Ministro relator, após a análise dasNotas Fiscais apresentadas pela ABEDA faz a seguinte indagação: “se as distribuidoras deasfalto, que vivem da compra e venda do produto, pagando todos seus custos indiretos, pessoal,Administração Local e Central, e obtendo seu lucro, o fazem com margens brutas menores que10% (a maioria menor que 6%), por que motivo as empreiteiras, cuja estrutura operacionalnecessária para viabilizar a chegada do produto às usinas de CBUQ – Concreto BetuminosoUsinado a Quente não tem qualquer razão para ser maior que as distribuidoras, fariam jus a BDIsde 20 ou 30% ?”.Portanto, tendo em vista que o DNIT ainda não providenciou o estudo demandado pelo Tribunal,essa equipe de auditoria entende que é razoável que se aplique também um BDI diferenciado de15% para o transporte de materiais betuminosos, o que daria uma redução de preço total deR$ 349.314,21.Quadro IX: Custo do transporte de materiais betuminosos Lote 1 Custo do Transporte Custo do Transporte Custo do Transporte Material Transporte sem BDI BDI 27,84% BDI 15%%CAP a quente R$ 84,82 R$ 108,43 R$ 97,54CAP com polímero a quente R$ 57,03 R$ 72,90 R$ 65,58ADP a frio R$ 76,36 R$ 97,61 R$ 87,81Emulsão a frio R$ 51,33 R$ 65,62 R$ 59,03Fonte: Composições de preços do DNITQuadro X: Diferença de valores para o serviço de transporte de materiais betuminosos DNIT x CGU Lote 1 Valor Unit Valor Total Valor Unit. Valor Total Diferença Material Quant. (t) DNIT (R$) DNIT (R$) CGU (R$) CGU (R$) (R$)Transporte de Asfalto Diluído CM-30 1.092,00 97,61 106.590,12 87,81 95.892,89 10.697,23Transporte de Emulsão Asfáltica RR-1C 958,00 65,62 62.863,96 59,03 56.550,26 6.313,70Transporte de Emulsão Asfáltica RR-2C 162,00 65,62 10.630,44 59,03 9.562,78 1.067,66Transporte de CAP modificado por polímero 14.485,00 72,90 1.055.956,50 65,58 949.991,48 105.965,02Transporte de CAP 50/70 3.276,00 108,43 355.216,68 97,54 319.550,87 35.665,81Total - - 1.591.257,70 - 1.431.548,28 159.709,42Fonte: Edital no 505/2010 Página 20 de 253
  • 21. Quadro XI: Custo do transporte de materiais betuminosos Lote 2 Custo do Transporte Custo do Transporte Custo do Transporte Material Transporte sem BDI BDI 27,84% BDI 15%%material betuminoso a quente R$ 113,27 R$ 144,80 R$ 130,26material betuminoso com polímero a quente R$ 83,88 R$ 107,23 R$ 96,46material betuminoso RR-2C a frio R$ 75,55 R$ 96,58 R$ 86,88material betuminoso CM-30 a frio R$ 102,08 R$ 130,50 R$ 117,39Fonte: Composições de preços do DNITQuadro XII: Diferença de valores para o serviço de transporte de materiais betuminosos DNIT x CGU Lote 2 Valor Unit Valor Total Valor Unit. Valor Total Diferença Material Quant. (t) DNIT (R$) DNIT (R$) CGU (R$) CGU (R$) (R$) Transporte comercial material betuminoso a quente 896,20 144,80 129.769,76 130,26 116.739,46 13.030,30 Transporte comercial material betuminoso a frio - RR- 276,70 96,58 26.723,69 86,88 24.040,39 2.683,30 2C Transporte comercial material betuminoso a frio - CM- 226,90 130,50 29.610,45 117,39 26.636,24 2.974,21 30 Transporte comercial material betuminoso a quente c/ 4.182,00 107,23 448.435,86 96,46 403.404,08 45.031,78 polímeroTotal - - 634.539,76 - 570.820,18 63.719,58Fonte: Edital no 505/2010Quadro XIII: Custo do transporte de materiais betuminosos Lote 3 Custo do Transporte Custo do Transporte Custo do Transporte Material Transporte sem BDI BDI 27,84% BDI 15%%material betuminoso a quente R$ 113,27 R$ 144,80 R$ 130,26material betuminoso com polímero a quente R$ 83,88 R$ 107,23 R$ 96,46material betuminoso RR-2C a frio R$ 75,55 R$ 96,58 R$ 86,88material betuminoso CM-30 a frio R$ 102,08 R$ 130,50 R$ 117,39Fonte: Composições de preços do DNITQuadro XIV: Diferença de valores para o serviço de transporte de materiais betuminosos DNIT x CGU Lote 3 Valor Unit Valor Total Valor Unit. Valor Total Diferença Material Quant. (t) DNIT (R$) DNIT (R$) CGU (R$) CGU (R$) (R$) Transporte comercial material betuminoso a quente 1.499,00 144,80 217.055,20 130,26 195.260,49 21.794,71 Transporte comercial material betuminoso a frio - RR- 557,00 96,58 53.795,06 86,88 48.393,55 5.401,51 2C Transporte comercial material betuminoso a frio - CM- 764,00 130,50 99.702,00 117,39 89.687,49 10.014,51 30 Transporte comercial material betuminoso a quente c/ 8.235,00 107,23 883.039,05 96,46 794.364,57 88.674,48 polímeroTotal - - 1.253.591,31 - 1.127.706,10 125.885,21Fonte: Edital no 505/2010Redução: R$ 159.709,42 +R$ 63.719,58 +R$ 125.885,21 = R$ 349.314,21Evidências:Planilha Orçamentária dos Lotes 01 a 03Volume 4 – Projeto Básico – Orçamento da Obra dos Lotes 01 a 03b) BDI inadequado para serviços cujas composições foram obtidas a partir de cotaçõesO projeto da BR-280/SC, especialmente em seu Lote 3, em que está prevista a construção de umtúnel, possui vários serviços não contemplados no SICRO.Em alguns desses serviços, o projeto não traz composições completas e detalhadas. Para sechegar ao preço referencial desses serviços, foi adotada a seguinte metodologia: realizou-se Página 21 de 253
  • 22. cotação com empresas especializadas e os preços obtidos foram inseridos em composiçãosimplificada, sem detalhamento de insumos, sobre eles incidindo o BDI referencial de 27,84%.A CGU entende que, nesse caso, a bonificação a incidir sobre a parcela cotada na composiçãonão pode ser integral, pois conforme as propostas apresentadas à projetista, nos valores orçadospara esses serviços, já estão inclusos administração central, custos financeiros, lucro, impostos(PIS e COFINS) e riscos da empresa executora.Porém, acompanhando a descrição das propostas cotadas, percebe-se que nem todos os encargosestão previstos nas cotações, sendo razoável a manutenção do percentual destinado àadministração local (as cotações preveem a utilização da estrutura organizacional), garantiascontratuais (seguros e outras garantias não inclusas nas cotações) e ISSQN (as cotações preveemque o recolhimento do ISSQN é de responsabilidade do Contratante) o que daria um BDIdiferenciado de 8,40% a incidir sobre a parcela cotada, resultando em uma redução deR$ 4.656.557,84 no valor da obra.Quadro XV: Diferença decorrente da variação do percentual de BDI Planilha da Licitação Planilha Corrigida Serviços Serviços Demais Descrição Un Quant. Pr. Unit. BDI Pr. Unit. Diferença (R$) Pr. Total (R$) Cotados Cotados BDI Parcelas BDI Pr. Total (R$) 27,84% (R$) Corrigido (R$) (R$) 8,40% (R$) 27,84% (R$)Enfilagens Tubulares Injetadas em solo m 27.715,00 384,03 10.643.391,45 194,61 210,96 135,24 346,20 9.594.910,16 1.048.481,29(tubo schedule)Enfilagens Tubulares Injetadas em solo m 6.528,00 298,60 1.949.260,80 194,61 210,96 49,81 260,76 1.702.265,46 246.995,34(tubo PVC)Enfilagens Tubulares Injetadas em alteração m 16.075,00 580,32 9.328.644,00 309,65 335,66 184,46 520,12 8.360.944,05 967.699,95de rocha (tubo schedule)Enfilagens Tubulares Injetadas em alteração m 3.786,00 494,88 1.873.615,68 309,65 335,66 99,02 434,69 1.645.719,17 227.896,51de rocha (tubo PVC)Enfilagens Tubulares Injetadas em rocha m 11.642,00 645,94 7.520.033,48 309,65 335,66 250,08 585,74 6.819.199,14 700.834,34(tubo schedule)Enfilagens Tubulares Injetadas em rocha m 2.741,00 560,50 1.536.330,50 309,65 335,66 164,65 500,31 1.371.338,02 164.992,48(tubo PVC)Colunas de solo-cimento - perfuração em m 27.451,00 84,34 2.315.217,34 46,44 50,34 24,97 75,31 2.067.282,98 247.934,36soloColunas de solo-cimento - perfuração em m 9.151,00 453,69 4.151.717,19 317,24 343,89 48,13 392,02 3.587.374,29 564.342,90rochaColunas de solo-cimento D=0,80m - m 14.630,00 405,23 5.928.514,90 139,31 151,01 227,13 378,15 5.532.266,73 396.248,17Injeção de calda de cimentoColunas de solo-cimento D=1,20m - m 2.776,00 600,75 1.667.682,00 168,85 183,03 384,89 567,92 1.576.549,50 91.132,50Injeção de calda de cimentoTotal 46.914.407,34 42.257.849,50 4.656.557,84Fonte: Planilha da LicitaçãoEvidências:Planilha Orçamentária do Lote 03Volume 4 – Projeto Básico – Orçamento da Obra do Lote 03c) Serviços com preços referenciais de restauração em vez de construçãoNo SICRO os preços unitários dos serviços de restauração (5 S) são diferentes dos preçosunitários dos serviços de construção (2 S), consistindo as diferenças basicamente no fator deeficiência utilizado para a produção mecânica, onde em obras de construção considera-se quepara cada hora de produção nominal a produção efetiva é de 50 min, enquanto que nas obras derestauração, a produção efetiva é de 45 min, por causa da influência do tráfego existente nasexecução dos serviços de restauração.O critério geral adotado pelo SICRO no Manual de Custos rodoviários (Volume 7 – Obras deRestauração Rodoviária) é o seguinte: “os preços de restauração serão também aplicados para osserviços de adequação de capacidade das rodovias (duplicações, terceiras faixas de tráfego, etc) ecorreção de pontos críticos”. Página 22 de 253
  • 23. A CGU entende que essa regra exposta acima não pode ser aplicada indiscriminadamente, tendoem vista que em obras de duplicação é comum que se isolem as praças de trabalho para aexecução dos serviços, mantendo-se o tráfego na rodovia previamente existente e sem que ocorratal interferência. Assim, entende-se que a planilha deve ser alterada, utilizando-se os preços deconstrução rodoviária, para os seguintes serviços: compactação de aterros, base de britagraduada, sub-base de macadame seco e concreto betuminoso usinado a quente, o que resultariaem uma redução estimada de R$ 1.509.658,25 somente nos serviços expostos na tabela a seguir.Quadro XVI: Diferença resultante de serviços com preços referenciais de restauração em vez de construção Restauração Construção Diferença Lote Serviço Unid. Quant. Código Valor Unit. Valor Total Valor Unit. Valor Total Código (R$) (Planilha) (R$) (R$) (R$) (R$) Compactação de aterros a 95% proctor normal m³ 2.454.630,00 5 S 01 510 00 2,68 6.578.408,40 2 S 01 510 00 2,44 5.989.297,20 589.111,20 Compactação de aterros a 100% proctor norma m³ 437.460,00 5 S 01 511 00 3,21 1.404.246,60 2 S 01 511 00 2,87 1.255.510,20 148.736,40 1 Compactação de material de "bota-fora" m³ 312.320,00 5 S 01 513 01 2,05 640.256,00 2 S 01 513 01 1,93 602.777,60 37.478,40 Base de brita graduada m³ 138.756,00 5 S 02 230 00 95,79 13.291.437,24 2 S 02 230 00 93,84 13.020.863,04 270.574,20 CBUQ – capa de rolamento AC t 54.599,00 5 S 02 540 51 77,56 4.234.698,44 2 S 02 540 51 76,78 4.192.111,22 42.587,22 Compactação de aterros a 95% proctor normal m³ 413.517,00 5 S 01 510 00 2,68 1.108.225,56 2 S 01 510 00 2,44 1.008.981,48 99.244,08 Compactação de aterros a 100% proctor norma m³ 72.231,00 5 S 01 511 00 3,21 231.861,51 2 S 01 511 00 2,87 207.302,97 24.558,54 Compactação de material de "bota-fora" m³ 166.896,00 5 S 01 513 01 2,05 342.136,80 2 S 01 513 01 1,93 322.109,28 20.027,52 Compactação de aterros a 95% proctor normal m³ 91.254,00 5 S 01 510 00 2,68 244.560,72 2 S 01 510 00 2,44 222.659,76 21.900,96 Compactação de aterros a 100% proctor norma m³ 22.813,00 5 S 01 511 00 3,21 73.229,73 2 S 01 511 00 2,87 65.473,31 7.756,42 2 Compactação de aterros a 95% proctor normal m³ 342.743,00 5 S 01 510 00 2,68 918.551,24 2 S 01 510 00 2,44 836.292,92 82.258,32 Compactação de aterros a 100% proctor norma m³ 111.950,00 5 S 01 511 00 3,21 359.359,50 2 S 01 511 00 2,87 321.296,50 38.063,00 27.230,00 5 S 02 230 00 88,09 2.398.690,70 2 S 02 230 00 85,92 2.339.601,60 59.089,10 Base de brita graduada m³ 1.017,00 5 S 02 230 00 88,09 89.587,53 2 S 02 230 00 85,92 87.380,64 2.206,89 t 83.130,00 5 S 02 540 51 72,26 6.006.973,80 2 S 02 540 51 71,48 5.942.132,40 64.841,40 CBUQ – capa de rolamento AC t 1.570,00 5 S 02 540 51 72,26 113.448,20 2 S 02 540 51 71,48 112.223,60 1.224,60Total 1.509.658,25Fonte: Planilha de custos da licitação e SICROEvidênciasPlanilha Orçamentária dos Lotes 01 e 02Volume 4 – Projeto Básico – Orçamento da Obra dos Lotes 01 e 02II.2.2 - O CASO DA LICITAÇÃO DA BR-116/RSFato denunciado: O teor da denúncia se refere a situações envolvendo burla à livre concorrência,direcionamento de licitações e superestimativa na tabela de referência da Administração, deforma que esse contexto proporcionasse margem ao pagamento de propina.Conclusão CGU: No que compete ao órgão de auditoria - em especial a análise do procedimentolicitatório e sua lisura, a qualidade do projeto básico, o orçamento de referência da licitaçãoformulado pela Administração e eventuais superestimativas -, concluímos pela existência desuperestimativa na tabela da Administração, o que, por sua vez, pode, em tese, gerar contrataçãofutura com sobrepreço. Concluir, entretanto, que isso resultaria no pagamento de propinadependeria de apuração somente factível, via de regra, por meio de investigação policial, cominstrumental próprio e autorização judicial.DO PROCEDIMENTO LICITATÓRIOTrata-se de licitação na modalidade Concorrência – Edital n° 342/2010-00, cujo objeto é aexecução, sob o regime de empreitada a preços unitários, dos serviços necessários à realizaçãodas obras de melhorias de capacidade, incluindo duplicação na Rodovia BR-116, no Estado doRio Grande do Sul.Em 01/04/2009, o Diretor-Geral do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes -DNIT delegou, por meio da Portaria n° 307, competência à Comissão formada pelo Coordenador Página 23 de 253
  • 24. da Comissão e por outros dois Membros, engenheiros da Superintendência Regional no Estadodo Rio Grande do Sul, para análise e aprovação dos projetos de engenharia.A Licença Prévia n° 356/2010 para as obras de duplicação da rodovia foi emitida pelo IBAMAem 27/05/2010, com validade de dois anos.Os referidos projetos foram aprovados pela Comissão através das Portarias de no 132, 133, 134 e135:Portaria n° 132, de 31/05/2011 – a Comissão aprova o projeto de engenharia do Lote 01- Segmento edital: km 291,20 – km 350,40- Segmento projeto: km 300,54 – km 351,34- Extensão projeto: 50,80 km- Contrato: PD-10-20-2000 – Consultora MagnaPortaria n° 133, de 31/05/2010 – a Comissão aprova o projeto de engenharia do Lote 02- Segmento edital: km 350,40 – km 397,80- Segmento projeto: km 351,34 – km 397,203- Extensão do projeto: 45,86 km- Contrato: PRO/DIS-10-021/2000 – Consultora EcoplanPortaria n° 134, de 31/05/2010 – a Comissão aprova o projeto de engenharia do Lote 03- Segmento edital: km 397,80 – km 448,500- Segmento projeto: km 397,180 (equivalente ao km 397,203 do lote 2) – km 447,975- Extensão do projeto: 50,795 km- Contrato: PRO/DIS-10-022/2000 – Consultora STEPortaria n° 135, de 31/05/2010 – a Comissão aprova o projeto de engenharia do Lote 04- Segmento edital: km 448,50 – km 510,62- Segmento projeto: km 448,50 – km 511,76- Extensão do projeto: 63,26 km- Contrato: PD-10-023/2000 – Consultora EneconDefiniu-se, então, que a obra seria dividida em nove lotes com as seguintes características:Lote 01 (Lote 1.1 do projeto)- Trecho: Div. SC/RS (Rio Pelotas) - Jaguarão (Front. Brasil/Uruguai)- Subtrecho: Entr. RS-703 (p/Guaíba) - Entr. RS-715/713 (p/Tapes)- Segmento: Km 300,54 ao Km 325,0- Extensão: 24,46 km- Código PNV 116BRS3275 116BRS3290 116BRS3295 116BRS3297- Jurisdição: Superintendência Regional DNIT no Estado do Rio Grande Do Sul- Orçamento: R$ 136.335.285,33 (setembro/2009)Lote 02 (Lote 1.2 do projeto)- Trecho: Div. SC/RS (Rio Pelotas) - Jaguarão (Front. Brasil/Uruguai)- Subtrecho: Entr. RS-713 (p/Sertão Santana) - Entr. RS-470/RS-350 (p/Camaquã)- Segmento: Km 351,34 ao Km 373,22- Extensão: 21,88 km- Código PNV: 116BRS3275 116BRS3290 116BRS3295 116BRS3297- Jurisdição: Superintendência Regional DNIT no Estado do Rio Grande Do Sul- Orçamento: R$ 127.624.999,94 (setembro/2009) Página 24 de 253
  • 25. Lote 03 (Lote 2.1 do projeto)- Trecho: Div. SC/RS (Rio Pelotas) - Jaguarão (Front. Brasil/Uruguai)- Subtrecho: Entr. RS-713 (p/Sertão Santana) - Entr. RS-470/RS-350 (p/Camaquã)- Segmento: Km 351,34 ao Km 373,22- Extensão: 21,88 km- Código PNV: 116BRS3297 116BRS3310- Jurisdição: Superintendência Regional DNIT no Estado do Rio Grande Do Sul- Orçamento: R$ 84.630.040,94 (setembro/2009)Lote 04 (Lote 2.2 do projeto)- Trecho: Div. SC/RS (Rio Pelotas) - Jaguarão (Front. Brasil/Uruguai)- Subtrecho: Entr. RS-713 (p/Sertão Santana) - Entr. RS-470/RS-350 (p/Camaquã)- Segmento: Km 373,22 ao Km 397,20- Extensão: 23,98 km- Código PNV: 116BRS3297 116BRS3310- Jurisdição: Superintendência Regional DNIT no Estado do Rio Grande Do Sul- Orçamento: R$ 98.044.090,89 (setembro/2009)Lote 05 (Lote 3.1 do projeto)- Trecho: Div. SC/RS (Rio Pelotas) - Jaguarão (Front. Brasil/Uruguai)- Subtrecho: Entr. RS-715/717 (p/Tapes) - Entr. RS-265 (p/São Lourenço do Sul)- Segmento: Km 397,203 ao Km 422,30- Extensão: 25,12 km- Código PNV: 116BRS3310 116BRS3330 116BRS3340- Jurisdição: Superintendência Regional DNIT no Estado do Rio Grande Do Sul- Orçamento: R$ 120.123.668,36 (setembro/2009)Lote 06 (Lote 3.2 do projeto)- Trecho: Div. SC/RS (Rio Pelotas) - Jaguarão (Front. Brasil/Uruguai)- Subtrecho: Entr. RS-715/717 (p/Tapes) - Entr. RS-265 (p/São Lourenço do Sul)- Segmento: (01) Km 422,30 ao Km 428,164- Segmento: (02) Km 428,844 ao Km 447,975- Extensão: 24,995 km- Código PNV: 116BRS3310 116BRS3330 116BRS3340- Jurisdição: Superintendência Regional DNIT no Estado do Rio Grande Do Sul- Orçamento: R$ 101.443.789,40 (setembro/2009)Lote 07 (Lote 4.1 do projeto)- Trecho: Div. SC/RS (Rio Pelotas) - Jaguarão (Front. Brasil/Uruguai)- Subtrecho: Entr. RS-354 (p/Amaral Ferrador) - Acesso a Pelotas- Segmento: Km 448,50 ao Km 470,10- Extensão: 21,60 km- Código PNV: 116BRS3340 116BRS3350- Jurisdição: Superintendência Regional DNIT no Estado do Rio Grande Do Sul- Orçamento: R$ 101.321.366,35 (setembro/2009)Lote 08 (Lote 4.2 do projeto)- Trecho: Div. SC/RS (Rio Pelotas) - Jaguarão (Front. Brasil/Uruguai)- Subtrecho: Entr. RS-354 (p/Amaral Ferrador) - Acesso a Pelotas- Segmento: Km 470,10 ao Km 489,00- Extensão: 18,90 km Página 25 de 253
  • 26. - Código PNV: 116BRS3340 116BRS3350- Jurisdição: Superintendência Regional DNIT no Estado do Rio Grande Do Sul- Orçamento: R$ 96.867.096,51 (setembro/2009)Lote 09 (Lote 4.3 do projeto)- Trecho: Div. SC/RS (Rio Pelotas) - Jaguarão (Front. Brasil/Uruguai)- Subtrecho: Entr. RS-354 (p/Amaral Ferrador) - Acesso a Pelotas- Segmento: Km 489,00 ao Km 511,76- Extensão: 22,76 km- Código PNV: 116BRS3355- Jurisdição: Superintendência Regional DNIT no Estado do Rio Grande Do Sul- Orçamento: R$ 102.367.219,44 (setembro/2009)Após a aprovação da Diretoria Colegiada em 13/07/2010, ata n° 28/2010, foi publicado o Avisode Licitação no DOU de 30/07/2010, marcando a abertura das propostas para a data de02/09/2010.Na data marcada foram abertos os envelopes contendo os documentos de habilitação dasempresas, sendo que somente duas foram desclassificadas: a empresa Constran S.A e a empresaAcciona Infraestruturas S.A, sendo que esta última se tornou habilitada após o julgamento dosrecursos apresentados.Após iniciada a sessão de abertura dos envelopes contendo as propostas de preços, em18/11/2010, a Presidenta da Comissão de Licitação comunicou que a mesma estava suspensa,tendo em vista o conhecimento da decisão judicial que deferiu a antecipação da tutela recursalpara que a agravante Constran S/A participasse da sessão, bem como o DNIT não ter sidonotificado oficialmente de tal decisão.Em 08/12/2010 foi publicado no DOU o Aviso de Alteração da Concorrência, que tornou semefeito a desclassificação da empresa Constran em virtude da decisão no Mandato de SegurançaIndividual n° 1.502/2010, tornando-a reclassificada no certame.Entretanto, em 14/02/2011 foi publicado no DOU o Aviso de Suspensão da Concorrência, emvirtude da medida cautelar expedida pelo Tribunal de Contas da União, determinando asuspensão do processo licitatório devido aos indícios de irregularidades graves encontrados naauditoria objeto do FISCOBRAS 2010.Tendo como referência os achados apontados pelo TCU e, aumentando o escopo do objetoanalisado sempre que possível, a equipe de auditoria da Controladoria-Geral da Uniãoidentificou problemas tais como: superestimativa decorrente de preços excessivos e deficiênciano projeto básico, que proporcionam um incremento estimado no valor da obra da ordem deR$ 101 milhões, conforme demonstrado a seguir.CONSTATAÇÃO 004SUPERESTIMATIVA DECORRENTE DE PREÇOS EXCESSIVOSForam observados indícios de superestimativa decorrente de preços excessivos na planilha decustos, os quais acarretam um prejuízo potencial estimado de R$ 30.028.407,31, relativos aosseguintes serviços: “transporte de materiais betuminosos”, serviços com preços referenciais derestauração em vez de construção e “escavação e carga de material de jazida”. Página 26 de 253
  • 27. a) Transporte de materiais betuminososConforme relatado anteriormente, o Tribunal de Contas da União publicou em 08/12/2010 oAcórdão 3.402/2010 – Plenário, determinando ao DNIT que, enquanto não viabilizada e tornadaoficial no SICRO 2 e/ou no SINCTRAN a pesquisa de preços de fretes, praticados pelasdistribuidoras/transportadoras de materiais betuminosos, adotasse as equações tarifáriassugeridas pelo referido Acórdão em substituição às equações constantes do Ofício Circular no032/2000/DFPC/DNER, de 28/06/2000. E, diante da provocação do TCU, o Diretor-Geral doDNIT publicou a Instrução de Serviço/DG n° 02, de 18/01/2011, introduzindo as alterações nasequações tarifárias de transporte de material betuminoso.Observa-se, porém, que nas composições adotadas pelo DNIT na presente licitação foramconsideradas as equações tarifárias constantes do Ofício Circular no 032/2000, desconsiderando aalteração constante da IS/DG no 02.Outro ponto que merece destaque na análise dos preços adotados é que, do mesmo modo que naBR 280/SC, o DNIT considera na sua composição um BDI de 27,84% para transporte e de 15%para aquisição dos materiais betuminosos, seguindo a orientação da Portaria no 349, de06/03/2010.Conforme relatado anteriormente, o Tribunal de Contas da União tem vários Acórdãos a respeitodo tema, dentre os quais se destacam o de no 2649/2007 e o de n° 1077/2008, que apontam anecessidade de realização de estudo sobre o valor de BDI incidente sobre os materiaisbetuminosos e que até que este estudo seja realizado, entende-se que deve ser adotado o BDI de15% na orçamentação de obras pelo DNIT.Portanto, tendo em vista que o DNIT ainda não providenciou o estudo demandado pelo Tribunal,essa equipe de auditoria entende que é razoável que se aplique também um BDI diferenciado de15% para o transporte de materiais betuminosos.Tendo em vista o exposto, adotando-se as equações tarifárias dispostas na IS/DG no 02 e o BDIde 15%, obtém-se uma redução no valor da obra de R$ 2.714.877,37 para o serviço de“transporte de materiais betuminosos” dos Lotes 01 a 09, conforme se observa a seguir:Quadro I: Planilha de preços unitários corrigidos Custo Unitário Pedágio PU Lote Material Betuminoso Nova Equação Tarifária D1 D2 D3 Direto (R$) (R$) Corrigido(R$) Material betuminoso a quente (24,715 + 0,247 * D1 + 0,335 * D2 + 0,354 * D3) * ICMS * IGP 47,10 3,49 50,59 01 64,88 1,00 0,00 Material betuminoso a frio (22,244 + 0,223 * D1 + 0,301 * D2 + 0,318 * D3) * ICMS * IGP 42,44 3,49 45,93 CAP 50/70 (24,715 + 0,247 * D1 + 0,335 * D2 + 0,354 * D3) * ICMS * IGP 53,73 3,49 57,22 02 82,86 5,00 0,00 Asfalto diluído CM-30 (22,244 + 0,223 * D1 + 0,301 * D2 + 0,318 * D3) * ICMS * IGP 48,42 3,49 51,91 Material betuminoso a quente (24,715 + 0,247 * D1 + 0,335 * D2 + 0,354 * D3) * ICMS * IGP 57,08 3,49 60,57 03 101,50 0,00 0,00 Material betuminoso a frio (22,244 + 0,223 * D1+ 0,301 * D2 + 0,318 * D3) * ICMS * IGP 51,46 3,49 54,95 Material betuminoso a quente (24,715 + 0,247 * D1 + 0,335 * D2 + 0,354 * D3) * ICMS * IGP 65,83 3,49 69,32 04 131,70 0,50 0,00 Material betuminoso a frio (22,244 + 0,223 * D1 + 0,301 * D2 + 0,318 * D3) * ICMS * IGP 59,35 3,49 62,84 Material betuminoso a quente (24,715 + 0,247 * D1 + 0,335 * D2 + 0,354 * D3) * ICMS * IGP 67,74 3,49 71,23 05 133,01 4,50 0,00 Material betuminoso a frio (22,244 + 0,223 * D1 + 0,301 * D2 + 0,318 * D3) * ICMS * IGP 61,07 3,49 64,56 Material betuminoso a quente (24,715 + 0,247 * D1 + 0,335 * D2 + 0,354 * D3) * ICMS * IGP 85,53 5,88 91,41 06 200,84 0,80 0,00 Material betuminoso a frio (22,244 + 0,223 * D1 + 0,301 * D2 + 0,318 * D3) * ICMS * IGP 77,13 5,88 83,01 Material betuminoso a quente (24,715 + 0,247 * D1 + 0,335 * D2 + 0,354 * D3) * ICMS * IGP 199,82 0,18 0,00 85,00 0,00 85,00 07 Material betuminoso a frio (22,244 + 0,223 * D1 + 0,301 * D2 + 0,318 * D3) * ICMS * IGP 200,00 0,00 0,00 76,64 0,00 76,64 Material betuminoso a quente (24,715 + 0,247 * D1 + 0,335 * D2 + 0,354 * D3) * ICMS * IGP 214,37 0,63 0,00 89,29 0,00 89,29 08 Material betuminoso a frio (22,244 + 0,223 * D1 + 0,301 * D2 + 0,318 * D3) * ICMS * IGP 220,00 0,00 0,00 81,76 0,00 81,76 Material betuminoso a quente (24,715 + 0,247 * D1 + 0,335 * D2 + 0,354 * D3) * ICMS * IGP 229,56 0,30 0,00 93,47 0,00 93,47 09 Material betuminoso a frio (22,244 + 0,223 * D1 + 0,301 * D2 + 0,318 * D3) * ICMS * IGP 240,38 0,00 0,00 86,97 0,00 86,97Fonte: Planilha de custos do EditalQuadro II: Demonstrativo de Superestimativa decorrente de preços excessivos relativa ao transporte de materiais betuminososdos Lotes 01 a 09 Página 27 de 253
  • 28. PU Planilha PU BDI 27,84% PU Corrigido sem PU Corrigido Diferença Diferença Total Lote Material Betuminoso Unidade Quantidade s em BDI (R$) (R$) BDI (R$) BDI 15% (R$) Unitária (R$) (R$) CAP 50/70 t 4.200,00 57,39 73,37 50,59 58,18 15,19 63.804,30 As falto diluído CM-30 t 570,00 52,04 66,53 45,93 52,82 13,71 7.814,99 01 Emulsão RR-1C t 370,00 52,04 66,53 45,93 52,82 13,71 5.072,89 CAP 50/70 com polímero t 1.700,00 57,39 73,37 50,59 58,18 15,19 25.825,55 CAP 50/70 t 4.000,00 66,12 84,53 57,22 65,80 18,73 74.908,00 As falto diluído CM-30 t 530,00 59,90 76,58 51,91 59,70 16,88 8.948,26 02 Emulsão RR-1C t 380,00 59,90 76,58 51,91 59,70 16,88 6.415,73 CAP 50/70 com polímero t 1.800,00 66,12 84,53 57,22 65,80 18,73 33.708,60 Material betuminos o a quente t 5.374,00 70,56 90,20 60,57 69,66 20,54 110.406,14 03 Material betuminos o a frio t 888,00 63,89 81,68 54,95 63,19 18,49 16.416,90 Material betuminos o a quente t 4.710,00 82,07 104,92 69,32 79,72 25,20 118.701,42 04 Material betuminos o a frio t 763,00 74,26 94,93 62,84 72,27 22,66 17.292,63 As falto a quente t 5.664,00 113,71 145,37 71,23 81,91 63,46 359.411,95 05 As falto a frio t 948,00 102,76 131,37 65,56 75,39 55,98 53.065,25 As falto a quente t 5.516,00 139,53 178,38 91,41 105,12 73,26 404.093,89 06 As falto a frio t 950,00 126,26 161,41 83,01 95,46 65,95 62.651,08 CM-30 e RR-1C a frio t 960,00 99,34 127,00 76,64 88,14 38,86 37.309,44 07 CAP 50/70 para CBUQ a quente t 5.610,00 138,86 177,52 85,00 97,75 79,77 447.509,70 CM-30 e RR-1C a frio t 760,00 106,06 135,59 81,76 94,02 41,57 31.590,16 08 CAP 50/70 para CBUQ a quente t 4.350,00 144,55 184,79 89,29 102,68 82,11 357.163,28 CM-30 e RR-1C a frio t 890,00 112,91 144,34 86,97 100,02 44,32 39.448,81 09 CAP 50/70 para CBUQ a quente t 5.150,00 149,90 191,63 93,47 107,49 84,14 433.318,43Total 2.714.877,37Fonte: Planilha de custos do EditalEvidências:Planilha Orçamentária dos Lotes 01 a 09Volume 4 – Projeto Básico – Orçamento da Obra dos Lotes 01 a 09b) Serviços com preços referenciais de restauração em vez de construçãoOs preços unitários dos serviços de restauração (5 S) são diferentes dos preços unitários dosserviços de construção (2 S). O critério geral adotado pelo SICRO no Manual de Custosrodoviários (Volume 7 – Obras de Restauração Rodoviária) é o seguinte: “os preços derestauração serão também aplicados para os serviços de adequação de capacidade das rodovias(duplicações, terceiras faixas de tráfego, etc) e correção de pontos críticos”.Conforme explicado no caso da BR 280/SC, a CGU entende que a regra exposta acima não podeser aplicada indiscriminadamente, tendo em vista que em obras de duplicação é comum que seisolem as praças de trabalho para a execução dos serviços, mantendo-se o tráfego na rodoviapreviamente existente e sem que ocorra tal interferência. Assim, entende-se que a planilha deveser alterada, utilizando-se os preços de construção rodoviária, para os seguintes serviços:concreto betuminoso usinado a quente, base de brita graduada, compactação de aterros,enleivamento, hidrossemeadura e escavação, carga e transporte de materiais de 1ª e 3ª categorias,o que resultaria em uma redução estimada de R$ 11.550.430,29 somente nos serviços expostosnos quadros a seguir.Quadro III: Demonstrativo da diferença de custos – composições SICRO 5S e 2S Página 28 de 253
  • 29. Custo Unitário Custo Unitário Diferença Custo Diferença Custo Servi ço Lote Uni d. Quantidade Composição 5S Composi ção 2S 5S (R$) 2S (R$) Uni tári o (R$) Total (R$) 01 t 63.400,00 5 S 02 540 01 72,39 2 S 02 540 01 71,60 0,79 50.086,00 02 t 59.500,00 5 S 02 540 01 75,61 2 S 02 540 01 74,81 0,80 47.600,00 03 t 80.851,00 5 S 02 540 01 73,48 2 S 02 540 01 72,69 0,79 63.872,29 04 t 71.795,00 5 S 02 540 01 69,75 2 S 02 540 01 68,96 0,79 56.718,05concreto betuminoso usinado a 05 t 11.479,20 5 S 02 540 01 87,14 2 S 02 540 01 86,34 0,80 9.183,36quente - capa de rolamento 06 t 11.702,40 5 S 02 540 01 90,66 2 S 02 540 01 89,87 0,79 9.244,90 07 t 35.400,00 5 S 02 540 01 75,16 2 S 02 540 01 74,36 0,80 28.320,00 08 t 27.200,00 5 S 02 540 01 75,26 2 S 02 540 01 74,47 0,79 21.488,00 09 t 30.940,00 5 S 02 540 01 75,45 2 S 02 540 01 74,66 0,79 24.442,60 01 t 28.100,00 5 S 02 540 01 72,39 2 S 02 540 01 71,60 0,79 22.199,00 02 t 29.700,00 5 S 02 540 01 75,61 2 S 02 540 01 74,81 0,80 23.760,00CBUQ com polímero 05 t 28.665,60 5 S 02 540 01 87,14 2 S 02 540 01 86,34 0,80 22.932,48 06 t 26.878,20 5 S 02 540 01 90,66 2 S 02 540 01 89,87 0,79 21.233,78 3 01 m 63.100,00 5 S 02 230 00 89,90 2 S 02 230 00 89,16 0,74 46.694,00 3 02 m 58.000,00 5 S 02 230 00 91,70 2 S 02 230 00 90,95 0,75 43.500,00 3 03 m 60.542,00 5 S 02 230 00 98,42 2 S 02 230 00 97,68 0,74 44.801,08 3 04 m 53.103,00 5 S 02 230 00 92,65 2 S 02 230 00 91,90 0,75 39.827,25 3base de brita graduada 05 m 72.744,00 5 S 02 230 00 101,77 2 S 02 230 00 101,03 0,74 53.830,56 3 06 m 74.550,00 5 S 02 230 00 108,09 2 S 02 230 00 107,35 0,74 55.167,00 3 07 m 66.200,00 5 S 02 230 00 82,46 2 S 02 230 00 81,72 0,74 48.988,00 3 08 m 52.400,00 5 S 02 230 00 84,67 2 S 02 230 00 83,93 0,74 38.776,00 3 09 m 61.410,00 5 S 02 230 00 98,83 2 S 02 230 00 98,09 0,74 45.443,40 3 01 m 936.950,00 5 S 01 510 00 2,67 2 S 01 510 00 2,44 0,23 215.498,50 3 02 m 1.055.927,60 5 S 01 510 00 2,67 2 S 01 510 00 2,44 0,23 242.863,35 3 03 m 813.558,00 5 S 01 510 00 2,67 2 S 01 510 00 2,44 0,23 187.118,34 3 04 m 896.496,00 5 S 01 510 00 2,67 2 S 01 510 00 2,44 0,23 206.194,08 3compactação de aterro a 95% 05 m 947.440,00 5 S 01 510 00 2,67 2 S 01 510 00 2,44 0,23 217.911,20 3 06 m 726.120,00 5 S 01 510 00 2,67 2 S 01 510 00 2,44 0,23 167.007,60 3 07 m 814.870,00 5 S 01 510 00 2,67 2 S 01 510 00 2,44 0,23 187.420,10 3 08 m 994.450,00 5 S 01 510 00 2,67 2 S 01 510 00 2,44 0,23 228.723,50 3 09 m 1.318.560,00 5 S 01 510 00 2,67 2 S 01 510 00 2,44 0,23 303.268,80 3 01 m 599.050,00 5 S 01 511 00 3,21 2 S 01 511 00 2,88 0,33 197.686,50 3 02 m 661.908,00 5 S 01 511 00 3,21 2 S 01 511 00 2,88 0,33 218.429,64 3 03 m 174.171,00 5 S 01 511 00 3,21 2 S 01 511 00 2,88 0,33 57.476,43 3 04 m 233.819,00 5 S 01 511 00 3,21 2 S 01 511 00 2,88 0,33 77.160,27 3compactação de aterro a 100% 05 m 369.230,00 5 S 01 511 00 3,21 2 S 01 511 00 2,88 0,33 121.845,90 3 06 m 281.130,00 5 S 01 511 00 3,21 2 S 01 511 00 2,88 0,33 92.772,90 3 07 m 387.210,00 5 S 01 511 00 3,21 2 S 01 511 00 2,88 0,33 127.779,30 3 08 m 312.910,00 5 S 01 511 00 3,21 2 S 01 511 00 2,88 0,33 103.260,30 3 09 m 212.980,00 5 S 01 511 00 3,21 2 S 01 511 00 2,88 0,33 70.283,40 2 05 m 366.566,00 5 S 05 100 00 7,86 2 S 05 100 00 7,75 0,11 40.322,26enleivamento 2 06 m 296.684,00 5 S 05 100 00 7,86 2 S 05 100 00 7,75 0,11 32.635,24 2hidrossemeadura 06 m 517.931,00 5 S 05 102 00 1,12 2 S 05 102 00 1,11 0,01 5.179,31 aescavação, carga e transporte 1 e 01, 02, 03, 04, 05, 3 m - - - - - - 7.631.485,63 a3 categorias 06, 07, 08 e 09Total 11.550.430,29Fonte: SICRO e Planilha de Custos do EditalQuadro IV: Demonstrativo da diferença de custos relativos ao serviço Escavação, carga e transporte de material Custo Unitário Custo Unitário Diferença Custo Diferença Custo Serviço Lote Unid. Quantidade Composição 5S Composição 2S 5S (R$) 2S (R$) Unitário (R$) Total (R$) 01, 02, 03, 04,Esc. carga transp. mat 1ª cat DMT 3 05, 06, 07, 08 e m 351.627,00 1,83 1,65 0,18 63.292,8650m 09 5 S 01 100 01 2 S 01 100 01 01, 02, 03, 04,Esc. carga transp. mat 1ª cat DMT 3 05, 06, 07, 08 e m 625.437,00 5,99 5,40 0,59 369.007,8350 a 200m c/escavadeira 09 5 S 01 100 22 2 S 01 100 22 01, 02, 03, 04,Esc. carga transp. mat 1ª cat DMT 3 05, 06, 07, 08 e m 454.472,00 6,47 5,83 0,64 290.862,08200 a 400m c/escavadeira 09 5 S 01 100 23 2 S 01 100 23 01, 02, 03, 04,Esc. carga transp. mat 1ª cat DMT 3 05, 06, 07, 08 e m 351.840,00 6,95 6,30 0,65 228.696,00400 a 600m c/escavadeira 09 5 S 01 100 24 2 S 01 100 24 01, 02, 03, 04,Esc. carga transp. mat 1ª cat DMT 3 05, 06, 07, 08 e m 337.256,00 7,47 6,74 0,73 246.196,88600 a 800m c/escavadeira 09 5 S 01 100 25 2 S 01 100 25 01, 02, 03, 04,Esc. carga transp. mat 1ª cat DMT 3 05, 06, 07, 08 e m 578.531,00 7,80 7,12 0,68 393.401,08800 a 1000m c/escavadeira 09 5 S 01 100 26 2 S 01 100 26Esc. carga transp. mat 1ª cat DMT 01, 02, 03, 04, 3 m 288.481,00 8,40 7,52 0,88 253.863,281000 a 1200m c/escavadeira 06, 07, 08 e 09 5 S 01 100 27 2 S 01 100 27 01, 02, 03, 04,Esc. carga transp. mat 1ª cat DMT 3 05, 06, 07, 08 e m 269.669,00 8,75 7,88 0,87 234.612,031200 a 1400m c/escavadeira 09 5 S 01 100 28 2 S 01 100 28Esc. carga transp. mat 1ª cat DMT 03, 04, 07, 08 e 3 m 250.399,00 9,08 8,18 0,90 225.359,101400 a 1600m c/escavadeira 09 5 S 01 100 29 2 S 01 100 29Esc. carga transp .mat 1ª cat DMT 03, 04, 05, 06, 3 m 357.690,00 9,35 8,31 1,04 371.997,601600 a 1800m c/escavadeira 07, 08 e 09 5 S 01 100 30 2 S 01 100 30Esc. carga transp. mat 1ª cat DMT 03, 04, 06, 07, 08 3 m 48.166,00 9,75 8,92 0,83 39.977,781800 a 2000m c/escavadeira e 09 5 S 01 100 31 2 S 01 100 31Esc. carga transp. mat 1ª cat DMT 03, 04, 05, 06, 3 m 1.003.044,00 11,44 10,00 1,44 1.444.383,362000 a 3000m c/escavadeira 07, 08 e 09 5 S 01 100 32 2 S 01 100 32Esc. carga transp. mat 1ª cat DMT 03, 04, 06, 07, 08 3 m 1.247.487,00 15,02 13,23 1,79 2.233.001,733000 a 5000m c/escavadeira e 09 5 S 01 100 33 2 S 01 100 33Esc. carga transp. mat 3ª cat DMT 01, 02, 06, 07, 08 3 m 63.700,00 28,55 24,69 3,86 245.882,0050 a 200m c/escavadeira e 09 5 S 01 102 02 2 S 01 102 02Esc. carga transp. mat 3ª cat DMT 01, 02, 06, 07, 08 3 m 48.680,00 30,89 25,56 5,33 259.464,40200 a 400m c/escavadeira e 09 5 S 01 102 03 2 S 01 102 03Esc. carga transp. mat 3ª cat DMT 01, 02, 07, 08 e 3 m 38.290,00 31,32 26,83 4,49 171.922,10400 a 600m c/escavadeira 09 5 S 01 102 04 2 S 01 102 04Esc. carga transp. mat 3ª cat DMT 3 01, 02, m 11.000,00 32,61 25,91 6,70 73.700,00600 a 800m c/escavadeira 5 S 01 102 05 2 S 01 102 05Esc. carga transp. mat 3ª cat DMT 3 01, 02, 06, 07, 08 m 73.050,00 33,18 28,55 4,63 338.221,50800 a 1000m c/escavadeira 5 S 01 102 06 2 S 01 102 06Esc. carga transp. mat 3ª cat DMT 3 04, 07 m 27.278,00 34,31 28,92 5,39 147.028,421000 a 1200m c/escavadeira 5 S 01 102 07 2 S 01 102 07Esc. carga transp. mat 3ª cat DMT 3 09 m 270,00 22,58 20,30 2,28 615,6050m 5 S 01 102 01 2 S 01 102 01Total Lote s 07, 08 e 09 7.631.485,63Fonte: SICRO e Planilha de Custos do Edital Página 29 de 253
  • 30. Evidências:Planilha Orçamentária dos Lotes 01 a 09Volume 4 – Projeto Básico – Orçamento da Obra dos Lotes 01 a 09c) Escavação e carga de material de jazidaAs composições de “escavação e carga de material de jazida” para os nove lotes apresentam osequipamentos “trator de esteiras” e “carregadeira” para o serviço de escavação e cargapropriamente dito e “motoniveladora” para a manutenção dos caminhos de serviço.Esta equipe entende que os equipamentos “trator de esteira” e “carregadeira” devem sersubstituídos por “escavadeira”, uma vez que esta é mais econômica e desempenha a mesmafunção. No caso da motoniveladora, em virtude de existir na planilha orçamentária o serviço“manutenção do canteiro, caminhos de serviço e desvios”, este equipamento deve serdesconsiderado da composição em questão.Dessa forma, o serviço de “escavação e carga de material de jazida” seria composto apenas porescavadeira hidráulica, encarregado e servente, ao custo de R$ 1,60/m3 (setembro/2009), o quereduziria o valor da obra em R$ 15.763.099,65 para os Lotes 01 a 06, conforme o Quadro aseguir.Quadro V: Superestimativa no serviço de “escavação e carga de material de jazida” – Lotes 01 a 06 Custo Unit. Execução  Custo Unit.  Indenização de  PU Planilha  PU Corrigido  Diferença  Diferença  Lote  Unid. Quantidade Equipamentos  Execução com  Jazida (R$) (R$) (R$) Unit. (R$) Total (R$) Planilha (R$) Escavadeira (R$) 3 01 m 1.849.320,00 3,04 1,60 5,10 10,40 8,57 1,83 3.392.984,39 3 02 m 2.003.430,00 3,04 1,60 5,10 10,40 8,57 1,83 3.675.733,09 3 03 m 904.326,00 3,04 1,60 5,10 10,41 8,57 1,84 1.668.228,26 3 04 m 1.250.489,00 3,04 1,60 5,10 10,41 8,57 1,84 2.306.802,07 3 05 m 1.637.040,00 3,04 1,60 5,50 10,92 9,08 1,84 3.017.654,05 3 06 m 923.150,00 3,04 1,60 5,50 10,92 9,08 1,84 1.701.697,78Total 15.763.099,65Fonte: Planilha de Custos do EditalNota-se que, para o cálculo do sobrepreço, não foi excluída a parte relativa à indenização dejazida, que será tratada no próximo ponto.Evidências:Planilha Orçamentária dos Lotes 01 a 09Volume 4 – Projeto Básico – Orçamento da Obra dos Lotes 01 a 09CONSTATAÇÃO 005PROJETO BÁSICO DEFICIENTEForam constatadas falhas no Projeto Básico da BR-116/RS, as quais podem acarretar umprejuízo potencial estimado de R$ 71.433.147,32, tais como: adoção de soluções técnicas queacarretam prejuízo ao erário, adoção de composição inadequada para o serviço de “macadameseco” e deficiências que criam condições para a ocorrência de jogo de planilha.a) Adoção de soluções técnicas que acarretam prejuízo ao erárioO Projeto Básico adota soluções técnicas que oneram o preço da obra, relacionadas à cobrançasem amparo legal de “indenização de jazidas” para material destinado a corpo de aterro. Página 30 de 253
  • 31. Em termos legais, a indenização de jazidas” refere-se aos custos para a obtenção do materialnecessário à execução da obra como solos e materiais arenosos.Nos Projetos Básicos dos Lotes 01 a 06 da presente licitação, foi cobrado o valor de R$ 5,10 ouR$ 5,50 para o serviço, no qual estão inclusos os seguintes encargos:- indenização e direitos minerários, de acordo com o Código de Mineração e legislaçãoespecífica;- indenização ambiental e por eventuais danos à propriedade, nos termos do Código Civil.Ocorre que a indenização ambiental já está prevista no orçamento no serviço de “recuperação deárea de jazidas de empréstimo”, portanto não deve ser incluída no serviço.No que diz respeito aos direitos minerários, cabe esclarecer que é possível se determinar, emcaráter preventivo, o bloqueio das áreas de jazidas necessárias à construção de rodovias, porPortaria do DNPM, como já ocorreu na BR-101/Sul e no Arco Rodoviário do Rio de Janeiro.Esta possibilidade se deve ao fato de que a propriedade do subsolo está dissociada dapropriedade do terreno. Segundo a CF/88, art. 20, inciso IX, os recursos minerais, inclusive os desubsolo, são bens da União. E, de acordo com o art. 176, as jazidas, em lavra ou não, e demaisrecursos minerais, constituem propriedade distinta da do solo, para efeito de exploração ouaproveitamento, e pertencem à União, garantida ao concessionário a propriedade do produto dalavra e assegurada à participação do proprietário do solo nos resultados da lavra, na forma e novalor que dispuser a lei.O art. 176 da CF/88 complementa, ainda, que a pesquisa e a lavra de recursos minerais somentepoderão ser efetuadas mediante autorização ou concessão da União.A União, contudo, não necessita de título minerário para explorar o subsolo, sendo suficiente queo DNPM emita a “dispensa de título minerário”. Conforme o art. 3º, § 1º do Código Minerário,nos casos de exploração de jazidas que se destinem à abertura de vias de transporte, a Uniãopoderá se utilizar desses recursos mediante a dispensa de título minerário.Segundo o art. 4º do mesmo Código, o enquadramento dos casos específicos no § 1º do art. 3ºdepende da observância dos seguintes requisitos:I - real necessidade dos trabalhos de movimentação de terras ou de desmonte de materiais innatura para a obra; eII - vedação da comercialização das terras e dos materiais in natura resultantes dos referidostrabalhos.§ 1º Para fins do inciso I deste artigo, entende-se por real necessidade aquela resultante defatores que condicionam a própria viabilidade da execução das obras à realização dos trabalhosde movimentação de terras ou de desmonte de materiais in natura, ainda que excepcionalmentefora da faixa de domínio.§ 2º Os fatores referidos no § 1º deste artigo podem ser naturais ou físicos, como o relevo dolocal, mas também de outra natureza, desde que igualmente impeditivos à execução das obras,como, por exemplo, comprovada ausência, insuficiência ou prática de preço abusivo do materialna localidade, à critério do DNPM.(...)A esse respeito, a Portaria-DNPM 441/2009 estabelece em seu art. 7º que “A declaração deDispensa de Título Minerário somente poderá ser pleiteada pelo responsável ou executor da Página 31 de 253
  • 32. obra, mediante requerimento dirigido ao Chefe do Distrito do DNPM em cuja circunscrição estálocalizada a área de interesse”.Dessa forma, cabe ao DNIT pleitear junto ao DNPM o bloqueio e a Declaração de Dispensa deTítulos Minerários das áreas necessárias à construção da BR-116/RS antes da retomada dalicitação, pois entende-se que a ordem jurídica em vigor, nos termos do art. 3º, § 1º do CM,impõe que deva ser realizado o aproveitamento de material para as obras públicas, e que istodeve ser considerado no orçamento para a obra, sem pagamento de indenização, o que resultaráem uma redução de R$ 57.107.383,85 somente para o serviço de “escavação e carga de materialde jazida”.Quadro VI: Demonstrativo da redução de valores para o serviço escavação e carga de material de jazida Indenização  Superestimativa  Lote Serviço Unid. Quantidade de Jazida (R$) (R$) a 3 01 Escavação e carga de material de jazida (1 categoria m 1.849.320,00 6,51 12.039.073,20 a 3 02 Escavação e carga de material de jazida (1 categoria m 2.003.430,00 6,51 13.042.329,30 3 03 Escavação e carga de material de jazida (const. e res m 904.326,00 6,51 5.887.162,26 3 04 Escavação e carga de material de jazida (const. e res m 1.250.489,00 6,51 8.140.683,39 3 05 Escavação e carga de material de jazida (const. e res m 1.637.040,00 7,03 11.508.391,20 3 06 Escavação e carga de material de jazida (const. e res m 923.150,00 7,03 6.489.744,50Total  57.107.383,85Fonte: Planilha de Custos do EditalÉ importante ainda salientar que, em pesquisa na página eletrônica do DNPM, observou-se queinexistem pedidos de outorga de lavra referentes às áreas a serem exploradas. Caso o proprietáriode terra tire proveito econômico dessa atividade (como orçado no projeto básico), tal seráconsiderado como lavra ilegal, podendo ensejar a responsabilização civil, penal e administrativado infrator, nos termos do art. 6º da Portaria 411/CCE/DNPM.Evidências:Planilha Orçamentária dos Lotes 01 a 09Volume 2 – Projeto Básico de Terraplenagem dos Lotes 01 a 09Volume 3 – Memória Justificativa dos Lotes 01 a 09Volume 3B – Estudos Geotécnicos dos Lotes 01 a 09Volume 4 – Projeto Básico – Orçamento da Obra dos Lotes 01 a 09b) Adoção de composição inadequada para o serviço de “macadame seco”Como não há composição no SICRO 2 para o serviço de “macadame seco”, o DNIT utilizoucomo base o serviço de “macadame hidráulico”, substituindo o equipamento distribuidor deagregados pelo trator de esteiras D6 e pela motoniveladora.O macadame seco é um material granular com muita semelhança ao macadame hidráulico,porém sem uso de água para auxílio do preenchimento dos agregados graúdos pelos miúdos. Emgeral, os agregados graúdos utilizados são de dimensões bastante significativas, chamadas de“pedra pulmão”, com tamanho variando entre 2” e 5”, de graduação uniforme, e preenchidos poragregados miúdos compreendidos em 5 diferentes faixas.Ocorre que as composições utilizadas pelos projetistas para os Lotes 01 a 09 adotam comomaterial a “brita produzida em central de britagem 80 m3/h” para a confecção do macadameseco, quando na verdade o serviço é realizado com “pedra de mão ou rachão” e “brita”,conforme as especificações dos departamentos de estradas de rodagem. Página 32 de 253
  • 33. Assim, para se obter um preço adequado, adotou-se como referência a composição especificadapelo DAER/RS, “Código: 879 - Macadame Seco - exclusive transporte”, com inclusão doequipamento “caminhão basculante” e com os custos dos insumos obtidos do SICRO 2, do RioGrande do Sul, data base de setembro/2009, observando-se uma redução de R$ 14.325.763,47 novalor do serviço para os Lotes de 01 a 09, conforme se observa no Quadro VII a seguir.Quadro VII: Demonstrativo da redução de valores para o serviço macadame seco Lote Unid. Quantidade PU Planilha (R$) PU Corrigido (R$) Diferença Unit.  (R$) Diferença Total  (R$) 3 01 m 84.700,00 83,40 65,71 17,69 1.498.343,00 3 02 m 78.500,00 85,08 66,86 18,22 1.430.270,00 3 03 m 87.505,00 91,39 72,44 18,95 1.658.219,75 3 04 m 80.148,00 85,97 67,46 18,51 1.483.539,48 3 05 m 94.672,00 99,23 77,46 21,77 2.061.009,44 3 06 m 90.910,00 101,40 79,02 22,38 2.034.565,80 3 07 m 76.400,00 76,42 58,18 18,24 1.393.536,00 3 08 m 65.300,00 78,51 59,61 18,90 1.234.170,00 3 09 m 69.800,00 91,79 69,84 21,95 1.532.110,00Total 14.325.763,47Fonte: Planilha de Custos do EditalEvidências:Planilha Orçamentária dos Lotes 01 a 09Volume 4 – Projeto Básico – Orçamento da Obra dos Lotes 01 a 09c) Insuficiência de SondagensFoi observada uma deficiência no número de sondagens para caracterização dos volumes debolsões de solos moles e de solos de baixa capacidade de suporte.A norma DNER-PRO 381/98 - Projeto de aterros sobre solos moles para obras viárias estabeleceparâmetros mínimos para as investigações desses materiais a saber: “As investigações poderãoser realizadas em duas fases: a primeira, objetiva somente a obtenção do perfil geotécnico econstará simplesmente de sondagens a percussão segundo a norma ABNT NBR 6484, sendopelo menos uma em cada depósito mole. Quando o depósito tiver mais que 100 m de extensão,as sondagens a percussão deverão ser realizadas com intervalo não superior a 100 m. Estesestudos permitirão elaborar um perfil geotécnico detalhado.”Entretanto, em nenhum dos nove lotes existe tal estudo, de forma que os volumes de solo moleforam estimados com alto grau de imprecisão.Portanto, é fundamental proceder ao aperfeiçoamento do projeto, como novas investigações, demodo a se obter um perfil geotécnico detalhado que possibilite a adequada avaliação equantificação dos serviços.Evidências:Volume 2 – Projeto Básico de Terraplenagem dos Lotes 01 a 09Volume 3 – Memória Justificativa dos Lotes 01 a 09Volume 3B – Estudos Geotécnicos dos Lotes 01 a 09Volume 4 – Projeto Básico – Orçamento da Obra dos Lotes 01 a 09II.3 - DNIT – OUTROS FATOS DIVULGADOS NA MÍDIA Página 33 de 253
  • 34. II.3.1 - CONTORNO DE VITÓRIA/ESFato denunciado: “R$ 11 milhões por quilômetro. Esse é o valor a ser pago em um contrato, semlicitação, feito pelo Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes (Dnit) - órgãoligado ao Ministério dos Transportes - com a empresa Contractor. Assinado em março de 2010pelo então superintendente Élio Bahia - o atual é Halpher Luiggi -, o termo visa àcomplementação de obras para a duplicação do Contorno de Vitória e à construção de oitoviadutos. Em um trecho de apenas 6,2 quilômetros, o Dnit vai desembolsar, ao menos, R$ 66,9milhões - já foram assinados aditivos ao contrato”. (Fonte: A Gazeta – Gazeta on Line em18/07/2011)Conclusão CGU: Situação confirmada. A análise da CGU evidenciou que a contratação dasobras de complementação do Contorno de Vitória por dispensa foi irregular.Com base nas análises efetuadas no processo licitatório decorrente do Edital n° 0596/2009, foipossível verificar a prática de atos que violam os princípios de ampla competitividade econcorrência, que são pressupostos para a contratação de serviços e obras da AdministraçãoPública. Constatou-se a ocorrência de direcionamento na primeira licitação das obras deduplicação do contorno de Vitória, que resultou deserta e acabou sendo contratada, por dispensa,com a Contractor Engenharia Ltda. As irregularidades incluem: a ausência de justificativasconsistentes para a dispensa; ausência de repetição do processo licitatório de Concorrência;antecipação dos convites às empresas antes da publicação do ato de licitação a qual encerrou-sedeserta; validade de apenas duas propostas no processo de contratação direta; e ausência deevidências de retirada dos editais pelas empresas participantes. Portanto, a análise da CGUevidenciou que a contratação das obras de complementação do Contorno de Vitória por dispensafoi irregular.CONSTATAÇÃO 006:DISPENSA IRREGULAR DE LICITAÇÃO DE OBRAS DE COMPLEMENTAÇÃO DOCONTORNO DE VITÓRIA NO VALOR DE R$ 66.985.178,71Trata-se de fiscalizações efetuadas pela CGU-Regional/ES, abrangendo questões acerca dedescumprimento da Lei de Licitações, dispensa irregular, alteração importante de valor eprejuízos potenciais aos cofres públicos, identificados nas licitações realizadas no âmbito daSuperintendência Regional do DNIT/ES;Preliminarmente, cumpre informar que em razão da Solicitação de Fiscalização n° 02/CGU-ES,de 27/07/2011, Equipe Técnica da CGU analisou o processo digitalizado n°50.617.001787/2009-01, disponibilizado pelo DNIT/ES em 07 volumes que contêmdocumentação relativa à execução dos serviços necessários à realização da complementação dasobras de duplicação do Contorno de Vitória na Rodovia BR-101/ES, compreendendo umaextensão de 6,2 Km, situada entre os segmentos Km 288,1 e Km 294,3 - PNV 101BES2350situado no trecho Divisa BA/ES – Divisa ES/RJ, subtrecho Entr. ES – 080 (Tabajara) – Entr.BR-262 (A). A referida obra encontra-se em execução pela empresa Contractor Engenharia Ltda(CNPJ 01.980.404/0001-51), contratada por dispensa de licitação pelo DNIT/ES, por meio doContrato n°. 17.1.0.00.0231.2010, de 04/03/2010, no valor de R$66.985.178,71, posteriormentealterado para R$70.619.411,07 mediante Termo Aditivo de 30/12/2010.Da leitura que se faz do processo digitalizado n°. 50617.000649/2006-54, tambémdisponibilizado pelo DNIT/ES à Equipe Técnica da CGU, em resposta à Solicitação deFiscalização n° 03/CGU-ES de 29/07/2011, observa-se que as obras de duplicação do Contorno Página 34 de 253
  • 35. de Vitória se iniciaram nos segmentos compreendidos entre o Km 268,8 e o Km 288,1 –extensão de 19,3 Km –, cuja execução ficou a cargo da empresa Delta Construções S/A (CNPJ10.788.628/0001-57), conforme Contrato TT-011/2008-00 de 03/01/2008 no valor deR$51.447.985,45, o qual decorreu da Concorrência n°. 344/2007. Às fl. 224 do processoadministrativo em tela, foi informado que as obras remanescentes (Km 288,1 ao Km 294,3)teriam que ser “licitadas em separado em vista que o projeto passará por processo de revisão,para atender aos interesses do Estado e Município determinado em audiência pública”(sic).Feitas essas considerações iniciais, verificamos no Quadro I abaixo um resumo dosprocedimentos realizados pelo DNIT/ES relativos aos processos em comento:Quadro I: Obras de duplicação do Contorno de Vitória na Rodovia BR-101/ES Objeto Processo Empresa Valor Contratado (valor Contrato / Data (segmento) Licitatório Contratada original)Km 268,8 ao Contrato TT- Concorrência n°.Km 288,1 011/2008-00 Delta Construções S/A R$ 51.447.985,45 0344/2007-00(concluído) Data: 03/01/2008Km 288,1 ao Dispensa de Licitação Contrato n°. Contractor EngenhariaKm 294,3 (art. 24, inciso V) 17.1.0.00.0231.2010 R$ 66.985.178,71 Ltda(em curso) licitação deserta Data: 04/03/2010Fonte: DNIT/ES – Processos administrativos 50617.000649/2006-54 e 50617.001787/2009-01Em referência às obras de duplicação contratadas junto à empresa CONTRACTOR por dispensade licitação, observamos que o Diretor-Geral do DNIT, por meio da Portaria n°. 1.224 de08/10/2009 (fl. 82), delegou competência ao Superintendente Regional do DNIT/ES à época,para “promover a licitação, (...), nomear Comissão de Julgamento, elaborar o Edital, (...)divulgar o Edital, julgar recursos, homologar e representar a Autarquia na lavratura eassinatura do Contrato e seus respectivos Termos Aditivos (....)” (sic). Cita-se que referidadelegação se deu para atender a solicitação formulada pelo Superintendente Regional doDNIT/ES, por meio do memorando n°. 464/2009/SR/ES de 25/09/2009 (fl.01), no qual restouconsignado que à época as Superintendências Regionais do DNIT contavam com delegação decompetência por meio da Portaria do Diretor-Geral do DNIT n°.310 de 07/03/2007 para adoçãode todos os procedimentos licitatórios de obras cujos valores fossem menores ou iguais a R$10,5milhões. No memorando do DNIT/ES o valor estimado para a obra era de R$62.533.439,00.Ato contínuo, em 08/10/2009 foi emitida a Portaria n° 054 de 08/10/2009/DNIT/ES, assinadapela Superintendente Substituta do DNIT/ES, designando os servidores para comporem acomissão de licitação com vistas à contração da empresa para a execução dos serviços decomplementação das obras de duplicação do Contorno de Vitória - Rodovia BR-101/ES:Quadro II: Portaria DNIT/ES n°. 0054/2009 – Composição da Comissão de Licitação Matrícula Função DNIT n°. 1620-9 Presidência da CPL DNIT n°. 384-0 Membro DNIT n°. 1619-5 MembroFonte: DNIT/ES – Processo administrativo n°. 50617.001787/2009-01 – fl. 0087Em 16/10/2009 a Comissão de Licitação lançou o Edital n° 0596/2009-17 – ConcorrênciaPública cujas principais informações consignamos no Quadro III seguinte:Quadro III: Edital n° 0596/2009-17 – Concorrência Pública Execução, sob o regime de empreitada a preços unitários, dos serviços necessários à realização da Objeto Complementação das Obras de Duplicação do Contorno de Vitória na Rodovia BR-101/ES Lote 02 Página 35 de 253
  • 36. Rodovia BR-101/ES Trecho Divisa BA/ES – Divisa ES/RJ Subtrecho Entr. ES – 080 (Tabajara) – Entr. BR-262 (A) Segmento Km 288,1 ao Km 294,3 Extensão 6,20 Km Códigos do PNV 101BES2350 R$ 67.315.943,36 (Edital) Orçamento - As publicações no Site DNIT, no DOU e em jornal de grande circulação o valor orçado foi de R$62.533.439,00 mesmo após o adiamento da licitação para 07/12/2009 para adequação do BDI Data de entrega da Documentação e 20/11/2009 (posteriormente alterado para 07/12/2009) PropostasFonte: DNIT/ES – Processo administrativo n°. 50617.001787/2009-01 – (fl. 185)Em 04/11/2009 a Comissão de Licitação procedeu ao adiamento da licitação, divulgando novadata de entrega da documentação e propostas para o dia 07/12/2009, para dar cumprimento aocontido no art. 3° da Portaria DNIT n°. 1.186 de 01/10/2009, que determinou alteração naparcela de BDI a ser adotada nos orçamentos das licitações do DNIT, bem como a suspensãodas licitações em andamento para ajustes nos editais com o novo percentual do BDI (fl. 275).Em 07/12/2009 foi realizada pela Comissão de Licitação a primeira sessão para recebimento dadocumentação e propostas das empresas interessadas. Contudo, ficou consignado na respectivaAta que “por não acudirem interessados a licitação foi declarada deserta”.Relevante informar que após uma atenta leitura na documentação digitalizada disponibilizada àEquipe Técnica da CGU, não houve êxito em identificar no processo qualquer indicação de queeventuais empresas interessadas tenham retirado o Edital no DNIT/ES.Observa-se que já em 08/12/2009, portanto no dia seguinte à realização da primeira sessão cujaAta declarou deserta a licitação, a Comissão de Licitação já cuidava de enviar Ofício a trêsempresas solicitando apresentação de propostas para a execução do objeto do certame comfundamentação no art. 24, Inciso V da Lei de Licitações, que trata de dispensa de licitaçãoquando não acudirem interessados à licitação anterior.Com efeito, somente em 15/12/2009 os atos da Comissão de Licitação alcançaram eficácia com apublicação no DOU da respectiva Ata.Naquela mesma data, 15/12/2009, duas das três empresas chamadas apresentavam à Comissãode Licitação a documentação de habilitação e respectivas propostas comerciais.Quadro IV: Empresas chamadas para apresentação de preços (R$1,00) Empresas Endereço Preços ofertados Contractor Engenharia Ltda CNPJ Av. N.Sª dos Navegantes , n°.451 Salas 1801, 66.985.178,71 01.980.404/0001-51 1802, 1803, 1804, Enseada do Suá Vitória-ES Almeida e Filho Terraplenagens Ltda Av. Aero Clube , 319, Bairro Aero Clube 67.307.101,98 CNPJ 32.487.258/0001-50 Volta Redonda-RJ Tervap-Pitanga Mineração e Pavimentação R Holdercim 1061, Civit II Serra-ES Não apresentou proposta Ltda CNPJ 28.137.081/0001-95Fonte: DNIT/ES – Processo administrativo n° 50617.001787/2009-01 – (fl. 281 a 381, 384 a 586, 590 a 878) e Cadastro CNPJ.Verificou-se que consulta foi formulada pela Comissão de Licitação em 23/12/2009 àProcuradoria Federal Especializada junto a Superintendência Regional do DNIT/ES - Despachon°. 399/2009-SCL-ES, (fl. 1159), a qual emitiu na mesma data, ou seja, 23/12/2009, Parecer n°185/2009 PFE/SR/DNIT/ES favoravelmente a contratação direta com fulcro no art. 24, Inciso Vda Lei de Licitações, como pretendido pela CPL, em face de a licitação ter sido declarada Página 36 de 253
  • 37. deserta.Ato contínuo, também em 23/12/2009, a Comissão de Licitação declarou, “por múnus públicodo artigo 26, caput da Lei n° 8.666/93, de 21.06.1993, a Dispensa de Licitação, com amparonos preceitos estabelecidos no artigo 24, Inciso V, da Lei 8.666/93” ato ratificado em28/12/2009 pela Superintendente Regional do DNIT/ES substituta.No intuito de facilitar o entendimento dos atos praticados pela Administração para contrataçãode empresa para execução dos serviços necessários à realização da complementação das obrasde duplicação do Contorno de Vitória na Rodovia BR-101/ES, relacionamos no Quadro Vabaixo a cronologia das ocorrências. Foram arrolados os principais atos praticados até aautorização do início dos serviços.Quadro V: Cronologia dos atos praticados pelo DNIT/ES Data Ocorrências25/09/2009 Memorando n° 464/DNIT/ES solicita delegação para licitar acima de R$10,5 milhões08/10/2009 Portaria n° 1.224 do Diretor-Geral DNIT delega competência ao DNIT/ES para licitar08/10/2009 Portaria n° 0054/DNIT/ES designa servidores para compor Comissão de Licitação16/10/2009 Publicação do Aviso de Licitação no site do DNIT com abertura fixada para 20/11/200918/10/2009 Publicação no jornal A Gazeta do Aviso de Licitação com abertura fixada para 20/11/200920/10/2009 Publicação no DOU do Aviso de Licitação com abertura fixada para 20/11/2009 Justificativa de Adiamento da Licitação publicada no site DNIT fixando a data de 07/12/2009 para recebimento04/11/2009 de documentação e propostas06/11/2009 Publicação do Aviso de Adiamento no site do DNIT com abertura fixada para 07/12/200908/11/2009 Publicação do Aviso de Adiamento no jornal A Gazeta com abertura fixada para 07/12/200909/11/2009 Publicação do Aviso de Adiamento no DOU com abertura fixada para 07/12/200907/12/2009 Ata da Primeira Sessão de Habilitação publicada no site do DNIT declarando a licitação deserta08/12/2009 O DNIT/ES oficializa três empresas para apresentarem preços15/12/2009 Publicação do resultado do julgamento no DOU sendo declarada a licitação deserta15/12/2009 Duas das três empresas chamadas apresentam preços e respectivas propostas comerciais A Comissão de Licitação formula consulta à PFE-DNIT/ES acerca da condução do processo por dispensa após23/12/2009 declarada a licitação deserta, bem como justifica o relevante interesse público para contratação direta. Parecer n°. 185/2009 PFE/SR/DNIT/ES opina favoravelmente a contratação direta com fulcro no art. 24, Inciso23/12/2009 V da Lei de Licitações, como pretendido pela CPL, em face da licitação ter sido declarada deserta.23/12/2009 Declaração da Comissão de Licitação de Dispensa de Licitação Solicitação da Comissão de Licitação para o Superintendente Regional do DNIT/ES pela ratificação da23/12/2009 Declaração de Dispensa23/12/2009 Ratificação pelo Superintendente Regional do DNIT/ES da Dispensa de Licitação Publicação no DOU do extrato de Dispensa de Licitação com fundamento legal no artigo 24, Inciso V da Lei de24/12/2009 Licitações informando a contratação da empresa Contractor no valor de R$66.985.178,71 Homologação do processo de dispensa de licitação e adjudicação em favor da empresa Contractor no valor de28/12/2009 R$66.985.178,71 Autorização do Superintendente do DNIT/ES para assinatura e publicação do contrato com a empresa28/12/2009 Contractor04/03/2010 Celebração entre o DNIT/ES e a empresa Contractor do Contrato n°. 17.1.0.00.0231.201005/03/2010 Publicação no DOU do extrato do contrato. Valor R$66.985.178,7105/03/2010 Ordem de Início de ServiçosFonte: DNIT/ES – Processo administrativo n°. 50617.001787/2009-01Decorridas estas considerações iniciais e após a análise cuidadosa do conteúdo dos processosdigitalizados disponibilizados pelo DNIT/ES, restou demonstrado para a Equipe Técnica daCGU a contratação irregular da empresa Contractor Engenharia Ltda mediante dispensa delicitação pelo valor de R$66.985.178,71, posteriormente alterado para R$70.619.411,07mediante Termo Aditivo de 30/12/2010. Página 37 de 253
  • 38. É sabido que a regra geral que vige para o Administrador Público é a de sempre licitar. Comotoda regra tem sua exceção, o Estatuto de Licitações permite como ressalva à obrigação delicitar, a contratação direta através de processos de dispensa e inexigibilidade de licitação, desdeque preenchidos os requisitos previstos na lei. (grifo nosso)No entanto, nos processos analisados não foram encontrados os correspondentes documentos demotivações e justificativas ao amparo da Lei de Licitações que ensejaram a contratação pordispensa, de maneira a atender os requisitos previstos na lei. As situações verificadasdemonstraram a burla ao certame licitatório na modalidade Concorrência, ficando sobsuspeição os atos praticados pela gestão DNIT/ES.O art. 24, inciso V, da Lei nº 8.666/1993, possibilita a contratação mediante dispensa delicitação, desde que não acudam interessados à licitação anterior e esta, justificadamente, nãopossa ser repetida sem prejuízo para a Administração, mantidas, neste caso, todas as condiçõespreestabelecidas. (grifo nosso)Ainda que se pudesse caracterizar a licitação como deserta, não estaria justificada a contrataçãocom base no art. 24, inciso V, da Lei nº 8.666/93, pois se teria que demonstrar que a repetiçãodo certame traria prejuízos à administração, conforme reza o dispositivo. Entretanto, não restouexplicitado no processo de dispensa de licitação que a repetição de nova licitação traria taisprejuízos.É apenas mencionado no processo como justificativa para contratação direta e dispensa dalicitação a “necessidade de a Administração atender aos anseios quanto à redução dos índicesde acidentes ocorridos; eliminação do gargalo existente, em face do excesso fluxo de veículopesado; sendo, portanto, obra de relevante interesse público” (sic) (fl. 159)A doutrina tem entendido: “... é preciso que fique caracterizado o risco a pessoas ou benspotencialmente aferível no momento da dispensa, não atribuível à desídia do agente público”,segundo JACOBY. (grifo nosso)E, ainda, a administração do DNIT/ES considerou correto o chamamento de três empresas paraapresentação de proposta comercial, havendo somente duas delas comparecido comdocumentação e preços cujos valores se situam em torno de R$65 milhões, culminando nacontratação de uma delas, a que apresentou menor orçamento.De ressaltar, ainda, que se tratava de vultosos valores e em uma situação de normalidade agestão zelosa e preocupada com a regular aplicação do recurso público haveria de considerar umnúmero maior de cotações a empresas, em vez de apenas as duas que pautaram a avaliação docusto mais vantajoso para a Administração.A verdade é que o objetivo do dever de licitar é evitar desmandos ou favorecimentos, dando-seoportunidades iguais a todos, além de fornecer à Administração a possibilidade de escolher aproposta mais vantajosa.O simples atendimento ao comando legal, se por um lado exime o administrador de imputaçãode irregularidade quanto a este comando, não lhe retira a responsabilidade pelo afastamento deprincípios basilares da Administração, os quais devem estar presentes nos seus atos, a exemploda observância ao princípio da moralidade, insculpido no art. 37 da Constituição Federal e noart. 3º da Lei nº 8.666/93, posto que apenas duas propostas válidas embasaram a contratação degastos superiores a R$ 65 milhões. Página 38 de 253
  • 39. Restou demonstrada para a Equipe da CGU a fuga da modalidade de licitação apropriada,estando comprometido o caráter competitivo na contratação de terceiros pela AdministraçãoPública.Após levantamentos efetuados junto ao SIAFI- Sistema Integrado de Administração Financeirado Governo Federal e SISDNIT-SIAC – Sistema de Acompanhamento de Contratos do DNIT,identificamos as seguintes medições e pagamentos relativos ao Contrato n° 17.1.0.00.0231.2010ora em análise.Quadro VI: Últimas medições (R$1,00) Últimas medições N° Referência Valor Med. 14 abril/2011 4.595.347,65 Med. 15 maio/2011 1.178.284,25Fonte: SISDNIT – SIAC - https://sisdnit.dnit.gov.brQuadro VII: Últimos pagamentos efetuados (R$1,00) Pagamentos efetuados Data Valor Medição Ordem Bancária 30-07-2010 75.225,28 01 823956 30-07-2010 79.364,74 02 823955 03-09-2010 86.059,60 03 827393 03-09-2010 91.765,66 04 827392 15-10-2010 97.205,46 05 832796 18-10-2010 1.162.083,88 06 833433 09-02-2011 1.537.603,34 07 810038 04-01-2011 764.706,26 08 800883 03-02-2011 1.257.240,04 09 808975 18-03-2011 4.313.013,94 10 815934 13-04-2011 1.358.116,70 11 822954 11-05-2011 84.207,85 12 829699 16-06-2011 1.652.212,51 13 840152 17-06-2011 2.535,67 13 840370 24-06-2011 4.096.752,43 14 842996 Total 16.658.093,36Fonte: SIAFI - Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo FederalDevemos esclarecer, ainda, no que diz respeito aos aspectos técnicos de engenharia bem comoaos preços praticados, que a Equipe Técnica da CGU não se ocupou da verificação daadequabilidade dos custos da obra com os valores de mercado, havendo, portanto, direcionadoseus esforços na identificação dos atos praticados pela gestão do DNIT que culminaram com acontratação direta da empresa Contractor mediante dispensa irregular de licitação.Extrai-se ainda da documentação analisada importante divergência entre os valores orçados einformados pelo DNIT ao longo do processo. Isto porque, verificamos que por ocasião daspublicações dos avisos da licitação o valor trazido à praça em outubro/2009 era de R$62.533.439,00 (DOU, Jornal A Gazeta e sítio do DNIT), ao tempo em que quando da realizaçãoda Ata de 07/12/2009, que declarou deserta a licitação, os valores orçados montavam aimportância de R$ 67.315.943,36. Tais fatos merecerão maiores aprofundamentos por EquipeTécnica da CGU. Página 39 de 253
  • 40. A Superintendência Estadual do DNIT no Espírito Santo, especificamente a sua Comissão deLicitação, vem praticando atos que ferem os princípios de ampla competitividade e concorrência,que são pressupostos para a contratação de serviços e obras com a Administração Pública.Constata-se que há direcionamento da licitação realizada para a contratação de obras deduplicação do contorno de Vitória, realizada com a firma Contractor Engenharia Ltda,consubstanciado em: irregularidades pela ausência de justificativas consistentes para a dispensa;ausência de repetição do processo licitatório de Concorrência; antecipação dos convites àsempresas antes da publicação do ato de licitação a qual encerrou-se deserta; validade de apenasduas propostas no processo de contratação direta; e ausência de evidências de retirada dos editaispelas empresas participantes da Concorrência.II.3.2 - CONFLITO DE INTERESSES – CONSTRUTORA ARAÚJO E TECH MIXa) CONSTRUTORA ARAÚJOFato denunciado: “A Construtora Araújo Ltda, da mulher de José Henrique Sadok de Sá, diretorexecutivo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), assinou contratosque somam pelo menos R$ 18 milhões para tocar obras em rodovias federais entre 2006 e 2011,todas vinculadas a convênios com o órgão. A mulher de Sadok, Ana Paula Batista Araújo, édona da Construtora Araújo, contratada para cuidar de obras nas rodovias BR-174, BR-432 eBR-433, todas em Roraima e ligadas a convênios com o Dnit, principal órgão executor doMinistério dos Transportes. A aplicação de aditivos, que aumentam prazos e valores, ocorreuem todos os contratos. Sadok trabalhou em Roraima em 2001, no antigo Departamento Nacionalde Estradas de Rodagem (DNER), como diretor de obras.” (Fonte: Estadão - estadao.com.br, em15/7/2011)Conclusão CGU: Situação confirmada parcialmente. Verificou-se a inexistência de carátercompetitivo no caso da licitação da BR-174/RR, decorrente do Convênio nº TT-109, além deindícios de formação de conluio entre os participantes do certame.Um conflito de interesse ocorre quando um agente público tem um interesse privado que possainfluenciar indevidamente certa decisão pública. No caso em tela, o conflito ocorre pelo fato dea companheira do ex-Diretor Executivo do DNIT ser proprietária de uma construtora que recebiarecursos repassados pela Autarquia Federal ao Governo do Estado de Roraima, medianteconvênio, fato que já vinha sendo investigado pela CGU.BR-174/RRCONSTATAÇÃO 007INDÍCIO DE AUSÊNCIA DO CARÁTER COMPETITIVO ENTRE OS LICITANTES E DEPOSSÍVEL CONLUIO.Trata-se de constatação consignada originalmente no Relatório de Fiscalização nº 1306, referenteao 08º Sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de Sorteios Públicos - Sorteio de Unidades daFederação, no Estado de Roraima, datado de 28/05/2009. Tendo em vista o achado destaconstatação e o relacionamento existente entre o Diretor Executivo do DNIT à época e aproprietária da empresa vencedora do Lote III, referente ao subtrecho 3, optou-se por inserir areferida constatação neste Relatório. Página 40 de 253
  • 41. O Convênio nº TT-109-06 foi firmado em 09/12/2005, entre o DNIT e o Governo do Estado deRoraima, cujo objeto é a execução de serviços de manutenção (conservação/recuperação), narodovia BR-174/RR, com extensão total de 381,3 km, nos seguintes subtrechos:Subtrecho 1 - Div AM/RR (km 0,0) - Vila do Equador (km 118,5)Subtrecho 2 - Vila do Equador (km 118,5) - Novo Paraíso (km 245,2)Subtrecho 3 - Caracaraí (km 369,0) - Boa Vista (km 505,1)Conforme consulta ao SIAFI2008 - CONTRANSF, a vigência atual do convênio foi estabelecidada seguinte forma:Início da Vigência: 13/12/2005Fim da Vigência: 15/03/2009Prazo para Prestação de Contas: 14/05/2009Por meio do Edital de Concorrência nº 003/2006, de 09/02/2006, iniciou-se a fase externa dalicitação. A Abertura ocorreu no dia 16/03/2006.Foram firmados os contratos 57, 58 e 59, todos assinados no dia 20/04/2006, entre o Governo doEstado de Roraima e as empresas Construtora Meirelles Mascarenhas Ltda., Tescon EngenhariaLtda e Construtora Araújo Ltda, respectivamente. O prazo de execução foi definido em 720 dias.Em 28/10/2008 foi emitido o 6º Termo Aditivo com o objetivo de adequação do plano detrabalho com atualização de valor. Portanto, o valor vigente é de R$ 33.205.687,42, sendo R$29.885.118,86 (concedente) e R$ 3.320.568,74 (executor).O valor vigente do Convênio TT-109 está distribuído entre as empresas vencedoras dos lotes daseguinte forma:1) Contrato nº 57, de 20/04/2006 - Construtora MM Ltda Subtrecho 1 - R$ 10.587.714,65 (4ºTermo Aditivo, de 03/11/2008);2) Contrato nº 58, de 20/04/2006 - Tescon Engenharia Ltda Subtrecho 2 - R$ 8.751.011,63 (4ºTermo Aditivo, de 03/11/2008);3) Contrato nº 59, de 20/04/2006 - Construtora Araújo Ltda Subtrecho 3 - R$ 12.137.706,05 (4ºTermo Aditivo, de 03/11/2008;O valor de R$ 1.729.255,10 é devido a título de reajustamento desses contratos.O prazo atual de execução dessas obras foi estendido até o dia 14/04/2009.Em consulta ao SIAFI2008 - CONTRANSF, os valores foram informados da seguinte forma:Valor Original : 17.349.645,65Valor Aditivado : 12.535.473,05Valor Total : 29.885.118,70Valor Contrapartida: 3.320.568,72Valor Pactuado : 33.205.687,42Em relação aos recursos financeiros, verificou-se que foram creditados, à época da fiscalizaçãoda CGU, pelo Concedente no Banco: 001 - Agência: 3797-4 - Conta Corrente: 5.781-9, o valortotal de R$ 22.405.647,75, conforme detalhamento abaixo:Quadro I: Demonstrativo das OB´s - Concedente UG GESTÃO DOCUMENTO EMISSÃO PARCELA VALOR (R$) 393003 39252 2005OB913521 30Dez2005 001 1.112.788,97 393003 39252 2005OB913727 30Dez2005 002 487.211,03 393003 39252 2006OB924651 13Dez2006 003 1.100.000,00 Página 41 de 253
  • 42. 393003 39252 2006OB925515 18Dez2006 003 1.415.698,61 393003 39252 2006OB924645 13Dez2006 004 1.697.656,10 393003 39252 2006OB925516 18Dez2006 004 384.301,39 393003 39252 2007OB928605 11Out2007 005 1.013.143,90 393003 39252 2007OB928606 11Out2007 005 827.993,89 393003 39252 2008OB904711 25Fev2008 005 481.229,76 393003 39252 2008OB904713 25Fev2008 005 1.772.006,11 393003 39252 2008OB905207 26Fev2008 005 505.296,00 393003 39252 2008OB904710 25Fev2008 006 1.518.770,24 393003 39252 2008OB904712 25Fev2008 006 1.000.000,00 393003 39252 2008OB905192 26Fev2008 006 2.000.000,00 393003 39252 2008OB917864 24Jun2008 006 1.489.794,59 393003 39252 2008OB000109 24Jun2008 006 1.489.794,59 393003 39252 2008OB917870 25Jun2008 006 1.489.794,59 393003 39252 2008OB917865 24Jun2008 007 3.277.270,94 393003 39252 2008OB000110 24Jun2008 007 3.277.270,94 393003 39252 2008OB917869 25Jun2008 007 3.277.270,94 393003 39252 2008OB934759 26Nov2008 008 1.893.868,73 393003 39252 2008OB934762 26Nov2008 009 428.617,49Fonte: SIAFIEm relação aos valores devidos a titulo de contrapartida, verificou-se que foram creditados naconta específica do Convênio nº 109/2005, até o dia 07/11/2008, os seguintes valores:Quadro II: Demonstrativo das OB´s - Contrapartida Data Histórico Documento Valor 22/08/06 Ordem Bancária 200616340 69.989,41 14/11/06 Ordem Bancária 200619393 80.642,79 27/11/06 Ordem Bancária 200622706 48.059,00 20/12/06 Ordem Bancária 200624922 99.999,43 03/01/07 Ordem Bancária 200627184 147.084,38 26/01/07 Ordem Bancária 200700587 7.632,51 28/02/07 Ordem Bancária 200703425 74.561,36 12/03/07 Ordem Bancária 200704022 42.369,67 26/03/07 Ordem Bancária 200705205 40.733,13 03/04/07 Ordem Bancária 200705928 65.995,65 04/09/07 Ordem Bancária 200719170 317.264,66 19/10/07 Ordem Bancária 200724223 86.267,53 12/11/07 Ordem Bancária 200726370 111.120,60 26/11/07 Ordem Bancária 200727138 12.328,82 12/12/07 Ordem Bancária 200729028 965,85 06/03/08 Ordem Bancária 200804188 586.366,90 17/06/08 Ordem Bancária 200814332 236.754,42 26/06/08 Ordem Bancária 200815320 65.022,85 08/07/08 Ordem Bancária 200817062 396.357,46 Valor Total 2.489.516,42Fonte: SIAFIDessa forma, até a data de 07/11/2008, foram creditados na conta específica o valor total de R$20.083.161,53, por parte do Concedente, e R$ 2.489.516,42, por parte do Convenente, sendo queem 26/11/2008, o Órgão Concedente desembolsou mais R$ 2.322.486,22.Em relação aos débitos relacionados aos pagamentos efetuados às empresas contratadas, até adata 07/11/2008, totalizaram cerca de R$ 22.247.728,33, conforme repartição abaixo:Construtora Meirelles Mascarenhas Ltda - R$ 7.405.933,76Tescon Engenharia Ltda. - R$ 5.512.902,46Construtora Araújo Ltda - R$ 9.328.892,11 Página 42 de 253
  • 43. Ressaltamos, ainda, que o Convênio TT-109 já foi objeto de fiscalização por parte da CGU,conforme Relatório de Ação de Controle Nº 00190.000789/2006-11.A seguir, transcreveu-se o teor das constatações contidas na referida Ação de Controle: "2.1.1 - Atualização dos valores do projeto básico, sem o devido termo aditivo ou apostilamentoao convênio.O Convênio nº TT-109/05, firmado em 09/12/2005, teve o valor pactuado inicialmente em R$19.277.384,06, cujos preços foram orçados em referência ao SICRO II do mês de janeiro de2005.Em 20 de abril de 2006, foram firmados contratos com as empresas Construtora MeirellesMascarenhas Ltda., Tescon Engenharia Ltda. E Construtora Araújo Ltda., para a execução dosserviços de conservação e manutenção na BR-174/RR, no valor de R$ 21.856.344,24, com baseno SICRO II do mês de janeiro de 2006, que provocou um aumento de cerca de 13,38%.Quadro III: Orçamento básico x contratação das empresas - Convênio TT- 109/05. 0,0-118,5 118,5-261 (Vila 369-501,1 (Div AMRR/ SERVIÇOS do Equador - Rio (Caracaraí- TOTAL Vila Dias) Boa Vista) Equador) A- Orçamento Básico (SICRO II, fev-2005) 6.284.248,92 6.501.404,28 6.491.730,86 19.277.384,06 B- Contratação das empresas (SICRO II, jan-2006 7.208.248,56 7.422.587,90 7.225.507,78 21.856.344,24 Acréscimo (AB)/A*100 14,70% 14,17% 11,30% 13,38%Todavia, não foi pactuado termo aditivo ou apostilamento ao convênio autorizando os novospreços do projeto básico, ou seja, o acréscimo de R$ 2.578.960,18 ao valor inicial do contrato.Por força do art. 116 da Lei nº 8.666/93, que determina a aplicação subsidiária desta Lei aosconvênios, assim, quaisquer alterações ou reajustes do convênio serão precedidos de termoaditivo ou apostilamento.Destarte, o Governo Estadual de Roraima efetuou reajuste financeiro ao convênio, no valor deR$2.578.960,18, sem o prévio apostilamento.""2.2.2 - Celebração de convênios originados de desdobramentos de serviços do mesmo projetobásico, implicando em superposições de serviços.Em 06/07/2005, por meio da Portaria nº 740, o DNIT aprovou o projeto básico de revitalizaçãoda BR-174/RR, com base no programa PIR IV, para a execução dos seguintes serviços:...Em relação ao desmembramento que originou os Convênios nºs TT-108/05 e TT-109/05, bemcomo a execução de seus serviços, constatou-se o seguinte:a) Houve divisão dos serviços de reparo localizados na pista de rolamento e acostamento, noentanto, foram mantidos os quantitativos do projeto inicial no Convênio nº TT/108/05, eacrescentados novos quantitativos ao Convênio nº TT-109/05, os quais poderiam sernormalmente acrescidos ao Convênio nº 108/05;b) Superposição dos serviços de canteiro, mobilização e Desmobilização, no valor de R$348.778,05;c) Pagamento de dois serviços de canteiro, mobilização e desmobilização a mesma empresaTescon Engenharia Ltda, que foi contratada tanto para os serviços de revitalização, como para os Página 43 de 253
  • 44. serviços de manutenção e conservação no trecho Vila do Equador (Km 118,5) a Rio Dias (km261), pelos valores:Convênio nº 109/05 - canteiro, mobilização e desmobilização, valor R$ 122.624,00Convênio nº 044/02 - canteiro, mobilização e desmobilização, valor R$ 747.967,17.d) Descontinuidade de execução de sub-trecho com problemas - Boa Vista (km 505,1) aPacaraima (km 719,9), em que foi contratada a empresa Tescon Engenharia Ltda tanto para osserviços de revitalização como de conservação e manutenção, gerando o impasse de qualcontrato seria realizado o pagamento dos serviços comuns de reparo de buracos existentes,podendo, potencialmente pagá-los pelos dois. Mesmo dilema para com os segmentos combastante buracos (km 0 ao km 118,5 e km 118,5 a km 245,2), o que fazer primeiro: a conserva edepois revitalizar ou somente os serviços da revitalização são necessários?...Destarte, o desmembramento dos serviços iniciais não tinha razão de ser, uma vez que produziudiversas dificuldades para determinar qual contrato executaria os serviços de reparos localizados,podendo ser realizado dois pagamentos para o mesmo serviço a uma mesma empresa, além deonerar o serviços de revitalização e conservação."Isto posto, no dia 21/03/2006, a Comissão Setorial de Licitação – CSL apresentou o resultado daclassificação referente ao julgamento das propostas de preços.Entretanto, por meio de análise comparativa das propostas de preços das empresas vencedoras,constatou-se falta de competitividade entre os concorrentes no certame licitatório, conformeverificado nos quadros IV, V e VI.Quadro IV: Comparativo dos preços ofertados no Lote IEmpresas classificadas: Construtora Meirelles Mascarenhas Ltda. e ASC Empreendimentos e Construções Ltda Página 44 de 253
  • 45. Destaca-se, ainda, que a variação percentual entre os totais das duas empresas resultou emaproximadamente 2,16% de diferença. Além desse fato, as propostas foram superiores em cercade 10% ao valor total orçado. Página 45 de 253
  • 46. Quadro V: Comparativo dos preços ofertados no Lote IIEmpresas classificadas: Tescon Engenharia Ltda. e Construtora Meirelles Mascarenhas Ltda. Página 46 de 253
  • 47. Destacamos, ainda, que a variação percentual entre os totais das duas empresas resultou emaproximadamente 0,5117% de diferença. Além desse fato, as propostas foram superiores cercade 8% ao valor total orçado.Quadro VI: Comparativo dos preços ofertados no Lote IIIEmpresas classificadas: Construtora Araújo Ltda. e Tescon Engenharia Ltda. Página 47 de 253
  • 48. Destacamos, ainda, que a variação percentual entre os totais das duas empresas resultou emaproximadamente 0,1% de diferença. Além desse fato, as propostas foram superiores em cercade 8% ao valor total orçado. Página 48 de 253
  • 49. Pelo exposto, em relação aos Lotes I, II e III, verificou-se ausência de concorrência entre oslicitantes com prejuízo ao princípio da proposta mais vantajosa para administração, conforme seinfere do Artigo 3º da Lei 8.666/1993. "Art. 3º A licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da isonomia e a selecionar a proposta mais vantajosa para a Administração e será processada e julgada em estrita conformidade com os princípios básicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e dos que lhes são correlatos. § 1º É vedado aos agentes públicos: I - admitir, prever, incluir ou tolerar, nos atos de convocação, cláusulas ou condições que comprometam, restrinjam ou frustrem o seu caráter competitivo e estabeleçam preferências ou distinções em razão da naturalidade, da sede ou domicílio dos licitantes ou de qualquer outra circunstância impertinente ou irrelevante para o específico objeto do contrato; II - ... § 2º ... I - ... II - ... III - ... § 3º A licitação não será sigilosa, sendo públicos e acessíveis ao público os atos de seu procedimento, salvo quanto ao conteúdo das propostas, até a respectiva abertura." (grifo nosso)Evidência:Proposta de preço da empresa Construtora Meirelles Mascarenhas Ltda (Processo 789 - Fls 601 a613)Proposta de preço da empresa Tescon Engenharia Ltda. (Processo 789 - Fls 629 a 644)Proposta de preço da empresa Construtora Araújo Ltda. (Processo 789 - Fls 657 a 664)Ata de Classificação. (Processo 789 - Fls 711 a 713)Manifestação da Unidade Examinada:Por meio do Ofício GAB/SEINF Nº 090/2009, de 02/02/2009, o Governo do Estado de Roraima,por meio do Secretário de Estado Infraestrutura, apresentou os seguintes esclarecimentos:"Esclarecimentos: A referida licitação obedeceu rigorosamente o disposto no art. 21, inciso I aIII, §1º; Art. 22, §2º da Lei 8.666/93 e suas alterações. Ademais, o certame licitatório atendeuaos princípios da isonomia, da seleção da proposta mais vantajosa à Administração Pública, daimpessoalidade, da publicidade, da probidade administrativa e da vinculação ao instrumentoconvocatório, entre outros previstos no Art. 3º da referida lei, como também a sequência dosprocedimentos nas licitações para a execução de obras (projeto básico, projeto executivo eexecução das obras), bem como o cumprimento de cada etapa após a conclusão e aprovação pelaautoridade administrativa das fases anteriores, de conformidade com art. 7º; em outras palavrasrestou atendido o devido processo licitatório.Vale ressaltar, também, que em todos os certames licitatórios os participantes adquirem oorçamento detalhado em planilha que expressam todos os custos unitários, conforme Art. 7º,parágrafo 2º, inciso II da citada lei.Nessa linha, a Administração Pública cumpriu todas as etapas/fases exigidas conforme a lei,como pode ser constatada por esta Controladoria através dos processos, estandoadministrativamente o certame licitatório dentro da legalidade, a Administração Pública semprepermaneceu equidistante das empresas quanto a seus preços, composições, percentuais, LDI,etc., mantendo a publicidade dos atos e não interferindo nas propostas nem se responsabilizandopelas empresas quanto ao seu conteúdo. Página 49 de 253
  • 50. Dito isso, não se verifica conluio ou entre as empresas ou indícios de ausência do carátercompetitivo das participantes.Com referência aos valores das propostas serem superiores aos valores orçados, isto não procede,uma vez que esta Controladoria tomou como referência duas datas base distintas, comparando ospreços de setembro de 2005 (orçamento SEINF) e os preços das empresas que tem como database janeiro de 2006, conforme solicitado no edital de Concorrência Pública nº 003/2006 de09/02/2006.Em anexo, planilha comparativa de preços do orçamento básico da SEINF tendo como referênciajaneiro de 2006 e os preços das empresas vencedoras também com data base janeiro de 2006,sendo o valor global da empresa vencedora menor que o valor global do orçamento básico.Além disso, como já dito anteriormente o órgão oferece a planilha de preços (valor), que atuacomo balizador para os participantes, que não podem oferecer valor maior do estabelecido peloórgão, sob pena de desclassificação, mas certamente pode ofertar preço igual ou menor,competido em igualdade de condições com as empresas interessadas.Em resumo, a Administração Pública seguiu rigorosamente a lei de licitações, atendendo osprincípios que regem o procedimento licitatório, notadamente a impessoalidade, a igualdadeentre as participantes e a publicidade dos atos.Dessa forma concluímos que por parte da Administração Pública em nem um momento houvequalquer tipo de conluio no processo licitatório, pois este está totalmente dentro da legalidade.A equipe de auditoria da Controladoria-Geral da União procurou demonstrar a ausência decaráter competitivo entre os licitantes, bem como possível conluio, por meio da análise daspropostas apresentadas pelas licitantes.Quanto ao comparativo de preços referente ao Lote I, observa que a empresa ASC não ofertounenhum preço unitário inferior aos preços do orçamento e aos da proposta da empresa CMM,além de existirem itens com preços iguais.Quanto ao Lote II, observa que a empresa CMM ofertou 11 itens que apresentavam os mesmosvalores dos itens da empresa Tescon.Quanto ao lote III, observa que com exceção de cinco itens, todos os demais apresentaram preçosunitários iguais entre as propostas das duas concorrentes: Araújo e Tescon.Além disso, ressalta que as situações descritas são improváveis de acontecer em certames cujosigilo das propostas seja mantido entre os concorrentes, o que demonstra o indício de conluio.Por fim, a equipe de auditoria ressalta que cada lote apresentava apenas duas empresas paraconcorrerem entre si e nenhuma delas apresentou proposta para os três lotes, de modo que paracada lote venceu uma empresa diferente.Entretanto, os elementos apresentados por equipe de auditoria da Controladoria-Geral da Uniãonão são suficientes para comprovar a prática de conluio e a ausência de caráter competitivo.A Jurisprudência do TCU firmou entendimento no sentido de que se faz necessária a presença deelementos probatórios consistentes para responsabilização das empresas licitantes pela prática detão graves ilegalidades. Página 50 de 253
  • 51. Os precedentes são objetivos ao afirmar que proximidade de preço entre as propostas e entreessas e o valor orçado pela administração e participação de apenas duas empresas no certame,nem mesmo se aliados a outros fatores como exigência editalícia de caráter restritivo e reduçãoquantitativa de preços, são suficientes para caracterizar a possível prática de conluio e afrustração do caráter competitivo do certame.Nesse sentido:"40. À insuficiência de elementos probantes da eventual formação de conluio entre os doisúnicos licitantes que efetivamente "disputaram" entre si nas Concorrências 76/2005 e 78/2005,não obstante a incisiva asserção, verificada no relatório de auditoria elaborado pela equipetécnica da Secex/MA, de que as empresas contratadas em um e outro certame, aproveitando-sede sua condição de únicas licitantes hábeis à superação de todas as exigências habilitatórias,poderiam ter combinado previamente os preços, objetivando frustrar o caráter competitivo dalicitação e executar contratos distintos, a preços bem próximos dos estimados, consignei oseguinte, por ocasião do Acórdão 1.372/2007 - Plenário.(...)42. Desta feita, reconhece a unidade técnica não haver elementos suficientes para atribuir àslicitantes, com segurança, prática de tão grave ilegalidade. Com efeito, combinações de preços jáforam punidas anteriormente por este Tribunal quando, além dos indícios de escalonamentolinear dos preços constantes das propostas das licitantes, ou da aplicação de descontosobedecendo a um padrão numérico ou percentual, bem próximos aos limites estabelecidos noorçamento da licitação, foram encontrados outros que corroborassem o indício de conluio, como,por exemplo, a verificação conjunta de outros elementos tais como a elaboração de propostasobedecendo a um mesmo padrão gráfico, mesma assinatura, mesmo número de fax, endereço outelefone de contato, ou ainda correspondência de sócios, coligações informais entre empresas,etc., como tantas vezes já se deparou este Tribunal em outras oportunidades, só para citar algunselementos ilustrativos, o que de fato não se cogitou nestes autos.43. Assim, considerando os limites de atuação desta Corte e as prerrogativas indicadas na LeiOrgânica, torna-se forçoso reconhecer que a única penalidade possível de ser infligida àsempresas, por parte deste Tribunal, seria aquela a que se refere o art. 46 da Lei 8.443/1992,correspondente à declaração de inidoneidade do licitante, a qual somente pode ser aplicada severificada a ocorrência de fraude comprovada à licitação. Embora além da proximidade dospreços entre as propostas e entre essas e o valor orçado pela Administração, outros fatores, comoa presença de exigência editalícia de caráter restritivo, e, especialmente, a redução dequantitativos de serviços, contribuam ainda mais para a conclusão acerca do direcionamento dalicitação a essas empresas, é de se reconhecer que esses indícios não são, ainda, suficientes paraque haja a aplicação da sanção prevista no referido dispositivo legal, porque não há elementossuficientes que sustentem a comprovação de fraude praticada por elas. (Acórdão 2638/2007 -Plenário, Ata 51/2007, Sessão 05/12/2007, Aprovação 10/12/2007, DOU 11/12/2007, TC014.936/2007-1, Rel. Min. Augusto Sherman)."E ainda, "Em relação à proposta de envio de cópia de documentação referente ao item 3.11 dainstrução transcrita no relatório ao Ministério Público Federal, considero que os indícios deconluio não são consistentes o suficiente para tal providência. O conluio poderia estarcaracterizada se as duas empresas houvessem participado do certame para ajudar a compor onúmero mínimo de três participantes, com o ajuste prévio de preços, como tal não ocorreu, creioque os mencionados indícios não induzem a prática de tal irregularidade.(Acórdão 166/2005 –Segunda Câmara, Ata 05/2005, Sessão 17/02/2005, Aprovação 01/03/2005, DOU 02/03/2005,TC 003.272/2002-0, Rel. Min. Lincoln Magalhães Rocha)."Além de tudo que já foi dito acima esclarecemos ainda: Página 51 de 253
  • 52. Sem entrar no mérito quanto à existência ou não de quebra de sigilo no processo licitatório emquestão, visto tratar-se de juízo cuja formação deve estar sustentada por bases consistentes econclusivas, cumpre-se aqui, a enumeração de aspectos que demonstram a possibilidade deocorrer as coincidências observadas nos preços unitários ofertadas por duas concorrentes, asaber:1) A obra em questão, trata-se de serviços típicos de manutenção de rodovias, especificamentena BR-174/RR, em plena região amazônica. As condições de trabalho, graças às questõesclimáticas e de logísticas impõem dificuldades que minimizam o interesse por parte dasempresas e consequentemente reduz o número de concorrentes na licitação.2) Tem sido observado, que essas empresas que participam de licitação dessa natureza, na região,não se aventuram em ofertar preços muito defasados do orçamento oficial publicado no edital, nocaso em questão, verificou-se que para a maioria dos itens, foram ofertados preços unitários compequena variação em relação aos preços unitários constantes do orçamento referencial publicado.3) São disponibilizados os preços unitários referenciais, constante do orçamento oficial da obrae/ou serviço em licitação, nos quais todas as concorrentes se baseiam.4) Os concorrentes usualmente elaboram suas propostas, aplicando percentuais de variação nospreços unitários referenciais, obtendo-se assim seus preços propostos.5) Em contratos de manutenção como são os casos em análise, constam inúmeros serviços compreços unitários de baixos valores. Assim, ao aplicar pequenas variações percentuais em baixosvalores de preços unitários, o resultado não varia, tendo em vista as regras de truncamento dasoperações aritméticas com moeda.6) Para elucidar essa questão, preparou-se a tabela apresentada a seguir, simulando a variaçãopercentual de preços unitários ofertados em relação a preços unitários do orçamento referencialpublicado.Quadro 01 – Esclarecimentos Convênio 109 Faixa Variações percentuais em relação ao orçamento referencial publicado Probabilidade de de Preço 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1,0 Coincidência Unitário R$ 0,50 0,49 0,49 0,49 0,49 0,49 0,49 0,49 0,49 0,49 0,49 100% R$ 1,00 0,99 0,99 0,99 0,99 0,99 0,99 0,99 0,99 0,99 0,99 100% R$ 1,50 1,49 1,49 1,49 1,49 1,49 1,49 1,48 1,48 1,48 1,48 50% R$ 2,00 1,99 1,99 1,99 1,99 1,99 1,98 1,98 1,98 1,98 1,98 50%7) Conclui-se então, que em decorrência da regra de truncamento, duas empresas podem aplicardiferentes percentuais de variação para obtenção do preço de determinado item de serviço, eainda assim, resultar no mesmo preço unitário proposto. Isto posto apenas para explicar em tese acoincidência entre determinados preços unitários propostos por mais de uma licitante,lembrando-se mais uma vez, que as hipóteses levantadas de quebra de sigilo acerca dos preçosofertados, entre as concorrentes, são matérias que fogem do domínio do DEIT/SEINF.Quanto ao fato de apenas duas empresas concorrerem para cada lote, a Lei de Licitações eContratos Administrativos (Lei 8.666/93) é clara no § 3º do art. 22, a seguir transcrito: § 3º Convite é a modalidade de licitação entre interessados do ramo pertinente ao seu objeto, cadastrados ou não, escolhidos e convidados em número mínimo de 3 (três) pela unidade administrativa, a qual afixará, em local apropriado, cópia do instrumento convocatório e o estenderá aos demais cadastrados na correspondente especialidade que manifestarem seu interesse com antecedência de até 24 (vinte e quatro) horas da apresentação das propostas.Logo, o legislador ordinário impôs número mínimo de participante tão somente à modalidadeconvite, isso em razão da publicidade exigida ser limitada à afixação do instrumentoconvocatório em local apropriado, além da emissão de convites a interessados previamentecadastrados. Página 52 de 253
  • 53. Quanto à modalidade concorrência, por ser esta a mais ampla possível e por ter seguido o Estadode Roraima os ditames legais de publicidade, leia-se: veiculação em Diário Oficial do Estado eda União, além de jornal de grande circulação, demonstra-se exagero o apontamento de ausênciade caráter competitivo, muito pelo contrário, pois se foi dado publicidade por meio de obediênciaao artigo 21 da Lei 8.666/93, logo infundado o relato apontado.Quanto ao conluio de empresas, exclui-se de qualquer participação ou condescendência o Estadode Roraima, uma vez que prima a Comissão Setorial de Licitação e os demais servidores daSecretaria de Infra-Estrutura pela realização transparente do torneio licitatório. Aliás, todas assessões de abertura de licitação são marcadas previamente, seguem obediência aos prazos legaismínimos exigidos de publicidade e divulgação dos avisos de edital, são veiculados em jornal degrande circulação, diários oficiais (Estado e União), bem como é dada oportunidade parainterposição de recursos e quando interpostos são julgados administrativamente e, ainda,sujeitam-se ao eventual crivo do Poder Judiciário.Ademais, toda a publicidade do aviso do edital e demais documentos pertinentes são ferramentasde controle e fiscalização, dos quais tomam ciência o Ministério Público, os órgãos de controleinterno e externo (Controladoria e Tribunal de Contas). Assim, simplesmente apontar formaçãode conluio sem justa causa ou indícios que possam justificar tal ocorrência é temerário numEstado de Direito que prima pela boa-fé, pela presunção de inocência e pela civilidade.Quanto à coincidência de valores proporcionalmente similares, embora possam vir a tentarmacular a higidez e a ilibada reputação de membros da Comissão de Licitação, deve-se justificartal similitude pela entrega do orçamento em meio físico e meio lógico (arquivo com planilha) aosinteressados, isso em atendimento ao princípio da publicidade e, ainda, no intuito de fomentar acompetitividade entre os interessados e, também, sem interferir no princípio do sigilo daspropostas que se aplica só e somente a partir do recebimento dos envelopes de propostas até ojulgamento, leia-se: é a única exceção do procedimento licitatório ao princípio da publicidade emrazão da própria lógica do certame licitatório.Disso, aproveitar os contratados a planilha de orçamento fornecida pela Comissão de Licitaçãopara nela lançarem sua proposta não pode interferir no julgamento objetivo e desclassificá-lassem previsão legal ou editalícia, como por exemplo: Serão desclassificadas propostas quepercentualmente coincidam com outra proposta é irrazoável e fogem ao bom senso, emboratenha sempre o Estado de Roraima se posicionado no sentido de evitar a classificação nessestermos.Contudo, até o suposto conluio apontado é frágil indício, pois como sustentar o conluio numamodalidade (concorrência) que bastaria e basta tão-somente uma proposta válida para legitimá-lacomo vencedora do certame? Derradeiramente, mostra-se inócua tal observação apontada."O Convenente ainda apresentou esclarecimentos pertinentes a fiscalizações anteriores:"Com relação à fiscalização por parte da CGU, conforme Relatório de Ação de Controle nº00190.000789/2006-11 sobre o que foi constatado esclarecemos:Item 2.1.1 - Atualização dos valores do projeto básico, sem o devido termo aditivo ouapostilamento ao convênio.O devido termo aditivo ao convênio de atualização dos preços, não tendo reflexo financeiro aoconvênio, pois se trata de atualização de valor, já foi devidamente assinado e publicado atravésdo 4º Termo Aditivo. Cópia em anexo. Página 53 de 253
  • 54. Item 2.2.2 - Celebração de convênios originados de desdobramentos de serviços do mesmoprojeto básico, implicando em superposição de serviços.A decisão de lavrar dois convênios, de Revitalização e de Conservação/manutenção se deve aofato de que já existiam nos segmentos entre Novo Paraíso (km 245,20) x Caracaraí (km 369,00)e Boa Vista (km 505,10) x Fronteira Brasil/Venezuela (km 719,90), contratos deconservação/manutenção em andamento com a Superintendência Regional do AM/RR, UT-012/04 e UT-03/04.Nos outros trechos resolveu-se também retirar os serviços de conservação/manutenção queconstavam somente no projeto de revitalização como verba sem quantidades e serviços definidosa serem executados.Então foi feito levantamento de campo com a real necessidade, à época, da rodovia para aelaboração do Plano Anual de Trabalho e Orçamento - PATO, quantificando e orçando osserviços a serem executados nos segmentos: Lote I - Div. AM/RR (km 0,00) x Vila do Equador(km 118,50); Lote II - Vila do Equador (km 118,50) x Novo Paraíso (km 245,20) e Lote III -Caracaraí (km 369,00) x Boa Vista (km 505,10) e celebrado o convênio TT-109/05 no valorinicial de R$ 19.277.384,06.Com relação ao desmembramento do Projeto Básico de Revitalização da BR-174/RR valeressaltar que não houve nenhum trecho com superposição de mesmo objeto e sim serviçossimilares como remendo profundo / reparos localizados nos contratos de revitalização econservação / manutenção.Observando que nunca houve pagamento de mesmo serviço simultaneamente nos dois contratos,como pode ser verificado pelos serviços atestados na medição dos mesmos.a) Os quantitativos do convênio TT-108/05 foram mantidos e foi feito um levantamento para aelaboração do PATO, que é estimado. Porém apenas são quantitativos, não significando queserão executados e, a medição, sem dúvida, é feita em cima de serviços efetivamente realizadosno campo. Não tendo nenhum tipo de dano ao erário uma vez que não foram pagos serviços nãoexecutados;b) Na elaboração da planilha orçamentária tanto dos serviços de revitalização como deconservação/manutenção foram orçados os serviços de canteiro de obra e mobilização/desmobilização, porém são dois serviços distintos como consta na planilha orçamentária:1 - Canteiro de obra;2 - Mobilização e desmobilização.Também foram realizadas licitações distintas para os serviços de revitalização e conservação.1 - Trecho: Div. AM/RR (km 0,00) x Vila do Equador (km 118,50)Análise do Controle Interno:Em relação aos esclarecimentos prestados pelo governo do Estado de Roraima, apresentamos oscomentários nos trechos seguintes.Quanto aos valores das propostas superiores aos valores orçados, não procede a afirmação doConvenente, pois o orçamento da obra deve constar no respectivo processo que servirá deparâmetro para análise das propostas. Trata-se, portanto, de informação que também compõe afase interna da licitação. Página 54 de 253
  • 55. A alegativa acerca da existência no edital de licitação não exclui a falha, visto que o Edital deConcorrência nº 003/2006, foi assinado no dia 09/02/2006 - abertura no dia 16/03/2006, ou seja,deveria constar no processo o orçamento tendo por base o mês de janeiro de 2006 e não aquelereferente ao mês de setembro de 2005, tendo em vista que havia tempo hábil para elaboração doreferido orçamento.Afirmou ainda que os elementos apresentados pela equipe de auditoria da Controladoria-Geralda União não são suficientes para comprovar a prática de suposto conluio e a ausência de carátercompetitivo, inferindo-se, portanto, a falta de elementos probatórios para caracterização dareferida constatação.Todavia, os elementos comprobatórios estão evidenciados no relatório por meio dos preçosofertados nas propostas. Portanto, não procede a afirmação do Convenente.Além da fundamentação citada no fato, destacamos ainda o Acórdão nº 3007/2006 - SegundaCâmara: "... 9.5.9.3.1. indícios de fraude e conluio em convites relativos à contratação de serviços de transporte escolar, durante os exercícios de 2005 e 2006, no âmbito do PNATE. Constatou-se que em cada um dos 14 processos licitatórios realizados na modalidade convite nos exercícios de 2005 e 2006, nenhum dos licitantes ofertou o preço mais vantajoso em mais de um item, ou seja, em cada um dos 14 certames, os vencedores lograram cotar o melhor preço em um item apenas. Tal fato, de probabilidade estatística remota, corrobora a hipótese de que em cada certame, provavelmente, cada um dos três licitantes convidados só cotou efetivamente para apenas um dos itens ofertados, por dispor de apenas um veículo próprio, o que por certo faz de cada certame licitatório mera peça de ficção pela possibilidade de conluio entre os participantes. Agravando o fato da inexistência de qualquer competição entre os licitantes, tal procedimento por certo permitiu o livre ajuste de preços entre os mesmos, afastando de cada um dos certames qualquer possibilidade de se obter os melhores preços para a administração. Sendo do conhecimento prévio do gestor tal condição, e com o propósito de assegurar o efetivo caráter competitivo da licitação, por certo seria prudente não restringir a apenas três os convidados a ofertar preço para os serviços, número mínimo que a lei estabelece. Forte evidência do procedimento fraudulento descrito é encontrada no Convite 46/2005, onde o licitante Bento Alves da Silva, mesmo ofertando menores preços nos dois itens do certame, aparece no mapa de apuração final como vencedor em apenas um deles;" (grifo nosso)Em relação à questão da quebra de sigilo das propostas, entendemos que se relaciona com aexistência de indício de formação de conluio, conforme demonstrado nos fatos. Dessa forma, nãoprocedem as afirmações do Convenente, tendo em vista que não haveria como manter o sigilo depropostas no caso de formação de conluio.Em relação aos itens 1 a 5 das justificativas, não verificamos elementos que pudessem elidir aconstatação. Quanto aos itens 6 e 7, apontamos a análise das justificativas transcrita a seguir:"O gestor concluiu que em decorrência da regra de truncamento das operações aritméticasapresentada acima, duas empresas podem aplicar diferentes percentuais de variação em cima dopreço da referência, e ainda assim, resultar no mesmo preço unitário proposto. Esta conclusãoestá completamente equivocada, pois ela cai em descrédito com o aumento dos custos unitários.A tabela acima descrita contém erros, pois se forem considerados os truncamentos com aplicaçãodo arredondamento até a segunda casa decimal, pois se referem a operações com moedas, tem-seque um custo unitário de R$ 0,50 permanece a mesmo com a variação dos percentuais de 0,1% a1,0% (R$ 0,50), de 1,1% a 3,0% (R$ 0,49), de 3,1% a 5,0% (R$ 0,48) e assim sucessivamente,ou seja, nota-se que em uma faixa de variação de porcentagem de 2% pode-se ter todos os 20custos unitários iguais, logo a probabilidade de coincidência será de 100% para os 20 percentuais Página 55 de 253
  • 56. aplicados das faixas consideradas. Da mesma forma para um custo unitário de R$ 1,00, estepermanece o mesmo com a variação dos percentuais de 0,1% a 0,5% (R$ 1,00), de 0,6% a 1,5%(R$ 0,99), de 1,6% a 2,5% (R$ 0,98) e assim sucessivamente, ou seja, nota-se que em uma faixade variação de porcentagem de 1% pode-se ter todos os 10 custos unitários iguais, logo aprobabilidade de coincidência será de 100% para os 10 percentuais aplicados das faixasconsideradas. Se o custo unitário for R$ 1,50, este permanece o mesmo com a variação dospercentuais de 0,1% a 0,3% (R$ 1,50), de 0,4% a 1,0% (R$ 1,49), de 1,1% a 1,6% (R$ 1,48) eassim sucessivamente, ou seja, nota-se que em uma faixa de variação de porcentagem de 0,7%pode-se ter todos os 7 valores iguais, logo a probabilidade de coincidência será de 70% para os10 percentuais aplicados das faixas consideradas. E no caso do último custo da tabela, R$ 2,00,este permanece o mesmo com a variação dos percentuais de 0,1% a 0,2% (R$ 2,00), de 0,3% a0,7% (R$ 1,99), de 0,8% a 1,2% (R$ 1,98) e assim sucessivamente, ou seja, nota-se que em umafaixa de variação de porcentagem de 0,5% pode-se ter todos os 5 valores iguais, logo aprobabilidade de coincidência será de 50% para os 10 percentuais aplicados das faixasconsideradas. Nota-se que quando o custo unitário dobra a probabilidade de coincidência caipara a metade, desta forma a probabilidade de coincidência para custos unitários R$ 4,00, R$8,00, R$ 16,00, R$ 32,00, será respectivamente 25%, 12,5%, 6,25% e 3,125%, ou seja, aprobabilidade do quadro acima é uma função que pode ser definida pela equação y = 100%/x,onde x é o custo unitário e y é a probabilidade de coincidência. Logo, se tivermos um custounitário de R$ 40,00 teremos uma probabilidade de coincidência de 2,5%. Além disso, essa regrade truncamento é aplicada sobre um valor já conhecido e na constatação foi dito que as propostasdas empresas possuem proporcionalidade entre si e não entre os custos da Administração. Dessaforma, mantém-se a constatação."Ressaltamos, que não basta apenas que haja publicidade da licitação para que o carátercompetitivo seja obedecido em sua plenitude. É fundamental que tenha ocorrido de fato acompetição entre os licitantes, ou seja, com o indício de formação de conluio não há como seafirmar, portanto, que houve competição entre os licitantes.O Convenente afirmou ainda a exclusão de qualquer participação ou condescendência do Estadode Roraima, tendo em vista a realização transparente da licitação. Entretanto, a Comissão deLicitação deteve a atribuição de julgamento das propostas e não observou a irregularidadeapontada. Além disso, em ocorrência de conluio, o processo licitatório torna-se viciadoprejudicando etapas tais como sigilo das propostas, competitividade, interposição de recursos,etc.Dessa forma, descabe a alegativa de que houve tentativa de "macular a higidez e a ilibadareputação de membros da Comissão de Licitação".Todavia, a Comissão de Licitação possui responsabilidade pelo julgamento dessa licitação queacarretou na classificação das licitantes sem observância das impropriedades apuradas.Não se trata também de mera desclassificação das empresas que apresentaram propostas comvalores percentualmente coincidentes. Mas, conforme detalhado no fato, de situação improvávelde acontecer sem que tenha ocorrido o suposto conluio dos licitantes que em situação verossímiltambém o TCU havia apurado.Não há fundamentação na afirmação de que não há como sustentar "o suposto conluio numamodalidade (concorrência) que bastaria e basta tão somente uma proposta válida para legitimá-la". Ressalta-se que não foi apenas uma empresa que participou do certame, conformedemonstrado no fato. Além disso, não há sentido lógico nessa afirmação, pois um conluio entre Página 56 de 253
  • 57. licitantes pode ocorrer em todas as modalidades de licitação. Dessa forma, a inocuidade daalegativa, esta sim, é evidente.Ressaltamos, entretanto, que os fatos apurados neste Relatório receberão julgamento peloTribunal de Contas da União que determinará a responsabilização ou não dos agentesresponsáveis. As demais justificativas não acrescentaram informações que pudessem elidir aconstatação. Destarte, pelas razões expostas, não aceitamos as justificativas apresentadas.b) CONTRATAÇÃO DA EMPRESA TECH MIXFato denunciado: “O dono da Tech Mix Serviços, Luiz Carlos Rodrigues da Cunha, negouqualquer irregularidade na contratação de sua empresa pelo Departamento Nacional deInfraestrutura de Transportes (Dnit) por R$ 18,9 milhões. Ele também afirmou que não hánenhuma ligação entre esse contrato e os acertos emergenciais fechados pela AlvoradaComercial e Serviços, empresa de sua mulher, com a Valec. "Ela tem o negócio dela e eu tenhoo meu", afirmou. Luiz Cunha contou que a decisão final de quem vai trabalhar na Tech Mixdentro do Dnit é do próprio órgão do governo. "Eu submeto os currículos aos órgãos, não temcomo. Eles vão decidir lá dentro quem vai trabalhar", afirmou. "A palavra final é do órgão, queescolhe o melhor currículo.” (Fonte: Estadão - estadao.com.br, em 18/7/2011)Conclusão CGU: Situação confirmada quanto à irregularidade da contratação. Tal situação estárelacionada a diversos problemas verificados pela CGU e pela Auditoria Interna do DNIT nacontratação e na execução do contrato da Tech Mix com a Autarquia.Trata-se de análise ao Processo nº 50600.005885/2010-22, relativo ao Pregão Eletrônico nº0387/2010-00, que originou o Contrato nº 1037/2010/DIREX/DNIT, no valor global de R$18.925.352,40, bem como ao Processo nº 50600.001288/2011-18, e seus anexos, relativo adenúncias apresentadas contra a empresa Tech Mix Comercial e Serviços Ltda, declaradavencedora do certame licitatório e contratada para execução do objeto pactuado, ambosencaminhados em resposta às Solicitações de Auditoria nº 201112110/25 e 201112110/27.O objeto do referido contrato mencionado no parágrafo anterior consiste na “prestação deserviços de suporte técnico e administrativo, de natureza continuada, em atividades meio,consideradas essenciais, conforme descrito em sua proposta de Edital, que fica fazendo parteintegrante e inseparável deste instrumento, com fornecimento de toda a mão-de-obra,necessários no edifício Sede do DNIT em Brasília/DF, no IPR-Instituto de PesquisasRodoviárias, localizado na Rodovia Presidente Dutra, Km 163 – Prédio do IPR – Vigário Geral– Rio de Janeiro e nas Superintendências Regionais, sendo que foi autorizado pela DiretoriaColegiada [...]”.Segundo consignado no Relatório elaborado pela equipe de auditoria do DNIT nº13/2011/AUDINT/DNIT, de 25/8/2011, encaminhado a esta CGU, “o referido procedimentolicitatório ocorreu de forma um tanto conturbada, a começar pela escolha da modalidade depregão. As impugnações e frequentes denúncias apresentadas, especialmente pela licitanteOrion Serviços e Eventos Ltda, não foram adequadamente apuradas, o que talvez a tenha levadoa apresentar denúncias em outras instâncias, como CGU/PR, MPF, DPF, inclusive na imprensa,com grandes prejuízos à imagem desta Autarquia”.Nesse sentido, serão apresentadas algumas das constatações relacionadas à contratação daempresa Tech Mix. Página 57 de 253
  • 58. CONSTATAÇÃO 008:INDÍCIOS DE FAVORECIMENTO NA GESTÃO DO CONTRATODa Análise ao Processo de contratação da empresa Tech Mix, detectou-se possível ocorrência defavorecimento, prática de nepotismo ou, de alguma forma, a utilização do Contrato nº1037/2010/DIREX/DNIT como meio de oferta de emprego para pessoas ligadas àDIREX/DNIT, dentre outros.A título de exemplo, registre-se a existência, no contrato, dos colaboradores Mônica BeatrizBorges Ferreira, assessora direta do Diretor Executivo, que atuou inclusive na contratação, e deseu irmão, Marcos Francisco de Jesus Borges, com prováveis outros parentes a serem apurados.Há também a contadora Ana Yukie Nakandakari Ishihara, indicada pelo Diretor Executivo, comprovável relação de parentesco com a Senhora Mieko Nakandakari, representante da empresaCIAMI Serviços Profissionais Ltda, responsável pela emissão de Atestado de CapacidadeTécnica, cuja autenticidade/idoneidade encontra-se sob investigação, conforme será abordado demaneira mais detalhada na sequência.Por fim, integra o rol de contratados o Senhor Guilherme Incerti Soares, provável parente dofiscal do contrato.Dadas as limitações de acesso a informações e ao reduzido prazo para solicitações externas, nãofoi possível avanços significativos nesse item.II.4 - DNIT – OUTRAS APURAÇÕES DA CGUII.4.1 - DNIT – O CASO DAS OBRAS DA BR-101/NEEmbora não conste no rol de obras citadas nas recentes denúncias, a obra da BR-101/NE foi aquiincluída pelo seu caráter emblemático, representativa que é da tipologia de problemas que serepetem em inúmeras obras do DNIT.A auditoria realizada no lote 7 da BR-101/NE é, sem dúvida, o caso que evidencia de forma maisclara como a combinação de fatores, a exemplo da existência de cláusulas restritivas no edital delicitação, o descaso com a confecção e a análise dos projetos de engenharia, a falência do modelode supervisão de obras e a conivência da fiscalização, podem representar prejuízos significativosao erário público, materializados pela medição de serviços não executados, pela necessidadeconstante de revisões de projeto em fase de obra com repercussão financeira, algumas das quaisresultantes de erros grosseiros de projeto e pela falta de qualidade dos serviços entregues.É possível relacionar as constatações deste trabalho às diversas fases da execução de umempreendimento rodoviário.A aprovação de um projeto executivo deficiente, com volumes de terraplanagem majoradosartificialmente em gabinete para inflar o orçamento, reforça a necessidade de acompanhamentocerrado da elaboração do projeto, incluindo as fases de prospecção de campo. A utilização deprojetos muito antigos, em estoque, sem a devida atualização, inclusive da geometria,inevitavelmente conduzirá a aditivos para adequação à nova realidade. Há deficiência noprocesso de análise e aprovação do projeto, seja por falta de softwares especializados, seja pelapressão do tempo ou pelas diminutas equipes e até mesmo, pela má fé dos responsáveis. Página 58 de 253
  • 59. A exigência de atestados tem se mostrado instrumento ineficaz de garantia da qualidade dasobras, sendo utilizada como recurso para a restrição ao caráter competitivo das concorrências edirecionamento dos certames. Na prática observa-se a terceirização dos serviços para os quaisforam exigidos atestados ou a baixa qualidade da execução destes serviços.Há uma promiscuidade entre empresas supervisoras, gerenciadoras e construtoras. Os recursospara controle tecnológico e os profissionais exigidos no certame não são mobilizados. Assupervisoras utilizam o laboratório da construtora, referendam medições de serviços inexistentese não verificam a qualidade dos serviços executados. As gerenciadoras, por sua vez, mostram-seincapazes para apontar riscos aos gestores, para produzir alertas tempestivos para os estouros decronograma e de orçamento e para assegurar o cumprimento das normas e especificaçõestécnicas. Este cenário só se materializa com a conivência dos fiscais do contrato e dossuperintendentes regionais, que não se furtam a assinar medições majoradas.O relato da auditoria do lote 7 da BR-101/NE expõe de maneira cabal todas as deficiênciasexistentes desde o processo de elaboração do projeto (contratação, acompanhamento, análise eaprovação) até o recebimento da obra. Não se trata de um caso isolado. Patologias de mesmanatureza têm sido observadas em outras fiscalizações da CGU, a exemplo do lote 2 do mesmoempreendimento, cujo processo encontra-se atualmente protegido por segredo de justiça.Esta fiscalização foi realizada no âmbito da Rede de Controle da Gestão Pública, em conjuntocom o Departamento de Polícia Federal - DPF, Ministério Público Federal - MPF e Tribunal deContas da União - TCU. O objeto fiscalizado compreende os serviços de restauração eduplicação do Lote 07 da BR-101 no Estado de Pernambuco, realizados sob a égide do contratoTT-252/2006, firmado entre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT eo Consórcio Construtor Queiroz Galvão/Odebrecht/Andrade Gutierrez/Barbosa Melo.A inspeção física in loco dos serviços de restauração e duplicação, realizada por equipe da CGU,se deu entre os dias 16/11/2009 e 27/11/2009, com a realização de testes laboratoriais paraaferição da qualidade de materiais e serviços, emprego de equipamentos de topografia GeoXRHe do equipamento Georadar pela Perícia da Polícia Federal, para aferição das quantidades deterraplenagem e avaliação da integridade do pavimento rígido.Tendo em vista que o principal objetivo da Rede de Controle é desenvolver ações direcionadas àfiscalização da gestão pública, ao diagnóstico e combate à corrupção, ao incentivo efortalecimento do controle social, ao compartilhamento de informações e documentos, aointercâmbio de experiências e à capacitação dos seus quadros, houve a utilização de LaudosTécnicos produzidos por peritos do MPF e da PF. Cabe ressaltar que os Laudos Técnicosproduzidos por peritos do DPF foram incorporados aos trabalhos da CGU, tendo em vista queaquele Departamento possuía softwares de aferição dos quantitativos de terraplenagem, estaçõestotais, além dos equipamentos de aferição não destrutiva para verificação das especificidades dasplacas de concreto do pavimento construído. A CGU, por força de seu limitado orçamento, aindanão dispõe de tais instrumentos de trabalho.O valor inicial do Contrato era de R$ 272.504.024,09 com data-base dezembro de 2005. Aassinatura do contrato ocorreu em 19/10/2006 e o início dos serviços em 20/10/2006. O prazoinicial para conclusão dos serviços era 07/03/2009. Contudo, esse contrato sofreu TermosAditivos estendendo prazo e aumentando o valor inicial.O prazo atual para conclusão dos serviços é 31/12/2011. O valor total dos Termos Aditivos éR$43.836.389,78, a preços de dezembro de 2005. Assim, o valor do contrato após todos osaditivos é de R$316.340.413,87, a preços iniciais. O total de reajustamentos decorrentes das Página 59 de 253
  • 60. prorrogações de prazos ocorridas é de R$39.736.908,69. Dessa forma, o valor atualizado gastonesse contrato é R$356.077.322,56 (Fonte: SIAC/DNIT).Preliminarmente, os apontamentos efetuados pela CGU serão apresentados de forma estratificadarelativamente às fases da contratação das obras em questão, quais sejam: elaboração/aprovaçãodo projeto, licitação, execução das obras, e acompanhamento do empreendimento.No que se refere à elaboração/aprovação do projeto executivo do empreendimento em questão,cabe destacar a constatação seguinte, identificada pela equipe de fiscalização destaControladoria-Geral da União – CGU.CONSTATAÇÃO 009:APROVAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DEFICIENTE, COM QUANTITATIVOS DESERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM SUPERESTIMADOS.O Projeto Executivo de Engenharia para Adequação de Capacidade e Restauração da RodoviaBR-101/PE/Corredor Nordeste – Lote 07 foi elaborado pela empresa JBR Engenharia Ltda -CNPJ 070.074.448/0001-35, por meio do contrato PG – 141/2001-00 firmado com o extintoDepartamento Nacional de Estrada de Rodagens - DNER em 18/10/2001, posteriormentetransferido para o DNIT mediante Termo de Transferência n° 018/2002. A sua aprovaçãoocorreu em 18/10/2004, conforme Portaria nº 1132 assinada pelo então Coordenador-Geral deDesenvolvimento e Projetos/DPP/DNIT, mediante delegação de competência pela Portaria n°609 de 02 de julho de 2004, do Diretor-Geral do DNIT.Após aprovação, o referido projeto executivo passou a integrar o edital de licitação n° 102/2006,cujo objeto é a contratação de empresa para execução de obras de duplicação, restauração eobras de arte especiais em diversos lotes da BR-101 na Região Nordeste, dentre os quais está oLote 07, localizado no estado de Pernambuco entre os quilômetros 104,6 e 148,5.A avaliação desse projeto executivo por esta Controladoria-Geral da União permitiu identificaras seguintes falhas graves:a) Erro de definição do traçado da rodovia duplicada no subsegmento da variante deRibeirão.Na variante de Ribeirão, o traçado adotado no projeto executivo aprovado passa dentro de umaçude da Companhia Pernambucana de Saneamento - COMPESA, cuja finalidade éarmazenamento de água para abastecer a cidade de Ribeirão.De acordo com o projeto executivo aprovado, a variante de Ribeirão inicia-se na estaca2200+6,80 e estende-se até a estaca 2382+0,40, localizando-se à esquerda (sentido Cabo-Ribeirão) do referido açude a partir da estaca 2300. Entre as estacas 2305 e 2312, a pista dadireita (sentido Cabo-Ribeirão) localiza-se dentro do açude, conforme folhas 66/67 do volume IIDes. 5.4.66 e Des 5.4.67 – Projeto Geométrico (vide Figura I seguinte). Página 60 de 253
  • 61. Figura I: Sobreposição de pista com manancial de abastecimento dágua da cidade de Ribeirão-PE. Desenho 5.4.66 do Projeto Geométrico Desenho 5.4.67 do Projeto GeométricoFonte: Projeto Executivo da obraOutra evidência da adoção desta alternativa de traçado pelo projeto executivo aprovadoencontra-se registrada no item 3.2.5 – Aspectos de Interesse para o Estudo Geotécnico, dovolume I – Relatório do Projeto e Documentos para a Licitação: Relatório do Projeto e Documentos para a Licitação – Vol. 1. [...] “Na variante de Ribeirão, a rodovia atravessa a extremidade de montante de um açude artificial. Foi detectada uma camada de argila mole, com espessura da ordem de 50 centímetros. A causa provável da deposição dessa argila é o assoreamento”. [...]Analisando-se os documentos da licitação 082/2001, referente à contratação de Consultoria paraelaboração de projeto executivo e supervisão da obra, é possível concluir que a empresaprojetista já tinha conhecimento da situação problemática do traçado na Variante de Ribeirãodesde a elaboração de sua proposta técnica, conforme consta no item 3.4.1 – característicasgeológicas desse documento: Proposta Técnica, item 3.4.1 – características geológicas: [...] “Na variante de Ribeirão, a rodovia atravessa a extremidade de montante de um açude artificial. Foi detectada uma camada de argila mole, com espessura da ordem de 2m. A causa provável da deposição dessa argila é o assoreamento”. [...]Apesar disso, não ponderou junto ao DNIT (DNER, na ocasião) acerca da inviabilidade destasolução, desconsiderando a destinação do citado açude ao abastecimento de água potável dacidade de Ribeirão.No âmbito do DNIT (DNER, na ocasião), o acompanhamento e a fiscalização dos projetos ficama cargo do órgão regional. Tal atribuição é exercida pelo Serviço de Engenharia de cada regionalda Autarquia, ao qual compete controlar e analisar os projetos, avaliando sua qualidade técnica erecomendando, ou não, sua aprovação. No caso do projeto executivo em tela, a aprovação Página 61 de 253
  • 62. definitiva ocorreu por meio da Coordenação-Geral de Desenvolvimento de Projetos, mediantedelegação de competência do Diretor-Geral da Autarquia.Após análise das cópias dos autos dos processos administrativos n° 51.140.005.941/2001-65 e n°50.604.000.126/2002-33, encaminhadas à equipe de fiscalização da CGU pelo SuperintendenteRegional do DNIT em Pernambuco, em resposta à SF nº 001/237418, não foram encontradasmanifestações das áreas competentes do DNIT (DNER em extinção na ocasião) tratando daquestão em comento.Às folhas 499 a 506 do processo n° 51.140.005.941/2001-65 consta o Ofício n° 015/2002, de28/01/2002, do Eng° Chefe da Res. 4/5, encaminhando ao Chefe do Sv. E. R. / 4° DRF, a 2ªmedição parcial do contrato PG 141/2001-00, referente à “Aprovação do Relatório deAndamento 01 (Fase I) - Serviços de Consultoria para Elaboração do Projeto Executivo deAdequação da Capacidade da BR-101/PE, trecho: Entr. PE-064/085 (Ribeirão), segmento: km104,6 – km 148,5” no valor de R$ 165.546,52. Neste documento consta o atesto do Chefe daResidência 4/5, sem qualquer ponderação sobre a problemática aqui relatada.Da mesma forma, em relação à terceira medição parcial, que se refere ao relatório decomplementação da Fase preliminar, o Eng° Chefe da Res. 4/5, certificou que os serviçosconstantes da nota fiscal n° 804 “foram efetuados de acordo com as normas de projeto eespecificações do DNER (à época). Com base neste atesto, foi elaborado pelo servidor deMatrícula 41758-0, Parecer, datado de 01/03/2002, recomendando a aprovação do citadorelatório (fls. 531 e 532).Nesse Parecer consta o rol de serviços realizados pela consultora no período, dentre eles osestudos de traçado e estudos ambientais. No entanto, não há comentário sobre o problema dotraçado na variante de Ribeirão. Ao contrário, o citado parecer afirma que o “Relatório deComplementação foi elaborado de acordo coma as instruções em vigor no DNER...”Em parecer assentado às folhas 544 a 545 do processo n° 51.140.005.941/2001-65, o Chefe doServiço de Inventariança do DNER/PE, trata do Relatório de Andamento do Projeto Executivodo Lote 07, cujo escopo é apresentar os trabalhos desenvolvidos pela Consultora para obtençãodos elementos de campo pertinentes a fase de elaboração do projeto executivo e soluçõesrecomendadas. No que se refere à etapa denominada de Estudos Topográficos, o referido parecerlimitou-se a mencionar que o relatório de andamento apresentou informações sobre “concepçãobásica do projeto (traçado)”, sem desenvolver qualquer análise dessas informações. Na etapaespecífica denominada Anteprojeto Geométrico, o citado parecer faz menção ao “estudo detraçado”, entretanto, tal documento não consta da documentação apresentada à equipe defiscalização da CGU. Nesse aspecto, o parecer limita-se a descrever o conteúdo do relatório,mencionando que integra o anteprojeto geométrico planta na escala de 1:5000 onde estãorepresentadas: “as características técnicas ao longo do trecho; as soluções nas passagens dospontos críticos e nas interseções, retornos, acessos e travessias urbanas; as ocupações das faixasde domínio e travessias urbanas.”Às folhas 550 a 551 do processo n° 51.140.005.941/2001-65 consta parecer sobre Relatório deAndamento 01 do projeto executivo, onde o substituto do Chefe do Serviço de Engenharia do 4ºDFR/PE, afirma que o referido relatório foi elaborado de acordo com as instruções em vigor noextinto DNER. No item 2 - Estudo Topográfico, o parecer limita-se a informar que “foramdefinidos a linha diretriz do traçado e seções transversais, com poligonal altimétrica de distânciamáxima de 2m”, sem tecer qualquer comentário sobre análise de alternativa de traçado. Todavia,convém registrar que essa análise deve integrar o corpo do Relatório de Andamento 01apresentado pela consultora, conforme item 3.1 do Escopo Básico 102 das Diretrizes Básicas Página 62 de 253
  • 63. para a Elaboração de Estudos e Projetos Rodoviários (1999), documento que vincula ocontratado durante a elaboração do projeto executivo em tela, conforme Termo de Referênciaanexo ao edital de licitação, e, consequentemente, a Administração no que concerne à análise docitado Relatório.Esse mesmo Termo de Referência cita também o Escopo Básico 108 (EB-108) das DiretrizesBásicas para a Elaboração de Estudos e Projetos Rodoviários (1999) como norma a serrespeitada durante a elaboração do projeto em comento. Esse EB-108 trata das regras a seremseguidas na elaboração de projeto de engenharia de duplicação de rodovia. Segundo o citadoescopo básico, os Estudos de Alternativas de Traçado devem seguir as instruções de serviço IS-207, IS-231 e IS-246.A instrução de serviço IS-246 trata do componente ambiental do projeto de engenhariarodoviária. De acordo com item 3.1.2 desta Instrução de Serviço, durante os levantamentosambientais, “deve ser dispensada atenção especial às Indicações Particulares fornecidas pelosÓrgãos Executivos Regionais do DNER, às interferências com áreas urbanas e Unidades deConservação e, em particular, aos mananciais destinados ao consumo humano, em face depossibilidade de sinistros envolvendo transporte rodoviário de produtos perigosos”.Apesar das exigências normativas acima citadas, não consta na documentação apresentada àequipe de fiscalização da CGU, nem mesmo no projeto executivo em tela, qualquer discussão ouponderação, ou justificativa, seja pelos órgãos competentes do então DNER ou do DNIT, sejapela própria projetista, sobre a alternativa de traçado adotada para a Variante de Ribeirão.Iniciada a obra, esta solução de traçado da variante de Ribeirão foi considerada inexequível, detal forma que, em revisão de outubro de 2007, o traçado deste subsegmento foi deslocado para adireita do referido açude, evitando a sua interceptação. Tal modificação resultou em significativaalteração das quantidades de terraplenagem previstas inicialmente na fase da licitação da obra,ocasionando expressivo reflexo financeiro ao Contrato TT-252/2006-00 da BR-101/PE.Na proposta de revisão do traçado, o Consórcio Construtor menciona a provável justificativapara o problema aqui relatado nos seguintes termos: Carta DC.:-BR101 nº 048/2007 [...] “Tal situação decorre da adoção, na atualidade, do traçado previsto inicialmente pelo 1º projeto elaborado para aquela variante, ressaltando que este primeiro projeto apenas previa a implantação de uma pista, enquanto na atualidade o projeto contempla a implantação de duas pistas.” [...]Essa justificativa indica que a Empresa JBR Engenharia Ltda., quando da elaboração do projetoexecutivo do lote 07 em 2001, no segmento da Variante de Ribeirão, limitou-se a utilizar oslevantamentos de campo feitos na elaboração do projeto básico dessa variante em 1976 pelaconsultora ASTEP, abstendo-se de realizar novos levantamentos que identificassem asinterferências com o novo traçado em pista dupla. Vale destacar que esses levantamentos decampo estão inseridos no escopo do contrato PG-141/2001-00 de elaboração do projetoexecutivo em tela e foram pagos pela Administração. Página 63 de 253
  • 64. Segundo Relatório de Análise da 1ª Revisão em Fase de Obras, assinado pelo Fiscal de ContratoDNIT/PE TT – 252/2006-00 da BR 101/PE, essa alteração gerou expressivo reflexo financeiroao contrato, como a seguir transcrito: Relatório de Análise da 1ª Revisão em Fase de Obras [...] “essa alteração, decorrente de indispensáveis adequações do traçado da Variante de Ribeirão (terreno de topografia acidentada) para preservação do manancial de abastecimento dágua da cidade”, provocou os seguintes acréscimos: R$11.798.365,63 nos serviços Escavação, carga e transporte material 1ª categoria (itens 1.4.1 a 1.4.15); R$840.386,55 no serviço de compactação de aterro a 95% do PN (item 1.9); R$ 463.239,47 compactação de material para bota-fora (item 1.11).” [...]Acerca desse fato, convém destacar manifestação de servidor em Parecer Técnico n° 207/07/01-207 (CGCONT), de 29/11/2007, emitido em sede da 1ª Revisão de Projeto em Fase de obra: [...] “conforme apresentado no relatório dessa revisão, o traçado da rodovia previsto no projeto executivo aprovado está parcialmente locado sobre um lago existente entre as estacas 2310 e 2340...” “Salienta-se, aqui, que na visão deste analista houve grave deficiência na elaboração do projeto executivo já que não foi verificada, em campo, a sobreposição do traçado da rodovia com o lago existente.” [...]Portanto, o projeto executivo aprovado pelo DNIT e utilizado para elaboração da planilhaorçamentária de referência da licitação contemplou solução inexequível, o que ensejoumodificação significativa e imprescindível de concepção após iniciada a obra. Nesse sentido, oprojeto executivo foi aprovado sem conter os elementos necessários e suficientes à completaexecução da obra, caracterizando, assim, infringência ao Art 6°, X da Lei 8.666/1993.b) Estudo de estabilidade de taludes de corte incorreto, gerando solução técnicainadequada e potencializadora do risco de ruptura, negligenciando o requisito segurança.No item 4.2.5.3 do Vol I – Relatório do Projeto e Documentos para Licitação  do ProjetoExecutivo aprovado pelo DNIT, consta o estudo de estabilidade dos taludes de corte darodovia. Neste estudo, conforme expressamente informado no segundo parágrafo, “foramutilizados os dados constantes de projeto executivo elaborado pela ASTEP no ano de 1976”.No terceiro parágrafo, a JBR Engenharia faz referência à metodologia adotada pela ASTEP em1976, conforme transcrição a seguir: Item 4.2.5.3 do Volume I do Projeto Executivo do Lote 07 [...] “Na ocasião, ela selecionou alguns cortes problemáticos e realizou ensaios de granulometria por peneiramento e sedimentação, cizalhamento para determinação dos ângulos de atrito e das coesões, densidades in situ, umidades naturais e densidades reais dos grãos.” Página 64 de 253
  • 65. [...]Em seguida, apresenta tabela com os parâmetros geotécnicos adotados em sua análise, sendo elesos mesmos usados no projeto executivo da ASTEP de 1976, conforme Quadro I a seguir.Quadro I: Parâmetros geotécnicos de 1976 usados na análise de estabilidade de taludesA partir desses dados, foram obtidas as médias dos parâmetros ângulo de atrito interno, coesão epeso específico, sendo esses valores médios usados na análise de estabilidade feita pelo métodode Bishop e Morgnstern, conforme Quadro II abaixo:Quadro II: Alternativas estudadas pela JBR Engenharia Ltda.Os resultados obtidos na análise de estabilidade de taludes feita pela JBR são apresentados noQuadro III abaixo, extraído do texto do vol. 1 item 4.2.5.3 do projeto executivo em comento.A partir destes resultados, a projetista JBR Engenharia LTDA define a solução para os taludes decorte afirmando o seguinte: [...] “para os dados utilizados, a estabilidade dos taludes estará garantida se adotado: · Taludes de 45° ou 1(V):1(H); · Altura vertical máxima do talude de 8,0 metros. A partir daí, serão escalonados a cada 8,0 metros, através de bermas de equilíbrio com largura de 3,0 metros e inclinação transversal de 5% voltada para o seu interior.” [...] Página 65 de 253
  • 66. Quadro III: Resultados da análise de estabilidade de taludes obtidos pela JBR Engenharia Ltda. Fonte: Projeto Executivo da obraEssa solução foi executada no âmbito do Contrato TT-252/2006-00 da BR-101/PE Lote 7, aindavigente, mas já se mostrou inadequada tecnicamente. Em inspeção de campo realizada por fiscaisda CGU, entre 17/11/2009 e 26/11/2009, foram verificados diversos locais onde taludes de corteassim executados já romperam, ocasionando deslizamento em cunha do maciço, tipologia deruptura característica de deficiências na análise de estabilidade.De fato, o exame mais detalhado do estudo de estabilidade de taludes, adotado no projetoexecutivo, denuncia várias fragilidades comprometedoras dos resultados obtidos e, porconseguinte, da solução adotada.A primeira fragilidade encontrada é a adoção de valores médios dos parâmetros geotécnicosobtidos há 28 anos, em projeto executivo elaborado por outra consultora, qual seja ASTEPEngenharia Ltda. Parâmetros como umidade natural do solo, coesão e ângulo de atrito,determinantes das soluções de estabilidade dos taludes, sofrem variações em função dascondições climáticas e de confinamento , não sendo razoável a adoção de resultados de ensaiosde 1976 em projeto executivo de 2004. A consultora JBR Engenharia Ltda deveria ter feito osensaios para obtenção dos parâmetros geotécnicos necessários à correta definição dos taludes decorte.Avaliando os resultados da caracterização dos materiais dos cortes da duplicação, apresentadosno Volume 3B-Estudos Geotécnicos do projeto executivo da JBR (2004), constata-sepredominância de solos silto-argilosos ou argilo-siltosos. De 81 pontos em corte caracterizados,apenas 15 foram classificados como areia silto-argilosa ou areia argilo-siltosa. Além disso,resultados de caracterização de solos próximos às estacas onde se localizam os materiaisensaiados pela ASTEP em 1976, mostram que, exceto em relação às ocorrências próximas àsestacas 253 e 255,os materiais são classificados como argilas ou siltes cujos percentuaispassantes na peneira n°200 é superior a 50%. Apesar disso, o valor médio do ângulo de atritoadotado no estudo de estabilidade dos taludes de corte é 32°, ângulo de atrito típico de solosarenosos. Logo, a análise se baseou em parâmetro de resistência superior à condição verificadaem campo pelos estudos geotécnicos, o que é contra a segurança. Página 66 de 253
  • 67. Figura II: Ábacos usados pela JBR para obtenção de m e n.Outra fragilidade importante, determinante para obtenção de fatores de segurança equivocados, éa adoção de coeficientes de estabilidade do método Bishop e Morgnstern, m e n, incoerentes comos dados de entrada considerados no estudo da JBR. Esses coeficientes são obtidos a partir deábacos de Bishop e Morgnstern e variam em função do ângulo de inclinação do talude, ângulode atrito do solo, relação c/γh e parâmetro de profundidade Df.Uma evidência clara desse fato é que os ábacos usados para obtenção dos coeficientes m e n(Figura II acima), integrante do texto do projeto executivo da JBR (item 4.2.5.3 Vol I), nãocontêm, no eixo das abscissas, os ângulos de inclinação 1(H):1(V) e 1,5(H):1(V), consideradosnas alternativas estudadas e, no caso do talude 1:1, adotado como solução de talude estável pelaprojetista. Tais ábacos trazem as inclinações 2(H):1(V), 2,5:1, 3:1, 3,5:1, 4:1, 4,5:1, 5:1.Consequentemente, os valores de m e n adotados são superiores aos que deveriam serconsiderados, por se referirem a taludes mais abatidos, isto é, mais estáveis, gerando fatores desegurança superiores aos obtidos para os taludes de 1(H):1(V) e 1,5(H):1(V). Página 67 de 253
  • 68. Em face das fragilidades verificadas, a equipe de fiscalização da CGU realizou o cálculo dosfatores de segurança FS pelo método de Bishop e Morgenstern usando os mesmos dados deentrada adotados pela JBR Engenharia Ltda e ábacos do referido método que contenham asinclinações de talude 1:1 e 1,5:1, estudados na análise da projetista. Os resultados obtidos estãoapresentados no Quadro IV seguinte. Para facilitar obtenção dos parâmetros m e n, adotou-se oângulo de atrito de 35° para o qual já existem valores tabelados de tais coeficientes.Quadro IV: Cálculo dos Fatores de Segurança. Peso Ângulo de Distânci Fator de Número de Ângulo de específic Coeficiente de Coeficiente de Fator de inclinação a Poro-pressão Profundida Estabilid Atrito o Proporcionalidade Estabilidade Segurança do talude Vertical de ade aparenteAltern ativa i cotgi h (m) u (t/m²) Ǿ (o) Y (t/m3) Df C/YH Tu Tne m n SEstuda da I 1:1 1 8 2,4 35 1,38 1 0,0250 0,22 >0,80 1,138 1,440 0,82 1 0,0500 0,22 0,63 1,378 1,492 1,05 1,25 0,0250 0,22 - 1,899 1,990 1,46 1,25 0,0500 0,22 >0,80 2,077 2,018 1,63 1,5 0,0500 0,22 - 2,710 2,592 2,14 II 1:1 1 10 2,4 35 1,38 1 0,0250 0,17 >0,80 1,138 1,440 0,89 1 0,0500 0,17 0,63 1,378 1,492 1,12 1,25 0,0250 0,17 - 1,899 1,990 1,56 1,25 0,0500 0,17 >0,80 2,077 2,018 1,73 1,5 0,0500 0,17 - 2,710 2,592 2,27 III 1:1,5 1,5 8 2,4 35 1,38 1 0,0250 0,22 0,62 1,498 1,601 1,15 1 0,0500 0,22 0,19 1,771 1,678 1,40 1,25 0,0250 0,22 - 2,077 2,064 1,62 1,25 0,0500 0,22 >0,80 2,270 2,109 1,81 1,5 0,0500 0,22 - 2,855 2,722 2,26 IV 1:1,5 1,5 10 2,4 35 1,38 1 0,0250 0,17 0,62 1,498 1,601 1,23 1 0,0500 0,17 0,19 1,771 1,678 1,49 1,25 0,0250 0,17 - 2,077 2,064 1,73 1,25 0,0500 0,17 >0,80 2,270 2,109 1,91 1,5 0,0500 0,17 - 2,855 2,722 2,39Notas: 1) Tu = u 3) condição para estabilidade de um talude Smin>Srequerido>1,5 yH 2) S = M-nTu 4) Ao menor valor do coeficiente de segurança corresponderá a superfície crítica de deslizamentoFonte: DITRA/SFC/CGUEsses resultados confirmam a deficiência da análise de estabilidade de taludes que norteou asolução para os taludes de corte adotada no projeto executivo do lote 7. De fato, os coeficientesde estabilidade m e n que deveriam ser adotados são bastante inferiores aos considerados pelaJBR em sua análise. Consequentemente, os fatores de segurança para todas as alternativasestudadas são significativamente menores aos obtidos pela JBR, inclusive denunciando situaçãode instabilidade para solução adotada.Pelo Método de Bishop e Morgenstern, a condição para estabilidade de um talude é o menorfator de segurança ser maior ou igual a 1,5. Os fatores de segurança obtidos pela JBR sãosuperiores a 1,5 para todas as alternativas analisadas. Contudo, na análise feita por equipe defiscalização da CGU, para cada alternativa estudada, pelo menos um fator de segurança obtido éinferior a 1,5, indicando possibilidade de ocorrência de ruptura para todas as alternativasestudadas. No caso específico da alternativa I, adotada como solução pela JBR, o menor FS é1,582, indicando estabilidade. No entanto, o valor obtido pela equipe de fiscalização da CGU é0,820, indicativo de ruptura.Portanto, fica caracterizada a desídia por parte da projetista JBR Engenharia Ltda e a omissão daárea do DNER/DNIT, responsável pela análise e aprovação do projeto executivo em comento,por permitir estudo de estabilidade de taludes de corte com dados defasados e inadequados, o Página 68 de 253
  • 69. qual culminou em solução técnica que não contemplou o requisito de segurança exigido peloinciso I do Art. 12 da lei 8.666/93.c) Mapas de cubação com volumes de corte superiores ao necessário para completaexecução dos cortes da obra.O Projeto Executivo do Lote 07 da BR 101/PE, que serviu de base para elaboração do orçamentode referência da Concorrência nº 102/2006-00, tem as quantidades dos serviços de “escavação,carga e transporte” (ECTs) superestimadas.De acordo com o Laudo de Perícia Criminal Federal nº 824/2011-INC/DITEC/DPF, de 28 deabril de 2011, o quantitativo total dos serviços de escavação, carga e transporte, obtido a partir domapa de cubação original do projeto executivo em comento, é 24,5% superior ao volume decorte calculado pela perícia a partir do projeto geométrico do Lote 07.O mapa de cubação é o documento no qual são calculadas as quantidades dos serviços deterraplenagem, mais precisamente os volumes de corte, aterros e bota-foras. É obtido a partir desoftwares específicos que processam dados de topografia representativos do terreno natural eprojeto geométrico de um determinado segmento de rodovia.O mapa de cubação é a fonte das quantidades dos serviços de terraplenagem integrantes daplanilha orçamentária da licitação. Dessa forma, se o quantitativo total de ECT estásuperestimado no mapa de cubação em relação ao projeto geométrico, seguramente asquantidades licitadas desses serviços são superiores às necessárias, gerando um elevadopotencial de dano ao erário durante a execução da obra.No caso do Lote 07 da BR 101/PE, foi comprovado pelo referido laudo pericial que a autora doProjeto Executivo, JBR Engenharia Ltda., superestimou os volumes de corte no mapa decubação. Segundo a perícia, o volume total de corte era aproximadamente 300 mil metroscúbicos superior ao volume total de corte necessário para a execução completa do projeto,mesmo após todos os acréscimos decorrentes das revisões ocorridas.Evidências:Projeto Executivo de Engenharia para Adequação de Capacidade e Restauração do Lote 7 da BR101/PE.Portaria nº 1132 CGDESP/DPP/DNIT, de 18/10/2004.Processos administrativos N° 51.140.005.941/2001-65 e n° 50.604.000.126/2002-33.Contrato PG – 141/2001-00;Edital de licitação nº 082/2001;Escopo Básico 108 (EB-108) das Diretrizes Básicas para a Elaboração de Estudos e ProjetosRodoviários (1999);IS-246 componente ambiental do projeto de engenharia rodoviária;Primeira Revisão de Projeto em Fase de obra - Relatório de Análise da 1ª Revisão em Fase deObras, assinado pelo Fiscal do Contrato TT-252/2006-00 da BR-101/PE.Laudo de Perícia Criminal Federal nº 824/2011-INC/DITEC/DPF, de 30/05/2011.Carta DC-BR 101 N° 048/2007 – Consórcio Queiroz Galvão, Odebrecht, Andrade Gutierrez,Barbosa Mello.Manifestação da unidade examinada:Em relação ao fato relatado na alínea “a” foi encaminhada a esta CGU por meio do Memorandonº 26/2010/DPP, de 15/01/2010, manifestação da Coordenação-Geral de Desenvolvimento eProjetos (Memo1885/2009/CGDEPS/DPP – 08/12/2009) informando que esse fato já é objeto de Página 69 de 253
  • 70. apurações administrativa por meio do processo n° 50600.005170/2008-55 e que a Coordenaçãode Projetos já se manifestou acerca do tema por meio de nota técnica de 14/01/2009 assinadapela funcionária terceirizada Eng.ª Maruska Tatiana Nascimento da Silva (CREA nº 7386/DMatrícula SISCON 1368-D).Essa nota técnica contém opinião sobre modificação do projeto executivo proposta em sede da 1ªRevisão de projeto em fase de obra. A seguir, a transcrição do conteúdo desse documento: […] “Em verificação ao projeto executivo constatou-se que realmente existe a presença de um lago entre as estacas 2300 e 2315. No entanto, a rodovia para o estaqueamento citado margeava o lago. No entanto, cabe informar que o traçado apresentado para o projeto em revisão de obra não corresponde ao traçado aprovado em projeto executivo. Em projeto executivo aprovado no ano de 2004 pela Coordenação de Projetos (DNIT) a rodovia margeava o lago e em projeto apresentado pela projetista em fase de revisão de obra a rodovia atravessa parte do lago. Percebe-se incompatibilidade entre as informações prestadas pela projetista atualmente e em projeto executivo aprovado em 2004.” […] “Sendo assim, informamos que esta coordenação não possui atribuição de verificar em campo a veracidade das informações dos projetos enviados para análise, tendo em vista que esta tarefa cabe a Superintendência Local, conforme a IS/DG de 08 de abril de 1998 – Art. 2º, letra e e a IS nº 13 de 17 de novembro de 2008, Capítulo II, Art.2º – V. Conforme o parágrafo anterior, sabe-se que a veracidade de informações no que dizem respeito ao estudo de traçado, variações hidrológicas que justifiquem alterações em níveis de rios, lagos e/ou lençóis freáticos, a presença de barragem nas imediações das rodovias e as possíveis possibilidades de mudança de projeto em campo que acarretem grandes alterações em orçamento entre outros questionamentos cabem a superintendência Local fiscalizar.” […] “Cabe lembrar que, o procedimento concernente a 1ª revisão de projeto não observou o Art. 5° da portaria 1046 de 06 de setembro de 2005 do Diretor Geral do DNIT.”Em resposta à SA n° 231057/011, foi encaminhado o Memorando n° 072/2010 – CGDESP/011,de 13/01/2010, assinado pela Coordenadora de Projetos Substituta. Transcreve-se a seguir oposicionamento sobre o fato relatado: [...] “a) verifica-se em Volume 2, projeto da Variante de Ribierão, aprovado em 2004, que entre os estaqueamentos 2300 e 2314 encontra-se um lago. Observa-se que a rodovia atravessa o lago entre os estaqueamentos 2305 e 2312. Página 70 de 253
  • 71. Em verificação ao volume 3 de Memória Justificativa, página 69, item 3.4 deestudo do traçado, observa-se que Os estudos de traçado foram desenvolvidoscom base em informações provenientes do projeto básico e dos estudospreliminares de traçado, e das resoluções decorrentes de visitas técnicas aotrecho, para consolidação das alternativas estudadas em escritórioEm Volume 3A (Relatório Ambiental), página 12, item 3.1.1.3, a empresaprojetista informa que A geometria do segmento em estudo alterna regiõesonduladas com forte sinuosidade a pequenos segmentos com rampas médiasou suaves. Do ponto de vista da segurança do tráfego, este fato cria riscospotenciais de acidentes devido ao condicionamento dos condutores pelapossibilidade de imprimir velocidades maiores aos veículos.... Cabe aindainformar que, a empresa projetista em mesmo volume, pág. 18, item referente ageomorfologia, informa que a maior limitação quanto à ocupação da planíciefluvial está ligada a suscetibilidade a inundações eventuais no períodochuvoso, em função do pequeno gradiente da drenagem de superfície, bemcomo do regime de alta torrencialidade existente na área, em face daconcentração temporária das precipitações pluviométricas.Face ao exposto, pode-se inferir que o traçado atravessa parte do lago devidoàs necessidades do relevo local, inclusive mantendo o traçado de projetobásico. No entanto, quanto às variações pluviométricas, percebe-se que aempresa tinha conhecimento a respeito da suscetibilidade a inundaçõeseventuais no período chuvoso”, conforme supracitado.b) O traçado é pré-determinado pela área de planejamento do DNIT, porém osdesvios tais como montanhas, lagos, rios, entre outros, ao longo deste traçadosão observados em campo por meio de verificação da empresa projetista. Apóseste estudo faz-se as devidas alterações e concebe-se o projeto. Lembramosque para alguns casos que dizem respeito ao meio ambiente faz-se necessário,licença ambiental para a liberação do projeto.Sendo assim, esclarecemos que o processo de aprovação do traçado foiinicialmente realizado pela coordenação de projetos, após a realização dosprocedimentos citados em parágrafo anterior. Quanto às responsabilidades,pode-se observar em Portaria N° 1133 de 18 de Outubro de 2004 e em Análisede aprovação N° 277/2002/04/04, conforme citado anteriormente.c) Informamos que esta área corresponde a coordenação de Projetos na qualrecebe projetos impressos em diversos volumes que são analisados pela equipede analistas. Estes projetos possuem responsáveis técnicos que respondemjurídica e tecnicamente no que diz respeito às informações dadas em projetos.Mediante o exposto, esta área não possui a atribuição de listar providênciasque serão tomadas quanto à quantificação dos prejuízos gerados. Tão pouco,levantar responsabilidades de projetistas;d) Não cabe a esta área de Coordenação de Projetos informar prazos paraprovidências quanto às incompatibilidades deste projeto. Página 71 de 253
  • 72. Análise do controle interno:As manifestações apresentadas divergem em relação ao fato relatado na alínea “a” daconstatação. Na nota técnica de 14/01/2009 (sem número) consta que o traçado do projetoexecutivo aprovado em 2004 não se sobrepõe ao açude de abastecimento da cidade de Ribeirão,ao passo que por meio do Memo 072/2010 CGDESP, o DNIT informa que o traçado da variantede Ribeirão integrante do projeto executivo aprovado em 2004 atravessa o referido manancial,apresentando razões para isso, à luz das informações contidas na memória justificativa do projetoexecutivo em comento.Segundo o memorando supracitado, o traçado da Variante de Ribeirão atravessa parte do lago daCompesa “devido às necessidades do relevo local” e por essa razão optou-se por manter otraçado de projeto básico. Essa informação demonstra que durante a elaboração do projetoexecutivo optou-se por solução comprovadamente inexequível, com base em justificativainapropriada, uma vez que iniciada a obra, o eixo da rodovia teve que ser modificado parapreservar o manancial, sendo a execução no novo posicionamento realizada. Nesse sentido, ainformação contida na documentação apresentada não elide a constatação, pelo contrário, reforçao fato relatado pela equipe de fiscalização.A respeito da apuração de responsabilidades, foi informado que existe processo administrativocom essa finalidade. No entanto, não foi mencionada a situação desse processo. O Memorandonº 072/2010 apenas cita a Portaria N° 1133 de 18 de outubro de 2004 e a Análise de aprovaçãon° 277/2002/04/04. Também foi feita referência às responsabilidades técnica e jurídicas dosautores do projeto, bem como dos setores competentes da Superintendência Regional do DNITem Pernambuco. Em que pese essas referências, não existe menção ao estágio de apuraçãodessas responsabilidades.Dessa forma, as manifestações apresentadas não contribuem para elidir a constatação.Na Nota Técnica da Coordenação de Projeto/CGDESP, de 14/01/2009, afirma-se que naaprovação do 1º Relatório de Revisão de Projeto em Fase de Obras, que contempla as alteraçõesde terraplenagem decorrentes do problema em tela, não foi observado o comando do art. 5° daPortaria nº 1046, de 06 de setembro de 2005, assinada pelo Diretor-Geral do DNIT. Essedispositivo tem o seguinte teor: Portaria 1046 de 06/09/2005 do Diretor Geral do DNIT […] “Art. 5 º Quando for imprescindível promover a revisão do projeto final de engenharia durante a execução da obra, com ampla e detalhada justificativa, durante a fase de análise, antes da sua aprovação pela autoridade competente, deverá o setor que aprovou o projeto original, manifestar a respeito da solução técnica proposta na revisão do projeto.”Assim, segundo a informação prestada, a Coordenação-Geral de Construção Rodoviária -CGCONT/DIR, quando da análise do 1º Relatório de Revisão de Projeto em Fase de Obra, nãosolicitou manifestação da Coordenação-Geral de Desenvolvimento de Projetos – CGDESP/DPP,área responsável pela aprovação do projeto original, sobre solução de traçado proposta narevisão antes da aprovação.No Despacho do Coordenador-Geral de Construção Rodoviária, de 04/12/2007, que aprova acitada revisão de projeto, não há referência à manifestação da CGDESP/DPP, o que indicaprovável descumprimento à referida Portaria. Página 72 de 253
  • 73. Na sequência, será abordado o tema relacionado à licitação do projeto em questão, objeto dosLaudos do Departamento da Polícia Federal – DPF nº 2.018/2009 – INC/DITEC/DPF e1.104/2011 – INC/DITEC/DPF. A Figura III a seguir ilustra de maneira sintética os eventosrelacionados aos certames do empreendimento em questão.Figura III: Fluxo das licitações para contratação das obras da BR-101/NEFonte: Departamento de Polícia Federal (Laudo nº 2.018/2009 – INC/DITEC/DPF)O referido empreendimento decorreu da concorrência associada ao Edital 102/2006. No entanto,de acordo com o Laudo nº 2.018/2009 – INC/DITEC/DPF, a revogação do Edital 155/2005(anterior) e o lançamento posterior do Edital 102/2006, com aumento significativo da quantidadeexigida de pavimento em concreto para habilitação técnica-operacional, não foram motivadospor critérios técnicos, além de haver redução da competitividade da licitação, de maneira aatender aos interesses de grandes construtoras que, mesmo possuindo capacidade técnica paraexecutarem as obras sozinhas, formaram consórcios entre si.Ao se confrontar as conclusões dos descontos potenciais em obras com grande competitividade eo resultado final da Concorrência 102/2006, verifica-se que haveria um grande potencial de seobter maiores descontos caso os critérios de habilitação da Concorrência 155/2005 tivessem sidomantidos e se as empresas com capacidade física e operacional suficientes para executar as obrassozinhas não tivessem se consorciado entre si.Portanto, infere-se ainda do mencionado Laudo que o Edital nº 155/2005-00 apresentavacondições adequadas para a qualificação técnico-operacional dos interessados, havendo,inclusive, parecer do DNIT atestando que os quantitativos exigidos para execução de pavimentorígido, correspondentes a aproximadamente 10% do total previsto no Edital, eram suficientespara assegurar ampla competitividade e verificar a capacidade técnica das empresas,proporcionando segurança de execução da obra.Por meio do Laudo nº 1.104/2011 – INC/DITEC/DPF, decorrente de Perícia realizada pelaPolícia Federal, foi realizado o confronto entre os preços unitários contratados e aqueles obtidos Página 73 de 253
  • 74. pela Perícia, para quatro orçamentos distintos: planilha do edital, proposta vencedora; propostaatualizada (após 2ª revisão do projeto); e 34ª medição (julho/2009).Os resultados podem ser observados no Quadro V a seguir:Quadro V: Resumo da análise dos preços Preço Total (R$) Sobrepreço Orçamento Questionado Perícia R$ % Planilha do Edital 275.462.514,46 266.835.538,00 8.626.976,46 3,23% Proposta Vencedora 272.504.024,09 264.245.338,22 8.258.685,87 3,13% Proposta Atualizada 316.021.702,67 304.373.110,03 11.648.592,64 3,83% 34ª Medição 216.098.400,63 202.962.326,69 13.136.073,94 6,47%Fonte: Departamento de Polícia Federal (Laudo nº 1.104/2011 – INC/DITEC/DPF)Dessa forma, verifica-se o nascedouro dos superfaturamentos identificados por estaControladoria-Geral da União – CGU, por ocasião da fiscalização in loco no Lote 07 da BR-101/NE. As constatações da CGU, referentes à execução das obras em questão serãoapresentadas a seguir.CONSTATAÇÃO 010:SUPERFATURAMENTO DE R$ 865.992,56 NA EXECUÇÃO DE CONCRETOBETUMINOSO USINADO A QUENTE (FAIXA C), DECORRENTE DO PAGAMENTO DEINSUMO ESSENCIAL, MAS NÃO UTILIZADO DURANTE A USINAGEM DA MISTURAASFÁLTICA.Durante a inspeção de campo, foi constatado que a empresa subcontratada para execução dorevestimento asfáltico (Lidermac Construções e Equipamentos Ltda. CNPJ 40.882.060/0001-08)não estava utilizando o filler na composição granulométrica da mistura de agregados do concretobetuminoso usinado a quente da capa de rolamento (CBUQ – Faixa C), apesar de tal componenteestar previsto em especificação de serviço e estar sendo pago pela Administração.De acordo com a ficha de ensaio para dosagem do CBUQ – Faixa C, apresentada pelo consórcioconstrutor, a composição de agregados que permite o enquadramento na faixa C da especificaçãode serviço DNER-ES 313/1997 é a seguinte: 22,0% de brita B 19,1mm; 22,0% de brita B12,7mm; 45,0% de Areia; 8% de pó-de-pedra e 3,0% de “filler”. Todavia, conforme Foto daFigura I abaixo, a qual registra o painel da usina de asfalto da empresa Lidermac no momento dausinagem da mistura de CBUQ faixa C, o percentual de filler utilizado é igual a 0,0%,comprovando o não uso deste componente no referido traço.Figura I: Painel da Usina de Asfalto no Momento da Usinagem CBUQ - CNa composição de custo unitário do consórcio construtor referente ao serviço “CA - Usinagemde CBUQ (capa de rolamento – Faixa C)” o filler custa R$5,81 (P0). Subtraindo este valor do Página 74 de 253
  • 75. custo unitário total que está sendo pago (R$60,36), têm-se o custo unitário total real de R$54,55para esse serviço auxiliar. Entrando, com este valor na composição de preço unitário do serviço“Concreto betuminoso usinado a quente – capa de rolamento (Faixa C)” e considerando corretosos demais custos envolvidos neste serviço, chega-se ao preço unitário total real de R$89,64,conforme demonstrado no Quadro I abaixo.Quadro I: Cálculo do preço unitário do CBUQ – C sem o “filler” Descrição Contratado (R$) Executado (R$) Custo Unitário de Execução CBUQ - C 13,88 13,88 Custo Usinagem CBUQ - C 60,36 54,55 Custo Unitário Direto Total 74,24 68,43 BDI de 31 % 23,01 21,21 Preço Unitário Total 97,25 89,64Fonte: DITRA/SFC/CGUAté 31/10/2009 foi pago R$11.066.724,89, em valor inicial, referente ao serviço CBUQ Faixa C.No entanto, o valor de fato devido pela Administração, por conta da execução do CBUQ Faixa Csem o “filler” pela empresa subcontratada, é R$ 10.200.732,33. Portanto, um superfaturamentode R$ 865.992,56 a preços iniciais, conforme Quadro II a seguir.Quadro II: Cálculo do superfaturamento até 31/10/2009. Valor Pago Valor Devido item Descrição Und. Quantidade Até 31/10/09 Até 31/10/094.2.3 CBUQ na Faixa C t 14.782,85 R$ 1.437.632,16 R$ 1.325.134,674.3.1.9 CBUQ na Faixa C para Revestimento t 20.969,17 R$ 2.039.251,78 R$ 1.879.676,40 CBUQ na Faixa C para correção de irregularidades4.3.1.6 longitudinais t 4.446,79 R$ 432.450,13 R$ 398.610,084.3.2.7 CBUQ na Faixa C para Revestimento t 47.679,44 R$ 4.636.825,54 R$ 4.273.985,004.3.3.8 CBUQ na Faixa C para Revestimento t 727,80 R$ 70.778,06 R$ 65.239,544.3.4.5 CBUQ na Faixa C para Revestimento t 10.988,56 R$ 1.068.636,97 R$ 985.014,074.4.1.5 CBUQ na Faixa C para Revestimento t 990,12 R$ 96.289,46 R$ 88.754,634.4.2.5 CBUQ na Faixa C para Revestimento t 604,90 R$ 58.826,91 R$ 54.223,594.4.3.5 CBUQ na Faixa C para Revestimento t 269,64 R$ 26.222,39 R$ 24.170,44 CBUQ na Faixa C para Revestimento (semi-pistas4.5.1.4 retornos e acessos) t 1.211,05 R$ 117.774,13 R$ 108.558,07 CBUQ na Faixa C para Revestimento (na pista4.5.2.5 existente) t 7.815,98 R$ 760.104,06 R$ 700.624,45 CBUQ na Faixa C para Revestimento (parada de ônibus I) t 149,46 R$ 14.534,60 R$ 13.397,24 CBUQ na Faixa C para Revestimento (parada de4.6.2.1.4 ônibus II) t 785,11 R$ 76.352,34 R$ 70.377,6211.2.5 CBUQ na Faixa C (desvio de tráfego) t 2.207,11 R$ 214.641,54 R$ 197.845,43 CBUQ na Faixa C para Revestimento (obras de arte2.5.5 especiais) t 51,01 R$ 4.960,24 R$ 4.572,09 CBUQ na Faixa C para Revestimento (obras de arte2.5.5 especiais) t 65,79 R$ 6.398,08 R$ 5.897,42 CBUQ na Faixa C para Revestimento (obras de arte2.5.5 especiais) t 51,89 R$ 5.046,50 R$ 4.651,60 R$ 11.066.724,89 R$ 10.200.732,33 VALOR PAGO A MAIS ATÉ 31/10/2009 R$ 865.992,56Fonte: DITRA/SFC/CGU.Registra-se que a não utilização do “filler” na composição granulométrica da mistura de CBUQFaixa C pode acarretar não enquadramento em faixa granulométrica especificada, bem comodesatendimento aos parâmetros volumétricos especificados para este tipo de concreto asfáltico(DNER-ES 313/97), repercutindo desfavoravelmente na vida útil do revestimento.Assim sendo, além do superfaturamento demonstrado até 31/10/09, fica caracterizada adeficiência da fiscalização/supervisão no acompanhamento dos serviços ao permitir pagamentode serviços executados por empresa subcontratada com qualidade técnica inferior à exigida pelarespectiva especificação de serviço. Página 75 de 253
  • 76. Evidências:37° Boletim de Medição referente ao período de 01/10/2009 a 31/10/2009.Composição de preço unitário do contratado código 4.2.3 – Concreto betuminoso usinado aquente – capa de rolamento (Faixa “C”).Composição de preço unitário do contratado código 8 CA – Usinagem de CBUQ (capa derolamento – Faixa C).Ficha do ensaio de dosagem da mistura asfáltica realizado pelo laboratório do consórcioconstrutor.Fotografia n° 1 – painel da usina de asfalto no momento da usinagem CBUQ – C.CONSTATAÇÃO 011:SUPERFATURAMENTO DE R$ 352.224,57 NA EXECUÇÃO DO SERVIÇO “CBUQ NAFAIXA B PARA CAMADA DE LIGAÇÃO”, DECORRENTE DO PAGAMENTO DEINSUMO NÃO UTILIZADO DURANTE A USINAGEM DA MISTURA ASFÁLTICA.A empresa subcontratada pelo consórcio construtor para execução do revestimento asfáltico(Lidermac Construções e Equipamentos Ltda. CNPJ 40.882.060/0001-08) não estava utilizandoo filler na composição granulométrica da mistura de agregados do concreto betuminoso usinadoa quente para camada de ligação (CBUQ – Faixa B).A fotografia da Figura I abaixo, a qual registra o painel da usina de asfalto da empresa Lidermacno momento da usinagem da mistura de CBUQ faixa B, evidencia que o percentual de fillerutilizado é igual a 0,0%, comprovando o não uso deste componente.De acordo com a ficha de ensaio de dosagem apresentada pelo consórcio construtor acomposição de agregados que permite enquadramento na faixa B da especificação DNER-ES313/97 é a seguinte: 15% de brita 32,0mm; 15% de brita 25,4mm; 15% de brita 19,1mm; 40% deareia e 15% de pó de pedra. De fato, segundo esses estudos laboratoriais, não há necessidade defiller para que o CBUQ Faixa B para camada de ligação atenda às exigências da citada normaquanto a enquadramento em faixa granulométrica e parâmetros volumétricos.Figura I: Painel da Usina de Asfalto no Momento da Usinagem CBUQ - BFonte: DITRA/SFC/CGU.Entretanto, este componente, em princípio desnecessário, e de fato não utilizado pelasubcontratada, está sendo pago pela Administração, uma vez que consta na composição de custounitário 889 “CA-Usinagem de CBUQ (camada de ligação – Faixa B) do consórcio construtor ovalor R$ 5,81 referente ao material filler. Subtraindo-se esse valor do custo unitário da usinagemde CBUQ Faixa B, obtém-se o preço unitário devido de R$ 75,55 para o serviço 800787 –CBUQ na faixa B para camada de ligação, ao invés do preço unitário até então pago de R$ 83,16(vide Quadro I seguinte). Página 76 de 253
  • 77. Quadro I: Cálculo do preço unitário do CBUQ – B sem o “filler Descrição Contratado (R$) Executado (R$) Custo Unitário de Execução CBUQ - B 9,96 9,96 Custo Usinagem CBUQ - B 53,52 47,71 Custo Unitário Direto Total 63,48 57,67 BDI de 31 % 19,68 17,88 Preço Unitário Total 83,16 75,55Fonte: DITRA/SFC/CGUAté 31/10/2009 foi pago R$3.849.013,86 em valor inicial, referente ao serviço CBUQ Faixa Bpara camada de ligação. No entanto, o valor de fato devido pela Administração, por conta daexecução do desse serviço sem o “filler” pela empresa subcontratada, é R$3.496.789,29.Portanto, um superfaturamento de R$352.224,57 a valores de 31/10/2007, conforme Quadro II.Quadro II: Cálculo do superfaturamento até 31/10/2009 Valor Pago Valor Devido item Descrição Und. Quantidade Até 31/10/09 Até 31/10/094.3.1.8 CBUQ na Faixa B para camada de ligação t 43.606,68 R$ 3.626.331,59 R$ 3.294.484,754.3.2.6 CBUQ na Faixa B para camada de ligação t 1.089,90 R$ 90.635,83 R$ 82.341,724.3.3.7 CBUQ na Faixa B para camada de ligação t 1.587,86 R$ 132.046,44 R$ 119.962,82 R$ 3.849.013,86 R$ 3.496.789,29 VALOR PAGO A MAIS ATÉ 31/10/2009 R$ 352.224,57Fonte: DITRA/SFC/CGUEvidências:37° Boletim de Medição referente ao período de 01/10/2009 a 31/10/2009.Composição de preço unitário do contratado código 4.3.1.8 – Concreto betuminoso usinado aquente – capa de rolamento rolamento (Faixa “B”).Composição de preço unitário do contratado código 889 CA – Usinagem de CBUQ (capa derolamento – Faixa “B”).Ficha do ensaio de dosagem da mistura asfáltica realizado pelo laboratório do consórcioconstrutor.Fotografia n° 1 – painel da usina de asfalto no momento da usinagem CBUQ – B.CONSTATAÇÃO 012:SUPERFATURAMENTO DE R$ 6.979.191,60 NO SERVIÇO APLICAÇÃO DE GEOMALHAHATELIT 40/17, DECORRENTE DA NÃO UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOSPREVISTOS, DE PREÇO DE INSUMO SUPERIOR AO PRATICADO NO MERCADO E DECONSIDERAÇÃO EXCESSIVA DE PERDAS NO CONSUMO DO MATERIAL.O serviço aplicação de geomalha Hatelit 40/17 foi previsto pelo projeto executivo nos reforçosdo pavimento composto e do pavimento rígido existente entre as camadas de ligação (binder) e acapa de rolamento, a fim de minimizar a propagação de trincas das camadas pré-existentes paraas novas camadas.Durante a fiscalização em campo, foi verificado que este serviço está sendo realizado pelasubcontratada Lidermac Contruções Ltda. A execução verificada in loco consistia em desenrolarmanualmente os rolos de geomalha sobre a pista, sem uso do equipamento “Rolo compactadorde pneus Dynapac CP – 221”, o qual integra a composição do preço unitário do consórcioconstrutor para este serviço (Figura I abaixo). Página 77 de 253
  • 78. Figura I: Aplicação da geomalha Hatelit 40/17Segundo cotação de preço realizada em 26/03/2010 pela equipe de fiscalização da CGU, junto àempresa Geocom Comercial Ltda, representante do fabricante da geomolha hatelit 40/17(Huesker) em Recife-PE, o preço unitário deste insumo, considerando material posto em obra emArapiraca-Al e 18% de ICMS incluso, é de R$14,28/m². O custo do frete é bem inferior aoconsiderado na cotação, pois Arapiraca encontra-se a 357 km de Recife, e o canteiro de obras(Escada) está a 64km de Recife. Retirando-se desse valor o ICMS, chega-se a R$ 12,10/m².Incindindo-se 5% de IPI sobre esse valor, obtém-se o preço unitário de geomalha Hatelit 40/17de R$ 12,71/m² (26/03/2010). Retroagindo esse preço a novembro de 2006 pelo índice de 1,2112previsto em contrato, obtém-se o valor R$ 10,49/m².Entretanto, o custo unitário considerado na composição de preço unitário do consórcio construtoré R$ 22,83 (11/2006), ou seja, superior ao dobro do preço unitário calculado pela equipe defiscalização da CGU (R$ 10,49), apesar de se considerar material posto em canteiro 293 km maisdistante que a situação real da obra.Além disso, outro fator que contribui para a majoração excessiva do custo da geomalha é ocoeficiente de consumo adotado na composição de preço unitário do consórcio para este insumo.Tal consumo prevê 20% de perdas de material na aplicação da geomalha, por considerarexcessos de 50 cm de largura de geomalha para cada lado da pista de rolamento. Faz-senecessário registrar que tal critério foi previsto no projeto executivo, mas a execução não estavasendo realizada dessa forma.Verificou-se em campo que a geomalha é aplicada em dois rolos de igual largura comsobreposição de 50 cm no eixo da pista, cuja largura é 7,0m, sem transpor os bordos externos dapista (Figura anterior). Assim, em uma extensão de 1,00m, têm-se 7,00m² de serviço executado.Para cada 7m² de serviço executado são empregados 1,00m x 0,50m = 0,50m² a mais dematerial, por causa da sobreposição de 50 cm no eixo da pista. Logo, o consumo é da ordem de7% maior que área de serviço executada, isto é, menos da metade do percentual adotado nacomposição de preço unitário do consórcio (20%).Adotando um percentual de perdas de 10% na aplicação da geomalha e com base nasconstatações de campo e na cotação de preço deste insumo mencionada acima obteve-se o preçounitário total de R$ 19,89 para o serviço “Aplicação de geomalha Hatelit 40/17”, conformecomposição de preço unitário abaixo, elaborada pela equipe de fiscalização da CGU (Quadro aseguir). Página 78 de 253
  • 79. Quadro I: Cálculo do preço unitário do serviço aplicação de geomalha Hatelit 40/17 conforme execução verificada Utilização Custo Operacional Custo Equipamento / Modelo Quantidade Prod. Improd. Prod. Improd. HorárioCarregadeira de pneus CAT 966 1 1 0 251,78 71,89 251,78Caminhão carroceria – 15T 1 1 0 104,72 40,66 104,72 TOTAL (A) 356,5Mão de Obra Suplementar K ou R Quant. Salário Custo horas Base HorárioServente 2,82 1500 1,85 7825,50encarregado de turma 9,88 150,3 1,85 2747,18 TOTAL (B) 10572,68C) PRODUÇÃO DA EQUIPE 3000 CUSTO HORÁRIO TOTAL (A+B) 10929,18D) CUSTO UNITÁRIO DA EXECUÇÃO (A+B) / C = D 3,64 Custo Custo Materiais / Outras Atividades Unidade Consumo Unitário TotalGeomalha Hatelit 40/17 m2 10,49 1,1 11,54 TOTAL (E) 11,54CUSTO DIRETO TOTAL (D+E) 15,18BONIFICAÇÃO (31,00%) 4,71PREÇO UNITÁRIO TOTAL 19,89Transporte já incluso no preço do materialFonte: DITRA/SFC/CGUAté 31/03/2011, foram pagos 335.215,74 m² do serviço em comento, ao preço unitáriocontratado de R$ 40,71, o qual é superior ao dobro do preço obtido pela equipe de fiscalização.Dessa forma, até a referida data, o valor pago a preços iniciais foi de R$ 13.646.632,57, ao passoque, com base nos achados da equipe de fiscalização, o valor pago deveria ser de R$6.667.440,97. Logo, verificou-se um superfaturamento de R$ 6.979.191,60 a valores iniciais(vide Quadro II abaixo).Quadro II: Cálculo do superfaturamento na aplicação da geomalha Hatelit 40/17 Valor Pago (R$) Valor Devido (R$) Item Descrição Und. Quantidade Até 31/03/11 Até 31/03/11 Aplicação de geomalha 4.3.1.7 m² 318.340,485 12.959.641,14 6.331.792,25 Hatelit 40/17 Aplicação de geomalha 4.3.2.5 m² 16.875,250 686.991,43 335.648,72 Hatelit 40/17 TOTAL 13.646.632,57 6.667.440,97 SUPERFATURAMENTO ATÉ 31/03/2011 (valor a PI) R$ 6.979.191,60Fonte: DITRA/SFC/CGUEvidências:54ª Boletim de Medição 01/03/2011 a 31/03/2011.37° Boletim de Medição 01/10/2009 a 31/10/2009.Composição de preço unitário do contratado código 4.3.1.7– Aplicação de geomalha Hatelit40/17.Cotação de preço da geomalha Hatelit 40/17 junto a Geocom Comercial LTDA.Planilha do Quadro I;Foto da Figura VI – Aplicação de Geomalha Hatelit 40/17.CONSTATAÇÃO 013:EXISTÊNCIA DE DEFEITOS PRECOCES NO ACOSTAMENTO DA DUPLICAÇÃO.Durante a inspeção de campo foram constatados os seguintes defeitos no acostamento recémconstruído da duplicação: Página 79 de 253
  • 80. a) fissuras transversais prejudiciais à vida útil do pavimento.Foram verificadas fissuras transversais espaçadas de 3,0m a 4,0m e distribuídas em vários sub-segmentos do lote 7 (vide Foto da Figura I seguinte).O pavimento do acostamento da pista duplicada e da restaurada, onde tais defeitos foramverificados, foi construído recentemente e, até a data da inspeção de campo, ainda não havia sidosubmetido ao tráfego previsto em projeto. Em alguns locais, o respectivo acesso aindapermanecia fechado ao tráfego na data da fiscalização. Assim sendo, o aparecimento precoce dasfissuras aponta para prováveis falhas construtivas durante a execução da camada de base de britagraduada com cimento, cuja espessura é de 27 cm.Adverte-se que esse tipo de defeito pode comprometer a durabilidade do pavimento por causados efeitos deletérios do acesso da água das chuvas à estrutura do pavimento e ao subleito.Segundo Art. 69 da Lei 8.666/93, o contratado é obrigado a reparar, corrigir, remover,reconstruir ou substituir, às suas expensas, no total ou em parte, o objeto do contrato em que severificarem vícios, defeitos ou incorreções resultantes da execução ou de materiais empregados.”Nesse sentido, independentemente da apuração da gênese deste defeito, deve ser feita correçãotempestiva, às expensas do consórcio construtor, a fim de evitar maiores prejuízos futuros aoerário.Figura I: Fissuras Transversais no Acostamento Página 80 de 253
  • 81. b)Trinca Longitudinal pronunciada ao longo do acostamentoNo acostamento da duplicação, entre as estacas 228 e 230, foi verificada uma trinca longitudinalde aproximadamente 1cm de abertura e 30 m de extensão, localizada sobre a interface da sub-base de CCR com a sub-base de brita graduada com cimento. Esse defeito, pode desencadear ocomprometimento da estrutura do pavimento e até da estabilidade do maciço do aterro pela açãoda água.Trata-se de um defeito cuja causa requer apuração pelo órgão gestor para identificar quemsuportará o ônus da correção. Contudo, ressalta-se a necessidade de correção tempestiva doproblema a fim de evitar prejuízo ao erário decorrente de provável perda total dos serviços jáexecutados e pagos.Figura II: Trinca Longitudinal no Acostamento (Estacas 228 e 230).Evidências:Fotografias da Figura II apresentadas na descrição do fato.Manifestação da unidade examinada:SupervisoraEm resposta à alínea “d” da S.A. n° 236990/015, a Supervisora JBR Engenharia Ltda, quetambém é responsável pelo Projeto Executivo de Engenharia da obra em análise, apresentou aCarta Ct nº 269/2009, de 16/12/2009, assinada pelo Diretor e Responsável Técnico Luiz WagnerJúnior, contendo a seguinte manifestação em relação ao problema constatado: “Por fim, no tocante a abordagem constante do item d da solicitação de auditoria ora em resposta, é preciso de logo deixar inexoravelmente sublinhado que a supervisora alertou o Consórcio Construtor logo início dos trabalhos ocorrido 18 de outubro de 2008, através de registro aposto no Diário de Obra, folha 79754, em 09 de janeiro de 2009 sobre a NECESSIDADE DE SE FAZER A CURA na camada de Brita Graduada Tratada com Cimento (BGTC) (grifos nossos), conforme comprova o expediente anexo, visando dessa forma evitar a ocorrência de fissuras naquela camada do pavimento. Além disso, a supervisora em continuação ao acompanhamento dos trabalhos enfatizou por diversas vezes durante a execução dos serviços, in loco, a necessidade de providência necessárias para ilidir definitivamente as fissuras detectadas, culminando com correspondência neste sentido datada de 02 de outubro de 2009, logo após a volta dos serviços de execução dos acostamentos, face o término do período de chuvas (de abril a setembro), onde Página 81 de 253
  • 82. ali elencamos textualmente as medidas a serem adotadas para evitar problemas de fissuramento, tudo como comprova a sua fotocópia anexa.”Fiscal do ContratoO Fiscal do Contrato TT-252/2006, por intermédio do Memorando n° 85/2009, de 17/12/2009,encaminhado ao Coordenador-Geral de Construção Rodoviária Substituto, se manifestou emrelação à alínea “d” da S.A. n° 236990/014, transcrevendo a manifestação da Supervisora, e, nelaembasado, fez as seguintes considerações: “Considerações desta Fiscalização: Diante do exposto acima estamos solicitando ao superintendente Regional a aplicação de multa contratual ao Consórcio Construtor por descumprimento da clausula décima terceira do contrato TT-252/06, face ao não atendimento as determinações da Fiscalização e sugerindo ao mesmo que determine as correções dos defeitos no prazo de 60(sessenta) dias.”Diretoria de Infraestrutura Rodoviária – DIRPor intermédio da SA n° 236990/016, a Diretoria de Infraestrutura Rodoviária foi instada aapresentar sua avaliação e providências quanto aos fatos constatados e quanto às justificativasapresentadas pela fiscalização e supervisão da obra acima transcritas. Antes de se manifestar,solicitou posicionamento da CGCONT, que sugeriu à DIR, em 07/12/2009, conforme fls.122/124 do processo n° 50600.015208/2009-89, as seguintes providências relacionadas: “- Contratação imediata por meio de instrumento jurídico competente de auditoria específica para realização de levantamentos e verificações necessárias; - Determinar o estorno e/ou glosa de eventuais serviços medidos indevidamente, após a conclusão dos trabalhos de auditoria; - Reter as garantias contratuais vigentes até a conclusão dos trabalhos de correção e aceitação por parte do DNIT; - Mudança imediata de toda equipe técnica da empresa Supervisora JBR, tendo em vista os fatos constantes do documento INFORME DA CGU.”Neste mesmo documento, o Coordenador-Geral de Construção Rodoviária, afirma no parágrafo20, que a CGCONT não tem competência regimental para fazer avaliações quanto aos fatosconstatados, nem com relação às justificativas apresentadas pela fiscalização e supervisão acimatranscritas. E faz menção à necessidade de adequada instrução com vistas à instauração deprocesso administrativo, por parte do Diretor-Geral, para que seja promovida a competenteavaliação e posterior resposta à CGU.Em 10/03/2010, pelo Memorando nº 896/2010/CGCONT/DIR, este mesmo Coordenador-Geralde Construção Rodoviária informou à DIR as ações implementadas, com intuito de sanear asimpropriedades apontadas em cada item do INFORME CGU, de 30/11/2009.Especificamente em relação aos fatos relatados nesta constatação, foi informado à DIR, naocasião, que o “DNIT está firmando com o Exército Brasileiro, por meio do processo nº50600.001043/2010-00, o Termo de Cooperação Técnica n° 208/2010, que tem como objeto: oestabelecimento da sistemática de cooperação em atividades de execução de LevantamentoTopográfico, Análise de Pavimento Rígido, Quantificação de Terraplenagem e Avaliação Página 82 de 253
  • 83. Técnica das Soluções a Adotar para a Obra de Adequação e Duplicação da BR 101/NE, lotes 7 e8, em Pernambuco.”No mesmo Memorando, a CGCONT informa que “O Referido objeto do Termo de CooperaçãoTécnica será executado de acordo com o Plano de Trabalho n° 40.001.10.22.01.01”, cujo valor,referente a dezembro de 2009, é R$ 1.704.869,77. Na alínea “e” do campo identificação doobjeto deste Plano de Trabalho consta: “fissuras longitudinais e transversais no acostamento –levantar a gênese das patologias e indicar as soluções técnicas;”Continuando, a CGCONT afirma que “Após as conclusões dos trabalhos, objeto do referidoplano de Trabalho, serão procedidas das correções e estornos necessários, bem como asapurações de responsabilidade, se for o caso, e aplicação das sanções cabíveis, mediantecompetente processo administrativo, garantindo-se o contraditório e a ampla defesa, comodetermina a legislação pertinente”.Conclui o CGCONT ressaltando que, cautelarmente, adotou todas as providências necessáriaspara a retenção das garantias contratuais relativas ao Contrato n° TT-252/06, firmado com oconsórcio Queiroz Galvão/Odebrecht/Andrade Gutierrez/Barbosa Mello, responsável pelaconstrução do lote 7 da BR 101 PE. Apresenta a documentação comprobatória dessa retençãopela Diretoria de Administração e Finanças.Com base nas manifestações do CGCONT, o Diretor de Infraestrutura Rodoviária entende“restar prejudicada qualquer avaliação das justificativas apresentadas antes de concluídos ostrabalhos designados, uma vez que qualquer avaliação no presente momento poderia se mostrarprematura face aos resultados a serem obtidos com as providências adotadas.”Por meio do memorando 3617/2010-CGCONT, de 22/09/2010, o Coordenador-Geral deConstrução, levou ao conhecimento do Superintendente Regional do DNIT em Pernambuco ointeiro teor do Relatório de Visita Técnica dos Lotes 07 e 08 emitido por Consultor contratadopela Diretoria de Obras de Cooperação do Exército – DOC no âmbito do plano de trabalho40.001.10.22.01.01. Além disso, determina ao Superintendente Regional que “empreendagestões no sentido da execução das medidas recomendadas no item nº 5 desse relatório, o quedeverá ser fiscalizado cotidianamente pela empresa supervisora das obras, de tal forma agarantir a integridade do pavimento do Lote nº 07 da BR 101/PE.”Análise do controle interno:A documentação apresentada pela Supervisora e pelo fiscal refere-se exclusivamente aoproblema das fissuras transversais no acostamento, não tratando do defeito relatado na alínea “b”desta constatação.Foi apresentada a folha n° 42 do Diário de Obra, assinada pelo fiscal, pelo supervisor e pelorepresentante do consórcio construtor, na qual consta registro de correspondência internareiterando as etapas de execução dos serviços de acostamento e restauração, dando ênfase ànecessidade de cura da camada de “BGTC”.Ora, se esta correspondência consiste numa reiteração, deduz-se que o consórcio construtor játinha sido alertado anteriormente sobre a necessidade de execução da adequada cura da camadade “BGTC”. Além disso, o caráter de reiteração da citada correspondência sugere que oconsórcio construtor não adotou as recomendações da Supervisora e Fiscalização anteriormentefeitas. Página 83 de 253
  • 84. Outro aspecto subentendido na manifestação da supervisora é o nexo de causalidade entre oaparecimento das fissuras transversais no acostamento e a falta ou deficiência do processo decura da base de “BGTC”. De fato, a experiência corrente demonstra que em camadas depavimento que contenham cimento Portland, o processo de cura é etapa fundamental para evitaro fissuramento por retração térmica.A fiscalização em seu posicionamento sobre o fato constatado acatou na íntegra o entendimentoda supervisora e nele baseada considerou ter havido, por parte do consórcio construtor,desobediência a sua determinação para seguir etapas da execução do acostamento da duplicaçãoe restauração recomendadas pela Supervisora, dentre as quais inclui-se a cura da camada deBGTC.Ao solicitar ao Superintendente Regional do DNIT em Pernambuco aplicação de multa aocontratado por não cumprir determinação da fiscalização, o fiscal do contrato reconhece o nexode causalidade entre as fissuras transversais e a falta ou deficiência da cura e, por conseguinte, aculpa do consórcio construtor em relação a esse defeito.Entretanto, essa atitude do fiscal, embora pertinente, não é dotada de eficácia para evitar oproblema. Além disso, convém registrar que tal atitude foi desencadeada apenas após ser instadoa se manifestar por esta CGU sobre o problema em tela em sede da SA n° 236990/014, emitidaem 03/12/2009.A boa prática de fiscalização adotaria como medida eficaz não atestar as medições dos serviçosno qual não foi cumprida determinação do fiscal.No caso em tela, embora o consórcio construtor não tenha atendido determinação dafiscalização/supervisão, datada de 02/10/2009, o fiscal do contrato e a supervisora atestaram, nomesmo mês, 34.243,887m³, 68% do total do serviço base de brita graduada com cimento doacostamento, no valor de R$ 5.318.780,53, conforme 37º Boletim de Medição (1/10/2009 a31/10/2009).A Coordenação-Geral de Construção, por sua vez, se absteve de avaliar as respostas daSupervisora e do Fiscal a respeito do problema constatado sob alegação de não ter competênciaregimental para tanto. Entretanto, essa alegação não procede, pois conforme Art. 83, I e II,compete à CGCONT: Regimento Interno do DNIT - Art. 83, I e II: “I – programar, coordenar e acompanhar a execução de obras de construção, pavimentação, aumento da capacidade, modernização, eliminação de pontos críticos, obras de arte especiais, acessos e travessias urbanas, tanto em contratos diretos com o DNIT, como através de convênio firmado com entidades governamentais; II – orientar e supervisionar a execução dos contratos e convênios das obras de construção em Rodovias Federais a cargo das Superintendências Regionais;”A avaliação das manifestações da supervisora e do fiscal em relação aos fatos relatados nasalíneas “a” e “b” se insere nas competências definidas nos dispositivos acima, pois taismanifestações tratam de problemas de execução da obra, que a CGCONT tem a responsabilidadede coordenar e acompanhar ou, no mínimo, orientar e supervisionar. Página 84 de 253
  • 85. Além disso, especificamente em relação às fissuras e trincas constatadas, a contratação deauditoria independente (Termo de cooperação com E.B.) para definir as causas e apontarsoluções consiste em medida desnecessária, uma vez que a supervisora indica em suamanifestação a não realização da cura pelo construtor.Assim, bastaria o DNIT, por meio da DIR/CGCONT, instar a supervisora, que tem atribuiçãocontratual para isto (alínea “b” item 6.3 ANEXO III – TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL082/2001), a emitir laudo técnico informando a causa deste problema e a solução adequada, para,a partir daí, notificar o contratado fazendo valer o comando do Art. 69 da Lei 8.666/1993: “Art.69. O contratado é obrigado a reparar, corrigir, remover, reconstruir ou substituir, às suasexpensas, no total ou em parte, o objeto do contrato em que se verificarem vícios, defeitos ouincorreções resultantes da execução ou de materiais empregados.”Portanto, as manifestações avaliadas não contêm medidas eficazes à garantia da eliminaçãotempestiva dos defeitos constatados. A determinação do Coordenador-Geral de ConstruçãoRodoviária ao superintendente Regional do DNIT em Pernambuco, para que esse executasse asrecomendações do Exército, relativas à promoção de selagem das fissuras do acostamento,ocorreu apenas em 22/09/2010 (Memorando n°3617/2010-CGCONT), isto é, nove meses após oDNIT ter tomado conhecimento dos problemas em comento por meio do Informe CGU de03/12/2009. Destaca-se que nesse interregno ocorreu o período mais chuvoso na região (março asetembro), o que certamente provocou deterioração estrutural do pavimento do acostamento emface do fissuramento constatado. Assim, a atitude do gestor comprova-se ineficaz e intempestivano sentido preservar a integridade de serviços já executados e pagos.CONSTATAÇÃO 014:PAVIMENTO RÍGIDO RECÉM-CONSTRUÍDO COM DEFEITO SUPERFICIALDECORRENTE DE MÁ EXECUÇÃO COMBINADA COM DEFICIÊNCIA DEFISCALIZAÇÃO.O pavimento rígido da pista duplicada do Lote 07 da BR-101 NE em Pernambuco encontra-secom elevada irregularidade longitudinal, decorrente de provável deficiência na execução dasplacas de concreto de cimento Portland e omissão da fiscalização.Utilizando-se um perfilômetro a laser, foi realizada a avaliação da irregularidade longitudinal pormeio da determinação do IRI (International Roughness Index), parâmetro estabelecido peloBanco Mundial para definir o nível de conforto ao rolamento de um pavimento rodoviário.O ensaio foi inicialmente conduzido nos lotes 06 e 08, como forma de estabelecer um referencialcomparativo após a calibração e teste do equipamento em ruas do Recife-PE. Em seguida,verificou-se o lote 7, objeto da fiscalização. Os resultados obtidos são apresentados no Quadro Iabaixo:Quadro I: Resultados do IRI para o Lote 07. PADRÕES IRI – International Roughness Index Ext. Aval. % Fora Lote Excelente Bom Regular Ruim Péssimo (km) Padrão 1–1,9 1,9–2,7 2,7-3,5 3,5-4,6 >4,6 7 73,63 0,00% 8,00% 35,00% 36,00% 21,00% 57,00%Fonte: Relatório Técnico RSP N° RSP-01.22.09 LEP Laboratório de Engenharia e Pesquisa. Página 85 de 253
  • 86. Para o Lote 07, foram constatados valores de IRI de 4, 5, 6 e até 7 em alguns trechos. Osresultados demonstram que 0% dos trechos do lote 07 avaliados são considerados excelentes, 8%bom, 35% regular, 36% ruim e 21% péssimo.A literatura recomenda valores de IRI até 2,5. José Tadeu Balbo, em seu livro Pavimentos deConcreto, cita valores de 4 como relativos a pavimentos deteriorados. O próprio DNIT, na norma049/2009-ES estabelece que o controle da irregularidade longitudinal seja feito pelo índice deperfil determinado pelo equipamento Perfilógrafo Califórnia. Conforme essa norma, o pavimentoserá aceito quanto à irregularidade Longitudinal quando o IP for menor ou igual a 240mm/km.A mesma norma permite a avaliação do acabamento longitudinal do pavimento por meio doQuociente de Irregularidade (QI), que deve ser inferior ou igual a 35 contagens por quilômetro, oque equivale a IRI menor ou igual a 2,7m/km. Portanto, os valores de IRI obtidos durante afiscalização indicam uma condição de acabamento longitudinal do pavimento do lote 07inaceitável segundo os critérios dessa norma.Essa condição normalmente é verificada em pavimentos com mais de 20 anos de abertura aotráfego. Nesse sentido, destaca-se afirmação do Consultor Prof. DSc José Tadeu Balbo,contratado pelo Exército Brasileiro no âmbito do plano de trabalho n° 40.001.10.22.01.01 sobreo problema em tela: “... a condição de rolamento percebida pelos usuários não é típica de umpavimento de concreto recém-construído, deixando a desejar.”De maneira diversa, nos pavimentos dos Lotes 06 e 08, adotados como referência, a condição desuperfície medida pelo IRI vai de boa a excelente, coerente com a condição de pavimento novo,conforme gráfico abaixo (Gráfico I). Logo, a elevada irregularidade longitudinal é um problemarestrito ao pavimento da duplicação do Lote 07, cuja principal causa provável é a deficiênciaexecutiva das placas de concreto.Gráfico I: Resultados IRI pavimentos dos lotes 06, 07 e 08.Fonte: Relatório Técnico RSP N° RSP-01.22.09 LEP Laboratório de Engenharia e Pesquisa.O próprio DNIT já reconheceu tal fato, ao adotar medidas corretivas desse defeito, as quais sãopropostas pelo Plano de Intervenção Corretiva elaborado pelo Consultor Luis Carlos Grossi,contratado pelo Consórcio Gerenciador Contécnica, Planservi e Lenc. Esse documento, emitidoem 01/03/2010, faz menção a resultados do Índice de Perfil (IP) do Lote 07 obtidos peloPerfilográfo Califórnia como transcrito a seguir: [...] “esses resultados, juntamente com a análise do gráfico traçado pelo equipamento precitado, mostram valores altos de IP, indicadores de desconforto de rolamento.” [...] Página 86 de 253
  • 87. O mesmo Relatório Técnico indica como medida corretiva desse defeito o “Micronivelamento dePavimento de Concreto (MPC)”, também conhecida como “Microfresagem”.Acerca da aplicação dessa técnica corretiva, convém apresentar posicionamento do Prof. DScJosé Tadeu Balbo, contratado pelo Exército Brasileiro no âmbito do plano de trabalhon°40.001.10.22.01.01: [...] “este tipo de correção superficial (com microfresadora) que está sendo aplicada sobre a superfície dos pavimentos de concreto no lote 7 jamais deve ser encarada como atividade normal pós-obra de construção de pavimentos de concreto. Pelo contrário, essa técnica surgiu no passado como forma de melhoria da condição de rolamento, do ponto de vista de conforto e de segurança, para pavimentos de concreto antigos que já haviam suportado tráfego por um longo período de serviço e que apresentassem, fundamentalmente, ou escalonamentos em juntas transversais ou perda de textura superficial.” [...]Acrescenta-se que pavimentos com os valores de IRI detectados para o Lote 7 geram alto grau dedesconforto ao usuário, aumento dos danos à suspensão dos veículos e aceleração da ruína dopavimento na região das juntas entre placas, o que contribui para redução significativa da vidaútil e aumento dos custos de manutenção.Em relatório técnico de novembro de 2008, emitido pelo Eng° Luís Carlos Grossi, consultor doConsórcio Supervisor Contécnica, Planservi e Lenc, consta avaliação quanto ao conforto dopavimento rígido do Lote 07. Tal avaliação foi feita com base no Quociente de Irregularidadeobtido com o Perfilômetro Merlin. Segundo o citado documento, o resultado do QI obtido foi28,82. Contudo, alguns valores se mostraram superiores a 35, valor limite para aceitação doserviço, indicando falhas pontuais na execução das placas de concreto. Nesse sentido, é oportunotranscrever conclusão do citado consultor sobre a causa provável do problema: [...] “Os resultados do Merlim atestam, como já foi dito, que o problema reside sobremaneira na execução segmentada acima do que se tem em mira e na falta de um maior capricho na confecção das juntas de construção nas retomadas de concretagem.” [...]Ressalta-se ainda que a causa da elevada irregularidade longitudinal já era do conhecimento daSupervisora no período de execução das placas de concreto. Funcionários de campo da própriaJBR Engenharia Ltda informaram à equipe de fiscalização da CGU que a pavimentadora usadapelo Consórcio Construtor era velha e quebrava com muita frequência, gerando interrupções eretomadas de concretagem além do especificado. Essa informação converge com o diagnósticodesse laudo do consórcio gerenciador emitido em 2008,Assim, o citado problema, embora ainda em pequena escala, tornou-se conhecido pelo DNITainda em 2008, durante a execução do serviço. Por meio do Memorando nº 3216/2008-CGCONT, de 08/12/2008, o Coordenador-Geral de Construção Rodoviária, deu ciência aoSuperintendente Regional do DNIT em Pernambuco sobre o teor do relatório mencionado noparágrafo anterior, solicitando implementar as recomendações nele contidas nos lotes de Página 87 de 253
  • 88. responsabilidade da Superintendência Regional em Pernambuco (lotes 07 e 08). Faz-se oportunotranscrever a íntegra dos itens 4 e 5 desse documento: [...] “4. Para a recuperação dos diversos defeitos deve ser utilizada a metodologia constante do item 6 do relatório que é perfeitamente compatível com o preconizado pela ABCP. 5. Pelo fato de se constatar grande incidência de defeitos nas regiões das juntas transversais de final de jornada, deve-se seguir rigorosamente o método executivo detalhado no item 7 do relatório, com reforço de fiscalização nestes pontos, com a presença constante de fiscais de campo das empresas supervisoras, de tal forma a garantir a boa qualidade executiva”. [...]Observa-se, portanto, que o gestor do contrato, além de apontar medida corretiva dos defeitosverificados, solicitou reforço de fiscalização por meio da Supervisora durante a execução.Todavia, os resultados da avaliação da irregularidade longitudinal feita no âmbito da fiscalizaçãoda Rede de Controle em novembro de 2009 demonstram que a providência do gestor de informara Superintendência Regional não contribuiu para evitar a continuidade do problema detectadoem 2008.Em março de 2010, após emissão de informe desta CGU, datado de dezembro de 2009, foramtomadas providências no sentido de corrigir essa grave falha detectada, conforme proposta dePlano de Intervenção Corretiva elaborado por Consultor do Consórcio Gerenciador. Isso indicaque no período entre novembro de 2008 e março de 2010, a execução defeituosa das placas deconcreto, assim como os respectivos pagamentos, transcorreu normalmente, já que até março de2010, já tinham sido pagos R$ 31.090.686,37, referente ao quantitativo total de 87.720,245 m³previsto para o serviço placa de concreto de cimento Portland.Nesse sentido, fica evidente a falta de adoção de medidas administrativas pertinentes à correçãoda prática executiva adotada. Caso o DNIT tivesse notificado o consórcio contratado, ou atémesmo suspendido pagamentos, o problema poderia ter sido evitado, eliminando a necessidadeda intervenção corretiva realizada.Ressalta-se que o Coordenador-Geral de Construção Rodoviária, gestor do contrato em tela, temcompetência regimental para avaliar e coordenar as medições para fins de pagamento. Assim, emface da não eliminação da prática executiva inadequada pelo Consórcio e da permanência dosdefeitos no pavimento, esse gestor, no exercício de sua competência regimental, deveria tersuspendido os pagamentos do serviço placa de concreto até que o Consórcio Construtorcorrigisse o método executivo. Porém, não foi verificada no caso em comento nenhuma atitudenesse sentido.Segundo o Relatório Técnico emitido pelo Prof° DSc José Tadeu Balbo em setembro de 2010,contratado pelo Exército Brasileiro no âmbito do plano de trabalho n° 40.001.10.22.01.01, emalguns locais onde essa intervenção corretiva foi realizada houve arrancamento do selante dasjuntas, ocasionando perda desse serviço já realizado e pago. Ressalta-se que a falta do selante nasjuntas expõe o pavimento à ação danosa da água, comprometendo a durabilidade.O citado relatório elenca no item 5 uma série de recomendações para garantir a integridade dopavimento, dentre elas a reposição imediata do selante. Neste caso específico, o gestor docontrato determinou ao Superintendente Regional do DNIT em Pernambuco que adotasse as Página 88 de 253
  • 89. medidas sugeridas pelo relatório técnico precitado, conforme Memorando 3617/2010 CGCONT,de 22/09/2010.Evidências:LEP - Laboratório de Engenharia e Pesquisa. Levantamento de Irregularidade com Road SurfaceProfile – RSP: Relatório Técnico RSP n° RSP-01.22.09, de janeiro de 2010.Norma DNIT 049/2009-ES: Execução de pavimento rígido com equipamento de formadeslizante.Memorando nº 3216/2008 CGCONT, de 08/12/2008.Relatório de Visitas Técnicas para Reuniões sobre Aplicação de Metodologia de Inspeção dePavimento Rígido e Verificação de Ocorrências Específicas na BR-101 NE. Consultor LuisCarlos Grossi – Consórcio Gerenciador Contécnica, Planservi e Lenc. (Novembro, 2009).Plano de Intervenção Corretiva. Consultor Luis Carlos Grossi – Consórcio GerenciadorContécnica, Planservi e Lenc. (Março, 2010).Memorando nº 3617/2010 CGCONT, de 22/09/2010.Relatório de Visita Técnica aos Lotes 07 e 08 da BR 101/PE. Consultor José Tadeu Balbo -Departamento de Obras de Cooperação – DOC/EB. (Setembro de 2010).CONSTATAÇÃO 015:INEXISTÊNCIA OU POSICIONAMENTO IRREGULAR DAS BARRAS DE LIGAÇÃO,CARACTERIZANDO EXECUÇÃO DO PAVIMENTO RÍGIDO EM DESACORDO COM OPROJETO EXECUTIVO.O pavimento rígido do lote 07 foi executado em desacordo com a prescrição do projetoexecutivo. Constatou-se ora a inexistência, ora o posicionamento incorreto e ora o espaçamentosuperior ao de projeto das barras de ligação das placas de concreto.Em princípio, a verificação foi realizada por meio do uso do equipamento Ground PenetratingRadar pela equipe de peritos da Polícia Federal. Foi levantada a extensão aproximada de 5,0 km,o que corresponde a 12% da extensão do lote.Posteriormente, o problema foi confirmado com a demolição da placa de concreto nasproximidades da estaca 148, dentro de um dos trechos examinados com o equipamentomencionado. Essa demolição foi realizada pelo consórcio construtor após determinação daequipe técnica do DNIT. Neste local especificamente, não foram encontradas barras ou oespaçamento medido foi superior ao especificado em projeto, que é de 50 cm. As fotografiasabaixo comprovam o achado (Figura I).O Projeto Executivo (Item 4.5.2.4 do Volume 1 Tomo I – Documentos para Licitação) prescreveduas juntas longitudinais de articulação no pavimento da duplicação do lote 7. Uma localizadano eixo da pista e outra no contato com a faixa de segurança. De acordo com o mesmo projetoexecutivo, foi prevista a colocação de barras de ligação “para melhor controlar as fissuraslongitudinais decorrentes do empenamento da placa” na seguinte configuração: Página 89 de 253
  • 90. Figura I: Defeitos na Placa de Concreto do Pavimento Rígido. Ausência de barras de ligação Espaçamento de 80cm entre barras“• Para junta longitudinal no eixo da pista – ф = 12,5mm a cada 50cm com comprimento de 92cm; • Para junta longitudinal entre a pista e a faixa de segurança – ф = 10,0mm a cada 50cm com comprimento de50cm.”No levantamento realizado constatou-se ausência de barras de ligação em diversos locais,principalmente na junta longitudinal entre a pista e a faixa de segurança. Algumas ocorrênciasapontaram barras fora da posição especificada no projeto. Em certos locais onde as barras foramdetectadas na posição correta foram encontrados espaçamentos de 60cm, 70cm, 80cm e até90cm. Nesse sentido, fica caracterizada execução de serviço em desacordo com o projetoexecutivo. A conclusão da equipe de fiscalização da CGU é a de que apenas uma pequenaextensão do lote 7 apresentava barras de ligação em conformidade com o prescrito no projetoexecutivo.De fato, o Laudo Pericial nº 1104/2011 – INC/DITEC/DPF cita resultado de Relatório TécnicoPreliminar, executado pela UnB, o qual informa que 88% das juntas longitudinais de todo opavimento executado não estão em conformidade com o projeto, por ausência ou posicionamentoincorreto das barras de ligação.Segundo o Manual de pavimento Rígido do DNIT, a função principal das barras de ligação émanter as faixas de tráfego livres de possíveis movimentos laterais, evitando a abertura da juntalongitudinal. Em face dos defeitos verificados e relatados acima, pode-se afirmar que essa funçãoimportante não será cumprida em boa parte do pavimento do Lote 7, comprometendo adurabilidade esperada de um pavimento rígido.Assim, observa-se que não houve incorporação ao serviço placa de concreto de parte daquantidade de material essencial ao bom funcionamento e durabilidade do pavimento rígido,material esse integrante do custo do serviço, portanto já pago pela Administração.Outro componente do dano ao erário a ser considerado diz respeito aos custos decorrentes daperda de durabilidade do pavimento. A União pagou ao Contratado por um pavimento quedeveria durar vinte anos com um baixo custo de manutenção. Contudo, a durabilidade esperadaprovavelmente será reduzida em função de defeito executivo provocado pelo Contratado, o queexigirá maiores intervenções de manutenção ao longo da vida útil. Esse custo não pode serimputado ao erário, já que decorre de defeito executivo originário de ação dolosa ou culposa docontratado. Página 90 de 253
  • 91. As inspeções de campo identificaram serviços materialmente relevantes com graves defeitosexecutivos, comprometedores dos padrões funcionais e da vida útil da rodovia. O serviço placade concreto de cimento Portland, que custou ao erário o montante de R$ 32.442.940,66 (valor dedez/2005), apresentou elevada irregularidade longitudinal, ausência ou posicionamento incorretode barra de ligação, resultando em um pavimento rígido com nível de conforto ao rolamentosimilar ao de pavimentos deteriorados. Não bastasse isso, o Laudo Pericial Criminal Federal1104/2011 INC-DITEC/DPF aponta que a resistência do concreto à tração na flexão das placasdo pavimento rígido apresentou-se inferior à especificada em projeto em alguns locais. Essesdefeitos são extremamente prejudiciais à durabilidade do pavimento, requerendo correções,demolições e refazimentos em alguns pontos que custariam o montante de R$ 42.961.724,07 (apreços de dezembro/2005), segundo o citado laudo pericial.Por fim, registra-se que foi encontrada em campo evidência de que os responsáveis peloacompanhamento da obra tinham conhecimento da ausência ou posicionamento irregular dasbarras de ligação. Em algumas placas existiam furos nas adjacências da junta longitudinal ondenão foram encontradas as barras de aço (Figura II abaixo).Figura II: Evidência de ausência de barras de ligação no pavimentoEvidências:Levantamentos de campo usando equipamento GPR – Ground Penetration Radar.Fotografia da Figura II.CONSTATAÇÃO 016:SUPERFATURAMENTO DE R$ 1.830.471,45 NO SERVIÇO ESCAVAÇÃO, CARGA ETRANSPORTE MATERIAL DE 3ª CATEGORIA.Até a 24ª medição (01/09/2008 a 30/09/2008) já havia sido medidos e pagos 71.811,95m3 doserviço Escavação, carga e transporte material 3ª categoria (itens 1.6.1 a 1.6.8 da planilha demedição), totalizando R$2.364.760,00, a preços iniciais. Esse quantitativo total foi medidoparcialmente nos seguintes boletins de medição: 8º, 9º, 12º, 13º,14º, 15º, 17º e 24°.Conforme informado pela equipe da supervisora durante a fiscalização em campo, o local ondehouve a maior quantidade desse serviço foi no corte denominado de C100, entre as estacas 1459e 1467. De fato, nesse local, foram medidos e pagos como desmonte convencional 33.648,00 m3(Mapa de cubação Parcial referente a 14ª Medição Parcial - 01/11/2007 a 31/11/2007), dos quais22.992,393m3 referem-se à faixa de DMT – Distância Média de Transporte 400 – 600m.A área da seção de medição considerada de material de 3ª categoria na estaca 1461 + 0,00 é301,268m2, o que informa que a medição realizada considerou que o material de terceira Página 91 de 253
  • 92. categoria, nesta seção específica, se estende da plataforma até o segundo patamar do corte (VideFigura I abaixo).Isso se repetiu nas demais seções de cubação do mesmo corte, demonstrando que na referidamedição o material de 3ª categoria foi considerado desde a plataforma de duplicação até osegundo patamar, ao longo de toda extensão do corte 100, resultando no quantitativo acimacitado de 33.648,00 m3.Figura I: Área Medida como material 3ª Categoria (em azul)Entretanto, inspeção visual realizada por equipe de fiscalização desta CGU constatou que omaterial de terceira categoria limita-se a dois nichos no meio do corte que atingem no máximo oprimeiro patamar e cujas extensões somadas não correspondem à metade do comprimento totaldo corte (Figura I).Por meio de cubação realizada com trena, e considerando para cada um desses nichosconstatados o volume de um paralelepípedo cuja base compreende toda a largura da plataformada duplicação, obtém-se que o volume máximo executado no referido corte foi de 7069,9 m³(Figura II). Essa quantidade corresponde a apenas 21% do quantitativo medido e pago para oreferido serviço na 14ª medição parcial.Figura II: Cubação do Material de 3ª Categoria (1459 - 1467)Além da ocorrência do corte C100, foram constatadas outras 03 ocorrências com vestígios derocha nas paredes dos cortes executados. O somatório dos volumes cubados pela equipe defiscalização da CGU como descrito acima nessas 03 ocorrências é de no máximo 2.500 m³. Página 92 de 253
  • 93. O valor correspondente à quantidade de fato executada no corte C100 é R$ 308.883,93 (a preçosiniciais), conforme Quadro XIII abaixo. No cálculo desse valor, distribuiu-se a quantidadeconstatada em campo no corte C100 (7069,9 m³) para o bota-fora mais distante dentre osconsiderados no Mapa de cubação Parcial da 14ª Medição Parcial - 01/11/2007 a 31/11/2007,isto é: BF51 (DMT 2570 m) cujo preço unitário correspondente é R$ 43,69.No caso das outras três ocorrências, o valor correspondente ao quantitativo constatado porequipe de fiscalização da CGU foi obtido multiplicando a quantidade 2.500 m³ pelo preçounitário correspondente à faixa de DMT de maior distância da planilha contratual (DMT 7001 a9000m) - R$ 70,82. Assim, o valor referente à quantidade constatada é R$ 177.050,00 (cento esetenta e sete mil e cinquenta reais).Portanto, o superfaturamento do serviço escavação carga e transporte de material 3ª categoriamedido e pago até outubro de 2009 é de R$ 1.878.826,07 a PI, conforme Quadro III seguinte.Quadro III: Cálculo do Valor do Superfaturamento CONSTATADO Medido e Pago (até OUT/2009)Ocorrência DMT P. Unit. Quantidade (m3) Valor Quantidade (m3) ValorC100 2001 a 3000m R$ 43,69 7069,9 R$ 308.883,93Demais 7001 a 9000m R$ 70,82 2500 R$ 177.050,00 71.811,95 R$ 2.364.760,00 SUBTOTAL R$ 485.933,93 R$ 2.364.760,00 VALO SUPERFATURADO A PI R$ 1.878.826,07Fonte: DITRA/SFC/CGUA execução desse serviço medido e pago a maior foi avaliada e atestada pela fiscalização esupervisão, conforme Boletins de Medição nº 8, 9, 12, 13,14, 15, 17 e 24. Com base no atesto dafiscalização foi emitida nota fiscal e procedido o pagamento após avaliação da Coordenação-Geral de Construção Rodoviária.Evidências:24ª Boletim de medição referente ao período de 01/09/2008 a 30/09/2008.Boletins de medição nº 8, 9, 12, 13,14, 15 e 17.Mapa de cubação Parcial referente a 14ª Medição Parcial - 01/11/2007 a 31/11/2007.seção transversal de medição na estaca 1461 + 0,00;seções transversais de medição entre as estacas 1459 e 1467 – Corte C100.Figura II: Cubação do Material de 3ª Categoria (Corte C100 entre Estacas 1459 – 1467).Quadro III: Cálculo do Valor do Superfaturamento.CONSTATAÇÃO 017:APROVAÇÃO DE REVISÃO DE PROJETO EM FASE DE OBRA COMSUPERESTIMATIVA DE QUANTIDADE DO SERVIÇO “ECT 3ª CATEGORIA EM ÁREADE RISCO”.Os serviços de escavação, carga e transporte de material 3ª categoria tiveram seus quantitativos epreços unitários modificados na planilha da 37ª Medição Parcial  01/10/2009 a 31/10/2009,gerando aumento significativo nos respectivos valores.Até outubro de 2009 já haviam sido medidos e pagos 71.056,96 m3 do serviço Escavação, cargae transporte material 3ª categoria (itens 1.6.1 a 1.6.8), totalizando R$ 2.316.405,38, a preçosiniciais. Desse quantitativo, foram estornados na mesma medição 55.058,45 m3, o que equivale aR$1.757.453,36 a PI. Página 93 de 253
  • 94. Em decorrência do 2° Relatório de Readequação do Projeto em Fase de Obra (2° RRPFO) foiinserido na planilha contratual o serviço escavação, carga e transporte material 3ª categoria emárea de risco (fogo controlado) para cinco faixas de DMTs, com preços superiores aos pré-existentes na planilha contratual e na quantidade de 62.661,43 m3, totalizando R$ 3.648.090,99(Quadro I abaixo).Quadro I: Quantitativo e preços unitários do serviço ECT 3ª CAT. Área de risco (fogo controlado) – 2º RRPFO. Escavação, carga e transporte mat. 3ª Cat. Área de risco (fogo controlado) DMT Ud. Quant. 2ª Revisão P. Unit. Valor (R$) Até 50m m3 244,73 53,4 13.068,58 3 201m a 400m m 19787 57,92 1.146.063,04 3 401m a 600m m 23590,39 58,66 1.381.453,24 601m a 800m m3 8432,14 59,42 501.037,76 3 801 a 1000m m 800,56 60,62 48.529,95 2001 a 3000m m3 7806,61 71,47 557.938,42 Total 62661,43m3 3.648.090,99Fonte: DITRA/SFC/CGUAo ser questionada sobre as justificativas dessa modificação (SF nº 003/237418), aFiscalização/Supervisão informou que “esse tipo de serviço foi executado nas proximidades dehabitações urbanas, exigindo um plano de fogo bem mais específico e complexo”. Segundo aSupervisora, essas especificidades e complexidades “afetam a produtividade de execução doserviço e também a quantidade de insumos aplicados, diferenciando-o do desmonte comum”.De fato, próximo à ocorrência de maior quantidade, corte C100 entre as estacas 1459 e 1467,havia um posto de combustível e algumas residências, conforme fotografia apresentada comoFigura II da Constatação 016. Todavia, a pertinência da justificativa apresentada carece deelementos comprobatórios ainda não enviados à equipe de fiscalização da CGU.Não foram apresentados registros fotográficos da execução do desmonte realizado quedemonstrem as especificidades e complexidades alegadas. Tampouco foi enviada a esta CGUqualquer composição analítica demonstrando os preços unitários adotados. Destaca-se que osregistros fotográficos, de responsabilidade da Supervisora, foram solicitados ainda em novembrode 2009, quando da emissão da SF nº 003/237418.Além de ainda não ter sido demonstrada a adequabilidade dos preços à técnica de fato executada,os quantitativos inseridos na planilha contratual por meio do 2º RRPFO foram superestimados.Para a faixa de DMT de 400 a 600 m foi inserido o quantitativo de 23.590,39 m³ (ECT 3ª cat.área de risco fogo controlado) em substituição à quantidade estornada de 24.938 m³anteriormente executada e paga como desmonte convencional.Esse quantitativo inserido refere-se em sua grande parte à ocorrência localizada no corte C100(estacas 1459 e 1467), cujo o volume máximo de remoção de rocha estimado por equipe defiscalização da CGU é 7069,9 m³, conforme relatado na constatação anterior. Portanto, verificou-se uma superestimativa de 16520,49 m³.É oportuno registrar que as quantidades e preços novos propostos no 2º RRPFO para os serviçosEscavação carga e transporte 3ª categoria em área risco (fogo controlado), elencados no QuadroIII da Constatação nº 016, foram inseridos na página 02 do Boletim de Serviços Executados,coluna Dados Contratuais, integrante da 37ª Medição Parcial, referente a outubro de 2009. Noentanto, consulta a essa mesma medição, realizada em 23/05/2011 no SIAC (Sistema deAcompanhamento de Contratos), referente à 55ª Medição Provisória, evidencia que as Página 94 de 253
  • 95. quantidades de projeto para esse mesmo serviço são bem inferiores às registradas como dadoscontratuais no Boletim de Serviços Executados da 37ª Medição Parcial, assinado peloEngenheiro de Campo da Supervisora e pelo Fiscal do contrato.O serviço em comento começou a ser medido e pago em novembro de 2009 na 38ª Medição,mesmo mês em que a equipe de fiscalização da CGU esteve em campo e detectou asuperestimativa das quantidades. O quantitativo medido e pago é muito inferior ao proposto no2º RRPFO. Os preços unitários, no entanto, são os mesmos aprovados no 2º RRPFO. O QuadroII a seguir relaciona os itens medidos e pagos do serviço Escavação, carga e transporte 3ªcategoria área de risco (fogo controlado) desde essa medição até a 55ª medição provisória,referente a fevereiro de 2011.Quadro II: Valores medidos e pagos desde 38º MP até 55ªMP. Escavação, carga e transporte mat. 3ª Cat. Área de risco (fogo controlado) DMT Ud. Quant. Medido P. Unit. Valor (R$) 201m a 400m m3 7.840,89 R$ 57,92 454.144,05 601m a 800m m3 2.389,44 R$ 59,42 141.980,52 801 a 1000m m3 2.319,06 R$ 60,62 140.581,41 3 2001 a 3000m m 3.698,43 R$ 71,47 264.326,64 Total 16.247,81 1.001.032,62Fonte: DITRA/SFC/CGUPortanto, foi medido e pago um quantitativo total de 16.247,81 m³, o que equivale a somente26% da quantidade inserida em planilha contratual pelo 2º RRPFO. Em termos de valores,verifica-se que o de fato medido e pago, R$ 1.001.032,62, representa 27% do valorcorrespondente ao quantitativo inserido em planilha contratual pelo 2º RRPFO (R$3.648.090,99). Portanto, uma diferença de R$ 2.647.058,37 a valor inicial.Outro fato que reforça a constatação é a divergência verificada entre as quantidades dos serviçosECT 3ª Cat Área de risco (Fogo controlado) inseridas na planilha do 2º RRPFO, aprovada pelaCGCONT em 18/08/2009, e os quantitativos desses mesmos serviços constante na coluna“Quantidade de Projeto” da planilha da 37ª Medição (01/10/2009 – 31/10/2009) do sistemaSIAC (consulta 06/04/2011). Foram propostas e aprovadas as quantidades relacionadas noQuadro I anteriormente apresentado, cujo total foi de 62.661,43 m3, mas, no entanto, foraminseridas no SIAC as quantidades relacionadas no Quadro II, no total de 16.247,81m³.Observa-se, assim, que a Coordenação-Geral de Construção Rodoviária aprovou alteração dequantidade superestimada, mas ao tomar conhecimento do Informe CGU de novembro de 2009,que relatava um provável superfaturamento dos serviços em comento, não efetivou o pagamentocom quantidade a maior que o de fato executado.O 2º RRPFO proposto pelo Consórcio Construtor com a citada superestimativa foi avaliado eaprovado pela Supervisora, conforme documento Ct nº 134/2009 e análise anexa, de 01/07/2009.Com base na manifestação da Supervisora, o Fiscal do Contrato aprovou o 2º RRPFO semqualquer ressalva, conforme documento constante à folha 39 do processo nº 50604000936/09-56,de 02/07/2009. No mesmo processo também consta o “de acordo” do Consórcio GerenciadorContécnica/ Lenc/ Planservi, consignado na Carta nº 35/2009, de 03 de julho de 2009, assinadapelo Engenheiro Silvano José Queiroga de C. Filho. Com supedâneo nas manifestações citadas,por meio do Parecer técnico n° 25/2009/01/09 de 17/08/2009, recomendou-se a aprovação doreferido RRPFO ao Coordenador-Geral de Construção Rodoviária, este assim procedendo em31/08/2009 conforme despacho presente à folha 116 do processo n° 50604000936/09-56. Página 95 de 253
  • 96. Por meio do Relato nº 705/2009, de 01/10/2009, o Diretor de Infraestrutura Rodoviária, aprovoua solicitação do Consórcio e encaminhou proposta de Termo Aditivo ao contrato TT-252/2006-00 à Diretoria Colegiada. Esse órgão colegiado aprovou a referida proposta por unanimidade em06/10/2009, conforme Ata 39/2009.Evidências:37ª Medição Parcial referente ao período de 01/10/2009 a 31/10/2009;Planilha do 2ª Relatório de Revisão de Projeto em Fase de Obra;Fotografia da Figura I – Constatação 016;Planilha da 37ª Medição Parcial referente a outubro de 2009, página 02 do Boletim de ServiçosExecutados, coluna Dados Contratuais;Planilha da 55ª Medição Provisória referente ao período de 01/04/2011 a 30/04/2011 – ConsultaSIAC em 23/05/2011.Ct nº 134/2009 e análise anexa da Empresa JBR Engenharia Ltda (Supervisora), de 01/07/2009.Despacho de 02/07/2009, folha 39 do processo nº 50604000936/09-56 – Fiscal do contrato.Carta nº 35/2009, de 03 de julho de 2009 - Consórcio Gerenciador Contécnica, Lenc e Planservi- Engenheiro Silvano José Queiroga de C. Filho.Parecer Técnico n° 25/2009/01/09 de 17/08/2009 elaborado por Analista de Infraestrutura deTransportes CGCONT/DNIT.Despacho de Aprovação de 31/08/2009 presente à folha 116 do processo nº 50604000936/09-56– Coordenador-Geral de Construção Rodoviária.CONSTATAÇÃO 018:EXECUÇÃO DE SERVIÇOS SEM COBERTURA CONTRATUAL.No 17º Boletim de Medição Parcial, referente ao mês de fevereiro de 2008, foram medidos epagos 232.344,66 m³ do serviço “103.023 - Colchão drenante de areia (DMT = 45,70)” ao preçounitário de R$ 56,25, totalizando R$ 13.069.387,52. No entanto, até 27/11/2009, data de términoda fiscalização de campo da CGU, o quantitativo executado era bem menor.Durante a fiscalização em campo, verificou-se que no 37º Boletim de Medição (01/10/2009 a31/10/2009) constava como realizado até então a quantidade de 120.820,324m³, cujo valor é R$6.796.143,23 a PI. Uma redução de 48% em relação ao quantitativo medido e pago em fevereirode 2008.A JBR Engenharia, empresa Supervisora, por meio da Carta nº 263/2009 de 11/12/2009,respondendo ao item “e” da SF003/237418, informou que esse quantitativo a maior foi estimadopor ocasião da proposta do 1º Relatório de Revisão de Projeto em Fase de Obra, dado o aumentodos locais onde esse serviço se fazia necessário, em virtude da perda de estabilidade dos solosde baixada provocada pela inundação durante o período chuvoso.Contudo, na mesma resposta, a Supervisora informa que durante a execução dos trabalhosverificou-se que em alguns pontos não foi necessária a execução de todo o quantitativo previsto eque o valor a maior foi utilizado para pagamento de serviços não constantes da planilhacontratual, porém executados após aprovação do 1º RRPFO, quais sejam: desmonte controladode rocha, terraplenagem das ilhas dos retornos, escavação de solo com esgotamento parafundações dos bueiros, carga e transporte de material proveniente de desmatamento (exigênciado gerenciador ambiental), adequação de serviços nas obras de artes especiais, bem como oremanejamento da rede elétrica. Página 96 de 253
  • 97. A Supervisora, neste documento, afirma que, diante da demora na aprovação de uma segundareadequação de projeto em fase de obra e da necessidade de manutenção do equilíbrioeconômico do contrato, optou-se em conjunto com o DNIT e a Construtora por medir os serviçosmencionados acima no item colchão drenante de areia, procedendo-se em seguida quando daaprovação do 2º RRPFO o devido estorno e adequação das reais quantidades executadas.Informa também que o fiscal do contrato determinou os estornos dos valores medidos, sendoesses realizados na 26ª (nov/2008), 27ª (dez/2008) e 37ª (out/2009) medições. Conforme quadro“Resumo colchão drenante de areia X Serviços executados” foi estornado o total de R$6.407.629,48 nas seguintes medições parciais: 26ª MP (4981,45 m³/R$ 280.206,28); 27ª MP(76.107,669 m³/R$ 4.281.056,38); 37ª MP (32.824,299/R$1.846.366,8). No entanto, o valorcorrespondente aos serviços acima mencionados e inclusos no 2º RRPFO é de R$6.408.476,08.Apesar dos motivos alegados na resposta apresentada, não foi apresentada documentaçãocomprobatória da aferição dos quantitativos dos serviços não previstos em planilhas, porémfaturados como colchão drenante. No quadro resumo anteriormente mencionado, não constamsequer as quantidades dos serviços ditos realizados e pagos como colchão drenante de areia.Além disso, não foi demonstrado o momento da execução desses serviços, nem a localizaçãocom o adequado cálculo explicativo de quantidades.Portanto, resta configurada, como admitido pela própria Empresa Supervisora, a execução deserviços sem cobertura contratual, prática considerada irregular por expor o erário a risco dedano, e contrariar o disposto no Art. 65, I, “a” da Lei 8.666/93. Segundo esse comando legal,serviços não previstos em contrato somente podem ser executados após a aprovação dasjustificativas para alteração do projeto, o que não ocorreu no caso em comento.Em outra ocasião, por meio do Acórdão TCU nº 1738/2006 - Plenário, o Tribunal de Contas daUnião já havia feito determinação ao DNIT para não realizar a prática aqui relatada: “Acórdão TCU nº 1738/2006 Plenário 9.1. determinar ao Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes - DNIT que: […] 9.1.3. abstenha-se de realizar as chamadas “medições de gaveta”, relativas a execução de quantitativos não previstos em contrato e que aguardam a assinatura de aditivo para que possam constar de medição oficial;”Conforme consignado às folhas 08 da Carta CT 263/2009 essa prática foi acordada entreSupervisora, DNIT e Consórcio Construtor.Nesse mesmo contexto fático, também houve pagamento de serviço não executado, uma vez queo quantitativo de “colchão drenante de areia” atestado e pago no 17º Boletim de Medição Parcial(Fevereiro/2008) não foi integralmente executado. O valor pago a maior na ocasião foi de R$6.273.244,29 a preços iniciais. Esse mesmo entendimento expressou a Perícia do MinistérioPúblico Federal na conclusão do Laudo Pericial n° 22/2011 (item III, alínea “a”).Ainda em relação a esse laudo pericial, cita-se o destaque dado ao fato de a verificação queresultou em devolução dos valores referentes ao serviço “colchão drenante de areia” só ter sidofeita após fiscalização do TCU, realizada de abril a junho de 2008.Evidências:17º Boletim de Medição Parcial - fevereiro de 2008.37º Boletim de Medição referente ao período de 01/10/2009 a 31/10/2009.Carta nº 263/2009 de 11/12/2009 – JBR Engenharia Ltda (Supervisora). Página 97 de 253
  • 98. Laudo Pericial nº 22/2011 - Ministério Público Federal – Assessoria Pericial da 5ª Câmara deCoordenação e Revisão – Patrimônio Público e Social.CONSTATAÇÃO 019:APROVAÇÃO DE REVISÃO DE PROJETO EM FASE DE OBRA COMSUPERESTIMATIVA DE QUANTITATIVO DO SERVIÇO “COLCHÃO DRENANTE DEAREIA” COM PREJUÍZO EM POTENCIAL NO VALOR DE R$ 6.931.598,00, A PI.A 1ª Revisão de Projeto em fase de obra promoveu alteração significativa no quantitativo doserviço “colchão drenante de areia”, bem como aumento do preço unitário decorrente dealteração de distância média de transporte. A quantidade prevista no projeto executivo de 56.734m³ foi revisada para 249.197 m³, isto é, 4,5 vezes a quantidade de projeto, ou seja, um aumentode aproximadamente 339%. Tais alterações provocaram um aumento líquido de R$11.936.895,47 no valor do contrato.Nos itens 05 e 06 do Relatório de Análise da 1ª Revisão em Fase de Obras assentado às folhas 66a 68 do processo nº 50604003813/07-13, o Fiscal do Contrato afirma que essa alteração decorrede acréscimos das extensões e/ou profundidades dos locais previstos no projeto com solos debaixa capacidade de suporte assim como outras ocorrências surgidas após a fase de projeto.A Supervisora JBR Engenharia, também autora do Projeto Executivo ora revisado, na Carta nº263/2009, em resposta ao item da SF 003/237418, o qual solicita explicações para essa diferençade quantidade, traz o seguinte como justificativa para essa alteração: limitações no levantamentodos quantitativos durante a fase de projeto, associadas ao fato de tais levantamentos seremrealizados durante o período seco, ao passo que durante a obra, no contexto desta 1ª Revisão, oslevantamentos foram feitos nos pontos baixo e em presença de chuvas, o que provocou aumentodas ocorrências de solo com baixa capacidade de suporte.Entretanto, na mesma Carta nº 263/2009, a empresa Supervisora informa que durante aexecução dos trabalhos verificou-se que em alguns pontos não foi necessária a execução de todoo quantitativo inserido e aprovado no 1° Relatório de Revisão de Projeto em Fase de Obra (1ºRRPFO). De fato, consulta feita ao sistema SIAC em 17/05/2011 evidencia que a quantidadeacumulada medida e paga do serviço “colchão drenante de areia” até março de 2011 (54°Boletim de Medição Parcial) foi de 125.968,588 m³.Dessa forma, considerando que não haverá mais execução desse serviço dado o estágio final daexecução da obra, pode-se concluir que o aumento de quantidade para 249.197m³ na 1ª RRPFOmostrou-se muito superior às necessidades reais da obra. Isto é, neste 1º RRPFO foi proposto eaprovado quantitativo do serviço colchão drenante de areia 98% superior ao necessário, ou seja,aproximadamente o dobro do necessário. O valor correspondente à quantidade superestimada éR$ 6.931.598,00, a preços iniciais.Um erro dessa magnitude para mais no contexto de Revisão de Projeto em Fase de Obra não érazoável. O levantamento das quantidades do serviço em comento com a obra em andamento éfavorecido pela disponibilidade de equipamentos, bem como pelo fato de as frentes de serviçoestarem abertas, facilitando a visualização e o acesso aos locais de execução.Esse quantitativo superestimado foi proposto pelo Consórcio Construtor em 26 de novembro de2007, por meio da Carta DC-BR101 Nº 048/2007. Por meio do Relatório de Análise da 1ªRevisão de Projeto em Fase de Obras (sem data), o Fiscal do Contrato aprovou as alteraçõespropostas nos seguintes termos: Página 98 de 253
  • 99. [...] “considerando que todas as alterações estão devidamente justificadas e que os quantitativos estão calculados de acordo com a realidade da obra (grifos nossos) opinamos pela aprovação do aditivo contratual no valor indicado na introdução deste relatório”. [...]Na documentação encaminhada pelo Coordenador-Geral de Construção Rodoviária, Memorandon° 4596/2009/CGCONT/DIR, em resposta a SF nº 004/237418/CGU, não há qualquermanifestação da supervisora sobre as alterações propostas pelo Consórcio. Consta parecer doEng° Silvano José Queiroga de Carvalho Filho, representante do Consórcio GerenciadorContécnica, Planservi e Lenc, de 27/11/2007, posicionando-se favoravelmente às alteraçõespropostas pelo Consórcio Construtor.Com base nos pareceres do fiscal do contrato e do consórcio gerenciador, o SuperintendenteRegional substituto, encaminhou à Coordenação-Geral de Construção Rodoviária - CGCONT,por meio do MEMO n° 178/2007 - Superintendência, de 27/11/2007, processo n°50604.003813/2007-13 que trata do 1º RRPFO, recomendando a sua aprovação.No âmbito da CGCONT foi emitido o Parecer Técnico n° 207/07/01/2007 (CGCONT),concluído em 04/12/2007, no qual consta posicionamento embasado nos pareceres retromencionados favorável à alteração do quantitativo do serviço colchão drenante de areia propostapelo consórcio construtor no 1º RRPFO. Com base nessa análise e nos demais pareceresintegrantes do processo nº 50604.03813/07-13, nesta mesma data, foi emitido despacho doCoordenador-Geral de Construção, aprovando a revisão de projeto em comento.Por meio do Relato nº 1352/2007, sem data, o Diretor de Infraestrutura Rodoviária aprovou asolicitação do Consórcio e encaminhou proposta de 1º Termo Aditivo ao contrato TT-252/2006-00 à Diretoria Colegiada. Esse órgão colegiado aprovou a referida proposta por unanimidade em26/12/2007, conforme Ata nº 52/2007.Evidências:Planilha orçamentária do 1º Relatório de Revisão de Projeto em Fase de Obra.Relatório de Análise da 1ª Revisão em Fase de Obras, de 26/11/2007, assentado às folhas 66 a 68do processo nº 50604003813/07-13 - Fiscal do Contrato.Carta nº 263/2009 de 11/12/2009 – JBR Engenharia Ltda (Supervisora).Planilha do 54° Boletim de Medição Parcial (março de 2011).Carta DC-BR101 Nº 048/2007, de 26/11/2007 – Consórcio Queiroz Galvão, Odebtrecht,Andrade Gutierrez e Barbosa Mello.Memorando n° 4596/2009/CGCONT/DIR, em resposta a SF nº 004/237418/CGU –Coordenador-Geral de Construção Rodoviária.Parecer Favorável, de 27/11/2007 – Consórcio Gerenciador Contécnica, Planservi e Lenc – Eng.ºSilvano José Queiroga de Carvalho Filho.MEMO n° 178/2007 - Superintendência, de 27/11/2007, processo n° 50604.003813/2007-13 –Aceitação do 1º RRPFO – Superintendente Regional DNIT/PE Substituto.Parecer Técnico n° 207/07/01/2007 (CGCONT), concluído em 04/12/2007 pelo Analista deInfraestrutura de Transportes CGCONT/DNIT.Despacho de Aprovação de 04/12/2007, processo nº 50604.03813/07-13 – Coordenador Geral deConstrução Rodoviária.Relato nº 1352/2007, sem data - Diretor de Infraestrutura Rodoviária. Página 99 de 253
  • 100. CONSTATAÇÃO 020APROVAÇÕES DE REVISÕES DE PROJETO EM FASE DE OBRA COM QUNTITATIVOSDE TERRAPLENAGEM SUPERESTIMADOS COM DANO AO ERÁRIO EM POTENCIALNO VALOR DE R$ 20.560.370,95.O Primeiro Relatório de Revisão do Projeto em Fase de Obra (1º RRPFO) foi aprovado comquantidades superestimadas dos serviços escavação carga e transportes (ECT). Talsuperestimativa decorre de fraude no processo de cálculo das quantidades desses serviçosnecessárias para atender às modificações no traçado da Variante da cidade de Ribeirão - PE.O contrato original previa o quantitativo total de 3.642.491 m³ para os serviços de escavaçãocarga e transporte. No 1º RRPFO a quantidade total desses serviços, para todas as faixas deDMTs (distância média de Transportes) e categorias de material, passou para 4.895.832 m³, umaumento de 1.253.341 m³, que em termos percentuais representa 34% de incremento.A justificativa apresentada pelo Consórcio Construtor e aceita integralmente pelo DNIT foi queesse aumento de quantidade decorria da alteração de traçado no subsegmento da Variante deRibeirão, que no projeto executivo estava parcialmente sobreposta ao açude de abastecimentod’água desse município. De fato, essa justificativa é pertinente, conforme relatado na constatação009 – alínea “a”. Entretanto, o quantitativo proposto e aceito sem nenhum questionamento porparte da Supervisora, Gerenciadora, fiscalização e demais representantes do DNIT são muitosuperiores à quantidade necessária para atender a alteração em comento.De acordo com o Laudo de Perícia Criminal Federal nº 824/2011-INC/DITEC/DPF, de 28 deabril de 2011, a alteração de traçado do subsegmento da Variante de Ribeirão na realidadeaumentou os volumes de corte (serviços de escavação carga e transporte) em apenas 113.834,76m³. Trata-se de uma quantidade bastante inferior à aprovada pelo DNIT no 1º RRPFO. Em outraspalavras, pode-se afirmar que o quantitativo aprovado pela Supervisão/Fiscalização, ConsórcioGerenciador e setores competentes do DNIT é mais de 10 vezes superior ao necessário.Esse mesmo documento pericial aponta como causa dessa superestimativa a existência de fraudeno processo de cálculo dos volumes de corte da Variante de Ribeirão, realizada pela EmpresaSupervisora JBR Engenharia Ltda, supostamente em conluio com o Consórcio Construtor(Empresas Queiroz Galvão, Barbosa Mello, Andrade Gutierrez e Odebrecht), já que este é oprimeiro beneficiário dos posteriores pagamentos superfaturados.Segundo o Laudo Pericial, a fraude consistia em alterar artificiosamente no escritório a feiçãoprimitiva do terreno natural de modo a se obter áreas a serem cortadas bem superiores às reais,superestimando assim os volumes de cortes obtidos a partir dessas áreas. Na Figura I a seguir,vê-se um exemplo da estaca 2282, na Variante de Ribeirão: à esquerda, a seção que gera ovolume é formada entre a superfície artificiosa (Linha de cor lilás) e o projeto geométrico (linhavermelho) gerando a falsa área da seção (verde claro), enquanto, à direita, a seção verificada pelaperícia é menor (área verde), porque é formada a partir da superfície do terreno naturalverdadeira.Esse quantitativo de terraplenagem superestimado foi proposto pelo Consórcio Construtor em 26de novembro de 2007 por meio da Carta DC-BR101 Nº 048/2007. Por meio do Relatório deAnálise da 1ª Revisão de Projeto em Fase de Obras (sem data), o Fiscal do Contrato, Eng.ºGenivaldo Paulino da Silva limitou-se a transcrever as justificativas apresentadas pelo consórciosem desenvolver qualquer análise, aprovando as alterações propostas nos seguintes termos: [...] Página 100 de 253
  • 101. “considerando que todas as alterações estão devidamente justificadas e que os quantitativos estão calculados de acordo com a realidade da obra (grifos nossos) opinamos pela aprovação do aditivo contratual no valor indicado na introdução deste relatório”.Figura I: Exemplo de Processo de Cálculo Fraudulento na Variante de RibeirãoFonte: Fonte: Laudo Pericial Nº 824/2011 – INC/DITEC/DPFNa documentação encaminhada pelo Coordenador-Geral de Construção Rodoviária, Memorandon° 4596/2009/CGCONT/DIR, em resposta a SF nº 004/237418/CGU, não há qualquermanifestação da supervisora sobre as alterações propostas pelo Consórcio. Consta parecer doEng° Silvano José Queiroga de Carvalho Filho, representante do Consórcio GerenciadorContécnica, Planservi e Lenc, de 27/11/2007, posicionando-se favoravelmente às alteraçõespropostas pelo Consórcio Construtor.Com base nos pareceres do fiscal do contrato e do consórcio gerenciador, o SuperintendenteRegional substituto, encaminhou à Coordenação-Geral de Construção Rodoviária - CGCONT,por meio do MEMO n° 178/2007 - Superintendência, de 27/11/2007, processo n°50604.003813/2007-13 que trata do 1º RRPFO, recomendando a sua aprovação.No âmbito da CGCONT foi emitido Parecer Técnico n° 207/07/01/2007 (CGCONT), concluídoem 04/12/2007, no qual consta posicionamento embasado nos pareceres retro mencionados,favorável às alterações dos quantitativos dos serviços de escavação carga e transporte (ECT).Sobre esse parecer técnico, convém informar que se constitui de análise cujo conteúdo limita-seà transcrição de fragmentos da justificativa apresentada pelo Consórcio. Essa análise contémjuízo de valor expressando enfaticamente a ocorrência de erro grave de projeto executivo naconcepção do traçado da Variante de Ribeirão, o que é coerente com a realidade dos fatos (videconstatação 009). Entretanto, nesse documento não se verifica qualquer ponderação sobre asnovas quantidades dos serviços ECTs propostas. Pelo contrário, em sua conclusão o analistarecomenda a aprovação dessas alterações afirmando que não foram encontradas incorreções nasmodificações de terraplenagem. Essa afirmação é contrária ao Laudo Pericial nº 824/2011-INC/DITEC/DPF, o qual comprova que o aumento de quantidade de ECTs aprovado é mais de10 vezes superior ao incremento necessário para atender às modificações de traçado exigidas.Com base nessa análise e nos demais pareceres integrantes do processo nº 50604.03813/07-13,nessa mesma data (04/12/2007), foi emitido despacho do Coordenador-Geral de Construção,aprovando a revisão de projeto em comento.Foi encaminhada a esta CGU Nota Técnica da Coordenação-Geral de Projetos deInfraestrutura/CGDESP/DPP, de 14/01/2009, informando que durante o processo de aprovação Página 101 de 253
  • 102. do 1º Relatório de Revisão de Projeto em Fase de Obra não foi observado o disposto no Art. 5ºda Portaria nº 1046, de 06/09/2005, cujo comando encerra o seguinte conteúdo: Portaria 1046 de 06/09/2005 do Diretor Geral do DNIT [...] “Art. 5º - Quando for imprescindível promover a revisão do projeto final de engenharia durante a execução da obra, com ampla e detalhada justificativa, durante a fase de análise, antes da sua aprovação pela autoridade competente, deverá o setor que aprovou o projeto original, manifestar a respeito da solução técnica na revisão do projeto.” [...]De fato, o despacho de aprovação do 1º RRPFO emitido pelo CGCONT, é da mesma data doParecer Técnico n° 207/07/01/2007, 04/12/2007, último documento emitido na fase de análise.Assim, o Coordenador-Geral de Construção Rodoviária – CGCONT aprovou as alterações deterraplenagem no projeto executivo sem permitir que o setor responsável por analisar e aprovar oprojeto executivo original avaliasse as modificações propostas, contrariando veementemente acitada Portaria.O mesmo problema foi verificado na aprovação do 2º Relatório de Revisão de Projeto em Fasede Obra (2ºRRPFO). Neste último caso, o quantitativo total dos serviços de escavação, carga etransporte passou de 4.895.832 m³ para 5.443.062 m³, um aumento de 547.230 m³ atribuído,principalmente, à necessidade de cortes nas ilhas de retorno não previstos originalmente.De acordo com o Laudo Pericial nº 824/2011-INC/DITEC/DPF, de 28 de abril de 2011, ovolume total de corte necessário para execução completa do Lote 07 da BR 101 em Pernambucoé de 3.616.379,52 m³, já incluídos os cortes extras nos retornos e a modificação do traçado daVariante de Ribeirão. Logo, foram aprovados 1.826.682 m³ a mais que o necessário, o querepresenta uma superestimativa de aproximadamente 50%. Conforme esse documento pericial,essas superestimativas podem ser explicadas, em síntese, pelos vícios constatados nas superfíciesdo Terreno Natural elaboradas pela JBR Engenharia Ltda, e usadas no cálculo dos volumes deterraplenagem.O 2º RRPFO proposto pelo Consórcio Construtor com a citada superestimativa foi avaliado eaprovado pela Supervisora, conforme documento Ct nº 134/2009 e análise anexa, de 01/07/2009.Essa análise limita-se a informar a adequação das justificativas apresentadas pelo Consórcio, nãocontemplando qualquer avaliação sobre o novo quantitativo de ECTs proposto. A seguir, atranscrição da conclusão dessa análise da Empresa Supervisora, JBR Engenharia Ltda:Análise do 2º Relatório de Revisão em Fase de Obras. [...] “As justificativas referentes aos acréscimos destes serviços apresentadas no Relatório de Revisão, descrevem a contento a situação que conduz a necessidade da adequação da terrpalenagem proposta neste Relatório de Revisão, estando adequada aos serviços requeridos e realizados.” [...]Com base na manifestação da Supervisora, o Fiscal do contrato aprovou o 2º RRPFO semqualquer ressalva, conforme documento constante à folha 39 do processo nº 50604000936/09-56,de 02/07/2009. Limita-se a afirmar que no item terraplenagem “os acréscimos de serviços foram Página 102 de 253
  • 103. devidamente justificados”, concluindo nos seguintes termos: Parecer do Fiscal do Contrato: [...] “Diante das justificativas apresentadas e manifestações da JBR Engenharia Ltda., Supervisora do Lote 07 da Rodovia BR 101/PE, somos favoráveis a aprovação do pleito solicitado pelo Consórcio Construtor.” [...]No mesmo processo também consta o de acordo do Consórcio Gerenciador Contécnica/ Lenc/Planservi, consignado na Carta nº 35/2009, de 03 de julho de 2009, assinada pelo EngenheiroSilvano José Queiroga de C. Filho.Com supedâneo nas manifestações citadas, por meio do Parecer Técnico n° 25/2009/01/09(CGCONT) de 17/08/2009, recomendou-se a aprovação do 2º RRPFO ao Coordenador-Geral deConstrução Rodoviária, este assim procedendo em 31/08/2009, conforme despacho presente àfolha 116 do processo nº 50604000936/09-56.No citado parecer técnico da CGCONT, o analista manifesta aprovação pela justificativaapresentada pelo Consórcio, cita a existência das memórias de cálculos em volumes anexo, masnão desenvolve qualquer análise sobre essas memórias de cálculo. Por fim, conclui o parecer nosseguintes termos: Parecer técnico n° 25/2009/01/09 (CGCONT): [...] “Concluído o Parecer, informamos que não foram encontradas incorreções na Terraplenagem do relatório, conforme descrito acima.”Neste caso também não foi dada a oportunidade ao setor responsável pela análise e aprovação doprojeto executivo original de se manifestar sobre as alterações de terraplenagem aqui citadas. Noprocesso nº 50604000936/09-56 não foi verificado despacho do Coordenador-Geral deConstrução Rodoviária solicitando pronunciamento da área de projetos previamente à aprovaçãodo 2º Relatório de Revisão de Projeto em Fase de Obra, contrariando o art 5º da Portaria DG1046/2005.A partir das aprovações dessas revisões de projeto em fase de obra com os acréscimos dequantitativo de terraplenagem já citados, foram expedidos Relatos pelo Diretor de InfraestruturaRodoviária, concordando com as alterações e propondo à Diretoria Colegiada celebração deTermos Aditivos ao Contrato TT 252/2006 (Relato n° 1352/2007 e Relato n° 705/2009,respectivamente). As alterações propostas pelos 1º e 2º Relatórios de Revisão de Projeto em Fasede Obra, homologados respectivamente pelos 1º e 3º Termos Aditivos, resultaram em um reflexofinanceiro total positivo de R$ 43.517.678,58 em relação ao valor original do contrato.Aproximadamente metade desse valor, ou seja R$ 20.560.370,95, corresponde ao quantitativosuperestimado de terraplenagem que não foi executado, servindo de base para futurossuperfaturamentos como relatado na constatação seguinte.Evidências:Planilha orçamentária do 1º Relatório de Revisão de Projeto em Fase de Obra.Relatório de Análise da 1ª Revisão em Fase de Obras, de 26/11/2007, assentado às folhas 66 a 68do processo nº 50604003813/07-13 - Fiscal do Contrato.Laudo de Perícia Criminal Federal nº 824/2011-INC/DITEC/DPF, de 28 de abril de 2011.Memorando n° 4596/2009/CGCONT/DIR, em resposta a SF nº 004/237418/CGU –Coordenador-Geral de Construção Rodoviária. Página 103 de 253
  • 104. Parecer Favorável, de 27/11/2007 – Consórcio Gerenciador Contécnica, Planservi e Lenc – Eng.ºSilvano José Queiroga de Carvalho Filho.MEMO n° 178/2007 - Superintendência, de 27/11/2007, processo n° 50604.003813/2007-13 –Aceitação do 1º RRPFO – Superintendente Regional DNIT/PE Substituto.Parecer Técnico n° 207/07/01/2007 (CGCONT), concluído em 04/12/2007 – Analista deInfraestrutura de Transportes CGCONT/DNIT.Despacho de Aprovação de 04/12/2007, processo nº 50604.03813/07-13 – Coordenador-Geral deConstrução Rodoviária.Relato nº 1352/2007, sem data - Diretor de Infraestrutura Rodoviária.Planilha Orçamentária do 2º Relatório de Revisão de Projeto em Fase de Obra (2º RRPFO).Ct nº 134/2009 e análise anexa, de 01/07/2009 – JBR Engenharia Ltda – Supervisora.Parecer do Fiscal do contrato aprovando o 2º RRPFO, de 02/07/2009 - folha 39 do processo nº50604000936/09-56.Parecer do Consórcio Gerenciador Contécnica/ Lenc/ Planservi, de 03/07/2009 - Cartanº35/2009, assinada pelo Engenheiro Silvano José Queiroga de C. Filho.Parecer Técnico n° 25/2009/01/09 (CGCONT) de 17/08/2009 – Analista de Infraestrutura deTransportes do DNIT.Despacho de Aprovação do 2º RRPFO de 31/08/2009 – Coordenador-Geral de ConstruçãoRodoviária - folha 116 do processo n° 50604000936/09-56.Relato n° 1352/2007 – Diretor de Infraestrutura Rodoviária/DIR.Relato n° 705/2009 – Diretor de Infraestrutura Rodoviária/DIR.CONSTATAÇÃO 021:PAGAMENTOS DE SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM SUPERFATURADOS POR MEIODE FRAUDE NO CÁLCULO DAS QUANTIDADES, GERANDO DANO AO ERÁRIO NOVALOR DE R$ 16.299.709,69 A PI.Os pagamentos dos serviços de “escavação carga e transporte” (ECTs), relacionados à execuçãodos cortes do Lote 07, foram superfaturados por meio de fraude no processo de cálculo dasquantidades.Segundo o 57º Boletim de Medição Parcial, a quantidade total acumulada dos serviços de ECTsmedida e paga até junho de 2011 para execução dos cortes é de 5.118.536,122 m³. O Laudo dePerícia Criminal Federal nº 824/2011-INC/DITEC/DPF afirma que o volume máximo de ECTsnecessário para execução de todos os cortes do Lote 07 é de 3.616.379,000 m³, já incluídos osacréscimos decorrentes da mudança de traçado da Variante de Ribeirão e do arrazamento dasilhas de retornos. Assim sendo, foram medidos e pagos até junho de 2011 1.502.156,632 m³ amais que o necessário.A perícia aponta como causa principal do superfaturamento a fraude no processo de cálculo dosvolumes de corte das medições, que eram processadas pela Empresa Supervisora, JBREngenharia Ltda. Essa fraude consistia em alterar artificiosamente no escritório a feiçãoprimitiva do terreno natural de modo a se obter áreas de seções transversais de corte bemsuperiores às reais, aumentando assim os volumes de cortes obtidos a partir dessas áreas.Nas Figuras I até IV, são apresentadas seções transversais de corte nas estacas 89, 90, 92, 94, 96,98 e 100, onde é possível a visualização da modificação fictícia da altimetria do Terreno Naturalno lugar. As linhas em verde representam o terreno natural convergente com o projeto; as linhasvermelhas representam o próprio projeto geométrico de terraplanagem original; as linhas emmagenta representam o terreno artificiosamente alterado, possivelmente com o fim de induzir aerro no cálculo do volume de terras. Página 104 de 253
  • 105. Figura I: Terreno Primitivo artificiosamente alterado – Estaca 89Fonte: Laudo de Perícia Criminal Federal nº 824/2011-INC/DITEC/DPFFigura II: Terreno Primitivo artificiosamente alterado – Estaca 90 e 92Fonte: Laudo de Perícia Criminal Federal nº 824/2011-INC/DITEC/DPFFigura III: Terreno Primitivo artificiosamente alterado – Estaca 94 e 96.Fonte: Laudo de Perícia Criminal Federal nº 824/2011-INC/DITEC/DPFFigura IV: Terreno Primitivo artificiosamente alterado – Estaca 98 e 100 Página 105 de 253
  • 106. Fonte: Laudo de Perícia Criminal Federal nº 824/2011-INC/DITEC/DPFO mesmo fenômeno é percebido em toda a obra, como demonstram as seções transversais dasestacas 102, 257, 973, 1461, 2041 e 2278 amostradas ao longo dos 44 km do lote 07 e ilustradasna Figura V. Nesta figura, a linha vermelha representa projeto geométrico, a verde o terrenonatural e a magenta o terreno natural primitivo alterado artificiosamente.Figura V: Exemplos de alteração artificiosa do terreno primitivo ao longo do Lote 07Fonte: Laudo de Perícia Criminal Federal nº 824/2011-INC/DITEC/DPFNo caso do Lote 07, o levantamento das quantidades dos serviços executados no mês era feitoexclusivamente pela equipe da Supervisora JBR Engenharia Ltda, como constatado durante operíodo de campo dessa fiscalização. No escritório da JBR Engenharia Ltda, localizado no Página 106 de 253
  • 107. canteiro de obras, esses levantamentos eram por ela processados com os vícios acima relatados ecalculados os volumes de ECTs a serem atestados e pagos pelo DNIT.De acordo com o laudo pericial, esta falsificação da altimetria do local configura indício deconluio praticado entre a empresa contratada para supervisionar a execução da obra e oconsórcio contratado para construção da rodovia, posto que a divergência encontrada é tãogrosseira que não poderia ser reputada como acidental, sendo o consórcio construtor o primeirobeneficiário dos pagamentos com valores maiores aos de fato devidos.Com base nesse processamento fraudado, a JBR Engenharia elaborava os Boletins de MediçãoParcial com as quantidades dos serviços de ECT dos cortes superiores às de fato executadas.Esses boletins eram assinados pelos Engenheiros Supervisor e de Campo, da JBR EngenhariaLtda, pelo representante do Consórcio e pelo Fiscal do Contrato. A partir desses boletins, oFiscal atestava a execução dos serviços e com base nesses atestos eram emitidas as faturas peloSuperintendente Regional do DNIT em Pernambuco. Este, por meio de ofício eletrônico,encaminhava essas faturas à Coordenação-Geral de Construção Rodoviária, cujo titular é ogestor do contrato TT-252/2006. Nessa Coordenação-Geral eram realizadas as avaliações finaisdos boletins de medição para fim de pagamento.Constata-se que as avaliações dos boletins de medição pelo fiscal do contrato e pela CGCONTnão foram capazes de detectar a fraude verificada pela perícia, já que foram efetuadospagamentos no valor de R$ 16.299.709,69, a preços iniciais, referentes às quantidades deserviços ECTs de cortes não executadas. Isso não é razoável, uma vez que a verificação dasseções transversais que serviram de base para o cálculo das quantidades medidas permitiriaconcluir quão absurdas são as representações do terreno primitivo artificioso, exemplificados nasfiguras anteriores.Aceitar essas representações como modelo representativo do relevo natural seria o mesmo queaceitar que a rodovia, anteriormente em pista simples, tenha deixado taludes de corte de mais de30m de altura em inclinação mais íngrime que 1H:1V, sem o uso de bermas de equilíbrio. Isso éirreal, uma vez que taludes de corte com essa configuração não seriam estáveis para os solos daregião atravessada pelo lote 7 da BR 101/PE.Portanto, com aquiescência do fiscal do contrato, da Superintendência Regional do DNIT emPernambuco e da Coordenação-Geral de Construção Rodoviária da Diretoria de InfraestruturaRodoviária, foram pagos 1.502.156,632 m3 de ECTs nos cortes a mais do que o de fatoexecutado, resultando em superfaturamento no valor de R$ 16.299.709,69, a preços iniciais. NoQuadro I abaixo é apresentado o cálculo do valor do superfaturamento.Esse montante faturado e pago indevidamente corresponde a 80% do valor acrescido ao contratoTT-252/2006 pelas primeiras e segunda revisões de projeto em fase de obra para os serviços deECTs dos cortes. Isso demonstra que as alterações referentes à terraplenagem, implementadaspor essas revisões de projeto, tiveram o condão de permitir o superfatuaramento dos serviços deECTs dos cortes, gerando expressivo prejuízo ao erário.O valor atualizado do dano decorrente desses pagamentos superfaturados é de R$ 18.987.531,82,obtido a partir do mesmo índice de reajustamento previsto em contrato para os serviços deterraplenagem.Quadro I: Cálculo do valor total dos pagamentos superfaturados de ECTs, a PI. Item Descrição Quantidade (m3) Preço SF Página 107 de 253
  • 108. Unit. Executado Medido DQ (R$)1.0 Terraplenagem1.4 Escavação, carga e transporte (1ªCat) DMT:1.4.1 até 50m 5.208,027 7.371,315 2.163,288 2,14 R$ 4.629,441.4.2 51 a 200m 331.363,967 469.004,550 137.640,583 5,07 R$ 697.837,761.4.3 201 a 400m 95.977,740 135.844,574 39.866,834 5,70 R$ 227.240,951.4.4 401 a 600m 456.102,633 645.556,643 189.454,010 6,00 R$ 1.136.724,061.4.5 601 a 800m 329.202,709 465.945,557 136.742,848 6,48 R$ 886.093,661.4.6 801 a 1.000m 171.450,510 242.666,908 71.216,398 6,75 R$ 480.710,691.4.7 1.001 a 1.200m 186.550,227 264.038,683 77.488,456 7,32 R$ 567.215,491.4.8 1.201 a 1.400m 233.540,270 330.547,253 97.006,983 7,56 R$ 733.372,791.4.9 1.401 a 1.600m 34.350,712 48.619,167 14.268,455 8,21 R$ 117.144,021.4.10 1.601 a 1.800m 13.333,142 18.871,407 5.538,265 8,46 R$ 46.853,721.4.11 1.801 a 2.000m 152.565,374 215.937,343 63.371,969 8,82 R$ 558.940,771.4.12 2.001 a 3.000m 376.109,230 532.335,913 156.226,683 10,02 R$ 1.565.391,371.4.13 3.001 a 5.000m 557.141,262 788.564,276 231.423,014 13,99 R$ 3.237.607,971.4.14 5.001 a 7.000m 321.971,130 455.710,156 133.739,026 17,79 R$ 2.379.217,261.4.15 7.001 a 9.000m 245.664,066 347.706,981 102.042,915 23,06 R$ 2.353.109,621.4.16 9.001 a 11.0000m 45.407,085 64.268,090 18.861,005 25,40 R$ 479.069,541.4.17 11.001 a 13.000m 26.596,777 37.644,435 11.047,658 28,62 R$ 316.183,981.4.18 13.001 a 15.000m 32,211.5 Escavação, carga e transporte (2ªCat) DMT:1.5.1 201.a 400m 7,661.5.2 401.a 600m 7,941.5.3 2.001.a 3.000m 4.202,417 5.948,000 1.745,583 12,41 R$ 21.662,681.5.4 3.001.a 5.000m 1.206,747 1.708,000 501,253 15,43 R$ 7.734,341.5.5 5.001.a 7.000m 8.027,437 11.361,840 3.334,403 19,45 R$ 64.854,141.6 Escavação, carga e transporte (3ªCat) DMT:1.6.1 Até 50m 15,226 21,550 6,324 25,60 R$ 161,901.6.2 51m a 200m 1.352,699 1.914,578 561,879 29,62 R$ 16.642,841.6.3. 201m a 400m 1.663,311 2.354,210 690,899 30,12 R$ 20.809,881.6.4 401m a 600m 281,197 398,000 116,803 30,77 R$ 3.594,021.6.5 601m a 800m 3.747,750 5.304,475 1.556,725 31,62 R$ 49.223,641.6.6 801m a 1.000m 32,831.6.7 2.001 a 3.000m 1.628,472 2.304,900 676,428 43,69 R$ 29.553,141.6.8 3.001 a 5.000m 239,869 339,505 99,636 43,69 R$ 4.353,091.6.9 5001 a 7000m 55,741.6.10 7001 a 9000m 70,821.6.A ECT (3ªCat) em área de Risco (fogo controlado) DMT:1.6.A.1 até 50m 53,401.6.A.2 201m a 400m 5.539,790 7.840,885 2.301,095 57,92 R$ 133.279,421.6.A.3 401m a 600m 58,561.6.A.4 601m a 800m 1.688,202 2.389,440 701,238 59,42 R$ 41.667,571.6.A.5 801m a 1.000m 1.638,476 2.319,060 680,584 60,62 R$ 41.256,971.6.A.6 2001m a 3.000m 2.613,036 3.698,428 1.085,392 71,47 R$ 77.572,97 TOTAL 3.616.379,490 5.118.536,122 1.502.156,632 R$ 16.299.709,69Fonte: DITRA/SFC/CGUEvidências:57º Boletim de Medição Parcial – SIAC/DNIT.Laudo de Perícia Criminal Federal nº 824/2011-INC/DITEC/DPF, de 28 de abril de 2011. Página 108 de 253
  • 109. No que se refere ao acompanhamento do empreendimento, principalmente no que tange àatuação da empresa supervisora, durante os trabalhos de fiscalização da CGU pode se verificar oque se segue.CONSTATAÇÃO 022:IRREGULARIDADES GRAVES NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SUPERVISÃOGERANDO PREJUÍZO AO ERÁRIO.A Empresa JBR Engenharia Ltda foi contratada para prestação dos serviços de supervisão dasobras de duplicação e restauração do Lote 07 da BR 101/PE, por meio do Contrato nº PG141/2001-00. A finalidade principal da supervisão é auxiliar a fiscalização do DNIT nas suasatribuições.Dentro do escopo desses serviços está inserida a obrigação de a supervisora medir os serviçosexecutados e apresentar os resultados à fiscalização, juntamente com todos os elementos decampo necessários à elaboração das medições mensais para fins de pagamento da construtora.Durante os trabalhos de campo, realizados no período de 16/11/2009 a 27/11/2009, foiconstatado que os dados brutos da topografia de cada medição realizada, elementos de camponecessários à elaboração das medições e indispensáveis para futuras conferências, não seachavam em poder do fiscal do DNIT, nem de qualquer outro representante da Autarquia. Osdados brutos da topografia referentes às medições efetuadas até novembro de 2009 achavam-searmazenados no computador da JBR Engenharia Ltda.Esses dados são informações fundamentais do processo de elaboração das medições dos serviçosexecutados. São indispensáveis para futuras verificações e conferências das quantidades deserviços de terraplenagem inseridos nas medições. Portanto, uma cópia dessas informações deveestar em poder da Administração para que eventuais necessidades de controle pelo próprio gestorpossam ser viabilizadas.Diante da imprescindibilidade desses dados para as avaliações dos quantitativos dos serviços deterraplenagem medidos e pagos, a equipe de fiscalização da CGU os solicitou ao fiscal docontrato no início dos trabalhos de campo. Apenas no último dia da inspeção de campo(17/11/2009) os dados brutos da topografia referentes às medições de terraplenagem foramentregues à equipe de fiscalização da CGU pelo Engº Supervisor da JBR Engenharia Ltda,armazenados em um DVD que foi repassado aos peritos criminais federais com habilitação paraprocessá-los.Durante os trabalhos de campo foi constatado que processamento dos levantamentostopográficos de campo era realizado de forma errada por pessoa sem habilitação técnica exigidapara tal função. Segundo o Laudo Pericial nº 824/2011-INC/DITEC/DPF, os dados colhidos emcampo eram processados erroneamente no gabinete da JBR Engenharia Ltda, sem o uso daslinhas de quebra, por funcionário leigo em Topografia, sem formação técnica comprovada, quedurante o processamento, indevidamente, ignorava os dados pertinentes à correta classificaçãodas linhas de quebra colhidas em campo pelos práticos.Assim, durante o processo de modelagem do terreno, executado por funcionários da JBREngenharia Ltda, sem capacitação técnica comprovada para execução e processamento delevantamentos topográficos, informações topográficas de campo necessárias à representação darealidade, representadas pelas linhas de quebra do terreno, eram ignoradas no processamento Página 109 de 253
  • 110. em escritório. Como resultados, eram obtidos Modelos Digitais do Terreno imprecisos e nãorepresentativos de um levantamento As Built, ao nível de precisão esperada para o controle deuma obra rodoviária. A metodologia incorreta de processamento dos dados estava sendo aplicadanas medições parciais, conforme constatado in loco.A perícia no arquivo dos dados brutos da topografia das medições de terraplenagem permitiuconstatar, conforme já mencionado nas constatações nº 12 e 13, que a JBR Engenharia Ltdaalterava ficticiamente as representações das superfícies do terreno natural a fim de majorar osvolumes de corte a serem pagos. Trata-se de ação fraudulenta que culminou com prejuízo real aoerário no valor de R$ 16.299.709,69, a preços iniciais.Além de contribuir diretamente para esse dano ao erário, foi constatado superfaturamento naprópria execução do contrato PG-141/2001-00. Em grande parte das medições realizadas atéoutubro de 2009, a Administração pagou por uma equipe de topografia composta por TopógrafoChefe, Topógrafo Auxiliar, Auxiliar de Topografia e Desenhista ou Calculista. Todavia, narealidade, os serviços de levantamento topográfico do terreno natural primitivo e das obras deterraplenagem, incluindo as fases de levantamento de campo, processamento de dados e geraçãodos modelos digitais do terreno, eram feitos por Topógrafo, de nível médio, e um Auxiliar deEngenharia, também de nível médio.Dessa forma, foi pago indevidamente o valor de R$ 199.450,00 (a preços iniciais), referente aospagamentos de 1 topógrafo chefe e de 1 auxiliar de topografia até 31/10/2009 mais encargossociais.Evidências:Laudo Pericial nº 824/2011-INC/DITEC/DPF.8º até 44º Boletins de Medição Parcial.II.4.2 - DAS IRREGULARIDADES PRATICADAS NO ÂMBITO DO DNIT/ESAs irregularidades que serão descritas a seguir, embora não estejam contidas no universo dascitadas em denúncias da imprensa, constituem uma tipologia de fraude em obras de conservaçãorodoviária muito frequentes nas fiscalizações da CGU. Os fatos a seguir narrados foramconstatados em fiscalizações efetuadas pela CGU-Regional/ES na BR-101/ES, na BR-262/ES ena BR-342/ES, evidenciando o envolvimento de alguns de seus servidores com empresascontratadas para realização de serviços e obras em rodovias, com consequente desvio de recursospúblicos, contexto esse que motivou a inserção de tais fatos no presente Relatório.Uma observação importante diz respeito à materialidade dos fatos que serão apresentados.Embora os prejuízos causados sejam discretos no caso a seguir apresentado, adverte-se que setrata de um tipo de fraude comum, observada em centenas de contratos espalhados por todo opaís.A seguir, serão apresentadas as constatações identificadas em cada uma das Rodoviasanteriormente mencionadas.a) CONSTATAÇÃO 023:UTILIZAÇÃO DAS MESMAS FOTOGRAFIAS COMPROBATÓRIAS DE SERVIÇOSCONTRATUAIS EM DIFERENTES PROCESSOS DE PAGAMENTO RELACIONADOS ÀBR-101/ES Página 110 de 253
  • 111. Detectou-se irregularidade consubstanciada na inclusão de fotografias iguais em diferentesprocessos de medição, apresentados com o objetivo de comprovar serviços na rodovia,correspondentes ao contrato número 17.1.0.00.0006.2008, executado na BR-101/ES, trecho sul.As respectivas fotografias utilizadas para comprovação dos serviços não estavam datadas, apesarde serem idênticas.FOTO 1 FOTO 2Mesma foto para comprovar serviços em processos de medições Mesma foto para comprovar serviços em processos de mediçãodistintos - Processos números 50617.001874/2008-70 – fls. 71 – distintos – Processo número 506170001772/2008-54 – fls. 41 –novembro de 2008, 50617.000250/2009-16 - fls. 174 – janeiro de outubro de 2008; 50617000423/2009-04 – fls. 175 – março de 2009;2009 e 5061700584/2009-90 – fls. 140 – maio de 2009 50617001726/2009-36 – fls. 125 – julho de 2009FOTO 3 FOTO 4Mesma foto para comprovar serviços em processos de medições Mesma foto para comprovar serviços em processos de mediçõesdistintos - Processos números 5061700138/2009-95 – fls. 66 – distintos - Processos números 50617.001874/2008-70 fls. 70 –dezembro de 2008, 50617.000250/2009-16 – fls. 171 - janeiro de 2009 novembro de 2008, 50617.000250/2009-16 – fls. 172 - janeiro de– , 50617.000584/2009-90 fls. 133 – maio de 2009. 2009; 5061700584/2009-90 – fls. 141 – maio de 2009; e 50617001726/2009-36 – fls. 173 – julho de 2009 Página 111 de 253
  • 112. FOTO 5 FOTO 6Mesma foto para comprovar serviços em processos de medições Mesma foto para comprovar serviços em processos de mediçõesdistintos - Processos números 50617001683/2008-16 – fls. 38 – agosto distintos - Processos números 50617000136/2009-96 – fls. 38 –de 2008 e 50617001684/2008-52 – fls. 27 – setembro de 2008 dezembro de 2008 e 50617000584/2009-90 – fls. 142 – maio de 2009FOTO 7 FOTO 7.1Mesma foto para comprovar serviços em processos distintos Foto do processo 50617000250/2009-16 – fls. 173 – medição jan/2009FOTO 7.2 FOTO 7.3Foto do processo 50617000584/2009-90 (fls.139) medição maio/ 2009 Foto do processo 50617001874/2008-70 (fls. 69) medição nov/2008Responsáveis pela irregularidade:Responsáveis pelos fatos – DNITFiscal do ContratoSuperintendenteResponsável – Empresa contratadaRicardo Alves de Paiva – CREA 18081/D/MG - Preposto Página 112 de 253
  • 113. b) CONSTATAÇÃO 024:REGISTROS FOTOGRÁFICOS COMPROBATÓRIOS DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NABR-262/ES COM DATAS ADULTERADASNo caso da BR-262/ES, constatou-se que os registros fotográficos apresentados pelo DNIT/ESrelativos ao contrato 17.1.0.00.0008.2008 contêm datas adulteradas. Esses registros constam dosprocessos de medição e dos relatórios fotográficos digitais e foram encaminhados pelo fiscal docontrato e apresentados com o objetivo de comprovar serviços nesta Rodovia em 2008 e 2009.Foto 1 Foto 2Ver data da foto – canto direito inferior Ver data da foto – canto direito inferiorFoto 3 Foto 4Ver data da foto – canto direito inferior – e comparar com foto Ver data da foto – canto direito inferior – e comparar data e1 foto sequências foto 2Foto 5 Foto 6 Página 113 de 253
  • 114. Ver data da foto – canto direito inferior Ver data da foto – canto direito inferiorFoto 7 Foto 8Ver data da foto - canto direito inferior Ver data da foto - canto direito inferiorFoto 9 Foto 10Ver data da foto – canto direito inferior Ver data da foto – canto direito inferior – comparar com data e foto 9Foto 11 Foto 12Ver data da foto – canto direito inferior Ver data da foto – canto direito inferior Página 114 de 253
  • 115. Foto 13 Foto 14Ver data da foto – canto direito inferior – e comparar com foto Ver data da foto – canto direito inferior – e comparar data da11 foto 12Foto 15 Foto 16Ver data da foto – canto direito inferior Ver data da foto – canto direito inferiorFoto 17 Foto 18Ver data da foto – canto direito inferior – e comparar com foto Ver data da foto – canto direito inferior – e comparar com data15 e sequência fotos 16 Página 115 de 253
  • 116. Foto 19 Foto 20Ver data da foto – canto direito inferior Ver data da foto – canto direito inferior e comparar com data e foto 19Foto 21 Foto 22Ver data da foto – canto direito inferior Ver data da foto – canto direito inferior e comparar com data e foto 21Foto 23 Foto 24Ver data da foto – canto direito inferior Ver data da foto – canto direito inferior e comparar com data e foto 23 Página 116 de 253
  • 117. Foto 25 Foto 26Ver data da foto – canto direito inferior Ver data da foto – canto direito inferior e comparar com data e foto 25Foto 27 Foto 28Ver data da foto – canto direito inferior Ver data da foto – canto direito inferior e comparar com foto 27Foto 29 Foto 30Ver data da foto – canto direito inferior Ver data da foto – canto direito inferior Página 117 de 253
  • 118. Foto 31 Foto 32Ver data da foto – canto direito inferior e comparar com foto Ver data da foto – canto direito inferior e comparar com foto29 30Foto 33 Foto 34Ver data da foto – canto direito inferior Ver data da foto – canto direito inferior e comparar com foto 33Evidência da ocorrência da irregularidade:Registros fotográficos, relatório fotográfico em meio digital e Processos de medição números50617001795/2008-69 (outubro de 2008), 50617000382/2009-48 (janeiro de 2009),50617000352/2009-31 (fevereiro de 2009), 50617000423/2009-04 (março de 2009),50617000571/2009-11 (maio de 2009) 50617000844/2009-27 (junho de 2009),50617001707/2009-18 (agosto de 2009) e 50617001843/2009-08 (setembro de 2009).c) CONSTATAÇÃO 025:PAGAMENTOS POR SERVIÇOS NÃO REALIZADOS NOS VALORES DE: R$11.200,02,RELATIVOS AO CONTRATO 17.1.0.00.0007-2006 - BR-101/ES; R$69.810,24 –RELATIVOS AO CONTRATO 17.1.0.00.0004-2006 - BR-262/ES; E R$22.567,34,RELATIVOS AO CONTRATO 17.1.0.00.0018-2006 - BR-342/ES.BR-101/ESConstatou-se, mediante análise da 35ª medição do Contrato 17.1.0.00.0007-2006, executado pelaempresa “Notemper Empreendimentos Ltda.”, e verificações físicas das condições da RodoviaBR-101, no trecho entre os km 300 e 458,4, realizadas no dia 01/03/2011, o registro e pagamentopor serviços cuja realização não foi efetivada no mês de fevereiro de 2011, embora tenham sidoatestados pelo fiscal do contrato e pelo preposto da empresa contratada. Os valores pagos nessamedição foram os seguintes: Página 118 de 253
  • 119. Quadro I: Valor pago na Medição nº 35 Nº Medição Processo Referência Valor 35 50617.002501/2011-11 Fevereiro/2011 R$ 75.742,33Fonte: Processo de Pagamento da 35ª MediçãoOs serviços cujo pagamento indevido foi constatado estão relacionados no Quadro II a seguir:Quadro II: Identificação dos prejuízos: Prejuízo aos Boletim de Data da Data da verificação Valor pago Objeto medido (rubrica) cofres públicos Medição Medição DNIT física (R$) (R$) 830001 35 31/05/2011 01/03/2011 3.895,63 1.619,72 Limpeza de sarjeta e meio-fio 890001 35 31/05/2011 01/03/2011 31.308,26 9.580,30 Roçada de Capim Colonião TOTAL 11.200,02Fonte: Processo de Pagamento da 35ª MediçãoO pagamento indevido por serviços não prestados resultou em prejuízo efetivo de R$ 11.200,02,representando um percentual de desvio de 31,81% da medição correspondente aos serviçosfiscalizados, que totalizou R$ 35.203,89, conforme quadros e relatórios fotográficosapresentados a seguir.Nesse sentido, o valor dos serviços medidos e pagos pela SR-DNIT/ES - km 333 a km 334, km446 a km 448 e km 452 a km 455 -, cuja inexecução foi constatada na verificação física realizadano dia 01/03/2011, relacionam-se ao Item 1 da Medição nº 35 (serviços de “Limpeza de sarjeta emeio-fio”), enquanto que o valor dos serviços medidos e pagos pela SR-DNIT/ES - km 442 a455,6 e km 456 a km 458,42 - lados direito/esquerdo, cuja inexecução foi constatada emverificação física realizada no dia 01/03/2011, relacionam-se ao Item 2 da Medição nº 35(serviços de “Roçada de Capim Colonião”).A seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços“Limpeza de sarjeta e meio-fio”:1) Trevo de Guarapari – meio fio sujo 1) Trevo de Guarapari – meio fio sujo2) Foto extraída no trecho em 01/03/2011 2) Foto extraída no trecho em 01/03/20113) Serviço não executado, embora atestado como realizado em 3) Serviço não executado, embora atestado como realizado em28/02/2011 28/02/2011Foto uvs110801001 Foto uvs110801002 Página 119 de 253
  • 120. 1) Km 334 – meio fio sujo e com vegetação 1) Km 446,00–lado direito–sarjeta c/ vegetação2) Foto extraída no trecho em 01/03/2011 2) Foto extraída no trecho em 01/03/20113) Serviço não executado, embora atestado como realizado em 3) Serviço não executado, embora atestado como realizado em28/02/2011 21/02/2011Foto uvs110801010 Foto uvs110730049A seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Roçada de Capim Colonião”:1)Km 442,10 – lado esquerdo – vegetação alta 1) Km 444,00 – lado direito – marco quilométrico encoberto2) Foto extraída no trecho em 01/03/2011 2) Foto extraída no trecho em 01/03/20113) Serviço não executado, embora atestado como realizado em 3) Serviço não executado, embora atestado como realizado em17/02/2011 18/02/2011oto uvs110730046 Foto uvs1107300091) Km 447,20 – lado direito – placa encoberta 1) Km 447,20 – lado esquerdo – placa encoberta2) Foto extraída no trecho em 01/03/2011 2) Foto extraída no trecho em 01/03/20113) Serviço não executado, embora atestado como realizado em 3) Serviço não executado, embora atestado como realizado em21/02/2011 21/02/2011Foto uvs110730015 Foto uvs110730043 Página 120 de 253
  • 121. BR-262/ESConstatou-se, mediante análise da 35ª medição do Contrato 17.1.0.00.0004-2006, executado pelaempresa Delta Construções S/A, e verificações físicas das condições da Rodovia BR-262/ES, notrecho entre os km 15,5 e 195,9, realizadas nos dias 17/02 e 04/03/2011, o registro e pagamentopor serviços não realizados no mês de fevereiro de 2011, embora tenham sido atestados pelofiscal do contrato e pelo preposto da empresa contratada. Os valores pagos nessa medição foramos seguintes:Quadro I: Valor pago na Medição nº 35Nº Medição Processo Referência Valor 35 50617.002176/2011-97 Fevereiro/2011 R$ 104.456,22Fonte: Processo de Pagamento da 35ª MediçãoOs serviços cujo pagamento indevido foi constatado estão relacionados no Quadro II a seguir:Quadro II: Identificação dos prejuízos: Prejuízo aos Boletim de Data da Data da Valor pago Objeto medido (rubrica) cofres públicos Medição Medição DNIT verificação física (R$) (R$) 830001 35 02/03/2011 03/03/2011 16.349,03 16.349,03 Limpeza de sarjeta e meio-fio 890001 35 02/03/2011 03/03/2011 57.692,05 53.461,21 Roçada de Capim Colonião TOTAL 69.810,24Fonte: DNITO pagamento indevido por serviços não prestados resultou em prejuízo efetivo de R$ 69.810,24,representando um percentual de desvio de 94,29% da medição correspondente aos serviçosfiscalizados, que totalizou R$ 74.041,08, conforme tabelas e relatórios fotográficos apresentadosa seguir.Nesse sentido, o valor dos serviços medidos e pagos pela SR-DNIT/ES - km 54,3 ao km 103,3,cuja inexecução foi constatada na verificação física realizada nos dias 17/02/2011 e 04/03/2011,relacionam-se ao Item 1 da Medição nº 35 (serviços de “Limpeza de sarjeta e meio-fio”),enquanto que o valor dos serviços medidos e pagos pela SR-DNIT/ES - km 60 ao 195,90 - ladosdireito/esquerdo, cuja inexecução foi constatada em verificações físicas realizadas nos dias17/02/2011 e 04/03/2011, relacionam-se ao Item 2 da Medição nº 35 (serviços de “Roçada deCapim Colonião”).A seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços“Limpeza de sarjeta e meio-fio”: Página 121 de 253
  • 122. 1) Km 57,00 – lado direito – sarjeta com vegetação 1) Km 57,00 – lado esquerdo – meio fio sujo2) Foto extraída no trecho em 17/02/2011 2) Foto extraída no trecho em 17/02/20113) Serviço não executado, embora atestado como realizado em 3) Serviço não executado, embora atestado como realizado em02/02/2011 04/02/2011Foto uvs110726003 Foto uvs1107260291) Km 69,80 – lado esquerdo – sarjeta suja 1) Km 70,00 – lado direito – meio fio sujo2) Foto extraída no trecho em 17/02/2011 2) Foto extraída no trecho em 17/02/20113) Serviço não executado, embora atestado como realizado em 3) Serviço não executado, embora atestado como realizado em10/02/2011 10/02/2011Foto uvs110726022 Foto uvs110726021A seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Roçada de Capim Colonião”:1) Km 70,00 – lado esquerdo – placa encoberta 1) Km 70,60 – lado direito – placa encoberta2) Foto extraída no trecho em 17/02/2011 2) Foto extraída no trecho em 17/02/20113) Serviço não executado, embora atestado como realizado em 3) Serviço não executado, embora atestado como realizado em03/02/2011 03/02/2011Foto uvs110720029 Foto uvs110714001 Página 122 de 253
  • 123. 1) Km 73,80 – lado esquerdo – placa encoberta 1) Km 74,00 – lado esquerdo – placa encoberta2) Foto extraída no trecho em 17/02/2011 2) Foto extraída no trecho em 17/02/20113) Serviço não executado, embora atestado como realizado em 3) Serviço não executado, embora atestado como realizado em03/02/2011 03/02/2011Foto uvs110720026 Foto uvs110720025BR-342/ESConstatou-se, mediante análise da 51ª e 52ª medições do Contrato 17.1.0.00.0018-2006,executado pela empresa “Construtora Visor Ltda.”, e verificações físicas das condições daRodovia BR-342, no trecho entre os km 48,8 a 106,1, realizadas nos dias 03, 29 e 30.03.2011, oregistro e pagamento por serviços cuja realização não foi efetivada nos meses de fevereiro emarço de 2011, embora tenham sido atestados pelo fiscal do contrato e, no caso da medição nº51, também pelo preposto da empresa contratada. Os valores pagos nas citadas medições foramos seguintes:Quadro I: Valor pago nas Medições nº 51 e 52 Nº Medição Processo Referência Valor 51 50617.002107/2011-83 Fevereiro/2011 R$ 46.991,80 52 50617.002316/2011-27 Março/2011 R$ 36.441,55Fonte: Processos de Pagamentos referentes às Medições nº 51 e 52Os serviços cujo pagamento indevido foi constatado estão relacionados na Quadro II a seguir:Quadro II: Identificação dos prejuízos e responsáveis Prejuízo Responsáveis Responsável Objeto Boletim Data da Data da Valor aos pelo pela Fiscal do medido de Medição verificação pago cofres Boletim de autorização de contrato (rubrica) Medição DNIT física (R$) públicos Medição pagamento (R$) 0863046 e 810000 51 02/03/2011 03/03/2011 3.441,05* 1373168 0863001 2.523,43* 0863001 Tapa Buraco 29/03/2011 0863046 e 52 04/04/2011 0,00 1373168 0863001 0,00 30/03/2011 0863001 0863046 e 890000 51 02/03/2011 03/03/2011 938,01 1373168 0863001 272,06 0863001 Roçada Manual 29/03/2011 0863046 e 52 04/04/2011 917,28 1373168 0863001 456,04 30/03/2011 0863001 890001 0863046 e 51 02/03/2011 03/03/2011 5.628,11 1373168 0863001 1.632,45 Roçada de 0863001 Capim 29/03/2011 0863046 e Colonião 52 04/04/2011 5.503,73 1373168 0863001 2.736,33 30/03/2011 0863001 830001 0863046 e Impossível 51 02/03/2011 03/03/2011 2.615,82 1373168 0863001 Limpeza 0863001 avaliarde sarjeta e 29/03/2011 0863046 e meio fio 52 04/04/2011 1.754,32 1373168 0863001 1.754,32 30/03/2011 0863001 Página 123 de 253
  • 124. 0863046 e 891000 51 02/03/2011 03/03/2011 0,00 1373168 0863001 0,00 0863001 Capina manual 29/03/2011 0863046 e 52 04/04/2011 963,31 1373168 0863001 963,31 30/03/2011 0863001 850000 0863046 e Impossível 51 02/03/2011 03/03/2011 3.498,88 1373168 0863001 Recompo- 0863001 avaliar sição 03/03/2011 manual de 0863046 e 52 04/04/2011 29/03/2011 12.229,40 1373168 0863001 12.229,40 aterro 0863001 30/03/2011 TOTAL 22.567,34Fonte: DNITO pagamento indevido por serviços não prestados resultou em prejuízo efetivo de R$ 22.567,34,representando um percentual de desvio de 60,19% da medição correspondente aos serviçosfiscalizados, que totalizou R$ 37.489,91, conforme tabelas e relatórios fotográficos apresentadosa seguir.Nesse sentido, o valor dos serviços medidos e pagos pela SR-DNIT/ES correspondem ao que sesegue:- km 57,4 - lado direito, e 76,2 - lado esquerdo, cuja inexecução foi constatada na verificaçãofísica realizada em 03/03/2011, relacionam-se ao Item 1 da Medição nº 35 (Subitem 1.1 -serviços de “Tapa Buraco”);- km 81,15 a 86,4 - lados direito/esquerdo, cuja inexecução foi constatada na verificação físicarealizada em 03/03/2011, relacionam-se ao Item 1 da Medição nº 35 (Subitem 1.2 “Roçada deCapim Colonião” e “Roçada Manual”);- km 86,4 a 88,3 e 97,2 a 104,1 - lados direito/esquerdo, cuja inexecução foi constatada emverificações físicas realizadas nos dias 03, 29 e 30/03/2011, relacionam-se ao Item 2 da Mediçãonº 35 (Subitem 2.1 “Roçada Manual” e “Roçada de Capim Colonião”);- km 64,1 a 70,0 - lados direito/esquerdo, cuja inexecução foi constatada na verificação físicarealizada nos dias 29 e 30/03/2011, relacionam-se ao Item 2 da Medição nº 35 (Subitem 2.2“Limpeza de sarjeta e meio-fio” e “Capina manual”); e- km 89,90 - lado esquerdo, km 90,10 - lado direito e km 91,10 - lado direito, cuja inexecução foiconstatada nas verificações físicas realizadas nos dias 03, 29 e 30/03/2011, relacionam-se aoItem 2 da Medição nº 35 (Subitem 2.3 “Recomposição manual de aterro”).A seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Tapa Buraco”BR-342 - km 57,4 - lado direito – inexiste evidência da BR-342 - km 76,2 lado esquerdo – inexiste evidência daprestação do serviço prestação do serviço Página 124 de 253
  • 125. A seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Roçada de Capim Colonião” e “Roçada Manual”BR-342 - 03/03/2011 - km 81,15 - lado direito - ausência de BR-342 - 03/03/2011 - km 81,3 - lado direito - ausência deprestação do serviço prestação do serviçoBR-342 - 03/03/2011 - km 81,6 - lado direito - ausência de BR-342 - 03/03/2011 - km 81,8 - lado direito - ausência deprestação do serviço prestação do serviçoA seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Roçada de Capim Colonião” e “Roçada Manual” - Verificação de 03/03/2011:BR-342 - 03032011 - km 86,4 - lado direito - ausência de BR-342 - 03032011 - km 86,6 - lado direito - ausência deprestação do serviço prestação do serviço Página 125 de 253
  • 126. BR-342 - 03032011 - km 87,2 - lado esquerdo - ausência de BR-342 - 03032011 - km 87,5 - lado direito - ausência deprestação do serviço prestação do serviçoA seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Roçada de Capim Colonião” e “Roçada Manual” - Verificação de 29 e 30/03/2011BR-342 - 29032011 - km 101,6 - lados direito/esquerdo - BR-342 - 29032011 - km 101,7 - lado direito - ausência deausência de prestação do serviço prestação do serviçoBR-342 - 29032011 - km 102,7 - lado esquerdo - ausência de BR-342 - 29032011 - km 102,8 - lado esquerdo - ausência deprestação do serviço prestação do serviço Página 126 de 253
  • 127. A seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Limpeza de sarjeta e meio-fio” e “Capina manual” - Verificação de 29 e 30/03/2011BR-342 - 30032011 - km 64,2 - lado direito - ausência de BR-342 - 29/03/2011 - km 64,3 - lado esquerdo - ausência deprestação do serviço prestação do serviçoBR-342 - 29/03/2011 - km 66,50 - lado esquerdo - ausência de BR-342 - 30032011 - km 66,60 -lado direito - ausência deprestação do serviço prestação do serviçoA seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Limpeza de sarjeta e meio-fio” e “Capina manual” - Verificação de 03/03/2011 - km 89,9 - ladoesquerdoBR-342 - 03/03/2011-km 89,9-lado esquerdo - situação da BR-342 - 03/03/2011-km 89,9-lado esquerdo - situação da viavia antes da execução do serviço antes da execução do serviço Página 127 de 253
  • 128. A seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Limpeza de sarjeta e meio-fio” e “Capina manual” - Verificação de 30/03/2011 - km 89,9 - ladoesquerdoBR-342 - 30/03/2011 - km 89,9 - lado esquerdo - ausência BR-342 - 30/03/2011 - km 89,9 - lado esquerdo - ausência dede prestação do serviço prestação do serviçoA seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Limpeza de sarjeta e meio-fio” e “Capina manual” - Verificação de 03/03/2011 - km 90,1 - ladodireitoBR-342 - 03/03/2011 - km 90,1 - lado direito - situação da BR-342 - 03/03/2011 - km 90,1 - lado direito - situação da viavia antes da execução do serviço antes da execução do serviçoA seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Limpeza de sarjeta e meio-fio” e “Capina manual” - Verificação de 30/03/2011 - km 90,1 - ladodireitoBR-342 - 30/03/2011 - km 90,1 - lado direito - ausência de BR-342 - 30/03/2011 - km 90,1 - lado direito - ausência deprestação do serviço prestação do serviço Página 128 de 253
  • 129. A seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Limpeza de sarjeta e meio-fio” e “Capina manual” - Verificação de 03/03/2011 - km 91,1 - ladodireitoBR-342 - 03/03/2011 - km 91,1 - lado direito - situação da BR-342 - 03/03/2011 - km 91,1 - lado direito - situação da viavia antes da execução do serviço antes da execução do serviçoA seguir é apresentado sucinto Relatório Fotográfico relacionado à inexecução dos serviços de“Limpeza de sarjeta e meio-fio” e “Capina manual” - Verificação de 30/03/2011 - km 91,1 - ladodireitoBR-342 - 30/03/2011 - km 91,1 - lado direito - ausência de BR-342 - 30/03/2011 - km 91,1 - lado direito - ausência deprestação do serviço prestação do serviçoCom base nas informações anteriormente apresentadas, verifica-se que as fiscalizações da CGU-Regional/ES detectaram a existência de um modus operandi em plena execução por algunsservidores do DNIT/ES, em suposto conluio com empresas prestadoras de serviços demanutenção e conservação das Rodovias Federais no Estado do Espírito Santo. Com a aprovaçãodos Boletins de Medição, sem que os serviços sejam prestados, as empresas são beneficiadas pornão incorrerem nos custos informados quando dos procedimentos licitatórios.Os serviços de manutenção da BR-101/ES, BR-262/ES e BR-342/ES não estão sendo executadosintegralmente e, no entanto, os pagamentos são efetuados como se fossem. A situação físicaencontrada quando das visitas a essas Rodovias revela descaso do DNIT/ES em preservar ascondições normais mínimas de trafegabilidade da rodovia, o que acarreta grandes riscos aosusuários.No caso da BR-101/ES, constatou-se um desvio de recursos no montante de R$ 11.200,02, quecorrespondeu ao percentual de 31,81% do valor pago pela prestação dos serviços de “Roçada decapim colonião” e “Limpeza de sarjeta e meio fio”, cujo valor montou a R$ 35.203,89. Somenteforam objeto de análise os serviços de “Roçada de capim colonião” e de “Limpeza de sarjeta emeio fio” realizados no período de até 14 dias anteriores à data da verificação física, realizada em Página 129 de 253
  • 130. 01/03/2011, tendo sido constatada a inexecução de 100% dos serviços dessa natureza realizadosnesse período.Em relação à BR-262/ES, constatou-se um desvio de recursos no montante de R$ 69.810,24, quecorrespondeu ao percentual de 94,29% do valor pago pela prestação dos serviços de “Roçada decapim colonião” e “Limpeza de sarjeta e meio fio”, cujo valor montou a R$ 74.041,08. Somenteforam objeto de análise os serviços de “Roçada de capim colonião” e de “Limpeza de sarjeta emeio fio” executados no período de até 15 dias anteriores à data da verificação física, realizadanos dias 17/02/2011 e 04/03/2011.Quanto à BR-342/ES, constatou-se um desvio de recursos no montante de R$ 22.567,34, quecorrespondeu ao percentual de 60,19% do valor pago pela prestação dos serviços de “Roçada decapim colonião”, “Limpeza de sarjeta e meio fio”, “Tapa buraco”, “recomposição manual deaterro” e “capina manual”, cujo valor montou a R$ 37.489,91. Somente foram objeto de análiseos serviços de: “Roçada de capim colonião”, “Roçada Manual”, “Limpeza de sarjeta e meio fio”e “capina manual”, executados no período de até 10 dias anteriores à data da verificação física; eserviços de “Tapa buraco” e “recomposição manual de aterro”, executados no período de até 30dias anteriores à data da verificação física, realizada nos dias 03, 29 e 30 de março de 2011.Por fim, faz-se necessário salientar que a situação relativa à estruturação de processos comfotografias idênticas, para comprovação de serviços executados em mais de uma medição, foidetectada no âmbito da Superintendência Regional do DNIT no Estado da Bahia, relacionada aosserviços de manutenção na BR-242/BA  objeto do Contrato nº SR-05/0033/2007 , devendo-seatentar para a possibilidade de tal prática estar ocorrendo em diversos outros Estados daFederação, em outras Superintendências Regionais da Autarquia, relacionando-se sao pagamentodesse ou outros tipos de serviços.II.4.3 - DOS FATOS CONSTATADOS NO ÂMBITO DO DNIT/RSTrata-se de trabalho realizado pela Controladoria-Regional da União no Estado do Rio Grandedo Sul – CGU-Regional/RS, com foco na análise de relatórios de fiscalização elaborados porequipes da mencionada Regional, de forma ordinária ou na elaboração de Relatórios deDemandas Externas - RDE e que incluíram o exame "in loco" em seus escopos, quais sejam osserviços decorrentes dos Editais de Licitação nº 485/2008, 489/2008, 490/2008 e 491/2008,relativos à contratação de serviços do CREMA - Programa de Restauração e Manutenção deRodovias 1ª Etapa. Além disso, focou-se também na análise de dados e informaçõesdisponibilizados pela Superintendência Regional do DNIT no RS, bem como realização deconsultas aos sistemas corporativos do Governo Federal, notadamente o Sistema CNPJ, oSistema CPF e o Sistema SIAFI, relativamente às empresas participantes dos referidos certames.Com base no exposto, e, em função dos achados encontrados, optou-se por inseri-los nesteRelatório.CONSTATAÇÃO 026:INDÍCIOS DE DIRECIONAMENTO E POSSÍVEL ALINHAMENTO DE PREÇOSPRATICADOS EM LOTES DO PROCESSO LICITATÓRIO Nº 485/2008.As propostas apresentadas por licitantes dos lotes do Processo Licitatório nº 485/2008, relativo àexecução, sob regime de empreitada a preços unitários, dos serviços necessários a realização da Página 130 de 253
  • 131. Obras de Revitalização - CREMA 1ª Etapa (Recuperação, Restauração e Manutenção)Rodoviária, conforme informado pela SR/DNIT/RS foram as seguintes:Quadro I: Empresas participantes x Lotes EMPRESAS LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 LOTE 6 LOTE 7 BRASÍLIA GUAÍBA 39.529.047,14 36.577.418,37 19.278.023,30 17.740.663,79 25.115.734,63 CONSÓRCIO 38.788.780,33 ECB/CONSTRUBRÁS/TORC PEDRASUL 39.248.729,53 37.107.239,37 19.507.765,95 45.848.919,08 17.767.150,03 25.208.027,04 CBEMI 36.945.126,07 19.556.383,22 27.118.693,76 17.415.869,71 CSL - SACCHI 27.116.389,34 24.798.612,20 CONSÓRCIO EMPA/TESCON 19.553.333,81 PAVIA 26.710.052,06 45.793.286,60 17.755.191,73 TORC 26.965.397,39 45.330.550,48 17.630.263,69 ATERPA 45.673.790,12 MAC ENGENHARIA 25.083.448,14Fonte: Processo Licitatório nº 485/2008As mesmas propostas, como percentuais dos orçamentos:Quadro II: Empresas participantes x Lotes em percentuais EMPRESA LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 LOTE 6 LOTE 7 ATERPA 99,54% BRASÍLIA GUAÍBA 100,36% 98,52% 98,51% 99,82% 99,53% CBEMI 99,51% 99,93% 99,76% 97,99% CONSÓRCIO 98,48% ECB/CONSTRUBRÁS/TORC CONSÓRCIO EMPA/TESCON 99,92% CSL - SACCHI 138,56% 98,27% MAC ENGENHARIA 99,40% PAVIA 98,26% 99,80% 99,90% PEDRASUL 99,65% 99,95% 99,68% 99,92% 99,97% 99,89% TORC 99,20% 98,79% 99,20%Fonte: Processo Licitatório nº 485/2008Em reais:Quadro III: Valores das propostas x valor orçado ORÇAMENTO/PROPOSTA LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 LOTE 6 LOTE 7 VALOR ORÇADO 39.385.956,48 37.127.500,57 19.569.763,49 27.182.861,47 45.884.946,34 17.772.444,15 25.235.537,90 PROPOSTA VENCEDORA 38.788.780,33 36.577.418,37 19.278.023,30 26.710.052,06 45.330.550,48 17.415.869,71 24.798.612,20 2ª COLOCADA 39.248.729,53 36.945.126,07 19.507.765,95 26.965.397,39 45.673.790,12 17.630.263,69 25.083.448,14 3ª COLOCADA 39.529.047,14 37.107.239,37 19.553.333,81 27.118.693,76 45.793.286,60 17.740.663,79 25.115.734,63 4ª COLOCADA 19.556.383,22 45.848.919,08 17.755.191,73 25.208.027,04 5ª COLOCADA 27.116.389,34 17.767.150,03Fonte: Processo Licitatório nº 485/2008Em percentuais em relação ao orçamento:Quadro IV: Valores das propostas x valor orçado em percentuais LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 LOTE 6 LOTE 7 VALOR ORÇADO 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% PROPOSTA VENCEDORA 98,48% 98,52% 98,51% 98,26% 98,79% 97,99% 98,27% 2ª COLOCADA 99,65% 99,51% 99,68% 99,20% 99,54% 99,20% 99,40% 3ª COLOCADA 100,36% 99,95% 99,92% 99,76% 99,80% 99,82% 99,53% 4ª COLOCADA 99,93% 99,92% 99,90% 99,89% 5ª COLOCADA 138,56% 99,97%Fonte: Processo Licitatório nº 485/2008Percentuais em termos estatísticos em relação ao orçamento (apenas a proposta vencedora,segunda e terceiras colocadas): Página 131 de 253
  • 132. Quadro V: Percentuais em termos estatísticos em relação ao orçamento VENCEDORA 2ª COLOCADA 3ª COLOCADA MÉDIA 0,9840 0,9945 0,9990 DESVIO PADRÃO 0,0024 0,0018 0,0025 MEDIANA 0,9848 0,9951 0,9987Fonte: CGUAs propostas apresentadas no Processo Licitatório 485/2008 seguiram um padrão evidente: aprimeira proposta ficou em torno de 98,5% do orçamento, a segunda proposta em torno de99,5% e a terceira em torno do valor orçado.Em todos os sete lotes, apenas o Lote 6 teve seu resultado ligeiramente diferente do padrãoaduzido.Além disto, resta evidente que as próprias empresas alteraram seus percentuais em relação aoorçamento, em várias propostas, sagrando-se vencedoras justamente ao apresentarem propostascondizentes com o padrão deduzido.Além dos fatos expostos, cabe registrar os seguintes relacionamentos empresariais identificadosdentre algumas das empresas licitantes.Os relacionamentos societários entre SULTEPA, PEDRASUL e BRASÍLIA GUAÍBAidentificados foram os seguintes:  A METROVIAS (CNPJ 02.393.266/0001-77) tem como participantes de seu quadro societário como conselheiros diretores RICARDO LINS PORTELLA NUNES (presidente da CONSTRUTORA SULTEPA e diretor da PEDRASUL) e ANDRÉ LOIFERMANN (CPF 354.259.200-59/sócio administrador da BRASÍLIA GUAÍBA).  A COPARCO (CNPJ 08.702.891/0001-30) tem participação no seu quadro societário da CONSTRUTORA SULTEPA, de SÉRGIO COELHO DA SILVA (CPF 265.609.840- 87), diretor de operações da BRASÍLIA GUAÍBA, da BGPAR (CNPJ 04.987.555/0001- 20), cujos sócios são ABRÃO LOIFERMAN (CPF 000.651.100-72), ANDRÉ LOIFERMAN e a BRASÍLIA GUAÍBA.  Participam dos quadros societários da CONVIAS (CNPJ 02.414.599/0001-35) e da SULVIAS (CNPJ 02.419.175/0001-63) RICARDO LINS PORTELLA NUNES (presidente da CONSTRUTORA SULTEPA e diretor da PEDRASUL), RONALDO SCHWAMBACH (sócio da CONSTRUTORA SULTEPA e diretor da PEDRASUL) e SERGIO COELHO DA SILVA que, embora não conste no Sistema CNPJ como integrante dos quadros societários da BRASÍLIA GUAÍBA, é nominado no site da mesma como Diretor de Operações (www.brasiliaguiaba.com.br/, consulta em 12 de agosto de 2011). Além disto, o mesmo consta como administrador responsável pelo CONSÓRCIO BRASILIA GUAIBA CARPENEDO (CNPJ 12.936.297/0001-80).  A CP CONSTRUÇÕES E PARTICIPAÇÕES (CNPJ 07.177.497/0001-67) tem participação no seu quadro societário de RICARDO LINS PORTELLA NUNES (presidente da SULTEPA e diretor da PEDRASUL), ÂNGELO LÚCIO VILLARINHO DA SILVA (diretor da SULTEPA e da PEDRASUL), da SULTEPA, da PORTELLA NUNES PARTICIPAÇÕES (cujo sócio ROBERTO LINS PORTELLA NUNES é sócio da STE – SERVIÇOS TÉCNICOS DE ENGENHARIA e irmão de RICARDO LINS PORTELLA NUNES, como já explanado), de ABRÃO LOIFERMAN, sócio da BRASÍLIA GUAÍBA, de SÉRGIO COELHO DA SILVA, diretor de operações da BRASÍLIA GUAÍBA, e da BGPAR, cujos sócios são ABRÃO LOIFERMAN, ANDRÉ LOIFERMAN e a BRASÍLIA GUAÍBA. Página 132 de 253
  • 133. Como registrado, as empresas PEDRASUL e BRASÍLIA GUAÍBA foram licitantes nos lotes 1,2 e 6 da presente licitação. Além disto, quanto ao Lote 1, a TORC participa de consórciojuntamente com a BRASÍLIA GUAÍBA, dentre outras empresas (CONSÓRCIOIVAI/TORC/CONSTRAN/BRASILIA GUAIBA, CNPJ 12.234.978/0001-05).No tocante ao Lote 6, também foi identificado relacionamento indireto dentre a Brasília Guaíbae a CSL, a saber: ANDRÉ LOIFERMANN, sócio da BRASIÍLIA GUAÍBA e SÉRGIOCOELHO DA SILVA, diretor de operações da BRASÍLIA GUAÍBA participam do quadrosocietário da UNIVIAS (08.035.833/0001-08), que também conta com a participação de MARIOROBERTO AMORIM BALTAR (CPF 285.365.090-15), sócio da BALTAR & MENEZESCONSULTORES ASSOCIADOS (CNPJ 03.312.919/0001-09), cujo quadro societário também écomposto por ODILON ALBERTO MENEZES (CPF 290.610.919-34), sócio da CSL –CONSTRUTORA SACCHI LTDA.CONSTATAÇÃO 027:INDÍCIOS DE DIRECIONAMENTO E POSSÍVEL ALINHAMENTO DE PREÇOSPRATICADOS EM LOTES DO PROCESSO LICITATÓRIO N.º 489/2008.As propostas apresentadas por licitantes para os lotes do Processo Licitatório nº 489/2008,referente à execução, sob regime de empreitada a preços unitários, dos serviços necessários arealização das Obras de Revitalização - CREMA 1ª Etapa (Recuperação Restauração eManutenção) Rodoviária conforme informado pela SR/DNIT/RS foram as seguintes:Quadro I: Empresas participantes x Lotes EMPRESAS LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5Brasília Guaíba 35.609.771,45 40.161.367,61 16.276.514,64Cbemi INABILITADAToniolo Busnello 35.772.995,35 30.800.024,35Consórcio Sultepa/Pedrasul 35.427.326,49 31.086.174,93Sanches Tripoloni - 30.884.259,45 14.716.947,92 40.235.499,28 16.243.260,46Consórcio Cc/Brasília Guaíba - 30.544.224,50Consórcio Sbs/Tv - 14.769.911,86Conpasul - 14.752.259,79Consórcio Cotrel/Della Pasqua - 14.392.928,69Consórcio Empa/Tescon - 39.132.621,28Consórcio Traçado/Construbrás/Iguatemi - 39.187.093,86 16.103.119,01Consórcio Pavicon/Csl - INABILITADAFonte: Processo Licitatório nº 489/2008Tais propostas como percentual em relação ao orçamento:Quadro II: Empresas participantes x Lotes em percentuais EMPRESA LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5Brasília Guaíba 99,01% 102,62% 94,14%Conpasul 99,40%Consórcio Cc/Brasília Guaíba 98,18%Consórcio Cotrel/Della Pasqua 96,98%Consórcio Sbs/Tv 99,52%Consórcio Sultepa/Pedrasul 98,50% 99,92%Consórcio Traçado/Construbrás/Iguatemi 100,14% 93,14%Consório Empa/Tescon 100,00%Sanches Tripoloni 99,27% 99,16% 102,81% 93,95%Toniolo Busnello 99,46% 99,00%Fonte: Processo Licitatório nº 489/2008 Página 133 de 253
  • 134. Quadro III: Valores (R$) das propostas x valor orçado LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 VALOR ORÇADO 35.966.929,50 31.111.732,83 14.841.544,86 39.134.171,39 17.288.837,16 PROPOSTA VENCEDORA 35.427.326,49 30.544.224,50 14.392.928,69 39.132.621,28 16.103.119,01 2ª COLOCADA 35.609.771,45 30.800.024,35 14.716.947,92 39.187.093,86 16.243.260,46 3ª COLOCADA 35.772.995,35 30.884.259,45 14.752.259,79 40.161.367,61 16.276.514,64 4ª COLOCADA 31.086.174,93 14.769.911,86 40.235.499,28Fonte: Processo Licitatório nº 489/2008Quadro IV: Valores (%) das propostas x valor orçado em percentuais LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 ORÇAMENTO 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% PROPOSTA VENCEDORA 98,50% 98,18% 96,98% 100,00% 93,14% 2ª COLOCADA 99,01% 99,00% 99,16% 100,14% 93,95% 3ª COLOCADA 99,46% 99,27% 99,40% 102,62% 94,14% 4ª COLOCADA 99,92% 99,52% 102,81%Fonte: Processo Licitatório nº 489/2008Percentuais em termos estatísticos em relação ao orçamento (apenas a proposta vencedora,segunda e terceiras colocadas):Quadro V: Percentuais em termos estatísticos em relação ao orçamento VENCEDORA 2ª COLOCADA 3ª COLOCADA MÉDIA 0,9736 0,9825 0,9911 DESVIO PADRÃO 0,0232 0,0219 0,0275 MEDIANA 0,9818 0,9901 0,9946Fonte: CGUNo Processo Licitatório 489/2008 houve uma maior diferença em termos percentuais daspropostas primeira e segunda colocadas em relação aos orçamentos.De igual forma, as propostas apresentadas pelos licitantes, em relação ao orçamento, semostraram bastante próximas, quando apresentadas em mais de um lote, à exceção daCONPASUL.CONSTATAÇÃO 028:INDÍCIOS DE DIRECIONAMENTO E POSSÍVEL ALINHAMENTO DE PREÇOSPRATICADOS NO PROCESSO LICITATÓRIO N.º 490/2008.As propostas apresentadas por licitantes relativas aos lotes do Processo Licitatório nº 490/2008,relacionadas à execução, sob regime de empreitada a preços unitários, dos serviços necessários àrealização das Obras de Revitalização - CREMA 1ª Etapa (Recuperação, Restauração eManutenção) Rodoviária foram as seguintes:Quadro I: Empresas participantes x Lotes EMPRESAS LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4Consórcio Traçado/Construbrás/Iguatemi 13.176.388,46 28.896.638,62Sbs 10.400.971,45 28.750.321,11Consórcio Iccila/Dobil 13.342.415,35 47.672.430,90Consórcio Cotrel/Pavia 13.373.544,15 29.039.349,63 49.018.195,10Mac Engenharia 29.040.687,14 48.658.149,73Torc 48.881.580,62Consórcio Sultepa/Pedrasul 21.831.936,51Brasília Guaíba 22.494.358,82Consórcio Conterra/Csl 22.585.414,87Cbemi 22.594.119,37BrasilFonte: Processo Licitatório nº 490/2008 Página 134 de 253
  • 135. Quadro II: Empresas participantes x Lotes EMPRESAS LOTE 5 LOTE 6 LOTE 7 LOTE 8 CONSÓRCIOTRAÇADO/CONSTRUBRÁS/IGUATEMI SBS 44.413.776,55 20.020.706,05 35.599.056,87 CONSÓRCIO ICCILA/DOBIL 44.472.702,00 19.427.027,12 CONSÓRCIO COTREL/PAVIA 43.256.802,35 MAC ENGENHARIA 19.941.467,90 35.526.368,22 TORC 35.779.387,17 CONSÓRCIO SULTEPA/PEDRASUL 37.063.084,54 BRASÍLIA GUAÍBA CONSÓRCIO CONTERRA/CSL 36.084.125,13 CBEMI BRASIL 36.364.226,01Fonte: Processo Licitatório nº 490/2008Propostas apresentadas por licitantes - percentual em relação ao orçamento.Quadro III: Empresas participantes x Lotes em percentuais EMPRESAS LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 LOTE 6 LOTE 7 LOTE 8 BRASIL 98,11% BRASÍLIA GUAÍBA 99,52% CBEMI 99,96% CONSÓRCIO CONTERRA/CSL 99,92% 97,36% CONSÓRCIO COTREL/PAVIA 99,75% 99,00% 99,78% 96,96% CONSÓRCIO ICCILA/DOBIL 99,52% 97,04% 99,69% 96,64% CONSÓRCIO SULTEPA/PEDRASUL 96,59% 100,00% CONSÓRCIO 98,28% 98,51% TRAÇADO/CONSTRUBRÁS/IGUATEMI MAC ENGENHARIA 99,00% 99,05% 99,20% 98,50% SBS 77,58% 98,01% 99,56% 99,59% 98,70% TORC 99,50% 99,20%Fonte: Processo Licitatório nº 490/2008Quadro IV: Valores (R$) das propostas x valor orçado LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 VALOR ORÇADO 13.407.335,58 29.333.603,58 49.127.190,69 22.603.230,41PROPOSTA VENCEDORA 10.400.971,45 28.750.321,11 47.672.430,90 21.831.936,51 2ª COLOCADA 13.176.388,46 28.896.638,62 48.658.149,73 22.494.358,82 3ª COLOCADA 13.342.415,35 29.039.349,63 48.881.580,62 22.585.414,87 4ª COLOCADA 13.373.544,15 29.040.687,14 49.018.195,10 22.594.119,37Fonte: Processo Licitatório nº 490/2008Quadro V: Valores (R$) das propostas x valor orçado LOTE 5 LOTE 6 LOTE 7 LOTE 8 VALOR ORÇADO 37.064.407,13 44.611.740,63 20.103.229,01 36.067.931,45PROPOSTA VENCEDORA 36.084.125,13 43.256.802,35 19.427.027,12 35.526.368,22 2ª COLOCADA 36.364.226,01 44.413.776,55 19.941.467,90 35.599.056,87 3ª COLOCADA 37.063.084,54 44.472.702,00 20.020.706,05 35.779.387,17 4ª COLOCADAFonte: Processo Licitatório nº 490/2008Em percentuais em relação ao orçamento:Quadro VI: Valores das propostas x valor orçado em percentuais LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 LOTE 6 LOTE 7 LOTE 8 VALOR ORÇADO 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% PROPOSTA VENCEDORA 77,58% 98,01% 97,04% 96,59% 97,35% 96,96% 96,64% 98,50% 2ª COLOCADA 98,28% 98,51% 99,04% 99,52% 98,11% 99,56% 99,19% 98,70% 3ª COLOCADA 99,52% 99,00% 99,50% 99,92% 100,00% 99,69% 99,59% 99,20% 4ª COLOCADA 99,75% 99,00% 99,78% 99,96%Fonte: Processo Licitatório nº 490/2008 Página 135 de 253
  • 136. Percentuais em termos estatísticos em relação ao orçamento (apenas a proposta vencedora,segunda e terceiras colocadas):Quadro VII: Percentuais em termos estatísticos em relação ao orçamento VENCEDORA 2ª COLOCADA 3ª COLOCADA MÉDIA 0,9483 0,9886 0,9955 DESVIO PADRÃO 0,0655 0,0051 0,0031 MEDIANA 0,9700 0,9887 0,9955Fonte: CGUSe não restou tão evidente a padronização das propostas em relação ao orçamento quanto noProcesso Licitatório 485/2008, ainda assim é possível dizer que, à exceção dos lotes 1 e 5,bastava a empresa apresentar proposta igual ou inferior a 98,5% para ser a vencedora do certame.Além disto, resta evidente que as próprias empresas alteraram seus percentuais em relação aoorçamento, em várias propostas, sagrando-se vencedoras justamente ao apresentarem propostascondizentes com o padrão deduzido.No que tange ao Lote 7, registre-se que foi identificado relacionamento da MACENGENHARIA (CNPJ 80.083.454/0001-02 com a DOBIL (CNPJ 02.077.639/0001-09).MARCO ANTÔNIO CAMINO (CPF 293.831.290-34) é sócio administrador responsável daMAC ENGENHARIA e da CAPO ENGENHARIA (04.438.483/0001-61), juntamente com ossócios administradores DARCI JOSÉ GIOVANELLA e BILL BOF REIS (CPF 158.357.070-53), ambos sócios da DOBIL ENGENHARIA.Além disto, a MAC ENGENHARIA e a DOBIL ENGENHARIA são sócias da BRITAGEMRIO BONITO (CNPJ 05.270.831/0001-05).CONSTATAÇÃO 029:INDÍCIOS DE DIRECIONAMENTO E POSSÍVEL ALINHAMENTO DE PREÇOSPRATICADOS NO PROCESSO LICITATÓRIO Nº 491/2008.Conforme informado pela SR/DNIT/RS as propostas dos lotes do Processo Licitatório nº491/2008, referentes à execução, sob regime de empreitada a preços unitários, dos serviçosnecessários a realização das Obras de Revitalização - CREMA 1ª Etapa (recuperação,Restauração e Manutenção) Rodoviária foram as seguintes:Quadro I: Empresas participantes x Lotes EMPRESAS LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 CONSÓRCIO SBS/TV 23.399.179,26 42.507.283,22 CONPASUL 23.401.805,44 17.623.792,86 40.825.453,83 SANCHES TRIPOLONI 26.359.530,88 17.259.904,56 20.906.775,77 CBEMI 17.044.020,28 24.153.832,54 CONSÓRCIO PELOTENSE/PEDRASUL 17.215.204,91 20.881.029,60 MAC ENGENHARIA 17.257.390,81 23.487.515,67 BRASÍLIA GUAÍBA 17.384.395,38 20.982.236,20 CONSÓRCIO EMPA/TESCON 21.084.500,43 CONSÓRCIO ICCILA/DOBIL 42.398.135,69 ATERPA 24.202.577,07Fonte: Processo Licitatório nº 491/2008Os percentuais das propostas em relação ao orçamento foram os seguintes: Página 136 de 253
  • 137. Quadro II: Empresas participantes x Lotes em percentuais EMPRESA LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 ATERPA 99,96% BRASÍLIA GUAÍBA 99,93% 99,50% CBEMI 97,97% 99,76% CONPASUL 87,93% 101,31% 95,86% CONSÓRCIO EMPA/TESCON 99,99% CONSÓRCIO ICCILA/DOBIL 99,55% CONSÓRCIO PELOTENSE/PEDRASUL 98,96% 99,02% CONSÓRCIO SBS/TV 87,92% 99,81% MAC ENGENHARIA 99,20% 97,00% SANCHES TRIPOLINI 99,04% 99,21% 99,15%Fonte: Processo Licitatório nº 491/2008Em reais:Quadro III: Valores das propostas x valor orçado LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 VALOR ORÇADO 26.614.357,51 17.396.583,57 21.087.063,62 42.589.032,42 24.213.008,13 PROPOSTA VENCEDORA 23.399.179,26 17.044.020,28 20.881.029,60 40.825.453,83 23.487.515,67 2ª COLOCADA 23.401.805,44 17.215.204,91 20.906.775,77 42.398.135,69 24.153.832,54 3ª COLOCADA 26.359.530,88 17.257.390,81 20.982.236,20 42.507.283,22 24.202.577,07 4ª COLOCADA 17.259.904,56 21.084.500,43 5ª COLOCADA 17.384.395,38 6ª COLOCADA 17.623.792,86Fonte: Processo Licitatório nº 491/2008Em percentuais em relação ao orçamento:Quadro IV: Valores das propostas x valor orçado em percentuais LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 VALOR ORÇADO 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% PROPOSTA VENCEDORA 87,92% 97,97% 99,02% 95,86% 97,00% 2ª COLOCADA 87,93% 98,96% 99,15% 99,55% 99,76% 3ª COLOCADA 99,04% 99,20% 99,50% 99,81% 99,96% 4ª COLOCADA 99,21% 99,99% 5ª COLOCADA 99,93% 6ª COLOCADA 101,31%Fonte: Processo Licitatório nº 491/2008Percentuais em termos estatísticos em relação ao orçamento (apenas a proposta vencedora,segunda e terceiras colocadas):Quadro V: Percentuais em termos estatísticos em relação ao orçamento VENCEDORA 2ª COLOCADA 3ª COLOCADA MÉDIA 0,9556 0,9707 0,9950 DESVIO PADRÃO 0,0396 0,0458 0,0035 MEDIANA 0,9700 0,9915 0,9950Fonte: CGUSe não restou tão evidente a padronização das propostas em relação ao orçamento quanto noProcesso Licitatório 485/2008, ainda assim é possível dizer que, à exceção dos lotes 1 e 2,bastava a empresa apresentar proposta igual ou inferior a 99% do valor orçado para ser avencedora do certame.De igual forma, as propostas apresentadas pelos licitantes, em relação ao orçamento, semostraram bastante próximas, quando apresentadas em mais de um lote, à exceção daCONPASUL e do CONSÓRCIO SBS/PELOTENSE. Página 137 de 253
  • 138. IMPROPRIEDADES/IRREGULARIDADES VERIFICADAS PELO CONTROLE INTERNONO ÂMBITO DO CREMA/RS.Quando da realização de ações do Controle Interno voltados à execução do Programa CREMAno RS, em especial aos lotes contratados mediante o Processo Licitatório n.º 490/2008, foramidentificadas as seguintes impropriedades/irregularidades:RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 236200LOTE 2 – Consórcio CC PAVIMENTADORA/BRASÍLIA GUAÍBAProjeto falho elaborado pela STE - DynatestPrejuízo apurado: R$ 475.372,72.CONSTATAÇÃO 030:DIVERGÊNCIAS ENTRE OS VALORES DE DMTS PREVISTOS NO PROJETO LICITADOE OS VALORES OBSERVADOS "IN LOCO", ACARRETANDO PAGAMENTO INDEVIDODE TRANSPORTE NO VALOR DE R$ 475.372,75.Identificamos que as DMTs (distâncias médias de transporte) utilizadas no projeto licitado paraorçar os preços unitários de serviços, que envolvem em sua composição o emprego de massaasfáltica e brita graduada, apresentam divergências em relação aos valores observados emcampo, conforme demonstrado no Quadro a seguir:Quadro I: Divergências das DMT DMT (km) Material Projeto Identificada “in loco” (1) Massa asfáltica (distância entre usina e pista) 30,9 13,6 Pedra Britada (distância entre pedreira e usina) 0,8 10,0(1) Valor obtido com base na localização das fontes de materiais “in loco”, a saber: a) pedreira comercial (900 metros do km414,5 da BR-386/RS - lado direito); e b) usina de CBUQ (km 423,6 da BR-386/RS - lado direito).Conforme pode ser observado no quadro acima, o projeto licitado utilizou uma DMT dematerial pétreo (pedreira-usina) inferior e, por sua vez, uma DMT da massa asfáltica superior àidentificada em campo.Em relação à DMT da massa asfáltica, foi solicitada ao DNIT manifestação sobre o assunto (SFnº 236199/03/CGU-R/RS). Em resposta, o DNIT apresentou, por meio do Ofício nº01954/2010/SR/RS, o cálculo da DMT do concreto asfáltico fornecido pela empresa projetista. Amemória de cálculo apresentada consiste em um e-mail do Engenheiro de Planejamento(PROARTE/PROCREMA) do Consórcio STE/Dynatest/CGMRR/DIR/DNIT encaminhado aoCoordenador do Programa Crema do DNIT, datado de 27/10/2010. Neste documento, oEngenheiro de Planejamento apresenta as seguintes informações:"Segue memória de cálculo das DMTs.Para cálculo foi considerado além da extensão do trecho as distâncias da fonte de materiaisbetuminosos e da usina até a pista, conforme:Origem da fonte de material betuminoso = 4 kmDistância da Usina até a pista = 3 kmExtensão do trecho = 54,2 kmTotal = 61,2 kmDMT ≈ 30,6 km" Página 138 de 253
  • 139. O cálculo apresentado, na resposta encaminhada pelo DNIT, referente à DMT de transporte damassa asfáltica, encontra-se equivocado, não representando as condições identificadas porequipe de fiscalização da CGU no que tange às fontes de materiais e localização dasinstalações industriais.Analisando a composição da DMT da massa asfáltica (CBUQ) apresentada pelo DNIT, tecemosos seguintes comentários:a) Origem da fonte de material betuminoso = 4km:Essa distância não deve ser incorporada à DMT da massa asfáltica, pois a composição de preçosunitários dos serviços correlatos quantificam esse transporte em item específico.b) Distância da usina até a pista = 3km:A usina móvel do tipo Drum Mixer utilizada pela empresa responsável pelo contrato para ausinagem da massa asfáltica (CBUQ) encontra-se instalada às margens do lado direito da BR-386/RS, mais especificamente no km 423,6. Ou seja, não há o que se falar em distância detransporte da usina até a pista, haja vista esse deslocamento se resumir a metros.c) Extensão total do trecho = 54,2 km:A extensão do subtrecho contratado é, conforme informado pelo Projetista, de 54,2 km.Entretanto, o cálculo da DMT para o subtrecho contratado não é a mera divisão desta extensãopor dois (no caso em tela, além da extensão do subtrecho contratado, foram consideradasindevidamente as distâncias da fonte de material betuminoso e da usina até a pista, ou seja:(54,2 Km + 4 Km + 3 Km)/2 = 30,6 Km), pois a usina de CBUQ não se encontra instalada nemno início (km 395,00), nem no final(km 449,2) do segmento.d) DMT calculada:Considerando a localização da usina de CBUQ no km 423,6 (aproximadamente no meio dosegmento contratado) e a extensão do trecho de 54,2 km, a DMT obtida após os devidoscálculos de momento de transporte é de 13,6 km e não de 30,6 km conforme informado.As diferenças apontadas de DMTs repercutem diretamente no preço de itens de serviço, taiscomo "CBUQ" e "Manutenção e Conservação".Objetivando apurar o valor orçado a maior no preço unitário do item de serviço "CBUQ",constante no projeto licitado, efetuamos ajustes nos valores das DMTs da massa asfáltica e dabrita graduada, adequando-os aos verificados em campo. Do ajuste das DMTs, obteve-se umaredução, no preço do citado serviço, de R$ 7,79 por tonelada executada, conforme demonstradono Quadro a seguir:Quadro II: Diferenças apuradas face ao ajuste das DMT Custo Custo Distância Distância Custo Variação Transporte Consumo Orçado (km) orçada (km) verificada (km) verificado (R$) (R$) (R$)Brita comercial 0,29 0,8 10 0,67 0,16 1,94 -1,78CBUQ (massa 0,48 30,9 13,6 1 14,83 6,53 8,3asfáltica) TOTAL (CUSTO) 14,99 8,47 6,52 TOTAL (PREÇO) BDI – 19,6% 17,92 10,13 7,79Fonte e método: Elaborado com base na composição de preços unitário do item de serviço “CBUQ-capa de rolamento AC/BC”constante no projeto referencial licitado.Dessa forma, o preço inicialmente orçado do referido item de serviço fica reduzido de R$ 79,22para R$ 71,43. Considerando o quantitativo de CBUQ atestado na 15ª medição, que foi de61.023,46 t, o valor orçado a maior corresponderia a R$ 475.372,75 (quatrocentos e setentae cinco mil, trezentos e setenta e dois reais e setenta e cinco centavos). Página 139 de 253
  • 140. Quanto à proposta apresentada pelo consórcio vencedor do certame licitatório, não foi possívelavaliar a repercussão da alteração das DMTs no preço unitário do item de serviço "CBUQ". Acomposição unitária desse serviço não apresenta no item transporte a discriminação dos insumos,a respectiva DMT e o custo unitário do transporte. A orçamentação do transporte se resume naapresentação de uma DMT sem identificar a qual insumo se refere, conforme pode ser observadono Quadro que segue:Quadro III: Orçamentação do transporte Transportes DMT (Total) em km Custo (R$) Consumo Custo Horário (R$)Transp. local basc. 10 m3 em rodovia Pav 73 0,28 1 20,44(auxiliar 10)*Fonte e método: Baseado na composição de preço unitário do item de serviço “CBUQ-4cm” constante na proposta da empresavencedora do certame licitatórioEmbora não seja possível avaliar diretamente a repercussão das DMTs no custo unitário doserviço, pode-se inferir que o valor pago a maior encontra-se próximo ao calculadoanteriormente para o item de serviço "CBUQ", tendo como base o valor orçado para o serviçopresente no projeto referencial. Tal pressuposto baseia-se no fato de que o valor orçado para otransporte dos insumos constante no item de serviço CBUQ (projeto referencial) e o valorfinanceiro do transporte deste mesmo serviço na proposta da empresa vencedora do certame sãomuito próximos, R$ 20,49 e R$ 20,44, respectivamente.Salientamos que não foi efetuada avaliação dos preços unitários que compõem esse item deserviço.Evidências:a) Ofício nº 01954/2010/SR/RS da Superintendência Regional do Estado do Rio Grande do Sul,datado de 09/11/2010.b) Planilha de composição de preços unitários relativa ao item de serviço "CBUQ-4cm",referente à proposta do consórcio vencedor do certame licitatório.c) Composição de preço unitário referente ao item de serviço "CBUQ-4cm", constante noprojeto licitado.d) Croqui de localização das fontes de materiais (usina e pedreira), constante no projeto básicolicitado.RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 236202LOTE 4 – CONSÓRCIO SULTEPA/PEDRASULCONSTATAÇÃO 031:PATOLOGIA GRAVE EM SERVIÇO DE RESTAURAÇÃO DA PISTA DE ROLAMENTO.Em inspeção "in loco" realizada nos dias 06, 07 e 08 de julho de 2010 identificou-se exsudaçãode material asfáltico com nível de severidade alta em três segmentos (km 331 ao 337; km358+500 ao 371; km 398 ao 409) nos quais foram executados, pela empresa contratada, serviçosde fresagem e recomposição do revestimento em CBUQ.Tal situação apresenta risco aos usuários da rodovia frente a baixa resistência do revestimento àderrapagem pela redução/perda da macrotextura, comprometendo a aderência pneu/pavimentoprincipalmente em presença de umidade e água na pista de rolamento.A patologia relatada decorre de dosagem inadequada da mistura asfáltica (excesso de ligantee/ou índice de vazios baixo) ou temperatura do ligante acima da especificada no momento Página 140 de 253
  • 141. da mistura, indicando que houve problemas de projeto da mistura asfáltica ou de execução damesma pela empresa contratada.Registra-se que o edital de licitação no capítulo III Indicações Particulares no item 6 -Responsabilidade da Contratada em relação à qualidade da obra dispõe que "O projeto daMistura do Concreto Asfáltico será de responsabilidade do Contratado".Frente a situação identificada foi solicitado por meio da SF nº 236201/03/CGU-R/RS ao DNITinformar quais as medidas adotadas visando solucionar o problema relatado, pois conformeidentificado nas medições do contrato tais serviços foram atestados como executados.Em resposta, por meio do Ofício nº 01474/2010/SR/RS, de 20 de agosto de 2010, o DNITinformou: "Os segmentos que apresentaram exsudação/espelhamento foram verificadas por estafiscalização após já haverem sido realizadas a execução dos serviços e pagamentos dos mesmosnas medições mensais (fotos em anexo dos serviços antes da exsudação/espelhamento). O iníciodo fenômeno se deu após os primeiros dias que apresentaram temperaturas elevadas daprimavera/verão de 2009/2010 (primeira quinzena de novembro de 2009). Mediante estaverificação realizada pela fiscalização, solicitou-se imediato estudo para que fosse apresentadopelo consórcio contratado novo projeto de Concreto Asfáltico bem como verificações na linhade produção em possível problema na usinagem do CBUQ (conforme ofício anexo).Conforme a solicitação da fiscalização, foi elaborado pelo consórcio contratado novo projeto deConcreto Asfáltico que foi apresentado ao DNIT e encaminhado a Consultora para avaliação,como procedimento já ocorrido no primeiro projeto de CBUQ; bem como o consórcioSultepa/Pedrasul implementou dosador de finos resultantes do filtro de manga na usina deCBUQ para minimizar os problemas aqui relatados.Como resultado o concreto asfáltico resultante do segundo projeto apresentou melhorcomportamento não apresentando até o momento estes problemas. Esta fiscalização, preocupadacom o nível de atrito entre a pista e os pneus dos veículos, solicitou que fossem executadosensaios de Mancha de Areia nos locais onde ocorreram exsudação/espelhamento para avaliaçõesdo estado superficial da mesma. Os ensaios contaram com a participação do Consórciocontratado, da Consultora Ecoplan, do DNIT e da UFSM para verificação da macrotextura dorevestimento asfáltico onde a UFSM (realizou os ensaios pela contratada) emitiu laudoinformando que o pavimento apresenta textura superficial média a grossa (em anexo Laudo eencaminhamento para o Chefe de Engenharia da SRERS/DNIT e Consultora).Solicitou-se também, de forma verbal à Polícia Rodoviária Federal, se haviam problemas deaquaplanagem/escorregamentos de veículos nos pontos elencados e recebemos a informaçãode que não havia este tipo de problema/acidente até o presente momento. Informamos que notrecho inicial do contrato, entre os Kms 330,5 ao 334, foram re-executados os serviços de Capaem CBUQ pelo Consórcio contratado, pois ocorreram problemas de formação de trilha de rodasum período após o aparecimento da exsudação/espelhamento. Salienta-se que nas AvaliaçõesMensais da Taxa de Manutenção e Conservação do contrato têm-se efetuado desconto nos locaisonde este problema ocorreu, conforme preconiza o Edital. Após a realização de notificações pelaConsultora e pela Fiscalização do DNIT para que fosse proposta uma solução para esta questão(já enviadas a Chefia de Engenharia da Superintendência). O Consórcio Responsável envioudocumento (em anexo) dizendo que fará estudo em conjunto com seu consultor para verificaçõese evidenciar as causas deste problema.Este consórcio responsável pela obra coloca em dúvida se o problema trata-se de exsudação ouespelhamento bem como as causas do mesmo. Página 141 de 253
  • 142. Informamos também que o Engenheiro Chefe do Setor de Engenharia esteve em visita ao trechona data de 11/08/2010 para verificação do fenômeno em loco e após foi realizada reunião com apresença de representantes do consórcio, DNIT e consultora. Após o recebimento do relatóriocom as conclusões e pareceres necessários e envio para a Consultora e Chefia de EngenhariaSRERS, esta fiscalização solicitará reunião com estes para definição de qual o procedimento aser adotado."Em que pese as informações prestadas pelo engenheiro fiscal do contrato demostrandopreocupação por parte do DNIT para diagnosticar a causa do problema relatado, salienta-se queaté o término dos trabalhos de fiscalização não foram informados os procedimentos/providênciasa serem adotados para a solução do problema detectado.Evidências:a) registro fotográfico da patologia:km 333+200 - Exsudação de material asfáltico km 333+200 - Exsudação de material asfálticoData: 06/07/2010 Data:06/07/2010Hora:15:28 Hora:15:28coordenada: S29º39.571 W054º.40.475. Coordenada:S29º39.571 – W054º.40.475.km 333+200 - Exsudação de material asfáltico km 364+000 - Exsudação de material asfálticoData:06/07/2010 Data:07/07/2010Hora:15:28 Hora: 9:16Coordenada: S29º39.571 - W054º.40.475. Coordenada: S29º25.810 -W054º43.282. Página 142 de 253
  • 143. km 364+000 Exsudação de material asfáltico (Sentido São km 398+000 Exsudação de material asfálticoBorja/POA) Data:07/07/2010Data:07/07/2010 Hora:10:54Hora:9:16 Coordenada: S29º10.474 - W054º49.016.Coordenada: S 29º25.810 – W054º43.277.km 398+000 Exsudação de material asfáltico km 399+000 Exsudação do material asfáltico (sentido SãoData:07/07/2010 Borja/Poa)Hora:10:54 Data:08/07/2010Coordenada: S29º10.474 – W054º49.016. Hora:13:45 Coordenada:S29°10171- W054°51704RELATÓRIOS DE FISCALIZAÇÃO 236193 e 236194LOTE 5 – CONTERRA/SCLPREJUÍZO APURADO: 3.232.191,62.CONSTATAÇÃO 032:PROBLEMAS EXECUTIVOS NO TRATAMENTO SUPERFICIAL DUPLO COMPOLÍMEROS.Foi verificada a existência de falhas na execução do tratamento superficial duplo (TSD) compolímero, na pista de rolamento, entre os km 469+300 ao 472+000 (lado direito), 475+000 ao476+000 e do 478+000 ao 478+800. Entre os km 469+300 ao 472+000 o problema detectadoconsistia na ausência de material pétreo em panos executados. A causa provável do defeitoverificado deve-se a falhas de "bico" durante a execução do TSD.Evidências:a) Registro fotográfico efetuado durante a fiscalização "in loco" no dia 07/07/2010. Página 143 de 253
  • 144. km 469 + 300 Falha na execução do TSD na pista de km 469 + 300 Falha na execução do TSD na pista derolamento no lado direito rolamento no lado direitoData:07/07/2010 Data: 07/07/2010Coordenada S28º59.175 – W055º27.236 Coordenada S28º59.175 - W055º27.236CONSTATAÇÃO 033:PAGAMENTO INDEVIDO DE MATERIAL E DE TRANSPORTE.Analisando as composições de preço unitário dos itens de serviço "CBUQ" e "CBUQmassa fina" do consórcio vencedor do certame licitatório identificamos: i) que as DMTs(distâncias médias de transporte) da massa asfáltica (usina-obra) e da brita graduada(depósito-usina), utilizadas para definição do preço unitário dos serviços elencados, nãorefletem a situação observada em campo durante a fiscalização; e ii) que a inclusão doinsumo "areia" está em desacordo com os projetos das respectivas misturas asfáltica, que nãoapresentam este material como componente.i) Enquanto as DMTs, utilizadas para definição dos preços unitários pelo consórcio, dos itensde serviço "CBUQ" e "CBUQ massa fina" indicam os seguintes valores: 28 km para a britagraduada e 58 km para a massa asfáltica (CBUQ), as distâncias médias obtidas tendo como basea localização das instalações industriais utilizados pelo consórcio (pedreira e usina de CBUQ)no km 504+00 da BR-287/RS, são de 41,3 km para a massa asfáltica e para o material pétreonão há deslocamento depósito-usina.Quadro I: Diferenças apuradas nas DMT DMT (km) Material Orçada pelo consórcio Identificada in locoMassa asfáltica (usina-obra) 58 41,3Pedra Britada (depósito- usina) 28 0Fonte e método: Elaborado com base nas composições de preços unitários do consórcio vencedor do certame licitatórioii) Os projetos das misturas asfálticas (CBUQ e CBUQ massa fina), disponibilizados peloengenheiro fiscal do contrato, não apresentam em sua composição granulométrica o insumo"areia" conforme pode ser observado no Quadro que segue: Página 144 de 253
  • 145. Quadro II: Composição granulométrica CBUQ e CBUQ massa fina Porcentagem (%) Material CBUQ CBUQ massa finaAgregado 1 (Brita 1/2”) 25,65 24,00Agregado 2 (Brita 3/8”) 30,40 34,00Agregado 3 (Pó-de-pedra”) 37,05 40,00Agregado 4 (Cal hidratado) 1,90 2,00CAP 50/70 5,00 5,20 Total 100,00 100,00*Fonte: Resumo do projeto de mistura asfáltica (CBUQ e CBUQ massa fina)A análise conjunta das diferenças de DMTS (proposta do consórcio X real) com o pagamentoindevido do transporte de areia reduz o preço unitário do CBUQ em R$ 67,59 (sessenta e setereais e cinquenta e nove centavos) e do CBUQ - massa fina em R$ 77,66 (setenta e sete reais esessenta e seis centavos), conforme pode ser observado a seguir.Quadro III: CBUQ DMT – Custo DMT Custo Custo unitário Transporte Código Unid. Consumo proposta unitário identificada (R$) (R$*) (km) proposta(R$) (km)De brita depósito-usina 216 m3xkm 0,45 28,00 0,50 6,27 0,00 0,00Areia depósito-usina 206 m3xkm 0,36 180,00 0,50 32,42 0,00 0,00Massa asfáltica usina- 221 tonxkm 1,00 58,00 0,75 43,50 41,30 31,00obra Total 82,19 Total 31,00 Total com BDI Total com BDI de 109,80 de 33,58% 41,41 33,58% (preço) ** (preço) *** O custo unitário foi calculado com base nas DMTs identificadas durante a fiscalização consideraram o o custo unitário dositens de transporte orçados pelo consórcio vencedor do certame. Não foi efetuada análise dos custos unitários propostos peloconsórcio.** Não foi efetuada análise do BDI. Para efeito da verificação dos valores de preço unitário do serviço foi mantido o BDI daproposta.Quadro IV: CBUQ – massa fina DMT – Custo DMT Custo Custo unitário Transporte Código Unid. Consumo proposta unitário identificada (R$) (R$*) (km) proposta(R$) (km)De brita depósito-usina 216 m3xkm 0,448 28,000 0,500 6,220 0,000 0,000Areia depósito-usina 206 m3xkm 0,439 180,000 0,500 39,420 0,000 0,000Massa asfáltica usina- 221 tonxkm 1,000 58,000 0,750 43,500 41,300 31,000obra Total 89,140 Total 31,000 Total com BDI 119,070 41,410 (33,58%) *** O custo unitário foi calculado com base nas DMTs identificadas durante a fiscalização considerando o custo unitário dos itensde transporte orçados pelo consórcio vencedor do certame. Não foi efetuada análise dos custos unitários propostos peloconsórcio.** Não foi efetuada análise do BDI utilizado pelo consórcio. Para efeito da verificação dos valores de preço unitário do serviçofoi mantido o BDI da proposta.Cabe registrar que não foi retirado do preço total dos serviços em análise o material "areia".Embora não conste como integrante do projeto da mistura asfáltica, tal premissa foi definida, Página 145 de 253
  • 146. haja vista, que, como não foi utilizado o insumo areia na mistura, ocorre o aumento do consumode material pétreo, compensando entre si os custos desses insumos.Considerando os quantitativos acumulados de "CBUQ" e "CBUQ massa fina", constantes naúltima medição amostrada (13ª) de 9.744 t e 26.223,96 t, respectivamente, o valor pago amaior, referente às DMTS é de R$ 2.695.149,69 (R$ 658.596,96 do CBUQ e R$ 2.036.552,73do CBUQ massa fina) a preços iniciais. O valor calculado de prejuízo equivale a 7,5% do valorcontratado (R$ 36.084.125,13). Salientamos que não foi efetuada avaliação dos preços unitáriosdos serviços relacionados ao apontamento.Evidências:b) Projeto da mistura asfáltica para o CBUQ e CBUQ - massa fina da empresa vencedora docertame licitatório.c) Planilha de preços unitários da proposta da empresa vencedora do certame referente aos itensde serviço "CBUQ", "CBUQ - massa fina" e "CAP 50/70 - aquisição".d) 02 (duas) últimas planilhas de medições dos serviços realizados (12ª e 13ª medições).e) Planilha de preços unitários do projeto licitado referente aos itens de serviço "CBUQ" e"CBUQ - massa fina".CONSTATAÇÃO 034:PAGAMENTO INDEVIDO DE LIGANTE ASFÁLTICO.Constatamos que os teores de ligante asfáltico utilizados para quantificar o consumo de CAP– Cimento Asfáltico de Petróleo 50/70 nas medições amostradas (13 e 14ª), de 6 % e 6,5 %para os serviços de CBUQ e CBUQ massa fina, respectivamente, são superiores aos teoresótimos definidos nos projetos das misturas asfálticas (5,0% e 5,2%) apresentados peloconsórcio vencedor do certame.Quadro I: Teores de ligante asfáltico Teor de asfalto projeto Teor de asfalto orçado Teor de asfalto atestado (*) CBUQ 5,00% 6,00% 6,00% CBUQ – massa fina 5,20% 6,50% 6,50%* Considerando o quantitativo de CAP 50/70 atestado na última medição amostrada (13ª)O reflexo do atesto a maior dos percentuais de ligante asfáltico nos quantitativos acumuladosdos serviços de "CBUQ" e "CBUQ-massa fina" tendo como base a última mediçãoamostrada (13ª) identificam quantitativo de ligante asfáltico a maior em 438,35 toneladas(CAP 50/70), conforme pode ser observado a seguir.Quadro II: Demonstrativo do quantitativo de ligante asfáltico a maior Quantidade de CAP 50/70 Quantidade Quantidade de CAP50/70 Quantitativo a maior calculada conforme projeto de atestada (t*) atestada ( t *) de CAP 50/70 (t) CBUQ (**) CBUQ 9.744,000 584,640 487,20 97,44CBUQ – massa fina 26.223,960 1.704,557 1.363,65 340,91 Total 2.289,200 1.850,85 438,35Fonte e método: Elaborado com base na 13ª medição do contrato e nos projetos de mistura asfálticas disponibilizados peloengenheiro fiscal do contrato.* Conforme quantitativo acumulado constante na 13ª medição do contrato** Cálculo considerando o percentual de asfalto de 5,0% para o CBUQ e 5,2% para o CBUQ massa fina, conforme constante nosprojetos de CBUQ disponibilizados pelo engenheiro fiscal do contrato. Página 146 de 253
  • 147. O prejuízo quantificado referente ao quantitativo atestado a maior de ligante asfáltico de 438,35t (aquisição de CAP 50/70), perfaz um montante de R$ 537.041,93 (438,35 t ao preço unitáriode R$ 1.225,14) a preços iniciais, correspondendo a 1,49% do contrato (R$ 36.084.125,13).Salientamos que não foi efetuada avaliação dos preços unitários que compõem esse item deserviço.Evidências:a) Projeto da mistura asfáltica para o CBUQ e CBUQ-massa fina da empresa vencedora docertame licitatório.b) Planilha de preços unitários da proposta da empresa vencedora do certame referente aos itensde serviço "CBUQ", "CBUQ - massa fina" e "CAP 50/70 - aquisição".c) 02 (duas) últimas planilhas de medições dos serviços realizados (12ª e 13ª medições).d) Planilha de preços unitários do projeto licitado referente aos itens de serviço "CBUQ" e"CBUQ - massa fina".II.4.4 - DO SISTEMA DE PESAGEM DE VEÍCULOS – PPV (CGPERT)Embora não conste do rol de obras citadas nas recentes denúncias da imprensa, trata-se deprocedimento licitatório de grande relevância e materialidade que já vinha sendo acompanhadopela CGU antes da veiculação da reportagem que deflagrou esta ampla avaliação dos problemasdo DNIT.A relevância está diretamente relacionada às externalidades positivas nas rodovias federais dopaís, advindas da futura contratação de empresa para monitoramento do peso dos veículos decarga em tráfego na malha rodoviária nacional, por meio da redução da necessidade dasintervenções de manutenção decorrentes do excesso de cargas transportadas.Já a materialidade refere-se diretamente ao valor do orçamento do referido certame que é de R$1.129.675.209,23 (um bilhão cento e vinte e nove milhões seiscentos e setenta e cinco milduzentos e nove reais e vinte e três centavos), cuja data-base é Maio/2010.Por estes motivos, optou-se por inserir os fatos relacionados a esse certame.a) DO SISTEMA DE PESAGEM DE VEÍCULOS - PPVAs informações a seguir representam os resultados obtidos da avaliação ao Edital nº 162/2011,que trata da concorrência pública do tipo “menor preço” para a contratação de empresas ouconsórcio de empresas para a execução de serviços inerentes à preservação da integridade dainfraestrutura e da segurança de trânsito nas rodovias federais pavimentadas, mediante aelaboração de projetos executivos, construção e manutenção de postos de pesagem,disponibilização, instalação, operação e manutenção de sistemas fixos e portáteis de pesagemdinâmica e de equipamentos e sistemas associados, sob jurisdição do Departamento Nacional deInfraestrutura de Transportes – DNIT.Os seguintes aspectos foram contemplados na realização das verificações: análise daconformidade legal dos Processos nº 50600.005406/2007-72 e 50600.0004623/2008-26, os quaistratam da elaboração e aprovação dos projetos básicos; verificação de conformidade dos projetosbásicos entregues pelo Departamento de Engenharia e Construções do Exército Brasileiro –DEC/EB, aprovados pela CGPERT, com as instruções de serviço supracitadas e outras normasaplicáveis aos serviços contratados; análise do processo licitatório nº 50600.003790/2009-31, Página 147 de 253
  • 148. que deu origem ao Edital nº 162/2011; e análise do Edital nº 162/2011, buscando opinar sobre aconformidade das cláusulas quanto à ausência de restrição à competitividade, especialmente asreferentes à subcontratação e à qualificação econômico-financeira, e sobre a adequabilidade dasespecificações previstas para a execução dos serviços.O Plano Nacional de Pesagem – PNP foi concebido pelo DNIT visando à implementação de umcontrole de peso efetivo na malha rodoviária federal, que evite a deterioração precoce dasrodovias causada pelo tráfego de veículos com excesso de peso.A implantação do PNP consiste em estabelecer a operação de 239 (duzentos e trinta e nove)postos de pesagem de veículos em pontos estratégicos da malha rodoviária federal, e foi previstaem duas etapas, quais sejam:- 1ª etapa: operação de 78 (setenta e oito) postos de pesagem, sendo 45 (quarenta e cinco) fixos e 33 (trinta e três) móveis. Estes postos já possuíam alguma infraestrutura instalada, sendo necessária reforma ou revisão de equipamentos em alguns deles, para início da operação. Para execução desta etapa o DNIT firmou 16 (dezesseis) contratos em julho/2008, estando atualmente em operação 77 (setenta e sete) postos de pesagem.- 2ª etapa: construção e operação de 161 (cento e sessenta e um) novos postos de pesagem, sendo 94 (noventa e quatro) fixos e 67 (sessenta e sete) móveis.A operação dos postos de pesagem de veículos do tipo fixo tem por objetivo o controle de pesoem pontos de rodovias com elevado volume diário médio de veículos comerciais,compreendendo infraestrutura adequada para operações de movimentação de cargas etransbordo, contemplando uma balança seletiva (média ou alta velocidade) para pré-seleção dosveículos sobrecarregados e uma balança de baixa velocidade, homologada pelo INMETRO,responsável pela autuação dos eventuais veículos sobrecarregados. Os postos móveis sãoinstalados em pontos de rodovias com baixo volume diário médio de veículos comerciais ou emrotas de fuga dos postos de pesagem fixos, e são operados mediante o uso de balanças portáteisdestinadas ao controle de peso, além de pesagens estatísticas.A licitação realizada por meio do Edital nº 162/2011 representa o início da execução da segundae final etapa do PNP.O projeto básico que especifica o objeto desta licitação é composto por:- projetos das obras de construção dos postos de pesagem, os quais foram elaborados pelo Departamento de Engenharia de Construção do Exército Brasileiro - DEC/EB, mas que sofreram alterações posteriores pela CGPERT;- e pelo Termo de Referência – Anexo I do Edital, que contempla as diretrizes para a elaboração dos projetos executivos pelas futuras contratadas e as especificações para os serviços de operação dos postos de pesagem, disponibilização e manutenção de equipamentos e veículos, e conservação de infraestrutura.A partir da análise da conformidade legal e do conhecimento dos processos, documentos doedital e projetos, bem como dos esclarecimentos prestados pelo DNIT em resposta àssolicitações de auditoria expedidas, a equipe de auditoria buscou emitir opinião sobre o processolicitatório e outros aspectos relacionados ao objeto licitado, quais sejam: Quanto às transferências concedidas para o DEC/EB para a elaboração do projeto básico: Página 148 de 253
  • 149. Verificou-se que desde 2004, o DNIT vem repassando recursos ao Exército Brasileiro destinadosà elaboração de projetos para os novos postos de pesagem de veículos. Inicialmente, em26/11/2004, o DNIT celebrou o Convênio nº PP-207/2004 com o Comando do Exército –Instituto Militar de Engenharia, sendo este convenente formalmente alterado para o DEC/EB em31/10/2005. O valor transferido foi de R$ 10.118.152,35 e o objeto consistia na elaboração doPNP, projetos básicos e executivos dos postos de pesagem. Em 10/08/2006, por meio da Portarianº 1006, foi firmada outra transferência de recursos para o DEC/EB, no valor de R$12.520.000,00, destinado a estudos e atividades de coordenação inerentes à implantação,adequação e operação dos postos de pesagem de veículos em apoio ao PNP, o que incluía aelaboração de projetos básicos. Por fim, foi firmada uma terceira transferência para o DEC/EBno valor de R$ 3.054.000,00, mediante a Portaria nº 1.203 de 25/07/2007, cujo objeto era areadequação dos projetos básicos.Da análise dos processos relativos às citadas transferências, foram identificadas as seguintesimpropriedades, as quais serão detalhadas em CONSTATAÇÕES específicas deste Relatório:- CONSTATAÇÃO 035 - Ausência de avaliação e aceitação dos produtos realizados mediantetransferências celebradas com o DEC/EB, evidenciando controle e acompanhamento precáriodos recursos repassados.- CONSTATAÇÃO 036 - Celebração de transferência destinada à execução da readequação dosprojetos básicos sem definição adequada das especificações e dos custos dos serviços. Quanto aos projetos básicos das obras de construção dos postos de pesagem:A versão final dos projetos básicos foi encaminhada pelo DEC/EB à CGPERT em 02/04/2009.Contudo, as diretrizes necessárias à elaboração e apresentação destes projetos somente foramformalmente estabelecidas em 21/07/2009, com a expedição da Instrução de Serviço nº 09,expedida pelo Diretor-Geral da Autarquia. Trata-se de documento base de análise dos produtosentregues pelo DEC/EB, no qual estão indicados uma série de critérios técnicos que deveriam serrespeitados nos projetos básicos apresentados pelo DEC/EB ao DNIT.Pouco tempo depois, em 28/07/2009, foi publicada a Portaria nº 900, também do Diretor-Geral,que delegou à CGPERT a competência para a revisão e aprovação dos projetos resultantes dosserviços do Plano de Trabalho nº 30.001.07.01.54.02, função atribuída regimentalmente àDiretoria de Planejamento e Pesquisa – DPP.Em 18/08/2009, o Coordenador-Geral de Operações Rodoviárias submeteu os projetos aoCoordenador de Operações para aprovação após análise e parecer da área técnica. OCoordenador de Operações, por sua vez, submeteu os projetos à área técnica em 28/08/2009.Em 25/05/2010, ou seja, nove meses depois, a área técnica apresentou sua análise e parecer, pormeio da Nota Técnica nº 001/2010/CGPERT/DIR, de 24/05/2010. Como justificativas para ademora, a área técnica informou: a existência de divergências quanto ao estabelecido na IS/DGnº 09/2009 e consequentes encontros com a equipe técnica responsável pela elaboração dosprojetos básicos a fim de dirimir tais ocorrências; a dificuldade de formação de comissão deservidores, em virtude da deficiência no quadro de servidores da CGPERT, saneada,parcialmente, após a nomeação de novos servidores ocorridas a partir de dezembro de 2009; e ademora na entrega da Anotação de Responsabilidade Técnica - ART por parte do Exército,ocorrida somente em 17/05/2010.O parecer da área técnica concluiu que os projetos básicos encontravam-se em condições deaprovação, embora com ressalvas, apresentando sugestões e recomendações que deveriam ser Página 149 de 253
  • 150. atendidas quando da elaboração do edital de licitação e respectivo termo de referência para aexecução da 2ª etapa do PNP. O Coordenador de Operações aprovou o parecer e o submeteu aoCoordenador-Geral de Operações Rodoviárias, que aprovou os projetos básicos mediante aPortaria nº 588, de 31/05/2010.Entretanto, verificou-se que a CGPERT, sob a justificativa da necessidade de reduções de custosde instalação e operação dos postos, promoveu, na publicação do edital de licitação dos postos,alterações de quantitativos de serviços e de soluções técnicas previstas no projeto aprovado.Da análise do processo relativo à aprovação dos projetos básicos apresentados pelo DEC/EB edas manifestações da CGPERT sobre as alterações posteriores promovidas, apresentadas emresposta a solicitações de auditoria, foram identificadas as seguintes impropriedades, as quaisserão detalhadas em CONSTATAÇÕES específicas deste Relatório:- CONSTATAÇÃO 037 - Aprovação de projeto básico sem observância aos critériosestabelecidos na IS/DG nº 09/2009.- CONSTATAÇÃO 038 - Ausência de especificações no Projeto Básico necessárias à execuçãodas obras.- CONSTATAÇÃO 039 - Alteração do projeto básico aprovado sem a devida formalizaçãolegal.- CONSTATAÇÃO 040 - Alterações no projeto básico sem devida justificativa técnica e semprevisão das especificações necessárias.- CONSTATAÇÃO 041 - Sobrepreço em itens do orçamento da licitação referente às obras deconstrução dos PPV. Quanto ao Edital nº 162/2011:A equipe de auditoria analisou as cláusulas do edital, buscando opinar sobre a sua conformidadequanto à ausência de restrição à competitividade. Algumas questões, tais como as cláusulasrelativas à subcontratação e à qualificação econômico-financeira, foram questionadas ao DNIT edevidamente esclarecidas, não tendo sido evidenciadas impropriedades.Também foi objeto de análise o Termo de Referência, de autoria do Coordenador-Geral deOperações Rodoviárias, conforme por ele declarado à fl. 998 do Processo nº50600.003790/2009-31. O Termo de Referência estabelece as especificações necessárias àexecução do objeto da licitação, que compreende as seguintes etapas:- elaboração dos projetos executivos dos postos de pesagem;- construção dos postos de pesagem, que deverá ocorrer segundo os projetos executivos a seraprovados;- e operação dos postos de pesagem.A análise do Termo de Referência buscou avaliar os riscos da execução do objeto licitado,decorrentes do planejamento e das especificações dos serviços, principalmente as referentes àoperação. A partir desta análise foram identificadas as seguintes impropriedades, as quais serãodetalhadas em CONSTATAÇÕES específicas deste Relatório:- CONSTATAÇÃO 042 - Risco de atraso no cronograma e de aumento futuro do custocontratual em razão de o licenciamento ambiental e a desapropriação ocorrerem em faseposterior à licitação e sob responsabilidade do DNIT.- CONSTATAÇÃO 043 - Definição precária das especificações necessárias à execução dosserviços de disponibilização e manutenção de equipamentos e veículos. Página 150 de 253
  • 151. Ainda no escopo da análise do Edital, foi verificada a metodologia de estabelecimento dospreços dos serviços previstos para o contrato na fase de operação dos postos, uma vez que nãoforam previstos no projeto básico elaborado pelo DEC/EB. A partir desta verificação foramidentificadas as seguintes impropriedades, as quais serão detalhadas em CONSTATAÇÕESespecíficas deste Relatório:- CONSTATAÇÃO 044 - Metodologia imprópria de obtenção do preço de referência dedisponibilização e manutenção de equipamentos.- CONSTATAÇÃO 045 - Ausência de orçamento de referência individualizado para cadaequipamento a ser disponibilizado e mantido pela contratada, podendo acarretar em prática de“jogo de planilha” com consequente prejuízo ao erário.CONSTATAÇÃO 035:AUSÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACEITAÇÃO DOS PRODUTOS REALIZADOSMEDIANTE TRANSFERÊNCIAS CELEBRADAS COM O DEC/EB, EVIDENCIANDOCONTROLE E ACOMPANHAMENTO PRECÁRIO DOS RECURSOS REPASSADOS.Desde 2004, o DNIT vem repassando recursos ao Exército Brasileiro destinados à elaboração deestudos e projetos para os novos postos de pesagem de veículos. A responsabilidade peloacompanhamento da execução destes recursos esteve a cargo da CGPERT.Inicialmente, em 26/11/2004, o DNIT celebrou o Convênio nº PP-207/2004 com o Comando doExército – Instituto Militar de Engenharia, sendo este convenente formalmente alterado para oDEC/EB em 31/10/2005. O valor transferido foi de R$ 10.118.152,35 e o objeto consistia nodesenvolvimento de estudos para o desenvolvimento do monitoramento remoto de cargas (PlanoDiretor Nacional Estratégico de Pesagem), o que incluía a elaboração de projetos básicos eexecutivos para os postos de pesagem. Em análise ao Processo nº 50600.005985/2003-20,relativo à transferência, não foi identificado qualquer documento que avalie ou aceite osprodutos apresentados pelo DEC/EB, também não tendo sido evidenciada a existência deportaria de aprovação dos projetos entregues.Em 10/08/2006, por meio da Portaria nº 1006, o DNIT celebrou outra transferência de recursospara o DEC/EB, no valor de R$ 12.520.000,00, conforme Plano de Trabalho nº30.001.06.01.54.02, aprovado pelo Coordenador-Geral de Operações Rodoviárias em12/06/2006, destinada à realização de estudos e atividades de coordenação inerentes àimplantação, adequação e operação dos postos de pesagem de veículos em apoio ao PNP, o queincluía a elaboração de projetos básicos. Da mesma forma que na primeira transferência, noProcesso nº 50600.005638/2006-40 não se identificou qualquer documento que evidencie aavaliação ou aceitação dos produtos pela CGPERT, ou por outra área do DNIT. Também não foievidenciada a existência de portaria de aprovação dos projetos entregues.A ausência da avaliação e aceitação dos produtos das transferências evidencia o controle eacompanhamento precário por parte da CGPERT sobre os recursos repassados.CONSTATAÇÃO 036:CELEBRAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DESTINADA À EXECUÇÃO DA READEQUAÇÃODOS PROJETOS BÁSICOS SEM DEFINIÇÃO ADEQUADA DAS ESPECIFICAÇÕES EDOS CUSTOS DOS SERVIÇOS. Página 151 de 253
  • 152. A equipe de auditoria analisou o Processo nº 50600.005406/2007-72, referente à transferênciaconcedida pelo DNIT ao DEC/EB no valor de R$ 3.054.000,00, celebrada por meio da Portarianº 1.203 de 25/07/2007, conforme Plano de Trabalho nº 30.001.07.01.54.02 aprovado peloCoordenador-Geral de Operações Rodoviárias em 13/07/2007, cujo objeto foi a readequação dosprojetos básicos dos postos de pesagem.Verificou-se que não constam do Plano de Trabalho, tampouco em documentos acostados aoProcesso nº 50600.005406/2007-72, as especificações necessárias à execução dos serviços peloDEC/EB e o detalhamento adequado do custo destes serviços.No Plano de Trabalho, as especificações dos serviços a serem executados atêm-se somente ainformar que seriam readequados os projetos de 160 postos, sendo 100 fixos e 60 móveis, e queos serviços contemplam estudos e trabalhos de campo e readequação de projeto em escritório.No entanto, não foram definidos quais os tipos de alterações seriam realizados nos projetosbásicos, nem quais postos teriam seus projetos adequados. Ademais, observou-se que a definiçãodos custos no Plano de Trabalho se restringiu a valores globais, sem qualquer discriminação dosserviços acordados. Ou seja, a transferência foi efetuada com base em um Plano de Trabalhogenérico e impreciso, que não possibilitou justificar os valores apresentados, bem como definiras etapas de entregas e especificações dos produtos previstos.Em que pese se tratar de um destaque orçamentário, em que são dispensadas formalidadesexigidas na IN da STN nº 01/97 para os convênios em geral, o Coordenador-Geral de OperaçõesRodoviárias não poderia ter aprovado o repasse de recursos sem estabelecer com o DEC/EB umadefinição clara e formal das especificações do objeto a ser apresentado e sem uma adequadaavaliação dos custos dos serviços a serem executados.Nesse sentido, ressalta-se o disposto no § 1º do art. 2º da Instrução Normativa da STN nº 01/97que estabelece que integrará o Plano de Trabalho a especificação completa do bem a serproduzido ou adquirido e, no caso de obras, instalações ou serviços, o projeto básico, entendidocomo tal o conjunto de elementos necessários e suficientes para caracterizar, de modo preciso, aobra, instalação ou serviço objeto do convênio, ou nele envolvida, sua viabilidade técnica,custos, fases ou etapas, e prazos de execução, devendo, ainda, conter os elementos discriminadosno inciso IX do art. 6º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.CONSTATAÇÃO 037:APROVAÇÃO DE PROJETO BÁSICO SEM OBSERVÂNCIA AOS CRITÉRIOSESTABELECIDOS NA IS/DG Nº 09/2009.Conforme consta da Portaria nº 900, de 28/07/2009, que delega a competência para aprovaçãodos projetos à CGPERT, deveriam ser observadas todas as normas contidas na IS/DG nº 09, de21/07/2009, que estabelece as diretrizes para a elaboração e apresentação dos projetos básicosrelativos aos serviços de implantação de postos de pesagem.A fim de avaliar o cumprimento da referida determinação, a equipe de auditoria analisou osprojetos básicos aprovados pelo Coordenador-Geral de Operações Rodoviárias por meio daPortaria nº 588, de 31/05/2010, com o intuito de verificar se foram cumpridas as diretrizes daIS/DG nº 09/2009.Da análise do Processo nº 50600.004623/2008-26, que contém os atos relativos à aprovação dosprojetos básicos, verificou-se que a Nota Técnica nº 01/2009/CGPERT/DIR/DNIT, de24/05/2010, é o documento que formaliza a avaliação técnica de aceitação dos projetos básicos Página 152 de 253
  • 153. dos PPV, elaborado pelo DEC/EB.Segundo a Nota, os projetos apresentados pelo DEC/EB respeitam o estabelecido na IS/DG nº09/2009, apesar de existirem deficiências nos projetos básicos relacionadas a requisitos deprojeto estabelecidos em outros normativos do DNIT. Estas deficiências, independente da suagravidade, foram mantidas, tendo os técnicos da CGPERT sugerido sua correção na fase deelaboração dos projetos executivos.No entanto, ao contrário do informado na Nota, observou-se que alguns critérios previstos naIS/DG nº 09/2009 não foram respeitados nos Projetos Básicos. Citam-se como exemplos derelevância: a ausência de especificações das fontes de materiais de jazidas a serem utilizados nosserviços de terraplanagem, conforme estabelecido no item 5.3.3 da IS/DG nº 09/2009; a ausênciade detalhamento de projeto conforme estabelecido no item 2 da IS/DG nº 09/2009; e a ausênciade justificativas técnicas para a implantação de postos de pesagem em locais distintos dosestabelecidos em diretrizes contidas no item 4.1 da IS/DG nº 09/2009.O descumprimento dos itens citados da IS/DG nº 09/2009 está detalhado a seguir, caso a caso.Descumprimento do item 5.3.3 da IS/DG nº 09/2009Este item estabelece a necessidade indicação de fontes de materiais, tais como empréstimos,jazidas de cascalhos, areais e pedreiras, informando:- nome da fonte ou do proprietário;- área, volume utilizável e profundidade média, no caso de jazidas de cascalho ou empréstimopara terraplanagem;- caracterização, ISC e expansão, no caso de empréstimos ou jazidas.O estudo dos empréstimos e jazidas não constou dos projetos básicos entregues pelo DEC/EB eaprovados pela CGPERT, e por essa razão, por meio da Solicitação de Auditoria nº2011112025/012, de 03/08/2011, foram solicitadas ao DNIT a disponibilização do referidoestudo à equipe de auditoria, bem como justificativa para a sua ausência no projeto básico.Em resposta, a Auditoria Interna do DNIT encaminhou, por meio do Ofício nº406/2011/AUDINT/DNIT, de 15/08/2011, o Memorando nº 7365/2011/CGPERT, de 12/08/2011,do qual retiram-se as justificativas apresentadas quanto ao fato: “52. As ausências levantadas pela equipe de auditoria da CGU, relativas aos serviços de terraplanagem, são procedentes e reconhecidas por esta CGPERT. Deram-se em virtude do lapso temporal entra a (i) portaria que autoriza o primeiro destaque orçamentário, referente à elaboração dos projetos básicos dos postos de pesagem – 10/08/2006; (ii) a portaria que autoriza o destaque orçamentário para a readequação de tais projetos – 25/07/2007; (iii) a efetiva entrega de projetos básicos – 02/04/2009, e por fim (iv) a elaboração e publicação da Instrução de Serviço DG nº 09/2009. 53. A Coordenação-Geral, quando avaliou os projetos básicos ora em comento, o fez tentando adequá-los às novas diretrizes para avaliação de projetos básicos. Lógico é que tais projetos foram conduzidos em época anterior à assinatura e efetivo início das atividades atinentes à elaboração dos mesmos, o que impossibilitou o devido enquadramento do empreendimento em premissas posteriores.”Como observado no excerto acima, a CGPERT ratifica a inexistência do estudo, identificada pelaequipe de auditoria, e tenta minimizar a impropriedade argumentando que se tratou de critérioestabelecido em momento posterior ao desenvolvimento dos projetos básicos. Página 153 de 253
  • 154. A justificativa não pode ser acatada, primeiramente porque, mesmo sendo posterior à entrega dosprojetos, a IS/DG nº 09/2009 não poderia ser desrespeitada, por força do disposto na Portaria dedelegação de competência para aprovação dos projetos à CGPERT.Além disso, a CGPERT omite o fato de que os termos da Instrução de Serviço já estavam sendodiscutidos muito antes da entrega dos projetos pelo DEC/EB. Tal fato é evidenciado no processonº 50600.003133/2008-11, no qual consta, à fl. 30, parecer da CGPERT datado de 13/06/2008favorável à minuta da instrução de serviço para análise e aprovação dos projetos básicos do PPV,na qual constava tal critério.Ressalta-se ainda que a falta do estudo geológico das áreas de empréstimos já havia sido alertadapela CGDESP em momento anterior a entrega da revisão de projetos pelo DEC/EB, conforme oitem 4 da Análise de Projeto nº 018/2008 realizada pela SISCON Consultoria de Sistemas Ltda.,de 29/07/2008 (fls. 05-39 do processo nº 50600.004623/2008-26). “Deverão ser apresentados os resultados dos ensaios de qualidade dos materiais dos empréstimos, areais, pedreiras e cascalheiras de acordo com o item 5.3.3 da Instrução de serviço Postos de Pesagem. Estes resultados podem ser obtidos de projetos existentes das rodovias onde se localizam os postos, ou junto aos proprietários das próprias ocorrências quando se tratarem de ocorrências comerciais. Deverão constar ainda distâncias de transportes em rodovias pavimentadas e não pavimentadas em relação ao eixo do projeto distinguindo cada tipo de ocorrência. (...) Concluída a análise, informamos que deverão ser atendidos os comentários acima para que o item Estudos Geológicos-geotécnicos, possa ser aceito.” (grifo nosso)Ademais, a confirmação de que os termos contidos na IS/DG nº 09/2009 foram amplamentediscutidos com o DEC/EB está contida no Item 1 da Parte B do Termo de Referência do Edital nº162/2011, de onde se extrai o excerto abaixo: “No decorrer dos anos de 2008 e 2009 a Diretoria de Obras Militares do Exército Brasileiro – DOM/DEC/EB, elaborou os projetos básicos de todos os postos de pesagem, ora ensejados. Os projetos básicos acima referidos foram largamente discutidos, seguindo a Instrução de Serviço/DG Nº 09 de 21 de julho de 2009 que estabeleceu as diretrizes para a elaboração e apresentação dos projetos básicos relativos aos serviços de implantação de postos de pesagem.”Portanto, não há como imaginar que durante as várias reuniões que se sucederam com oExército, desde a fase preliminar até a entrega definitiva dos projetos, as diretrizes de análise deprojeto, previstas na minuta da Instrução de Serviço, não teriam sido apresentadas e discutidascom o DEC/EB; até porque a minuta da Instrução de Serviço é datada de 2006, ou seja, anteriorà portaria que autoriza o destaque orçamentário para a readequação de tais projetos, que é de27/07/2007.Do exposto, conclui-se que as justificativas apresentadas pela CGPERT para a aprovação doProjeto Básico sem o devido estudo geológico das jazidas não são plausíveis, sendo ignoradospor representantes da Coordenação-Geral estudos essenciais para as quantificações de serviçosde terraplanagem.Ressalta-se que a ausência do estudo geológico das jazidas possibilitou que técnicos da CGPERTmajorassem os fatores de homogeneização e empolamento sem o devido embasamento técnico,quando do lançamento do Edital nº 162/2011. Tal ação foi justificada como uma tentativa deeliminar a necessidade de termos aditivos no momento da execução dos contratos. Entretanto,trata-se de uma superestimativa nos quantitativos dos serviços de terraplanagem, que permite aocorrência de jogo de planilhas no momento da apresentação das propostas de preços doslicitantes, com potencial risco de dano ao erário na fase de execução do contrato. Página 154 de 253
  • 155. Descumprimento do item 2 da IS/DG nº 09/2009Este item estabelece que os Projetos Básicos devem conter: “Soluções técnicas globais e localizadas, suficientemente detalhadas, de forma a minimizar a necessidade de reformulação durante as fases de elaboração do projeto executivo, execução das obras e montagem dos equipamentos de pesagem e acessórios”Bem como: “Informações que possibilitem o estudo e a dedução de métodos construtivos, instalações provisórias e condições organizacionais para a obra”Porém observa-se que a análise efetuada pela CGPERT deixou de apontar a falta de layout e deespecificações técnicas do canteiro de obras, descumprindo a IS/DG nº 09/2009.Descumprimento do item 4.1 da IS/DG nº 09/2009Este item estabelece as diretrizes básicas para a determinação dos locais dos postos de pesagem,dentre as quais citam-se:- segmento em nível;- minimização dos volumes de movimento de terra;- cortes, preferencialmente, em material de 1ª categoria;- segmento afastado de mananciais de água;- trecho afastado de conurbações e de postos de serviço (no mínimo 5 km).No entanto, o que se observou foi a aprovação de Projetos de PPV em localizações contrárias àsestabelecidas nas diretrizes, sem que ocorresse a apresentação de justificativas técnicas.Citam-se, por exemplo, casos de localização de PPV em áreas com aclives e declives acentuados,implicando em consumo excessivo de serviços de terraplanagem, e próximos a corpos hídricos,conforme Quadro I abaixo:Quadro I: Postos localizados em aclives e declives acentuados Posto Situação Observada 20.01.101.AL.F Talude de 11m 05.04.101.BA.F Talude de 8 m 03.03.116.CE.F Talude de 8m 12.05.060.GO.F Talude de 16m 12.09.153.GO.F Talude de 10m 06.13.122.MG.F Talude de 12m 06.03.262.MG.M Talude de 22m 06.16.356.MG.M Talude de 20m 06.24.381.MG.F Talude de16m 13.01.101.PB.F Talude de 18m 04.04.232.PE.F Talude de 16m 09.05.153.PR.F Talude de 22m 10.03.153.RS.F Talude de 18m 10.05.158.RS.F Talude de 12m 16.06.163.SC.F Talude de 8m 16.xx.282.SC.M Talude de 25m 16.01.282.SC.M Talude de10m 16.09.470.SC.F Talude de 10m 16.10.470.SC.F Talude de 10m 21.02.101.SE.F Talude de 10m 05.05.101.BA.F Corpo hídrico (lago) 20.02.101.AL.F Corpo hídrico (lago) 06.12.116.MG.F Rios na adjacências 16.03.470.SC.F Corpo hídrico (drenagem) Página 155 de 253
  • 156. Como justificativa para a adoção de postos em zonas de aclive e declive acentuado, a CGPERTse limitou a informar na nota técnica de aprovação do projeto: “Conforme esclarecimentos dos técnicos do Exército Brasileiro, a elevada diversidade de relevos encontrados no território nacional, aliada à ocupação de áreas lindeiras às rodovias federais, impossibilitou o atendimento, em sua plenitude, da referida premissa. Entendemos, portanto, que tais deficiências não são impeditivos para a aprovação dos estudos ora em análise. Contudo, sugerimos incluir no termo de referência do futuro edital a possibilidade de flexibilidade na localização dos postos, resguardando-se a homogeneidade do local quanto ao tráfego, buscando sempre evitar grandes movimentos de massa.” (grifo nosso)A sugestão da CGPERT de transferir à contratada a possibilidade de alteração da localização dospostos não tem amparo na IS/DG nº 09/2009, e ainda contraria a premissa contida nestainstrução, de que os projetos básicos devem ser suficientemente detalhados, de modo aminimizar a necessidade de reformulação no projeto executivo.CONSTATAÇÃO 038:AUSÊNCIA DE ESPECIFICAÇÕES NO PROJETO BÁSICO NECESSÁRIAS À EXECUÇÃODAS OBRAS.Ao analisar as especificações de serviços a serem executados durante a fase de obra dos postos,constantes do Tomo IV – Volume 04 do Projeto Básico, observou-se que alguns desses nãoapresentaram detalhamento suficiente, implicando em riscos de controle de execução e deaceitação pela fiscalização a ser realizada pelo DNIT.Estabelece o Inciso XI do Art. 6º da Lei 8.666/93: “IX – Projeto Básico – conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequado, para caracterizar a obra ou serviço, ou complexo de obras ou serviços objeto da licitação, elaborado com base nas indicações dos estudos técnicos preliminares, que assegurem a viabilidade técnica e o adequado tratamento do impacto ambiental do empreendimento, e que possibilite a avaliação do custo da obra e a definição do método e do prazo de execução, devendo conter os seguintes elementos: (…) c) identificação dos tipos de serviços a executar e de materiais e equipamentos a incorporar à obra, bem como suas especificações que assegurem os melhores resultados para o empreendimento, sem frustrar o caráter competitivo para a sua execução” (grifo nosso)Sendo a Lei 8.666/93 norma que fundamenta o processo licitatório em questão, o seuatendimento torna-se obrigatório, devendo qualquer inobservância aos seus termos seremrevistos tempestivamente pela unidade responsável pelo Edital.Dentre as fragilidades identificadas nas especificações de serviços estão:a) Falta de detalhamento e especificações do canteiro de obrasAusência de projeto de execução de canteiro de obras e acampamentos nos Projetos BásicosLicitados, conforme determinado na IS/DG nº 015/2006, que compõe a fundamentação legal doEdital nº 162/2011.Estabelece o item 1.2 - Volume 2 - Projeto de Execução - da Instrução de Serviço DG/DNIT n°015/2006: Página 156 de 253
  • 157. “Incluir no Volume 2 - Projeto de Execução o projeto do canteiro de obras e dos acampamentos, observando as prescrições da NBR 6492 e, onde couber, as contidas na NBR 12.721 e NBR 12.722.”b) Utilização indevida da composição 2 S 02 607 50 (CONCRETO CIMENTO PORTLAND C/EQUIP. PEQUENO PORTE AC/BC) para a pavimentação de acesso as balançasA composição de preço unitário do serviço considera indevidamente utilização de betoneira, emobra onde o controle tecnológico exige a produção do concreto em centrais gravimétricas,afetando diretamente o custo de produção.Estabelece o item 4.9.1.4 – Execução do pavimento – das Especificações Técnicas que integramo Projeto Básico: “O concreto deverá ser produzido em centrais do tipo gravimétrica, podendo os agregados serem medidos por pesagem acumulada, exceto o cimento, cuja massa deverá ser medida em balança separada. Esta central poderá ser do tipo misturadora ou dosadora, sendo a mistura, nesta última, em caminhões-betoneira. As balanças para pesagem dos materiais deverão ser periodicamente aferidas.”Outrossim, não foi identificada nas referidas especificações a indicação de resistência eelasticidade mínima necessária para o aceite do serviço de pavimentação rígida.c) Não previsão de estrutura laboratorial (equipe e equipamentos) para realização de controletecnológico da execução dos serviços de terraplanagem, pavimentação e drenagem.Não foram observadas nos documentos que integram o Edital nº 162/2011 a previsão dacontratada instalar laboratório para a execução de ensaios de controle de qualidade de materiaisempregados em serviços de terraplanagem, pavimentação e drenagem.CONSTATAÇÃO 039:ALTERAÇÃO DO PROJETO BÁSICO APROVADO SEM A DEVIDA FORMALIZAÇÃOLEGAL.Conforme se verificou na documentação pertinente ao Edital nº 162/2011, a CGPERT promoveualterações nas soluções técnicas e quantitativos de serviços definidos no Projeto Básicoanteriormente aprovado pela Portaria nº 588, de 31/05/2010, sob a justificativa da necessidade deredução de custos de contratação.No entanto, estas alterações foram efetuadas sem qualquer formalização processual. Asalterações foram simplesmente introduzidas no orçamento do Edital e não tiveram qualquerfundamentação formalmente elaborada.Ao modificar as condições previamente estabelecidas pela projetista, deveriam ser elaboradospela CGPERT documentos que formalizassem as analises técnicas sobre o projeto e a validaçãode suas alterações, com a devida indicação dos responsáveis técnicos, conforme estabelece o Art.1º da Instrução de Serviço/DG nº 15, de 20/02/2006 (normativo que compõe a fundamentaçãolegal do Edital nº 162/2011): “Art 1º - Os estudos e projetos de engenharia de infra-estrutura de transportes devem conter, além das previstas nas Normas e Instruções em vigor, as seguintes informações: 1.1 - Volume 1 - Relatório do Projeto e Documentos para Concorrência O volume 1 deverá conter: Página 157 de 253
  • 158. (…) 1.1.4 - Cópia da ART dos profissionais que desenvolveram cada um dos itens constituintes do projeto, mesmo se for elaborado por engenheiros da Superintendência Regional, objeto de convênio ou doado por algum órgão ou instituição. 1.1.5 - Relação dos profissionais responsáveis por cada um dos itens constituintes do projeto, com os nomes completos e respectivos números do CREA. (…) 1.1.8 - Declaração, no início do tópico relativo a cada item do projeto, de que os quantitativos foram verificados pelo projetista e que ele assume total responsabilidade pelos quantitativos apresentados (...)”.Tal condição faz-se necessária, visto a perda de validade das declarações sobre projetosalterados.Solicitada a apresentar identificação do profissional responsável pela alterações, bem comopublicação de portaria formalizando as alterações no projeto, a CGPERT, por meio doMemorando nº 7365/2011/CGPERT, limitou-se a informar: “5. Quanto às alterações, verificadas entre o projeto básico analisado e aprovado e o projeto licitado, apontadas pelos auditores da CGU, temos a informar que o seu atendimento foi providenciado pelo Coordenador-Geral da época, sob sua supervisão direta, tendo esses ajustes como objetivo precípuo a adequação das instalações e a redução dos custos, quando comparados com aqueles estimados pelo Exército Brasileiro. 6. Desta forma, não temos como justificar, nesse momento, a ausência da ART solicitada.” (...) “49. Levando-se em consideração que as alterações e adequações introduzidas nos projetos básicos foram levadas a efeito pelas próprias equipes técnicas do DNIT, em função da exposição de motivos apresentada anteriormente, o Coordenador-Geral entendeu que não haveria a necessidade de portaria de aprovação das alterações introduzidas nos ditos projetos básicos, ainda mais levando-se em conta que o intuito dessas alterações foi adequá-los, buscando-se o aprimoramento técnico das soluções adotadas e, principalmente, a redução dos custos envolvidos com a construção dos postos de pesagem.”Embora tenha apresentado justificativas para as alterações no projeto, a CGPERT confirma emsua manifestação que não formalizou suas ações em processo específico, contrariandoorientações do art. 22 da Lei nº 9.784/1999, que estabelece que os atos dos processosadministrativos devem ser produzidos por escrito, em vernáculo, com a data e o local de suarealização e a assinatura do responsável.Ressalta-se ainda que o Coordenador-Geral de Operações Rodoviárias emitiu, à fl. 1003 doProcesso nº 50600.003790/2009-31, declaração de que o orçamento da licitação “corresponde aoorçamento constante do projeto básico aprovado”, o que se trata de uma afirmação improcedente,tendo, portanto, induzido ao erro as demais áreas do DNIT que opinam na autorização doprocesso licitatório.Marçal Justen Filho, em sua obra “Comentários à Lei de Licitações e ContratosAdministrativos”, esclarece como um dos pressupostos de instauração da fase externa dalicitação a existência e aprovação do projeto básico: “Nenhuma licitação para obras e serviços pode fazer-se sem projeto básico(...). Mas é insuficiente a mera elaboração do projeto básico. Faz-se necessária sua aprovação, por ato formal e motivado da autoridade competente, a qual deverá avaliá-lo e verificar a sua adequação às exigências legais e aos interesses supra-individuais. A autoridade, ao aprovar o projeto, responsabiliza-se pelo juízo de legalidade e de conveniência adotado. (...) Como já decidiu o TCU, a aprovação do projeto básico não deve ser confundida com a autorização para elaboração do edital.” (conforme Acórdão nº 13/99-Plenário).” Página 158 de 253
  • 159. Do exposto, conclui-se que as alterações promovidas no projeto pela CGPERT, em desacordocom a legislação supracitada, são improcedentes, e consequentemente devem ser consideradosatos nulos, por infringirem elemento constituinte de estrutura de atos administrativos: a forma -que é o revestimento exteriorizado do ato administrativo.Assim, a equipe da CGU entende que o Edital nº 162/2011 encontra-se eivado de vício insanávele, como tal, deverá ser revisto antes da continuidade do processo licitatório.CONSTATAÇÃO 040:ALTERAÇÕES NO PROJETO BÁSICO SEM DEVIDA JUSTIFICATIVA TÉCNICA E SEMPREVISÃO DAS ESPECIFICAÇÕES NECESSÁRIAS.Conforme já abordado neste Relatório, a CGPERT promoveu alterações no Projeto Básicoaprovado por meio da Portaria nº 588, de 31/05/2010.Além dessas alterações terem sido efetuadas sem qualquer formalização processual, adocumentação disponibilizada aos licitantes como sendo o projeto básico das obras apresentadivergências entre o orçamento e os demais documentos de projeto, fato que prejudica oadequado entendimento das modificações promovidas.Somente constam esclarecimentos acerca das alterações efetuadas em relação ao Projeto Básicoaprovado no item B do Termo de Referência do Edital, nos seguintes termos: “No decorrer dos anos de 2008 e 2009 a Diretoria de Obras Militares do Exército Brasileiro – DOM/DEC/EB, elaborou os projetos básicos de todos os postos de pesagem, ora ensejados. Os projetos básicos acima referidos foram largamente discutidos, seguindo a Instrução de Serviço/DG Nº 09 de 21 de julho de 2009 que estabeleceu as diretrizes para a elaboração e apresentação dos projetos básicos relativos aos serviços de implantação de postos de pesagem. Na condução dos estudos e projetos as premissas básicas contidas naquela Instrução de Serviço deverão ser resguardadas. Dentre elas podem ser citadas as seguintes: - Concepção básica dos pavimentos: sub-base em concreto rolado e revestimento em concreto de cimento Portland e subleito com ISC mínimo de 7% referente ao proctor normal, somente nas alças de entrada e saída dos postos de pesagem e acesso aos pátios de estacionamento. - Os pátios de estacionamento tiveram a sua concepção original modificada em função da economicidade das obras. Em lugar de revestimento em concreto, será considerada uma camada de sub-base de concreto rolado, idêntica à que será aposta nas alças de entrada e saída dos postos de pesagem e acesso aos pátios de estacionamento, e sobre essa camada deverá ser aplicado colchão de areia e pavimento tipo bloquete. - Exclusão das edificações como ali consideradas, e em seu lugar a construção de uma base em concreto para acomodar instalações modulares de aço. Também essa modificação visou a economicidade e também a possibilidade de atos de vandalismo, caso o posto venha a ser desativado. - Introdução de tecnologia de pré-seleção de peso dos veículos de carga e de passageiros por meio de sensores instalados na rodovia. Além da instalação de sensores múltiplos na rodovia, o projeto prevê área para instalação de balança seletiva tradicional. Na eventualidade de algum PPV, por algum motivo técnico não suportar a instalação da nova tecnologia proposta, a CGPERT determinará a instalação de balança seletiva tradicional.”Primeiramente, cabe ressaltar que o texto do Edital é confuso e apresenta informaçõesequivocadas. As alterações de projeto foram citadas como premissas básicas contidas na IS/DGnº 09/2009, o que não é verdade. Esta instrução de serviço prevê a concepção anterior, existente Página 159 de 253
  • 160. no projeto básico, não estabelecendo a alteração do tipo de pavimento para o pátio dos postosfixos, a exclusão das edificações, nem a tecnologia de pré-seleção por sensores na rodovia.Não obstante a ausência de formalização processual, a equipe de auditoria buscouesclarecimentos junto ao DNIT quanto à fundamentação das quantidades e soluções adotadas noorçamento da licitação. Tomou-se como amostra os orçamentos e projetos dos postos depesagem 15.04.316.MA.F e 16.07.280.SC.F, a serem construídos nas rodovias BR-316/MA eBR-280/SC, respectivamente, para os quais foram identificadas impropriedades relacionadas àfalta de justificativas técnicas adequadas ou à ausência de especificações, nos itens apresentadosa seguir:a) Alteração injustificada dos serviços de desmatamento, terraplenagem e da área de pavimentação:Foram verificadas divergências entre os quantitativos do projeto básico previstos no Volume 5 -Tomo III e os quantitativos do orçamento da licitação (Volume 5 – Tomo IV) referentes aosserviços de terraplenagem e pavimentação, conforme exemplos a seguir:Quadro I: Divergências referentes aos serviços de terraplenagemSERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM Projeto básico (Tomo III) Orçamento (Tomo IV)PPV 15.04.316.MA.FDesm. Dest. Limp. Áreas c/ Arv. Diam. Até 0,15m 37.616,00 m² 37.616,00 m²Esc. Carga Tr. Mat 1ª C. DMT 50 A 200m 7.523,30 m³ 7.523,30 m³Esc. Carga Tr. Mat 1ª C. DMT 1800 A 2000m 113.518,89 m³ 136.830,80 m³Compactação De Aterros A 95% Proctor Normal 70.000,00 m³ 70.000,00 m³Compactação De Aterros A 100% Proctor Normal 31.356,15 m³ 31.356,15 m³Compactação De Material De "Bota-Fora" 6.717,23 m³ 6.717,23 m³PPV 16.07.280.SC.FDesm. Dest. Limp. Áreas c/ Arv. Diam. Até 0,15m 32.146,00 m² 32.526,00 m²Esc. Carga Tr. Mat 1ª C. DMT 400 A 600m 2.505,23 m³ 2.505,23 m³Esc. Carga Tr. Mat 1ª C. DMT 800 A 1000m 119.076,00 m³ -Escav. e Carga de Mater. De Jazida (Const E Restr) 168.022,06 m³ 58.997,48 m³Transp. Local C/ Basc. 10m3 Rodov. Pav. (Const) 772.630,11 tkm 536.995,10 tkmRachão ou Pedra-De-Mão Comercial (Cont e Rest)/ PC 8.000,00 m³ -Construção de Corpo de Aterro Em Rocha - 24.000,00 m³Compactação De Aterros A 95% Proctor Normal 119.317,86 m³ 13.000,00 m³Compactação De Aterros A 100% Proctor Normal 30.701,84 m³ 30.701,84 m³Compactação De Material De "Bota-Fora" 2.236,81 m³ 2.236,81 m³Fonte: Quantitativos do projeto básicoQuadro II: Divergências referentes aos serviços de pavimentaçãoÁREA DE PAVIMENTAÇÃO Projeto básico (Tomo III) Orçamento (Tomo IV)PPV 15.04.316.MA.FÁrea total pavimentada (pista e pátio) 9.900,00 m² 8.296,13 m²PPV 16.07.280.SC.FÁrea total pavimentada (pista e pátio) 15.600,00 m² 13.711,84 m²Fonte: Quantitativos do orçamento da licitaçãoDiante do fato, por meio da Solicitação de Auditoria nº 2011112025/012, de 03/08/2011, foisolicitado ao DNIT justificar a ausência das referidas alterações nos quantitativos de projeto,assim como a disponibilização do estudo que embasasse essas modificações. Página 160 de 253
  • 161. Mesmo com as justificativas, no tocante aos serviços de terraplanagem, restaram divergências noentendimento da Equipe Técnica da CGU com o apresentado pela CGPERT quanto aos seguintesitens:a.1) Alterações de soluções construtivas no PPV 16.07.280.SC.F, para aterro sobre solo mole:A CGPERT justificou conforme segue: “Este posto de pesagem é o único que contem este serviço, face as condições existentes de implantação - o local encontra-se em uma área inteiramente alagada e utilizada com cultivo de arroz, comum na região. A proposição de quantitativos inicialmente foi de 8.000 m³ de empedramento, conforme item 2.6 da planilha original. Calculamos então, a altura da camada considerada em relação à quantidade prevista para a regularização do subleito (área igual a 30.000m²), resultando numa altura de 0,27m. Esta Coordenação julgou que pelas condições do terreno esta altura de empedramento seria insuficiente para a estabilização do solo. A quantidade revisada teve como consideração um altura de empedramento equivalente a 0,80m, resultando em um volume de 24.000m³ (30.000m2 x 0,80m).”Porém, a Coordenação não demostrou a necessidade de revisão do projeto por meio de memóriade cálculo que indicasse a inadequação da solução apresentada pelo DEC/EB, com a respectivaindicação de parâmetros de projeto previstos em normativos específicos para o serviço, tratando-se, portanto, de mera análise subjetiva.a.2) Alterações nos quantitativos de escavações previstos:A CGPERT justificou conforme segue: “14. Outro aspecto observado nos projetos básicos elaborados pelo Exército Brasileiro é concernente aos quantitativos de escavação previstos. Foi verificado que a taxa de empolamento em relação ao volume compactado foi de 12%. 15. De forma a subsidiar a adoção de tal taxa, foram realizadas pesquisas em licitações recentes deste Departamento.(...) 16. Diante do exposto acima, verificou-se que a taxa adotada pelo Exército poderia ser considerada inadequada e, caso mantida, poderia refletir-se em aditivos futuros. Desta forma, foi adotada a taxa de empolamento equivalente a 35% para os volumes de escavação para a construção de aterros. Importante lembrar, contudo, que essa consideração deverá ser verificada por ocasião da elaboração dos projetos executivos.”Da manifestação da CGPERT, primeiramente observa-se que esta se equivoca quanto ànomenclatura adotada, ao se referir à “taxa de homogeneização” como “taxa de empolamento”.Além disso, verifica-se a falta de rigor técnico ao majorar os quantitativos de serviços deterraplanagem sem um embasamento teórico adequado.Quando analisados manuais consagrados adotados por projetistas de serviços de terraplanagem,observa-se que o DEC/EB inferiu adequadamente as taxas de homogeneização do solo (relaçãovolume compactado / volume in natura). Cita-se excerto da página 35 do Manual Prático deEscavação – Terraplanagem e Escavação de Rocha, 3ª Edição, Editora PINI. “Em razão da diversidade dos solos e das diferentes energias de compactação empregadas, é bastante difícil estimar-se a relação Vcomp:Vn. Página 161 de 253
  • 162. Todavia, para a terra comum (solo argiloso-siltoso, com areia) pode-se admitir uma redução volumétrica de 5% a 15% , em relação ao volume no estado natural.”Neste mesmo manual, na página 34, encontra-se tabela especificando percentuais deempolamento para solos de diferentes características, dentre eles “terra comum seca (solosargiloso-siltosos com areia)” e “terra comum úmida”, ambos indicando 25%.Ressalta-se que esta modificação dos quantitativos possibilita a ocorrência de jogo de planilhasno momento da apresentação das propostas pelas licitantes, ensejando risco de superfaturamentodurante a fase de obras.b) Ausência das especificações necessárias à execução das edificações:O projeto básico aprovado havia estabelecido os projetos tipo das edificações dos postos depesagem, bem como todas as especificações necessárias a sua execução. No entanto, o Editalesclareceu a exclusão das edificações previstas no projeto básico, conforme o seguinte texto: “Exclusão das edificações como ali consideradas, e em seu lugar a construção de uma base em concreto para acomodar instalações modulares de aço. Também essa modificação visou a economicidade e também a possibilidade de atos de vandalismo, caso o posto venha a ser desativado.”Contudo, o DNIT, além de ter disponibilizado aos licitantes toda a documentação referente aosprojetos tipos das edificações que não mais seriam adotadas, não estabeleceu as especificaçõestécnicas necessárias à execução da nova solução a ser adotada, que é completamente diferente daanterior. As especificações técnicas para esta nova solução consistem somente em um croqui doprédio administrativo, não suficientemente detalhado, que consta na pasta de Projetos Tipo -Arquitetônico - do DVD disponibilizado aos licitantes, e nos itens da planilha orçamentária, quesão genéricos e imprecisos, conforme se observa, como exemplo, no orçamento referente ao PPV15.04.316.MA.F:Quadro III: Itens da planilha orçamentáriaFonte: Orçamento referente ao PPV 15.04.316.MA.FAo considerar uma média de custo de R$ 160 mil por prédio administrativo e um número de 94postos fixos, tem-se um custo de mais de R$ 15 milhões para execução dos prédiosadministrativos, sem uma devida definição das especificações da obra.Por meio do Memorando nº 7365/2011/CGPERT, de 12/08/2011, a Coordenação-Geral deOperações Rodoviárias informou em relação ao Prédio da Administração: “40. (...), foi adotado, para o prédio da administração, instalações modulares em aço, cujo croqui esquemático contendo o detalhamento das instalações do prédio da administração, foi disponibilizado no Volume 2 – Projeto Tipo – pasta Arquitetônico. Cabe ressaltar que esta Página 162 de 253
  • 163. solução já é utilizada em alguns postos que se encontram em operação atualmente, alcançando bons resultados. (...) 42. Para os sistemas elétricos, de água, incêndio, cabeamento estruturado e de esgoto, optou-se pela sua quantificação de forma global. Tal procedimento se deveu às diversidades de situações que serão encontradas pelas empresas ou consórcios de empresas que deverão operar a pesagem, em função do posicionamento das fontes de obtenção, bem como o oferecimento de liberdade aos operadores em termos de lay-out que se apresentem mais adaptados às necessidades de cada posto.”Em sua manifestação, a CGPERT afirma ter detalhado, no croqui da nova concepção daedificação, as instalações dos prediais existentes no orçamento. Porém, ao analisar-se o desenho,somente foram identificados posicionamentos de tomadas de água e energia, ficando evidenciadoo não atendimento ao estabelecido no item 5.10 – Projeto Básico de Instalações – da Instrução deServiço/DG nº 09/2009, que estabelece: “Os Projetos Básicos de Instalações serão apresentados no Volume 2 – Projetos - Tipo e deverão contemplar:  Instalações elétricas prediais;  Rede de iluminação pública;  Instalações hidráulicas;  Instalações sanitárias;  Cabeamento estruturado;  Instalações de proteção contra incêndios e de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA).”Já para justificar a ausência de detalhamento do orçamento e especificações de materiaisrelacionados às instalações prediais, a CGPERT informa que a opção pela quantificação globalvisou à liberdade de atuação da contratada na escolha dos materiais e layout do prédio. Paraesclarecer os preços informados no orçamento do Edital nº 162/2011, a CGPERT encaminhoupor meio do memorando supra o detalhamento dos quantitativos das instalações prediais.Ressalta-se, porém, que a falta de detalhamentos e especificações desses serviços no orçamentoda obra dificulta o controle exercido pela fiscalização do contrato, e cria a possibilidade deocorrências de desconforto a usuários do prédio, devido a falta de estudo específico que garantaa funcionalidade do posto a condições climáticas diversas, bem como seu adequadodimensionamento para o atendimento ao fluxo de veículos circulantes.c) Ausência das especificações necessárias à execução da infraestrutura do local do sistema dePesagem em Movimento com Múltiplos Sensores:O Edital estabeleceu a adoção de sistema de Pesagem em Movimento com Múltiplos Sensores aser instalado diretamente na rodovia, mas nem o projeto básico nem o orçamento previramserviços de infraestrutura para o local deste sistema, por exemplo:- sinalização horizontal ou vertical orientativa sobre o procedimento de pesagem (indicando aoveículo, por exemplo, a faixa de rolamento em que deve se posicionar e a velocidade a sermantida);- serviços de reparo na pista de rolamento necessários ao bom funcionamento do equipamento.Dessa forma, tais serviços implicarão em custos adicionais para o DNIT, já que não foramprevistos no objeto desta licitação. Página 163 de 253
  • 164. d) Falta de detalhamento e especificações de sistema de sinalização:A IS/DG nº 09/2009 definiu que a concepção do projeto de sinalização seria de responsabilidadeda CGPERT, visto a necessidade de adoção de critérios específicos de sinalização de postos depesagem, conforme observado no excerto abaixo. “5.5. Projeto Básico de Sinalização (IS/DG 09/2009) Levando-se em consideração necessidades especiais quanto à sinalização dos postos de pesagem, a CGPERT fornecerá a concepção do Projeto de Sinalização para que esse possa vir a ser detalhado, considerando as concepções de geometria típicas para cada uma das situações apresentadas nos projetos básicos de geometria.”Nesse contexto, foram alterados os quantitativos dos itens referentes aos serviços de sinalizaçãona planilha orçamentária do Edital nº 162/2011 em relação ao previsto no Projeto Básicoapresentado pelo Exército. Entretanto, as alterações na concepção promovidas pela CGPERT,com o devido detalhamento em plantas baixas, detalhes de implantação e memoriais descritivos,indicando cada uma das placas a serem instaladas, posicionamento de pórticos e outros itens, nãoforam apresentados nos projetos que compõem o Edital nº 162/2011.Além disso, a CGPERT não cumpriu o previsto no item 5.5 da IS/DG nº 09/2009, uma vez quenão forneceu a nova concepção do Projeto de Sinalização, transferindo-a para a fase deelaboração do projeto executivo, conforme se verifica no item 3.1.10 da parte B do Termo deReferência: “Será elaborado o Projeto de Sinalização considerando a sistemática adotada no Projeto Básico, complementada pela sinalização relativa à aplicação da tecnologia do sistema de Pesagem em Movimento com Múltiplos Sensores para pré-seleção na rodovia, conforme disposições contidas neste Termo de Referência, que deverá ser apresentada no Projeto Executivo.”e) Inclusão de 4 (quatro) novos postos de pesagem sem a devida fundamentação técnica:Em análise ao processo licitatório nº 50600.003790/2009-31, verificou-se que, conforme constado Relato DIREX nº 02/2011 assinado pelo Diretor-Geral em 04/01/2011, a minuta do edital,juntamente com a definição do objeto licitado e suas especificações, já se encontrava apta àaprovação pela Diretoria Colegiada, após ter sido elaborada pela CGPERT e apreciada pelaDiretoria de Infraestrutura Rodoviária - DIR, Coordenação-Geral de Cadastro e LicitaçãoCGCL/DIREX e Procuradoria Federal Especializada - PFE.Naquela ocasião, o objeto licitado previa a construção e operação de 157 (cento e cinquenta esete postos de pesagem). No entanto, antes que o edital fosse submetido à aprovação da DiretoriaColegiada, o Diretor-Geral emitiu despacho à DIR, datado de 23/02/2011, no qual solicita ainclusão de mais 4 (quatro) postos de pesagem a serem operados mediante equipamentos móveis,sendo 2 (dois) na BR-493/RJ, nas adjacências do Porto de Sepetiba/RJ, e 2 (dois) na BR-319/AM.Neste despacho, o Diretor-Geral justifica a inclusão dos postos na BR-493/RJ em razão de:aumento dos investimentos aplicados pelo DNIT na BR-101/RJ nas adjacências do Porto deSepetiba face ao incremento das suas atividades, o que ocorreu após a definição do PNP; equestionamentos provenientes do Ministério Público Federal quanto ao controle de peso nasrodovias, em especial da BR-101/RJ, próximo ao município de Itaguaí. Página 164 de 253
  • 165. Já quanto aos postos da BR-319/AM, o Diretor-Geral justificou que a inclusão se daria em razãode solicitação do Ministro dos Transportes, quando lhe foi apresentado o PNP emfevereiro/2011.Diante da demanda do Diretor-Geral, o Diretor de Infraestrutura Rodoviária emitiu despacho àCoordenação-Geral de Operações Rodoviárias solicitando a inclusão, no orçamento da licitação,dos serviços necessários à construção e os equipamentos e atividades necessários à operaçãodestes quatro postos, tomando por referência os projetos tipo já aprovados. Informou ainda queas atividades relativas à terraplenagem, desapropriações e licenças ambientais ficariam sobresponsabilidade das respectivas Superintendências Regionais, sendo que, especificamente nocaso do Rio de Janeiro, seriam realizadas por meio do contrato atualmente vigente pararecuperação e adequação de traçado da BR-493/RJ.A Coordenação-Geral de Operações Rodoviárias promoveu a inclusão dos postos de pesagem eseus quantitativos de serviço na minuta do edital, que, após ser submetida à DIR e à DIREX,teve a aprovação da Diretoria Colegiada em 29/03/2011. Ressalta-se que, após as alterações, oprocesso não foi submetido à Procuradoria Federal Especializada.Do exposto, observa-se que a inclusão dos 4 (quatro) postos de pesagem não foi precedida porqualquer análise técnica que contemplasse, por exemplo, a avaliação de especialistas da áreasobre a necessidade de fato dos postos dentro das diretrizes do PNP, e os estudos topográficos,geotécnicos, de tráfego, ambientais e hidrológicos, os quais são requisitos de projeto previstos naIS nº 09/2009, e que são fundamentais para a definição da localização adequada dos postos e docusto final de instalação. Dessa forma, a ausência desta fundamentação técnica pode serconsiderada como ausência do projeto básico para os referidos postos, e, portanto, a sua inclusãono objeto do Edital nº 162/2011 configura uma afronta à Lei de Licitações. Ademais, a execuçãodos serviços de terraplenagem mediante contratos em separado pode trazer problemas futuros àprogramação das obras de construção.CONSTATAÇÃO 041:SOBREPREÇO EM ITENS DO ORÇAMENTO DA LICITAÇÃO REFERENTE ÀS OBRASDE CONSTRUÇÃO DOS PPV. A equipe de auditoria selecionou como amostra as planilhas de preço referentes à construção dospostos de pesagem 15.04.316.MA.F, 16.07.280.SC.F e 01.02.319.AM.M, que compõem oorçamento de referência do Edital nº 162/2011. Foram selecionadas para análise as composiçõesde custo unitário – CPU disponibilizadas pelo DNIT referentes aos itens de serviço querepresentam maior materialidade, sendo assim considerados:Quadro I: composições de custo unitário – CPU Código SICRO Serviço 2 S 02 607 50 CONCRETO CIMENTO PORTLAND C/ EQUIP. PEQUENO PORTE AC/BC 2 S 02 603 50 SUB-BASE DE CONCRETO ROLADO AC/BC - ASSENTAMENTO DE BLOCOS PRE MOLDADOS PARA PAVI 10X10X20 CM 2 S 01 512 01 CONSTRUÇÃO DE CORPO DE ATERRO EM ROCHAFonte: Orçamento de referência do Edital nº 162/2011Identificou-se sobrepreço em alguns itens de serviço, conforme segue:a) CONCRETO CIMENTO PORTLAND C/ EQUIP. PEQUENO PORTE AC/BCA CPU do referido serviço está prevista no SICRO e inclui a utilização dos seguintesequipamentos na execução da camada de revestimento da pista de pesagem: Página 165 de 253
  • 166. - E402 - CAMINHÃO CARROCERIA : MERCEDES BENZ : 2423 K - DE MADEIRA;- E404 - CAMINHÃO BASCULANTE : MERCEDES BENZ : 2423 K - 10 M3 - 15 T; e- E427 - CAMINHÃO BETONEIRA : VOLKSWAGEN : 16-220 - 11,5.Cabe ressaltar, primeiramente, que, conforme já abordado em ponto específico deste relatório, aCPU adotada não guarda coerência com as especificações de serviço previstas no Projeto Básico,haja vista que as especificações prevêem concreto produzido em usina, enquanto a CPU prevê aprodução com equipamento de pequeno porte.Nesse sentido, por meio da SA nº 201101225/006, foram solicitados esclarecimentos para aprevisão dos referidos equipamentos na CPU, descrevendo o método construtivo do serviço naconstrução do posto de pesagem e a finalidade da utilização de cada equipamento, porém oDNIT não apresentou resposta.Em que pese a ausência de esclarecimentos, se for considerado que o concreto será produzidocom equipamento de pequeno porte, esta operação ocorrerá no próprio local de construção doposto de pesagem, com lançamento direto sobre a pista ou com uso de equipamentos manuais,não se justificando a necessidade do uso dos referidos caminhões. Dessa forma, a previsão destescaminhões na CPU representaria sobrepreço.Na CPU analisada, referente ao Estado do Maranhão, a parcela de custo dos caminhões no preçodo serviço equivale a R$ 27,26 por m³ de concreto. Este valor varia em cada Estado, porémadotando-o a título exemplificativo, e considerando o volume de 179.930,80 m³ de concretonecessário para construção das pistas de todos os postos previstos, tem-se um sobrepreço decerca de R$ 4.900.000,00 no orçamento da licitação.b) ASSENTAMENTO DE BLOCOS PRÉ-MOLDADOS PARA PAVI 10X10X20 CMA CPU, que não está prevista no SICRO, considerou um consumo de 0,13 m³ de peças pré-moldadas por m² de assentamento, no entanto, considerando que a altura do assentamento é de10 cm, o volume a ser utilizado em cada m² de pavimento é de 0,10 m³ (0,1m X 1m X 1m). Oentendimento desta CGU é confirmado ao se verificarem composições similares do SICRO, queadotam o consumo de 0,10 m³.A CGPERT justificou que o Relatório do Projeto Básico (Volume 1) estabeleceu uma tolerânciapara as dimensões dos blocos, cujas diferenças em relação às dimensões nominais não podem sersuperiores a 3 mm no comprimento e na largura e 5 mm na espessura, e, diante da possibilidadede haver blocos com dimensões superiores a 10 cm, julgou adequado manter o consumooriginalmente previsto pelo DEC/EB, ou seja, de 0,13 m³/m².A justificativa não pode ser acatada porque o parâmetro de tolerância estabelecido em projetodeve ser considerado apenas para controle de qualidade do serviço. Além disso, os blocosfabricados podem apresentar dimensões variando para mais ou para menos; assim, na estimativada quantidade e, consequentemente, do custo, é mais adequado considerar o bloco com asdimensões médias esperadas, que correspondem as dimensões nominais.Na CPU analisada, referente ao Estado do Maranhão, a parcela do custo referente ao acréscimoindevido do consumo de peças pré-moldadas é equivalente a R$ 14,48 por m² de assentamento.Este valor varia em cada Estado, porém adotando-o a título exemplificativo, e considerando aárea de 371.835,69 m² de assentamento necessária para construção dos pátios de todos os postosprevistos, tem-se um sobrepreço de cerca de R$ 5.300.000,00 no orçamento da licitação. Página 166 de 253
  • 167. c) CONSTRUÇÃO DE CORPO DE ATERRO EM ROCHAO referido serviço foi previsto somente para o posto de pesagem 16.07.280.SC.F. Na CPU, quenão está prevista no SICRO, foi adotado o consumo de 1,5 m³ de pedra de mão para cada m³ deaterro. No entendimento da equipe de auditoria, este consumo mostra-se excessivo, tendo emvista que o serviço consiste em espalhar as pedras de mão sobre o terreno com uso de trator deesteiras, não sendo razoável admitir que neste espalhamento ocorra tamanha acomodação domaterial de forma a se obter uma redução de volume de 1,5 m³ para 1,0 m³.Por meio da SA nº 201101225/006, foram solicitados esclarecimentos à CGPERT, que justificouque o consumo adotado é o mesmo previsto na composição 2 S 01 512 52 do serviço“compactação camada final de aterro de rocha BC”, prevista no SICRO. Contudo, a justificativada CGPERT não pode ser acatada, uma vez que a CPU 2 S 01 512 52 não guarda semelhançacom o serviço aqui tratado. Aquela se refere à execução de uma camada final de brita sobre umaterro em rocha, e o consumo de brita não poderia ser comparado ao consumo de pedra de mão.Deve-se ressaltar ainda que existem outras composições no SICRO que guardam maissemelhança com o serviço em questão, tais como a 2 S 05 300 02 - enrocamento de pedra jogadae 2 S 05 300 01 - alvenaria de pedra arrumada, as quais apresentam consumo de pedra de mão de1,0 m³ e 1,2 m³, respectivamente, por m³ de serviço.Se considerado o consumo de 1,0 m³, o preço unitário do serviço “construção de corpo de aterroem rocha” de R$ 96,34 previsto na licitação seria reduzido para R$ 67,58. Considerando oquantitativo previsto de 24.000 m³, verifica-se um sobrepreço total de R$ 690.240,00.d) Insumos BRITA COMERCIAL e AREIA COMERCIAL nos postos de pesagem do Estado do Amazonas.Na elaboração do orçamento das obras dos postos de pesagem do Estado do Amazonas, aCGPERT adotou o SICRO com data base em maio/2010. Comparando as cotações deste mêscom a de outros meses, verificou-se que os preços dos insumos brita comercial e areiacomercial previstos no SICRO maio/2010 estão significativamente acima da média de outrosmeses, conforme Quadro a seguir:Quadro II: Insumos brita comercial e areia comercial previstos no SICRO maio/2010SICRO/ Insumo mai/10 mar/11 jan/11 nov/10 set/10 jul/10 mar/10 jan/10 dez/09 MédiaBrita 217,50 150,00 150,00 145,00 130,00 217,50 150,00 180,00 140,00 157,82Areia 98,00 40,00 45,00 50,00 50,00 98,00 50,00 50,00 50,00 54,13Fonte: SICRO Informativo – Estado do Amazonas.Os preços dos insumos brita comercial e areia comercial afetam diretamente os custos das obrasde edificações, pavimentação e drenagem, assim a adoção do SICRO maio/2010 nos orçamentosdos postos do Amazonas se mostrou desvantajosa para o DNIT, acarretando em sobrepreço emdiversos itens de serviço.Diante de preços unitários notadamente discrepantes dos praticados nos orçamentos de outrosEstados, a CGPERT poderia ter corrigido o orçamento, trazendo os preços a um patamaradequado. Ressalta-se que consta do Processo nº 50600.003790/2010-31 uma declaraçãoexpedida em 24/03/2011 pelo Coordenador-Geral de Operações Rodoviárias e endossada peloDiretor de Infraestrutura Rodoviária de que o orçamento adotado na licitação, com data demaio/2010, encontrava-se atual e adequado, o que demonstra uma atitude dos gestores nãofavorável à economicidade da contratação. Página 167 de 253
  • 168. CONSTATAÇÃO 042:RISCO DE ATRASO NO CRONOGRAMA E DE AUMENTO FUTURO DO CUSTOCONTRATUAL EM RAZÃO DE O LICENCIAMENTO AMBIENTAL E ADESAPROPRIAÇÃO OCORREREM EM FASE POSTERIOR À LICITAÇÃO E SOBRESPONSABILIDADE DO DNIT.O cronograma físico-financeiro do Edital nº 162/2011 prevê o início da operação dos postos depesagem, bem como da disponibilização e manutenção de equipamentos, a partir do 16º mês docontrato para os postos fixos e do 14º mês do contrato para os postos móveis, quando então taisserviços passam a ser remunerados mensalmente até o final da vigência do contrato, que é de 60meses.Dessa forma, antes disso, ou seja, em um prazo de 15 meses para os postos fixos e de 13 mesespara os móveis, devem ser elaborados e aprovados os projetos executivos, providenciadas aslicenças ambientais e as desapropriações e concluídas e aceitas as obras.O Termo de Referência estabeleceu os seguintes prazos para execução destas etapas:- 120 (cento e vinte) corridos após a ordem de serviço, para que a contratada elabore as minutas dos projetos executivos e entregue à CGPERT;- 45 (quarenta e cinco) dias corridos após a entrega das minutas dos projetos executivos, para que o DNIT avalie e solicite modificações ou correções, visando à aprovação;- 15 (quinze) dias corridos contados a partir da aprovação das minutas dos projetos executivos para que a contratada providencie as modificações porventura solicitadas e impressão definitiva dos projetos executivos;- 180 (cento e oitenta) dias corridos para os postos fixos e 120 (cento e vinte) dias corridos para os postos móveis, após a obtenção das licenças ambientais, quando requeridas, e conclusão dos processos para desapropriação, para a execução das obras dos postos de pesagem e implantação de todos os equipamentos, sistemas, sinalização e aferição dos equipamentos metrológicos.- 30 (trinta) dias corridos após a conclusão das obras e instalação e aferição dos equipamentos, para o DNIT elaborar um relatório de cada posto de pesagem, aprovando as obras executadas e a adequação e funcionamento pleno de todos os equipamentos e sistemas implantados, emitindo, caso sejam aprovados os quesitos de verificação, um laudo de conformidade, documento hábil para que a contratada possa operar o posto de pesagem.A etapa de obtenção das licenças ambientais e das desapropriações ocorrerá após os projetosexecutivos e antes das obras. O Termo de Referência não estabeleceu prazo, mas definiu que,após a aprovação final dos projetos executivos, o DNIT será responsável por todos os ritosexpropriatórios e de licenciamento ambiental necessários à regularização das áreas.Considerando que não haja atrasos e as etapas de elaboração e aprovação dos projetos executivose de execução e aceitação das obras ocorram conforme previsto, observa-se que somente estasetapas demandarão um período de 13 meses para os postos fixos e de 11 meses para os móveis.Assim, resta um prazo de apenas 2 meses para o DNIT providenciar as licenças ambientais e asdesapropriações, para que se cumpra o cronograma físico-financeiro previsto.Este cenário foi suscitado por dois interessados na licitação, conforme se verifica nas perguntasnº 67 e 82 do 1º caderno de perguntas e respostas. Página 168 de 253
  • 169. No primeiro questionamento, perguntou-se se estaria correto o entendimento de que os ritosexpropriatórios e de licenciamento ambiental serão realizados pelo DNIT num prazo de 2 mesese, caso haja atraso, se serão pagas as quantidades de serviço previstas para os itens de operaçãodos postos, manutenção e disponibilização de equipamentos e veículos, e conservação deinfraestrutura. O DNIT, por meio do seu Diretor Executivo, forneceu uma resposta inadequada enada esclarecedora, limitando-se a informar que o entendimento do interessado estava incorreto.Na pergunta nº 82 foi questionado se, caso o licenciamento ambiental ou as desapropriaçõesdemorem mais do que o previsto e, em função disso, o início das obras e consequentemente oinício das operações sejam atrasadas, como será preservado o equilíbrio financeiro do contrato,uma vez que alguns itens, sobretudo a disponibilização de equipamentos, prevêem oressarcimento do investimento em 45 meses. Em resposta, o DNIT, por meio do seu DiretorExecutivo, informou que, caso o atraso seja decorrente de motivos alheios à contratada, poderáser restabelecido o equilíbrio financeiro do contrato, de acordo com o previsto na Lei nº8.666/93.Diante do exposto, o planejamento da execução do contrato apresenta uma fragilidade, uma vezque o DNIT, ao assumir a responsabilidade pelo licenciamento ambiental e pela desapropriação,tornou-se também responsável por eventuais insucessos destas atividades, seja em razão deatrasos ou de dificuldades na condução dos processos, que possibilitarão o reequilíbrio financeirodo contrato e consequente acréscimo ao custo mensal de operação, em especial dadisponibilização e manutenção de equipamentos.Deve-se ressaltar ainda que o risco da contratação sem o devido licenciamento ambientalaumenta principalmente por não se ter um projeto executivo aprovado. Marçal Justen Filho emsua obra “Comentários à Lei de Licitações e Contratos Administrativos” esclarece sobre aquestão: “Um aspecto que não pode ser deixado de lado se relaciona com a liberação da obra sob o prisma de licenças ambientais. A disciplina jurídica vigente entre nós condiciona a própria Administração Pública, na execução de obras públicas, a respeitar a integridade do meio ambiente. Inúmeras obras públicas apenas poderão ser efetivamente implementadas depois de comprovado o atendimento às exigências atinentes ao meio ambiente. Apesar disso, é muito usual produzir-se licitação sem que esteja equacionada a questão, o que se revela ainda mais grave nos casos em que a licitação se funda em projeto básico. Essas hipóteses beiram ao surreal. Faz-se a licitação com fulcro no projeto básico. O vencedor elabora o projeto executivo e submete-o ao órgão de proteção ao meio-ambiente. Na maior parte dos casos, a efetiva outorga da licença ambiental é condicionada a correções e alterações que dão configurações totalmente diversa ao projeto levado à licitação. Logo, licitar obra pública sem licenciamento ambiental e sem projeto executivo é, para usar terminologia vulgar, “dar um tiro no escuro”. Não há a menor garantia de que o cronograma original será respeitado nem que a obra coincidirá com aquela licitada. Logo, melhor seria que a licitação apenas fosse instaurada depois de a Administração ter elaborado o projeto executivo e obtido o licenciamento ambiental. Bem por isso, há precedente do TCU determinando a suspensão de contratação eivada de problemas dessa ordem. Decidiu-se que: ‘As irregularidades concernentes à ausência de licença ambiental são também, graves o suficiente para determinar o não prosseguimento dos serviços, principalmente tendo em vista a etapa em que se encontram os serviços, ou seja, sem que tenham sido iniciadas as obras, evitando-se o envio de recursos para projeto que apresenta vícios na origem e, de conseguinte, grandes prejuízos ao Erário, já que poderia haver a paralisação futura das obras.’ (Acórdão nº 678/2003- Plenário)” Página 169 de 253
  • 170. CONSTATAÇÃO 043:DEFINIÇÃO PRECÁRIA DAS ESPECIFICAÇÕES NECESSÁRIAS À EXECUÇÃO DOSSERVIÇOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS EVEÍCULOS.A equipe de auditoria analisou o Termo de Referência do Edital nº 162/2011 e constatou que nãohouve uma definição adequada das especificações necessárias à execução de alguns serviçosrelativos à disponibilização e manutenção de equipamentos e veículos, seja por ausência deespecificações ou por estas conterem informações conflitantes, conforme os casos apresentados aseguir:a) Falta de definição sobre o número de faixas Sistema de Pesagem em Movimento com Múltiplos Sensores para pré-seleção (itens 5.1.1 e 5.2.1 da parte D do Termo de Referência):O sistema consiste em sensores de detecção de peso instalados na rodovia. Porém, não está clarose, no caso de pista com mais de uma faixa de rolamento, os sensores devem ser instalados emuma, duas ou mais faixas. Esta premissa é fundamental para definição do valor mensal dedisponibilização do sistema, uma vez que os sensores representam relevante parcela do custo dosistema.Questionada por meio da Solicitação de Auditoria nº 201112025/009, a CGPERT esclareceu queem rodovias de pista dupla, a pesagem seletiva por meio de múltiplos sensores deverá serrealizada na pista da direita, local para o qual todos os veículos pesados deverão ser direcionadospor meio de sinalização horizontal e vertical. Informou ainda que na faixa à esquerda não háprevisão de instalação do sistema por problemas de segurança, evitando a transposição de pistapor esses veículos, pois poderia gerar pontos de conflitos de tráfego. Informou ainda que apenas8 (oito) postos de pesagem estarão localizados em rodovia de pista dupla ou em fase deduplicação.Em que pese as especificações terem sido esclarecidas pela CGPERT, no Termo de Referênciamostram-se mal definidas, podendo induzir os licitantes a interpretações divergentes, o queprejudica a competitividade do certame.b) Falta de especificações para a VAN a ser fornecida para os postos móveis:O Edital previu que a contratada deverá disponibilizar VAN, para funcionar como cabine deoperações do posto de pesagem móvel, onde será efetuada a operação do sistema e a emissão dedocumentos. Entretanto não especifica o tipo de VAN, o que representa risco de a contratadafornecer um veículo inadequado para a funcionalidade requerida. Este problema ocorreu nosatuais contratos de pesagem vigentes, em que a contratada forneceu veículos tipo “Kombi”,apresentando condições precárias, sob aspectos de ergonomia, para a realização das atividadesrequeridas.Questionada por meio da Solicitação de Auditoria nº 201112025/009, a CGPERT justificou oitem 4.2.4 do Termo de Referência prevê que o veículo a ser disponibilizado deve atender alegislação de trânsito, trabalhista e sanitária, e por esta razão poderá exigir que a contratadaforneça um veículo adequado para a funcionalidade requerida.A justificativa da CGPERT torna-se frágil na medida em que a definição daquilo que seriaadequado passa a ser subjetiva, podendo induzir os licitantes a interpretações divergentes acercadas especificações do veículo, o que prejudica a competitividade do certame, além de possibilitardivergências de entendimento entre o DNIT e a contratada quando da aceitação do veículofornecido. Página 170 de 253
  • 171. c) Ausência de definição clara quanto às especificações para o sistema de CFTV e sistema de fuga:O Quadro 9.8 – Planilha de Preço – Equipamento/Sistema, o qual deverá ser preenchido peloslicitantes, apresenta a relação de equipamentos e respectivas quantidades que deverão serfornecidas pela empresa contratada, conforme demonstrado a seguir:Quadro I: Quadro 9.8 – Planilha de Preço – Equipamento/SistemaFonte: Termo de Referência do Edital nº 162/2011Os itens 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 17 e 18 referem-se aos equipamentos e quantidades previstospara cada posto fixo, enquanto os itens 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17 e 19 referem-se aosequipamentos e quantidades previstos para cada posto móvel.Analisando-se o Quadro 9.8 e o Termo de Referência, verificou-se a existência de informaçõesconflitantes em relação aos sistemas de circuito fechado de televisão - CFTV e de fuga.No caso do sistema de CFTV: Página 171 de 253
  • 172. O item 5.6.2 da parte D do Termo de Referência estabeleceu as especificações para o sistema deCFTV para os postos móveis, prevendo somente 2 (duas) câmeras a serem instaladas na áreainterna do veículo do PPV móvel. No entanto, o Quadro 9.8 prevê, além das 2 (duas) câmeras,mais 1 (uma) câmera externa portátil. Dessa forma, o edital traz informações conflitantes, alémde não trazer as especificações necessárias à instalação dessa câmera externa portátil.Verificou-se também que no item 5.6.1 da parte D do Termo de Referência, que traz asespecificações para os postos fixos, foram previstas 4 (quatro) câmeras fixas para instalação nasáreas internas do PPV, enquanto o Quadro 9.8 prevê 3 (três) equipamentos. Portanto, mais umavez o Edital traz informações conflitantes, não estando claro se devem ser instaladas 3 (três) ou 4(quatro) câmeras nas áreas internas.Questionada por meio da Solicitação de Auditoria nº 201112025/009, a CGPERT justificou quehouve uma falha de grafia nos itens 5.6.1.1 e 5.6.2 do Termo de Referência e esclareceu que asquantidades corretas de câmeras são as previstas na planilha de preço (quadro 9.8), ou seja, nospostos fixos, 3 (três) câmeras internas e, nos móveis, 2 (duas) câmeras internas e 1 (uma)externa. Sobre esta, a CGPERT informou que as especificações são as mesmas da câmera móveldo PPV fixo, exceto quanto à sua fixação, que se dará por meio de um tripé, garantido a suaportabilidade.Em que pese as especificações terem sido esclarecidas pela CGPERT, fica evidente a ausênciaou a incerteza de informações no Termo de Referência, tendo aquela Coordenação inclusivereconhecido as falhas no Edital, que podem induzir os licitantes a interpretações divergentes, oque prejudica a competitividade do certame, além de dar margem a contestações futuras porparte da contratada acerca do objeto a ser executado.No caso do sistema de fuga:O item 5.3 da parte D do Termo de Referência estabeleceu as especificações para o sistema decâmeras para detecção automática de fuga e foto-auditoria no sistema de pesagem emmovimento com múltiplos sensores para pré-seleção e na balança dinâmica de precisão, a serimplementado em postos fixos e móveis. O Quadro 9.8 prevê um quantitativo de 5 (cinco)equipamentos do sistema de fuga por posto fixo, mas não prevê nenhum equipamento referenteao sistema em questão para postos móveis. Dessa forma não está claro se os postos móveis terãoou não o sistema de fuga.As especificações também não trazem informações claras, de forma que não permitem concluirquais seriam os 5 (cinco) equipamentos previstos no quadro 9.8 do Edital.Questionada por meio da Solicitação de Auditoria nº 201112025/009, a CGPERT esclareceu queos postos móveis não terão sistema de fuga, já que este não consta do item 2.1.2 do Termo deReferência que descreve os sistemas previstos para os postos móveis.Para justificar os 5 (cinco) equipamentos de fuga previstos no Quadro 9.8, a CGPERTmanifestou-se conforme segue: “a. Nos itens 2.1.1.4.3 e 5.3.5.1.1, constante das páginas 116 e 121 do Edital, está previsto um sistema de fugas na rodovia, nas faixas onde não houver o sistema de pesagem em Movimento com Múltiplos Sensores para pré-seleção, inclusive acostamento (2 câmeras sem LAP: 1 no acostamento e 1 na faixa adjacente à que está o sistema de pesagem – fluxo contrário); b. No item 2.1.1.4.2, estão previstas 2 câmeras na balança de precisão, 1 equipamento com LAP e 1 equipamento sem LAP (para registro de imagem panorâmica); Página 172 de 253
  • 173. c. Nos itens 2.1.1.4.1 e 5.3.5.1.2, constante das páginas 116 e 122 do Edital, estão previstas 2 câmeras junto ao Sistema de Pesagem em Movimento com Múltiplos Sensores para pré- seleção (1 equipamento com LAP e 1 equipamento para registro de imagem panorâmica); d. No item 5.3.5.1.1, constante da página 122 do Edital, está prevista 1 câmera na pista após a balança de precisão.”Verifica-se que, na tentativa de explicar o número de câmeras de fuga, a resposta da CGPERT éconfusa, uma vez que contabilizou, como equipamentos do sistema de fuga, as câmeras dosistema de Vídeo Auditoria com LAP, que é um outro sistema, previsto no item 3 do Quadro 9.8.Pode-se inferir da resposta da CGPERT que o número correto de equipamentos a ser adotadodeveria ser de 3 (três) equipamentos para o sistema de fuga e 4 (quatro) equipamentos para osistema de Vídeo Auditoria com LAP, diferente do que consta no Quadro 9.8.As justificativas apresentadas pela CGPERT somente reforçam a ocorrência de informaçõesconflitantes no Termo de Referência, bem como a ausência de clareza nas especificações. Issopode induzir os licitantes a interpretações divergentes, o que prejudica a competitividade docertame, além de dar margem a contestações futuras por parte da contratada acerca do objeto aser executado.d) Ausência de definição clara q