INSTALAÇÕES – 1


            Padronização de
                                                                            ...
classe II, tomadas 2P+T fixas e
                                                                                     móvei...
INSTALAÇÕES – 1

tomadas desmontáveis.                                                                         respondente...
INSTALAÇÕES – 1

                                                                                disjuntores apareceram no...
INSTALAÇÕES – 1

forma que as necessidades concretas
possam ser atendidas da forma mais            “Os fabricantes vão res...
INSTALAÇÕES – 1

ção brasileira. As vantagens e                                                   proteção contra contatos...
esse risco, de acordo com as normas                                                 inadvertidamente tocar um dos pinos
do...
INSTALAÇÕES – 1


                         Inmetro: padronização, maior segurança
       ue razões determinam a necessi-  ...
INSTALAÇÕES – 1

                                          importadores enquadrem seus produ-
                            ...
INSTALAÇÕES – 1




Fig. 12 – Cordão prolongador 2P conforme a padronização        Fig. 13 – Cordão conector 2P+T conforme...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Tomadas e Plugues 3 pinos

10,226

Published on

Tomada de Plugues três pinos

Published in: Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
10,226
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
106
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tomadas e Plugues 3 pinos

  1. 1. INSTALAÇÕES – 1 Padronização de Irrepreensível sob o aspecto da plugues e tomadas: segurança, a padronização brasileira de plugues e tomadas prediais estabelece, primeiros produtos finalmente, uma linguagem própria e unificadora nessa chegam ao área. Além disso, ela coroa o processo de certificação compulsória, cujo objetivo é mercado garantir que todos os plugues e tomadas comercializados no país atendam padrões de qualidade. E os primeiros produtos conforme a padronização já começam a chegar ao mercado. Da Redação de EM á cerca de dois anos, em julho ato contínuo, a padronização seria tros movimentam-se para cumprir os H de 2001, era finalmente re- solvida uma indefinição com a qual o país se defrontava há décadas: incorporada ao processo de certifi- cação compulsória de plugues e tomadas então em curso, conduzi- prazos. Elaborada pela comissão de estu- dos da ABNT intitulada CE 03:023.02 a falta de padronização das tomadas do pelo Inmetro. Com isso, foram Comissão de Estudo de Interruptores, e plugues usados em instalações fixados prazos para que os produ- Tomadas, Pinos e Placas de Uso elétricas de edificações. Naquela tos comercializados no país se Geral, pertencente ao CB-03 (Comitê data foi aprovada a versão final da enquadrem na padronização. Agora, Brasileiro de Eletricidade), a norma NBR 14136: Plugues e tomadas em plena fase de transição, alguns não recebeu, quando foi submetida a para uso doméstico e análogo até fabricantes já lançaram produ- consulta pública — seguindo os trâ- 20 A, 250 V c.a. – Padronização. E, tos conforme a padronização e ou- mites vigentes no país —, nenhum voto contrário. O que não foi nenhuma surpresa, pois havi- am participado pre- viamente da dis- cussão do projeto os segmentos da indús- tria eletroeletrônica envolvidos, reunidos na Abinee — os fa- Fig. 1 – As normas e, conseqüentemente, a certificação compulsória abrangem plugues, tomadas e os produtos correlatos, como rabichos, cordões conectores e cordões prolongadores 52 EM MAIO, 2003
  2. 2. classe II, tomadas 2P+T fixas e móveis e tomadas 2P móveis (estas para aparelhos classe II). A exemplo da norma que fixa os requisitos de desempenho, que é a NBR 6147 (Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo até 20 A, 250 V c.a. – Especificação), a padro- nização NBR 14136 é aplicável não só a plugues e tomadas avulsos, mas a Fig. 2 – Para proteção contra choques, o corpo isolante do porta-lâmpada deve possuir um colarinho bem saliente (a) ou então o soquete (camisa filetada) do todos os produtos ou montagens que porta-lâmpada deve ser do tipo não-energizado (b) — também chamado de incorporem algum plugue ou alguma “soquete seccionado” tomada em sua composição. Os plugues e tomadas “avulsos” bricantes de plugues e tomadas, de descrevem diferentes versões de correspondem àquilo que a terminolo- cordões e de aparelhos eletrodomésti- plugues e de tomadas — bipolar (2P), gia da área chama de produtos des- cos e eletroprofissionais. Outros seg- bipolar com contato de aterramento montáveis: as tomadas prediais, sejam mentos interessados, incluindo mem - (2P+T), tomadas fixas, tomadas elas de embutir, que é o caso mais típi- bros da comissão responsável pela móveis, etc. Mas todas destinadas, co, sejam elas de sobrepor ou de semi- norma de instalações elétricas (a como evidencia o título do documen- embutir, como é o caso das tomadas NBR 5410), também acompanharam to, a “uso residencial e análogo” — integrantes de sistemas de canaletas os trabalhos, tendo inclusive manifes- ou, numa outra definição, “plugues e aparentes; e os plugues disponíveis no tado seus pontos de vista a respeito do tomadas para uso em instalações comércio varejista, seja no balcão de projeto. elétricas de edificações”. Não se trata, um revendedor de material elétrico, A NBR 14136 foi inspirada na portanto, de plugues e tomadas indus- seja na prateleira de um supermerca- norma internacional IEC 60906 — triais, objeto de outra norma. do, na forma de encartelado. documento cujos propósitos incluem Em termos de corrente nominal, a Já os produtos ou montagens nos o de servir de modelo para países NBR 14136 padronizou dois valores: quais o plugue, a tomada ou ambos ainda sem uma padronização nacional 10 e 20 A. Isso significa que metade entram como ingrediente são os “rabi- de plugues e tomadas de uso domésti- dos desenhos que compõem a norma chos”, os cordões conectores e os co e análogo, como era o caso do refere-se a modelos de 10 A e a outra cordões prolongadores. É o terreno, Brasil. Como toda norma de metade aos modelos de 20 A. Cada por excelência, dos produtos não- padronização, a NBR 14136 é com - corrente nominal reúne, portanto, desmontáveis (produtos injetados, ti- posta essencialmente de folhas de desenhos equivalentes, compreenden- picamente), embora nada impeça que desenho, com a indicação de dimen- do plugues 2P+T, para aparelhos cordões prolongadores, em particular, sões e requisitos. Os desenhos classe I, plugues 2P, para aparelhos sejam confeccionados com plugues e Fig. 3 – Quando a alavanca porta-fusível é aberta, desfaz-se qualquer contato elétrico com a base e, assim, a retirada ou troca do fusível pode ser feita com segurança, não importando qual terminal do dispositivo é ligado do lado fonte MAIO, 2003 EM 53
  3. 3. INSTALAÇÕES – 1 tomadas desmontáveis. respondentes integrados aos Eles são não-desmontáveis equipamentos são o C14 e o no sentido de que não é C8, respectivamente). possível, ao contrário dos Finalmente, o cordão pro- desmontáveis, acessar os longador nada mais é que a condutores em seu inte- popular extensão. Numa rior, para desconexão, extremidade fica o plugue e, conexão ou reconexão, na outra, uma tomada pois qualquertentativa nes- móvel — que pode ser se sentido redundaria em única ou múltipla. É o con- destruição do plugue ou teúdo desta segunda tomada. extremidade, aliás, que faz A figura 1 ilustra, além com que o produto às vezes de uma tomada fixa, os seja chamado também de três produtos tipicamen- tomada múltipla móvel ou, te não-desmontáveis — to- ainda, barra de tomadas. dos de desenho já con- Fig. 4 – Risco de contato acidental com um ou mais pinos do Outras vezes se reserva o forme a padronização plugue, durante sua introdução ou desconexão da tomada termo cordão prolongador (a), e de inserção monopolar do plugue, ficando o outro pino NBR 14136. acessível ao contato (b) para a versão com tomada O chamado “rabicho” é única e o termo extensão um produto que passa ao para o cordão com tomada largo do usuário final, sendo nhecidos são os da série IEC 60320, múltipla. transacionado diretamente entre o como o C13, largamente usado nos Neste ponto, relacionados todos os fabricante especializado na produção cordões de alimentação de microcom produtos cobertos pelas NBRs 6147 e - desse tipo de peça e o fabricante de putadores do tipo desktop, e o C7, 14136, é oportuno convencionar, para equipamento eletroeletrônico que irá usado, por exemplo, em cordões de maior clareza, que doravante toda incorporá-la ao seu aparelho. Trata-se alimentação de aparelhos de som do menção a plugue ou tomada, isolada- simplesmente de um cordão com um tipo micro-system (os conectores cor- mente — portanto, com a conotação plugue numa extremidade; a outra implícita de produto avulso —, refere- extremidade é desprovida de qualquer se a produto desmontável; e que os elemento de conexão ou, quando produtos não-desmontáveis serão em muito, provida de terminais — justa- geral designados pelo rótulo identifi- mente para que o fabricante do cador do produto composto, isto é, equipamento possa ligar os condu- pelo termo “rabicho” ou “cordão” tores dessa extremidade a um borne, (seja o cordão um cordão conector ou terminal ou placa de circuito no inte- um cordão prolongador). rior do aparelho. O cordão conector é também um Certificação compulsória cordão de alimentação de equipamen- Todos os produtos abrangidos to, só que, diferentemente do “rabi- pelas NBRs 6147 e 14136, os des- cho”, constitui uma peça acabada, montáveis e os não-desmontáveis, fo- com elementos de conexão nas duas ram expressamente incluídos na certi- extremidades: plugue em uma delas e ficação compulsória de plugues e to- conector na outra. Aliás, na lin- madas de uso doméstico e análogo es- guagem mais popular, ambos — rabi- tabelecida pelo Inmetro. Em 4 de ou- cho e cordão conector —, são co- tubro de 2001, o órgão baixou a Por- nhecidos pelo mesmo nome: “cabo de taria 136, reiterando a certificação — força”, ou “cordão de força”. que já havia sido anteriormente Como o termo conector tem uma deflagrada — e nela incluindo a extensa variedade de significados físi- norma de padronização (NBR 14136). cos, cabe acrescentar que o conector A portaria fixou diferentes prazos do cordão conector é um elemento para a certificação, em função do tipo Fig. 5 – Tomada 2P+T com rebaixo e plugável, implicando assim a existên- superfície protetora. Trata-se de uma de produto, dos agentes envolvidos cia, no equipamento, de acoplamento disposição construtiva típica de (fabricantes e importadores, de um compatível. Os conectores mais co- tomadas fixas de embutir lado; comércio, de outro) e da norma 54 EM MAIO, 2003
  4. 4. INSTALAÇÕES – 1 disjuntores apareceram no mercado e figuraram pela primeira vez nas nor- mas de instalações, ninguém, no Brasil ou em outro país, foi obrigado a trocar os fusíveis pelos disjuntores; • as instalações novas já seriam equipadas com tomadas conforme a NBR 14136, à medida que as to- madas forem efetivamente dis- poníveis no mercado. Aqui, sim, vige o princípio de que novas cons- truções, como qualquer produto, devem observar as mudanças intro- duzidas nas normas técnicas apli- cáveis. Benefícios da padronização Fig. 6 – Tomada 2P+T com colarinho, sem superfície protetora. Tal disposição Irônica, mas coerentemente, construtiva é típica de tomadas móveis, seja a tomada móvel única ou múltipla quanto mais transparente para o usuário for essa transição, como se prenuncia, menos ele dará conta do a ser observada (especificação ou • o plugue 2P que equipa a grande significado e dos benefícios da padronização). maioria dos aparelhos hoje em uso e padronização. Até porque as possi- No que se refere à conformidade à venda no comércio é compatível bilidades e os benefícios que se po- com a NBR 6147, isto é, com a norma com a padronização; dem extrair de uma padronização de especificação, quase todos os pra- • em instalações existentes, ninguém não se resumem à face mais visível zos já se esgotaram. Só está ainda de terá de trocar tomadas, aleatoria- da medida, que é aquela da con- pé, findando em 1º de janeiro de 2004, mente. Haverá casos em que a troca vergência ou unificação, traduzida na o prazo dado ao comércio e referente poderá ser conveniente, mas nunca imposição de uma linguagem co- especificamente a produtos que não os obrigatória e nem a única alternativa mum aos plugues dos aparelhos plugues e tomadas desmontáveis. No possível. Por exemplo, se amanhã ou eletroeletrônicos vendidos no país e âmbito dos fabricantes e importado- depois o usuário comprar um apare- às tomadas às quais serão conecta- res, hoje só podem ser comerciali- lho com plugue 2P+T conforme a dos. O fim de surpresas desagra- zados plugues e tomadas certificados, NBR 14136 e a tomada 2P+T na qual dáveis, como a de constatar que o sejam eles na forma de peças avulsas, ele pretende ligar o aparelho, a exis- plugue do aparelho não se encaixa na de cordões ou integrados a aparelhos. tente, for de padrão italiano, alemão, tomada da instalação, ou se encaixa Já os prazos para a conformidade norte-americano ou qualquer outro de forma duvidosa, pode ser de fato de todos os produtos com a padroniza- (e aí reside justamente uma das um grande avanço. Mas isso não é ção (NBR 14136) são: grandes conquistas da NBR 14136, a tudo. A padronização pode significar • 1º de janeiro de 2005, para fabri- fixação de um padrão 2P+T comum conquistas, em geral imperceptíveis cantes e importadores; e para o país, o que até hoje nunca para o usuário comum, de grande al- • 1º de janeiro de 2006, para o co- existiu), ele poderá optar por trocar a cance, que vão da racionalidade eco- mércio. tomada — que seria, de fato, o pro- nômica à segurança. cedimento tecnicamente mais reco- Transição mendável — ou valer-se de adapta- Ganhos de escala Além dos benefícios da certifi- dores que certamente estarão dispo- Uma delas é a economia de escala. cação compulsória, que significa to- níveis no mercado. Mas nada que Se cada aparelho eletroeletrônico que de retirada para os produtos em signifique imposição ou substituição devesse ser provido de um plugue desacordo com as normas, e do avan- forçada, programada. A propósito, dimensionado sob medida para sua ço que a própria padronização repre- vale lembrar que nenhuma norma potência, é fácil imaginar a multipli- senta em termos de qualidade e segu- técnica tem efeito retroativo, ficando cidade de plugues que daí resultaria, rança, a transição para o padrão fixa- por conta do livre arbítrio do usuário compondo uma série quase infinita do pela NBR 14136 tem tudo para ser e/ou do progressivo desuso de um de correntes nominais. Cabe à pacífica. E essa transição deverá ser certo tipo de produto sua substituição padronização, assim, fixar um ou uns pacífica, entre outras razões, porque: por outro. Quando, no passado, os poucos valores preferenciais, de 56 EM MAIO, 2003
  5. 5. INSTALAÇÕES – 1 forma que as necessidades concretas possam ser atendidas da forma mais “Os fabricantes vão respeitar os prazos” racional possível. O incremento de palavra de Renato Buselli, diretor período de transição. Os produtos material resultante de uma capaci- A da Área de Material Elétrico de Instalação da Abinee - Associação atuais foram submetidos a uma certifi- cação compulsória, há relativamente dade de corrente acima daquela sob Brasileira da Indústria Elétrica e pouco tempo, e a partir de 2005 esses medida, quando não simplesmente Eletrônica. produtos não poderão mais ser comer- desprezível, é amplamente compen- cializados pelos fabricantes e importa- sado pelos ganhos econômicos de Entre os fabricantes, há alguma dores. Para os revendedores, o prazo restrição à padronização, seja quanto vai até o início de 2006. Há o receio de escala. Portanto, supondo que o uni- ao padrão, em si, seja no que tange que esse prazo adicional de um ano verso de aparelhos elétricos uti- aos prazos de entrada em vigor? para os revendedores talvez não seja lizáveis em instalações prediais Fizemos algumas reuniões na o suficiente para escoar o estoque de absorva correntes que raramente Abinee, para tratar desse tema. Re- produtos atuais que estaria nas mãos sumindo essa discussão, eu posso da revenda. Mas veja bem: não estou ultrapassam 20 A, uma padronização dizer o seguinte: os fabricantes vão falando do prazo de aquisição dos pro- que preveja apenas duas versões de respeitar o prazo máximo de comer- dutos atuais, que é aquele de comer- plugue, de 10 e de 20 A, como faz a cialização da linha atual, dado na cialização fixado para fabricantes e im- NBR 14136, talvez constitua um Portaria 136, que é final de 2004. Nós portadores, ou seja, início de 2005. achamos também que é necessária compromisso econômico ótimo. Em uma campanha sobre a padronização, Todos os fabricantes nacionais de conseqüência, os aparelhos com para que as pessoas tomem conheci- plugues e tomadas são associados da potência equivalente situada na faixa mento disso com antecedência, princi- Abinee? até 10 A usariam o plugue de 10 A; e palmente o comércio e o consumidor. Eu não saberia dizer, mas em ter- mos de market share mais de 90% es- os que absorvem acima de 10 A, até Essa campanha seria iniciada tão dentro da Abinee. o limite de 20 A, usariam então o quando? plugue de 20 A. Aparelhos acima O mais rápido possível, porque co- Como estão os preparativos das in- desse limite, por suposto de uso bem mo teremos uma mudança na linha de dústrias para a padronização? produtos daqui a pouco mais de um As empresas que compõem a mais raro, poderiam ou ser dotados ano, temos de antecipar essa comuni- maioria do market share já estão in- de plugue especial (leia-se “não-pa- cação ao mercado. vestindo nos seus projetos. E pratica- dronizado”) ou conectados direta- Além disso, a visão dos fabricantes mente todas as empresas do mercado mente aos condutores da instalação, é de que talvez devesse ser aumenta- conhecem o volume de investimento do um pouco o prazo dado ao necessário. Os fabricantes de plugues, na caixa de derivação, sem uso de revendedor. Isso por conta da situação em particular, estão muito mais adi- tomada e plugue. muito peculiar que caracteriza esse antados, já com rabichos certificados. Não-intercambiabilidades do, como manda o senso comum, que inserir uma configuração de plugue Outro importante objetivo que uma nenhum equipamento com corrente vinculada a determinada tensão a padronização pode e deve possibilitar nominal de até 10 A seria equipado uma configuração de tomada de é o de garantir as intercambiabilidades com um plugue de 20 A — o que não qualquer outra tensão. Isso nos dois e as não-intercambiabilidades dese- seria nenhum absurdo técnico, mas sentidos, ou seja, o plugue de um jadas. Trata-se, com efeito, de uma um contra-senso econômico. Já quem aparelho de 125 V não se acopla a dupla tarefa, já que o cumprimento de pode o mais pode o menos e, por isso, uma tomada de 250 V e nem o uma não garante a outra: a padroniza- uma tomada de 20 A deve permitir a plugue de um aparelho de 250 V se ção deve permitir todas as conexões inserção de ambos os plugues, de 10 e acopla a uma tomada de 125 V — compatíveis e evitar as conexões in- de 20 A — exigência também explíci- desde que o eletricista ou usuário desejadas. Os cuidados com a não- ta da NBR 14136. não cometa equívocos, como instalar intercambiabilidade, aliás, acabam Outro exemplo de não-intercam - uma tomada “de 125 V” (leia-se “de sobressaindo aos da intercambiabili- biabilidade que pode ser desejada e, desenho previsto para uso em dade. caso julgada vantajosa, incorporada a 125 V”) num circuito com tensão De fato, uma tomada não deve per- uma padronização, é a que evitaria, de 250 V. mitir a inserção de um plugue com independentemente de cuidados do No Brasil, a legislação dos corrente nominal superior à sua. Essa usuário, a inserção do plugue de um serviços de eletricidade estabelece exigência consta, explicitamente, da equipamento de determinada tensão não uma única, mas duas tensões NBR 14136: a tomada de 10 A não nominal a uma tomada prevista para padronizadas, fase–terra, de uso em deve permitir a inserção de um plugue ser alimentada com tensão diferente instalações de edificações: 127 V e de 20 A. O objetivo, claro, é evitar que daquela. A padronização norte-ame- 220 V. Assim, a hipótese de não- ela seja submetida a uma corrente ricana, por exemplo, estabelece dife- intercambiabilidade vis-à-vis a ten- além do valor suportável, com todos rentes desenhos de tomadas para são de uso foi estudada durante o os perigos daí resultantes. Isso supon- diferentes tensões. Não é possível processo de definição da padroniza- 58 EM MAIO, 2003
  6. 6. INSTALAÇÕES – 1 ção brasileira. As vantagens e proteção contra contatos acidentais desvantagens foram pesadas e con- com partes vivas. Neste particular, a cluiu-se que o balanço não era fa- padronização brasileira alinha-se com vorável à idéia, optando-se pelo conquistas marcantes da normaliza- recurso da marcação e identificação ção internacional, e presentes também para prevenir o risco de ligações nas normas nacionais de plugues e inadvertidas por parte do usuário. tomadas de diversos países. Uma das razões foi evitar a multi- O aspecto da segurança torna-se plicidade de versões. No caso norte- especialmente relevante porque não americano, por exemplo, só no seg- se trata de tomadas e plugues quais- mento 2P+T e do tipo de simples quer, mas tomadas e plugues de uso inserção, são três modelos diferen- doméstico e análogo. Pois para a nor- tes de 15 A — para 125 V, 250 V e malização em geral, tanto a de insta- 277 V —, e outros três diferentes de lações quanto a de componentes e 20 A, para as mesmas tensões (125, equipamentos, o usuário da instalação 250 e 277 V). Seis variantes, portan- doméstica ou análoga é sempre con- to — todas não-intercambiáveis, siderado absolutamente leigo, sem como mencionado. Se computadas noção dos riscos de choques elétricos. outras correntes nominais e as Ao passo que no âmbito de insta- tomadas e plugues traváveis, isto é, lações ou locais mais específicos, do tipo insira-e-gire, as variantes, na como numa subestação, por exemplo, família 2P+T, passam de 15. Na certos componentes e certas dis- Fig. 7 - Tomada 2P+T combinando padronização brasileira, com a posições construtivas são tratados rebaixo e colarinho. Tal disposição decisão adotada, a família 2P+T construtiva é típica de tomadas fixas pela normalização de forma menos pôde resumir-se, como já menciona- de semi-embutir e de tomadas fixas de rigorosa, porquanto nesses locais ou do, às duas versões de correntes sobrepor instalações normalmente só é admiti- nominais, de 10 e de 20 A, ambas do o ingresso de pessoas habilitadas, com tensão de isolamento de 250 V, caso dos equipamentos bivolt com com conhecimento dos riscos. podendo ser usadas, portanto, em comutação manual, não haveria outra Esse é, portanto, um ponto pacífico instalações de 127 V e de 220 V, solução concreta senão aquela indis- e consagrado da normalização inter- cabendo então à marcação a orien- pensável ao uso incólume do equipa- nacional de equipamentos e materiais tação contra ligações inadvertidas. mento: atenção prévia do usuário à elétricos de uso doméstico e análogo: Outra razão para evitar a adoção tensão da tomada à qual o equipa- eles devem ser concebidos e construí- de desenhos diferentes vis-à-vis a mento será ligado. E remetendo, por- dos de forma tal que o usuário da tensão de uso é a existência dos tanto, ao caminho pelo qual a instalação não corra risco de contato chamados aparelhos bivolt — alguns padronização brasileira optou: mar- acidental com partes vivas. Acresce, com autosensing, isto é, com cação e identificação das tomadas e ainda, que certos componentes, devi- detecção automática da tensão à plugues, aspecto que a norma de do à sua característica funcional, qual foram conectados, e comutação instalações elétricas se encarregaria devem apresentar detalhes constru- idem, e outros dependentes da ação de reforçar. tivos especiais, visando garantir a do usuário, que deve previamente segurança do usuário na manipulação comutar uma chave, da posição Proteção contra choques do componente. É o caso, com efeito, 127 V para a posição 220 V ou vice- De todos os ganhos e benefícios das tomadas e plugues. Como é, tam - versa. Assim, se pretendida a não- proporcionados por uma padroniza- bém, de porta-lâmpadas e de disposi- intercambiabilidade relativamente a ção de plugues e tomadas — não a tivos fusíveis, para mencionar dois tensões, que plugues os equipamen- “padronização” pobre de objetivos outros exemplos. tos bivolt deveriam utilizar? No caso que o sentido comum do termo pode De fato, ao instalar uma lâmpada dos equipamentos com autosensing, sugerir, claro, mas aquela capaz de incandescente, o usuário pode even- talvez se pudesse cogitar de um produzir os resultados mais compen- tualmente tocar a base da lâmpada, desenho de plugue específico, capaz sadores —, talvez os mais meritórios surgindo então o risco de choque de permitir sua inserção tanto na sejam mesmo aqueles associados a elétrico se o casquilho já tiver esta- tomada de 127 V quanto na de 220 V, questões de segurança, em particular belecido contato com parte viva do com o preço de mais uma variante contra choques elétricos. Não só porta-lâmpada. Mas o porta-lâmpada (ou de tantas quantas fossem as cor- impedindo conexões incompatíveis — no caso, um porta-lâmpada de rentes nominais padronizadas). Já no sob esse ponto de vista, mas provendo rosca Edison — não deve permitir 60 EM MAIO, 2003
  7. 7. esse risco, de acordo com as normas inadvertidamente tocar um dos pinos do produto. Elas prescrevem que os do plugue, ou ambos, enquanto o pino porta-lâmpadas devem ser concebidos ainda mantém (caso de desconexão) de tal forma que a base da lâmpada contato com o alvéolo vivo da tomada jamais fique acessível se estiver sob (figura 4a). Ou a pessoa poderia inad- tensão. São duas as soluções mais vertidamente introduzir na tomada conhecidas capazes de atender essa apenas um dos pinos do plugue, cor- exigência: ou o porta-lâmpadas é rendo assim o risco de choque elétrico dotado de “soquete não-energizado” caso toque no pino não introduzido ou de um colarinho com profundidade (figura 4b). Essas são situações de capaz de garantir afastamento sufi- risco concretas, evocáveis não só pelo ciente entre a camisa filetada (o sentimento algo familiar que as cenas soquete propriamente dito) e a borda da figura 4 nos inspiram, como tam - do porta-lâmpada (figura 2). Isso bém pela lembrança de que as pessoas garante proteção independentemente muitas vezes se valem dos próprios de qual dos contatos do porta-lâmpa- dedos, colocando-os em contato com da é ligado a este ou aquele condutor o pino do plugue, para se orientar na (fase ou neutro), até porque uma lâm - tentativa de encaixá-lo numa tomada pada tanto pode vir a ser alimentada de mais difícil acesso — por exemplo, em esquema fase–neutro quanto em Fig. 8 – Plugue da padronização NBR atrás de um móvel. 14136. A entrada do cabo pode ocupar esquema fase–fase. qualquer das posições indicadas. Os Pois a padronização brasileira Como na troca de lâmpada, as pinos vivos podem vir ou não com NBR 14136 atentou para todos esses operações envolvendo fusíveis devem capa isolante (a norma diz que ela é cuidados. Primeiro, os contatos da poder ser feitas sem risco de choque opcional). E o diâmetro da capa tomada devem ficar recuados em isolante, caso existente, deve ser tal elétrico para o usuário. É essa preocu- que ela não sobressaia à parte não- relação à superfície de contato com o pação, aliás, que explica por que não isolada dos pinos corpo do plugue. Segundo, e comple- se deve confundir “fusíveis”, simples- mentando esse recuo, a tomada deve mente, com “dispositivos fusíveis”. sentando nenhum outro elemento de apresentar ainda uma das seguintes Porque os “fusíveis” constituem ape- conexão elétrica à base ou ao circuito disposições construtivas: nas parte de um conjunto — conjunto em que é inserido senão as próprias a) rebaixo, vale dizer, face rebaixa- que irá garantir que a substituição do virolas do fusível. da (a “face” aqui referida é aquela fusível, devido à sua queima, ou A mesma filosofia de proteção delimitada pela área de contato com o manobras de seccionamento sejam ilustrada com os exemplos dos porta- corpo do plugue), com superfície pro- feitas sem o risco de choque elétrico. lâmpadas e dispositivos fusíveis é tetora. Esse é o arranjo, por excelên- Dispositivos fusíveis de uso domésti- aplicada aos plugues e tomadas. E cia, das tomadas fixas de embutir co e análogo, como o da figura 3 — nem poderia ser diferente. O ato de (figura 5); que é apenas um exemplo, pois exis- conectar (ou desconectar) um plugue b) colarinho saliente, sem necessi- tem outras formas ou arranjos cons- a uma tomada envolve riscos seme- dade de superfície protetora. É um trutivos —, devem efetivamente ga- lhantes aos da troca/retirada de lâm arranjo talhado tipicamente para - rantir plena proteção para a troca do padas e fusíveis. A pessoa poderia tomadas móveis e tomadas fixas de fusível ou sua re- sobrepor (figura 6). tirada, para fins de Vale lembrar, no seccionamento. E caso das tomadas isso, a exemplo do móveis, que elas porta-lâmpada, existem nas ver- independente- sões “tomada úni- mente de como ca” e “tomada múl- são ligados os ter- tipla”; minais do disposi- c) combinação de tivo: o porta-fu- rebaixo e cola- sível, no caso, é rinho, com superfí- na verdade um cie protetora. A Fig. 9 – O recuo dos contatos da tomada em relação à face de contato com o mero insersor e plugue, somado à exigência de rebaixo e superfície protetora (ou, o que dá no candidata natural extrator de fusí- mesmo, colarinho, ou misto de rebaixo e colarinho com superfície protetora), ao uso desse arran- veis, não apre- elimina o risco de contato acidental com pinos vivos jo é a tomada fixa MAIO, 2003 EM 61
  8. 8. INSTALAÇÕES – 1 Inmetro: padronização, maior segurança ue razões determinam a necessi- Na entrevista que se segue, nha no sentido de divulgar o padrão. Q dade de certificação compulsória de um produto? Gustavo Kuster, da Divisão de Pro- grama de Avaliação da Conformidade Promover talvez workshops, debates com fabricantes, para esclarecer como Pode ser a importância do produto do Inmetro, fala da padronização, das será a entrada em vigor, a fiscalização, sob o aspecto da saúde e/ou segu- conversas com os fabricantes e de ini- como o Inmetro vai atuar, etc., tudo rança dos consumidores. Pode ser o ciativas que estão sendo estudadas isso justamente para fortalecer o impacto do produto no meio ambiente. para divulgar o padrão brasileiro. padrão. Podem ser objetivos econômicos, muitas vezes também contemplando A indústria tem apoiado a iniciativa Essa iniciativa é do Inmetro e da exigências ecológicas, como os de efi- de certificação compulsória, inclusive Abinee? ciência energética. Pode ser a preocu- no aspecto da padronização? Após a A Abinee e os próprios fabricantes pação de garantir uma competição Portaria nº 136 o Inmetro emitiu algum propuseram que se fizesse algum tipo mais justa no mercado, evitando que outro documento, envolvendo a pa- de divulgação nesse sentido, por meio ele enverede pelo círculo vicioso do dronização? de workshops ou algo similar, e o nivelamento por baixo, em que produ- Com relação à padronização, não. Inmetro prontamente se colocou à dis- tos de má qualidade, mas mais O único documento posterior, referente posição para apoiar. Por exemplo, se baratos, induzam uma corrida em mar- a plugues e tomadas, foi a Portaria eles montarem um workshop, o Inme- cha a ré. E pode ser uma combinação nº 134, de 2002, que promoveu alguns tro estará lá falando sobre o seu papel parcial ou total dessas razões. ajustes na Portaria 136, mas apenas nessa regulamentação. Pois foi uma mistura disso tudo — a no que tange à certificação conforme a segurança do usuário e de suas insta- NBR 6147, a norma de especificação. Nesses contatos com os fabricantes lações elétricas, as perdas que Portanto, não houve nenhuma mu- têm havido também relatos de como conexões de má qualidade produzem e dança no que diz respeito à padroni- andam os preparativos para a pa- a existência de “uma grande variedade zação. dronização? de dispositivos produzidos em de- Na área elétrica, o Inmetro sempre O prazo é janeiro de 2005. Con- sacordo com as normas técnicas” — atuou em parceria com o setor indus- siderando a necessidade de ferramen- que levou o Inmetro a instituir, com a trial. No Brasil, os fabricantes da área tal e engenharia, tem de começar ago- Portaria nº 185, de 21 de julho de 2000, elétrica estão ligados à Abinee, que é a ra. Todos os fabricantes com quem a certificação compulsória de plu- interlocutora do Inmetro nesse setor. conversei disseram que já têm os seus gues e tomadas de uso doméstico e À época em que estávamos elabo- projetos prontos. Já estão entrando na análogo. rando a portaria 136, a Abinee, em fase de ferramentaria. Traduzida em termos práticos, a ini- nome dos fabricantes, nos solicitou, ou ciativa significa que todos os plugues e sugeriu, que colocássemos na portaria O padrão estabelecido é bom? tomadas produzidos e/ou comercializa- também a padronização, e não apenas Sempre vai haver questionamentos, dos no país (o que inclui, portanto, pro- a certificação relativa à especificação. de que o padrão deveria ser este ou dutos importados) devem seguir as Então nós nos reunimos com fabri- aquele, mas a iniciativa da padroniza- normas técnicas nacionais aplicáveis. cantes, congregados pela própria ção é válida, tem como finalidade ga- Ou, ainda, que a comercialização Abinee, e esses fabricantes confirma- rantir mais segurança. E a padro- de produtos não-certificados — por ram o pleito. Daí a inclusão da pa- nização é uma tendência mundial. Você suposto, em desacordo com as nor- dronização na portaria. vê países da América do Sul com o seu mas — fica proibida. padrão; na Europa, não preciso nem Portanto, num processo de certifi- A solicitação, então, partiu dos falar; os EUA há muito tempo têm o seu cação, a referência básica são as nor- próprios fabricantes? próprio padrão; etc. mas técnicas aplicáveis ao produto — Sim, da Abinee, que representa os O Inmetro não entra na discussão todas quantas existirem. Assim, quan- fabricantes, e depois dos próprios fa- técnica de se o padrão deveria ser este do a norma de padronização de bricantes. Representantes dos fabri- ou aquele, porque quem entende tecni- plugues e tomadas, a NBR 14136, cantes estavam na reunião em que se camente do produto é o fabricante. A tornou-se realidade, depois de discuti- confirmou esse pleito. função do Inmetro é estabelecer o da e aprovada pelos segmentos inte- mecanismo de avaliação da conformi- ressados, nada mais natural que ela Houve entre os presentes alguma dade. Sob esse ponto de vista, nós fosse incorporada ao processo de cer- divergência em relação à necessidade definimos como fazer. Quanto ao as- tificação compulsória que havia sido do padrão? pecto técnico, confiamos nos fabri- desencadeado em 2000. E isso se deu Não, pelo contrário. Tanto que o cantes, que foram a base para criar a via Portaria Inmetro nº 136, de 4 de Inmetro, junto com a Abinee, está norma, e nos laboratórios, que fizeram outubro de 2001. planejando desenvolver uma campa- a avaliação técnica dessa norma. de semi-embutir ou a tomada fixa de contatos e as dimensões mínimas da tais disposições garantem então o sobrepor (figura 7). O arranjo também superfície protetora em torno da face atendimento dos dois princípios ba- pode ser usado em tomadas móveis. de contato com o plugue — além, lizadores da proteção contra contatos Como mostram as figuras referidas claro, de outras dimensões que uma acidentais com partes vivas aplicáveis (5 a 7), a NBR 14136 especifica as norma de padronização deve estabele- ao produto: dimensões do rebaixo, do colarinho, a cer, incluindo as do próprio plugue a) o de que partes sob tensão dos distância mínima para o recuo dos (figura 8). E, como ilustra a figura 9, plugues não devem ser acessíveis 62 EM MAIO, 2003
  9. 9. INSTALAÇÕES – 1 importadores enquadrem seus produ- tos na padronização NBR 14136, que é 1º de janeiro de 2005, pode parecer folgado o suficiente. Principalmente se se levar em conta a data em que foi fixado, via Portaria nº 136 do Inme- tro: 4 de outubro de 2001. Feitas as contas, são 39 meses, ou três anos e três meses. Mas nessa altura, meados de 2003, o tempo que ainda resta não Fig. 10 – A tomada fixa (2P+T) da oferece muita margem para prote- padronização brasileira aceita a inserção lações, mesmo porque não é possível direta tanto de plugues de equipamentos classe I (2P+T) quanto de pôr um novo produto na rua do dia pa- plugues de equipamentos classe II (2P) ra a noite. Por isso, vários fabricantes Fig. 11 – Plugues e tomadas móveis já colocaram em marcha seus planos 2P conforme a NBR 14136 já são quando o plugue estiver parcial ou de conversão. Outros preferiram sair disponíveis no mercado há anos completamente introduzido numa na frente. Entre outras razões — e tomada; e considerando-se a obrigatoriedade do Inmetro, mas sem detalhes com b) o de que não deve ser possível ainda algo distante —, para assumi- relação ao cronograma pretendido, a estabelecer conexão entre o pino de damente colher os dividendos de ima- enquete colheu também informações um plugue e o alvéolo vivo de uma gem e marketing resultantes dessa li- mais precisas entre alguns fabricantes. tomada enquanto um outro pino esti- derança no processo de padronização. Essas informações dão conta de que ver acessível. Na verdade, já existem no merca- até o fim deste ano deverão ser intro- Mas a preocupação contra choques do alguns produtos conforme a duzidos comercialmente os seguintes não se esgota no âmbito do produto, NBR 14136. É o caso de plugues produtos (desmontáveis) em con- em si. A padronização, sintonizada 2P — caso já mencionado, indireta- formidade com a NBR 14136: com os conceitos maiores que susten- mente, no trecho que tratou da tran- • plugue 2P+T: Forjasul Eletrik tam a filosofia de proteção contra sição rumo à padronização — e de (10 A) e Peesa (10 e 20 A); choques consagrada pela normaliza- tomadas móveis também 2P (figura • tomada fixa 2P+T de embutir: ção internacional, e que permeiam 11). Uma enquete preliminar feita Forjasul Eletrik (10 A), Peesa (10 e tanto as normas de procedimentos pela redação de EM, junto a fabri- 20 A) e Primelétrica (10 e 20 A); quanto as de produtos, trata coerente- cantes brasileiros do segmento de • tomada fixa 2P+T de semi-embutir mente das intercambiabilidades e das material elétrico de instalação, reve- e/ou de sobrepor: Forjasul Eletrik não-intercambiabilidades necessárias lou que pelo menos três empresas fa- (10 A), Peesa (10 A) e Primelétrica à preservação daqueles conceitos. Em bricam normalmente o plugue 2P de (10 e 20 A); termos de tomadas fixas, por exem 10 A: Perlex, Pial Legrand e Pri- - • tomada móvel 2P+T: Perlex (10 A). plo, a padronização se alinha com a melétrica. Mas é no segmento de rabichos e orientação da NBR 5410 — aliás, No caso da tomada móvel 2P, pelo cordões que se registram os primeiros como deve ser, pois tomada fixa é um menos um fabricante declarou ofere- lançamentos nascidos diretamente em componente da instalação —, de que a cer o produto (de 10 A): a Pial decorrência da NBR 14136 — sem instalação deve ser a mais universal Legrand. falar das promessas também aí identi- possível e, ao mesmo tempo, fiel aos Nesse segmento, de plugues e de ficadas pela enquete preliminar de princípios básicos que definem, para tomadas móveis 2P, a enquete apurou EM. Pelo menos três empresas da área os equipamentos elétricos, diferentes também que o mercado terá breve- já oferecem cordões e rabichos con- classes sob o ponto de vista da pro- mente novas opções, todas com cor- forme a padronização: a Condupar, a teção contra choques. Nesse sentido, a rente nominal de 10 A: Daneva e a Volex. Os produtos foram tomada fixa da padronização bra- – até meados deste ano, plugue e devidamente certificados — vale sileira confere à instalação a necessá- tomada marca Peesa; dizer, duplamente certificados, pois ria universalidade, pois aceita a inser- – até o final do ano, plugue da submetidos à certificação de con- ção direta, sem necessidade de qual- Forjasul Eletrik e tomada da Perlex e formidade com a norma de especifi- quer adaptador, de plugues de equipa- da Primelétrica. cação e com a norma de padroniza- mentos classe I e classe II (figura 10). Quanto aos demais produtos ção. desmontáveis, além de declarações Os da Condupar são rabichos e Rumo à padronização categóricas da intenção de lançá-los cordões conectores 2P, de 10 e de O prazo para que fabricantes e dentro do prazo fixado pela portaria 20 A. O plugue 2P de 10 A foi certifi- 64 EM MAIO, 2003
  10. 10. INSTALAÇÕES – 1 Fig. 12 – Cordão prolongador 2P conforme a padronização Fig. 13 – Cordão conector 2P+T conforme a padronização brasileira lançado pela Daneva brasileira lançado pela Volex cado em junho/julho de 2002; o de dezembro de 2002, via União imagem e sua presença no mercado. 20 A, em janeiro de 2003. Certificadora. A certificação refere-se, Como ressalta Marco Aurélio, “fo- Os da Daneva são rabichos e mais exatamente, ao plugue (2P+T), mos uma das primeiras, senão a pri- cordões prolongadores 2P, de 10 A. já que o cordão lançado pela empresa meira empresa, a homologar o plu- “O plugue foi certificado em julho de é do tipo cordão conector — e o gue 2P+T conforme a NBR 14136. 2002 e a tomada móvel em novembro conector de tais cordões está fora da Através de um trabalho de divulgação, do mesmo ano, ambos pela União certificação compulsória instituída com o envio de mala-direta e Certificadora”, informa Marcelo pelo Inmetro. Mesmo assim, Marco amostras, estamos informando nossos Filippelli, diretor comercial da Aurélio Martinez Elias, gerente de clientes que a Volex já tem o produto Daneva. O cordão prolongador (figura vendas e marketing, garante que “faz que deverá constar obrigatoriamente 12) é do tipo tomada única, disponí- parte da política de qualidade da de seus equipamentos a partir de vel com seções nominais (do condu- Volex homologar ou certificar todos 2005. E a reação que temos percebido, tor) de 0,75 a 1,5 m m2 e nos compri- os seus produtos, de forma completa. da parte dos clientes, é de certa tran- mentos de 3 a 30 m. São duas as Por isso, o nosso contrato com a quilidade e alívio, pela existência de opções de condutor, tanto para o União Certificadora prevê a homolo- um fornecedor local já em condições cordão quanto para o rabicho: cor- gação dos conectores, já que os testes de suprir suas necessidades no dão paralelo ou cabo PP (plano ou aplicados aos plugues servem também futuro.” circular). para os conectores”. Ainda no segmento de produtos Outros passos da empresa, dentro O rabicho e o cordão conforme a não-desmontáveis (rabichos e cor- da padronização NBR 14136, com - NBR 14136 lançados pela Volex são dões), as empresas que detalharam um preendem o lançamento de produtos disponíveis nas correntes nominais de pouco mais seus planos, na enquete incorporando plugues 2P de 20 A e 10 e 20 A — incluindo o conector, no preliminar de EM, foram a Condupar, plugues 2P+T de 10 A, o que está pre- caso do cordão. O cabo possui veias e Duralux e Forjasul Eletrik. Os produ- visto para os próximos meses. A cobertura de PVC 70°C, sendo as tos são os seguintes, todos com pre- Daneva não fabrica plugues e tomadas veias nas cores marrom, azul e verde- visão de lançamento até o final de desmontáveis (linhas de embutir e de amarelo (condutor PE), com seção de 2003: sobrepor) e, segundo Marcelo Filippe- 0,75 m m2 . O comprimento do cordão • cordão conector 2P+T: Condupar lli, não pretente, pelo menos por quan- conector depende da necessidade do (10 A), Duralux (10 A) e Forjasul to, entrar nesse segmento. cliente (a Volex só fornece para fabri- Eletrik (10 A); O diretor comercial comenta que a cantes de equipamentos), variando de • cordão conector 2P: Duralux e Daneva saiu na frente no lançamento e 1 m a 2,10 m, geralmente. Forjasul Eletrik (ambos de 10 A); na certificação de produtos conforme Marco Aurélio conta que o projeto • cordão prolongador 2P+T: Condu- a NBR 14136, antecipando-se a ou- dos novos produtos nasceu no início par (10 A, tomada única) e Forjasul tros fabricantes, para ganhar mercado: de 2002, “por solicitação de alguns de Eletrik (10 A, tomada única e tomada “A hora é agora, e não quando todos nossos clientes. Aliás, o primeiro a múltipla); forem obrigados”, explica. fazer tal solicitação foi a Epson. E • cordão prolongador 2P: Condupar Já a Volex, que também só atua agora o produto pode ser oferecido a (10 e 20 A, tomada única, com no segmento dos “não-desmontáveis”, outros clientes locais, já que atende à lançamento anunciado para junho de foi provavelmente a primeira a lançar normalização brasileira”. 2003) e Forjasul Eletrik (10 A, nas e certificar cordões e rabichos do tipo A exemplo da Daneva, a Volex versões tomada única e tomada 2P+T (figura 13). A certificação con- também tem utilizado os lançamen- múltipla). forme a NBR 14136 foi obtida em tos como trunfo para fortalecer sua 66 EM MAIO, 2003

×