Português 1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Português 1

on

  • 7,854 views

 

Statistics

Views

Total Views
7,854
Views on SlideShare
7,830
Embed Views
24

Actions

Likes
4
Downloads
205
Comments
0

1 Embed 24

http://sandra-rumoaofuturo.blogspot.com 24

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Português 1 Português 1 Presentation Transcript

    • Português Instrumental 1
      Segundo Semestre
      GedalvaOliveira.Psicopedagoga
      Email: gedalvauniversidade@hotmail.com
      Orkut:dalvaluz85@hotmail.com
    • UMA VIAGEM A LÍNGUA PORTUGUESA
      A língua portuguesa falada no Brasil tem sua particularidade que diferencia dos outros sete países que falam o Português.
    • Sistema fonético e fonológico
      Alguns aspectos conservadores e inovadores da
      fonética brasileira:
      Aspectos conservadores
      Aspectos inovadores
    • A gramática é dividida em: fonologia, morfologia e sintaxe.
      Fonologia: fonemas, letras, pontos de articulação
      ortoépia (ortoepia) – estuda a correta pronuncia dos vocábulos
      prosódia – determinação da sílaba tônica
      ortografia – representa a escrita da língua
    • Morfologia: (forma) – estuda a composição dos vocábulos, estudo das classes de palavras e gramaticais.
      Sintaxe: relação entre as palavras de uma oração ou relação entre as orações de um período.
      de concordância – verbal (sujeito e verbo) e nominal (substantivo em relação ao artigo, adjetivo, numeral, etc.)
      de regência – verbal (verbo pedindo preposição ou não) e nominal (nome acompanhado de preposição)
      de colocação – trata da colocação de certas palavras.
      pronominal: próclise, mesóclise, ênclise.
    • MORFOLOGIA
      Em linguística, Morfologia é o estudo da estrutura, da formação e da classificação das palavras.
      A peculiaridade da morfologia é estudar as palavras olhando para elas isoladamente e não dentro da sua participação na frase ou período.
      A morfologia está agrupada em dez classes, denominadas classes de palavras ou classes gramaticais.
      São elas: Substantivo, Artigo, Adjetivo, Numeral, Pronome, Verbo, Advérbio, Preposição, Conjunção e Interjeição.
    • TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
      SUJEITO é o ser de que se declara alguma coisa.
      O sujeito pode ser:
      Simples = quando houver uma só palavra (núcleo) nesta função. Por exemplo: O gato é mamífero.
      Composto = quando houver mais de uma palavra nesta função. Por exemplo: O gato e o cachorro são mamíferos.
      Indeterminado = quando aquele que fala ou escreve deixa de mencionar o sujeito. Por exemplo: Precisa-se de operários.
    • Inexistente = há orações que não possuem sujeito. O verbo de tais orações só admitem a terceira pessoa do singular e são chamados, por alguns gramáticos, de verbos impessoais. Por exemplo: Há pessoas na sala. Faz frio aqui. Está calor. Choveu muito ontem.
      Oculto = este é o mesmo sujeito simples. Ele não aparece na frase, mas está subentendido. Por exemplo: Sou apaixonado por você. (subentende-se que o sujeito é a primeira pessoa do singular = Eu).
    • PREDICADO
      É aquilo que se declara do sujeito se a oração o possui.
      Há três tipos de predicado:
      Verbal = quando o núcleo do predicado for um verbo transitivo ou intransitivo e, também, sem a presença de um predicativo qualquer. Por exemplo: O aluno leu o livro. (o verbo ler é transitivo direto e o livro é objeto direto).
      Nominal = é aquele no qual figura um verbo de ligação(ser, estar, ficar, parecer, permanecer, continuar) devidamente acompanhado de um predicativo do sujeito. Por exemplo: O professor é experiente. (o verbo ser é de ligação e experiente é predicativo do sujeito).
      Verbo-nominal = possui um verbo não de ligação e um predicativo qualquer como núcleos do predicado. Por exemplo: Eu considero você inteligente. (o verbo considerar é transitivo direto, você é objeto direto e inteligente é o predicativo do objeto).
    • Termos Acessórios de uma Oração
      Acessórios são os termos secundários, que não integram necessariamente a estrutura básica da oração. Dividem-se em adjunto adnominal, adjunto adverbial e aposto.
    • Adjunto Adnominal é um termo que exerce a função adjetiva, uma vez que serve para especificar, restringir ou qualificar um nome, particularizando-lhe o sentido:
      a) As crianças DO BRASIL merecem assistência do governo.
      b) Índios BRASILEIROS continuam sendo exterminados.
      c) A crise DO SOCIALISMO espalhou-se pelo mundo.
      d) TODOS OS livros CRÍTICOS sofrem ameaças PERIGOSAS.
    • Adjunto Adverbial é o termo que expressa circunstâncias de modo, tempo, lugar, dúvida, intensidade, meio, finalidade, concessão, causa, companhia etc.. Correspondente ao advérbio, modifica o sentido de um verbo, um adjetivo ou mesmo de um advérbio:
      a) Os camponeses pobres morrer de FOME. (adjunto adverbial de causa)
      b) TALVEZ ninguém consiga seus objetivos. (adjunto adverbial de dúvida)
      c) "NÃO nos deixeis cair em tentação." (adjunto adverbial de negação)
      d) Dias Gomes escreveu peças políticas NOS ANOS 70. (adjunto adverbial de tempo)
      e) "Bendita sois vós ENTRE AS MULHERES." (adjunto adverbial de LUGAR)
      f) Saí ontem à noite COM A LOURINHA DE OLHOS AZUIS. (adj. adverbial de companhia)
      g) Cortamos as árvores A FACA. (adjunto adverbial de instrumento)
      h) Todos foram DE ÔNIBUS ao comício. (adjunto adverbial de meio)
      i) Quasímodo era feio DEMAIS. (adjunto adverbial de intensidade)
      j) Compre livros instrutivos PARA LEITURAS PRÓSPERAS. (adj. adverbial de finalidade)
      k) Aconselhou INUTILMENTE a filha mais nova. (adjunto adverbial de modo)
    • Já o Aposto tem a função de esclarecer, identificar ou resumir um termo que lhe é anterior:
      a) Salvador Dali, PINTOR ESPANHOL, imortalizou o Surrealismo.
      b) O escritor ANTONIO CALLADO escreveu romances pós-modernos.
      c) Napoleão, Hitler, Stálin, TODOS viraram pó.
      1ª Obs. Uma mesma oração pode conter diversos apostos, a depender de sua complexidade:
      2ª Obs. É preciso não confundir o vocativo com o aposto, uma vez que o vocativo tem uma função apelativa, apesar de assemelhar-se ao aposto pelas pausas e pelas vírgulas.
    • Termos Integrantes de uma Oração
      Integrantes são os termos que integram o sentido da oração, funcionando como complementos sem os quais a mensagem não chega a se finalizar. Dividem-se em complementos verbais (objeto direto e indireto) e complemento nominal.
    • COMPLEMENTOS VERBAIS
      Objeto Direto
      É o termo da oração que completa o sentido de um verbo transitivo direto.
      - Comprei um carro.
      - Ela limpou o quarto e a sala.
      Objeto indireto
      É o termo da oração que completa o sentido de um verbo transitivo indireto com auxílio da preposição.
      - Gostei do filme.
      - Concordo com você.
    • COMPLEMENTO NOMINAL
      Completa o sentido de um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) sempre com o auxílio da preposição.
      - A confiança na justiça.
      - O amor ao próximo.
      - A lembrança do passado.
      AGENTE DA PASSIVA
      Numa oração com verbo na voz passiva, quem pratica a ação é o agente da passiva.
      - A grama foi cortada pelo jardineiro.
      - O Brasil foi descoberto por Cabral.
    • CONCORDÂNCIA
      A sintaxe de concordância faz com que as palavras dependentes concordem, nas suas flexões, com as palavras de que dependem na frase. Os adjetivos, pronomes, artigos e numerais concordam em gênero e número com os substantivos determinados = concordância nominal. O verbo concorda em número e pessoa com o sujeito simples a que se refere = concordância verbal.
    • CONCORDÂNCIA NOMINAL
      Concordância do adjetivo adjunto com o substantivo:
      O adjetivo biforme, na função de adjunto adnominal, concorda com o substantivo em gênero e número = As árvores tristonhas deixavam cair suas lágrimas solidificadas.
      Referindo-se a mais de um substantivo de gênero e número diferentes, o adjetivo concordará no masculino plural ou com o substantivo mais próximo. A referida regra aplica-se aos adjetivos escritos após os substantivos = Um cravo e uma rosa perfumados(ou perfumada).
    • CONCORDÂNCIA VERBAL
      Sujeito simples = o verbo concorda em número e pessoa com o sujeito simples. ( O menino trabalha na fábrica; Nós gostamos de crianças.).
      Sujeito composto antes do verbo = escrito antes do verbo, o sujeito composto admite o verbo no plural. (O pai e o filho levantavam cedo.).
      Sujeito composto depois do verbo = escrito depois do verbo, o sujeito composto admite o verbo no plural ou em concordância com o sujeito mais próximo. (Levantavam ou levantava cedo o pai e o filho).
      Sujeito composto de pessoas gramaticais diferentes = sendo o sujeito composto de pessoas gramaticais diferentes, o verbo concordará no plural e na pessoa gramatical que prevalecer sobre as outras. A 1ª pessoa prevalece sobre a 2ª e a 3ª; a 2ª pessoa prevalece sobre a 3ª. (Eu, tu e ela dizemos a lição. Tu e ela fizestes a lição).
    • REGÊNCIA
      A sintaxe de regência estuda as relações de dependência das palavras nas orações e das orações no período. Ela divide-se em nominal(estuda o regime dos substantivos, adjetivos e advérbios) e verbal(estuda o regime dos verbos).
    • REGÊNCIA VERBAL
      É a relação de subordinação existente entre um complemento(palavra regida) e a palavra cujo sentido é completado. Neste caso é o verbo, que tem seu sentido completado por outro termo.
      Regência de alguns verbos:
      abraçar = no sentido de cingir, apertar nos braços, constrói-se com objeto direto ou indireto. Por exemplo: O pai abraçou o filho. Abraçou-se com a mãe. No sentido de adotar, seguir, constrói-se com objeto direto. Por exemplo: Não abraçou minha doutrina.
      ansiar = no sentido de causar ânsia, angustiar, constrói-se com objeto direto. Por exemplo: A solidão ansiava-o. No sentido de desejar ardentemente, constrói-se com objeto indireto. Por exemplo: Ansiava por um novo amor.
    • TRABALHO PARA ENTREGAR DAQUI A 30 DIAS
      PESQUISAR OS PAISES DE LINGUA PORTUGUESA E O PORTUGUÊS NO MUNDO.
      O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO