• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Programa tice mestrados_em_ensino2010_2011
 

Programa tice mestrados_em_ensino2010_2011

on

  • 620 views

 

Statistics

Views

Total Views
620
Views on SlideShare
620
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Programa tice mestrados_em_ensino2010_2011 Programa tice mestrados_em_ensino2010_2011 Document Transcript

    • ESCOLA DE CIÊN CIAS SOC A CIAIS DEPARTAM D MENTO DE PEDAGO E OGIA E ED DUCAÇÃO O CUR RSO DE M MESTRADO EM ENS INO O Di isciplina de Tecnolo ogia de Inf formação e Comuni icação em Educaçã m ão Docente: J D José Luís Pires Ramo P os Transform mative learn ning involve experienc es cing a deep structurall shift in the basic p,prem mises of thought, feelings, and act tions. It is a shift of cons s sciousness that dramat tically and irreversibly alters our w of bein in the wo d y way ng orld. Such a shift involve our es un nderstandin of ourselv and our self-locatio ng ves r ationships wiith other humans ons; our rela atural world. (0’Sullivan, 203). and with the na
    • ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS DO PROGRAMA A disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação em Educaçãoé oferecida em simultâneo a vários cursos de Mestrado em Ensino.A perspectiva pedagógica que sustenta esta disciplina é a aprendizagemtransformativa, centrada na premissa essencial de que aprender éexperimentar e transformar, o que envolve pensar e agir sobre contextosautênticos e procurar mudar esses contextos “ através do pensamento, dossentimentos e das acções. É uma mudança que altera dramaticamente anossa forma de estar no mundo. Essa mudança envolve-nos a nós própriose as nossas circunstâncias; as nossas relações com os outros e as nossasrelações com o mundo que nos rodeia. (0’Sullivan, 203, cit. Donnelly, R.) .A aprendizagem baseada em projecto constitui a metodologia de trabalhoprincipal no desenvolvimento pessoal e profissional dos participantes,combinando-a com uma modalidade de trabalho flexível, mista (trabalhoautónomo, contactos presenciais, trabalho colaborativo e trabalho adistância) com recurso às tecnologias de e-learning (incluindo aplataforma Moodle da Universidade de Évora ) e ainda um conjunto deferramentas e aplicações destinada ao suporte, à comunicação, àinteracção entre pares e ao trabalho colaborativo. “The concept and practice of transformative pedagogy … is embedded in the nexus of curriculum restructuring based on a social constructivist theory of knowledge to take advantage of the capabilities of learning technologies – all to transform academic practice. At the pedagogical level, transformative practice has the potential to engage students as critical thinkers, by encouraging them to be both participatory and active. By exploring the application of Mezirows transformative pedagogy framework on blended problem-based learning (PBL), it is hoped that the transformative dimension of this pedagogy is clarified with respect to the role it plays in the development of individuals, Inherent in this is the role given to e-learning technologies, supporting
    • peer-to-peer collaboration in PBL groups as well as learners autonomy and responsibility for learning. “ (Roisin Donnelly)Pretende-se de um modo geral que os participantes tenham aoportunidade de, através dos projectos, adquirir competênciasrelacionadas com o uso das TIC na Escola, e em particular possam centraro seu esforço em três aspectos essenciais: aprender a diagnosticar umproblema educativo e a procurar contributos para a sua resolução comrecurso às tecnologias; aplicar as competências adquiridas no quadro dadisciplina, na resolução de problemas práticos educativos referentes à suaEscola e/ou área disciplinar; e reflectir sobre as práticas educativasdocentes e o papel das TIC em educação e em particular nas áreasdisciplinares envolvidas.RESULTADOS ESPERADOS DE APRENDIZAGEM  1. É capaz de analisar o estado actual da investigação no que diz respeito às TIC em educação e em particular na sua área disciplinar. 2. É capaz de aprender a diagnosticar um problema educativo e a procurar contributos para a sua resolução com recurso às tecnologias, na sua área disciplinar; 3. É capaz de aplicar as competências adquiridas na resolução de problemas práticos educativos referentes à sua Escola e/ou área disciplinar; 4. É capaz de reflectir sobre as práticas educativas docentes e o papel das TIC em educação e em particular nas áreas disciplinares envolvidas. 5. É capaz de localizar, seleccionar e organizar a informação proveniente da Internet e/ou de bases de dados educativas e utilizar essa informação como fonte de conhecimento; 6. É capaz de planear a utilização educativa de um recurso ou tecnologia adequados ao contexto educativo e de acordo com os modelos de aprendizagem
    • 7. É capaz de usar a tecnologia para apoiar processos de ensino e aprendizagem, através da concepção, elaboração e desenvolvimento de actividades e projectos, nomeadamente as aplicações utilizadas na disciplina 8. É capaz de criar um recurso digital para uso em contexto educativo. 9. É capaz de avaliar um recurso educativo em suporte digital, através de critérios científicos, técnicos e pedagógicos reconhecidos 10. É capaz de sustentar uma visão crítica e fundamentada face ao papel das TIC em educação.COMPETÊNCIAS   1. Identifica os contributos da investigação científica neste domínio. 2. Identifica razões científicas e pedagógicas como justificação do uso de tecnologias em situações de ensino e aprendizagem que envolvam crianças. 3. Identifica um problema educativo em que as TIC podem ajudar ou contribuir para a sua resolução. 4. Elabora propostas para a resolução de problemas práticos educativos com recurso às TIC. 5. Caracteriza as principais teorias da aprendizagem humana e relaciona-as com o uso educativo das TIC. 6. Reconhece a importância da segurança, ética e dos valores no quadro do uso educativo das TIC. 7. Planifica experiências e actividades de aprendizagem com recurso às TIC. 8. Selecciona e avalia recursos materiais de aprendizagem baseados em tecnologia ( CD-ROMs, web sites, vídeo, áudio, programas) de acordo com critérios, instrumentos e técnicas de avaliação. 9. Demonstra conhecimento e domínio no uso de aplicações informáticas educativas utilizadas na sua disciplina e ou área disciplinar.
    • ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO OrganizaçãoA disciplina de TIC em Educação organiza-se a partir dos tempos e dosespaços considerados nos horários dos participantes mas não se confina aesses mesmos espaços e tempos.Os espaços e tempos destinados ao contacto serão organizados paradiversas finalidades: horas de contacto para apresentação e discussão deconteúdos da disciplina, trabalho de apoio individual aos participantes eoficinas práticas de tecnologias. A escolha das oficinas será realizada pelosparticipantes em função das suas necessidades e interesses bem como dasnecessidades dos seus projectos individuais.Os participantes organizam-se em duas turmas que correspondem aoagrupamento das áreas disciplinares, seguintes:Turma A: Ensino de Artes Visuais no 3º Ciclo do Ensino Básico e noSecundário, Ensino de Biologia e de Geologia no 3º Ciclo do Ensino Básicoe no Ensino Secundário, Ensino de Matemática no 3º Ciclo do Ensino Básicoe no Secundário, Ensino de Física e de Química no 3º Ciclo do Ensino Básicoe no Ensino Secundário e Ensino de Filosofia no Ensino SecundárioTurma B: e Ensino de Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário,Ensino do Português no 3º Ciclo do Ensino Básico e Ensino Secundário e deEspanhol/Francês nos Ensinos Básico e Secundário, Ensino de EducaçãoMusical no Ensino Básico.As sessões de contactos e as ferramentas de comunicação e interacçãodisponíveis na plataforma Moodle constituem os meios para criar estasoportunidades, tomá-las como pontos de partida para acção em contextoeducativo e fazer o acompanhamento dos processos desenvolvidos desde aconcepção à sua implementação (quando aplicável) e à avaliação.A disciplina irá ainda proporcionar a organização de oficinas temáticas,destinadas à exploração de software específico das diferentes áreasdisciplinares, fora do horário das aulas.
    • Recursos didácticos1. Plataforma Moodle : http://www.moodle.uevora.pt/1011/2. Plataforma FCCN : https://webconference.fccn.pt/colibri/public/mainPortal.jspCONTEÚDOS    1. Introdução o Visão sobre o estado da arte no que diz respeito aos resultados de investigação neste domínio. 2. Fundamentos para o uso de Tecnologia em Educação o Razões para usar a tecnologia em educação o TIC e conteúdos disciplinares específicos o Teorias da aprendizagem humana e tecnologias de informação e comunicação o Princípios da aprendizagem multimédia o Redes sociais e comunidade de aprendizagem: as novas sociabilidades (Ferramentas web 2.0) o Segurança, ética e protecção das crianças e jovens no uso das TIC 3. As TIC na Escola, no curriculum e na aprendizagem o Concepção e planeamento de situações e experiências de aprendizagem: Instrumentos de planeamento (roteiros de exploração de software, guias didácticos, planos de aula e/ou unidade didáctica. o Estratégias de uso das TIC na sala de aula: Abordagens específicas nos domínios disciplinares o Estratégias para uso transversal das tecnologias Metodologia de trabalho de projecto e de trabalho colaborativo Portfolios digitais 4. Criação de conteúdos e recursos educativos digitais
    • o Tipos de recursos educativos digitais o Processos de criação de recursos educativos digitais o Selecção e avaliação de recursos educativos digitais; conceitos, instrumentos e critérios 5. Aplicações e ferramentas informáticas para uso educativo o Criação de recursos através do uso de ferramentas web 2.0 em particular programas de autor e de publicação na Internet: blogues, podcasting, comic creators, digital storytelling , etc. o Aplicações de uso geral: Power Point, One Note, etc. o Aplicações multimédia: Moviemaker, Audacity, NetPaint, Glomaker, etc. o Aplicações específicas para quadros interactivos ( o Software e outros recursos educativos digitais para trabalho didáctico (adequados aos diversos contextos profissionais ) Géogebra Inspiration MoodleCALENDÁRIO  Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Turma A Segunda- 27 4 8 6 3 2 feira 11 15 13 10 18 22 17 25 29 24 Turma B Quarta- 29 6 3 15 5 Feira 13 10 12 20 17 19 26 27 24
    • SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM I - Regime de Avaliação ContínuaO regime de avaliação contínua visa a demonstração de competênciasteóricas e práticas adquiridas, quer através do estudo, análise e discussãode textos quer através da exploração e uso das ferramentas e aplicaçõesem situações educativas. Os participantes devem realizar ao longo dadisciplina, como demonstração do trabalho e da aprendizagem realizada,um projecto de trabalho educativo, dos tipos referidos na primeira partedeste Programa, designado como Projecto TIC.Classificação FinalA classificação final resulta dos seguintes elementos: 1. P1 - Projecto TIC a que corresponde um dos três tipos de projectos que constam do programa da disciplina (inclui o relatório do projecto em formato de artigo científico e a sua apresentação pública; 2. P2- Trabalho individual a. Criação de um blogue educativo numa perspectiva de portfolio de aprendizagem.) 3. P3- Participação 1. Contributo para dinamização do Moodle (participação em fóruns e no glossário do centro de recursos virtual. 2. Criação de apresentação electrónica baseada nos princípios de aprendizagem multimédia; 3. Criação de mapas de conceitos; 4. Criação de um bloco na plataforma Moodle para a respectiva disciplina.Classificação final = 3P1+2P2+1P1/5
    • Os projectos deverão ser acompanhados pelo docente da disciplina edeverão conter evidências da sua realização, ou seja elementos descritivos docontexto onde foram desenvolvidos bem como uma sólida justificaçãopedagógica.II- Regime de ExameOs estudantes que tomam a opção pelo regime de Exame, prevista noRegulamento Escolar Interno da Universidade de Évora devem demonstraras competências e conhecimentos adquiridos nesta unidade curricularatravés das seguintes provas: Prova de avaliação escrita (incide sobre a totalidade dos conteúdos administrados na disciplina); Prova de avaliação prática (incide sobre as competência técnicas e práticas adquiridas nos programas e aplicações que tenham sido objecto de aprendizagem e referência na disciplina.O conteúdo e as condições de realização das provas serão afixados noDepartamento de Educação e na plataforma de e-learning daUniversidade de Évora.Classificação FinalO resultado das provas de avaliação escrita e prática têm o mesmo valorem termos de ponderação e resultam na classificação final do estudante.
    • PROJECTOS TIC  São de três tipos os projectos a criar e desenvolver no quadro da disciplinade TICE:1) Projectos TIPO I: são projectos de intervenção e “experimentação” nouso de tecnologias e recursos na escola e/ou na sala de aula, com alunos;2) Projectos TIPO II : são projectos de criação e ou avaliação de recursoseducativos digitais; a avaliação dos produtos deve ser realizada emcontexto.3) Projectos TIPO III : são projectos de reflexão aprofundada sobre o uso detecnologias e recursos digitais na área disciplinar de cada um dosparticipantes.Os projectos de intervenção estão centrados na prática dos participantesque estão inseridos em contextos profissionais autênticos (uma escola, umainstituição); envolve projectos de pequena escala (uma turma, porexemplo) e é levado a cabo pelos estudantes individualmente. Exemplos:conceber, implementar e avaliar uma estratégia educativa com recurso àsTIC; propostas de exploração de ferramentas da Web 2.0, propostas de usode tecnologias móveis na Escola e na sala de aula, proposta de uso detecnologias no desenvolvimento de competências colaborativas, etc.Um exemplo de projecto de intervenção pode ser a criação de um blogueeducativo destinado a alunos, a professores ou à Escola. Os bloguespodem ser usados para diversas actividades educativas: apresentação edivulgação de um projecto educativo de um ou mais professores numaescola, o blogue de uma turma ou de um clube, reflexão em torno detemas e problemas educativos, apresentação e divulgação deprojectos/trabalhos realizados por alunos (em grupo ou individualmente),criação de um jornal escolar online, divulgação das actividades de umclube de escola ou ainda como repositório de recursos digitais de apoio auma disciplina, entre outras possibilidades.
    • Os projectos de criação estão centrados na produção de recursoseducativos multimédia. Exemplos: criação de uma biblioteca digitalmultimédia para uma disciplina, jogos, simulações, aplicações, vídeos,podcasting, digital storytelling, sub-produtos decorrentes da criação emambiente de autor ou outras aplicações ( por exemplo, flip-charts dosquadros interactivos, Notebook para SmartBoard, active inspire paraPromethean, Imagina, MovieMaker, etc.Os projectos de avaliação de recursos estão orientados para a avaliaçãoem contexto de produtos educativos já existentes, incluindo software emsuporte CDROM ou web.Os projectos de reflexão aprofundada estão centrados no estudo e nainvestigação do uso das TIC na área disciplinar especifica do participante.Exemplos: estudar práticas locais de uso das TIC pelos participantes nadisciplina (quadros interactivos, telemóveis, ipods, portáteis, etc ); estudarpráticas de uso pelos professores e propor acções de desenvolvimentoprofissional (workshops).As propostas de projecto interdisciplinar e transversal (algo que em muitascircunstâncias é inerente ao uso das TIC na Escola e no Currículo) tambémpoderão ser apresentadas.Estas propostas devem ser desenvolvidas pelos estudantes individualmentee só em casos devidamente justificados pela dimensão e complexidade doprojecto podem ser realizados por pares de estudantes. O conteúdo doprojecto e o papel de cada participante devem ser discutidos com odocente da disciplina.SUGESTÃO DE ETAPAS A ADOPTAR NA REALIZAÇÃO DOS TRABALHOS DE PROJECTO   1. Identificação de problema/interesse/necessidades/vantagem para a aprendizagem dos participantes da utilização de tecnologias e ou de recurso educativo digital. 2. Leituras recomendadas e reflexão iniciais sobre os problemas da prática educativa e dos contextos (escola, turma, comunidade) onde o/a estudante está inserido/a e a forma como as tecnologias e
    • ou recursos educativos digitais podem contribuir para a sua resolução; 3. Avaliação e justificação da escolha do problema a resolver: interesse pessoal no problema, acesso a informação e documentação, etc.) 4. Plano de trabalho, roteiro de exploração ou protocolo de intervenção, conforme ao tipo de projectos; 5. Execução do plano de trabalho e recolha de dados 6. Avaliação da proposta 7. Redacção do relatório de experiência/estudoPROJECTOS DE INTERVENÇÃO: CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO/VALORIZAÇÃO    1. Intervenção em contexto autêntico de trabalho e aprendizagem; 2. Envolvimento de outros participantes do ensino básico e/ou secundário na execução da proposta (alunos, professores e ou outros agentes); 3. Clareza e adequabilidade da proposta desenvolvida; 4. Métodos e procedimentos utilizados na intervenção; 5. Qualidade do relatório final, incluindo a existência de evidências do trabalho realizado.PROJECTOS DE CRIAÇÃO DE RECURSOS: CRITÉRIOS DE VALORIZAÇÃO    1. Níveis de sofisticação envolvidos na criação dos recursos (mecânico ou criativo); esforço em horas de trabalho, esforço técnico ( uso de ferramentas mais ou menos sofisticadas de produção de recursos); 2. Nível de interactividade do recurso produzido. 3. Qualidade final dos recursos educativos digitais produzidos 4. Publicação em local público (portal da escola ou associação científica ou profissional ou portal das escolas);
    • SUGESTÃO DE ETAPAS A ADOPTAR NA ELABORAÇÃO DOS ARTIGOS   1. Avaliação preliminar do tema: interesse pessoal no tema, acesso a informação e documentação, etc.) 2. Identificação das fontes de informação (livros, revistas e artigos em bibliotecas e na internet) e registo na bibliografia do trabalho usando ferramentas do processador de texto. 3. Construção de um esquema do trabalho, por tópicos (índice provisório) 4. Revisão da literatura, através da pesquisa e recolha de informação relevante bem como leitura mais aprofundada dos textos seleccionados 5. Tratamento da informação recolhida. 6. Redacção, processamento e tratamento gráfico do trabalho. 7. Revisão do texto (através de amigos críticos)CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO/VALORIZAÇÃO DO ARTIGO Critérios de avaliação do artigoConteúdo (75%) 1. Domínio do tema/conteúdo escolhido 2. Clareza ao nível da explicitação das ideias e dos princípios abordados. 3. Capacidade de escrever as ideias-chave de forma sucinta e apelativa. 4. Capacidade de escrever correctamente, com pensamento pessoal, 5. Capacidade de emitir juízos críticos sobre o tema.Forma (25%) 1. Uso de Fontes na revisão da literatura a. Consulta de bibliografia significativa e diversificada em relação ao tema escolhido incluindo livros, revistas e artigos científicos
    • b. Selecção e citação correcta de informação relevante no corpo do texto 2. Capacidade e domínio da língua portuguesa na redacção do texto 3. Capacidade de utilizar de forma oportuna as potencialidades subjacentes a um programa de processamento de texto nomeadamente as ferramentas de revisão, índices, etc. 4. Cumprimento das normas de apresentação das referências bibliográficas ( Normas APA).OUTRAS INDICAÇÕES   1. Prazo de entrega dos trabalhos a. Trabalho individual – 6 de Fevereiro de 2011 b. Projecto TIC - 6 de Fevereiro de 2011Projectos de estudo e reflexão 2. Número de páginas a. Entre 6 a 12 páginas ( ou outra indicação por parte de revista científica) 3. Estilos a. Normas APABIBLIOGRAFIA RECOMENDADA Sugestão de títulos, entre outros, a seleccionar, de acordo com o “nível deentrada” e interesses dos estudantes e sem prejuízo de outras obras a indicarna plataforma de apoio à aprendizagem.Amante, L. (2007) Infância, escola e novas tecnologias. In Costa, F.A., Peralta, H., e Viseu, S., As TIC na Educação em Portugal . Porto Editora. Pp. 102-123.Barra, M. (2004) Infância e Internet. Interacções na Rede. Autonomia 27. Pp.19-85.Costa, F. et.al. (2008) Competências TIC. Estudo de implementação Vol I. GEPE/ME.
    • Donnelly, R. (s/d ) The nexus of problem-based learning and learning technology: Does it enable transformative practice ? Disponível em http://www.eurodl.org/materials/contrib/2009/Roisin_Donnelly.htmlEggen, P. & Kauchak, D. ( 1997). Educational Psychology. Windows on the Classroom. 3th Edition. Merril and Prentice Hall.Heinich, R.,Molenda, M., Russel, J. & Smaldino, S. E. (1999) Instructional Media and Technologies for Learning. Meril, Prentice-Hall, Inc.Januszewski, A. & Molenda, M. ( 2008)Educational Technology. A definition with commentary. Lawrence Erlbaum Associates.Leask, M. & Meadows, J. (2000) Teaching and Learning with ICT in the Primary School. Routledge Falmer.Loveless, A. & Ellis, V. (2001) ICT, Pedagogy and the Curriculum. Subject to Change. Routledge Falmer.Miranda, G.L. (2009) Ensino online e aprendizagem multimédia. Relógio D’Água.Ramos, J.L (2005) Tecnologias de Informação e Comunicação em Educação. Experiências Educativas Enriquecedoras. In Silva, R. & Silva, A (Coord.) Tecnologias e Aprendizagens. Edições Sílabo.Ramos, J.L.. (2008) Avaliação e Qualidade de Recursos Educativos Digitais. Cadernos SACAUSEF V. Ministério da Educação. DGIDC. ISSN 1646- 2637.Ramos, J.L., Teodoro, V.D., Ferreira, F.M., Carvalho, J.M. e Maio, V.M. (2007) Uso de software livre e de código aberto em escolas portuguesas: cinco estudos de caso. Cadernos SACAUSEF IV. DGIDC / Ministério da Educação. Disponível em http://www.crie.min- edu.pt/files/@crie/1222880583_08_SACAUSEF_IV_51a75.pdf .Ramos, J.L.; Duarte, V.D.; Carvalho, J.M.; Ferreira, F.M. e Maio, V.M. (2006) Modelos e práticas de avaliação de recursos educativos digitais. Cadernos SACAUSEF II. Ministério da Educação. DGIDC.Ramos, J.L., Teodoro, V.D., Maio, V., Carvalho, J.M. & Ferreira, F.M. (2005) Sistema de Avaliação, Certificação e Apoio à Utilização de Software para a Educação e Formação. Cadernos SACAUSEF I. Ministério da
    • Educação, DGIDC, Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular, pp.21-44. ISSN-1646-2637Ramos, J.L.(2007) Reflexões sobre a utilização educativa dos computadores e da internet na escola. In Costa, F.A., Peralta, H., e Viseu, S., As TIC na Educação em Portugal . Porto Editora. Pp. 102-123.Ramos, J.L. et. Al. (2010) - Estudo de Implementação .Recursos Digitais para a Educação em Portugal. GEPE/ME. In press .Roblyer, M. D., Edwards, J. & Havriluk, D. (1997). Integrating educational technology into teaching. New Jersey: Prentice-Hall, Inc.Outras FontesBiblioteca do Conhecimento http://www.b-on.pt/index.php?lang=ENRCAAPhttp://www.rcaap.pt/directory.jspRevistas electrónicas Sisifo : http://sisifo.fpce.ul.pt/?r=9&p=51 EFT : http://eft.educom.pt/index.php/eft Revista de Educação: http://revista.educ.fc.ul.pt/ Revista Portuguesa de Educação: http://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php/script_sci_serial/pid_0871- 9187/lng_pt/nrm_iso Revista Lusófona de Educação : http://rleducacao.ulusofona.pt/ Revista Psicologia, Educação e Cultura: http://www.cic.pt/pec/ Directório: http://www.redepisteme.net/directory.php?ax=list&sub=1&cat_id=1