Matrizes da linguagem e pensamento

9,070
-1

Published on

Published in: Education, Technology, Design
0 Comments
18 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
9,070
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
18
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Matrizes da linguagem e pensamento

  1. 1. Matrizes da Linguagem e Pensamento sonora, visual, verbal aplicações na hipermídia Lúcia Santaella resumo livre
  2. 2. Maria Lucia Santaella Braga <ul><li>Catanduva-SP, 1944 </li></ul><ul><li>Pesquisadora </li></ul><ul><li>Professora: Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas </li></ul><ul><li>Professora: PUC-SP </li></ul><ul><li>Doutoramento: Teoria Literária </li></ul><ul><li>Livre-docência: Ciências da Comunicação </li></ul><ul><li>Fundadora: &quot;CS games“ - Grupo de Pesquisa em Games e Semiótica da PUC-SP </li></ul>
  3. 3. Charles Sanders Peirce <ul><li>EUA: 1839 – 1914 </li></ul><ul><li>Filósofo </li></ul><ul><li>Cientista </li></ul><ul><li>Matemático </li></ul><ul><li>Estudou: </li></ul><ul><ul><li>Linguística </li></ul></ul><ul><ul><li>Filologia </li></ul></ul><ul><ul><li>História </li></ul></ul><ul><ul><li>Psicologia Experimental. </li></ul></ul>
  4. 4. Peirce As categorias fenomenológicas <ul><li>Filósofos: Aristóteles, Kant e Hegel </li></ul><ul><li>Fenomenologia: explicar a diversidade dos fenômenos experienciados </li></ul><ul><li>Fenômeno: tudo aquilo que é percebido pelo homem, seja real ou não, qualquer fenômeno físico como a chuva, ou psíquico como sonho, idéia, etc. </li></ul><ul><li>Semiótica Peirciana: filosofia científica da Linguagem </li></ul>
  5. 5. Categorias universais dos SÍGNOS Primeiridade - icônico A ideia de azul Secundidade - indicial O céu como o lugar e tempo em que o azul se encarna Terceiridade - argumental O céu num contexto pessoal de experiência de vida A semiótica peirceana pressupõe a percepção quando define o interpretante como um dos elementos constituintes da tríade.
  6. 6. As Matrizes da Linguagem e Pensamento <ul><li>Matriz: lugar onde algo se gera ou se cria </li></ul><ul><li>Matrizes da linguagem e do pensamento: objetivam explicitar a origem das múltiplas linguagens existentes, denominadas como híbridas, por serem uma mescla das três matrizes primordiais: </li></ul><ul><li>A classificação das matrizes de linguagem e pensamento baseia-se na percepção humana. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Sonora: do sentido da audição, realiza a primeiridade, por ser qualidade pura, fugacidade. Tem como propriedade a sintaxe (combinação dos elementos a fim de formar unidades mais complexas); </li></ul><ul><li>Visual: do sentido da visão, realiza a secundidade, por haver uma presentificação, uma singularidade existente. Tem como propriedade a forma (aspecto exterior dos corpos materiais); </li></ul><ul><li>Verbal: da faculdade de verbalização própria do homem, realiza a terceiridade, por ser o reino das abstrações e estar amparada na convencionalidade. Tem como propriedade o discurso (organização da sequencialidade discursiva). </li></ul>As Matrizes da Linguagem e Pensamento
  8. 8. As Matrizes da Linguagem e Pensamento Matriz sonora <ul><li>Todo e qualquer tipo de som. </li></ul><ul><li>Tem como eixo fundamental a sintaxe (syn = junto/com, taxis = arranjo) </li></ul><ul><li>Combina sons, alturas, durações... para formar elementos mais complexos. </li></ul><ul><li>Primeiridade: sintaxes do acaso (vento, espirro...) </li></ul><ul><li>Secundidade : sintaxes dos corpos sonoros (pandeiro, buzina...) </li></ul><ul><li>Terceridade : sintaxes das convenções musicais (ritmo, melodia e harmonia) </li></ul>
  9. 9. As Matrizes da Linguagem e Pensamento Matriz visual <ul><li>Formas visuais fixas: </li></ul><ul><li>Primeiridade: formas não-representativas, abstratas: Kandinsky, Mondrian, Pollock... </li></ul><ul><li>Secundidade: formas figurativas , imagens que apenas fazem uma referência ao objeto, tais como as pinturas e esculturas mais realistas. </li></ul><ul><li>Terceridade: as formas representativas, simbólicas, Imagens que necessitem de um conhecimento prévio, de um código para sua interpretação: os alfabetos, os símbolos matemáticos, musicais, químicos </li></ul>
  10. 10. As Matrizes da Linguagem e Pensamento Matriz verbal escrita <ul><li>Tem como eixo fundamental o discurso verbal, que está sempre dirigido para os efeitos interpretativos que é capaz de produzir em processos comunicativos. </li></ul><ul><li>Primeiridade : descrição: apreende e apresenta as qualidades das coisas, pessoas, ambientes e situações. </li></ul><ul><li>Secundidade : narração: traduz ações, eventos e conflitos que se desenrolam e impulsionam a história. </li></ul><ul><li>Terceridade : dissertação: apresentação de argumentos e passagem de premissas para uma conclusão. </li></ul>
  11. 11. As Matrizes da Linguagem e Pensamento <ul><li>Toda secundidade pressupõe uma primeiridade, e toda terceiridade as duas categorias anteriores, sejam elas as próprias matrizes, sejam suas subdivisões. </li></ul><ul><li>Quanto mais tendemos para o universo da primeiridade, maior poder evocador, pois há menos convencionalidade. </li></ul><ul><li>Quanto mais caminhamos para a terceiridade, por outro lado, menores são as possibilidades interpretativas, pois vigora um código que se deve compreender a fim de delimitar a determinar o objeto a que o signo se refere. </li></ul>
  12. 12. Linguagens Híbridas <ul><li>As matrizes não são puras. </li></ul><ul><li>Não há linguagens puras. Todas as linguagens são híbridas. </li></ul><ul><li>Apenas a sonoridade alcançaria um certo grau de pureza se o ouvido não fosse e se não se ouvisse com o corpo todo. </li></ul><ul><li>A visualidade, mesmo nas imagens fixas, também é tátil, além de que absorve a lógica da sintaxe, que vem do domínio do sonoro. </li></ul><ul><li>A verbal é a mais misturada de todas as linguagens, pois absorve a sintaxe do domínio sonoro e a forma de domínio verbal. </li></ul><ul><li>As linguagens híbridas são predominantes em detrimento das linguagens puramente sonoras, visuais e verbais. </li></ul><ul><li>Cinema Poesia </li></ul><ul><li>Música com letra Libras </li></ul>
  13. 13. As Linguagens da Hipermídia <ul><li>Hipermídia: linguagem que convergem: </li></ul><ul><li>o texto escrito (livros, periódicos científicos, jornais, revistas) </li></ul><ul><li>o audiovisual (televisão, vídeo, cinema) </li></ul><ul><li>e informática (computadores e programas informáticos).  </li></ul><ul><li>Linguagem inaugural em um novo tipo de meio ou ambiente de informação no qual ler, perceber, escrever, pensar e sentir, adquirem características inéditas. </li></ul><ul><li>Através do acasalamento da informática com a televisão e as telecomunicações, deverão aparecer sistemas híbridos em co-evolução acelerada. </li></ul>
  14. 14. As Linguagens da Hipermídia <ul><li>A hipermídia é uma linguagem eminentemente interativa , ao final de cada página ou tela, é preciso escolher para onde seguir. </li></ul><ul><li>Hipermídia: enorme concentração de informação que pode se transformar em desorientação se o receptor não for capaz de formar um mapa cognitivo . </li></ul><ul><li>Necessidade de criar roteiros e programas que sejam capazes de guiar o receptor no seu processo de navegação. No entanto, a opção pelo didatismo pode tolher a curiosidade e a vontade da descoberta que deve impulsionar as ações do leitor. </li></ul><ul><li>A hipermídia é um espaço composto de matrizes sonoras, visual e verbal e, em determinados momentos, alguma delas se destaca, utilizando as outras como apoio. </li></ul><ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><li>https://prezi.com/secure/adeaf8138fb2adf87b365be165813ebe512762eb/ </li></ul>

×