Ensino e aprendizagem inovadores   moran - parte 1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Ensino e aprendizagem inovadores moran - parte 1

on

  • 2,012 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,012
Views on SlideShare
2,012
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
21
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Ensino e aprendizagem inovadores moran - parte 1 Presentation Transcript

  • 1. Ensino e Aprendizagem Inovadores com Tecnologias Audiovisuais e Telemáticas José Manuel Moran
  • 2. A construção do conhecimento na sociedade da informação
    • Conhecimento
      • interdependente
      • Interligado
      • Intersensorial
    • Conhecer: compreender todas as dimensões da realidade, captar e expressar essa totalidade de forma cada vez mais ampla e integral.
    • Conhecemos mais e melhor: conectando, juntando, relacionando, acessando, integrando o nosso objeto de todos os pontos de vista, por todos os caminhos, integrando-os da forma mais rica possível.
  • 3. A construção do conhecimento na sociedade da informação
    • Pensar:
      • aprender a raciocinar,
      • organizar logicamente o discurso,
      • submetendo-o a critérios, como a busca de razões convincentes, inferências fundamentadas,
      • organização de explicações, descrições e argumentos coerentes.
      • Ler, escrever, ouvir e calcular: mega-habilidades incrivelmente complexas e sofisticadas.
    • Desenvolvimento de habilidades de raciocínio é fundamental para a compreensão do mundo .
    • Além do raciocínio a emoção facilita ou complica o processo de conhecer.
  • 4. Formas do processamento de informações
    • Lógico-seqüencial:
      • habitual, linguagem falada e escrita
      • sentido construído aos poucos, concatenado, espacial ou temporal
      • contexto oculta-se e revela-se na leitura progressiva
      • depende das habilidades de fazer julgamentos, estabelecer comparações, relações e de comunicá-los aos outros.
      • implica adquirir a lógica e a sintaxe que estão inseridas nessa linguagem.
      • Ex: ler seqüencialmente livros, assistir ininterruptamente filmes, escutar músicas...
  • 5. Formas do processamento de informações
    • Hipertextual:
    • Comunicação linkada através de nós intertextuais, feita como em ondas, em que uma leva à outra, acrescentando novas significações
    • Construção lógica, coerente, sem seguir uma única trilha previsível, seqüencial, ramificando-se em diversas trilhas possíveis.
    • Ex: ouvir histórias interrompendo para solicitar informações, ler livros consultando o significado das palavras, pesquisar navegando pela Internet...
  • 6. Formas do processamento de informações
    • Multimídica:
    • Muito utilizada atualmente, atraente, rápida, sintética
    • Compõe-se juntando-se pedaços de textos de várias linguagens superpostas simultaneamente, compondo um mosaico impressionista, na mesma tela, e que se conectam com outras telas multimídia
    • Leitura cada vez menos seqüencial e mais em flash , rápida, visual, que cria significações provisórias, dando uma interpretação rápida para o todo
    • Construção do conhecimento mais livre, menos rígida, com conexões mais abertas, que passam pelo sensorial, pelo emocional e pela organização do racional; uma organização provisória, que se modifica com facilidade, que cria convergências e divergências instantâneas, que precisa de processamento múltiplo instantâneo e de resposta imediata.
    • Ex: noticiários de TV, anúncios na Internet...
  • 7. A construção do conhecimento na sociedade da informação
    • demandas por respostas instantâneas e resultados imediatos
    • pesquisas síncronas (em tempo real)
    • receber tudo mastigado, em curtas sínteses e com respostas fáceis.
    • tudo tem importância e, em pouco tempo, perde o valor
    • ininterrupto consumo de imagens e sons: navegar na Internet, deixar-se “ficar” diante da televisão, numa salada de dados, informações, narrativas, gêneros, enfoques.
  • 8. A construção do conhecimento na sociedade da informação Convivemos com essas diferentes formas de processamento da informação, dependendo da bagagem cultural, da idade e dos objetivos pretendidos. Se estivermos concentrados em objetivos específicos muito determinados, predominará provavelmente o processamento seqüencial . Se trabalharmos com pesquisa, projetos de médio prazo, interessar-nos-á o processamento hipertextual , com muitas conexões, divergências e convergências. Se temos de dar respostas imediatas e situar-nos rapidamente, precisaremos do processamento multimídico .
  • 9. A construção do conhecimento na sociedade da informação Não podemos permanecer em uma ou em outra forma de lidar com a informação; podemos utilizar todas em diversos momentos, mas provavelmente teremos maior repercussão se começarmos pela multimídica , passarmos para a hipertextual e, em estágios mais avançados, concentrarmo-nos na lógico-seqüencial .
  • 10. A Educação na Sociedade de Informação Ajudar a desenvolver tanto o conhecimento de resposta imediata como o de longo prazo; tanto o que está ligado a múltiplos estímulos sensoriais como o que caminha em decantação, revisão, reformulação. Muitos dados, muita informação não significam necessariamente mais e melhor conhecimento. O conhecimento torna-se produtivo se o integramos em uma visão ética pessoal, transformando-o em sabedoria, em saber pensar para agir melhor.
  • 11. Caminhos que facilitam a aprendizagem
    • Aprendemos realmente quando conseguimos transformar nossa vida em um processo permanente, paciente, confiante e afetuoso de aprendizagem.
    • Permanente , porque nunca acaba.
    • Paciente , porque os resultados nem sempre aparecem imediatamente e sempre se modificam.
    • Confiante , porque aprendemos mais se temos uma atitude confiante, positiva, diante da vida, do mundo e de nós mesmos.
    • Afetuoso , impregnado de carinho, de ternura, de compreensão, porque nos faz avançar muito mais.
  • 12. Conhecimento pela comunicação e pela interiorização
    • informar, relacionar, integrar, contextualizar
    • fazer nosso o que vem de fora
    • desvendar, ir além da superfície, do previsível, da exterioridade
    • aprofundar os níveis de descoberta, penetrar mais fundo nas coisas, na realidade, no nosso interior
    • Conhecer é conseguir chegar ao nível da sabedoria, da integração total, da percepção da grande síntese, que se consegue ao comunicar-se com uma nova visão do mundo , das pessoas e com o mergulho profundo no nosso eu .
    • O conhecimento se dá no processo rico de interação externo e interno .
  • 13. Conhecimento pela comunicação e pela interiorização Conseguimos compreender melhor o mundo e os outros, equilibrando os processos de interação e de interiorização . Pela interação entramos em contato com tudo o que nos rodeia; captamos as mensagens, revelamo-nos e ampliamos a percepção externa. Mas a compreensão só se completa com a interiorização , com o processo de síntese pessoal, de reelaboração de tudo o que captamos por meio da interação.
  • 14. A tecnologia e a construção do conhecimento As tecnologias nos ajudam a realizar o que já fazemos ou desejamos. Se somos pessoas abertas , elas nos ajudam a ampliar a nossa comunicação ; Se somos fechados , ajudam a nos controlar mais. Se temos propostas inovadoras, facilitam a mudança.
  • 15. A tecnologia e a construção do conhecimento
    • Com ou sem tecnologias avançadas podemos vivenciar processos participativos de compartilhamento de ensinar e aprender por meio:
    • da comunicação mais aberta, confiante,
    • de motivação constante,
    • de integração de todas as possibilidades da aula
    • num processo dinâmico e amplo de informação inovadora,
    • reelaborada pessoalmente e em grupo,
    • de integração do objeto de estudo em todas as dimensões pessoais: cognitivas, emotivas, sociais, éticas.
    • utilizando todas as habilidades disponíveis do professor e do aluno.