Shigella Spp. Em Alimentos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Shigella Spp. Em Alimentos

on

  • 22,571 views

 

Statistics

Views

Total Views
22,571
Views on SlideShare
19,528
Embed Views
3,043

Actions

Likes
3
Downloads
283
Comments
0

12 Embeds 3,043

http://microdealimentos.blogspot.com.br 2418
http://microdealimentos.blogspot.com 492
http://www.slideshare.net 58
http://microdealimentos.blogspot.pt 47
http://www.microdealimentos.blogspot.com.br 20
http://webcache.googleusercontent.com 2
http://www.google.com.br 1
http://www.microdealimentos.blogspot.com 1
http://microdealimentos.blogspot.dk 1
http://microdealimentos.blogspot.co.uk 1
http://microdealimentos.blogspot.jp 1
http://microdealimentos.blogspot.mx 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Shigella Spp. Em Alimentos Presentation Transcript

  • 1. Shigella spp. em alimentos Professora Samira Mantilla
  • 2. Características gerais
    • Pertence a Família Enterobacteriaceae
    • BGN, não esporulados, imóveis
    • Espécies com distintos sorogrupos: S. dysenteriae (sorogrupo A), S. flexneri (sorogrupo B), S. boydii (sorogrupo C), S. sonnei (sorogrupo D).
    • Muito relacionadas com E. coli, porém, as shigelas causam disenteria e não diarréia.
    • Mesófilos (mas crescem entre 10 e 40°C)
    • Resistem 5-6% NaCl
  • 3. Características gerais
    • Sensíveis ao calor
    • Fermenta a glicose e outros carboidratos produzindo ácido, mas não gás.
    • Usualmente não fermentam a lactose
    • Não utiliza citrato como fonte de carbono
    • Não forma H2S
  • 4. Características gerais
    • Sensíveis ao calor (mais sensível que E. coli e Salmonella )
    • Indica contaminação fecal recente (germe muito frágil)
    • Habitat: Trato intestinal homens (não está presente nos outros animais- exceção primatas)
    • Disseminação: fecal-oral (alimentos e água podem ser veículos)
    • A falta de higiene pessoal é um fator comum nos casos de infecção alimentar por Shigella
  • 5. Características gerais
    • Alimentos incriminados: mariscos, crustáceos, frutas, vegetais, frango, saladas
  • 6. Características da doença
    • Disenteria bacilar ou Shigelose = fezes com sangue e muco
    • Dose infectante: 10 a 10 2 UFC/g (baixa- provavelmente devido ao fato de resistir bastante a acidez estomacal)
    • PI: 1-7 dias
    • Sintomas:
    • infecção assintomática ou fraca, sem febre ou
    • Disenteria fulminante (fezes mucosanguinolentas com febre, desidratação, e convulsões em crianças)
  • 7. Mecanismos de patogenicidade
    • Shigella invade as células do cólon e reto e os fagócitos morrem por apoptose = resposta inflamatória aguda, acompanhada de disenteria:
    • Perda de sangue e muco/pus, menor volume de fezes do que a diarréia (pois a absorção de água no cólon é inibida)
    • S. dysenteriae: shigatoxina: endocitada e inibe a síntese protéica. Complicações: síndrome de uremia hemolítica (HUS) = falência renal (crianças é fatal)- S. dysenteriae. Ou pode causar síndrome de Reiter.
  • 8. Síndrome de Reiter
    • A síndrome de Reiter é condição rara, de distribuição universal. Acomete preferencialmente indivíduos adultos do sexo masculino.
    • afeta as articulações provocando artrite assimétrica, isto é inflamação com aumento das juntas, principalmente nos membros inferiores (pernas)
    • manifestando-se geralmente após quadro infeccioso disentérico
    • Os sintomas característicos incluem dor nas articulações e rigidez após períodos de repouso
  • 9. Mecanismos de patogenicidade
    • O mo coloniza o cólon e se multiplica no interior de suas células, move-se lateralmente para infectar as células adjacentes =resposta inflamatória intensa =fezes com sangue e muco
  • 10. Mecanismos de patogenicidade
  • 11. Tratamento
    • Antibioticoterapia – cloranfenicol, ampicilina, tetraciclina, trimetropim
    • Resistência múltipla aos antibióticos
    • Vacinas em experimento
  • 12. Controle
    • Higiene pessoal
    • Controle sanitário da água, alimentos
    • Tratamento de esgotos, controle de moscas
    • Isolamento dos pacientes
    • Detecção de casos subclínicos entre manipuladores de alimentos
  • 13. Isolamento e Identificação
    • As diferenciação entre E. coli e Shigella é difícil já que são bastante similares.
    Propriedade E. coli Shigella ssp. motilidade + - Fermentação sacarose + - Fermentação lactose + - Produção de gás + -
  • 14. Isolamento e Identificação
    • Enriquecimento seletivo –Caldo Gram negativo (GN)
    • Possui triptose, citrato e desoxicolato de sódio (inibem G+ e coliformes); manitol, tampão fosfato (para evitar que o meio fique muito ácido e elimine a Shigella)
    • Incubação temperatura 37°C/20h
  • 15. Isolamento e Identificação
    • Isolamento:
    • Ágar xilose desoxicolato lisina (XLD): colônias transparentes ou rosas- não usa xilose
    • Ágar MacConkey (pouco seletivo)– lactose, sais biliares e cristal violeta (inibem G+), vermelho neutro indicador: colônias incolores –não usa lactose
    • Incubação 35-37°C/24h
  • 16. Ágar MacConkey Fermenta lactose, não fermenta
  • 17. Ágar XLD- Shigella
  • 18. Isolamento e Identificação
    • Triagem
    • Selecionar 3-5 colônias/placa:
    • TSI: base amarela, bisel vermelho, sem gás e sem H 2 S
  • 19. Isolamento e Identificação
    • Identificação bioquímica
    • Citrato (-)
    • Caldo púrpura de bromocresol com lactose (-)
    • Com sacarose (-)
    • Com glicose (+) e outros carboidratos
  • 20. Citrato - Motilidade - Fermentação de CHO
  • 21. Isolamento e Identificação
    • Sorologia
    • Soro polivalente
  • 22. Referências
    • APHA Compendium of Methods for the Microbiological Examination of Foods, 4th Ed., 2002
    • FORSYTHE, Stephen J . Microbiologia da segurança alimentar. Porto Alegre:Artmed, 2002. 424p
    • FRANCO, Bernadete Dora Gombossy de Melo; LANDGRAF, Mariza. Microbiologia dos alimentos . São Paulo: Atheneu, 2004. 182 p.
    • JAY, J.M. Microbiologia Moderna de los Alimentos. , Zaragoza: Editorial Acribia, 1994
    • SILVA, Neusely da; JUNQUEIRA, Valéria Christina Amstalden; SILVEIRA, Neliane Ferraz de Arruda. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. 2. ed rev atual. São Paulo: Varela, 2001. 317 p.
    • Sousa, Ana Elisabete Simões et al. Síndrome de reiter: relato de caso. An bras Dermatol, Rio de Janeiro, 78(3):323-330, maio/jun. 2003.